Seminário sobre Estudos da Memória

Prof. Doutora Benedita Bastos
8 e 9/11/16

Aspetos abordados

Memórias – enquanto nocão polissémica reenvia para mecanismos de acumulacão
(processo passivo) e para a recuperacão das representacões sociais partilhadas
(processo dinâmico). Associa-se ä memória a recordacão mas também o esquecimento.

As recordacões são individuais, quase sempre do dominio dos afetos e dos sentimentos;

A memória aponta mais para o presente e o futuro e menos para o passado. Na relacão
com o futro coloca o problema da transmissão que pode ser oficial (através dos manuais
escolares, da escolha de datas , das comemoracões...) mas também familiar (sobretudo
no cinema, albuns de fotografias, passagem de testemunhos, histórias familiares
insistentemente recontadas de pais para filhos, de avós para netos...

Memória, na sua relacão espaco-tempo, é um modo distinto de producão histórica e um
processo de reconfiguracão do passado a partir do presente. A memória coloca em
movimento o presente, o passado e o futuro (processo de mobilidade temporal).

1. Autores e referencias bibiliográficas

Didi-Hubermann (teórico francês) escreveu recentemente Blanc Soucie (joga com a
semântica da palavra Blanc o que coloca uma quest!ao epistémica em torno do
esquecimento que se articula com a preocupacão).

Marianne Kirsch, pesquisadora americana interessa-se pelos problemas de transmisssão
no seio familiar. Traz para oes estudos da memória o conceito de pós-memória na sua
obra Poetics Today, publicado em 2008. www.postmemory.net/

Pós-memória remete para memória inter-geracional.

Maurice Halbwachs (1877-1945), sociológo francês, discipulo de Bergson, morre no
campo de concentracão em Auscwitz na Aelemanha em 1945. Tem obras seminais sobre
a memória. Publicou Quadros Sociais da Memória em 1925 e Psychlogic . Memória
Coletiva é póstuma, publicada em 1950.

Equaciona a relacão memória-tempo como uma relacão de mobilidade em diferentes
temporalidades.

É preciso atender que os estudos de Halbawchs são pensados no quadro da nacão (os quadros nacionais na contemporaneidade em processo de reconfiguracão). Benedita Bastos Pensa as memóras na perspetiva transnacional a partir da nocão de transmemória: dimensão transnacional das memórias.Critica a Halbawchs – para este teórico a relacão entre memória e espaco é imóvel. de uma região. de um país. a cada espaco corresponde uma memória ( de um cidadde. . modo de usar Reinhart Koselleck Le Futur Passé. Reconfiguracão das histórias nacionais para agregar as histórias coloniais. Contributions et la Semantique des Temps Historiques. desfasamentos entre memórias e espacos. A mesma questão se coloca com o conceito de pós-memória (transmissão num quadro especial fixo). Enzo Travasso escreve O passado. Por exemplo: as guerras de libertacão ocorreream fora dos quadros nacionais.