Distribuição de Frequência

Tipo de tabela que condensa uma coleção de dados conforme as frequências ou
repetições de seus valores.
Dados Brutos
Feita a coleta, os dados originais ainda não se encontram prontos para análise,
por não estarem numericamente organizados. Por essa razão, costuma-se chamá-los de
dados brutos. Uma lista de dados brutos são aqueles valores a que se chegou pela
simples coleta, sem qualquer preocupação quanto à sua ordenação.
Rol
É uma lista em que os valores estão dispostos numa determinada ordem,
crescente ou decrescente. Essa classificação dos dados proporciona algumas vantagens
concretas com relação à sua forma original. Em primeiro lugar, torna possível
visualizar, de forma bem ampla, as variações, uma vez que os valores extremos são
percebidos de imediato. Em segundo lugar, é possível observar-se uma tendência de
concentração de valores. Apesar do rol proporcionar ao analista mais informações e
com menos esforço de concentração do que os dados brutos, ainda assim persiste o
problema da análise ter que se basear em várias observações individuais. O problema se
agravará quando o número de dados for muito grande.
Tabela de Frequência
São representações nas quais os valores se apresentam em correspondência com
suas repetições, evitando-se assim que apareçam mais de uma vez na tabela, como
ocorre com o rol. O número de observações ou repetições de um valor ou de uma
modalidade, num levantamento qualquer, é chamado frequência desse valor ou dessa
modalidade. Uma tabela de frequência é uma tabela onde se procura fazer corresponder
os valores observados da variável em estudo e as respectivas frequências. A tabela de
frequências proporciona uma apresentação esteticamente mais vantajosa dos dados,
facilitando ainda a verificação do comportamento do fenômeno. As tabelas de
frequências podem representar tanto valores individuais como valores agrupados em
classes.
Distribuição de Frequências de Dados Tabulados Não-agrupados em Classes
A tabela de frequências a seguir apresenta valores não-agrupados em classe, ou
seja, os valores da variável aparecem individualmente.

i Número de aparelhos com defeito (xi) Número de meses (fj)
1 0 2
2 1 3
3 2 4
4 3 5
5 4 7
6 5 8
7 6 9
8 7 4
9 8 3
10 9 2
11 10 1
∑11
𝑖=1 𝑓𝑖 48

obter diretamente da tabela o valor exato dos itens mais alto e mais baixo. que são os resultados numéricos provenientes da contagem. Na segunda coluna. Tabela 1. foi aplicado numa turma de 500 estudantes.60 130 60|-----. É fácil ver.30 20 30|-----.20 15 20|-----.40 45 40|-----. Apesar disso. Não é possível. mesmo com o risco de se sacrificar algum detalhe manifestado na ordenação de valores individuais.Notas Frequências . por outro lado. onde os valores observados não mais aparecerão individualmente. A última coluna. apresenta as frequências. aparecem os números correspondentes à ordem dos valores da variável.10 5 10|-----.50 100 50|-----. Na primeira coluna. fi é o número de observações de um valor n é o número total de valores observados Distribuição de Frequências de Dados Agrupados em Classes Muitas vezes.fi 0|-----. Pode-se partir diretamente da lista de dados brutos.100 10 10 500 ∑ 𝑓𝑖 𝑖=1 Para a construção dessa tabela. que. são anotados os valores da variável. contendo 100 perguntas do tipo certo-errado. mas agrupados em classes. a tabela informa de imediato. não figuram mais os valores exatos de cada item em particular. na distribuição de frequências de valores agrupados em classes. há vantagem em resumir os dados originais numa distribuição de frequências.80 60 80|-----. a tendência da série se concentrar em torno de um valor . encabeçada pelo índice i. encabeçada por xi. não há necessidade de se ordenarem os valores originais.90 15 90|-----. da mesma forma. A tabela a seguir apresenta os resultados do teste.70 100 70|-----. Exemplo: Um teste de estatística. A soma das frequências é sempre igual ao número total de valores observados: 𝑘 ∑ 𝑓𝑖 = 𝑛 𝑖=1 k é o extremo superior do intervalo de valores do índice i. encabeçada por fi. Resultados do Teste de Estatística Classes .

ou pela ordem em que se encontra na tabela (valor do índice i). . o que seria impossível de se fazer a partir da lista dos dados brutos. Esses termos serão listados a seguir.10 congrega valores de 0. A amplitude total do exemplo da tabela 1. O número de classes. os dados originais ficarão tão comprimidos que pouca informação se poderá extrair da tabela. Na tabela 1: classe 0|-----. . Uma determinada classe pode ser identificada por seus extremos. na tabela anterior. Frequência Simples Absoluta A frequência simples absoluta de uma classe ou de um valor individual é o número de observações correspondentes a essa classe ou a esse valor.10 ou 1ª classe (i=1) e classe 80|-----.3log n k é o número de classes n é o número total de observações Exemplo: Se o número de observações for 500. f2 = 15. A frequência simples absoluta. f10 = 10.central. arredondando. f3 = 20. por outro lado. Elementos de uma Distribuição de Frequências Para construir uma tabela de frequências. Classe Classe de frequência. ou. a 1ª classe 0|-----. É importante que a distribuição conte com um número adequado de classes. é representado por k. numa distribuição de frequências.90 ou 9ª classe (i=9).. forem utilizadas muitas classes. O símbolo |------ indica inclusão na classe do valor situado à sua esquerda e exclusão do valor situado à sua direita. Amplitude Total: At A amplitude total ou intervalo total é a diferença entre o maior e o menor valor observado da variável em estudo. por outro lado. Se. a amplitude total do conjunto de valores observados seria: At = 97 – 1 = 96. simplesmente. ou simplesmente frequência.906601 ou. no teste que deu origem a tabela 1. exclusive. e o resultado será uma distribuição irregular e prejudicial à interpretação do fenômeno como um todo.3log500 = 9. k = 10. classe. além de proporcionar uma visão panorâmica do comportamento da variável. um dos métodos. estabelece que o número de classes é igual a: k = 1 + 3. por exemplo. é necessário conhecer alguns termos próprios e de uso corrente. Se. a maior nota tivesse sido 97 e a menor 1. Para determinar o número de classes há diversos métodos. Na tabela 1: f1 = 5... Se esse número for escasso. será: At = 130 – 5 = 125. é simbolizada por fi. Assim. bem como o procedimento técnico mais adequado. A regra de Sturges. haverá algumas com frequência nula ou muito pequena. inclusive. é cada um dos grupos de valores em que se subdivide a amplitude total do conjunto de valores observados da variável. até 10. Tem-se: k = 1 + 3.

na realidade.50 a 2.80 a 2. Classes fi 2. enquanto o valor 20 é denominado limite superior.60 a 2.89 4 2. por exemplo.79 7 2.59. o limite inferior da 1ª classe e o superior da última. por representarem.60) / 2 = 2.70 a 2. O limite superior real da primeira classe será: (2.595. O valor 10 é denominado limite inferior ou limite mínimo de classe. Limites de Classes Limite Superior e Limite Inferior Os limites de classe são seus valores extremos. Não se sabe. utilizar a tabela para cálculos em que se requeira grande exatidão.59 1 2. os limites reais são obtidos pela média aritmética entre o limite superior de uma classe e o limite inferior de classe seguinte.59 + 2. ou maiores que um limite inferior especificado.595. . Não é possível.50 a 2. Limites Reais de Classe Considere a Tabela 2. como. Esses limites são denominados limites reais de classe. Os valores 0 e 100. Tabela 3 Número de ações Acionistas fi (1000) 1 a 99 20 100 a 499 70 500 a 999 50 1000 a 9999 45 10000 ou mais 5 ∑ 190 A utilização desse tipo de limite prejudica a representação e análise dos dados.90 a 2. Na prática. para estimar a média de ações por acionista. congregaria. cujos limites são 2. em que se exemplifica uma distribuição de frequências.495 a 2. se a média de ações possuídas pelos 5000 acionistas com 10000 ou mais ações é um número muito próximo ou muito afastado desse limite inferior. A segunda classe do exemplo da tabela 1 tem como limites os valores 10 e 20.69 2 2.99 2 ∑ 16 A primeira classe. por conseguinte. na realidade. Limites Não Definidos Uma classe com limite indefinido ou aberto é aquela que inclui todos os valores da variável menores que um certo limite superior especificado. são também denominados limite inferior e limite superior da distribuição. respectivamente. valores compreendidos no intervalo de 2.

65 2.: 0.95 ∑ 16 Tipos de Frequências Uma tabela de frequências pode representar e caracterizar um dos seguintes tipos de frequências: Frequência simples -> absoluta e relativa Frequência acumulada: “abaixo de” (crescente) -> absoluta e relativa.85 2.55 + 0. Considerando a tabela 1.10/ 2 = 0.69 – 2. Já quando as classes forem representadas conforme aparece na Tabela 2.10 = 2.xi Para obter o ponto médio de uma classe.99 2 2.70 a 2. qualquer que seja a representação tabular escolhida.55 2. tem-se: Classes fi Ponto Médio .69 2 2. e “acima de” (decrescente) -> absoluta e relativa. o ponto médio poderá ser calculado através da média aritmética dos limites do intervalo.79 7 2. tem-se 10 . Amplitude do Intervalo de Classe A amplitude do intervalo de classe ou simplesmente intervalo de classe é o comprimento da classe. sendo geralmente definida como a diferença entre seus limites superior e inferior.50 a 2. 𝑘 ∑ 𝑓𝑖 = 𝑛 𝑖=1 Exemplos: i Número de defeitos (xi) Número de peças (fj) 1 0 5 2 1 10 3 2 18 4 3 12 5 4 5 ∑5𝑖=1 𝑓𝑖 50 .10 = 2.89 4 2.59 = 0.75 + 0.90 a 2. A soma das frequências simples absolutas numa tabela é chamada frequência total e corresponde ao número total de observações.85 + 0. quando o limite superior de uma classe for igual ao inferior da seguinte.75 2.xi 2.0 = 10.60 a 2. Ponto Médio . ou seja.65 + 0.80 a 2. Quando as classes forem representadas conforme aparece na Tabela 1.10 . Esse procedimento pode ser adotado.10 = 2.10 = 2. Assim sendo. o ponto médio da primeira classe será: Primeira classe: 0|-----. Frequência simples absoluta .50 + 0.fi A frequência simples absoluta é o número de repetições de um valor individual ou de uma classe de valores da variável.5 = 2. basta acrescentar ao seu limite inferior a metade da amplitude do intervalo de classe.10 Ponto médio: x1 = (0 + 10) / 2 = 5.5 -> 2.59 1 2.

de um número relativo.00 ou 100%.00 100% ∑ 𝑓𝑖 𝑖=1 Frequências acumuladas “abaixo de” Frequência absoluta acumulada . Para calcular a frequência relativa.20 20% 2 18 18/50 = 0.20 15 20|-----.60 130 60|-----. em relação ao número total de observações.90 15 90|-----.10 10% 5 50 1.10 5 10|-----. fri = (fi / ∑𝑘𝑖=1 𝑓𝑖 ) = fi / n Desejando expressar o resultado em termos percentuais.100 10 10 500 ∑ 𝑓𝑖 𝑖=1 Frequência simples relativa – fri A frequência simples relativa representa a proporção de observações de um valor individual ou de uma classe. Exemplo: xi Número de peças (fj) fri Frequências relativas percentuais 0 5 5/50 = 0.80 60 80|-----. portanto. multiplica-se o quociente obtido por 100. Trata-se. A soma das frequências simples relativas de uma tabela de frequências é sempre igual a 1. basta dividir a frequência absoluta da classe ou do valor individual pelo número total de observações. Classes .fi 0|-----.Fi A frequência absoluta acumulada “abaixo de” uma classe ou de um valor individual é a soma da frequência simples absoluta dessa classe ou desse valor com as frequências simples absolutas das classes ou dos valores anteriores.24 24% 4 5 5/50 = 0.50 100 50|-----.10 10% 1 10 10/50 = 0.70 100 70|-----.30 20 30|-----.Notas Frequências . .36 36% 3 12 12/50 = 0. Simbolicamente.40 45 40|-----.

30 20 4 40 8 30|-----.80 60 475 80|-----.Notas Frequências .20 15 3 20 4 20|-----. Toda vez que se procura saber quantas observações existem até uma determinada classe ou valor individual.70 100 415 70|-----.20 15 20 20|-----. Classes .70 100 20 415 83 70|-----.50 100 185 50|-----.Fri A frequência relativa acumulada da classe ou do valor individual i é igual à soma da frequência simples relativa dessa classe ou desse valor com as frequências simples relativas das classes ou dos valores anteriores. recorre-se à frequência acumulada “abaixo de”.fi Fi 0|-----.50 100 20 185 37 50|-----.40 45 9 85 17 40|-----.40 45 85 40|-----.80 60 12 475 95 80|-----. incluindo no cálculo a frequência do valor ou da classe.100 10 2 500 100 10 500 100 ∑ 𝑓𝑖 𝑖=1 . A expressão “abaixo de” refere-se ao fato de que as frequências a serem acumuladas correspondem aos valores menores anteriores ao valor ou à classe cuja frequência acumulada se deseja obter.Notas fi fri (%) Fi Fri 0|-----.60 130 315 60|-----.90 15 3 490 98 90|-----.10 5 5 10|-----. Classes .60 130 26 315 63 60|-----.90 15 490 90|-----.30 20 40 30|-----.100 10 500 10 500 ∑ 𝑓𝑖 𝑖=1 Frequência relativa acumulada .10 5 1 5 1 10|-----.

A tabela de frequências abaixo apresenta 4 falhas de construção.8 10 8 ------| 10 10 Total 100 3. a frequência absoluta acumulada e a frequência relativa acumulada. 4.2 40 2 |-----. Quais são? Classes Fi 0 ------| 2 80 4 ------| 6 0 6 |-----. c) Determinar as frequências absolutas acumuladas (“abaixo de”). Considere a tabela abaixo.4 30 4 |-----. 162 163 148 166 169 154 170 166 164 165 159 175 155 163 171 172 170 157 176 157 157 165 158 158 160 158 163 165 164 178 150 168 166 169 152 170 172 165 162 164 . Nº de salários Nº de operários fri Fi Fri mínimos (fi) 0 |-----. Os dados seguintes representam 20 observações relativas ao índice pluviométrico em determinados municípios do Estado: Milímetros de Chuva 144 152 159 160 160 151 157 146 154 145 141 150 142 146 142 141 141 150 143 158 a) Determinar o número de classes pela regra de Sturges. Exercícios Propostos 1. A tabela seguinte representa as alturas (em cm) de 40 alunos de uma classe. e calcule a frequência simples relativa.10 5 Total 100 2.8 15 8 |-----. e) Determinar as frequências relativas acumuladas (“abaixo de”). b) Construir a tabela de frequências absolutas simples. d) Determinar as frequências simples relativas.Frequências acumuladas “acima de”: o cálculo é semelhante aos tipos de frequências acumuladas “abaixo de”. que representa os salários pagos a 100 operários da empresa GLT & Cia. onde a ordem será a inversa.6 10 6 |-----.

planejamento. ( ) Soma-se ao seu limite inferior metade de sua amplitude e divide-se o resultado por 2. As fases principais do método estatístico são: ( ) Coleta de dados. ( ) O elemento variável é o local. População ou universo é: ( ) Conjunto de pessoas. ( ) A soma das frequências simples absolutas. apuração dos dados. a) Calcular a amplitude total. e definição do problema. b) Admitindo-se 6 classes. ( ) A diferença entre o maior e o menor valor observado da variável dividido por 2. análise e interpretação dos dados. 7. 5. ( ) Definição do problema. 11. Para se obter um ponto médio de uma classe: ( ) Soma-se ao seu limite superior metade de sua amplitude. ( ) O número de observações acumuladas até esse valor. ( ) A porcentagem de repetições desse valor. interpretação dos dados e planejamento. qual a amplitude do intervalo de classe? c) Construir uma tabela de frequências das alturas dos alunos admitindo que o limite inferior da 1ª classe seja 148 cm. ( ) Conjunto de indivíduos apresentando uma característica especial. A amplitude total é: ( ) A diferença entre dois valores quaisquer de um conjunto de valores. ( ) Amostragem. apresentação tabular e gráfica. apresentação dos dados. apresentação tabular. . amostragem. ( ) Soma-se ao seu limite inferior metade de sua amplitude. 6. Frequência simples absoluta de um valor da variável é: ( ) O número de repetições desse valor. ( ) Não tem elemento variável. A série estatística é chamada cronológica quando: ( ) O elemento variável é o tempo. 8. ( ) A soma das frequências relativas menos as frequências absolutas. 9. d) Determinar os pontos médios das classes. ( ) Conjunto de todos os indivíduos apresentando uma característica comum no objeto de estudo. apuração. coleta dos dados. Frequência total é: ( ) O número de repetições de um valor da variável. ( ) A diferença entre o maior e o menor valor observado da variável. 10.