3 O caule sustenta os órgãos fotossintetizantes 24 2.1 As plantas que dependem de água para a fecundação 06 1.2 Os Nastismos são movimentos em resposta a um estímulo 65 5.2 Os vertebrados 78 7.1 Os tropismos são crescimentos em resposta a um estímulo 64 5. o fruto é o ovário desenvolvido 31 3.4 As plantas e suas necessidades minerais 48 4.3 Um tecido especializado em contrair-se 93 7.4 Folhas são as estruturas fotossintetizantes da planta 29 2. A evolução dos animais 70 6.1 A unidade funcional do tecido nervoso 98 8.2 Giberelina.6 O sistema nervoso central 101 8.1 Um tecido para revestir o organismo e produzir secreções 86 7. Fatores ambientais determinam o crescimento e os movimentos das plantas 64 5.4 Ácido abscísico. SUMÁRIO DO VOLUME IDENTIDADE FUNCIONAL DA VIDA 1.1 Germinação: o desenvolvimento do embrião 14 2.5 Etileno. A evolução das plantas 05 1. Desenvolvimento das plantas: de uma semente a um organismo especializado em realizar fotossíntese 14 2. o hormônio que promove o alongamento das células 54 4.3 Os tactismos são deslocamentos em resposta a um estímulo 66 6.3 A comunicação entre os neurônios 100 8.3 A translocação da seiva elaborada 46 3.1 Sistema sensorial humano 111 .1 Os invertebrados 73 6. O transporte de água e solutos nas plantas 40 3.5 Comparando os sistemas nervosos dos animais 100 8. o hormônio que foi descoberto em um fungo 56 4. Os fitormônios regulam o crescimento vegetal 54 4. Coordenando o organismo por impulsos nervosos 98 8. o hormônio da inibição vegetal 58 4.4 Um tecido que interpreta estímulos externos 94 8.1 As plantas perdem grande quantidade de água por transpiração 40 3.2 A raiz é uma estrutura especializada em absorver do solo água e sais minerais 15 2.7 O sistema nervoso periférico 103 9. o hormônio da divisão celular 57 4.2 Um tecido com uma grande variedade de funções 88 7. Desenvolvimento dos animais: dos folhetos embrionários aos tecidos especializados 86 7.1 Auxina.5 Biologicamente.3 Citocinina. o hormônio gasoso 59 5. A captação dos estímulos externos 110 9.2 A transpiração interfere diretamente na absorção de água pelas raízes 44 3.2 Alterações na polaridade da célula provoca o impulso nervoso 99 8.2 Plantas que não dependem de água do ambiente para a fecundação 08 2.4 Outras células do tecido nervoso 100 8.

As defesas do organismo 17. A evolução das plantas 2. Revestimento do corpo. esqueleto e músculos 12. Sistema respiratório: trocando gases com o meio VOLUME 3 IDENTIDADE FUNCIONAL DA VIDA 15. A evolução dos animais 7. A captação dos estímulos externos VOLUME 2 IDENTIDADE FUNCIONAL DA VIDA 10. Sistema digestório: degradando e absorvendo moléculas orgânicas 14. Desenvolvimento das plantas: de uma semente a um organismo especializado em realizar fotossíntese 3. Fatores ambientais determinam o crescimento e os movimentos das plantas 6. Embriogênese: o milagre da vida 19. Coordenando o organismo por impulsos nervosos 9. Os fitormônios regulam o crescimento vegetal 5. Desenvolvimento dos animais: dos folhetos embrionários aos tecidos especializados 8. Qualidade de vida nas populações humanas . O sistema que retira impurezas do organismo 13. Biologia – Identidade Funcional da Vida 3 VOLUME 1 SUMÁRIO COMPLETO IDENTIDADE FUNCIONAL DA VIDA 1. Sistema cardiovascular: a distribuição de nutrientes e gases 16. Adaptações e ritmos biológicos 20. O transporte de água e solutos nas plantas 4. Coordenando o organismo através de mensageiros químicos 11. A reprodução animal 18.

4 Biologia – Identidade Funcional da Vida .

Acervo CNEC . a falta deles funcionou como fator limitante no meio terrestre. Os vegetais que não formam tubo polínico durante seu ciclo reprodutivo são conhecidos como assifonógamos (a = sem. Nesse período. Todos pertencem ao Reino Plantae e ao domínio Vasos condutores de seiva Eukarya. que as protege da ação dos sucos digestivos. a semente facilita a dispersão da espécie. Biologia – Identidade Funcional da Vida 5 A evolução das plantas 1. da raiz às outras partes e o líber ou floema que se encarrega do transporte de seiva elaborada. iniciou-se a exploração dos ecossistemas terrestres. das folhas às outras partes do vegetal. Assim. composta de água e sais minerais. as condições da atmosfera já não eram mais adequadas à reação de gases e à formação de moléculas orgânicas.5 bilhões de anos atrás – até meados da Era Cambriana – cerca de 400 milhões de anos atrás). Entre elas. permitindo a posterior ocupação dos heterótrofos. incluindo os animais. gimnospermas Algas verdes Briófitas Pteridófitas Gimnospermas Angiospermas e angiospermas. A partir daí. As sementes apresentam um tecido de revestimento. enquanto a vida na água foi favorecida pela grande quantidade de nutrientes que havia se formado antes da existência das primeiras formas de vida. • Embrião: forma-se a partir do zigoto ficando protegido em estruturas da planta-mãe. O surgimento da semente foi uma conquista importante. O lenho ou xilema que se encarrega do transporte de seiva bruta. Os vegetais que formam semente são conhecidos como espermatófitos (esperma = semente). • Tubo polínico: estrutura responsável pelo transporte das células sexuais masculinas até as femininas. por outro. estruturas que conferiram a eles independência da água para a reprodução. quando ingeridas. Os vegetais que não apresentam essas estruturas são conhecidos como avasculares e aqueles que as apresentam. gerando disputas e competições. Assim. mas sempre limitada ao ambiente aquático. Além de evitar a desidratação e permitir a nutrição do embrião enquanto ele é incapaz de realizar a fotossíntese. conservação de água e. o esclerênquima. obrigou os seres vivos a procurar novos ambientes. composta de água e açúcares produzidos na fotossíntese. Embrião Cladograma dos principais grupos vegetais. a vida esteve em contínua atividade de multiplicação e diversificação. independentemente da presença de água. as adaptações à nova vida incluíram o surgimento e o desenvolvimento de órgãos de fixação. mais tarde. de tal forma que a subsistência das comunidades dependia da atividade autotrófica. Acredita-se que todos tenham tido as algas verdes como ancestral Flores e frutos comum. Se por um lado havia mais oxigênio e menor competição. Além disso. destacam-se: • Vasos condutores de seiva: estruturas responsáveis pelo transporte de água e nutrientes ao longo do corpo do vegetal. Existem dois tipos de vasos condutores. No caso dos vegetais. de sustentação. As plantas que formam o embrião durante o ciclo de vida são conhecidas de embriófitas. Essa transição trouxe vantagens e desvantagens. promovendo a germinação do embrião em locais distantes da planta-mãe. os autótrofos foram os primeiros a ocupá-lo. visto que todos apresentam celulose na parede celular e clorofilas a e b Sementes como pigmentos fotossintetizantes. pteridófitas. A associação desses fatores. A EVOLUÇÃO DAS PLANTAS Durante cerca de 3 bilhões de anos (Era Pré-cambriana – 3. vasculares ou traqueófitos. • Semente: estrutura que protege o embrião. • Fruto: os frutos protegem as sementes e facilitam a dispersão da espécie à medida que atraem animais capazes de transportá-las. enquanto aqueles que o apresentam são chamados de sifonógamos. não sofrem digestão e podem ser eliminadas juntamente com as fezes. Embriófitas A presença ou a ausência dessas estruturas nos permite agrupar todos Traqueófitas os vegetais em quatro grandes grupos: Espermatófitas e Fanerógamas briófitas. sifo = tubo). havia riscos de desidratação e dificuldades de sustentação.

Entre os motivos que impediram tal feito destaca-se a dependência da água para que ocorra a fecundação. a fase dominante é representada pelo Esporófito (2n) gametófito e. Esse indivíduo representa a fase dominante do ciclo. a distribuição de nutrientes nas briófitas acontece lentamente célula à célula. são plantas que não possuem tubo polínico. nem flor e nem frutos. briófitas e pteridófitas são grupos de plantas que não possuem nem semente. Nas briófitas. No caso das briófitas. Não apresentam tubo polínico.que as plantas terrestres apresentam meiose espórica. Entre as plantas terrestres. o Zigoto (2n) outro indivíduo. Meiose persiste somente por um período do ciclo de vida. associada com a ausência de sistemas de sustentação. Sendo plantas avasculares. essa característica é exclusiva das briófitas. gama = gameta). as briófitas apresentam ciclo de vida do tipo haplodiplobiôntico ou alternância de gerações.6 Biologia – Identidade Funcional da Vida A evolução das plantas Os dois primeiros grupos incluem plantas conhecidas como criptógamas (cripto = escondido. faltam-lhes ainda os vasos condutores de seiva. As briófitas e as pteridófitas são os vegetais que iniciaram a ocupação do ambiente terrestre. A ausência de um sistema que distribua nutrientes. As briófitas são plantas sem vasos condutores de seiva Musgos. mas não conseguiram conquistá-lo definitivamente. ou seja. Além disso. um dos indivíduos. mas não conseguiram conquistá-lo definitivamente. já que briófitas e pteridófitas são plantas assifonógamas. Nos outros vegetais terrestres. No caso das briófitas. esporos.. limita o tamanho desses vegetais a poucos centímetros. que as células de um dos indivíduos sofre meiose para formar os esporos. assim como as algas. limita as briófitas a locais úmidos de baixa luminosidade.. Por sua vez. juntamente com a ausência de mecanismos que evitem a transpiração. Essa distribuição lenta. e outro diploide (esporófito). não apresentam órgãos reprodutores visíveis. 1. ao longo de seu ciclo de vida as plantas terrestres formam dois tipos de indivíduos: um haploide (gametófito). essas estruturas estão reunidas nas flores. Toda planta terrestre avascular é classificada informalmente no grupo das briófitas. Nas plantas terrestres.. ocorre Acervo CNEC o inverso: o esporófito representa a fase dominante e o gametófito. que forma. o Esporos (n) Fecundação gametófito ou o esporófito. que forma Gametófilo (n) gametas. a fase transitória Esquema de um ciclo haplodiplobiôntico pelo esporófito.1 As plantas que dependem de água para a fecundação As briófitas e as pteridófitas são os vegetais que iniciaram a ocupação do ambiente terrestre. são plantas avasculares. pois. ou seja. Você se lembra. a transitória. . hepáticas e antóceros são plantas que não apresentam vasos condutores de seiva. se destaca mais durando todo o ciclo ou em vários ciclos. O grupo das gimnospermas e das angiospermas inclui as fanerógamas (fanero = aparente). Nas angiospermas. Essas duas características são típicas do ciclo haplodiplobiôntico (ou metagênese ou alternância de gerações) sendo esse o tipo de ciclo das Gametas (n) plantas. flores nem frutos. Como qualquer planta terrestre. faltam-lhes ainda os vasos condutores de seiva. consequentemente. sementes. . Além disso.. chamadas assim por terem os órgãos reprodutores aparentes. o que representa a fase transitória. sendo o gametófito o indivíduo representante da fase dominante. ou seja. por meiose.

. assim como as folhas. são bioindicadores de poluição já que apresentam dificuldade para sobreviver em locais poluídos. há 300 milhões de anos. as pteridófitas apresentam o corpo dividido em raízes. é a planta mais cultivada nos lares brasileiros. Assim. de flores e de frutos. O primeiro desempenha função semelhante a das raízes. o que permite que essas plantas tenham maior porte. Apesar dessas diferenças. a fase dominante é o gametófito. desempenha. A presença de gametas masculinos flagelados é outra semelhança entre esses dois grupos vegetais. Economicamente as pteridófitas são muitos importantes. e nos outros grupos. essas plantas formavam exuberantes florestas. junto à outros tecidos. por serem fotossintetizantes. por não formarem tecidos bem diferenciados.npust. Acesso em: 16 ago. cauloide e filoide. samambaiaçu (ou samambaia de metro) são plantas que possuem vasos condutores de seiva e que não formam sementes. como já dito. Outra diferença entre esses dois grupos é a fase dominante do ciclo. e o terceiro. É a partir dessa planta que se produz o xaxim. a mesma jardinagem foi o principal motivo para quase extinção de outra pteridófita: a samambaiaçu. eles utilizam seus flagelos. Além disso. a comercialização de xaxim foi proibida. além de proporcionarem a distribuição de nutrientes. Além dessa diferença.hawaii. Para que os gametas masculinos desloquem na água. As pteridófitas são plantas vasculares sem semente Samambaia. esses dois grupos também compartilham semelhanças. Classificação biológica Classificação informal Representantes (Filos) Bryophyta Musgos Briófitas (plantas avasculares) Hepatophyta Hepáticas Anthocerophyta Antóceros A) B) C) Musgos (A). Como exemplos: as ausências de sementes. Isso porque. as briófitas. A presença dos vasos condutores de seiva é a principal diferença entre as briófitas e as pteridófitas. 2010. Para evitar sua extinção. avenca. caules e folhas. hepáticas (B) e antóceros (C) são exemplos de briófitas. o segundo é análogo ao caule. A) Acervo CNEC / Disponível em: B) <http://npuir. são base de cadeias alimentares participando do ciclo do carbono. enquanto nas pteridófitas. Mas a principal diferença entre elas é a ausência de tubo polínico.botany. que faz com que briófitas e pteridófitas sejam dependentes da água do meio ambiente para que ocorra a fecundação. fazem fotossíntese. Nas briófitas. Isso porque entre as plantas sem flores. A jardinagem foi e é de fundamental importância para a proliferação das samambaias. não possuem esses elementos sendo o corpo dividido em: rizoide. Nesse grupo.edu> / C) <www. que hoje estão transformadas em reservas fósseis de carvão vegetal. para a produção do xaxim é necessário que retire a samambaiaçu. informalmente. Todas as plantas com essas características são classificadas. a fase dominante é o esporófito. A pteridófitas estão muito relacionadas a jardinagem. No entanto. Já as briófitas.edu>. no grupo das pteridófitas. os vasos condutores de seiva. a função de sustentar o vegetal. a samambaia. vasos usados para o cultivo de outras plantas. o representante mais conhecido das pteridófitas. Biologia – Identidade Funcional da Vida 7 A evolução das plantas Apesar da simplicidade desses vegetais.

. comparadas com briófitas e pteridófitas. não existe ligação física com a planta-mãe. chegam até a oosfera. Mesmo assim. tanto de forma mecânica quanto evitando sua desidratação. assim. B e C . podendo ser lançado muito próximo do gametófito feminino. o gameta feminino. É fácil perceber que a semente protege o embrião. chamado de grão de pólen. gimnospermas e angiospermas. pelo tubo polínico. armazena moléculas orgânicas para a nutrição do embrião durante a germinação. essa é responsável pela nutrição desse embrião. A. uma estrutura que retém o embrião e. no momento em que o embrião inicia seu desenvolvimento. sem a necessidade de água do meio. e ao tubo polínico. A redução do gametófito masculino. para que ai forme os gametas masculinos. Nos grupos com sementes.8 Biologia – Identidade Funcional da Vida A evolução das plantas Classificação informal Classificação biológica (Filos) Representantes Pterophyta Samambaias e avencas Pteridófitas Lycophyta Licopódios e selaginelas (plantas vasculares Sphenophyta Cavalinha sem sementes) Psilotophyta Psilotáceas A) B) C) Samambaia (A). avenca (B) e samambaiaçu (C) são exemplos de pteridófitas. mesmo longe da planta-mãe. surgiram características que possibilitaram que o encontro dos gametas ocorresse sem a necessidade desse fator abiótico. possibilitou que esse fosse transportado pelo vento ou por animais. as gimnospermas e angiospermas possuem sementes. evita que ele desidrate. o embrião requer uma grande quantidade de energia. São essas moléculas que serão utilizadas pelo embrião durante a germinação. evitando a competição entre eles e dispersando a espécie. nos outros dois grupos de vegetais terrestres. principalmente o masculino. a nutrição do embrião é responsabilidade da planta-mãe já que é através de sua fotossíntese que serão produzidas as moléculas orgânicas que serão armazenadas na semente. Isso possibilita que esse embrião seja lançado para longe da planta-mãe. como esse desenvolvimento acontece em uma estrutura da planta-mãe. As características descritas acima explicam a menor dependência das gimnospermas e angiospermas em relação à água do ambiente.Acervo CNEC 1. e auxilia na dispersão da espécie. Os núcleos espermáticos. Além disso. nome dado aos gametas masculinos. Nas briófitas e pteridófitas. No início de seu desenvolvimento. Isso pode ser atribuído à redução dos gametófitos.2 Plantas que não dependem de água do ambiente para a fecundação Enquanto briófitas e pteridófitas dependem da água do ambiente para que ocorra a fecundação.

as gimnospermas (principalmente as coníferas) apresentam uma vasta distribuição. araucárias. formarem sementes. cicas. não necessitam de água do ambiente para que ocorra fecundação. as cicadófitas. é uma importante fonte de madeira. chamadas de pinhões. um prolongamento de uma das células do grão de pólen que leva o gameta masculino até o gameta feminino. mas sem flores e frutos Pinheiros. vem sendo muito utilizadas em jardinagem. Entre outros motivos está sua utilização na produção de madeira. facilitam a liberação e a captação do grão de pólen. Outra característica desse grupo é a presença de órgãos reprodutores visíveis. os estróbilos. masculino (B) e feminino (C). Assim como outras gimnospermas. apesar do nome. em todos os representantes. o pinheiro-do-paraná que. informalmente. principalmente no hemisfério norte. mas não produzirem flores e frutos são classificadas. Os pinheiros ainda são muito utilizados como árvores de natal e suas pinhas (órgão reprodutor feminino) são usadas como enfeites para essas árvores. suas sementes. Como qualquer planta. Apresentando um rápido crescimento. maiores. Biologia – Identidade Funcional da Vida 9 A evolução das plantas As gimnospermas são plantas vasculares com sementes. Entre as gimnospermas destaca-se os pinheiros. Os órgãos reprodutores visíveis. sequoias e cedros são plantas que por serem vasculares. O pinheiro-do-paraná é uma gimnosperma nativa de nosso país que já chegou a ocupar extensa formação nos estados do sul e que hoje encontra-se ameaçada de extinção. é uma araucária. como gimnospermas. Outro grupo de gimnospermas. Além disso. Além disso. já que as plantas desse grupo possuem o tubo polínico. sendo esse o motivo de sua extinção. são comestíveis sendo uma importante fonte de renda para pequenos produtores rurais da região sul de nosso país. Acervo CNEC . onde formam-se extensas florestas. Como já vimos anteriormente. e uma araucária (D) exemplos de gimnospermas. as gimnospermas apresentam importância ecológica participando de diversas cadeias alimentares. ciprestes e araucárias Gimnospermas Cycadophyta Cicas (plantas vasculares com Gnetophyta Gnetáceas sementes nuas) Ginkgophyta Gincobilobas A) B) D) C) Pinheiro (A) com seus estróbilos. essas plantas também são utilizadas para extração de celulose para a produção de papel. Classificação informal Classificação biológica (Filos) Representantes Coniferophyta Pinheiros.

frutos e verduras são produtos das angiospermas. fibras vegetais.edu. Essas duas características possibilitaram que as plantas com frutos ocupassem praticamente todos os ambientes do planeta. As sementes das gimnospermas também apresentam tecido de reserva. Nossas roupas dependem do algodão e do linho. as plantas frutíferas são divididas informalmente em três grupos: monocotiledôneas (cana-de-açúcar. Por enquanto. Gineceu Estame Estilete Pistilo Filete Além das flores e dos frutos. Em nossa alimentação. sendo o grupo com maior diversidade e distribuição geográfica. apresentam uma Flores e frutos são características exclusivas das angiospermas. É consenso entre os taxonomistas vegetais que as angiospermas é um grupo monofilético. também são encontradas nas angiospermas. posteriormente.tw>. cada grão de pólen Elementos de uma flor. odor e coloração que atraem os animais para que ao tentar comê-los. Os frutos comestíveis. o endosperma das angiospermas é triploide enquanto o das gimnospermas é haploide. As próprias flores podem expressar nosso sentimento em relação à outra pessoa. os sistematas ainda discutem em quantas classes as angiospermas devem ser divididas. as sementes sejam carregadas. por exemplo. de formatos e de odores. Esse fruto seco apresenta diversos Estigma ganchos que grudam na pelagem Antera dos animais permitindo assim seu Androceu Conjunto Conjunto transporte. 2009. Acesso em 20 dez. Dessa última fecundação. trigo e arroz). As flores são os órgãos reprodutores das angiospermas e. As diferenças entre esses grupos. No entanto. para o mesmo óvulo (estrutura da parte feminina da flor que contêm o gameta feminino). O que atualmente é muito discutido é a sua divisão. (núcleos espermáticos) que serão transportados. Com toda diversidade e sua ampla distribuição geográfica. Essa eficiência está relacionada com as características que o fruto apresenta. os grãos. Tradicionalmente as plantas com flores eram divididas em dois grupos: as monocotiledôneas e as dicotiledôneas. Além de outras várias utilizações das plantas desse grupo pelo homem. Um dos gametas masculinos funde com o gameta feminino (oosfera) para formar o zigoto que. Com novas informações. tornaram a dispersão da espécie mais eficiente. Já os frutos. soja e ervilha). forma dois gametas masculinos Disponível em: <http://freebsd. dicotiledôneas basais (fruta-do-conde e vitória-régia) e eudicotiledôneas (feijão. Ocorrendo a Sépala Conjunto Cálice polinização (transporte do grão Receptáculo floral Pedúnculo de pólen). mas mesmo essas apresentam características que permitem maior eficiência nesse processo. destaca-se a presença de flores e frutos nesse último grupo. através do tubo polínico. sendo formalmente chamado de Magnoliophyta ou Anthophyta. Algumas flores ainda são polinizadas pelo vento. outra característica exclusiva Ovário das angiospermas é a dupla- fecundação.tpc. Outro exemplo de adaptação Conjunto Corola Pétala à dispersão é o carrapicho.hpes. grande gama de cores. flores e frutos As principais características encontradas nas gimnospermas. dará origem ao embrião. quando comparadas com os estróbilos das gimnospermas. Além disso. esse é formado pelo acúmulo de nutrientes em células do óvulo (gametófito feminino) e não por uma fecundação. as angiospermas acabam afetando profundamente nossas vidas. . Essas características Acervo CNEC possibilitam que animais sejam atraídos para que transportem seus grãos de pólen realizando assim a polinização. forma o tecido triploide que será a reserva da semente (o endosperma). apresentam polpa. O outro gameta masculino funde com outras duas células (núcleos polares) do óvulo que apresenta a constituição genética igual a do gameta feminino.10 Biologia – Identidade Funcional da Vida A evolução das plantas Angiospermas são plantas com sementes. além de protegerem a semente.

. O grupo vegetal cuja reprodução é mais prejudicada pela redução da quantidade de chuva é o das a) fanerógamas. Para isso. CRITÉRIOS MONOCOTILEDÔNEAS DICOTILEDÔNEAS Cotilédone Cotilédones Número de cotilédones um cotilédone dois cotilédones Tipos de raiz Raiz fasciculada Raiz em cabeleira Distribuição dos feixes vasculares do caule Distribuição irregular Distribuição regular Nervura Nervura Tipo de nervura das folhas Folha paralelinérvea Folha reticulinérvea Número de elementos florais Flor trímera (elementos florais Flor tetrâmera (elementos florais múltiplos múltiplos de 3) de 4) ou pentâmera (elementos florais múltiplos de 5). b) angiospermas. Pela classificação mais recente as eudicotiledôneas é que herdaram as características das dicotiledôneas. um dos efeitos causados pela redução da quantidade de chuva é o prejuízo à reprodução dos vegetais. d) briófitas. são vários os livros que continuam a separá-las em monocotiledôneas e dicotiledôneas. Exercícios de sala 1 (UFRN) Em uma região de mata. c) monocotiledôneas. Biologia – Identidade Funcional da Vida 11 A evolução das plantas Saiba mais Mesmo com as alterações na classificação das angiospermas. utilizam diversos critérios.

dicotiledôneas. angiospermas. III e IV. Biologia vegetal O trecho caracteriza o que ocorre na reprodução encontrada nas a) samambaias e nos musgos. monocotiledôneas. 5 (UNICAMP) O esquema abaixo representa o mais recente sistema de classificação do Reino Plantae. monocotiledôneas. III) Formam tubo polínico para a ocorrência da fecundação. II. as araucárias. as gramíneas e as videiras. respectivamente. III. representado pelo número 3 no diagrama de relações filogenéticas entre as algas e os principais grupos de plantas atuais. II e I. respectivamente. e) pteridófitas. é correto afirmar que essas plantas pertencem. c) angiospermas. e) sequoias e nas gramíneas. IV) Apresentam a fase esporofítica transitória. os gametas masculinos são transportados até as oosferas por uma combinação de polinização e formação do tubo polínico. d) III. a samambaia. . 3 (UCS-RS) Entre as plantas mais comuns em nosso meio. monocotiledôneas. b) embrião. II e III? III Qual a função da estrutura representada em I? b) A dupla fecundação é característica das II angiospermas. gimnospermas. as seguintes características a) III. gimnospermas. poáceas. fruto e flor. aos grupos conhecidos como a) briófitas. IV e II. fruto e flor. gimnospermas. encontram-se os xaxins. cicadófitas. II) Possuem frutos e sementes. III. adquirida ao longo de 4 milhares de anos. Em que consiste e quais os produtos I formados com a dupla fecundação? ________________________________ ________________________________ ______________________________________________________________ ______________________________________________________________ Exercícios propostos 6 (UFRR) As sementes surgiram em um determinado momento da evolução das plantas. tecidos condutores e fruto. dicotiledôneas.12 Biologia – Identidade Funcional da Vida A evolução das plantas 2 (FATEC-SP) Alguns estudantes fizeram as seguintes observações sobre as características de um grupo de plantas: I) Apresentam tecidos especializados para o transporte da seiva. b) gimnospermas. Reino Plantae Traqueófitas a) Os algarismos romanos representam a aquisição Espermatófitas de estruturas que permitiram a evolução das plantas. os números 1. b) I. correspondem. Alga Briófita Pteridófita Gimnosperma Angiosperma A que característica evolutiva. 2 c) embrião. d) gimnospermas. embrião e flor. pteridófitas. c) II. Com relação à sua classificação botânica. gramíneas. e) I. Ao invés disso. I. Com relação a essas afirmações. pteridófitas. respectivamente. e) alternância de geração. pode-se afirmar que o pinheiro. Evert Raven e Eichhorn. IV. 1 d) alternância de gerações. flor e fruto. 2 e 4 ? 3 a) tecidos condutores. IV e I. briófitas pteridófitas gimnospermas angiospermas Quais são as estruturas representadas por I. b) sequoias e nas hepáticas. 4 (UFTM) A água não é mais necessária para que o gameta masculino alcance as oosferas. d) avencas e nas sequoias. pteridófitas. c) avencas e nas gramíneas. o limoeiro e os musgos apresentam. II e IV.

pteridófitas e gimnospermas. apenas cartões com características ou I estruturas encontradas em angiospermas. masculino e feminino que são. As primeiras 02) Os eventos que ocorrem em I e III do plantas a ocuparem o ambiente terrestre foram esquema correspondem. Zigoto diplóide Assinale a alternativa que. apresenta possibilidades de formar corretamente os grupos I e II. Considerando as aquisições 04) Neste ciclo. 2 e 4 b) 4. o androceu e o gineceu. vasos condutores + + + raízes + + + 10 (UNESP) Um estudante recebeu nove cartões. d) Possibilidade de atingirem grande porte. o b) Ciclo de vida com alternância de gerações. de modo que no grupo I fossem Gametas incluídos apenas cartões com características haplóides II ou estruturas encontradas em briófitas e. 16) Os eventos II e IV do esquema 8 (UNIFOR) O quadro abaixo apresenta correspondem. outras pteridófitas. 08) Nas gimnospermas e angiospermas. em que uma geração haplóide alterna-se com outra diploide. 4 5 6 e) angiospermas. no quadro. em três grupos de vegetais terrestres. pteridófitas e angiospermas. Gimnospermas e Angiospermas) Rizoides natante não móvel apresentam em comum um ciclo de vida que 7 8 9 ocorre através de alternância de gerações (metagênese). respectivamente.Angiospermas haplóide diplóide a) 3. respectivamente. 5 e 9 1. exceto: o esporófito por reprodução sexuada. a fase grupos de gametofítica é duradoura e evidente e a fase vegetais I II III esporofítica. à fecundação características presentes (+) ou ausentes (−) e à germinação. 4 e 5 2. sementes . Endosperma Alternância de Com relação a este ciclo e considerando o 3n gerações Anterozoides esquema abaixo. 32) Nas briófitas e pteridófitas. + + cada um apresentando uma característica ou o nome de uma estrutura presente em diferentes frutos . - 1 2 3 Os grupos I. 2 e 7 IV III c) 3. respectivamente. 6 e 8 haplóides e) 4. 2 e 7 . água para a fecundação + . ao contrário. 5 e 9 1. assinale a(s) proposição(ões) correta(s). 6 e 8 Esporos d) 4. respectivamente. 5 e 9 4. Gametófito Esporófito Grupo I . no grupo II. Gameta masculino Gameta masculino Pteridófitas. da independência da água. licopódios. a) gimnospermas. portanto. com o aumento dos principais grupos de vegetais. Sua tarefa era formar dois grupos de três cartões. à as samambaias.Briófitas Grupo II . + - grupos de plantas. cavalinhas e meiose e à mitose. c) pteridófitas. esporófito é originado pela fusão dos gametas c) Geração esporofítica maior que a gametofítica. 5 e 7 1. angiospermas e pteridófitas. 9 (UFSC) Os principais grupos vegetais (Briófitas. b) gimnospermas. Xilema Sementes Cones d) pteridófitas. II e III são. o esporófito forma o gametófito ligadas à vida na Terra. a) Vasos lenhosos impregnados de lignina. angiospermas e gimnospermas. Biologia – Identidade Funcional da Vida 13 A evolução das plantas 7 (UNIMONTES) A história da evolução das 01) O esquema representa um ciclo de vida plantas está relacionada com a ocupação do haplodiplobionte (ou haplonte-diplonte) típico ambiente terrestre e. gimnospermas e angiospermas. é reduzida e pouco Características evidente. as características abaixo por reprodução assexuada e o gametófito forma diferem das plantas avasculares.

Caulículo Casca Casca Casca Endosperma Pericarpo Radícula Cotilédone Plúmula do fruto Cotilédones Coleóptilo Endosperma Plúmula Caulículo Caulículo Radícula Radícula Cotilédones Feijão Mamona Milho Esquemas da semente do feijão. inicia-se a germinação.1 Germinação: o desenvolvimento do embrião A dispersão da semente de ipê-amarelo acontece através do vento. o epicótilo mais o meristema apical caulinar. O caule interliga os demais órgãos da planta e sustentam as folhas. Inserido no caulículo encontra-se o cotilédone. Fatores como água. é de suma importância conhecer o seu desenvolvimento morfológico e fisiológico. Esse acontecimento torna-se ainda mais fascinante se considerarmos que uma árvore tão grandiosa. . assim. A germinação é o desenvolvimento do embrião.cientic. Amabis e Martho. Esse processo. DESENVOLVIMENTO DAS PLANTAS: DE UMA SEMENTE A UM ORGANISMO ESPECIALIZADO EM REALIZAR FOTOSSÍNTESE Um dos mais belos espetáculos da natureza é o florescer de um ipê-amarelo.14 Biologia – Identidade Funcional da Vida Desenvolvimento das plantas: de uma semente a um organismo especializado em realizar fotossíntese 2. é importante para que as células retomem o seu metabolismo mobilizando a utilização das reservas nutritivas do endosperma. O embrião. ou seja. 2. em uma semente madura. As raízes servem como estruturas de fixação e absorção de água para toda a planta. e o meristema apical caulinar. o acesso ao oxigênio pelas células do embrião e a liberação da radícula para que possa formar a raiz da planta. é chamada de plúmula. 28 maio 2007 região entre a inserção do cotilédone e a radícula. tenha surgido do desenvolvimento de uma pequena semente de aproximadamente 3 cm. Caso a semente já esteja madura e encontre condições adequadas. e algumas vezes o primórdio de folhas. As folhas realizam fotossíntese produzindo compostos orgânicos que também são distribuídos. chamado de radícula e o meristema apical radicular. gás oxigênio e temperatura interferem nesse processo. O caulículo ainda pode ser dividido em epicótilo. encontra-se o caulículo. apresenta em uma das extremidades um primórdio de raiz. chamado de embebição. algumas com mais de 10 metros de comprimento. e hipocótilo. Na outra extremidade. para assim melhor manipulá-las e mantê-las para benefício do ambiente e de nossa própria espécie. a retomada do crescimento e da diferenciação do embrião. A manutenção de uma planta depende da integração entre seus diferentes órgãos. Sendo as plantas a base da grande maioria das cadeias alimentares. o primórdio do caule. Nas gramíneas. sendo chamada de anemocoria. permitindo. mamona e do grão de milho.com>. a plúmula fica envolta por uma bainha protetora chamada de coleóptilo. Biologia dos Organismos. as células do embrião obtêm energia fermentando moléculas orgânicas das reservas nutritivas. Acesso em inserção do cotilédone até o meristema apical caulinar. Antes do rompimento da casca da semente. é necessário que a semente absorva água. A embebição também é importante para o rompimento da casca. região acima da Disponível em: <www. ou seja. Volume II Para que se inicie a germinação. Toda a porção acima da inserção do cotilédone.

Esse tecido. às flores e aos frutos. formando um outro tipo de meristema chamado de meristema secundário. como. as células da epiderme já perderam os pelos absorventes e a raiz começa a apresentar raízes secundárias. pequenos vacúolos e com grande capacidade de sofrerem mitose. que. que é protegida pela coifa.com/yale>. a planta pode absorver água e sais minerais do solo e fixar-se. A contínua diferenciação do tecido de revestimento da raiz. A região da raiz que absorventes apresenta pelos absorventes e. promove o surgimento em suas células de prolongamentos tubulares com paredes celulares delgadas. aumentando a área de contato da raiz com solo. Nessa região. tornando-se células especializadas e perdendo a capacidade de divisão. a epiderme. por um revestimento Morfologia externa da raiz. a periderme. núcleo central e volumoso. as raízes são diferenciadas em órgãos de reserva. e como o próprio nome indica. Veremos mais adiante que Zona meristemática quando uma raiz apresenta crescimento secundário ela perde coifa seu revestimento primário. consequentemente. 2. esses tecidos vão formando. é chamada de zona meristemática. é formado por células pequenas.2 A raiz é uma estrutura especializada em absorver do solo água e sais minerais O surgimento da raiz foi importantíssimo para que a planta conquistasse o ambiente terrestre. por exemplo. Os tecidos vegetais que apresentam células com tais características são chamados meristemas. caso seja uma angiosperma. Esses Zona de Ramificação prolongamentos das células epidérmicas são chamados de pelos absorventes. por sua vez. sofrem diferenciação. um conjunto de células responsáveis pela formação das células da raiz. Nas plantas que apresentam crescimento Zona de secundário (ou crescimento em espessura). dará origem às folhas. e. depois de se dividirem. o caulículo dará origem ao caule. como na cenoura e na beterraba. sua função Pelos é absorver água e sais minerais do solo. de paredes celulares finas. As raízes ainda sintetizam alguns hormônios (citocininas e giberelinas) que estimulam o crescimento e o desenvolvimento da planta. chamado de coifa. Esse capuz é importante para conservar a integridade do meristema apical radicular. – Acesso em: 28 maio 2007. do meristema fundamental e do procâmbio vão se diferenciando e crescendo. Sua radícula dará origem à raiz. As células desses meristemas. o córtex e o cilindro vascular. a epiderme. secundário. À medida que as células do protoderma. as raízes também sintetizam metabólicos secundários. A região da raiz onde ocorre a diferenciação e o crescimento das células é chamada de zona lisa ou de alongamento. Biologia – Identidade Funcional da Vida 15 Desenvolvimento das plantas: de uma semente a um organismo especializado em realizar fotossíntese Com a germinação. o meristema fundamental e o procâmbio. a epiderme.fortunecity. Através dela. onde ocorre maior absorção de água. a nicotina. respectivamente. é chamada de zona pilífera. Algumas dessas células especializadas podem passar por um processo chamado de desdiferenciação e readquirem a capacidade mitótica. Em algumas espécies. as sucessivas divisões de suas células formam outros três meristemas primários: a protoderma. . é nessa parte que crescimento ela começa esse tipo de crescimento. Disponível em: <http://campus. Os meristemas que se originam diretamente do embrião ou diretamente de outro meristema são chamados de meristemas primários. o embrião inicia a formação da planta adulta. Zona Acima da zona pilífera é possível distinguir a zona de pilífera ramificação ou suberosa. que é originado diretamente das células embrionárias. que a seguir é transportada para as folhas do fumo. É fácil perceber que é nessa região em que a raiz apresenta maior taxa de crescimento. Nessa região. A raiz é dividida externamente em regiões A extremidade da raiz é protegida por um capuz de células parenquimáticas vivas. Em algumas plantas. A região do meristema apical radicular.

Entretanto.com. essa é somente uma amostra gratuita. loja. Caso haja interesse.Prezado leitor.br . todos os materiais do Sistema de Ensino CNEC estão disponíveis para aquisição através de nossa loja virtual.   Agradecemos o interesse em nosso material.cneceduca.

Related Interests