9

A Geopolítica do inglês e a tradução cultural no programa educacional de cooperação
internacional Erasmus Mundus no ensino superior do Brasil.

Laura Diva Forte Vieira1

Resumo: O presente artigo, pretende demonstrar que, dentro do projeto Erasmus
Mundus, a língua inglesa é importante para a comunicação entre as universidades
europeias e brasileiras. Ao mesmo tempo, os europeus desprezam a utilização da língua
inglesa nos países de línguas neolatinas como Portugal, Itália, Espanha e França,
quando utilizada pelos estrangeiros nestes locais devido à mundialização do inglês
através da cultura norte-americana. Para essa discussão foram utilizadas as teorias de
Mathews (2002) e Bauman (2006).
Palavras-chave: Língua inglesa, tradução, Erasmus Mundus, União Europeia.

Introdução

De acordo com Lacoste e Rajagopalan (2005) a geopolítica é toda rivalidade de poderes (e
de influências) sobre territórios. A abordagem geopolítica de uma língua não se limita a examinar
no mapa o alcance de sua extensão e seus limites com outras línguas.

Em outros dois dicionários da língua inglesa (Collins COBUILD e Random House
Webster’s) foram encontrados definições de geopolítica como sendo o interesse pela geografia e
pela política. O termo tem sido utilizado na suposição de que o prefixo “geo” signifique, de uma
forma ampla, “fazer referência a terra”. Já o termo geopolítica, poderia ser definido como “uma
visão ou modo de política com um interesse pelo esquema planetário em sua totalidade”.
Entretanto, só recentemente pensou-se em propor o termo “geolinguística”, que não tem sido
encontrado em trabalhos de referência e que poderia ser definido como “um ponto de vista ou
estudo da linguagem em relação com o esquema planetário da vida em sua totalidade”.
(Beaugrande, 2005).

Há séculos, a difusão de uma língua em determinados territórios em detrimento das
línguas que até então eram faladas ali traduz rivalidades de poderes nesses territórios. Na época
colonial, a língua de cada uma das potências colonizadoras se propagou entre as populações que
ela dominava com o auxílio das classes sociais que participavam ativamente do processo de
modernização forçada que foi a colonização. Em nossos dias, aquilo que podemos chamar de
neoimperialismo não tem mais necessidade de conquistar territórios para exercer sua dominação
econômica e cultural. De algumas décadas para cá, o inglês também se propaga no plano mundial
como a língua da globalização, que engloba cerca de trinta Estados de línguas diferentes e que
tem necessidade de uma língua comum, ao menos em meio às categorias sociais mais
“globalizadas” de sua população. (LACOSTE; RAJAGOPALAN, 2005).

1 Coordenadora de Mobilidade acadêmica da UFPA, lauradivavieira@gmail.com

A Palavrada  Bragança - PA  Número 6  p. 09-24. julho-dezembro/2014. ISSN-2358-0526

” Foi assim. No início. mandou que seus filhos procurassem a irmã desaparecida. mas em todas elas há um ponto em comum – a Europa é mostrada como um local de aventura. No final das duas guerras mundiais. Na segunda versão. a Princesa Europa foi raptada por Zeus disfarçado de touro e o pai dela. Na última versão. ISSN-2358-0526 . com o objetivo de promover a UE como polo de excelência em matéria de aprendizagem no mundo e promovendo a visibilidade e a atratividade do ensino superior europeu em paises terceiros. Cadmon. desembarcou na Trácia e explorou as terras que mais tarde receberam o nome de sua irmã desaparecida. Bauman (2006) cita três versões para a criação da Europa. pois a Europa não é algo que se descubra . pois com a miscelânea de povos e diversas nações. havendo criado importantes núcleos e culturas como os Egípcios. construída. há um entrelace nestas três histórias. os Romanos. os Gregos. Agenor. Sem. É melhor arranjar uma vaca. Foi concebido para ser um programa de cooperação e de mobilidade no dominio do ensino superior. Segundo Bauman (2006). Cam e Jafé. a Europa tornou-se refém de sua própria expansão. Na primeira versão. construa uma cidade. os fenícios se puseram além-mar para encontrar o continente mítico e acabaram por se apossar de uma realidade geográfica que se tornou a Europa. Aos poucos. pois. segui-la e forçá-la a ir em frente. a fim de contribuir para o seu desenvolvimento. propósito e trabalho árduo para realizar essa missão. sem descansar. mas Pitonisa concedeu a Cadmon um conselho prático: “Você não vai encontrá-la. pois faz-se necessário muita criatividade. perguntou ao Oráculo sobre o paradeiro dela. 10 O projeto de mobilidade acadêmica ERASMUS MUNDUS foi lançado em 2004 e é financiado pela União Europeia (UE). Em Delfos. mas uma missão a ser criada. ficaram duas lições : a Europa se autodestruiu e ela não era mais o centro do mundo. 09-24. julho-dezembro/2014. A Grécia antiga foi o berço da civilização ocidental e da democracia e o Império Romano expandiu-se por todo o continente. Rei de Tiro. etc. A Europa e os mitos de sua criação Europa é um nome feminino e tem a ver com fertilidade. visto que a hegemonia mundial deixaria de ser europeia e dois A Palavrada  Bragança . segundo a história. navegou até Rhodes. enquanto os Estados Unidos da América foram se desenvolvendo alheios a este clima de guerra. pairava um clima de desconfiança em que alguns países ameaçavam invadir outros. que tiveram seu início na Europa. que Tebas foi fundada. os Fenícios.PA  Número 6  p. enviou este último à Europa para que lá seguisse o mandamento de Deus: « Sede. As versões diferenciam-se umas das outras. Um deles. fecundos e multiplicai-vos sobre a terra abundantemente » (Gênesis 9:7). a Europa era um amplo território composto por diversos povos e costumes. quando Noé dividiu o mundo entre os seus três filhos. após o dilúvio. No lugar em que ela cair exausta.

Irlanda. a fim de lançar o processo de integração através de recursos e políticas em torno destas duas grandes matérias-primas estratégicas da época. Áustria. Chipre. tendo em vista a formação de uma união aduaneira entre os seis A Palavrada  Bragança . a União Europeia foi criada com o objetivo de pôr fim às frequentes guerras sangrentas entre países vizinhos. espanhol. Eslovénia. esloveno. Romênia e Suécia. Letônia. inglês. dinamarquês. ISSN-2358-0526 . português. Eslováquia. República Checa. Malta. A União Europeia tem 23 línguas oficiais e de trabalho: alemão. Dinamarca. Portugal. grego. Esse grupo internacional formado voluntariamente e pacificamente é o maior do mundo: quase meio bilhão (495 milhões) de cidadãos que enfrentam juntos os desafios de nosso tempo. francês. Segundo Guillemette e Villa (2007). os países integrantes da UE são: Alemanha. eslovaco. Finlândia. Lituânia. romeno e sueco. político e social composto atualmente de 27 países europeus que se comprometeram a trabalhar pela paz e pela prosperidade. A união europeia A União Europeia (UE) é um bloco econômico. 11 novos grandes Estados emergiam antagonicamente – de um lado os Estados Unidos e do outro a União Soviética. Luxemburgo. França. Eventos importantes na história da União Europeia De acordo com o Livro Azul (2008). checo. ministro francês das Relações Exteriores. Polônia. búlgaro. que culminaram na Segunda Guerra Mundial. Bélgica. italiano. Hungria. A Europa assistia impotente ao desenrolar dos acontecmentos. os seis Estados-Membros fundadores (Alemanha. irlandês. finlandês. após tantos séculos de domínio sobre o mundo. Bélgica. o que hoje conhecemos como União Europeia (UE) nasceu como uma grande aposta de paz numa Europa que se esforçava por esquecer as profundas marcas causadas por duas guerras mundiais. pois acreditava que esta comunidade evitaria uma nova guerra entre a França e a Alemanha. 09-24. Assim. lituano. Reino Unido. o nove de maio passou a ser “Dia da Europa”. Robert Schuman. Espanha. Em nove de maio de 1950. polaco. Dois mundos diferentes em que a paz foi conseguida pelo pavor à terceira guerra mundial. Estônia. Grécia. maltês. o Tratado de Roma cria a Comunidade Econômica Europeia (CEE) e a Comunidade Europeia da Energia Atômica (EURATOM). Países Baixos (Holanda). Itália. Em 1951. neerlandês. letão. França. apresenta seu plano para uma cooperação aprofundada. Itália. Bulgária. húngaro. Em EUROPA (2010). julho-dezembro/2014. Em 1957. Luxemburgo e Países-Baixos) assinaram o Tratado de Paris constituindo a Comunidade Europeia do Carvão e do Aço (CECA). estônio.PA  Número 6  p.

uma visão moderna. o Tratado da Comunidade Europeia da Energia Atômica (EURATOM). por ministros ligados à Educação de 29 países do velho continente. A Palavrada  Bragança . mas. por almejar um objetivo gigantesco. Croácia e Turquia aspiram para entrar na UE. “Plano de Ação da Comunidade Europeia para a Mobilidade de Estudantes Universitários”. O Programa Erasmus foi criado em 1987 e tornou-se o condutor na modernização do ensino superior na Europa. outros Estados-membros foram aderindo ao bloco até constituir os 27 atuais e. interna e externamente. no domínio do Ensino Superior.EM ECW) O surgimento do Programa Erasmus Mundus – Janela de Cooperação Externa ocorreu pelo sucesso do Programa Erasmus (acrônimo do nome oficial em idioma inglês: European Region Action Scheme for the Mobility of University Students. e continua a ser. uma das maiores do século XX. inspirando o estabelecimento do Processo de Bolonha. 09-24. Aos poucos. Sem dúvida nenhuma.. Os tratados que definem a União Europeia são: o Tratado da Comunidade Europeia do Carvão e do Aço (CECA). O Tratado de Bolonha foi firmado em 1999. o novo cidadão europeu passará a ser o grande agente transformador. uma tarefa impressionante. através do Euro. mais recentemente. os créditos multivalidados e os estudantes tendo livre mobilidade. Neste último tratado. (2007). a construção europeia foi. 12 Estados-Membros e a definição de uma série de políticas comuns que seriam decididas e geridas pelas instituições de que este tratado se dotava. assim como a confirmação de uma Constituição Política para a União Europeia e a integração monetária. o Tratado da Comunidade Econômica Europeia (CEE).) que só abrangia os Estados-membros da UE. de nível mundial. O programa Erasmus Mundus – Janela de cooperação externa (Erasmus Mundus external cooperation window . sofre lacunas e omissões de suma importância.uma região em que os currículos são unificados. ISSN-2358-0526 . Tudo isso visando a aumentar a competitividade europeia no cenário mundial. cujo documento prevê a criação do Espaço Europeu de Ensino Superior . que estabelece fundamentos da futura integração política. o Tratado da União Europeia (UE) e o Tratado de Maastricht. Tem por objetivo tornar a União Europeia um polo de excelência. Conforme Flores Jr. julho-dezembro/2014. se destaca acordos de segurança e política exterior.PA  Número 6  p. consolidando. própria a este território único em perpétua construção. O Erasmus Mundus é um programa de cooperação internacional e mobilidade no âmbito do Ensino Superior que apoia projetos entre a Europa e países terceiros.

PA  Número 6  p. sob a supervisão de Directorate-General for Education and Culture (DG EAC of the European Commission) e EuropeAid Co-operation Office (DG AIDCO of the European Commission). cujas viagens pela Europa o levaram a grandes centros de aprendizado como Paris (França). Erasmus de Rotterdam tornou-se o pioneiro das doações à mobilidade quando deixou sua fortuna à Universidade de Basel. da chamada de 2009. É a integração da Europa com os outros continentes. visando fomentar o desenvolvimento de pessoal. Este programa tem a denominação de “Erasmus Mundus” em homenagem ao humanista e teólogo holandês Desiderius Erasmus de Rotterdam (1465-1536). de forma que após tais ajustes mútuos as políticas de um determinado setor. 13 Para se entender melhor o que é Cooperação Internacional. bem como promover o diálogo e a compreensão intercultural. passam a ser vistas como facilitadoras da realização de objetivos por todos os demais países”. Em relação ao Brasil. Audiovisual and Culture Executive Agency). O Programa Erasmus Mundus foi assinado pelo governo brasileiro através do Memorando de Entendimento. 09-24. visto que o Erasmus Mundus está dividido em lotes. O órgão responsável por todas as atividades do Erasmus Mundus é EACEA (Education. este artigo se refere ao Erasmus Mundus do lote 15. na Suíça. especialmente de países não membros da UE para Estados-Membros da UE. ISSN-2358-0526 . mediante a cooperação com países terceiros. em 2007. com o propósito de incentivar o intercâmbio entre estudantes. de modo a promover a cooperação entre instituições de ensino superior. Objetivos do Programa A Palavrada  Bragança . Keohane (1984) descreve o conceito: “Ajustes mútuos em políticas de governos num determinado setor por meio de um processo de coordenação política entre países. o programa dá grande importância à mobilidade através do aprendizado. dependendo da região geográfica. a partir da intensificação da cooperação com outros países de fora do bloco socioeconômico. Leuven (ou Louvain. na Bélgica) e Cambridge (Inglaterra). Este programa é financiado pela União Europeia e tem como meta reforçar a qualidade e a capacidade de competição e de cooperação internacional das universidades europeias. julho-dezembro/2014. seguidas por qualquer desses países. A Janela de Cooperação Externa A Janela de Cooperação Externa é uma iniciativa lançada pela Comissão Europeia. Assim como o homem. organizados. pesquisadores e pessoal acadêmico e apoiar a mobilidade.

14 Os principais objetivos deste programa de mobilidade são: promover a mobilidade de estudantes e de pessoal acadêmico ao nível mundial. UFRJ. assim como pessoal acadêmico (para ensino. de competências e de conhecimentos especializados. UFG. Cada parceria é composta por um mínimo de cinco universidades europeias oriundas de. pelo menos. As redes formadas no Brasil são compostas por universidades europeias e brasileiras. as universidades brasileiras participantes do projeto são federais ou estaduais. UFAM. UPF. UFPA. 09-24. Entre elas estão: PUCPR. a Comissão Europeia seleciona as parcerias entre universidades da UE e de países parceiros.PA  Número 6  p. UFF. UFPE. pelo menos. A Palavrada  Bragança . UNB. uma universidade oriunda de cada um dos países parceiros. Instituições de Ensino Superior Brasileiras participantes Em geral. UFMT. Duração da Mobilidade e Benefícios A duração da mobilidade pode variar entre um e trinta e quatro meses. Algumas destas universidades brasileiras participam em mais de um consórcio Erasmus Mundus. formação e pesquisa) de universidades conveniadas. coordenadas por uma universidade europeia. com vista à organização dos intercâmbios. julho-dezembro/2014. e desenvolver o papel do Ensino Superior no intercâmbio do Conhecimento. UNIFESP. USP. UEA. UFMG. UFSC. UFRGS. seguros e taxas. Funcionamento das Parcerias/Consórcios A criação das parcerias no programa Erasmus Mundus funciona desta forma: primeiramente. UFMS. três Estados-Membros da UE e por. UNICAMP. abrir caminho ao reconhecimento internacional de estudos e qualificações. aumentar a cooperação internacional entre Instituições de Ensino Superior. a um valor mensal que pode variar entre 1000 e 2500€. UFC. doutorado ou pós-doutorado. incluídos numa dada área geográfica. Quem pode participar no Programa Erasmus Mundus Estudantes de graduação. Terão direito. UFBA. ISSN-2358-0526 . e os candidatos selecionados poderão receber apoio aos custos de viagem. UNESP. também.

Toda a documentação que o candidato à bolsa de estudos deve submeter deve ser em língua inglesa. mas. Diante de países derrotados. a única superpotência no espaço euroasiático e. os estudiosos da geografia política concordam que sua fase clássica diz respeito aos autores e obras responsáveis pelos primeiros estudos e reflexões. que formularam conceitos e teorias fundamentais e marcaram profundamente o desdobramento deste ramo de conhecimento. Após o retorno de uma viagem aos Estados Unidos. com a URSS (União das Repúblicas Socialistas Soviéticas). mesmo que ele esteja se candidatando a uma universidade europeia em que a língua oficial não seja o inglês. visto que o alemão era um intelectual preocupado com o destino da Alemanha e participava de várias atividades acadêmicas voltadas para a questão nacional. a supremacia dos norte-americanos. Sua nova posição estratégica consolidava-se e passava a definir todos os seus objetivos e ações no plano externo. o poder mundial estava. especialmente Geografia Política. Essa nova responsabilidade em escala mundial alterou a política global e repercutiu nas análises sobre a situação internacional. Os Estados Unidos tornavam-se os guardiões do “Ocidente livre” e dos valores do sistema capitalista internacional. 09-24. Ele ressalta a importância do alemão Friedrich Ratzel e do conjunto de suas obras. 15 O idioma utilizado para comunicação entre os parceiros europeus e brasileiros é o inglês. de 1897. tornara-se o grande provedor dos capitais necessários às suas reconstruções. além de vitorioso.PA  Número 6  p. Geografia política x Geopolítica Segundo da Costa (2010). de um lado. após a Segunda Guerra Mundial. Em 1945. também. a situação dos Estados Unidos era a mais favorável entre todas as grandes potências da época. alternando estudos de geografia geral com pequenos estudos sobre problemas geográfico-políticos. do outro lado. como Alemanha e Japão. não apenas por seu poderio militar. ele ficou muito impressionado e esta experiência influenciou suas pesquisas. por sua grandeza econômica. A Geopolítica do Pós-Guerra no Quadro Internacional O autor Costa (2010) descreve que. A Geopolítica do inglês – Uma língua global A Palavrada  Bragança . o país. julho-dezembro/2014. ISSN-2358-0526 . A UE adotou o inglês como a língua da internacionalização.

ISSN-2358-0526 . durante séculos. A Europa nunca tinha enfrentado a ameaça de ser conquistada por outro continente ou obrigada a obedecer a um império. Joseph Nye (apud BAUMAN. 09-24. Características da Geopolítica do Inglês A Palavrada  Bragança . A língua francesa luta para manter-se no panorama mundial. enfrentados. seguro e rico. Sabe-se que os Estados Unidos detêm a supremacia nos quatro domínios do poder global: poder militar. Comungo com Bauman a opinião de que a dominação americana sobre o resto do mundo provavelmente continuará por longo tempo. a Europa sentiu-se a rainha do planeta e agia como se assim o fosse. visto que já teve posição de dominância no passado e. 2006). Percebe-se que desde a Segunda Guerra Mundial. fica claro que as línguas são o reflexo das relações de força” (RAJAGOPALAN. menos perigoso e mais digno. desestruturados.PA  Número 6  p. nenhuma nação ficou tão acima das outras”. a língua inglesa não para de progredir. conseguiu ser reconhecida como língua oficial de trabalho na Organização das Nações Unidas (ONU). SILVA. 16 É interessante tomar conhecimento da visão do sociólogo polonês Bauman quando comenta que. Jamais a Europa tinha sido olhada de cima e considerada como potência de segunda classe. no Conselho da Europa e na Organização do Tratado Atlântico Norte (OTAN). já que a reivindicação de hegemonia planetária da terra do Tio Sami surgiu depois que todos os impérios previamente estabelecidos foram. com muito esforço. 2004). A Europa acreditava que cada conquista de território era um ato enobrecedor e que os conquistados sentiam-se elevados às alturas do verdadeiro conhecimento e da moralidade humana. 2006) constata que “desde Roma. tecnológico e cultural. julho-dezembro/2014. um a um. forçados a se retirar ou pressionados a implodir. “Se a geopolítica pode ser definida como a análise das rivalidades de poder sobre um determinado território. obrigada a obedecer a um império estrangeiro e ter que observar padrões de vida defendidos e praticados por outros (BAUMAN. já que ela oferecia o modelo de vida superior – mais aparelhado. econômico. A inesperada elevação dos Estados Unidos à superpotência pegou de surpresa a hegemonia europeia.

geralmente de ex-colônias. dos negócios. Para alguns. na Nova Zelândia e na África do Sul e nestes núcleos o inglês é a língua materna. 09-24. as produções musicais difundidas pelas rádios e televisões. Sobre as novas fronteiras da geopolítica do inglês. para outros. da pesquisa. tornando-a atraente. mas. Há outros núcleos. mas porque é considerada a língua do progresso. dos homens que são seguros de si e podem ser copiados como modelo. sem deixar de ser a língua da liberdade de espírito. na Austrália. a moda e o comportamento das celebridades. Há ainda outra categoria de países que não foram colonizados pela Inglaterra. na América do Norte (Estados Unidos e Canadá). tornando-se a língua da globalização. É o caso da China. não podemos fechar os olhos pela onda do antiamericanismo que se propaga pouco a pouco pelo mundo. isso é explicado pelo fato de ser a língua materna. Não há nenhuma população que não se sinta atraída pelo inglês. da conquista material. ou o globishii. do comércio. mas que escolheram o inglês como língua internacional. onde o inglês não é a língua materna da grande maioria da população. Este idioma está um pouco presente em todos os lugares do mundo e. 17 A principal característica do inglês é que ele já está difundido mundialmente. a comunicação através das grandes agências de notícias. julho-dezembro/2014. que são copiadas pelos jovens de diversas culturas ao redor do globo. pelo fato da influência colonial que durou por muito tempo. pelo fato ser uma língua de peso político e pelo seu sucesso nas diversas áreas. de acordo com Rajagopalan e Silva (2004). especialmente a Índia. devido ao dólar. Para a grande maioria. que é a moeda utilizada para parâmetro de comparação econômico pela maioria dos governos. do Egito e dos Emirados do Golfo Pérsico. o setor de atividade econômica mundial que influencia os mercados internacionais ainda é o Fundo Monetário Internacional e o Banco Mundial. como no caso do Paquistão. em grande parte pela influência direta ou indireta dos Estados Unidos: o cinema de Hollywood. da indústria e da cultura. da riqueza. devido à “arrogância e a certas atitudes tomadas pela nação norte- A Palavrada  Bragança . ISSN-2358-0526 . mas é a língua do poder. os principais núcleos se encontram na Europa (Reino Unido). de comunicação. não se deve à Grã- Bretanha.PA  Número 6  p. da ciência. Entretanto. além do que. A difusão mundial do inglês. da inovação. Bangladesh e. O inglês vai se tornando universal não apenas por uma questão de geografia. Rajagopalan e Silva (2004) destacam que este idioma teve uma geopolítica relativamente simples.

com isso. 09-24. 18 americana”. visto que os bolsistas participantes de mobilidades carregam elementos culturais formados por fragmentos de diversas culturas e estas contínuas transformações culturais exigirão deles que a identidade deles seja atualizada constantemente. entretanto. isso parece confuso. Para Mathews (2002). o mundo de hoje se assemelha a um shopping. na medida em que os meios de comunicação em massa e o capitalismo transformam a maneira como a cultura é experimentada. Cultura global e supermercado cultural As sociedades. Ele declara que o supermercado cultural tem como pressuposto que qualquer um pode fazer ou acreditar em qualquer coisa que deseje. Multilinguismo. Docal (2010) acrescenta que a mundialização acelerada provoca como reação um reforço do desejo de identidade. contanto que não fira diretamente outras pessoas. pelos vínculos de identidade que existem entre seus membros e “planetárias” porque transcendem todas as fronteiras. com dialetos (caso da Itália) e com línguas e dialetos de crescente população imigrante (caso do Reino Unido). É a aceitação da diversidade.PA  Número 6  p. 23 línguas oficiais. algumas coexistindo com várias línguas oficiais (caso da Espanha). de uma forma geral. a um mercado. Mathews (2002) afirma ainda que a nossa era experimenta novidades. Hoje em dia. já que as comunidades são como tribos. Intercompreensão. devido à intensa velocidade de transformação que experimentamos nos tempos modernos. 1.1. visto que nós pertencemos a uma cultura específica. Amin Maalouf (apud DOCAL. 2010) disse que estamos no tempo das “tribos planetárias”. A Palavrada  Bragança . não param de se modificar e. a um supermercado. Mathews (2002) critica o conceito de cultura como “modo de vida de um povo”. Programas de cooperação como o Erasmus Mundus fomentam o acesso ao supermercado cultural. há um espaço globalizado onde a cultura está disponível para consumo no chamado “supermercado cultural global”. Plurilinguismo. Interculturalidade A Europa é como uma colcha de retalhos de identidades culturais e linguísticas formada por 450 milhões de europeus. destaca Docal (2010): 27 países. Rajagopalan e Silva (2004) destacam que “a fragilidade do inglês reside no risco de desmedida provocado pelo imenso poder dos Estados Unidos”. as culturas sofrem constante mutação. julho-dezembro/2014. ISSN-2358-0526 .

tanto em nível informativo como em nível emocional. Tradicionalmente. espanhol e. encontramos uma distinção entre o conceito de plurilinguismo e multilinguismo: o Multilinguismo é uma abordagem de ação social. após um primeiro contato em língua inglesa. 19 Tanto o Conselho da Europa como a União Europeia assumem em seus textos uma postura de defesa aberta do plurilinguismo. Em vez de se utilizar uma língua terceira entre dois falantes de línguas diferentes. No Marco Comum Europeu de Referência para as Línguas (MCERL) (apud DOCAL 2002). Desde 2004. A Palavrada  Bragança . o próprio romeno. ou seja. A « intercompreensão em línguas românicas». os enfoques comunicativos para se falar uma língua eram os do falante nativo: o objetivo era alcançar a aquisição de um grau de competência linguística que se aproximasse o máximo possível de uma pessoa originária do país. O projeto Galanet é um programa da Comunidade Europeia. Hoje. todos idiomas de origem latina. é claro. a competência plurilíngue constitui a base da intercompreensão. Deste modo. surge o novo modelo do “falante intercultural” que é a pessoa que tem conhecimentos de uma. julho-dezembro/2014. ISSN-2358-0526 . que pode ser definida como um processo de interações que se produz entre indivíduos ou grupos que pertencem a sistemas culturais heterogêneos. ou preferencialmente mais culturas e identidades sociais e que desfruta da capacidade de descobrir e de relacionar-se com novos contatos. italiano. De acordo com Docal (2010). visto que as línguas são originadas da mesma ramificação linguística. tornou-se nos últimos anos um campo de pesquisa fecundo. a competência plurilíngue e pluricultural incorpora a interculturalidade. A Intercompreensão é uma situação de diálogo em que pessoas de línguas diferentes continuam a falar ou a escrever as línguas delas sem deixar de se compreender. O Plurilinguismo é uma abordagem de ação individual. os falantes de português. ou seja. francês. a compreensão será sempre melhor quando os dois interlocutores conhecerem a língua do outro. nos países de origem latina. facilitada pelas semelhanças das línguas provindas do latim. 09-24. não se faz necessário aprender o idioma do outro. a plataforma Galanet tem se relevado como sendo uma eficiente ferramenta que proporciona uma autêntica experiência de intercompreensão linguística. cujo objetivo é estimular a intercompreensão entre os romanófonos. os parceiros utilizam a intercompreensão. facilitando a comunicação.PA  Número 6  p. No Projeto Erasmus Mundus a língua inglesa é utilizada nas comunicações e documentos entre as universidades parceiras. É o conhecimento de várias línguas ou a coexistência de línguas distintas em uma determinada sociedade. Entretanto.

trasladar de uma língua para outra”. de modo restrito. etimologicamente significa “conduzir além”. A recente movimentação dos Estudos de Tradução em direção à área dos Estudos Culturais ocorreu a partir da percepção nos últimos anos.PA  Número 6  p. 20 Tradução cultural e estudos culturais O magnífico escritor e tradutor italiano Umberto Eco afirmou que “a tradução é a língua da Europa”. como uma metáfora para descrever outros fenômenos parecidos. qualquer operação de transferência entre códigos ou. Antigamente. uma operação de transferência linguística e. de modo amplo. hoje. ISSN-2358-0526 . comunicação. Atualmente. julho-dezembro/2014. abrange áreas como línguas. filosofia e uma variedade de tipos de estudos culturais. são empregados. também “transpor. mas uma relação de mútua dependência entre si. Traduzir no sentido de “passar de uma língua a outra” é uma metáfora do ato físico de transferir. “transferir”. tradução) nem de equivalência (original = tradução). ou seja. seu leque de significados é muito amplo e além do original “transferir” quer dizer. Assim. e o substantivo derivado tradução. Os Estudos de Tradução têm tomado outro rumo e a antiga preocupação apenas com os aspectos linguísticos vem dando lugar à atenção com os problemas de ordem intercultural. A Palavrada  Bragança . A tradução tem como objetivo a comunicação e o tradutor desempenha o papel de mediador cultural. linguística. a tradução pode ser considerada uma poderosa ferramenta de democratização e comunicação intercultural. dentro de códigos. traduzir designa. 2003). uma relação de oposição (original vs. explanar”. a tradução era considerada uma subdivisão da Linguística e. o próprio verbo traduzir. “revelar. e o elo inseparável entre língua e cultura tornou- se o foco do interesse acadêmico (BASNETT. Munday (2002) também declara que os Estudos da tradução são uma nova disciplina acadêmica relacionada ao estudo da teoria e o fenômeno da tradução. Guerini e Costa (2007) definem apropriadamente os termos traduzir e tradução ao descreverem que a palavra traduzir deriva do latim traducere e. De natureza multilíngue e interdisciplinar. “representar. segundo o dicionário Aurélio. explicar. é entendida como uma área de investigação interdisciplinar. Por sua vez. inclusive. 09-24. de que os textos. a leitura e a tradução devem ser construídos de acordo com as circunstâncias. Em função da globalização e da internacionalização dos mercados e das culturas. simbolizar”. os textos não podem manter entre si. com frequência. manifestar. entre outras coisas.

julho-dezembro/2014. mas o seu verdadeiro sentido. em 1988. assim como as várias subtilezas do significado das palavras. O curso de tradução pode ajudar a abrir a mente do profissional para que ele entenda a questão cultural. A importância dos cursos de Tradução Segundo Martins. o inglês é o idioma universal falado por mais de 200 milhões de pessoas que o utilizam como segundo idioma. o tradutor precisa também estar inserido no contexto em que está trabalhando e sua preocupação não se restringe mais apenas em relação às línguas de trabalho. mas também o contexto e o estilo do original. Para que a “condução” de uma cultura para outra possa ser realizada sem muitas perdas. Para traduzir corretamente. Muitos textos estão associados a uma determinada cultura que têm de ser traduzidos de forma diferente em função do público a que se dirigem para torna-los acessíveis a pessoas de culturas ou regiões geográficas diferentes.PA  Número 6  p. houve o reconhecimento da tradução como uma profissão liberal no Brasil e isso representou um grande incentivo ao oferecimento de cursos de formação de tradutores. o tradutor deve ter meios para desenvolver a chamada “competência tradutória” que é a reunião de conhecimentos. econômico. 21 Atualmente. ideológico e dos Estados Unidos. tem de se ter em conta não só a estrutura e a gramática. 09-24. significando para A Palavrada  Bragança . técnicas e experiências que o levarão a produzir um trabalho de qualidade. Considerações finais Segundo Mattos (2001). que não só geraram valiosas ferramentas de auxílio à tradução como também criaram novas modalidades de prática Além disso. O bom tradutor deve ter conhecimentos de caráter cultural ou estilístico. O tradutor deve ser capaz de compreender o que diz o texto: não só as palavras. ISSN-2358-0526 . isto é. a partir da segunda metade do século XX observou-se uma grande expansão da atividade tradutória devido principalmente à intensificação da comunicação mundial e aos grandes avanços tecnológicos. O inglês tem um alcance político. A difusão desta língua é um fenômeno global. pois ele passou a ser um mediador de culturas. a mensagem que o autor quer transmitir.

2003. Intercultural Communication Studies. 09-24. a se expressarem em inglês. n. um semestre. por causa da influência norte-americana. and translatability. quando estes são falantes de línguas neolatinas como francês. Tradução de Vivina de Campos. Emecé. pude constatar que os alunos europeus que chegam a Belém.> Acesso em: set. adotado pela UE também é uma forma para combater a hegemonia do inglês. 14. 1996. todas europeias. Rio de Janeiro: J. visto ser um curso multidisciplinar.PA  Número 6  p. Susan. em uma instituição de ensino superior federal. BEAUGRANDE. A graduação de Bacharelado em Tradução é excelente também para o profissional que trabalha com cooperação internacional. que proporcionam ao tradutor técnicas de suma importância para que ele seja capaz de exercer sua atividade com desenvoltura no cotidiano profissional. II e III. sem fluência na língua portuguesa. espanhol e italiano. ou um português pobre. Referências BASSNETT. Trabalhando com o projeto Erasmus Mundus de mobilidade acadêmica. geolinguistics.edu/iaics/content/2005v14n4/02%20Robert%20de%20Beaugrande. V.pdf. e dão preferência a um diálogo utilizando-se de suas línguas maternas. deficiente. mesmo sendo fluentes nessa língua. Saber transpor culturas é condição sine qua non para um excelente trabalho de tradução. Trad. pelo menos. Jorge Luis. ISSN-2358-0526 . Robert de. A Palavrada  Bragança . Carlos Alberto Medeiros. 2005. julho-dezembro/2014. Geopolitics. temos o papel predominante dos Estados Unidos na cena mundial e ditam as diretrizes para a condução das geopolíticas e das rivalidades entre este país e o resto do mundo. BORGES. muitas vezes. 4. Barcelona.uri. Como consequência. há de se questionar a substituição da hegemonia de uma única língua pela hegemonia de diversas. Todos os lugares e sociedades onde o inglês é assentado contribuem para manter a cultura norte. e utilizando a língua inglesa para comunicação entre os países europeus. para estudar aqui por. Entretanto. Obras Completas.americana. O multilinguismo. com diversos fundamentos teóricos e práticos. Disponível em: <http://www. sua eficácia para o resto do mundo não é tão evidente. Zahar. recusam-se. Zygmunt. Embora esta proposta seja uma arma para enfrentar a soberania da língua inglesa no contexto europeu. ou diversidade linguística. 2006. 2010. além do que o tradutor precisa ser pluricultural. Esta constatação deve-se ao fato de que a UE tenta combater a hegemonia do inglês. através deste projeto de intercâmbio. I. BAUMAN. 22 diversas comunidades a língua de ascensão e de prestígio. v. Europa: uma aventura inacabada . Estudos da Tradução. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Seminário sobre a Europa da II Conferência nacional de Política Externa e Política Internacional: “O Brasil no mundo que vem aí”.scribd. 2008- MARTINS.) A geopolítica do inglês. LACOSTE. After Hegemony: Cooperation and Discord in the World Political Economy. P.PA  Número 6  p.europa.htm. F. Marcia A.eu/education/languages/languages-of-europe/doc135_pt.ufsc.) . 20. São Paulo: Edusp – editora da Universidade de São Paulo. 2002. 2004. Belém: UFPA. Jeremy. 2010 MATTOS.. Cultura global e identidade individual. Renato G. Rio de Janeiro. Gordon. Brasília: Ct. LIVRO AZUL 2008 da Cooperação da União Europeia no Brasil. FLORES JR. Leda Rouquayrol.. São Paulo . MATHEWS. Alguns aspectos da Construção da União Europeia. DOS REIS. In: O PORTAL DA UNIÃO EUROPEIA. VILLA. 2010. 2005. 2007.) . Rocio Aguiar. In: 285. Belo Horizonte: Editora Leitura. KEOHANE. Disponível em: <http://ec. GUILLEMETTE. n. Wanderley Messias. RAJAGOPALAN. Disponível em: <http://www.J.> Acesso em: set. Comunicação Ltda. Universidade Federal de Santa Catarina. L. Amir Borges. Cultura global e identidade individual. Geografia Política e Goepolítica. 2010. Nicole Isabel. 2001. (Org. Publicado em Horizontes Antropológicos. CEFICALE. MUNDAY. Introdução aos estudos da Tradução. DOCAL. ISSN-2358-0526 . London & New York: Routledge.com/doc/13308942/Andreia-Guerini-Walter-Carlos-Costa-Introducao- Aos-Estudos-Da-Traducao-Libras-2007>. 2002. 23 DA COSTA. Resenha de MATHEWS. 2007. Yves. A INSTITUCIONALIZAÇÃO DA TRADUÇÃO NO BRASIL: O CASO DA PUC-RIO. São Paulo: Parábola Editora. 1ª reimpressão 2010. In: III Fórum de Línguas. 2010. julho-dezembro/2014. A lingüística que nos faz falhar: investigação crítica. Idiomas – histórias interessantes das línguas.SP: Parábola Editorial. Acesso em: set.. RAJAGOPALAN. Kanavillil. Kanavillil (Org. ano 9. Andréia. Robert O.br/index. EUROPA. 1984. Mesa-redonda: Cultura e identidades en la enseñanza y aprendizaje de las lenguas. N. Santiago Herrero. 09-24. Guia sobre a cooperação União Europeia – América Latina 2007. Rio de Janeiro. Introducing translation studies: theories and applications. Walter Carlos. 2010. COSTA. 2ª edição.php/traducao/article/viewFile/6997/6482>. Porto Alegre. Disponível em: <http://www. Princeton. SILVA. 2007. NOTAS A Palavrada  Bragança . GUERINI. Gordon.periodicos. Pontifícia Universidade Católica. (Orgs. Acesso em: out. Bauru: EDUSC. L.

ISSN-2358-0526 . Samuel Wilson. At the same time. Os soldados teriam brincado. Spain and France. Bauman (2006).S. julho-dezembro/2014. 24 iTio Sam é uma personificação dos Estados Unidos da América e a lenda diz que o Tio Sam foi criado por soldados americanos no norte de Nova Iorque. Europeans despise the use of English in countries with Romance languages such as Portugal. A Palavrada  Bragança .PA  Número 6  p. que significa "Estados Unidos" em português). O apelido ficou bastante popular e a revista americana Punch o nomeou como símbolo americano. the European Union. Abstract: This article aims to demonstrate that. de Troy. 09-24. É uma versão simplificada da língua inglesa que utiliza somente as palavras e frases mais comuns. uma referência ao dono da companhia fornecedora da carne. when used by foreigners in these places due to the globalization of English through American culture. Keywords: English language. Erasmus Mundus. iiGlobish é a contração de "global English". (de United States. translation. quando recebiam barris de carne com as iniciais U. within the project Erasmus Mundus. the English language is important for communication between European and Brazilian universities. For this discussion were used the theories Mathews (2002). dizendo que as iniciais significariam Uncle Sam ("Tio Sam"). Italy.