MANUTENÇÃO E RECUPERAÇÃO

DE EDIFÍCIOS

RECUPERAÇÃO DAS ESTRUTURAS - I
INTRODUÇÃO
O concreto de cimento Portland tem provado ser o material de construção
mais adequado para estruturas, superando com larga vantagem outras
alternativas viáveis, como madeira, aço ou alvenaria.
Embora possa ser considerado resistente e durável, desde que receba
manutenção sistemática e programada, existe construções que apresentam
manifestações patológicas significativas, acarretando elevados custos para
sua recuperação.
Sempre há comprometimento dos aspectos estéticos e, na maioria das
vezes, redução da capacidade resistente, podendo chegar ao colapso parcial
ou total da estrutura.
Observa-se em geral duas coisas
Um descaso que leva a simples reparos superficiais ou a demolições ou
reforços injustificados.
Os dois extremos são desaconselháveis uma vez que existe atualmente uma
elevada gama de técnicas e produtos desenvolvidos para solucionar esses
problemas.

RECUPERAÇÃO DAS ESTRUTURAS - II

Ruptura de pilar do subsolo de um edifício,
observa-se a flambagem da armadura
principal do pilar.
Causa: Concreto de resistência inadequada
(7,0 Mpa em compressão axial)
Corrosão de armadura por
cloretos em estrutura de
concreto em zona marítima.

RECUPERAÇÃO DAS ESTRUTURAS - III

Má performance de um reparo Danos causados pelo incêndio de uma
executado de forma inadequada estrutura
na face inferior de uma laje,
agravando ainda mais o problema
inicial.

RECUPERAÇÃO DAS ESTRUTURAS - VI
PATOLOGIA E TERAPIA DAS CONSTRUÇÕES
Patologia é o estudo das partes que compõem o diagnóstico do problema
- Sintomas
- Mecanismos
- Causas e Origens dos defeitos
Terapia cabe estudar a correção e a solução desses problemas patológicos

PATOLOGIA
Sintomas
Os problemas patológicos apresentam manifestação característica a partir do qual se
pode deduzir qual a natureza, a origem e os mecanismos dos fenômenos envolvidos.
Sintomas mais comuns:
- fissuras
- eflorescências
- flechas excessivas
- manchas no concreto aparente
- corrosão das armaduras
- ninhos de concretagem
- degradação química

pois estas poderiam reaparecer em posições muito próximas às iniciais. Por exemplo a corrosão de armaduras no concreto armado é um fenômeno de natureza eletroquímica. umidade (água) e o estabelecimento de uma célula de corrosão eletroquímica (heterogeneidade da estrutura) que só ocorre após a despassivação da armadura. que pode ser acelerado pela presença de agentes agressivos externos. não basta a injeção das fissuras.V Mecanismo Todo problema patológico (vício de construção) ocorre a partir de um mecanismo. RECUPERAÇÃO DAS ESTRUTURAS . do ambiente ou internos. Para que a corrosão se manifeste é necessário que haja oxigênio (ar). Célula de corrosão eletroquímica em concreto armado (Helene. por exemplo saber que devem ser limitadas as sobrecargas ou reforçadas as vigas quando as fissuras são conseqüências de momento fletor. 1986) É imprescindível. incorporados ao concreto. Neste caso. .

VI Origem Um diagnóstico adequado do problema deve indicar em que etapa do processo construtivo teve origem o fenômeno. RECUPERAÇÃO DAS ESTRUTURAS . O processo de construção e uso pode ser dividido em cinco grandes etapas: • Planejamento • Projeto • Fabricação de materiais e componentes fora da obra • Execução propriamente dita Os problemas patológicos só se manifestam após o início da execução. normalmente ocorrem na etapa de uso. Certos problemas por exemplo resultantes de: • Reações álcali-agregados só aparecem com intensidade após seis a doze anos • Corrosão de armaduras em lajes de forro/piso se manifestam após treze anos . a última etapa da fase de produção.

Uma elevada percentagem das manifestações patológicas têm origem nas etapas de planejamento e projeto (vide figura). Origem dos problemas com relação às etapas de produção e uso das obras civis (Grunau. 1981) .) Uma fissura de momento fletor em vigas pode ter origem num projeto inadequado. RECUPERAÇÃO DAS ESTRUTURAS . colocação sobre a viga de cargas superiores às previstas inicialmente. Para cada origem há uma terapia mais adequada. É sempre preferível investir mais tempo no detalhamento e estudo da estrutura que tomar decisões apressadas ou adaptadas durante a execução.VII Origem (cont. na qualidade inferior do aço. embora o fenômeno e os sintomas possam ser os mesmos. As falhas de planejamento e projeto são mais graves que as falhas de qualidade dos materiais ou de má execução. na má execução com concreto de resistência inadequada.

agentes atmosféricos e outros. variação da umidade. Conseqüências Um diagnóstico se completa com algumas considerações sobre as conseqüências do problema no comportamento geral da estrutura.Comprometem as condições de serviço e funcionamento da construção Os problemas de patológicos são evolutivos e tendem a se agravar com o passar do tempo. flechas excessivas em vigas e lajes podem acarretar fissuras em paredes. incompatibilidade de materiais. . variações térmicas intrínsecas e extrínsecas ao concreto. além de acarretarem outros problemas. o agente causador é a carga ( se não houver carga não há fissura) qualquer que seja a origem do problema. as que: . Por exemplo uma fissura de momento fletor pode dar origem à corrosão de armadura. As considerações podem ser de dois tipos.VIII Causas Os agentes causadores dos problemas patológicos podem ser vários: cargas. etc. RECUPERAÇÃO DAS ESTRUTURAS . Já fissuras verticais nas vigas podem ter como agentes causadores tanto a variação da umidade (retração hidráulica por falta de cura) quanto gradientes térmicos resultantes do calor de hidratação do cimento ou gradientes térmicos resultantes de variações diárias de temperatura ambiente.Afetam as condições de segurança da estrutura . No caso de uma fissura em viga por ação de momento fletor. agentes biológicos.

) As correções são mais duráveis. RECUPERAÇÃO DAS ESTRUTURAS . Lei de evolução dos custos (Sitter. à execução propriamente dita. à manutenção preventiva efetuada antes dos primeiros três anos e a manutenção corretiva efetuada após surgimento dos problemas. a cada uma corresponderá um custo que segue uma progressão geométrica de razão cinco. Dividindo-se as etapas construtivas e de uso em quatro períodos correspondentes ao projeto. mais fáceis de executar e muito mais baratas quanto mais cedo forem executadas.IX Conseqüências (cont. A demonstração mais expressiva dessa afirmação e a chamada Lei de Sitter que mostra os custos crescendo segundo uma progressão geométrica. mais efetivas. 1984) .

Aumentar o cobrimento da armadura . implica num custo que pode ser associado ao número 1 (um): .) PROJETO Toda medida tomada a nível de projeto com o objetivo de aumentar a proteção e a durabilidade da estrutura. redução de volume e peso próprio. durante a execução. aditivos e adições com características diferenciadas EXECUÇÃO Toda medida tomada extra-projeto. RECUPERAÇÃO DAS ESTRUTURAS .detalhes construtivos adequados .X Conseqüências (cont. implica num custo 5 (cinco) vezes superior ao custo que teria sido acarretado se esta medida tivesse sido tomada na época da elaboração do projeto (custo 1): Um exemplo típico é a da redução da relação água/cimento do concreto para aumentar a durabilidade e a proteção à armadura.especificar cimentos. Essa nova característica do concreto acarretariam a redução das dimensões dos componentes estruturais. . ou seja. economia de fôrmas.Reduzir a relação água/cimento do concreto . redução de taxa de armadura. etc.tratamentos superficiais . como apresentado nos exemplos abaixo.

RECUPERAÇÃO DAS ESTRUTURAS .XI Conseqüências (cont. prognóstico. MANUTENÇÃO CORRETIVA Corresponde aos trabalhos de diagnóstico. durante o período de uso e manutenção da estrutura. . levando em conta os custos da obra orçado a partir do projeto original. pode ser associada a um custo 5 (cinco) vezes menor que aquele necessário à correção dos problemas gerados a partir da não intervenção preventiva tomada com antecedência à manifestação de patologia. reparo e proteção das estruturas que já apresentam manifestações patológicas (correção de problemas evidentes. CONCLUSÃO: Segundo Sitter. adiar uma intervenção significa aumentar os custos diretos em progressão geométrica de razão 5 (cinco). Ao mesmo tempo estará associada a um custo de 25 (vinte e cinco) vezes superior àquele que teria acarretado uma decisão de projeto para obtenção para obtenção do mesmo grau de proteção e durabilidade da estrutura. A estas atividades pode-se associar um custo 125 (cento e vinte e cinco) vezes superior ao custo das medidas que poderiam ter sido tomadas na época da elaboração do projeto.) MANUTENÇÃO PREVENTIVA Toda medida tomada com antecedência e previsão.

Reforço generalizado Exemplo: Nos casos de elementos estruturais que necessitam ser colocados em carga após algumas horas da execução da correção. nas condições normais de solicitação Reparo localizado (após 28 dias) os materiais podem ser argamassas e concretos adequadamente dosados. natureza dos materiais e medidas protetoras adotadas). RECUPERAÇÃO DAS ESTRUTURAS . Nos casos de prazos mais dilatados. pode ser necessário e conveniente utilizar sistemas de base epóxi ou poliéster. das características da região a ser corrigida e das exigências de funcionamento do elemento que vai ser objeto da correção. vigas e lajes. pilares. Procedimento A escolha dos materiais e da técnica de correção a ser empregada depende do diagnóstico do problema. quanto uma recuperação generalizada da estrutura ou reforços de. È recomendável a implantação de um programa de de manutenção periódica (vida útil prevista. pode ser conveniente utilizar argamassas e grautes de base mineral e. agressividade da condições ambientes. .XII TERAPIA As medidas de correção dos problemas tanto podem incluir reparos localizados.

plastificantes . etc) estabeleceram como uma resposta técnico-científica moderna ‘as exigências do desempenho e durabilidade.altas resistências iniciais .expansões controladas .outras propriedades com utilização de aditivos e adições: .segundo o tipo de problema patológico em questão . RECUPERAÇÃO DAS ESTRUTURAS .Sílica ativa São disponíveis no mercado microconcretos e argamassas industrializadas já adequadamente formulados para utilização em reforços e reparos: .resistentes à agressividade do ambiente .baixa permeabilidade . . fíleres. fibras.elevada aderência ao substrato . REFORÇO E PROTEÇÃO Concreto O concreto é o material tradicionalmente utilizado em reforços e reparos.redutores de água . .ausência de retração de secagem .baixa relação água/cimento .XIII MATERIAIS PARA REPARO.concretos projetados (agregado graúdo com dimensão máxima de 9 mm) Os materiais avançados (à base de resinas. requer um traço especialmente formulado que altere melhor algumas de suas características naturais.cinza volante .impermeabilizantes .segundo as características da região a ser reparada (vertical o horizontal) .escória de alto forno .

baixa resistência à umidade e à ação agressiva do ambiente). Os aditivos impermeabilizantes reduzem muito a resistência mecânica dos concretos. Em geral tem retração compensada e são tixotrópicas para uso em superfícies verticais e inclinadas. os retardadores. tanto no estado fresco quanto endurecido. acima dessa porcentagem deve ser considerado como adição.XIV Aditivos São produtos especialmente formulados para modificar algumas propriedades dos concretos e argamassas. Argamassas poliméricas São argamassas à base de cimento Portland modificadas com polímeros. Normalmente são utilizados para reparos e reforços os aceleradores de pega e endurecimento. os redutores de água (plastificantes) e expansores. com agregados e graduação adequadas. RECUPERAÇÃO DAS ESTRUTURAS . podem ser chamadas de argamassas base mineral e o processo de endurecimento está baseado na reação dos grãos de cimento com a água de amassamento. Sendo todo produto adicionado até o máximo de 5% em relação ‘a massa de cimento. Podem ser formuladas com resinas acrílicas do tipo metilmetacrílato ou estireno- butadieno ou então com resinas à base de PVA (aplicação restrita. .

resistente e sem retração no estado endurecido. aditivos expansores e aditivos superplastificantes. Os grautes podem ser formulados para uso em pequenos volumes e espessuras (possuem elevada aderência porém baixo módulo de deformação longitudinal) podendo ser utilizados para preenchimento de fissuras. Argamassas e grautes orgânicos São argamassas e grautes formulados com resinas orgânica cuja aglomeração e resistência é dada pelas reações de polimerização e endurecimento dos componentes das resinas. RECUPERAÇÃO DAS ESTRUTURAS . Pelo fato de constituírem-se em argamassas e grautes com características de elevada resistência mecânica e química são apropriados para serem aplicados em ambientes altamente agressivos ou em condições onde são exigidos alto desempenho dos reparos. formulado para preencher cavidades e tornar-se aderente.XV Grautes de base cimento É um material fluido e auto-adensável no estado recém misturado. O cimento Portland pode entrar na composição do produto apenas como um agregado fino (filler). Um graute de base cimento é constituído por cimento Portland. boa aderência. agregados de granulometria adequada. em ausência de água. São recomendados para reparos em locais de difícil acesso ou seções densamente armadas em razão das suas características de fluidez. reforços e proteções. . atuando com um material inerte. baixa retração e alta impermeabilidade (baixa porosidade). preenchendo os vazios da areia.

RECUPERAÇÃO DAS ESTRUTURAS . tais como reservatórios. Excelente em aplicação em fachadas.8 kg de ácido fosfórico em 100 litros de água. sendo que os óleos podem ser diluídos em querosene. Aguardar secagem por 48 h antes da aplicação dos óleos. estruturas externas ou internas. recomenda-se pelo menos duas demãos espaçadas de mais de 24 h. Normalmente têm maior aplicação em estruturas e alvenarias aparentes. Não são recomendáveis para locais com solicitação mecânicas e física forte. podem ser usados para impermeabilização e proteção da superfície do concreto. através do uso de solução composta de 2.XVIII Óleos Óleo de soja.4 kg de cloreto de zinco com 3. etc. Em geral escurecem a superfície do concreto. canaletas. Como esta solução é ácida. . O concreto deve ter idade superior a 14 dias para aplicação. e localizadas em superfícies verticais e horizontais internas (tetos e coberturas). sem revestimentos. sem contudo alterar seu aspecto. Recomenda-se neutralizar previamente a sua superfície antes da aplicação. óleo de peroba e certos ácidos de consistência oleosa. nem para locais submetidas ‘a pressão de água. Vernizes e hidrofugantes de superfície São pinturas aplicadas à superfície da estrutura de concreto destinadas a protege-la e impermeabiliza-la. não é recomendável em estruturas de concreto protendido nem em casos de pequeno cobrimento da armadura.

pigmento e aditivo. etc. Os pigmento são importantes quando se deseja uma proteção anticorrosiva.XIX Vernizes e hidrofugantes de superfície (cont. sofrem um processo de secagem ou cura e endurecimento formando um filme sólido. vernizes epóxi e os vernizes de base acrílica. aderente ao substrato e impermeável. pois é ela que confere as propriedades de resistência. A resina é o componente mais importante da tinta. todos são monocomponentes dispersos em solvente. Não devem ser utilizados vernizes tipo látex PVA base água. impermeabilidade e brilho ao sistema.). quando aplicadas em finas camadas sobre uma superfície. solvente. pois têm baixíssima durabilidade.) Formam um filme superficial contínuo tais como os vernizes poliuretanos. aderência. RECUPERAÇÃO DAS ESTRUTURAS . quando em presença de agentes atmosféricos agressivos (industriais). silanos. reduzida aderência e se degradam rapidamente. São constituídas basicamente de resina. Tintas orgânicas São dispersões de pigmentos em aglutinantes que. seja por barreira. Em certas condições pode ser mais conveniente utilizar hidrofugantes de superfície que são capazes de penetrar alguns milímetros no concreto e por um mecanismo de repelência eletrostática impedem a penetração das moléculas de água e das substâncias agressivas que estejam dissolvidas nessa água. Os hidrofugantes são todos de base silicone (resina silicone. inibição química ou por proteção catódica . flexibilidade.

na qual são introduzidas as duas barras a emendar.XXII Produtos p/ ancoragem e emendas de barras de aço São em geral de base polimérica. petroquímicas. predominantemente poliéster bicomponente. Além do tijolo é necessário utilizar uma membrana impermeável e ainda incorporar um refratário anticorrosivo entre o revestimento e a membrana. Um tijolo anticorrosivo é fabricado a partir de matérias-primas com teor de fundentes especialmente baixo. Os produtos constituem-se em argamassas formuladas com cimentos aluminosos que apresentam pega rápida e resistência elevadas às primeiras idades. . ambos de pega rápida e ligeiramente expansivos. Através da prensagem hidráulica. seção de um tubo. Para emendas de barras de aço há uma emenda padrão que consiste de uma luva de aço. Tijolos anticorrosivos Conferem proteção otimizada contra ataque químico severo e são portanto indicados para uso em indústrias farmacêuticas. a luva deforma-se contra as barras. ancorando-se em suas nervuras. podem também ser formuldaso com base na reação do magnésio com fosfatos ou materiais de base sulfato de cálcio. RECUPERAÇÃO DAS ESTRUTURAS . ou de base cimento. por exemplo. Concretos e argamassas de pega/endurecimento rápido Inúmeras vezes é necessário proceder-se a reparos rápidos que permitam a retomada da produção em indústrias ou a liberação do tráfego. apresentando baixa porosidade e ausência de absorção. que desenvolvem altas resistências iniciais. químicas e de papel e celulose.

cobrimento insuficiente das armaduras .XXIII GUIA PARA DIAGNÓSTICO E CORREÇÃO DOS PROBLEMAS Corrosão de armaduras Manifestação típica . RECUPERAÇÃO DAS ESTRUTURAS .remover o concreto afetado e os produtos de corrosão (limpeza de superfície) .reconstituir a seção original da armadura .em inícios de corrosão recuperar o componente estrutural (manter seção) .aplicar revestimento de proteção .A Diagnóstico: . demolir e reconstruir .concreto com alta permeabilidade .má execução Alternativas para correção: .em casos avançados de corrosão reforçar o componente estrutural (aumentar seção) .eventualmente.

agentes agressivos incorporados ao concreto durante seu amassamento.reconstituir a seção original da armadura .agentes agressivos do ambiente impregnados na estrutura (cloretos) . RECUPERAÇÃO DAS ESTRUTURAS .XXIV Corrosão de armaduras Manifestação típica .na presença de agentes agressivos efetuar a correção com primer rico e efetuar barreira epóxi entre o concreto contaminado e a argamassa de reparo .eventualmente. Alternativas para correção: . demolir e reconstruir .aplicar revestimento de proteção .remover o concreto afetado e os produtos de corrosão (limpeza de superfície) .B Manchas marrom-avermelhadas ou esverdeadas na superfície do concreto Diagnóstico: .

concreto .dimensão máxima característica do agregado graúdo inadequada .XXV Ninhos (segregação) Manifestação típica Diagnóstico: .dosagem inadequada .lançamento e adensamento inadequados . RECUPERAÇÃO DAS ESTRUTURAS .remover o concreto segregado e limpar bem as superfícies .taxa excessiva de armaduras Alternativas para correção: .em casos de reparos profundos: argamassa polimérica base cimento. graute.em casos de reparos superficiais: argamassa polimérica base cimento. base epóxi .aplicar revestimento de proteção .

colocação de novos estribos e reconcretagem . RECUPERAÇÃO DAS ESTRUTURAS .recuperar monolitismo (injetar resina epóxi com ou sem limitação de sobrecargas .estribos insuficientes . demolir e reconstruir .eventualmente.armadura mal posicionada no projeto ou na execução Alternativas para correção: .XXVII Fissuras de flexão (VIGAS) Manifestação típica Diagnóstico: .reforçar a viga através de: .colocação de nova armadura longitudinal e reconcretagem .ancoragem insuficiente .sobrecargas não previstas .colocação de chapas metálicas aderidas com epóxi .preparar e limpar criteriosamente a fissura .

estribos mal posicionados no projeto ou na execução . RECUPERAÇÃO DAS ESTRUTURAS .concreto de resistência inadequada Alternativas para correção: .preparar e limpar criteriosamente a fissura .colocação de novos estribos e reconcretagem .estribos insuficientes .eventualmente. demolir e reconstruir .XXVIII Fissuras de cisalhamento (VIGAS) Manifestação típica Diagnóstico: .sobrecargas não previstas .reforçar a viga através de: .colocação de chapas metálicas aderidas com epóxi .colocação de nova armadura longitudinal e reconcretagem .recuperar monolitismo (injetar resina epóxi com ou sem limitação de sobrecargas .

aumentar ralos.corrosão de armaduras / deterioração de peitoris .quebra de cantos em dentes Gerber . .aplicar revestimento de proteção / eventualmente demolir e reconstruir.cobrimento insuficiente .XXXXIX Deterioração generalizada (PONTES E VIADUTOS) Manifestação típica .degradação de juntas de movimentação .preparar e limpar adequadamente as fissuras e superfícies .deterioração de apoios / fissuras Diagnóstico: .eventualmente. efetuar revestimentos de proteção.posição inadequada das armaduras / solicitação excessiva Alternativas para correção: .restaurar dentes Gerber.reparar ou reforçar regiões com armaduras corroídas. . estender buzinotes.restaurar bordas de junta de movimentação com argamassa epóxi.restaurar o monolitismo: injetar resina epóxi.peitoris muito esbeltos / ausência de manutenção . . . .percolação de água . .impactos / projetos inadequados . criar pingadeiras. RECUPERAÇÃO DAS ESTRUTURAS .

junta de concretagem mal executada . .restaurar o monolitismo: injetar resina epóxi. .ninho de concretagem .demolir e restaurar cavidades localizadas: argamassa polimérica base cimento.reparar ou reforçar locais com corrosão de armaduras. RECUPERAÇÃO DAS ESTRUTURAS . .armadura insuficiente .reforçar a estrutura.cobrimento insuficiente . .L Percolação de líquidos e corrosão de armaduras (SILOS E TANQUES) Manifestação típica Diagnóstico: .tirante ou espaçador mal executado .aplicar revestimento de proteção. .impermeabilizar e proteger termicamente.preparar e limpar adequadamente as fissuras e superfícies .movimentação térmica diferencial . .concreto de resistência inadequada Alternativas para correção: .

corrosão nos elementos semi-submersos . etc) Alternativas para correção: . .LI Deterioração generalizada (Estruturas em água do mar ou água doce) Manifestação típica .demolir e restaurar cavidades localizadas: argamassa polimérica base cimento.manuseio de materiais agressivos (adubos.cobrimento insuficiente .reparar ou reforçar locais com corrosão de armadura.concreto com alta permeabilidade .má execução . carvão.remover as partes soltas e limpar criteriosamente a superfícies .concentração de tensões em cantos .quebra de arestas e cantos / fissuras Diagnóstico: .Desgaste mecânico .restaurar o monolitismo: injetar resina epóxi. . . RECUPERAÇÃO DAS ESTRUTURAS .reforçar regiões submersas: graute para reparo submerso.aplicar revestimento de proteção . . enxofre.

.restaurar o monolitismo: injetar resina epóxi.rupturas localizadas por ação de cargas excessivas ou recalques . . .ausência de proteção Alternativas para correção: .preparar e limpar cuidadosamente as superfícies .aplicar revestimento de proteção. . RECUPERAÇÃO DAS ESTRUTURAS .corrosão de armaduras .má aeração da tubulação .LII Deterioração acentuada da parte superior (Galerias de água e esgoto) Manifestação típica .concreto de resistência inadequada .reconstruir ou reforçar: concreto.reparar : argamassa polimérica base cimento e argamassa polimérica projetada.cobrimento insuficiente . concreto projetado.degradação do concreto Diagnóstico: .

excesso de partículas abrasivas .preparar e limpar cuidadosamente as superfícies .desgaste . .reconstruir ou reforçar: concreto.velocidade excessiva do líquido .aplicar revestimento de proteção.concreto de resistência inadequada . RECUPERAÇÃO DAS ESTRUTURAS .cavitação Diagnóstico: . .reparar : argamassa polimérica base cimento e argamassa polimérica projetada.ausência de proteção Alternativas para correção: . concreto projetado. .LIII Deterioração da parte submersa (Galerias de água e esgoto) Manifestação típica .rupturas localizadas por ação de cargas excessivas ou recalques . graute para reparo submerso.

preparar e limpar cuidadosamente as superfícies .projeto inadequado .reforçar os componentes de fundações com problemas: blocos. . sapatas e estacas .má execução Alternativas para correção: .LV Defeitos de elementos estruturais de fundação (Fundações) Manifestação típica Diagnóstico: .remover as partes soltas.Demolir e reconstruir cabeças de estacas: microconcreto fluido e concreto. RECUPERAÇÃO DAS ESTRUTURAS .concreto de resistência inadequada .

RECUPERAÇÃO DAS ESTRUTURAS .LVI PROCEDIMENTOS DE PREPARO E LIMPEZA DO SUBSTRATO PREPARO DO SUBSTRATO .

RECUPERAÇÃO DAS ESTRUTURAS . Retirar todo o material solto. além de não exigir instalações específicas de água ou energia e mão-de-obra especializada Desvantagens Baixa produção. obtendo superfície rugosa e coesa. Equipamento Ponteiro. uso restrito. Vantagens Pouco ruído e ausência de poeira excessiva. Após a escarificação é necessário efetuar limpeza com ar comprimido para remoção do pó. evitando golpes que possam lascar as arestas e contornos da região em tratamento.LVII Usos mais comuns Escarificação Manual Preparação de pequenas superfícies e locais de difícil acesso para os equipamentos maiores. Requer cuidados para não comprometer a estrutura . Apicoamento das superfícies. Deve-se prever cimbramento adequado. quando necessário. talhadeira e marreta Procedimento Escarificar de fora para dentro. propiciando boas condições de aderência. mal compactado e segregado até atingir concreto são.

Desvantagens Requer mão-de-obra especializada. RECUPERAÇÃO DAS ESTRUTURAS . Vantagens Alta produção. Procedimento Aplicar o disco com lixa sobre a superfície. Equipamento Lixadeira industrial com disco. uma espessura pequena. de cada vez. aproveitando o peso do próprio equipamento. úmido ou a seco. . mantendo uniformidade de espessura em toda a superfície. adequado para desbaste de pisos (polimento). Efetuar o desbaste em camadas ou passadas cruzadas a 90º. Desbastar.LVIII Disco de Desbaste Usos mais comuns Preparação e desbaste de grandes superfícies.

Procedimento Escarificar de fora para dentro para evitar lascamentos das arestas e cantos. RECUPERAÇÃO DAS ESTRUTURAS . Vantagens Alto rendimento na preparação. Requer cuidados para não comprometer a estrutura. apicoamento. . Retirar todo o material solto. Após a escarificação é necessário proceder à limpeza com ar comprimido. não requerendo mão-de-obra especializada (qualificada). para remoção do pó. remover a nata superficial e procurar conferir rugosidade ao concreto.LIX Escarificação Mecânica Usos mais comuns Preparação de grandes superfícies. mal compactado e segregado até atingir o concreto são. Deve-se prever o cimbramento adequado. Equipamento Rebarbador eletromecânico ou fresas (para pisos). Em superfícies planas. quando necessário. Desvantagens Rendimento baixo para espessuras superiores a 1 cm.

Equipamento Martelete pneumático (±20 kg) ou eletromecânico. mal compactado e segregado até atingir o concreto são. Alto rendimento na preparação.LX Demolição Usos mais comuns Preparação de grandes superfícies. A demolição não é adequada para elementos estruturais esbeltos. . demolições. Deve-se prever cimbramento adequado. Vantagens Permite o uso de vários marteletes acoplados a um só compressor (no caso do martelete pneumático). RECUPERAÇÃO DAS ESTRUTURAS . Desvantagens Requer cuidados para não comprometer a estrutura existente. Procedimento Retirar todo o material solto. Necessita de mão- de-obra especializada.

95% de cada área de 9 cm2 deverão estar livres de resíduos visíveis e apresentar coloração cinza claro (BS 4232). Equipamento Lixa d´água para concreto ou lixa de ferro para aço. No caso do aço. Procedimento Esfregar a lixa em movimentos circulares e enérgicos sobre a superfície.LXI Lixamento Manual Usos mais comuns Preparo de superfícies reduzidas. lixamento de barras de aço. de modo que o metal apresente apenas leves manchas na superfície. RECUPERAÇÃO DAS ESTRUTURAS . Desvantagens Baixa produção e exigência de controle criterioso (fiscalização). tentar obter cor metálica denominada estado de “metal quase branco”. Após a limpeza. (*) Toda a carepa de laminação e produtos da corrosão deverão ser removidos. (*) Vantagens Dispensa equipamentos pesados. .

Procedimento Manter a lixa paralela à superfície em tratamento. procurando fazer movimentos circulares. Equipamento Disco de lixa acoplado a uma lixadeira eletromecânica provida de um protetor.LXII Lixamento Elétrico Usos mais comuns Superfícies de concreto ou chapas de aço. Alto rendimento na preparação. abre e limpa seus poros. RECUPERAÇÃO DAS ESTRUTURAS . Vantagens Remove as impurezas existentes na superfície do concreto. . requerendo o uso de máscara antipó para proteção do operador. Permite a remoção de eflorescências e a regularização das superfícies de concreto. Desvantagens Provoca elevado grau de sujeira e poeira no ambiente. Remove a carepa de laminação e a crosta de corrosão superficial das chapas metálicas.

retira os produtos da corrosão. Desvantagens Baixa produção. não requerendo mão-de- obra especializada nem instalações específicas. Equipamento Escova com cerdas de aço. . uso restrito. Vantagens Fácil acesso e manuseio. Em contato com a armadura.LXIII Escovamento Manual Usos mais comuns Preparação de superfícies de pequenas dimensões em locais de fácil acesso e remoção de produtos de corrosão incrustados nas barras. desde que a escova seja aplicada de forma enérgica e eficiente. RECUPERAÇÃO DAS ESTRUTURAS . Procedimento Escovar a superfície até a completa remoção da partículas soltas ou qualquer outro material indesejável.

. Após a limpeza. (*) Desvantagens Risco de danificação das agulhas quando em contato com o concreto. (*) Toda a carepa de laminação e produtos da corrosão deverão ser removidos. de modo que o metal apresente apenas leves manchas na superfície. Equipamento Pistola eletromecânica. deixando a superfície na condição de “metal branco”. Procedimento Colocar a pistola em contato com a armadura ou chapa metálica até que seja retirada toda a camada de corrosão ou tinta. retirada de corrosão e de pinturas. Deve-se tomar cuidado para evitar que o equipamento entre em contato com o concreto. 95% de cada área de 9 cm2 deverão estar livres de resíduos visíveis e apresentar coloração cinza claro (BS 4232). RECUPERAÇÃO DAS ESTRUTURAS . Vantagens Remove os produtos da corrosão (ferrugem) das armaduras.LXIV Pistola de Agulha Usos mais comuns Limpeza de superfícies metálicas.

bico direcional e. em certos casos não dispensa escarificação prévia. Movê-lo constantemente em círculo. Após a utilização do jato seco deve-se limpar toda a superfície com ar comprimido . Úmido Equipamento Compressor de ar. removendo todo o material que possa a vir prejudicar a aderência da acamada protetora. distribuindo uniformemente o jato para melhor remoção de todos os resíduos que possam vir a prejudicar a aderência. eliminando todas as partículas soltas. Não remove frações de espessuras superiores a 3 mm e. deve ser lavada. isenta de matéria orgânica e precisa estar seca no momento da utilização. RECUPERAÇÃO DAS ESTRUTURAS . Vantagens Prepara as superfícies a serem recuperadas ou reforçadas. eventualmente. água. equipamento de jato de areia.LXV Usos mais comuns Jato de Areia Seco ou Preparação de grandes áreas e locais angulosos. abrasivo (areia). Desvantagens Provoca elevado grau de sujeira e pó (jato seco) no ambiente. mangueira da alta pressão. A areia utilizada deve ter uma granulometria adequada. Procedimento Manter o bico de jato numa posição ortogonal à superfície de aplicação.

Desvantagens Requer o uso de mão-de-obra especializada e acessórios adequados. . Requer também cuidados quanto ao controle da espessura do corte para não danificar estribos e armaduras.LXVI Disco de corte Usos mais comuns Retirada de rebarbas. Antes de iniciar. demarcar com lápis de cera ou equivalente o contorno de serviço a ser executado. Procedimento Manter o disco em posição ortogonal à superfície. Dificuldade de acesso deste tipo de equipamento a algumas regiões específicas. Equipamento Máquina de corte dotada de disco diamantado. delimitação do contorno da área de reparo. abertura de vincos para tratamento de fissuras. RECUPERAÇÃO DAS ESTRUTURAS .

retirada do material solto e desligamento absoluto de fontes de calor e chamas. adequadamente formulado para esta finalidade. não- corrosivo. aplicar na superfície um removedor de graxas e limpador à base de solvente de alta penetração. . graxas e gorduras impregnados em concretos em profundidades superiores a 3 mm requer a remoção do concreto contaminado através dos procedimentos descritos no procedimento de escarificação mecânica. RECUPERAÇÃO DAS ESTRUTURAS . queima controlada ou eventualmente demolição. Após a escarificação do concreto.LXVIII Remoção de Óleos e Graxas impregnados A remoção de óleos.

LXX LIMPEZA DAS SUPERFÍCIES . RECUPERAÇÃO DAS ESTRUTURAS .

RECUPERAÇÃO DAS ESTRUTURAS . umedecendo-a ao mesmo tempo. Executar. Equipamento Mangueira de alta pressão. . equipamento tipo lava-a- jato e bico direcional. Procedimento Iniciar a limpeza pelas partes mais altas. movimentos circulares com o bico de jato para facilitar a limpeza de toda a superfície. procurando manter uma pressão adequada para remoção de partículas soltas. Vantagens Possibilita limpar a superfície. Desvantagens Não é adequado quando os materiais de reparo requerem substrato seco para boa aderência. de preferência.LXXI Jato de Água Fria Usos mais comuns Limpeza de grandes áreas.

procurando manter uma pressão adequada para remoção de partículas soltas. quando associado a removedores biodegradáveis. Desvantagens Não é adequado quando os materiais de reparo requerem substrato seco para boa aderência. equipamento tipo lava- a-jato e bico direcional. movimentos circulares com o bico de jato para facilitar a limpeza de toda a superfície. pinturas. etc. Executar. Equipamento Mangueiras de alta pressão. Requer proteção com luvas térmicas e operador habilitado.LXXII Jato de Água Quente Usos mais comuns Limpeza de grandes áreas ou locais levemente contaminados com gorduras. Vantagens Ajuda a eliminar impurezas orgânicas tais como graxas. de preferência.. óleos. Procedimento Iniciar a limpeza nas partes mais altas. . RECUPERAÇÃO DAS ESTRUTURAS .

preferencialmente. bico direcional e caldeira para geração de vapor. RECUPERAÇÃO DAS ESTRUTURAS . pintura.. o procedimento é similar ao descrito no procedimento jato de água fria. .LXXIII Vapor Usos mais comuns Preparação de grandes áreas e locais contaminados com impurezas orgânicas e minerais (sais). deve ser associado a removedores biodegradáveis para obter melhor performance. Vantagens Ajuda a eliminar impurezas orgânicas como graxa. Desvantagens Exige operador especializado. Procedimento Se em forma de jato. etc. Equipamento Mangueiras de alta pressão. dotada de isolamento térmico para evitar perda de calor. óleo.

armadura exposta ou muito próxima à superfície. melhorando as características aderentes do substrato. Imediatamente após a reação lavar a estrutura com água limpa em abundância. Vantagens Remove da superfície da estrutura materiais indesejáveis como carbonatos. impurezas orgânicas. não requer equipamento especial. . remoção de tintas e ferrugem de metais. Preparar a solução conforme orientação do produto. etc. A efervescência é sinal de descontaminação. Procedimento Antes da aplicação. tendo em conta a possibilidade de infiltração irreversível de agentes ácidos na estrutura. ferramentas. trincha ou esfregão. aplicar a solução. Ácidas preferencialmente. brocha. saturar a estrutura com água limpa para evitar a penetração do ácido no concreto são. resíduos de cimento. para a remoção de partículas sólidas e resíduos da solução utilizada. etc. RECUPERAÇÃO DAS ESTRUTURAS . Desvantagens Seu emprego é aconselhável apenas para tratamentos de limpeza superficial. Equipamento Pulverizador.LXXIV Lavagem com Soluções Usos mais comuns Preparação de grandes áreas onde não haja.

Equipamento Pulverizador. RECUPERAÇÃO DAS ESTRUTURAS . O método não é agressivo à armadura e não requer equipamento especial. . que poderá modificar as características do concreto. Procedimento Saturar a estrutura com água limpa para evitar a infiltração do solução alcalina. Desvantagens Se por acaso houver presença de agregados reativos no concreto. pode provocar expansão devido à reação álcali- agregado. melhorando as características aderentes do substrato. Não eficaz na remoção de produtos provenientes da corrosão da armadura. trincha ou esfregão. brocha. Aplicar a solução concomitantemente com a lavagem da estrutura através de uma mangueira de água. Dificulta a aderência de certos produtos à base de epóxi.LXXV Usos mais comuns Lavagem com Soluções Limpeza de grandes áreas que apresentam resíduos Alcalinas ácidos impregnados. Vantagens Neutraliza especialmente a estrutura que esteve sujeita ao ataque ácido.

Desvantagens Não consegue remover gorduras e óleos impregnados profundamente (> 2 mm) e havendo. RECUPERAÇÃO DAS ESTRUTURAS . necessidade de escarificação mecânica ou queima controlada. Equipamento Vassoura. .LXXVI Remoção de Óleos e Graxas Superficiais Usos mais comuns Limpeza de superfícies horizontais (pisos) contaminadas superficialmente em espessuras menores que 2 mm. Procedimento Aplicar o removedor diretamente sobe as áreas afetadas. para remoção de partículas sólidas e resíduos do produto utilizado. A seguir. conforme o grau de contaminação. Vantagens Não é corrosivo. brocha. trincha e esfregão. deixando-o agir pelo menos por vinte minutos. lavar a região com água em abundância com o auxílio de um esfregão ou vassoura. não ataca o concreto nem a armadura e não requer equipamento especial. neste caso.

sob pressão. Adequado para limpeza de fissuras. de modo a evitar deposição de pó no seu interior. a aplicação de adesivo estrutural de base epóxi. que requer substrato seco e limpo. Vantagens Remove o pó e possibilita. logo em seguida. para garantir ar descontaminado. Procedimento Havendo cavidades. Equipamento Mangueiras de alta pressão e compressor dotado de filtro de ar e de óleo. Uma vez limpas. Desvantagens É inadequado para superfícies úmidas. passando depois para as superfícies circunvizinhas. antes da execução de procedimentos de injeção de grautes ou resinas para restabelecimento do monolitismo estrutural. precedendo-se então à limpeza da superfície remanescente. colocar no seu interior a extremidade da mangueira. RECUPERAÇÃO DAS ESTRUTURAS . executando a limpeza do interior para o exterior. Também é usado quando na superfície for aplicada resina de base epóxi.LXXVII Usos mais comuns Jato de ar comprimido Remoção de pó após os procedimentos de preparo. . as cavidades devem ser vedadas com papel. escova de aço ou jato de areia. desde que o substrato esteja seco. È importante começar sempre o processo pelas cavidades. como escarificação.

graxas. RECUPERAÇÃO DAS ESTRUTURAS . . conseqüentemente. estopa e algodão. Por ser altamente volátil. pincel ou algodão nas superfícies e executar movimentos adequados para a retirada de resíduos e contaminações. instantes ants da aplicação de resinas de base epóxi.LXXVIII Solvente voláteis Usos mais comuns Limpeza de superfícies de concreto ou de aço. auxilia a secagem superficial. Desvantagens È produto inflamável e muito volátil (perda por evaporação). tintas e óleos. evapora levando partículas de água da superfície e. Procedimento Aplicar o produto (acetona industrial) com estopa. Equipamento Pincel. Vantagens Retira ácido úrico (mãos). contaminações superficiais de gordura.

antes de aplicar os produtos de base cimento. retirar a água e secar. Equipamento Mangueira perfurada. . formar um filme contínuo de água na superfície com o auxílio de sacos de aniagem e mangueiras perfuradas. Procedimento Imergir totalmente a superfície a ser tratada por um período de. doze horas. com estopa seca e limpa. pelo menos. RECUPERAÇÃO DAS ESTRUTURAS .LXXIX Saturação com Água Usos mais comuns Tratamento de superfícies de concreto antes da aplicação de argamassas e concreto de base cimento. é necessário. quando a submersão for inviável. sacos de aniagem. obtendo-se a condição de superfície saturada e seca (não encharcada). o excesso de água superficial. Em superfícies verticais. Essa imersão pode ser conseguida com a construção de barreiras temporárias e mangueira com vazão contínua. Instantes antes da aplicação dos produtos.

estruturas mais esbeltas. realizado por um especialista. . .ambientes mais agressivos. do projeto de recuperação e dos escoramentos e transferências de carga necessários. recuperação ou aumento do valor do imóvel. . . . RECUPERAÇÃO DAS ESTRUTURAS .consciência e maior conhecimento dos responsáveis pela manutenção. Os serviços devem ser iniciados a partir desse diagnóstico.mudança de uso da construção .LXXXI PROCEDIMENTOS DE REPARO E REFORÇO ESTRUTURAL A necessidade de reparar ou reforçar uma determinada estrutura (segurança e durabilidade) tem sido cada vez mais comum: .solicitações mais intensas.outros mais Não se pode prescindir de um diagnóstico adequado do problema patológico. .inviabilidade de demolição e reconstrução.

RECUPERAÇÃO DAS ESTRUTURAS .LXXXII Reparos superficiais localizados .

LXXXIII Reparos superficiais – Grandes áreas .RECUPERAÇÃO DAS ESTRUTURAS .

RECUPERAÇÃO DAS ESTRUTURAS .LXXXIV Reparos – juntas de Movimentação .