REFORMA DA ORGANIZAÇÃO SINDICAL: COMO OBTER ÊXITO?

Escrito por Cassio Mesquita Barros
Lunes, 06 de Octubre de 2008 17:09 - Actualizado Jueves, 10 de Noviembre de 2011 16:37

REFORMA DA ORGANIZAÇÃO SINDICAL:
COMO OBTER ÊXITO?

(mediador do 4º bloco “Reforma da organização sindical: como obter êxito?” no Seminário
Nacional sobre Reforma da Organização sindical e legislação trabalhista, realizado em 30 de
outubro de 2003, no Salão Nobre da FIESP).

     Cássio Mesquita Barros (*)

I. INTRODUÇÃO

O movimento sindical está passando por muitas transformações internas e externas, em
conseqüência do surgimento de um novo sistema de desenvolvimento econômico, em resposta
à crise econômica. Mesmo na Europa, perduram os efeitos dessa crise atribuída à falta de
regularidade econômica, característica do regime de acumulação de capital.

As associações de trabalhadores e de empregadores e as leis que regulam a atividade sindical
nasceram numa época em que a produção era vendida quase exclusivamente no mercado
nacional.

A situação já não é mais a mesma. A mundialização da economia, a intensificação da
concorrência, a integração dos mercados, a migração do capital, as multinacionais, a
privatização de empresas estatais, as fusões e aquisições, as reestruturações, a economia
informal são as realidades do presente, causando profunda insegurança nos trabalhadores e
nos empregadores. É o caso de uma negociação coletiva, que pode tomar outro rumo pelo
temor da transferência da empresa para outro país.

Claro que essas transformações profundas têm afetado e vão afetar ainda mais as
organizações sindicais, porque atingem a liberdade de associação, a liberdade sindical e o
direito de negociação coletiva.

Apesar da sindicalização persistir nos grandes centros de trabalho, ela diminuiu nos últimos
dez anos. Ainda que o mundo seja mais democrático, os sindicatos sempre causam uma certa

1 / 20

REFORMA DA ORGANIZAÇÃO SINDICAL: COMO OBTER ÊXITO?

Escrito por Cassio Mesquita Barros
Lunes, 06 de Octubre de 2008 17:09 - Actualizado Jueves, 10 de Noviembre de 2011 16:37

inquietação. Os trabalhadores sentem algum temor de se filiarem a um sindicato e
desagradarem seus empregadores. A situação não é mais confortável para os sindicatos dos
empregadores com a mundialização da economia, o progresso tecnológico, o surgimento das
multinacionais e a economia informal.

Pode-se dizer que há um déficit de representação no mundo do trabalho. Esse déficit vem
causando preocupação para a OIT, já que um trabalho decente, em condições de liberdade,
justiça e dignidade humana, pressupõe a existência de vozes independentes que possam
expressar suas aspirações e seus interesses. Os empregadores, por sua vez, precisam de
representantes que digam até que ponto as empresas podem atender às reivindicações dos
empregados segundo as possibilidades da empresa.

Por isso, empregadores e trabalhadores necessitam de segurança em matéria de
representação no trabalho, segurança que se manifesta no direito de constituírem
organizações e a elas se filiarem livremente, sem temer represálias ou intimidações.

Para atrair o capital estrangeiro, o governo pode pensar em salários mais baixos e numa
legislação trabalhista mais branda. Contudo, assevera a OIT, que talvez os investidores
estrangeiros prefiram arcar com custos mais altos, desde que encontrem estabilidade política,
infraestrutura, demanda por bens e serviços, relações de trabalho pacíficas.

A representação sindical proporciona a realização de acordos e a diminuição de arestas. A falta
de representação de interesses de trabalhadores e empregadores a cargo de organizações
livremente constituídas pode criar conflitos de conseqüências mais onerosas, gerando
instabilidade social. A representação sindical fomenta confiança e cooperação no trabalho.

Na América Latina, há dez anos, cerca de 40 milhões de trabalhadores eram sindicalizados, o
equivalente a 20% da população ativa. (1)

Essas cifras variam consideravelmente de país para país. Estimativa feita pela OIT considera
que países como Argentina, Brasil, México e Venezuela possuem taxas de sindicalização de 20
a 40%; Colômbia, Costa Rica, Chile, Panamá, Chile e Peru, de 10 a 20%; outros países,
menos de 10%.
Segundo a OIT, um dos motivos de tão baixa sindicalização nos países latino-americanos se

2 / 20

contudo. de países que possuem essa espécie de legislação. ocasionou o desemprego. ideológica e segundo o local do exercício da atividade profissional. Não eram. A mais evidente conseqüência é a debilitação do sindicato e a necessidade de alguma ajuda que os autores europeus sustentam que só o Estado deve dar. que eram contrárias aos novos princípios. gerando ações contraditórias. Tal entendimento influenciou a Constituição Imperial de 1824. começaram a aparecer (Ligas Operárias. nunca antes tomadas. Sociedades de Socorros Mútuos. de perderem seu meio de sobrevivência. 06 de Octubre de 2008 17:09 . Câmaras ou Bolsas de trabalho. idênticas às medievais e nem tão importantes. O processo de ajuste levado a efeito na América Latina. a CGT. que ainda estão empregados. ORIGENS DO SINDICATO NO BRASIL A história do direito sindical brasileiro tem suas origens nas corporações de ofício. São Paulo e Rio de Janeiro. trabalhista. II. mas que também atinge países que têm sindicatos únicos: Bolívia. Contudo. iniciativas isoladas de associação de natureza étnica. 10 de Noviembre de 2011 16:37 deve à legislação que obriga os sindicatos a se organizarem por empresa e. por seções de uma mesma empresa. que não é o terreno adequado para a atividade sindical. que está sempre dividida.REFORMA DA ORGANIZAÇÃO SINDICAL: COMO OBTER ÊXITO? Escrito por Cassio Mesquita Barros Lunes. Não é diversa a reação dos trabalhistas de esquerda. que não é característica. o que leva à existência de uma infinidade de sindicatos minúsculos e à fragmentação do movimento sindical. Posteriormente. não podiam aceitar as corporações de ofício. Cuba e Uruguai. A queda do socialismo está também entre as modificações mais relevantes. por força das circunstâncias.Actualizado Jueves. escrivães e mestres (§ 25 do art.). mesmo porque as grandes declarações de importantes organizações sindicais européias são marxistas. nos anos 80. seus juízes. 179). etc. Salvador. Ao mesmo tempo um número muito grande de trabalhadores se deslocou. Nesse segmento sindical se introduzem resoluções novas. O temor dos trabalhadores. que existiam nas cidades de Olinda. contudo. que aboliu as corporações de ofício. 3 / 20 . pois produziu perplexidade nos sindicatos. Também a Argentina possui uma central sindical nacional. favoráveis à liberdade individual. os ideais liberais que se expandiam pela Europa. para o setor informal. impede que protestem contra os baixos salários e as más condições de trabalho. às vezes.

O Decreto legislativo nº 1637. com condições de evitar a influência do trabalhador estrangeiro no movimento operário brasileiro. 4 / 20 . abriu espaço às filosofias políticas (fascismo. 72 e §§. integralismo). a legislação sindical tinha o objetivo intrínseco de controlar todas as relações entre empregados e empregadores e vincular os sindicatos ao Estado. O anarcossindicalismo não chegou a atingir os fins a que se propunha. foi implantado o Plano de Enquadramento Sindical. A crise de 1929 e o drama do café brasileiro provocaram a Revolução de 1930. com repercussões importantes ao longo do tempo. além de outras correntes de pensamento que defendiam a idéia de um governo forte. criado em 1930. não fazia qualquer referência a sindicato. Na verdade. que utilizou pela primeira vez o termo sindicato. 06 de Octubre de 2008 17:09 . Pior do que isso. conferia o direito“aos profissionais de agricultura e indústrias rurais de qualquer gênero. melhores condições de trabalho. aludindo apenas. à liberdade religiosa e de qualquer outra espécie e à liberdade de pensamento.Actualizado Jueves. 10 de Noviembre de 2011 16:37 A primeira Constituição republicana. notadamente em São Paulo e nos Estados do Sul. concebendo o sindicato de profissionais da mesma profissão e de profissões similares ou conexas. Eram reivindicações dos operários: melhores salários. pretendeu organizar o sindicalismo urbano. como a da organização dos trabalhadores. A partir de 1890. trazida pelos imigrantes italianos. acabou por inspirar uma campanha antisindicalista. de 1907. era de 16 horas. Para atingir formalmente esse objetivo no qual se inseria a estruturação sindical. comunismo. pois não conseguiu unificar o movimento operário. ao direito de associação.1. que divulgavam idéias efervescentes na Europa. assim como ao “livre exercício de qualquer profissão moral. menor jornada de trabalho que. apareceu a doutrina político-sindical do anarcossindicalismo. Difundia-se a idéia de que os conflitos entre trabalhadores e empregadores deveriam ser suavizados pelo Estado.1903. O Decreto legislativo nº 979. Essas filosofias políticas ou ideológicas. substituíram as reivindicações trabalhistas de caráter profissional por reivindicações de caráter político. de 1891. caracterizada por grande número de greves e conseqüentes prejuízos à economia do país pela perda de horas de produção. a cargo do Ministério do Trabalho. custeio e defesa de seus interesses”.REFORMA DA ORGANIZAÇÃO SINDICAL: COMO OBTER ÊXITO? Escrito por Cassio Mesquita Barros Lunes. organizarem entre si sindicatos para o estudo. de 6. na época. Dois decretos marcam a primeira fase de jurisdicização do nosso sindicalismo. Esta época. intelectual e industrial”. Indústria e Comércio. onde a industrialização e a imigração foram mais intensas. muitas vezes. que iriam pavimentar o caminho para a ascensão de Getúlio Vargas. no seu art.

como o direito de negociação coletiva. hoje. que o modelo da Constituição de 1988 é um avanço. perderam a razão de ser em algumas regiões ou se são contestados no momento de serem aplicados. 8º. Isso é aceitável somente nos países nos quais o legislador tenha inspiração totalitária. atende à realidade atual. A Constituição de 1988 consagra o princípio da liberdade sindical. Além disso. O SINDICATO E A CONSTITUIÇÃO DE 1988 Pode-se até sustentar. Em suma. não lhes foram asseguradas determinadas garantias concedidas ao setor privado. VI) e o direito de greve nos termos e nos limites de lei específica (art.no mesmo estilo da CLT. ao contrário.REFORMA DA ORGANIZAÇÃO SINDICAL: COMO OBTER ÊXITO? Escrito por Cassio Mesquita Barros Lunes. se “celetizou”. Recentemente. Até agora. não têm sentido em grande parte do Brasil. até abusam. oriunda da CLT e. agora. de cunho nitidamente corporativista. a Constituição de 1988. que consolidou as concessões outorgadas por Getúlio Vargas aos trabalhadores.  No caso. A Constituição incluiu. esta profundamente influenciada pela Carta Del Lavoro. incorporando no seu texto disposições da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). 9º. nas sucessivas Constituições federais e na CLT. no entanto. o Supremo Tribunal Federal pronunciou-se no sentido de que o exercício do direito de greve no serviço público está condicionado à regulamentação específica. já o princípio da autonomia sindical vem inscrito no art. por exemplo. não foi editada qualquer lei disciplinando o direito de greve dos servidores públicos civis. com liberdade política da qual muitos. no seu sentido mais amplo de liberdade de associação sindical (art. 37. caput. 37.de ordem pública . mas o que interessa é averiguar se a legislação trabalhista. 8º. Entretanto. ou se.Actualizado Jueves. VII). 06 de Octubre de 2008 17:09 . há 70 anos. Os 5 / 20 . dentre as estabilidades especiais. III. na verdade. no plano puramente formal. 37 e o direito de greve no art. dos servidores públicos civis. se funcionam no nosso país. 9º. I e art. que tem o selo da filosofia autoritária e é constituída de normas uniformes para todo o território nacional. 10 de Noviembre de 2011 16:37 Essa estrutura sindical. caput). As medidas de proteção foram elevadas ao ápice . substancialmente recondicionada e ampliada. vem sendo mantida. a estabilidade do dirigente sindical. É inegável que a Constituição brasileira de 1988 propiciou um ambiente democrático. torna-se necessário saber se os valores recolhidos e ampliados da legislação formalmente vigente são eficazes. a Constituição Federal garantiu-lhes o direito à livre associação sindical (art. o direito de livre organização relativo à administração pública no inciso VI do art.

a proteção contra atos de ingerência da autoridade pública. apesar das evidentes manifestações do princípio da liberdade sindical com a eliminação das formas mais explícitas de intervenção estatal. para serem efetivos. Tendo chegado ao Congresso. A Constituição de 1988. de igualdade de oportunidades e de justiça social expressos no texto constitucional. Conforme observou o relator naquela Comissão. salientando os princípios norteadores da liberdade de associação. anexado à mensagem enviada pelo Presidente Eurico Gaspar Dutra. em maio de 1949. fundada nos valores sociais do trabalho. O Brasil não pôde ratificar a Convenção nº 87. que data de 1930. São inegáveis os avanços no tocante ao direito sindical dos servidores públicos. é o mais antigo projeto em tramitação no Congresso. antes imposto pela CLT e agora pelo art. tais como. haverá necessidade de se fazer uma interpretação sociológica e de conjunto da Constituição de 1988. a regulamentação do direito de greve. colunas básicas da estrutura sindical brasileira. a representação legal da categoria. 1º o objetivo de construir uma sociedade livre. impossibilitaria incorporar o texto da Convenção ao direito brasileiro. de cunho profundamente corporativo. 8º da Constituição de 1988. a tutela do Estado nas relações trabalhistas e os tributos sindicais. A Constituição de 1988. que estabelece a unicidade sindical.Actualizado Jueves. II. a definição de instrumentos para negociação coletiva e a solução de conflitos do trabalho. que é a mais importante convenção da Organização Internacional do Trabalho sobre liberdade sindical. Entretanto. impõe o sindicato único. além de manter o poder normativo da Justiça do Trabalho. após declarar no art. 8º. senador Eduardo Dutra. contraditoriamente proclama o princípio do sindicato único. 06 de Octubre de 2008 17:09 . 6 / 20 . a garantia de independência dos sindicatos de servidores em face do poder público. devido       à compulsoriedade do princípio do sindicato único. O Brasil é um dos poucos países que ainda não reconheceram essa Convenção. a verticalização dos órgãos de representação profissional. que entrou em vigor em 1950 e já foi ratificada por mais de cem países. da livre iniciativa e do pluralismo político. Uma interpretação literal do seu art.REFORMA DA ORGANIZAÇÃO SINDICAL: COMO OBTER ÊXITO? Escrito por Cassio Mesquita Barros Lunes. esses direitos continuam a depender da solução de determinadas questões. Somente em dezembro de 2002 foi aprovado na Comissão de Constituição e Justiça do Senado o texto da Convenção nº 87. 10 de Noviembre de 2011 16:37 servidores públicos civis continuaram regidos por normas do direito administrativo.

o que acabou culminando no poder de impor contribuições de natureza tributária. segundo o último censo sindical do IBGE (11. Mantém-se assim reforçado o exclusivismo sindical antidemocrático. em princípio. 70% deles vivam exclusivamente da contribuição sindical. descontada compulsoriamente de cada trabalhador. provavelmente 90% sejam de “carimbo”. 20% para o FAT (Fundo de Amparo ao Trabalhador). A Constituição de 1988. Do arrecadado. sindicalizado ou não. a orientação política e doutrinária das leis do trabalho. corresponde a um dia de salário. porém. 10 de Noviembre de 2011 16:37 Se na Constituição de 1946 se procurava explicar as inúmeras contradições em fundamentos psicossociais e nas raízes da realidade brasileira. isto é. A contribuição. não se preocupando em conseguir mais filiados ou em representar convenientemente sua categoria.REFORMA DA ORGANIZAÇÃO SINDICAL: COMO OBTER ÊXITO? Escrito por Cassio Mesquita Barros Lunes. tais como a de delegação de poderes públicos ao sindicato. no seu art. Deixou-se. 15% para as federações e 5% para confederações. 8º. o argumento é o mesmo.  Dessa forma o texto constitucional criou a chamada contribuição confederativa. no entanto. dos 11. a seu juízo. sindicalizado ou não. A contribuição sindical permite que.607 sindicatos de empregadores). infiltrar por algumas normas manifestamente opostas ao seu espírito. assegurar qualquer garantia prévia de contrapartidas para os trabalhadores. tributar toda a categoria com uma contribuição compulsória para custeio do “federalismo” sindical. reforça o poder de. A estrutura sindical brasileira está falida. que se tornou mais uma fonte de sustentação financeira compulsória sem. 60% vão para os sindicatos. antigo imposto sindical. (2) Dos 16 mil sindicatos que se acredita existir no Brasil. integralmente mantidos.354 sindicatos de trabalhadores e 4. Grande empecilho à modernização da estrutura sindical imposto pela Constituição de 1988 diz respeito à contribuição sindical. fonte de tantos escândalos e de tantos problemas. A Constituição de 1946 repudiava. 06 de Octubre de 2008 17:09 .Actualizado Jueves. existem apenas para recolher a contribuição sindical. 578 a 593 da CLT. independentemente da contribuição sindical prevista nos arts. passados mais de cinqüenta anos. Equivalente a um dia de salário do trabalhador. a contribuição sindical rende cerca de 700 milhões de reais anualmente. hoje. IV.3 mil sindicatos de trabalhadores. 7 / 20 .

  Ainda que a Constituição de 1988 tivesse conferido maior democratização à vida sindical. Basta dizer que o Ministério do Trabalho concede cerca de 600 novos registros sindicais por ano.REFORMA DA ORGANIZAÇÃO SINDICAL: COMO OBTER ÊXITO? Escrito por Cassio Mesquita Barros Lunes. inclusive em questões judiciais ou 8 / 20 . mas da fragmentação de entidades já existentes. pois a antiga lei. do aumento do trabalho informal. a natureza e o alcance e os requisitos para o exercício da ‘defesa dos direitos e interesses coletivos ou individuais da categoria. esperando unicamente alcançar bons resultados financeiros”. do avanço na organização sindical ou dos serviços prestados pelas entidades de classe. com nitidez e segurança. assegurando inclusive a substituição do estatuto-padrão pela liberdade de formular seus próprios estatutos. como pode parecer à primeira vista. as centrais sindicais estão impedidas de firmar acordos coletivos. tanto dos empregados quanto dos empregadores.   Na esfera eleitoral e estatutária. ancorada no interior da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). esse dinheiro certo e abundante vindo da contribuição sindical está a estimular a multiplicação de pequenas organizações sindicais “fundadas por profissionais de um novo ofício. 10 de Noviembre de 2011 16:37 Apesar do crescimento do desemprego... não se distinguindo. os dispositivos que perderam subsistência daqueles que permanece em vigor. a proibição à interferência ou intervenção do poder público nos sindicatos tornou nulas as normas de enquadramento sindical. que se especializaram em criá-las e negociá-las. independentemente de reunirem condições de representação e liderança. Almir Pazzianotto Pinto: “(. continuam sendo os sindicatos oficiais e o sistema confederativo. da diminuição da renda dos trabalhadores. participando de conselhos e fóruns públicos. inclusive a exigência de autorização prévia para a criação de sindicato.Actualizado Jueves. 06 de Octubre de 2008 17:09 . no entanto. o crescimento quantitativo dos sindicatos na última década não decorreu. desapareceram regras e limites referentes à duração de mandatos. também. Portanto. Tal fato levou ao enfraquecimento da representação. As centrais sindicais conseguiram organizar-se à margem das restrições legais. (3) A idéia é fragmentar para obter uma parte do bolo da contribuição sindical. Nesse sentido. foi mutilada pela Constituição de 1988. Seus alicerces. o ex-ministro do Trabalho e ex-presidente do TST. Por não terem personalidade jurídica sindical. remuneração e número de integrantes de diretorias e conselhos Ignoram-se.) deixamos de ter estatuto sindical digno desse nome. São atualmente as mais significativas entidades de representação dos trabalhadores.

Enquanto a sentença não for proferida. a saber: apesar da diminuição do número de intervenções do sindicato para solução de disputas. pois a legislação facilita a criação de sindicatos. não cabendo nem a ele nem a outra instituição diligenciar sobre a representatividade do futuro sindicato. assunto debatido nas esferas judiciais como ‘substituição processual’. previsto pelo inciso III do artigo 8º da Constituição. basta o interessado convocar uma assembléia geral (não há quorum mínimo para aprovar sua criação). já em 2001. o conflito vai para a Justiça. I. Alguns sindicatos chegam a pagar a mensalidade para seus sócios para comprovar sua “representatividade”. a única condição é o registro no Ministério do Trabalho. agravando-se conflitos entre o legislado e o acordado pelas partes. instando o Judiciário a opinar sobre assuntos relativos ao exercício da autonomia sindical. o Ministério do Trabalho vem desempenhando essa atribuição por força de decisões judiciais e com base em instruções normativas. diante do art. 06 de Octubre de 2008 17:09 .” (4) Vale lembrar que a lei confere a esse Ministério apenas o poder de verificar o aspecto formal do pedido. eleger a primeira diretoria e aprovar um estatuto. 58% dos acordos foram feitos segundo esse modelo. o índice de solução dos conflitos sem intervenção direta dos sindicatos aumentou para 81%. estabelecendo a obrigatoriedade do registro em “órgão competente” e ainda sem a devida regulamentação em lei desse procedimento. Vale lembrar que. houve um crescimento total da ordem de 49% no número de sindicatos. o período compreendido entre 1991 e 2001 apresenta resultados contraditórios. Para a criação de um sindicato. mas não estabelece nenhum tipo de fiscalização. Para o sindicato adquirir personalidade jurídica. 9 / 20 . menos da metade do aumento do número de sindicatos. por causa do vazio de legislação. gasto esse compensado com a contribuição sindical. Estando em ordem a documentação.REFORMA DA ORGANIZAÇÃO SINDICAL: COMO OBTER ÊXITO? Escrito por Cassio Mesquita Barros Lunes.Actualizado Jueves. os dois sindicatos podem cobrar as contribuições. a ser registrado em cartório. 8º. o pedido de registro é publicado no Diário Oficial da União para que eventuais prejudicados se manifestem. Além disso. o crescimento de trabalhadores sindicalizados foi de apenas 22%. do texto constitucional. Havendo impugnação. (6) Entretanto. Do mesmo modo. Isso acirrou ainda mais as disputas sobre representação sindical. isto é. 10 de Noviembre de 2011 16:37 administrativas’. (5) Aspecto interessante a ser notado é que a negociação direta entre empresas e trabalhadores aumentou: em 1991. discute-se a validade das cláusulas que constem de convenções e acordos coletivos.

10 / 20 . Apesar do decréscimo no número de dissídios coletivos. ingressaram na Justiça do Trabalho 2. por exemplo. base da CUT. O presidente da CUT. REFORMA DA ORGANIZAÇÃO SINDICAL: COMO OBTER ÊXITO? No ABC. 10 de Noviembre de 2011 16:37 A Justiça do Trabalho registrou uma queda progressiva no número de dissídios coletivos julgados pelos Tribunais Regionais do Trabalho (TRT). IV. das quais 1.408 em 1991 para 498 em 2002. Ainda que nítido um amadurecimento do sindicalismo brasileiro. Também o presidente da Força Sindical. Somente em 2002. No Tribunal Superior do Trabalho (TST) o número de dissídios coletivos julgados passou de 66 em 1991 para apenas 08 em 2002. reconhece existir uma indústria que se sustenta desse imposto. facilmente constatado na realização de acordos e convenções coletivas.  No entanto. É um dos mais altos volumes de processos trabalhistas no mundo. do IPEA e do Banco Mundial. 06 de Octubre de 2008 17:09 . sem a interferência da Justiça do Trabalho.5 milhão continua na fase de execução. simultaneamente se verifica um aumento anual da ordem de 60% no volume de reclamações trabalhistas: cerca de 2. Nos sindicatos dos metalúrgicos e trabalhadores da construção civil ligados à Força Sindical também é comum o sorteio de prêmios para atrair associados. o que implica num dispêndio de tempo e trabalho para o Judiciário trabalhista. incentivos para sua formação e qualificação. para que os obstáculos à liberdade nas relações trabalhistas acima referidos e a pouca permeabilidade ao controle social sejam eliminados da vida sindical brasileira. Conquanto 68% dos processos examinados em 2002 sejam solucionados em primeira instância. de 3.5 milhões de ações. com altos custos para todas as partes envolvidas. foi formada uma comissão de jovens metalúrgicos para atrair os que têm menos anos de fábrica. a saber. quer o fim do imposto e da unicidade sindical. Esses militantes discutem com as empresas. pelo menos um terço deles só se encerraram após anos de litigância. Paulo Pereira da Silva. grande parte dos sindicatos não tem interesse em atrair o trabalhador porque já arrecadam a contribuição sindical. Todos esses dados indicam uma forte tendência das partes à negociação direta. segundo o relatório “Empregos no Brasil: prioridades de políticas”. não só na CLT. mudanças se impõem. João Felício.Actualizado Jueves. mas também na própria Constituição.REFORMA DA ORGANIZAÇÃO SINDICAL: COMO OBTER ÊXITO? Escrito por Cassio Mesquita Barros Lunes.2 milhões de ações judiciais são interpostas contra empregadores nos tribunais do trabalho.

Actualizado Jueves. devolvem os valores descontados e recebem mensalidade voluntária de seus sócios. desenvolvimento político-partidário da maioria das lideranças sindicais. 11 / 20 . A criação de mais de um sindicato de categoria na mesma base territorial e a extinção da contribuição sindical permitiriam que só o sindicato mais competente se mantivesse. extingui-la paulatinamente ou transformá-la. estão entre os que defendem suas categorias com maior combatividade e empenho. 10 de Noviembre de 2011 16:37 As seqüelas transplantadas do fascismo pela ditadura Vargas poderiam ser eliminadas da vida sindical brasileira através de uma reforma eficaz. desvio de funções. que dispensaram a contribuição sindical e se sustentam simplesmente com a mensalidade paga por seus filiados. 06 de Octubre de 2008 17:09 .REFORMA DA ORGANIZAÇÃO SINDICAL: COMO OBTER ÊXITO? Escrito por Cassio Mesquita Barros Lunes. 3. passando de obrigatória para facultativa? Extinguir de imediato a contribuição sindical acabaria por atingir os sindicatos sérios. como o dos metalúrgicos do ABC e o dos bancários de São Paulo. os técnicos do IBGE (8)  encontraram três outras causas que contribuíram para manter os trabalhadores longe da vida sindical: falhas na organização sindical. Além da contribuição sindical a justificar esse descompasso entre o crescimento desmesurado dos sindicatos e o número de sindicalizados. O que fazer? Extinguir imediatamente a contribuição sindical. Retirar a obrigatoriedade da contribuição sindical. acabaria por gerar o recolhimento somente por parte de uma minoria de trabalhadores. (7) Alguns sindicatos. Extinguir pouco a pouco faria com que os sindicatos ineficientes continuassem arrecadando valores elevados. É certo que muitos sindicatos. que passaria a ser facultativa.

criou uma situação esdrúxula: ao mesmo tempo em que assegura compulsoriamente uma receita aos sindicatos. 10 de Noviembre de 2011 16:37 Existiria uma forma de moralizar os sindicatos “interesseiros”? Nos Estados Unidos. Atualmente. seja ao Poder Público. que deve ser concretizada através do diálogo e na busca de soluções negociadas por todos os atores das relações de trabalho para a elaboração de projetos legislativos a serem encaminhados ao Congresso Nacional. os sindicatos. Realizado há poucos meses.REFORMA DA ORGANIZAÇÃO SINDICAL: COMO OBTER ÊXITO? Escrito por Cassio Mesquita Barros Lunes. sendo organizações sem fins lucrativos. desobriga-os da prestação de contas. entretanto. Por ser antiga. 551 da CLT. em vista da premência de se adequar leis e instituições do trabalho à realidade política. sempre vão descobrindo novas formas de lesar o Poder Público e a população. a Labor-Management Reporting and disclosure Act. O FÓRUM NACIONAL DO TRABALHO  Há necessidade de uma reforma sindical e trabalhista. como acontece em todas as partes do mundo. dispunha nos mesmos moldes da lei americana. econômica e social brasileira. que possuem atualmente 5. V. 8º da Constituição de 1988. 06 de Octubre de 2008 17:09 . nem sequer têm obrigação de publicar seus balanços. de 19. tanto a democratização das relações de trabalho.  12 / 20 . no Brasil. Além disso. essa lei já não está conseguindo ser tão eficiente porque os inescrupulosos. o art. de forma a facilitar. o art. seja aos empregados que pagaram a contribuição.426 sindicatos. quanto a criação de melhores empregos e o aumento da renda.0.46.740. com a redação dada pelo Decreto-lei nº 8. com a utilização da internet. (9) Não é demais lembrar que. que obriga os sindicatos e as empresas a enviarem anualmente ao Ministério do Trabalho relatórios explicando como foram utilizados os tributos pagos pelos empregados. Por isso. o Ministério do Trabalho de lá vem adequando o sistema de controle aos dias atuais. o Fórum Nacional do Trabalho teve por finalidade efetuar estudos e destacar conclusões sobre a reforma sindical e trabalhista que se faz urgente.Actualizado Jueves. existe uma lei de 1959. Também não há qualquer dispositivo na legislação brasileira determinando a prestação de serviços aos empregados pelo respectivo sindicato.

sobretudo na Convenção nº 87. fundamentado nas convenções da Organização Internacional do Trabalho (OIT). que fixou algumas premissas que serviram de base para o debate sobre a reforma sindical e trabalhista. Recomendações: Adoção de um regime de liberdade e autonomia sindical. da contribuição confederativa e da taxa assistencial. resguardadas as 13 / 20 . em particular os contidos nas Convenções nº 87 e nº 135. Esta reestruturação sindical deve ter sempre por fundamento os instrumentos normativos da OIT sobre liberdade e autonomia sindical. Para tanto. por meio de negociação. 10 de Noviembre de 2011 16:37 Por ser o centro dinâmico de qualquer sistema democrático de relações de trabalho. No tocante à reestruturação sindical. na prestação de serviços aos filiados e na contribuição negocial extensiva aos beneficiados por acordo coletivo. garantias sindicais e sustentação financeira). Extensão dos acordos coletivos a todos os trabalhadores. tanto no setor público como no setor privado. Sintonia entre as regras de transição relativas ao custeio da atividade sindical com a implementação de um novo modelo de organização sindical referenciado nos preceitos da liberdade e autonomia. Fixação pelas partes. deve-se estimular a criação de entidades sindicais livres e autônomas e assegurar um direito sindical pleno. Possibilidade de acordos coletivos nacionais. 06 de Octubre de 2008 17:09 . representação e representatividade.REFORMA DA ORGANIZAÇÃO SINDICAL: COMO OBTER ÊXITO? Escrito por Cassio Mesquita Barros Lunes. de forma que possam firmar convenções e acordos coletivos. o Ministério do Trabalho e Emprego entende que a reestruturação sindical deve anteceder a revisão de todos os demais institutos legais que regulam o trabalho no Brasil. estaduais e locais.Actualizado Jueves. Necessidade de se rediscutir o atual marco normativo constitucional e infraconstitucional. A vida financeira do sindicato deve estar alicerçada na taxa associativa. do prazo de vigência e de eficácia das normas fixadas nos acordos coletivos. foram aprovados pelo pleno do CDES os seguintes consensos e recomendações: Consensos: Falência do sistema brasileiro de relações trabalhistas. Extinção da contribuição sindical obrigatória. Garantia de liberdade de organização sindical e de representação dos trabalhadores a partir dos locais de trabalho. regionais. que se concentra basicamente em 4 pontos básicos (modelo de organização sindical. Concessão de personalidade sindical às Centrais Sindicais. Esse processo de reforma iniciou-se no Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES).

os debates nas Conferências Estaduais do Trabalho deverão fixar-se nas seguintes questões relativas à organização sindical: Deverão ser ratificadas pelo Brasil as Convenções nº 87 e nº 151 da OIT? As demais referências à liberdade sindical. nº 135 e nº154. relativos aos direitos individuais do trabalho. Representação coletiva nos locais de trabalho. Reforma das leis do trabalho deve ser precedida pela reforma sindical. as DRTs encaminharão à Coordenação do Fórum Nacional do Trabalho um relatório-síntese. empregadores. que figuram nas Convenções nº 98. destacando os pontos de Consenso.Actualizado Jueves. setor de atividade e tipo de empresa. de negociação de uma nova legislação do trabalho compatível com os princípios da liberdade e autonomia sindical. deverão servir de subsídio às atividades da Comissão de Sistematização do Fórum Nacional do Trabalho. Os relatórios-síntese. O artigo 7º da Constituição Federal deve ser mantido integralmente ou sofrer alterações? Nesta hipótese. seriam necessários dispositivos específicos sobre organização sindical? Em caso positivo. Sustentação financeira das organizações sindicais. categoria. que deveriam ser ratificados? Encerradas as Conferências Estaduais do Trabalho. Garantia. 10 de Noviembre de 2011 16:37 singularidades de cada ramo. deverão reunir representantes de empregados. As Conferências Estaduais do Trabalho. aos quais serão acrescidos os relatórios feitos nas reuniões de trabalho de caráter nacional e as contribuições vindas de entidades privadas e órgãos públicos especializados em questões trabalhistas. devem ser incorporadas ao ordenamento jurídico nacional? O artigo 8º da Constituição Federal deve ser mantido na íntegra ou ser alterado? Na 2ª hipótese. quais? Independentemente das respostas anteriores. por meio de disposição transitória. Considerando as diretrizes estabelecidas pelo Ministério do Trabalho e Emprego e as recomendações emanadas do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social. que se incumbirá de preparar o Relatório Final dos debates e negociações. a cargo das DRTs. qual seria o tratamento normativo mais adequado a ser dado aos seguintes pontos? Critérios de representação e de representatividade sindical. 06 de Octubre de 2008 17:09 .REFORMA DA ORGANIZAÇÃO SINDICAL: COMO OBTER ÊXITO? Escrito por Cassio Mesquita Barros Lunes. 14 / 20 . sob a coordenação das DRTs. Seus resultados serão encaminhados para a Comissão de Sistematização do Fórum Nacional do Trabalho. Regras de transição para o novo modelo de organização sindical. as posições majoritárias a figurarem como Recomendação  e as posições minoritárias consideradas dignas de registro a serem encaminhadas como Sugestões. quais são os dispositivos que devem ser alterados? Quais os instrumentos da OIT ainda não ratificados pelo Brasil. poderes públicos locais e entidades da área trabalhista. com a sistematização dos debates. quais seriam os novos dispositivos? Em caso de reforma constitucional.

O sistema de relações entre o capital e o trabalho representa o microorganismo da sociedade democrática como seu todo. 3. porque é ele que escolhe seus governantes. mas a estrutura da democracia se destina a assegurar o seu uso. passasse a ser um fator conhecido no país. Nesse conceito estão os direitos fundamentais do indivíduo. foi escrita antes que a primeira revolução industrial. traduzidas para o texto constitucional. VII. no século XVIII. portanto. garantiram a estrutura para a solução de futuros conflitos. como entre o ideal supremo e a realidade política imediata. Homens da realidade prática. as pequenas sociedades. O ideal da democracia é a realização individual. experiências que. 2. Três dos conceitos mais importantes da Constituição norte-americana forneceram o arcabouço para a ideologia trabalhista e a formação dos sindicatos: 1. o valor da pequena sociedade como canal das aspirações sociais e éticas do ser humano. Os constituintes norte-americanos limitaram esses direitos impedindo que um impusesse sua vontade ao outro.REFORMA DA ORGANIZAÇÃO SINDICAL: COMO OBTER ÊXITO? Escrito por Cassio Mesquita Barros Lunes. a importância dos indivíduos. direitos inalienáveis que advêm de uma autoridade externa suprema e acima do Governo humano. davam valor à negociação. CONCLUSÃO 15 / 20 . em 1787. à sacralidade do contrato e ao ambiente de ordem. pois é preciso ter-se em conta a natureza do homem. No entanto. promulgada há mais de duzentos anos. pelo cidadão. o papel do Governo como árbitro e preservador do processo de negociação política e social. tanto entre grupos de interesse. a criatividade dos indivíduos. 06 de Octubre de 2008 17:09 .Actualizado Jueves. não tinham a idéia romântica que apóia uma visão anárquica da sociedade. além de desenvolver e aperfeiçoar os mecanismos de negociação entre empregados e empregadores. A importância do indivíduo está implícita na definição de democracia. CONSIDERAÇÕES FINAIS A Constituição norte-americana. a Constituição norte-americana estabeleceu a estrutura para a evolução de uma nova Nação. somente até onde começa o direito do vizinho. 10 de Noviembre de 2011 16:37 VI. Por isso precisamos estimular a eliminação das obstruções. Os constituintes norte-americanos eram empresários da área do comércio e.

no desemprego. no aumento da pobreza. a Comissão aludida pelos artº 24 e 26 da Constituição da OIT se apresenta entre os órgãos de controle. étnicas. evidente quando se observa o elevado número de observações e solicitações diretas emitidas pela Comissão de peritos na aplicação das Convenções e Recomendações da OIT em relação as Convenções ratificadas pelo país. e assim numa região cheia de complexidades. e de produtividade lastimável. Se. nova modalidade de ferramenta que os governos e os interlocutores sociais universalizaram. por exemplo.Actualizado Jueves. Os princípios e direitos fundamentais tem sido reconhecidos como um dos pilares do trabalho decente. 16 / 20 .  Sem se falar nos desequilíbrios econômicos que geram efeitos sociais. O número de queixas dos Sindicatos das Américas para se ter uma idéia do que se acaba de afirmar. nas taxas de crescimento baixíssimas.  O Brasil vive no contexto das diversidades geográficas. culturais e econômicas da América Latina. A preocupação é a de estimular os esforços que todos os países fazem para lograr que o progresso social caminhe a par do progresso da economia. vamos verificar que nem sempre é real e efetiva. Como se sabe. Se aspiramos uma reforma da organização sindical que dê certo teremos de revisar o respeito aos direitos fundamentais consagrados pela consciência internacional na Declaração dos Princípios e Direitos Fundamentais no Trabalho. soma mais de 52% (cinqüenta e dois por cento) do total mundial. 10 de Noviembre de 2011 16:37 A Conferência Internacional do Trabalho na reunião de junho de 1998. 06 de Octubre de 2008 17:09 . revisarmos o índice de respeito aos direitos fundamentais. sabe-se de antemão que a tarefa da reforma não é fácil.REFORMA DA ORGANIZAÇÃO SINDICAL: COMO OBTER ÊXITO? Escrito por Cassio Mesquita Barros Lunes. no despreparo profissional. aprovou a declaração relativa aos PRINCÍPIOS E DIREITOS FUNDAMENTAIS NO TRABALHO. A insuficiente aplicação dos princípios é. assim como o número de queixas especificamente em relação aos temas de liberdade sindical e negociação coletiva. nesse quadro. idéias e de idiossincrasias.

“Imposto obrigatório mantém 70% das entidades”. (3) Almir Pazzianotto Pinto. Paulo. B7. (2) “A reforma da estrutura sindical”. (5) Cleide Silva. Professor titular de Direito do Trabalho da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. da OIT”. Paulo. 10 de Noviembre de 2011 16:37 A sugestão é a de que se inicie entre nós brasileiros um movimento entre os países em desenvolvimento.04. O Estado de S. Jornal O Estado de S. redução do trabalho forçado e do trabalho infantil.REFORMA DA ORGANIZAÇÃO SINDICAL: COMO OBTER ÊXITO? Escrito por Cassio Mesquita Barros Lunes. Paulo. (4) “A Convenção nº 87. da OIT”. A 3. de 02. 17 / 20 . p. não discriminação no local do trabalho. El trabajo en el mundo. A 2. 54. Se tivermos como sorte a efetividade dessas garantias da liberdade sindical pela representatividade e ação autêntica dos Sindicatos e pela plena liberdade de negociação coletiva entre os interlocutores sociais.  de 5 de abril de 2003. “A Convenção nº 87. p. 30 de março de 2003. pela efetividade das garantias mínimas aos trabalhadores que explicam tantas queixas. Membro da Comissão de Peritos na Interpretação e Aplicação das Normas Internacionais do Trabalho da OIT.03. p. p. Ginebra. p. ___________________ (*) Advogado.04.Actualizado Jueves.03. O Estado de S. teremos a reforma certa. A 2. O Estado de S. Paulo. a saber: liberdade de organização sindical e de organização e de celebração dos acordos coletivos. 1993. liberdade de associação. 06 de Octubre de 2008 17:09 . ___________________ NOTAS: (1) Oficina Internacional del Trabajo. de 02. OIT.

283-290. 1993. Jornal O Estado de S.Actualizado Jueves. p.   Madrid : Ministerio del Trabajo y Seguridad Social. Celso Ribeiro. in Direito Constitucional do Trabalho. p.   Derecho del trabajo. BASTOS. 10 de Noviembre de 2011 16:37 (6) “O novo sindicalismo”. LÓPEZ GANDÍA. 1º de julho de 2003. 1998.. CAMPS RUIZ. p. A3. Paulo. Bahia. Jornal O Estado de S. Paulo. “O sindicato no limiar do século XXI”. “A reforma da estrutura sindical”. Jornal O Estado de S. cit. ___________________ BIBLIOGRAFIA CONSULTADA: ALBIOL MONTESINOS. BARROS JUNIOR. 1994. (8) ob. BARROS.   Curso de direito constitucional.   Derecho del trabajo. GARCÍA NINET. 24 de fevereiro de 2003. “O novo sindicalismo”. 24 de fevereiro de 2003. p. 1996. realizado no período de 1º a 6 de novembro de 1994.   São Paulo :  LTr.   São Paulo : Saraiva. A 3. Cássio Mesquita. Paulo. Jornal O Estado de S.. Aluísio Rodrigues (coordenador). Wolfgang.  em Salvador. A3. “A moralização dos sindicatos: entidades no Brasil não têm de prestar contas a ninguém”. palestra proferida no I Ciclo de Estudos de Direito do Trabalho. (9)  José Pastore.   Valencia. “A negociação coletiva e o sindicato”.REFORMA DA ORGANIZAÇÃO SINDICAL: COMO OBTER ÊXITO? Escrito por Cassio Mesquita Barros Lunes. 18 / 20 .  (7) ob. B 2. Cássio Mesquita. Ignacio. cit. Tomás. Paulo. Ignacio. 5 de abril de 2003. DÄUBLER. Juan & SALA FRANCO. p. Luis. 06 de Octubre de 2008 17:09 .

04. Paulo.  OFICINA INTERNACIONAL DEL TRABAJO. 14 de janeiro de 2001. 19 / 20 . 06 de Octubre de 2008 17:09 . da OIT”.  Genebra : OIT. Genebra. “A moralização dos sindicatos: entidades no Brasil não têm de prestar contas a ninguém”. Fernando.   Le droit du travail. “O NOVO sindicalismo”. 1993. Jornal O Estado de S. PERGOLESI.   Direito sindical da OIT: normas e procedimentos.   4ª ed. José Pastore. 1º de julho de 2003. Paulo.  p. PASTORE. 24 de fevereiro de 2003. Paulo.   FÓRUM NACIONAL DO TRABALHO. p. El trabajo en el mundo. rev. p. 1967.  Brasília. Jornal O Estado de S. 1996. 2003. Almir Pazzianotto. PINTO. 54. p. Jornal O Estado de S.REFORMA DA ORGANIZAÇÃO SINDICAL: COMO OBTER ÊXITO? Escrito por Cassio Mesquita Barros Lunes. OFICINA INTERNACIONAL DEL TRABAJO.  Presses Universitaires de France.   Sixième édition revue et corrigée. OIT. Michel. de 02. 10 de Noviembre de 2011 16:37 DESPAX. Repartição Internacional do Trabalho.03. B 2. “O FUTURO da vida sindical”. 1961.Actualizado Jueves. A 3. OFICINA INTERNACIONAL DEL TRABAJO. 1998. A 3.  La libertad sindical: recopilación de decisiones y principios del Comité de Libertad Sindical del Consejo de Administración de la OIT. A 2. Jornal O Estado de S. Paulo. “A Convenção nº 87.   Diritto Sindacale.   Pádua. p. Ginebra.  Reforma sindical e trabalhista e afirmação do diálogo social: subsídios às Conferências Estaduais do Trabalho.

Paulo. SPYROPOULOS. p.  de 5 de abril de 2003. A 3. in Relasur . 1994. Paulo.REFORMA DA ORGANIZAÇÃO SINDICAL: COMO OBTER ÊXITO? Escrito por Cassio Mesquita Barros Lunes.Actualizado Jueves. B 6. “Reforma sindical terá de enfrentar ‘fantasmas’. O Estado de S. 06 de Octubre de 2008 17:09 . “A REFORMA da estrutura sindical”. Marcelo. “Imposto obrigatório mantém 70% das entidades”.03. B7. A 3. Jornal O Estado de S. Jornal O Estado de S. p. “El sindicalismo frente a la crisis: situación actual y perspectivas futuras”. Paulo.  18 de novembro de 2002. p. de 30.Cono Sur. SILVA. Cleide.03. 20 / 20 . nº 4. 81. Georges.  p. “A REFORMA da estrutura sindical”.Revista de Relaciones Laborales en America Latina . Paulo. O Estado de S. 30 de março de 2003. 10 de Noviembre de 2011 16:37 REHDER. p.