You are on page 1of 3

XIX SIMPÓSIO REFORMADO OS PURITANOS

A ESPERANÇA DO CRISTÃO
Dia 08 de Julho de 2010
Palestra: Resistencia Peregrina para os Últimos Dias (I Pe 4)
Palestrante: Dr. Nelson Kloosterman
Resumo: Marcel Mattos Tavares

A vocação para o sofrimento

I) 1 Pe 4.1-6 – Fala sobre o sofrimento.

II) 1 Pe 4.7-11 - Mudança no assunto para o fim dos tempos.

III) 1 Pe 4.12-19 - Fala sobre o sofrimento novamente.

Estes textos dão ênfase no sofrimento. Os cristãos são chamados para sofrer. Apenas aqui serão
abordados o primeiro e segundo ponto (1 Pe 4.1-11).

I) 1 Pe 4.1-6 – Fala sobre o sofrimento.

O chamado para o sofrimento sob duas dimensões:

a) A prova da nossa lealdade a Cristo

Cristo deve estar no centro do nosso sofrimento. Ele nos guia no caminho de sofrimento. Ele
abriu este caminho para este sofrimento. Cristo estava armado de conhecimento.

• v.1 – Os cristãos devem se armar do conhecimento de Cristo. Devem estar armados para
sofrer. Devem saber porque sofrem e por causa de quem. Quando sofrem por causa da
justiça devem entender que isto é um certificado de lealdade a Cristo. Ele sofreu e
certamente nós cristãos sofreremos também. Este sofrimento é por causa da sedução do
pecado e por querermos parecer com Cristo.

• v.4 – Os cristãos com seu comportamento peregrino causam no mundo uma certa rejeição.
Os cristãos não se encaixam na sociedade moderna. No trabalho, na escola; em fim, as
pessoas devem olhar o cristão e ver nele algo diferente; Devem ver uma pessoa diferente,
transformada pelo evangelho de Cristo. Muitas das vezes estes olhares serão de ódio e
intolerancia.

Seguir a Cristo traz sofrimento, mas este sofrimento é a prova, se estamos procedendo de
acordo com seus mandamentos, de que temos tido compromisso com Ele. Todos os verdadeiros
crentes tem inimigos.

b) Preludio para o dia da prestação de contas

É difícil sofrer em qualquer circunstancia. O cristão sofre neste mundo, mas o dia vem em
que haverá uma inversão de papeis. Os perseguidores serão os perseguidos pela justiça de Deus.
Estes terão que prestar contas a Deus pela opressão que causaram ao seu povo. Nós
confessamos isto no credo apostólico: “virá julgar os vivos e os mortos”. No Domingo 19 também
trata deste assunto. A nossa esperança é que Deus está vindo para realizar isto. Todos os cristãos
verdadeiros tem inimigos.
• v.6 – Os mortos em Cristo são tratados como fracassados pelo mundo. Os cristãos em geral
são vistos como perdedores e fracassados. Porém, Deus tem um critério diferente para
analisar o sucesso ou o fracasso de alguém. Jesus, por exemplo, foi a principal pedra de
esquina rejeitada pelos construtores. Se queremos ser como Jesus, temos que compartilhar
do seu sofrimento. Todas as pessoas nos desprezam agora, mas Deus irá vindicar os seus
escolhidos.

II) 1 Pe 4.7-11 - Mudança no assunto para o fim dos tempos.

• v.7a – O fim de todas as coisas esta próximo, muitas pessoas lucraram com esta afirmação.
A escatologia na Bíblia serve para a vida cristã. Serve para fazer o cristão amadurecer na fé
em Cristo e na oração. Isto não deve trazer medo, mas sim esperança. A fase final da
redenção já foi inaugurada. Deus começará o juízo primeiro pelo seu povo. Isto nos chama
para a auto avaliação e para a humildade.

• v.7b-v.11a – Os cristãos vivem “tomando conta” das pessoas em redor, no sentido de zelar,
por tais pessoas. As atividades que devem fazer parte do estilo de vida dos peregrinos dos
últimos tempos são:

a) Oração – é necessário termos mentes sóbrias para que possamos orar com eficácia.
Precisamos também de domínio próprio para a disciplina da nossa vida interior, nossos pecados e
desejos do coração. As pessoas hoje não tem domínio próprio. Devemos orar mais do que nunca por
tudo o que tem acontecido no mundo.

b) Amor – como peregrinos que andam juntos, certas vezes estamos nos machucando por
causa dos nossos pecados. Porém, temos que levar em conta primeiramente o amor que devemos ter
uns para com os outros, sabendo que estaremos errando ainda até a morte ou até o retorno de cristo.
O amor do mundo é apenas um sentimento e totalmente diferente do amor cristão que é ação. As
pessoas do mundo são vingativas e guardam ressentimento. O mundo não sabe o que é o amor.

c) Hospitalidade – é a prova pratica de que o amor está funcionando. Na Bíblia era uma
marca de liderança cristã (I Tm 3.2). Hospitalidade era um critério para se tornar um presbítero.
Uma casa aberta revelava um coração aberto.

d) Mordomia dos dons – qualquer capacidade(dons) é para ser usado para a felicidade dos
outros. O que alguém precisar temos que estar lá com nossos dons para suprir. Assim o nome de
Deus é glorificado.

Conclusão

O evangelho pregado atualmente vai contra estes ensinamentos abordados aqui. As pessoas
que se dizem cristãs não querem sofrer. Quando estas pessoas sofrem elas atribuem isto a ação do
diabo. A chamada para o evangelho é uma disposição para sofrer, porém não existe nada mais
satisfatório do que sofrer por Cristo. O cristão deve estar contente quando é injuriado por causa do
nome de Cristo e a sua justiça. Devemos ter esperança e praticarmos as boas obras, a fim de que
venhamos a dar frutos para a Glória de Cristo. Nossa tribulação é bem leve se levarmos em conta o
que estar por vir (2 Co. 4:17).