EPIS TEMOLOG IA DA AR TE, C IÊ NC IA E LITER ATUR A NA

ANTIG UIDADE G R EG A

G onçalo R ui Lourenço Valentim (20082464)
Inês de S ous a Ferreira D ias da S ilva (20082476)
Inês D uarte Fanha (20082414)
S ofia dos S antos G odinho (20080665)

Univers idade Lus ófona de Humanidades e Tecnologias

His toria e E pis temologia da P s icologia
D ocente: M es tre Ana C atarina C os ta Valente

Faculdade de P s icologia
Junho, 2009

Anaximandro e Anaxímenes .D O R M ITÓ R IO S Escola Milesiana Responsáveis: Profs. Tales.

D O R M ITÓ R IO S Escola Eleática Responsáveis : Profs. Zeno. Xenófanes. Parménides .

Heráclito de Éfeso .D O R M ITÓ R IO S Escola Dialéctica Responsável: Prof.

Pitágoras . D O R M ITÓ R IO S Escola Pitagórica Responsável: Prof.

D O R M ITÓ R IO S Escola Atómica Responsáveis: Profs. Lêucipo de Mileto e Demócrito de Abdera .

FR ATE R NID AD E S AC AD É M IC AS Hestia Patroi ou o Culto dos Antepassados .

FR ATE R NID AD E S AC AD É M IC AS Deuses da Cidade: O culto de Atena .

FR ATE R NID AD E S AC AD É M IC AS Olimpo: Culto dos Deuses do Olimpo .

FR ATE R NID AD E S AC AD É M IC AS Mistérios .

FR ATE R NID AD E S AC AD É M IC AS Filosófica .

O D epartamento de Artes tem o prazer de apresentar os cursos de: -P intura -E scultura -Arquitectura .

C ) • O Helenístico (séculos III ao I a.C ) • O Arcaico (séculos VII e VI a. Q uatro grandes períodos • O G eométrico (séculos IX e VIII a.C ) • O C lássico (séculos V e IV a.C ) .

plantas. figura humana e mitologia .C urso de P intura Decoração horizontal Formas geométricas simples Período geométrico Pouco relevo Ganha volume Período arcaico Figuras bicolor em negro Motivos: Animais.

C urso de P intura Período Decadência e estagnação Clássico Decoração mais rica Período Ganha cor Helenístico Figuras a vermelho .

C urso de E scultura
Pequenas figuras humanas
Período
Geométrico Materiais: argila, marfim e cera

Começou-se a trabalhar a pedra
Período
Formas lisas e arredondadas
Arcaico
Motivos: rapazes (kouros) e
raparigas (Korés)

C urso de E scultura

Estudo de proporções
Copia fiel da anatomia humana
Período
Clássico Expressividade e realismo
Conceito de contraposição

Sofisticação das formas

Obras monumentais e de enorme
beleza
Período
Helénico Associação á arquitectura

Presente em: estatuas trabalhadas
nas fachadas, colunas e interiores de
templos

C urso de Arquitectura
Morfologicamente bastante simples
Forma rectangular
Megaron micênico Quatro colunas de sustentação
Telhado em forma de “duas águas”

Três ordens:

- Ordem Dórica
- Ordem Jónica
- Ordem Coríntia

vigorosa e serena Colunas muito simples Ordem Dórica Fuste percorrido por estrias verticais Coluna está directamente Sobre o entablamento . simétrica. C urso de Arquitectura Sólida.

C urso de Arquitectura Dimensões maiores Fuste percorrido por estrias Ordem Jónica verticais Capitel como um rolo duplo (volutas) .

C urso de Arquitectura Mais elaborada Capitel com a forma de Ordem Coríntia um sino invertido decorado Com folhas de acanto Fuste percorrido por estrias verticais .

. . .Fui o fundador: da física. da politica e por fim a áreas pela qual despertou mais interesse a biologia. da metafísica. .Os seus pensamentos encontram-se na linha de Sócrates e Platão. .Desenvolveu algumas investigações cientificas com um amigo (Teofrasto) e fundaram a escola de Atenas.Sendo que a base da lógica aristotélica é o raciocínio.Para ele as ideias são representações mentais de objectos reais ou imaginários.R esponsável pelo D epartamento de Artes Aristóteles -Ingressou na academia platónica aos 17 anos. da ética. . da estética.

elegância das roupagens e movimento Estátua de Zeus Atena Pártenos Escolhido por Péricles para dirigir a decoração do Pártenon . Autores importantes nas artes da nossa história Repertório oriental Na pintura Decoração de vasos de argila Corinto Motivos vegetais. animais (reais/imaginários). Aperfeiçoamento da representação da figura humana inspirados na mitologia Considerado o mestre supremo da escultura Na escultura Esculpia divindades Fidias Graça. cenas extraídas da epopéia ou da vida cotidiana.

Autores importantes nas artes da nossa história Trabalhou em conjunto com Calícrates Ictinos Projectou o Partenon .

Em resumo… … e como podem vir a verificar ao longo dos cursos na área de artes. Só através da representação de cenas mitologicas é que os artistas gregos “davam asas á imaginação” tudo o resto era a representação do real. . a arte grega teve como principais características. não só retratar a sua vida do quotidiano representando assim o que na realidade existe mas a também cenas mitológicas em que se “agarravam” para assim explicar a dominação do mundo e afugentar o medo e a insegurança.

A Faculdade de Literatura tem o prazer de apresentar os cursos de: -Filosofia -Teatro -P olitica .

C . . – continuando no Império R omano) O s dois primeiros períodos constituem a fase de criação da literatura grega.) • O Helenístico (após 320 a. Três grandes períodos: • O P ré-Ático (origens até século V) • O Ático (século V até 320 a.C .

Os temas mais abordados têm sido os mitos. baseados na memória de  Original eventos históricos e de uma certa  Universal especulação de carácter religioso.  Simples  De forma elevada  Bela  Verdadeira  Rica no vocabulário P sique e o Amor . já fazíamos poesia A literatura grega é: que era cantada ou recitada.Muito antes de utilizarmos a escrita na literatura.

que ama + sophia . Curso de Filosofia philos . « que ama a sabedoria » Alguns dos mais famosos filósofos: Sócrates Platão Aristóteles .sabedoria.

A filosofia propriamente dita surge na Grécia com o propósito de racionalizar a interpretação do homem e do Universo.Segundo Platão e Aristóteles. .. . os mitos foram a matéria inicial de reflexão dos filósofos.

A filosofia grega pode ser dividida em três períodos:  Período Pré Socrático Filosofia foi utilizada para explicar a origem do mundo e das coisas ao redor. o Ceticismo e também o Cinismo.  Período Socrático O objecto de estudo passa a ser o homem em si.  Período Helenístico Escolas filosóficas deste período são o: Estoicismo. . o Epicurismo.

O s actores us am máscaras e túnicas de acordo com a personagem interpretada. compositores de música.Curso de Teatro -O teatro grego nasceu da religião. por vezes há cenários. entre outros cargos. . . . autores dramáticos. com as festas em homenagem ao D eus D ionís io.O s poetas são ao mes mo tempo. directores de cena.

O s poetas procuram compensar as manifestações de desagrado ou mesmo evitá-las através de uma claque.-Apesar do carácter religioso das representações. . . o público manifesta à vontade os seus sentimentos de maneira ruidosa.A multidão tenta por vezes pressionar o júri provocando por vezes cenas tumultuosas. quando fica satisfeito e batendo os pés ou as sobiando quando fica descontente. aplaudindo. .

Temas das aulas de expressão teatral: .Factos do quotidiano.lendas e mitos. -Homenagens aos D euses G regos . .problemas emocionais e psicológicos . .C riticas humorísticas aos políticos. -Factos heróicos. . .

. Isócrates e D emóstenes. Andócides. Aristóteles P rofessores auxiliares destacados: Antifonte. Curso de Politica Historia da politica: • A nossa his toria politica caracteriza-se por guerras externas e internas. O ratória: • E laboração de discursos • Aperfeiçoamento da eloquência S omos animais políticos P rof. • Aristóteles funda a ciência política como uma disciplina específica. Lísias.

É harmoniosa. nobre. Descreve personagens idealizados. . mas que são reais e acessíveis a todos os sentimentos humanos.P rofessores D estacados: Homero A poesia épica de Homero dirige-se a toda a aristocracia grega. simples.. forte e graciosa. Tem a finalidade de agradar.

 Hesíodo abandona o passado heróico e passa a inspirar-se no próprio mundo em que vive . Hesíodo  A sua poesia tem como finalidade o ensino.  A necessidade do trabalho e o dever de ser justo são os itens principais da moral teórica de Hesíodo.

uma imagem. . Teógnis de Mégara  Consegue condensar num verso. prega nos seus versos a moral tradicional condenando os excessos. Arquíloco de Paros  Criador da sátira lírica e é considerado o primeiro representante do realismo na literatura. Sólon  Este estadista poeta. a expressão da sua cólera ou sua dor.

orgulho.  Ele descreve com psicologia os diversos sentimentos que animam os seus personagens: vontade apaixonada. Ésquilo  Na sua encontramos inspiração religiosa. . consciência do dever. Sófocles  Os personagens de Sófocles são profundamente humanos e reais. violência e ternura.  Reflecte a mentalidade religiosa e patriótica da época. patriótica e filosófica.

. Aristófanes Clístenes  Liderou uma revolta popular e reformou a constituição da antiga Atenas  É considerado o pai da democracia.

liberdade interna. epartamento de Literatura • O homem é a medida de todas as coisas e deve assumir que deve conhecer-se a si mesmo. R esponsável pelo D . • A liberdade é vista essencialmente como liberdade moral. •Utiliza o método maiêutico. • A ciência deve ter carácter de universalidade. S ócrates C onhece-te a ti mesmo P rofessor S ócrates .

A Faculdade de C iências tem o prazer de apresentar os cursos de: -C iências Naturais -M edicina -M atemática e Astronomia .

Fundamentos da Ciência: • caminho da abs tracção • conhecimento reflectido • pens a-s e a s i mes mo • compreender os factos • ontológica • explicativa • obs ervação: ideia para realidade s ens ível • conceitos : clas s ificações e generalizações para o verdadeiro domínio da ciência .

a embriologia e o nascimento estudo dos animais segundo a maneira como são gerados: • nascem vivos • saem de um ovo • segmentação • metamorfose . a fecundação. segundo a presença ou ausência de sangue vermelho Zoologia e Biologia estudo dos sexos. C urso de C iências Naturais morfologia e funções reprodutivas dos animais estudo da base da classificação dos animais.

. C urso de C iências Naturais descrições exactas de diversas plantas recorrendo à representação gráfica das plantas em herbários. investigação da duração da vida das plantas e as suas doenças Botânica estudo da classificação dos vegetais com fundamento na presença ou ausência de tronco e na variedade do mesmo catálogo com indicações Rizotomistas: • agricultores • farmacêuticos de aplicações terapêuticas e toxicológicas.

Curso de Medicina práticas mágicas com finalidades curativas Medicina do Mistério profeta ou poeta fórmulas mágicas administração de remédios .

Curso de Medicina observação Medicina Científica experiência .

Curso de Medicina observação natureza das afecções prática da auscultação pulmonares Cnido prática de intervenções cirúrgicas: • trepanação • incisões renais • incisões pulmonares nascimento formação do corpo humano equilíbrio dos humores do organismo .

Curso de Medicina observação sensível actividade do pensamento observação do doente: • ver • tocar • ouvir • procurar conhecer tudo o que estiver ao seu alcance Cós reflexão sobre os factos constatados ajudar e estimular a actividade natural estudo da vida psíquica do doente: • consciência • senso íntimo saber universal forma elevada de cultura .

sobre os gestos desordenados das mãos. o resfriamento. os silêncios. sobre as palavras. o doente. São esses dados e tudo o que eles permitem aprender que se deve examinar com cuidado. as ocupações. o espirro. os tremores. Prof. os sonos. sobre o suor. as qualidades e os momentos dos sonhos. os pensamentos. sobre a natureza das doenças que se sucedem umas às outras e sobre os abcessos anunciadores de ruínas ou de crise. sobre os hábitos. Hipócrates . sobre os paroxismos. as insónias. as hemorragias e as hemorróidas. as evacuações. os gases silenciosos ou não. as urinas. as maneiras. o soluço. sobre a constituição geral da atmosfera e as constituições particulares segundo as diversidades do céu e do lugar. o arroto. as substancias administradas. a tosse. aquele que as administra e o que disto se pode concluir de bom ou mal. as comichões e as lágrimas. os escarros e os vómitos. O nosso conhecimento apoia-se sobre a natureza humana universal e sobre a natureza da própria pessoa. o regime de vida. a idade de cada um. sobre a doença.

Curso de Medicina Pneumática factores do equilíbrio psicológico: pneuma Escola de Herófilo anatomia dissecação Escola de Erasístrato fisiologia Especializações: • particulares • públicos • militares .

Curso de Matemática e Astronomia método apagógico de Hipócrates Matemática estudo da geometria geometria pitagórica .

por cálculos aproximados. estudo da precessão dos equinócios de Hiparco .a volta de um fogo central estudo da teoria das esferas concêntricas de Eudóxio teoria geocêntrica teoria heliocêntrica estudo. das dimensões e distancias do Sol e da Lua. Curso de Matemática e Astronomia estudo e investigação das constelações: • Plêiades • Hiades • Orion • Ursa Maior Astronomia estudo da esfericidade da Terra estudo do movimento da Terra .

Plêiades Hiades .

Orion .

Ursa Maior .

Teoria das esferas concêntricas de Eudóxio .

Teoria Geocêntrica Teoria Heliocêntrica .

Precessão dos Equinócios de Hiparco .

Lua e planetas possuem movimentos independentes da própria rotação . • Proposição: h2=c2+c2 • Afirma que a terra tem forma esférica • Sol.Professores Destacados: Pitágoras • Grande teórico dos números: • Desenvolveu uma explicação matemática referente aos intervalos fixos da escala musical.

. Tales • Utilizou a Ursa Maior para encontrar o pólo. • Descobriu a desigualdade das quatro estações astronómicas • Trabalhos sobre os equinócios e o solstício.

Aristóteles • Não há ciência do particular mas do Universal – não há ciência do homem mas do ser humano • Definição (sensação – primeiro fundamento) • Demonstração • Pai da zoologia e biologia .

aí está também o amor à arte” • Ares. a reflexão e a discrição • “Onde está o amor ao homem. Hipócrates • Maior mentor da escola de Cós • Pai da medicina • Sábio e humano. a seriedade. Águas e Lugares. unindo a tranquilidade. o primeiro tratado de saúde pública • Objectividade da descrição – o diagnostico só pode ser feito após a caracterização dos sintomas • Rejeita a influência sobrenatural como causa das doenças – como a epilepsia • Doenças devem ser curadas mediante a restauração da harmonia .relação entre os elementos e os humores • O remédio tem por finalidade colaborar com a natureza • A natureza é a verdadeira médica .

(…)ela não é mais divina nem mais santa que qualquer outra doença. na realidade estão a repelir a sua divindade. sendo que a sua suposta origem divina se deve à inexperiência dos homens e ao seu espanto ante o seu carácter peculiar. “Vou agora discutir a doença a que chamam de sagrada. com o emprego do fácil método de curar que consiste em purificações e encantamentos. tendo uma causa natural. (…)por motivo de não conseguirem explicá-la.” Hipócrates .

marchas. massagens e banhos frios. Teofrasto • Escreveu sobre botânica Asclepíades • Hidroterapia • Ginástica • Regimes. Alcméon • Sede da sensação esta no cérebro .

vascular. glandular. Herófilo • Sistemas nervoso. digestivo e ósseo • Distinção entre nervos que partem do cérebro e nervos que partem da espinal medula • Artérias transportam sangue e não ar • Pulsação arterial é produzida pelo coração • Distinguiu cérebro de cerebelo • Membranas que revestem o cérebro. na cavidade cerebral Erasístrato • Distinguiu nervos sensoriais de nervos motores • Descobriu o papel da epiglote .

Platão • Não considera a medicina como arte liberal. .Responsável pela Faculdade de Ciências • Inatingível mundo das ideias • Rebaixamento passar do estudo das coisas incorpóreas e inteligíveis para o dos objectos que se encontram ao alcance dos sentidos e estreitamente ligados aos trabalhos manuais e servis.

Rio de Janeiro.htm •Enciclopedia Multimedia del Arte Universal. Lta. G. M.2. Jorge Zahar Editor. (1991) Civilização Clássica – Grécia e Roma. Madrid.net/historia/grega/texto. (1972) História da Grécia – Antiguidade Clássica I. •Jaguaribe.arteeeducacao. Paz e Terra.. (1999) Vol. • Fraile. H. (1976) Historia de la Filosofia – I: Grecia y Roma. M. • Grant. São Paulo. (2001) Um Estudo Critico da Historia – volume I. Editora Vozes. Biblioteca de Autores Cristianos. Petropolis. Madrid . Ediciones Multimedia. • Giordani. Referências: • Arte e Educação http://www.