MEMORIAL DESCRITIVO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO

ESTADO DE ALAGOAS
SECRETARIA DE ESTADO DA DEFESA SOCIAL
CORPO DE BOMBEIROS MILITAR
DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS

1. DA EDIFICAÇÂO E ÁREAS DE RISCO:

Número da ART do projeto:
Classificação da edificação: Educacional e cultural física E-1 – Escalas em geral.
Proprietário: IFAL - Câmpus Palmeira dos Índios
Projetista: George Magno Tenório Peixoto
Tipo de edificação: Fase de Projeto
Risco: Classe 2, Conforme Tarifa de Seguro de Incêndio do Brasil.
Risco: Baixo, Conforme Instrução Técnicas-IT, Geral Provisória CBM-AL
Carga de Incêndio: 300 MJ/m²
Endereço: IFAL - Palmeira dos Índios - AL.
Área total construída: 2.573,89 m²
Número de Pavimentos: 03
Altura da edificação ou descendente: 12,80 m
Característica do imóvel:
Estrutura: Concreto e Alvenaria
Divisão Interna: Não tem
Cobertura: Terça metálica
Pisos: Piso em granilite
Esquadrias: Não tem
Forro: Não tem
Garagens: Céu aberto

2. INSTALAÇÕES PREVENTIVAS DE PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO E
PÂNICO

x Acesso de viatura do Corpo de x Iluminação de emergência
Bombeiros
Separação entre edificações Detecção de incêndio
Segurança estrutural nas edificações x Alarme de incêndio
Compartimentação horizontal x Sinalização de emergência
Compartimentação vertical x Extintores
x Controle de material de acabamento x Hidrantes
x Saídas de emergência Chuveiros automáticos
Elevador de emergência Espuma
x Brigada de incêndio Plano de intervenção de incêndio
x SPDA Sistema de Proteção contra Sistema fixo de gases limpos e
Descargas Atmosféricas dióxido de carbono (CO2)

DA SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA (FOTOLUMINESCENTE) Será instalada 05(cinco) placa de sinalização de saída de emergência na Porta de acesso da Instituição. Medindo: 0. E na sua rota de fuga serão instaladas 31(trinta e um) placas de sinalização com a finalidade de direcionar as pessoas às saídas de emergência.12 m Manutenção das sinalizações de emergência deverá seguir as instruções da NBR 13434.24 m x 0. a qual contará a inscrição “saída de emergência”.12 m Medindo: 0. 3. Instaladas a uma altura 1.1 RISCOS ESPECIAIS Armazenamento de líquidos Fogos de artifício inflamáveis Gás Liquefeito de Petróleo Vaso sob pressão (caldeira) Armazenamento de produtos perigosos Outros (especificar) Não apresenta nenhum dos riscos especiais acima.24 m x 0.80m do piso acabado. .2. Estas placas foram previstas em normas da ABNT 13434/2004.

Indicação do sentido de fuga no interior das Símbolo: escadas. Indica direita ou retangular esquerda. especialmente para ser fixado em colunas Símbolo: retangular Indicação do sentido Saída de 02 Fundo: verde (esquerda ou direita) de emergência Pictograma: uma saída de emergência fotoluminescente Indicação de uma saída Saída de de emergência a ser 03 emergência afixada acima da porta.DIMENSÃO DAS INDICAÇÕES DE SAÍDA – Conforme Tabela 1 da NBR 13434 Forma Sinal Cota Distância máxima de visibilidade geométrica Largura 20 cm 06 metros Altura 10 cm 06 metros DESCRIÇÃO DAS SINALIZAÇÕES Símbolo / Item Significado Forma e cor Aplicação CÓDIGO Indicação do sentido (esquerda ou direita) de Saída de uma saída de 01 emergência emergência. para indicar o seu acesso. descendo ou Escada de 04 Fundo: verde subindo emergência Pictograma: O desenho indicativo fotoluminescente deve ser posicionado de acordo com o sentido a ser sinalizado .

ou ambos) fotoluminescente Símbolo: retangular ou quadrado Fundo: verde Mensagem indicando número do Número do Indicação do pavimento. utilizada Saída de Mensagem como complementação 05 emergência “SAÍDA” e ou do pictograma pictograma e ou fotoluminescente (seta seta direcional: ou imagem. no interior da pavimento pode se formar escada (patamar) pela associação de duas placas (por exemplo: 1º + SS = 1º SS). designando o equipamento acionado por aquele ponto . 06 pavimento. Símbolo: retangular Indicação da saída de Fundo: verde emergência. se necessário Indicação do local de 07 Alarme sonoro instalação do alarme de incêndio Ponto de acionamento de alarme de incêndio ou Comando manual bomba de de alarme ou incêndio bomba de 08 Deve vir incêndio sempre acompanhado de uma mensagem escrita.

Indicação de Extintor de localização 09 incêndio dos extintores de incêndio Símbolo: quadrado Fundo: vermelha Indicação de 10 Mangotinho Pictograma: localização do fotoluminescente mangotinho. conforme item 4. DA ILUMINAÇÃO DE EMERGÊNCIA Serão instaladas 74 (setenta e quatro) luminárias de emergência: Detalhar tipo de sistema: Equipamentos portáteis com a alimentação compatível com o tempo de funcionamento garantido.1 (d) da NBR 10898. Indicação do abrigo da Abrigo de mangueira de 11 mangueira e incêndio com hidrante ou sem hidrante no seu interior Indicação da Símbolo: localização do 12 Hidrante de quadrado hidrante incêndio Fundo: vermelha quando Pictograma: instalado fora fotoluminescente do abrigo de mangueiras 4. .

classe 5 BC. 4. contida as especificações do pó do fabricante e mencionado no corpo do aparelho extintor.100° DISPERSÃO VIDA ÚTIL DO ELEMENTO GERADOR 03 HORAS DE AUTONOMIA DE LUZ DE ACORDO COM ITENS 4. A Manutenção do sistema de iluminação de emergência deverá seguir as instruções da NBR 10898.7.20M 400 64 TIPO DE LUMINÁRIAS LUMINÁRIAS PORTÁTEIS TIPO DE LÂMPADA FLUORESCENTES POTENCIA EM WATTS 2X9W TENSÃO.5 E TABELA 1 DA NBR 10898/1999 DA ABNT Deve assegurar o mínimo de proteção de acordo com a NBR 6146. com característica para a Classe 40 BC. . contida as especificações do pó do fabricante e mencionado no corpo do aparelho extintor. DOS APARELHOS EXTINTORES: Serão instalados 19(dezenove) extintores de:  02(dois) de Pó Químico Seco (PQS) com 12 kg. EM VOLTS 10/220V FLUXO LUMINOSO 400/1000LÚMENS NOMINAL. de forma a ter resistência contra impacto de água. com característica para a Classe 3A:40 BC.  03(três) de Pó Químico Seco (PQS-ABC) com 12 kg.M CD/M2 CD 2. classe 3A.  08(oito) de Água pressurizada (H2O) com 10 litros. sem causar danos mecânicos nem o desprendimento da luminária. INTENSIDADE ALTURA DO PONTO DE ILUMINAÇÃO AO MÁXIMA DO PONTO LUZ EM NÍVEL DO PISO DE LUZ RELAÇÃO AO PISO. 5.2.7.  06(seis) de Gás Carbônico (CO2) com 06 kg. EM LUMENS ÂNGULO DE 80° .

através de um endereço numérico único e não-passível de ser compartilhado por dois equipamentos distintos. DOS SISTEMAS DE ALARME A. O sistema de alarme deverá ser totalmente automático.89 m² Número de saídas: 05(cinco) 7. divisão E-1 (Escalas em geral). levando-se em consideração as condições de ventilação (trocas do ar). Deverá funcionar com laço (cabeamento) do tipo classe “A”. Analógico: Capacidade intrínseca de ajustar de níveis de sensibilidade na detecção de fumaça e elevação de temperatura através da avaliação continua e automática das condições especifica dos ambientes monitorados. podendo em edificações comerciais e repartições públicas serem instalados com a parte inferior a 0. DA SAÍDA DE EMERGÊNCIA Quanto à ocupação: A edificação se enquadra no grupo E (Educacional e cultural física). temperatura.00m. onde os elementos podem ser supervisionados. 1. 6. sinalização e comando do sistema gerenciado e supervisionado por controladores microprocessados semelhantes aqueles utilizados em computadores pessoais. F. distribuídos estrategicamente nas áreas a serem protegidas. caso necessário. D. A sinalização dos extintores deverão atender aos requisitos do item 5 deste memorial (Sinalização de Emergência). isto é. da linha de sinalização deverá ser provida por uma rede de eletrodutos de aço galvanizado. que funcionarão como dispositivos auxiliares ao sistema de detecção e alarme. onde a comunicação realiza-se em padrões RS232/RS485 por processadores associadas a memórias voláteis e não voláteis. alimentados e comandados pelos dois lados. 2. O sistema de alarme para a proteção contra incêndio compõe-se da instalação.573. a fim de que o sistema possa atingir 100% de sua eficiência.20 metros do piso acabado. Todos os acionadores e módulos do sistema deverão possuir internamente um isolador de linha. Endereçável: Capacidade intrínseca de atribuir.00 metros. A proteção física. Os extintores portáteis deverão ser afixados em locais com boa visibilidade e acesso desimpedido. Os extintores portáteis deverão ser afixados de maneira que nenhuma de suas partes fique acima de 1. C. mecânica. acionadores e módulos) interligado pela linha de sinalização do sistema. altura de vigas e outros aspectos relevantes. Área do maior pavimento (pavimento): 2. B. que se encaminha a partir da central de detecção e alarme. sem que haja a necessidade de instalação de isoladores independentes em trechos diversos do laço. reconhecer e comandar cada equipamento (detectores. Quanto às características construtivas: O código para a edificação será Y (edificação com mediana resistência ao fogo). sendo prevista a instalação de acionadores manuais de incêndio endereçáveis. desde que não fiquem obstruídos e que a visibilidade não fique prejudicada. possibilitando o acionamento manual do sistema.00 m < H -30.60 metros do piso acabado e nem abaixo de 1. E. por . Quanto à altura: O código da edificação é N (Edificações medianamente altas) 12. O sistema de alarme devera possuir as seguintes características básicas abaixo: • Microprocessado: Funções de controle.

1. M. tendo algum com a sensibilidade fora do padrão. Todo alarme visual deverá ser acompanhado de um sinal sonoro. para o acionamento de alarmes audiovisuais de incêndio. 7. K. diferenciado para defeito e/ou alarme. com carregador e flutuador de baterias e com autonomia de 24 horas com o sistema em supervisão e 15 minutos em alarme. com pintura eletrostática em epóxi na cor Vermelha (preferencialmente). C. CENTRAL DE ALARME: A. H. comandos e manual da central deverão ser totalmente em português. e no alarme. Na fase de instalação. A alimentação elétrica do sistema de detecção e alarme terá um ponto de força ininterrupta. e.toda a área coberta pelo sistema e retorna a central por caminho distinto. Deverá aceitar. a partir de um circuito exclusivo para os sistemas de segurança. A central de detecção será programada de maneira a atender as necessidades de projeto. A rotina da Central deverá informar constantemente. alimentada por rede elétrica comercial e. outros equipamentos ou sistemas. J. procedendo nesta situação ao desligamento do trecho correspondente entre isoladores. . na falta da mesma. G. ainda. que são colocados um a cada 20 sensores e/ou acionadores manuais como Máximo. testar cada detector ligado ao sistema. A rede e totalmente aérea. o tipo de equipamento afetado. sistema de supervisão e sinalizações remotas. e seus nomes deverão constar de uma relação previamente entregue ao setor de segurança. reset do sistema e alarme de evacuação e ABORTAGEM do sistema de alarme. a situação em tempo real de cada equipamento. F. D. ou áreas enclausuradas. Equipamento destinado a supervisar e detectar existência de um curto-circuito na linha do laço. MÓDULOS MONITORES ISOLADORES DE CURTO-CIRCUITO A. reportar-se imediatamente. qualquer tipo de equipamento ou sistema que possua saída do tipo contato seco e deverá ser capaz de acionar. dimensionado para 24 horas de funcionamento normal e mais 15 minutos em estado de alarme. através de módulos de saída. A central de alarme será fabricada em caixa metálica. E. no mínimo. com capacidade para atender os circuitos de detecção a serem instalados na área protegida. mediante uma varredura a todo sistema. B. G. sendo provida de fonte de alimentação e carregador flutuador de baterias. Deverá permitir ao operador ter acesso simplesmente a reconhecimento e silencia mento do alarme. A central terá em seu frontal um teclado para programação com chave para liberação aos comandos do teclado. 7. módulos e acionadores manuais). I. O software da Central deverá permitir. a fim de serem tomadas as providencias necessárias. quando em alarme de incêndio. nas áreas em regime normal de operação. H. 20 sensores e/ou dispositivos de detecção e supervisão. A central deverá permitir reconhecer o equipamento colocado no sistema a partir de sua instalação. Todas as mensagens. Deverá possuir fonte de alimentação própria compatível com as necessidades do sistema. por um conjunto de baterias 24 Vcc. via módulos de entrada. suportada por fixadores adequados aos elementos construtivos e estruturais da edificação.2. Deverá ser capaz de supervisionar. Painel deverá ser do tipo analógico/endereçável. L. avisando qualquer troca para reparos e/ou manutenção. todos os operários deverão se apresentar munidos de documentos. de maneira a permitir que somente as pessoas autorizadas tenham acesso aos comandos da mesma. Devera possuir função de varredura que o torne capaz de se auto-inspecionar e auto-verificar e aos elementos de detecção do sistema (detectores.

Todos os eletrodutos para proteção mecânica dos circuitos elétricos dos detectores e equipamentos periféricos serão de PVC rígido embutido em alvenaria com bitola mínima de 3/4”. B.3.1 da NBR 17240/2010). os isoladores se religam automaticamente. 7. A fonte de alimentação da central de alarme deverá possuir autonomia de 24h mais 15min em regime de alarme (6.5. .4 da NBR 17240/2010) 7. anexo A) da NBR 17240/2010. Os avisadores devem ser audíveis em todos os pontos da edificação sem inibir a comunicação verbal (6.9. Características • Endereçamento automático • Máximo de 3 segundos de tempo de resposta • O acionador contém um indicador luminoso ( LED ) • Pode ser testado com uma chave especial • Com funções de SelfVerify • Isolador de curto-circuito em cada acionador • Endereçamento automático • Projetado para atender as exigências das principais sociedades de classificação marítima • Aprovado FM 7.9.1. ou seja. caso o incêndio seja percebido antes da atuação dos detectores.3m. Os acionadores manuais de incêndio serão do tipo “quebre o vidro e aperte o botão” e funciona como dispositivo auxiliar do sistema de detecção. A área máxima de ação do detector de temperatura deverá ser de 36m² para altura de instalação de 7m.9.1. O acionador manual deve ser instalado de acordo com os regulamentos locais que normalmente são rotas de fuga e saídas. Normalizado o defeito. As fiações instaladas são do tipo antichama na bitola mínima 1. O raio máximo de ação do detector de fumaça deverá ser de 6. As convenções gráficas do sistema de detecção deverão estar em conformidade com (Tabela de símbolos. bastando para isso apertar o botão. Todas as interligações são executadas através de conectores apropriados.9.50 mm² (para sistema de detecção) e 2. 7. O indicador visual fabricado em material plástico ABS.3.4. C. NOTAS TÉCNICAS 7. As especificações do equipamento: • Alimentação: 17/28 Vcc 7. o sistema deve ser acionado através desse dispositivo.9. ACIONADORES MANUAIS A.6. O conjunto terá alimentação em 24 Vcc. 7. O indicador será do tipo Flash e a sirene terá alcance de 85 db. 7.5. 7.2. providos de acrílico frontal na cor vermelha. a 01 metro.5.B.5mm² (para circuitos de comando dos avisadores).4. ELETRODUTOS E FIAÇÕES A. providos de condolentes em alumínio e suportados através de fixações apropriadas. INDICADORES SONOROS VISUAIS A.

TECIMENTO AREAS 02 55 kgf/cm² DIAGONAL (TIPO SARJA). DOS ABRIGOS Os abrigos terão forma paralelepipedal com as dimensões mínimas de 70 cm de altura. tudo de acordo com as normas da ABNT. NA COR BRANCA INTERNAS E E TUBO INTERNO DE BORRACHA EXTERNAS SINTÉTICA. 8.2. DA RESERVA TÉCNICA DE INCÊNDIO A alimentação dos hidrantes do prédio será destinada do Reservatório Superior apenas para rede de Hidrantes. onde serão estabelecidas as linhas de mangueiras. na forma de tubos e conexões.7. DAS MANGUEIRAS DE INCÊNDIO PRESSÃO TIPO CARACTERISTICAS UTILIZAÇÃO MÁXIMA MANGUEIRA DE CAPA SIMPLES. terão registros do tipo gaveta ou globo de 2 ½” (63 mm) de diâmetro. resistente a uma pressão mínima de 18 kgf/cm2 com diâmetro mínimo de 2 ½” (65 mm).4 da NBR 13714).1. .3. DO SISTEMA DE PROTEÇÃO POR HIDRANTES Serão 04 (quatro) Hidrantes abrigados. 8. NA COR PRETA. esguicho de jato sólido. e chaves de mangueira. Cada abrigo deverá dispor de mangueiras de incêndio. somente devem ser utilizados enterrados e fora da projeção da planta da edificação. Volume total do reservatório: 12.5.000 litros 8.PVC). na cor vermelha. Os materiais termoplásticos (tipo .4.1/2") EM LANCE DE 30 METROS. NOS DIÂMETROS DE 65MM (2. MARCA "SINTEX-N/E". conforme o risco. DA CANALIZAÇÃO PREVENTIVA A canalização preventiva contra incêndio será executada em tubos de ferro ou aço galvanizado. 8. com junta STORZ. (Item 5. DOS ESGUICHOS Serão de jato solido com requinte.6. de 2 ½” (63 mm) com redução de 1 ½” (38 mm) de diâmetro. satisfazendo a todos os requisitos de resistência á pressão interna e esforços mecânicos necessários ao funcionamento da instalação. Os hidrantes serão do tipo abrigados. 8. FABRICADA COM REFORÇO TEXTIL SINTETICO CONFECCIONADO 100% EM FIO DE ALTA TENACIDADE. 8. 50 cm de largura e profundidade igual ou maior que 18 cm.

receberá as descidas (solda exotérmica). Ele se ligará ao quadro equipotencial localizado na parede externa da edificação. 3/4 “.3. onde dispõe sobre a obrigatoriedade de contratação de bombeiros civis. comprimento de 3.00m. Cabos de cobre Fabricante: Pirelli ou Ficap Serão cabos de cobre nu em cordoalhas. DA BRIGADA DE INCENDIO A organização deverá ter uma brigada de incêndio conforme a Lei 7410 de 04 de Setembro de 2012.1. O quadro equipotencial.cobre Ø3/4 “x 3. com o rebordo de o hidrante ficando 12 cm abaixo da borda da caixa. Descidas em cabo de cobre 16mm². que receberá todos os cabos de aterramento da edificação.00m. 9. com pó exotérmico num molde de grafite.00m) interligadas por cabo de cobre nu secção 50mm². em linha. 10. pois a coberta é em telha metálica de aço galvanizado e deverá possuir espessura mínima de 04mm (quatro milímetros). conforme detalhes do projeto de SPDA. regularização de empresas prestadoras de serviços e dá outras providências. O hidrante de recalque terá registro tipo globo angular de 45º com 2 ½” (63 mm) de diâmetro mínimo e seu orifício externo disporá de junta STORZ. Serão.2. à qual se adaptará um tampão. ficando protegido por uma caixa metálica com tampa de dimensões de 30 cm por 40 cm. será ligado a uma malha de aterramento composta de 10 hastes (copperweld . no âmbito do estado de Alagoas. 9. do Estado de Alagoas. equidistantes em pelo menos 3. visando a reduzir de forma significativa os riscos de danos devidos a raios que porventura ocorram. 9. 10 descidas localizadas aparente na estrutura de alvenaria e concreto.6. O anel em cabo de cobre nu 50mm². sem qualquer revestimento. no total. por estabelecimentos onde haja grande circulação de pessoas. 9. espaçadas regularmente em todo o perímetro da edificação (distância não superior a 15m).8. tipo Copperweld. A profundidade máxima da caixa será de 40 cm. conectados a coberta metálica. O sistema será composto por captação em barra chata de alumínio 7/8” x 1/8”. DO SISTEMA DE PROTEÇÃO CONTRA DESCARGAS ATMOSFÉRICAS – CONFORME PROJETO DE SPDA. circundando toda a edificação e enterrado no nível de fundação. tendo a inscrição INCÊNDIO. As atividades básicas do bombeiro civil durante suas rotinas de trabalho são constituídas pelos seguintes procedimentos: . O projeto de instalações contra descargas atmosféricas foi elaborado baseado na norma NBR 5419 – Proteção de Estruturas Contra Descargas Atmosféricas. Solda Fabricante: Exosolda Deverá ser utilizado o processo aluminotérmico. DOS HIDRANTES DE RECALQUE Serão 01 (um) Hidrantes de Recalque. Hastes de Aterramento As hastes serão de cobre.

f) atuar no controle de pânico.50m e largura mínima 4. h) realizar a retirada de materiais para reduzir as perdas patrimoniais devido a sinistros. i) interromper o fornecimento de energia elétrica e gás liquefeito de petróleo quando da ocorrência de sinistro. e) combater os incêndios em sua fase inicial. citando o dia e hora do exercício simulado. d) informar ao CBMAL. durante suas jornadas de trabalho.00m. Largura da via interna: mínimo de 6. b) auxiliar no abandono da edificação. f) Supervisionar as válvulas de controle do sistema de chuveiros automáticos. d) verificar a transmissão do alarme aos ocupantes. com antecedência mínima de 24 (vinte e quatro) horas.ações de prevenção: a) avaliar dos riscos existentes. 11. g) Implementar do plano de combate e abandono. Os bombeiros civis. e quando detectada qualquer anormalidade. II. promover o rápido e fácil acesso aos dispositivos de segurança. registrando em livro próprio a anormalidade verificada. de forma que possam ser controlados por meio de extintores ou mangueiras de incêndio da própria edificação e onde não haja a necessidade de uso de equipamentos de proteção individual específicos (equipamentos autônomos de proteção respiratória.00m.I . c) acionar imediatamente o CBMAL. g) prestar os primeiros socorros a feridos. c) inspecionar periodicamente os equipamentos de proteção contra incêndio e rotas de fuga.000 Kgf. e) planejar ações pré-incêndio. estes não devem ser similares aos utilizados pelos órgãos de bombeiros públicos locais. j) estar sempre em condições de auxiliar o CBMAL. capas de aproximação etc. por ocasião de sua chegada. no sentido de fornecer dados gerais sobre o evento bem como. As vias devem suportar viaturas com peso de 25.). comunicar a quem possa saná-la na maior brevidade possível. independentemente de análise de situação. devem permanecer identificados e quando no uso de uniformes. ACESSO DE VIATURAS O acesso de viaturas se fará por entre as vias da instituição. Altura e largura da entrada principal: altura mínima 4. b) elaborar relatório das irregularidades encontradas nos sistemas preventivos. .ações de emergência: a) identificação da situação.

FERNANDES LIMA Nº 1513.300/0001-04 IM: 901067369 TEL: (82) 3313-7010 e-mail: pilar-engenharia@hotmail.180. 02 01 01 19 10 01 01 01 x 02 04 01 TOTAL 08 02 03 06 74 31 04 04 06 x x 05 17 05 Maceió. consultar a IT09/11 CBMSP. ________________________________________ GEORGE MAGNO TENÓRIO PEIXOTO Engenheiro Eletricista e Segurança do Trabalho .com . f) vedadores corta-fogo. COMPATIMENTAÇÃO VERTICAL A compartimentação vertical será considerada para as fachadas e selagens dos shafts e dutos de instalações. SEGURANÇA ESTRUTURAL O prédio será construído em concreto armado com estrutura calculada de acordo com a norma NBR–6118 – Projeto e execução de obras de concreto – Procedimento. h) selagem perimetral corta-fogo. MACEIÓ – AL CEP: 57057-450 CNPJ: 14.CREA 020415173-2 EMPRESA RESPONSÁVEL: T&P ENGENHARIA AV. Para maiores esclarecimentos. Serão considerados os seguintes elementos de compartimentação vertical para a edificação: d) selos corta-fogo. O tempo mínimo de resistência ao fogo é de 60 minutos. 12. 02 01 01 19 10 01 01 01 x 02 04 01 3 2º Pav. SALA 201 – CAIXA POSTAL H73 – PINHEIRO. QUADRO RESUMO DOS EQUIPAMENTOS FIXOS E PORTÁTEIS OUTRAS SAÍDA SISTEMA SISTEMA DE SINALIZAÇÃO EXTINTORES EXIGÊNCI EMERGÊNCIA HIDRÁULICO ALARME DE AS EMERGÊNCIA Espuma mecanica 50 lts Detector de temperatura Acionadores manuais Ancoragem de Cabos Saída de Emergência Chuveiro automático Hidrante de recalque Detector de fumaça Pó Químico 12 Kg Portas Corta-Fogo Indicação de saída Pó Químico ABC Avisador sonoro Pavimentos Água 10 litros Iluminação de de 30 metros Sobre rodas Mangueiras CO2 06 Kg emergência Extintores Hidrantes Hidrantes Central SPDA outras 1 Térreo 04 03 04 36 11 02 01 02 04 x x 01 09 03 2 1º Pav. 10 de Julho de 2014. 13.