Índice

Introdução ......................................................................................................................... 2

Doenças da cultura do alho............................................................................................... 3

Doenças do solo ................................................................................................................ 3

Podridão-branca ................................................................................................................ 3

Fusariose (podridão-seca) ................................................................................................. 4

Raiz rosada ....................................................................................................................... 4

Doenças foliares ............................................................................................................... 5

Mancha púrpura ................................................................................................................ 5

Ferrugem ........................................................................................................................... 6

Queima bacteriana ou bacteriose do alho ......................................................................... 7

Mofo azul.......................................................................................................................... 8

Pragas na cultura do alho .................................................................................................. 9

Ácaro Eriophyestulipae .................................................................................................... 9

Tripes .............................................................................................................................. 10

Nematoides ..................................................................................................................... 11

Traças do alho ................................................................................................................. 13

Conclusão ....................................................................................................................... 15

Bibliografia ..................................................................................................................... 16

sendo envoltos por duas folhas protetoras (brácteas) de coloração branca ou arroxeada. Em condições climáticas favoráveis as gemas do caule se desenvolvem formando cada uma um bulbilho (dente).Introdução No presente trabalho vamos abordar sobre a cultura do alho abordando mais sobre as doenças. sintomas e controle da cultura de alho. Apresenta folhas lanceoladas que diferem dependendo da localização na planta e possui pseudocaule formado pelas bainhas das folhas. O bulbo é arredondado constituído de 5 a 56 bulbilhos. O alho é uma planta herbácea de propagação vegetativa. pragas. que em conjuntoforma o bulbo (cabeça). Estes têm a forma ovóide arqueada. pertencente à família Alliaceae. .

temperaturas superiores reduzem seu desenvolvimento. que ataca diretamente as raízes. em embalagens utilizadas para transporte dos bulbos. as plantas apresentam reduzida atividade fotossintética e. causando apodrecimento. O fungo. Berkeley apresenta como sintomas iniciais de desenvolvimento uma necrose ou queima descendente. O fungo pode ser disseminado por meio dos bulbos infectados.Doenças da cultura do alho As doenças que atacam a cultura do alho podem ser separadas em dois grupos. Controle . de ferramentas e maquinários utilizados em áreas infestadas e. Em função disso. Figura 15. com amarelecimento e morte das folhas mais velhas. B) Micélio característico da doença. Outra característica da doença é o ataque em reboleiras (Figura 15 C). Doenças do solo Podridão-branca Sintomas Causada pelo fungo Sclerotiumcepivorum. pode sobreviver no solo. Identificadas como pequenos pontos pretos (Figura 15 A) germinam e desenvolvem em condições de baixa umidade e temperatura na faixa de 10º a 20ºC. consequentemente pouco desenvolvimento. na forma de escleródios. A principal característica visual da incidência nos bulbos é o recobrimento por um micélio branco. C) Ataque em reboleiras. A) Escleródios de Sclerotiumcepivorum. as que ocorrem no solo atacando os bulbos e as raízes e as foliares. por um período de até 10 anos. onde os escleródios são formados (Figura 15 B). da água de irrigação. Estas estruturas.

tratamento químicos dos bulbilhos antes do plantio. A princípio. Danos mecânicos e ou ferimentos no alho-semente favorecem a entrada do fungo que. que tendem a curvar para baixo. Figura 16. a solarização das áreas infectadas e a rotação de cultura por longos períodos são as medidas mais indicadas para o manejo da doença. que tem seu desenvolvimento prejudicado em decorrência dos sintomas desenvolvidos. Sintomas de Fusarium oxysporum em bulbilhos de alho. A mudança da coloração das raízes varia em função da . que internamente desenvolvem-se formando um micélio branco (Figura 16). com danos mecânicos ou com indícios de infestação. provocando os sintomas de amarelecimento e murchamento das folhas. Controle Como medidas de controle recomenda-se o plantio de sementes sadias. sp. Snynder& Hans. e. arranqio e queima de plantas infectadas. depois escurecem para vermelho ou roxo. atinge o sistema vascular da planta. rotação de culturas. as raízes infectadas ficam rosa claro. uma vez instalado. é formada uma depressão em um dos lados. tratamento do alho-semente com fungicidas específicos. Nos bulbos. indicando o desenvolvimento do fungo. Fusariose (podridão-seca) Sintomas Causada pelo fungo Fusariumoxysporum f. Cepae. como plantio de alho-semente oriundo de regiões onde não há incidência da doença. que pode inviabilizar o cultivo do alho caso não seja controlada. eliminação de bulbilhos chochos. murcham e morrem.O controle preventivo. a fusariose ocorre em ambiente úmido e quente. Raiz rosada Sintomas O fungo Pyrenochaeta terrestres ataca somente o sistema radicular das plantas.

sendo caracterizado como principal sintoma para identificação da doença. podendo ocorrer em todas as áreas de produção no Brasil e. Doenças foliares Mancha púrpura Sintomas Também conhecida por alternaria. pois possuem pequena quantidade de raízes. É considerada como uma das doenças mais importantes da cultura. as folhas tendem a murchar e enrugar. pois uma vez instalado no solo torna-se difícil erradica-lo. Quando severamente afetadas. é uma doença causada pelo fungo Alternaria porri (Ellis) Ciff. essas manchas evolem em termos de coloração. Com o avanço da doença. A rotação de culturas. ficando mais escura à medida que a doença progride. se não controlada pode causar perdas superiores a 50% da lavoura. As plantas infectadas são facilmente arrancadas do solo. em torno de 4 dias (Figura 17). . de pequeno tamanho e formato irregular. (Figura 18). Os primeiros sintomas da doença são caracterizados por manchas brancas.severidade e do tempo de infestação. passando ao amarelo e depois para a cor púrpura. Figura 17. uma ez que seu ciclo é curto. do ápice para baixo. Controle Recomenda-se o controle preventivo. Lavouras afetadas por alternaria. a solarização e o uso de sementes sadias são algumas medidas que podem ser adotadas. Não é uma doença de grande importância para a cultura e seu desenvolvimento está relacionado à ocorrência da fusariose. principalmente com gramíneas. que funciona como porta de entrada para o fungo. e dependendo do grau de infestação. pode acabar com a lavoura em pouco tempo. o que leva também a uma redução do tamanho dos bulbos.

como a rotação de culturas. a eliminação de restos culturais. essa massa passa a apresentar coloração castanho escura ou preta.C. o ataque de tripes e ainda a ocorrência de geadas podem causar ferimentos que favorecem a entrada do fungo e consequentemente maior disseminação da doença. tanto na lavoura como próximo aos galpões de armazenamento. na faixa de 21º a 30º C. e. como a deficiência de nitrogênio e a fitotoxicidade por defensivos ou adubos foliares. Os sintomas iniciais nas folhas são pontuações esbranquiçadas no limbo foliar. Ferrugem Sintomas Ocasionada pelo fungo Pucciniaallii (D. a ferrugem é considerada uma das mais importantes doenças foliares do alho.Figura 18. O manejo inadequado da cultura.). À medida que a doença evolui. e pode ocorrer em qualquer fase de desenvolvimento da cultura. quando do rompimento da cutícula. a aração profunda da área de plantio. Controle O controle químico com o uso de fungicidas específicos para a doença e recomendados para a cultura deve ser feito no bulbilho antes do plantio e. . Desenvolvimento da alternaria. A doença tem seu desenvolvimento favorecido em condições de elevadas umidade relativa do ar (acima de 90%) e temperatura. de forma preventiva e periódica ao durante todo o ciclo do alho. outras medidas preventivas devem ser adotadas. que evoluem para pústulas pequenas. circulares e de coloração alaranjada e. haja visto que estas plantas podem constituir fonte de inoculo pela prolongada sobrevivência do fungo (até um ano). No entanto. de coloração amarela (Figura 19). que tende a reduzir a quantidade de inóculo no solo. expõe uma massa pulverulenta.

A doença se desenvolve melhor em condições de alta umidade relativa do ar. Produz uma clorose ao longo da nervura central. A doença tem seu desenvolvimento favorecido em condições de alta umidade relativa do ar (acima de 85%) e temperaturas entre 6º e 37ºC. Espírito Santo. incluindo as regiões do Cerrado. sendo a faixa entre 26º e 30ºC. como solos compactados e de baixada. Rio Grande do Sul e Santa Catarina). Além das condições climáticas favoráveis. podendo ser inibida em quando exposta a temperaturas abaixo de 10º e acima de 24ºC. a que ocorre em quase todos os Estados produtores (Minas Gerais. a manutenção de uma adubação equilibrada e a eliminação de plantas e bulbilhos remanescentes são medidas que também devem ser adotadas.Figura 19. caracteriza o primeiro sintoma da doença (Figura 20 A). No entanto a rotação de culturas. é a Pseudomonas marginalis pv. Um sintoma de queima pode também ocorrer e iniciar nas bainhas das folhas e se . na faixa de 15º a 24ºC. Controle O uso de fungicidas é a principal medida de controle da doença. desiquilíbrio nutricional principalmente quanto ao excesso de nitrogênio e a permanecia de restos culturais também favorecem o desenvolvimento da doença. principalmente na região Sul do país. seguida de amolecimento e escurecimento da lesão. Condições inadequadas de cultivo. Sintomas da ferrugem na cultura do alho. principalmente herbicidas de pós-emergência. baixo índice pluviométrico e temperaturas amenas. que à medida de sua evolução. Queima bacteriana ou bacteriose do alho Sintomas Quatro espécies do gênero Pseudomonas causam a queima bacteriana no alho. onde as temperaturas são mais amenas. no entanto. considerada como ótima. Marginalis. o surgimento da doença está associado ferimentos e/ou stress causados pela aplicação de defensivos químicos. causam murchamento e secamento das folhas (Figura 20 B).

No bulbo. Figura 20. podendo ainda causar fitotoxicidez às plantas e. pois aqueles a base de cobre e suas misturas não vêm apresentando resultados efetivos. Outras medidas recomendadas são:  evitar o plantio em áreas com baixa capacidade de drenagem de água. a aplicação de antibióticos para o controle da doença pode ser inviabilizado pela baixa sensibilidade que a bactéria apresenta a essas substâncias. que passa a adquirir uma coloração escura e. devem ser adotadas para o controle da bacteriose do alho.  realizar rotação de culturas. dando à planta um aspecto de queima por herbicida ou fogo. Sintomas de bacteriose em folhas (A e B) e bulbos de alho (C). O uso de alho-semente sadio e o controle da irrigação são medidas importantes.estender para a parte aérea. que abrangem desde o plantio até a comercialização.  manter uma adubação balanceada. O uso de produtos químicos é contraditório. Mofo azul . passando a adquirir coloração creme (Figura 20 C). restringindo adubações nitrogenadas realizando-as somente quando necessário.  eliminar as plantas doentes.  queimar os restos culturais após a colheita e beneficiamento. uma vez que as sementes podem disseminar o patógeno por longas distancias e a água de irrigação o espalha dentro da lavoura. os sintomas podem ser visualizados na túnica. Medidas de controle Medidas de controle integrado. os bulbilhos mostram sinais de apodrecimento.  evitar o encharcamento do solo após a diferenciação do bulbo.  prevenir danos mecânicos que possam servir de entrada para a doença.

quase invisível a olho nu. que ocasiona má . Figura 21. além de causarem danos oriundos de seu ataque são vetores de algumas doenças. A parte externa pode ou não manifestar sintomas.Caracteriza-se pela rápida perda de peso dos bulbos. percebe-se um mofo de cor azul (Figura 21). os adultos causam danos decorrentes da sucção da seiva. para que ocorra a infecção é necessário que haja ferimentos nos bulbilhos. Alojados nas dobras das folhas e sobre os bulbilhos. os quais ficam chochos em função do processo de deterioração dos bulbilhos. coloração que pode variar do branco ao creme. Pragas na cultura do alho As principais pragas da cultura do alho são ácaros. Controle O tratamento dos bulbilhos com fungicidas. formando bulbos de menor tamanho. Os bulbilhos infectados (sem sintomas aparentes) e usados para o plantio desenvolvem lesões que amolecem e ficam recobertas pelo mofo azul e rapidamente morrem. a fim de reduzir danos mecânicos nos bulbilhos. possui tamanho reduzido. o plantio e a colheita no tempo certo e armazenamento apropriado são medidas de controle da doença. Temperaturas na faixa de 20º a 30ºC favorecem o desenvolvimento da doença. Ácaro Eriophyestulipae Conhecido popularmente por ácaro-do-bulbo ou micro acaro-doalho. O fungo é disseminado pelo ar e. quando debulhados. no entanto. As plantas que superam a doença tem seu desenvolvimento comprometido. como as viroses do alho. tripes. do tipo vermiforme. Bulbo de alho atacado por Penicillium spp. corpo alongado. a debulha manual. pulgões e nematoides que.

O controle deve ser preventivo. Quando atacam o bulbo. O aparelho bucal é do tipo picador sugador. principalmente nas folhas centrais (Figura 23). Figura 22. estrias cloróticas e. causam seu chochamento. pela transmissão dos vírus do grupo allexvírus (gênero Allexivirus. . Sua coloração varia de amarelo a acastanhado claro. por 4 horas com posterior lavagem (15 minutos) em água também é eficiente. retorcimento característico (Figura 22). Controle No caso de infestações em campo. Em ambos os casos. Tripes Consideradas a principal praga do alho. pulverizar com acaricida.formação das folhas.2 mm de comprimento. Família Alphaflexiviridae). medindo de 1 a 1. O desenvolvimento desse ácaro é favorecido por temperaturas na faixa de 25ºC. Sintomas de infestação de ácaros na parte aérea e no bulbilho do alho. as ninfas de coloração amarelo-esverdeada. quando eclodem. Tanto os adultos quanto as ninfas raspam e sugam constantemente a seiva das folhas. com a imersão dos bulbilhos em acaricidas específicos. São responsáveis também. os Thripstabaci são insetos pequenos. os produtos devem ser registrados para a cultura. O sintoma característico do ataque é o surgimento de manchas e estrias esbranquiçadas ou prateadas com posterior amarelecimento e ressecamento das folhas. As fêmeas fazem a postura na face inferior das folhas e. murchamento e secamento da planta. no caso de grandes infestações. A imersão em solução de hipoclorito de sódio a 1%. se alojam no interior das bainhas. tanto em condições de campo quanto no armazenamento.

incluindo ácaros predadores. Nematoides Ditylenchus dipsaci (Figura 24) é o nematoide com maior importância no Brasil. A irrigação por aspersão e as chuvas promovem a supressão das populações de tripes. D. evitar o plantio de cebolas perto de campos de cultivo de grãos porque a quantidade de tripes em cereais aumenta na primavera. Controle Controle Biológico Os inimigos naturais. destructor e Meloidogynechitwoodi. Sintomas do ataque e presença de tripes em folha de alho.Figura 23. outras espécies como Belonolaiumuslongicaudatus. porém. esse tipo de recurso é muito suscetível a pulverizações com inseticidas e pode não ser interessante em áreas onde já houve a utilização de inseticidas. a detecção dessa praga é difícil. são freqüentemente encontrados se alimentando de tripes. Em função do pequeno tamanho dos tripes e da arquitetura das plantas de alho. mas tratamentos ainda são freqüentemente necessários. consideradas espécies quarentenárias A1 no Brasil . minúsculas espécies de Orius e hemeróbios. Uma vez detectados. Controle Cultural Se possível. deve-se proceder à pulverização com inseticidas recomendados. Entretanto. devendo ser realizado um monitoramento constante da lavoura.

os bulbos infestados podem tornar-se tão leves que raramente são aproveitados. além de inchaço acima do bulbo no pseudocaule. inchaço. ficando com formato de charuto. As folhas podem cair e os bulbos tornam-se chochos. em altos níveis populacionais. as quais ficam curtas e espessas e muitas vezes apresentam manchas marrons ou amareladas devido a descolorações nos tecidos. Ditylenchus: nematoide de maior importância para a cultura do alho Fotos: Jadir B. Ásia. ficando o ‘prato' no solo e saindo apenas a parte aérea. Figura 24. Os sintomas incluem nanismo. No armazenamento. tornam-se ativos.e ocorrentes nos países da Europa. dipsaci. representam séria ameaça à cultura. América do Norte e do Sul e Oceania. e a ocorrência de plantas assintomáticas não indica necessariamente à ausência de D. A penetração nas plantas pode ocorrer pelos estômatos. e extensa divisão longitudinal de cotilédones e folhas. lenticelas ou pelo ponto de emissão das radicelas em crescimento. A umidade do solo parece afetar tanto o movimento dos nematoides quanto sua longevidade. os bulbos normalmente apresentam aparência esbranquiçada e uma textura farinhenta. Também ocorre o amarelecimento a partir das raízes. Durante períodos de precipitação ou irrigação da cultura. Escalas de cinza no bulbo aparecem de forma leve e suave. Os sintomas variam em função da densidade populacional do nematoide. . sendo esta acompanhada por um odor característico. Durante a colheita. é o fácil desprendimento das plantas ao serem puxadas. movem-se até as raízes da planta mediante película de água e entram nas folhagens novas por meio dos estômatos. Outro sintoma característico da presença desse nematoide. Pinheiro. Com o progresso da doença pode ocorrer podridão mole que geralmente completa o processo de destruição. Os sintomas em lotes de bulbilhos infectados muitas vezes não são aparentes. que posteriomente tornamse desidratados e leves (bulbos chochos). África.

Outras medidas de manejo como o plantio de plantas antagonistas (crotalária - Crotalariaspectabilis. a eliminação de restos de culturas e plantas hospedeiras. a solarização e o uso da Manipueira podem ser aplicadas na cultura do alho.Tagetespatula. podendo inviabilizar áreas de plantio dependendo dos níveis populacionais presentes. isentos do nematoide e o plantio em solos não infestados é medida preventiva de extrema importância. a principal forma de disseminação é por meio de tecidos vegetais (sementes. as espécies Ephestia (Cadra) cautela (Walker. água de irrigação. com perdas de qualidade. A utilização de sementes certificadas. conhecer o histórico da área. as mucunas . bem como o abandono de áreas por parte dos produtores. As densidades populacionais em solo flutuam ao longo do tempo.as lagartas recém- eclodidas penetram nos bulbilhos e. níveis de danos são detectados com populações de 10 juvenis e/ou adultos por 500 g de solo. o alqueive. cravo-de-defunto . Controle A melhor forma de manejo para Ditylenchusdipsaci bem como para qualquer outra espécie é a prevenção. Traças do alho Consideradas pragas do armazenamento. T. dipsaci geralmente é mais lenta em solos argilosos comparado com os solos arenosos. breviflora. 1796) e Plodia interpunctella (Hübner. pois uma vez presentes em áreas de cultivo sua erradicação torna-se praticamente impossível. além de pequenas partículas de solo que podem acompanhar materiais de alho. Assim.. C. bem como a realização da amostragem para a detecção de nematoides são medidas fundamentais para se evitar a presença destes organismos na cultura do alho. no caso de bulbilhos. juncea. dependendo do tipo de solo. cultivar plantada e plantas hospedeiras presentes. A disseminação de D. C.Chuvas. erecta. mucuna-preta (Mucuna aterrima). e. no entanto. Ephestia elutella (Hübner.Estizolobium spp. tornando-os impróprios para o consumo e comprometendo aqueles destinados ao uso como alho-semente. Geralmente. bulbos e bulbilhos infectados). 1863). em função das galerias formadas durante a . minuta. Outra alternativa de eficácia no controle de nematoides na cultura do alho é o plantio de propágulos obtidos por meio de cultura de meristemas. T. movimento de máquinas agrícolas e beneficiamento do alho (restos do processamento) também causam a disseminação de uma área para outra. 1813) (Lepidoptera: Pyralidae) causam sérios danos nos bulbos. Essas espécies apresentam hábitos semelhantes . condições climáticas.

deixando-os isentos de restos de alhos de safras anteriores. que formam longos cordões sobre os bulbilhos. . Controle A manutenção da limpeza dos armazéns. causando prejuízos na ordem de 10%. danifica-os totalmente (Figura 27 C). Os sintomas da presença dessas pragas caracterizam-se pelo surgimento de bulbos chochos e de fezes isoladas ou ligadas entre si por fios de seda. uma vez que armazéns sujos. escuros e abafados favorecem a infestação e o desenvolvimento das traças.alimentação. bem iluminados e com boa ventilação são medidas de controle. A pulverização do piso. frestas e demais pontos do depósito com insecticidas oferece bons resultados.

.Conclusão Depois dos factos mencionados conclui que O alho é uma das plantas mais antigas que se tem registro. cultivadas desde a Antiguidade. para muitos é considerada como um remédio para as mais diversas moléstias e para outros como um condimento de excelentes propriedades de sabor e aroma. E que o alho e muito benéfico para varias doenças. e muito mais.

com.Bibliografia Www.br/cultivodealho .embrap.infoescola.com.br/alho Www.