Licença de uso exclusivo para CIA DISTRIBUIDORA DE GÁS DO RIO DE JANEIRO

Cópia impressa pelo sistema CENWEB em 27/07/2004

NORMA ABNT NBR
BRASILEIRA 5030

Segunda edição
30.07.2004

Válida a partir de
30.08.2004

Tubo de cobre sem costura recozido
brilhante, para usos gerais – Requisitos

Seamless copper tube – Requirements

Palavras-chave: Cobre. Tubo de cobre.
Descriptors: Copper. Copper tube.

ICS 77.150.30

Número de referência
ABNT NBR 5030:2004
10 páginas

© ABNT 2004

br www.org.abnt. Treze de Maio.: + 55 21 3974-2300 Fax: + 55 21 2220-1762 abnt@abnt. sem permissão por escrito pela ABNT. Sede da ABNT Av. eletrônico ou mecânico. A menos que especificado de outro modo. Licença de uso exclusivo para CIA DISTRIBUIDORA DE GÁS DO RIO DE JANEIRO Cópia impressa pelo sistema CENWEB em 27/07/2004 ABNT NBR 5030:2004 © ABNT 2004 Todos os direitos reservados. 13 – 28º andar 20003-900 – Rio de Janeiro – RJ Tel. nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida ou utilizada em qualquer forma ou por qualquer meio. incluindo fotocópia e microfilme.org.br Impresso no Brasil ii © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados .

...........................................................2 4 Requisitos gerais....................................5 Dimensões ........................2 Dimensões ......................................................3 4................9 5..........................1 Composição química .................................................................6 Ensaios não-destrutivos.........................3 Fornecimento........................2....8 5..............................................................................................................................................7 Acondicionamento e identificação .........................7 5..................................................................................................3 Fragilização por hidrogênio ..................................................................................................................................................................1 Comprimento ..........................................................2 4................7.................4 5 Requisitos específicos........................................................................................4 5............................................................3 4...............2.................3 4............................................................................................2......2 Físicos e químicos .............3 4..........................................................................................................................................................................................6 5....................4 Expansão......................................................................................................7 Resistividade elétrica.........1 3...............................................................................3 4...................1 2 Referências normativas ..................................2.......................4 Ovalização.................1..................................................................4 5.....................................................................................................................................3 4..................................................................................1................................................................................................................8 5.......................................................................................................................................1 Acondicionamento ......................1 3 Definições .............................2 4..............................................................................8 5.............................5 Achatamento......................................................2 Identificação................................................................8 5...........................1.................................2 Características físicas............................................................ iv 1 Objetivo .................................................................................................................................................3 Espessura de parede ...................................1 Têmperas............1......................7..........................................5 Esquadria do corte .............................................................................................................................................................8 Armazenamento e estocagem.....................................................................................................................................................3 4..................................................................6 Ordem de compra.......................................................7 5.........................................2..4 5....................................................................................................................................................1 3.6 5......................................10 6 Aceitação e rejeição ................................10 © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados iii ........................................................................................................................................................................1 Dimensionais ............................7 5.............................5 5............................................................1 Material ...................................................................................................................2............................Licença de uso exclusivo para CIA DISTRIBUIDORA DE GÁS DO RIO DE JANEIRO Cópia impressa pelo sistema CENWEB em 27/07/2004 ABNT NBR 5030:2004 Sumário Página Prefácio..........................................................................................4 Acabamento ........................................1...........................................................................................................................................2 4............................................................................................................................................2..............2 Fabricação...2 Diâmetro .......................................................

O Projeto circulou em Consulta Pública conforme Edital nº 08.08. Esta segunda edição cancela e substitui a edição anterior (ABNT NBR 5030:2001). cujo conteúdo é de responsabilidade dos Comitês Brasileiros (ABNT/CB). delas fazendo parte: produtores. As Normas Brasileiras. de 29. com o número Projeto NBR 5030. dos Organismos de Normalização Setorial (ABNT/ONS) e das Comissões de Estudo Especiais Temporárias (ABNT/CEET). A ABNT NBR 5030 foi elaborada no Comitê Brasileiro do Cobre (ABNT/CB–44). formadas por representantes dos setores envolvidos. a qual foi tecnicamente revisada. Esta Norma é baseada na ASTM B68:1999. laboratórios e outros). consumidores e neutros (universidades.Licença de uso exclusivo para CIA DISTRIBUIDORA DE GÁS DO RIO DE JANEIRO Cópia impressa pelo sistema CENWEB em 27/07/2004 ABNT NBR 5030:2004 Prefácio A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é o Fórum Nacional de Normalização. iv © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados . pela Comissão de Estudo de Tubos e Conexões de Cobre (CE–44:000.02). são elaboradas por Comissões de Estudo (CE).2003.

aplicam-se as definições da ABNT NBR 5019 e as seguintes: 3. ABNT NBR 5019:2001 – Produtos e ligas de cobre – Terminologia ABNT NBR 8559:1984 – Materiais isolantes sólidos – Determinação da resistência elétrica e resistividade a temperaturas elevadas – Método de ensaio ASTM B 153:1996 – Standard test method for expansion (pint test) of copper and copper-alloy pipe and tubing ASTM B 193:2000 – Standard test method for resistivity of electrical conductor materials ASTM B 577:1998 – Standard test methods for detection of cuprous oxide (Hydrogen embrittlement susceptibility) in copper ASTM E 53:1998 – Standard test methods for determination of copper in unalloyed copper by gravimetry ASTM E 62:1996 – Standard test methods for chemical analysis of copper and copper alloys (Photometric methods) ASTM E 243:1990 – Pratice for eletromagnetc (addy-current) examination of copper and copper-alloy tubes 3 Definições Para os efeitos desta Norma. A ABNT possui a informação das normas em vigor em um dado momento. © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados 1 .040 mm máximo. 2 Referências normativas As normas relacionadas a seguir contêm disposições que.1.1 recozido mole (O50): Aquela caracterizada por um tamanho de grão de 0. constituem prescrições para esta Norma. ao serem citadas neste texto. para usos gerais.Licença de uso exclusivo para CIA DISTRIBUIDORA DE GÁS DO RIO DE JANEIRO Cópia impressa pelo sistema CENWEB em 27/07/2004 NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 5030:2004 Tubo de cobre sem costura recozido brilhante. As edições indicadas estavam em vigor no momento desta publicação.1 Têmperas 3. Como toda norma está sujeita a revisão. Esta deve ser completamente recristalizada. NOTA Requisitos particulares relativos a produtos para aplicações específicas são estabelecidos em normas de especificação correspondentes e podem alterar um ou mais requisitos desta Norma. recomenda-se àqueles que realizam acordos com base nesta que verifiquem a conveniência de se usarem as edições mais recentes das normas citadas a seguir. para usos gerais – Requisitos 1 Objetivo Esta Norma especifica os requisitos para tubo de cobre sem costura recozido brilhante.

2. Para tubos solicitados em comprimentos fixos. 3. baixo teor residual de fósforo C12200 Cu DHP Desoxidado. 3. evidenciado pela diferença entre duas medidas do diâmetro externo na mesma seção transversal do tubo.2 Fabricação Os tubos devem ter seu início de fabricação por processo a quente de extrusão. Tabela 1 — Tipos de cobre Ligas Designação comercial Tipo de cobre C10200 Cu OF Livre de oxigênio. com tratamento térmico posterior.7 ovalização: Desvio da seção do tubo da forma circular.2 comprimento nominal: Comprimento solicitado e que serve de base para aplicar as tolerâncias conforme tabela 2 para comprimentos retos e tabela 3 para rolos pequenos. conservando uma seção contínua em todas as operações efetuadas posteriormente. 3. devendo ser acabados por trefilação a frio.2 Dimensões 3.2. 4 Requisitos gerais 4. aplicar tolerâncias conforme tabela 2. com residual desoxidante C12000 Cu DLP Desoxidado.6 diâmetro médio (externo ou interno): Média de duas medidas do diâmetro tiradas ortogonalmente na mesma seção transversal do tubo. 3. alto teor residual de fósforo NOTA As ligas anotadas estão associadas aos códigos de liga definidos pelo CDA (Cooper Development Association). medida segundo seu eixo longitudinal. 2 © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados .2.4 espessura de parede nominal (e): Espessura solicitada que serve de base para aplicar as tolerâncias correspondentes. 3.5 diâmetro nominal (Dn): Diâmetro solicitado de um tubo que serve de base para aplicar as tolerâncias conforme tabela 4.2.2.1 comprimento: Distância entre as extremidades do tubo.Licença de uso exclusivo para CIA DISTRIBUIDORA DE GÁS DO RIO DE JANEIRO Cópia impressa pelo sistema CENWEB em 27/07/2004 ABNT NBR 5030:2004 3. 3. 4. Esta deve ser completamente recristalizada.1 Material Os tubos devem ser fabricados com os tipos de cobre da tabela 1. sem residual desoxidante C10300 Cu OFXLP Livre de oxigênio.040 mm mínimo.2.3 comprimento de fabricação para tubos retos: Comprimento variável entre os limites de 4 000 mm e 6 000 mm.2.2 recozido extramole (O60): Aquela caracterizada por um tamanho de grão de 0.1. em qualquer ponto. com extrabaixo teor de fósforo C11000 Cu ETP Eletrolítico. 3. a fim de se obterem as propriedades especificadas nesta Norma. em qualquer ponto.

NOTAS 1 Os tubos são normalmente especificados pelo diâmetro externo nominal e espessura de parede nominal. d) tipo de fornecimento. mas não por todos os três ao mesmo tempo. 4.4 Acabamento Os tubos devem ser entregues limpos interna e externamente. 2 As tolerâncias estabelecidas na tabela são também aplicáveis a somente duas das três medidas.3 Fornecimento Os tubos recozidos são fornecidos em rolos ou em peças retas. inclusive tolerâncias. e) tipo de acondicionamento.6 Ordem de compra O comprador.1 Acondicionamento Os tubos devem ser separados segundo o tipo de cobre. g) número desta norma.7. e isentos de defeitos que prejudiquem a sua utilização posterior. b) tipo de cobre (liga). 3 Se forem mencionadas as três medidas na ordem de compra. devem ser considerados somente o diâmetro externo e a espessura de parede para efeitos de fabricação.Licença de uso exclusivo para CIA DISTRIBUIDORA DE GÁS DO RIO DE JANEIRO Cópia impressa pelo sistema CENWEB em 27/07/2004 ABNT NBR 5030:2004 4. e ser acondicionados de tal maneira que não sofram danos durante o manuseio e o transporte normais. 4.2 Identificação Cada unidade de transporte deve conter no mínimo as seguintes indicações: a) tipo de cobre (liga).7 Acondicionamento e identificação 4.7. podendo também ser especificados pelo diâmetro interno e espessura de parede ou diâmetro externo e interno. com as tolerâncias que estão estabelecidas nesta Norma. c) têmpera. f) quantidade. cujos comprimentos diferentes dos especificados por esta Norma devem ser acordados entre o fabricante e comprador.5 Dimensões Os tubos devem ter as dimensões que a ordem de compra especifica. 4. 4. em sua ordem de compra. As medidas devem ser expressas em milímetros. dimensões e têmpera. 4. deve indicar no mínimo o seguinte: a) dimensões. © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados 3 .

a tolerância no comprimento deve estar de acordo com a tabela 2. e) evitar choques mecânicos nos tubos. que possam ovalizá-los ou amassá-los. 5 Requisitos específicos 5.1. b) não deixar os tubos em contato direto com o solo. f) número da ordem de compra. c) não deixar os tubos de cobre em contato com tubos de aço ou ferro.1.1 Dimensionais 5. d) não deixar que os tubos entrem em contato com produtos químicos e fiquem expostos num mesmo local que tais materiais. devem ser tomados os seguintes cuidados: a) estocar os tubos em locais limpos e secos. 5. Quando não especificado pelo comprador.0 m.1 Comprimento 5.1. desde que acordadas entre comprador e fornecedor. o comprimento para tubos retos deve ser de 4.Licença de uso exclusivo para CIA DISTRIBUIDORA DE GÁS DO RIO DE JANEIRO Cópia impressa pelo sistema CENWEB em 27/07/2004 ABNT NBR 5030:2004 b) dimensões dos tubos. e) nome ou marca do fabricante. 4.2 Para tubos retos. 4 © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados . c) têmpera.1.0 m a 6.1.1 Os comprimentos nominais de fornecimento devem estar especificados na ordem de compra do produto. NOTA Informações adicionais podem ser acrescentadas. g) número desta norma. d) massa bruta e líquida.8 Armazenamento e estocagem No armazenamento e estocagem dos tubos.

1.1.L Diâmetro nominal .3 Para tubos em rolos pequenos. 5.4 Os tubos fornecidos em rolos grandes devem ter massa de até 250 kg. 5. se for especificada para mais e para menos.Licença de uso exclusivo para CIA DISTRIBUIDORA DE GÁS DO RIO DE JANEIRO Cópia impressa pelo sistema CENWEB em 27/07/2004 ABNT NBR 5030:2004 Tabela 2 — Tolerância no comprimento para tubos em unidades retas Dimensões em milímetros Diâmetro nominal . a tolerância no comprimento deve estar de acordo com a tabela 3. deve ser utilizada a metade dos valores.1. mediante acordo entre fabricante e comprador. Tabela 3 — Tolerâncias no comprimento para tubos em rolos Dimensões em milímetros Comprimento nominal .Dn L ≤ 16 000 16 000 < L ≤ 46 000 Dn ≤ 50 300 600 NOTA Os valores especificados dizem respeito às tolerâncias somente para mais no comprimento.1. 5. Massas em faixas mais estreitas podem ser fornecidas. © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados 5 .Dn Comprimento nominal .L Dn ≤ 25 25 < Dn ≤ 100 100 < Dn L ≤ 150 1 2 - 150 < L ≤ 600 2 3 6 600 < L ≤ 2 000 2 4 6 2 000 < L ≤ 4 000 6 6 6 4 000 < L 12 12 12 NOTA Os valores especificados dizem respeito às tolerâncias somente para mais no comprimento. Se a tolerância for especificada para menos.1. fornecidos em comprimento exato.2 Diâmetro A tolerância no diâmetro externo nominal ou no diâmetro interno nominal deve estar de acordo com a tabela 4. sem emendas. devem ser utilizados os mesmos valores.

5.Dn Tolerância1) Dn ≤ 16 ± 0.5% 0. Para determinar conformidade.1.05 mm (o que for maior) 0.7% ou 0.03 1.12 100 < Dn ≤ 125 ± 0. deve-se calcular a relação entre a espessura de parede nominal (e) e o diâmetro nominal (Dn).8% ou 0.10 0. esta deve ser o dobro do valor dado nesta tabela.01 mm) 0. 5.0% 0.10 75 < Dn ≤ 100 ± 0.40 mm.15 125 < Dn ≤ 150 ± 0.08 50 < Dn ≤ 75 ± 0.3 Espessura de parede 5.1.06 25 < Dn ≤ 50 ± 0.05 ≤ r ≤ 0. Quando existir acordo prévio para tomar a tolerância num só sentido.05 mm (o que for maior) NOTA Não se estabelecem tolerâncias de ovalização para tubos fornecidos em rolos.3. a tolerância de ovalização deve estar de acordo com a tabela 5. 6 © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados . com espessura de parede igual ou superior a 0.01 ≤ r ≤ 0. do diâmetro nominal (em Relação r entre a espessura de parede milímetros.03 ≤ r ≤ 0.05 1.20 200 < Dn ≤ 250 ± 0. Tabela 5 — Tolerância na ovalização para tubos fornecidos em comprimentos retos Ovalização.1.1 A tolerância na espessura de parede deve ser de 10% para mais e para menos da espessura nominal especificada.4 Ovalização Para tubos fornecidos em unidades retas.25 1) A tolerância aplica-se tanto ao diâmetro externo como ao interno.Licença de uso exclusivo para CIA DISTRIBUIDORA DE GÁS DO RIO DE JANEIRO Cópia impressa pelo sistema CENWEB em 27/07/2004 ABNT NBR 5030:2004 Tabela 4 — Tolerância no diâmetro nominal Dimensões em milímetros Diâmetro nominal .18 150 < Dn ≤ 200 ± 0.10 ≤ r 0. em porcentagem. arrendondada ao múltiplo mais próximo nominal e o diâmetro nominal (r = e/Dn) de 0.05 16 < Dn ≤ 25 ± 0.

016 por milímetro de diâmetro 5. b) Cobre + prata + fósforo.1 Composição química O material deve estar de acordo com os requisitos de composição química relacionados na tabela 7 para o tipo de cobre especificado e estar isento de impurezas que possam prejudicar a sua utilização posterior.95 .012 C12200 Cu DHP 99.015 0.040 a) Teor de oxigênio máximo de 10 ppm.001 0.005 C11000 Cu ETP 99.1. c) 0. c) Teor de oxigênio máximo de 40 ppm.5 Esquadria do corte O corte nas extremidades dos tubos retos deve ser normal ao eixo longitudinal do tubo.25 Dn > 16 0. O desvio máximo da esquadria deve estar de acordo com a tabela 6.90 C12000 Cu DLP 99.9 0. Tabela 7 — Composição química Valores em porcentagem Designação Cobre + prata Fósforo Ligas comercial Mín.004 0. © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados 7 .2.95 b). Mínimo Máximo a) C10200 Cu OF 99. Tabela 6 — Tolerância na esquadria do corte para tubos fornecidos em comprimentos retos Dimensões em milímetros Diâmetro nominal (Dn) Tolerância Dn ≤ 16 0. A análise deve ser feita conforme ASTM E 53 ou ASTM E 62 ou utilizando-se método de ensaio definido conforme acordo entre o fabricante e o comprador.2 Físicos e químicos 5.9 0. - C10300 Cu OFXLP 99.Licença de uso exclusivo para CIA DISTRIBUIDORA DE GÁS DO RIO DE JANEIRO Cópia impressa pelo sistema CENWEB em 27/07/2004 ABNT NBR 5030:2004 5.

040 (máximo) 65 Recozido extramole (060) Todos Todas 205 40 0. 5. alongamento e dureza Alongamento Diâmetro Resistência Dureza Espessura de (mínimo) em externo ou à tração Tamanho do grão superficial Grau de recozimento parede 50 mm de interno (mínima) (máxima) comprimento mm mm mm MPa R15T a) % Recozido mole (050) Todos Todas 205 40 0. se expressamente solicitado pelo comprador. 5. Tabela 8 — Resistência à tração. NOTAS 1 A dureza dos tubos deve ser determinada de acordo com a ABNT NBR NM 146-1.2. para o ensaio de achatamento. com abertura de três vezes a espessura de parede. NOTA Este requisito deve ser aplicável. quando examinado de acordo com a ASTM B 153. Essa amostra deve ser achatada até que passe livremente por um gabarito.5 Achatamento Corta-se uma das extremidades do tubo com comprimento de 100 mm. Ao se achatar a amostra. 8 © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados .2. deve-se fazer lentamente.Licença de uso exclusivo para CIA DISTRIBUIDORA DE GÁS DO RIO DE JANEIRO Cópia impressa pelo sistema CENWEB em 27/07/2004 ABNT NBR 5030:2004 5.4 Expansão O tubo deve se expandir. características de fragilização por hidrogênio. O tubo assim ensaiado não deve apresentar rachaduras ou quebras perceptíveis à visão normal. 3 O limite de resistência à tração e alongamento deve ser determinado de acordo com a ABNT NBR ISO 6892. 2 O tamanho do grão deve ser determinado de acordo com a ABNT NBR 11568. quando examinadas de acordo com a ASTM B 577 (método B) e não devem apresentar sinais de porosidade nem granulação aberta. Este requisito deve ser aplicável.3 Fragilização por hidrogênio As amostras do tubo devem estar livres de óxido cuproso. com um só movimento da prensa. consideradas as seguintes percentagens de expansão do diâmetro nominal dadas na tabela 9. Tabela 9 — Limites de expansão Expansão mínima do diâmetro Diâmetro nominal – Dn nominal mm % Dn ≤ 19 40 Dn > 19 30 5. através de sua ordem de compra.2 Características físicas Os tubos devem cumprir os requisitos indicados na tabela 8. se expressamente solicitado pelo comprador. sem apresentar quebras ou rachaduras perceptíveis à visão normal.2.2.040 (mínimo) 60 a) A dureza não deve ser utilizada como fator de aprovação ou rejeição de lotes. através de sua ordem de compra.

6.6 Ensaios não-destrutivos O tubo não deve apresentar defeitos de fabricação quando submetido a um dos ensaios apresentados em 5.6. Neste ensaio as seguintes exigências devem ser cumpridas: a) os tubos não devem fazer disparar o dispositivo de sinalização do aparelho. conforme ASTM E 243.1.9 MPa. Os tubos submetidos ao ensaio pneumático devem suportar.2. desde que acordadas entre o fabricante e o comprador. 5.2.6. devem passar através de um aparelho de ensaio.2 Ensaio hidrostático Este ensaio só é aplicado a tubos fornecidos em unidades retas e na têmpera encruada.6.6.2. Encher o tubo de água e aplicar a pressão hidrostática calculada pela equação abaixo: 2 Se =p Dn . O método de ensaio deve permitir que qualquer vazamento seja percebido visual e facilmente. fechando-se uma das extremidades hermeticamente e conectando-se à outra a uma bomba e um manômetro.2.2.2 ou 5.Licença de uso exclusivo para CIA DISTRIBUIDORA DE GÁS DO RIO DE JANEIRO Cópia impressa pelo sistema CENWEB em 27/07/2004 ABNT NBR 5030:2004 5.6.1 Ensaio pneumático Este ensaio só é aplicado a tubos fornecidos em rolos. sem evidenciar vazamento. uma pressão interna suficiente para produzir no material um esforço tangencial de 41 MPa durante 1 min.2.6. em megapascals.3 Os tubos não devem ser ensaiados à pressão hidrostática superior a 6.3 Correntes induzidas Os tubos submetidos ao ensaio por corrente de Foucault. a pressão de ar interna mínima de 60 psi por 5 s. antes do tratamento térmico final. Se não for indicado em contrário.2 O ensaio deve ser feito em todos os tubos.2. isto é.8 e onde: p é a pressão hidrostática. 5. © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados 9 . 5. Dn é o diâmetro nominal. 5. S é o esforço tangencial especificado.0. a menos que seja acordado entre o fabricante e o comprador. imergindo-se o tubo em água ou usando-se o método de pressão diferencial.2.3.1 Os tubos submetidos ao ensaio hidrostático devem suportar. danos ou vazamentos após realização do ensaio de resistência à estanqueidade. calibrado conforme estabelecido na norma de especificação do produto. em milímetros. sem apresentar vazamento.2. b) os tubos que produzirem sinais irrelevantes devido à presença de umidade ou sujeira podem ser recondicionados e reensaiados. NOTA Outras pressões podem ser utilizadas.6. e é a espessura de parede nominal. os tubos devem ser ensaiados na têmpera acabada ou na têmpera encruada antes tratamento térmico final.2.2.2. 5. Fica a critério do fabricante a seleção de um dos métodos de ensaio. em milímetros. 5.2. em megapascals.6. 5. sem evidenciar vazamento.

7 Resistividade elétrica Para os tubos fabricados nas ligas abaixo detalhadas.17031 C12200 0.Resistividade elétrica máxima Valores em ohm.15328 C10300 0. quando ensaiados à temperatura de 20oC.15614 C11000 0.17031 6 Aceitação e rejeição O fornecedor deve demonstrar por meios adequados (ensaios laboratoriais.2. certificado de qualidade.15614 C12000 0. outros) a conformidade dos produtos com relação a todos os requisitos estabelecidos nesta Norma.g/milímetro quadrado Têmperas Ligas Recozido mole Recozido extramole (050) (060) C10200 0.Licença de uso exclusivo para CIA DISTRIBUIDORA DE GÁS DO RIO DE JANEIRO Cópia impressa pelo sistema CENWEB em 27/07/2004 ABNT NBR 5030:2004 c) os tubos que produzirem sinais irrelevantes devido a marcas de manuseio visíveis e identificáveis podem ser ensaiados de acordo com 5. 10 © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados .6.2. a sua resistividade elétrica não deve exceder os limites apresentados na tabela 10. Tabela 10 . 5. desde que as suas medidas permaneçam dentro dos limites especificados. conforme ASTM B 193 ou ABNT NBR 8559.