Cópia não autorizada

Copia impressa pelo Sistema CENWIN

CHAPAS GROSSAS DE AGO-CARBON0 PARA VASO 01.015
DE PRESSAO DESTINADO A TRABALHOS A
TEMPERATURAS MODERADA E BAIXA NBR 5001

Especificqb OUT/1981

SUMAR IO
1 Objetivo
2 Normas e documentos complementarer
3 Defini@ies
4 Condick gerais
5 Condick especlficas
6 InspeCgo
7 Aceitqb e rejei&
ANEXO - Tabalas

1 OBJETIVO

Esta Norma fixa as condlgGes exlgfvels para encomenda, fabrlcagzo e fornecimento
de chapas grossas corn espessura lgual ou inferior a 15O,OOmm, nso em boblnas, de
ago-carbono, para uso em vasos de pressio soldados, corn caracterfstlcas melhora
das da reslst&cla ao lmpacto.

2 NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

Na aplicagao desta Norma i necessgrlo consultar:

NBR 5903 - Produtos pianos lamlnados de a$o - fermlnologla
NBR 6000 - Mitodo pare determlnaC:o do tamanho de grzo dos materials met;1 1

co5 - Hitodo de ensalo
NBR 6153 - Determina$o da capacldade ao dobramento de produtos metillcos- MG
todo de ensalo
NBR 6157 - Determlnagso da reslstincla ao Impact0 de materials metdllcos em
corpos de prova entalhados slmplesmente apolados - Mgtodo de en-
saio

NBR 6215 - Produtos siderGrglcos - Termlnologla
NBR 6364 - Defei tos de superf Tel e, forma e dlmensGes em produtos I am1nados

planos de aso nio revestidos - Termlnologla
NBR 6664 - Requisitos gerals para chapas grossas de aGo-carbon0 e de aqo de
baixa liga e alta resls&cla - Padronlraggo

Origem: ABNT EB-280/80
CB.1 - ComitG Brasileiro de Minera@ e Metalurgia
CE-1:2.12 - Comissa’o de Estudo de Chapas e Bobinas de &o
Substitui a NBR 5001/80

SISTEMA NACIONAL DE ABNT - ASSOCIACAO BRASILEIRA
METROLOGIA, NORMALIZACAO
DE NORMAS TECNICAS
E QUALIDADE INDUSTRIAL
@

ace -carbono. caldeira. chapa grossa.
Palavras-chave: vaso de pressiio. NBR 3 NORMA BRASILEIRA REGISTRADA
I

CDIJ: 669.14-413:621.772.4:669-974 Todos OS direitos resarvador 9 PBginas

Cópia não autorizada C6pia impressa pelo Sistema CENWIN NBR 6673 .jo de defei tos.3 Condi@es de superfi’cie 4.1 Requisitos gemis OS requisi tos gerais para encornenda.4 Cortdig~es da8 bordas 4.4. nas bordas. desde que o afastamento inferior estabelecido para a espessura nominal nao seja ultrapassado. fornecimento e as tolerkcias a que devem obedecer as chapas grossas estso definidos na NBR 6664. corn posterior preenchimento a solda.3.3. Quando isso ocorrer as imperfeicoes devem ser el iminadas por esmeri Ihamento. 4.4. descontinuidades do tipo lamelar corn comprirrtento maior qua 25mm e corn profundidade maior que 2mm devem sofrer esmerilhamento para eltmina ~$0 do defei to. BT-23. que tenham profundidade maior que 3mm. .4.3 Duas descontinuidades devem ser consideradas coma uma s6 se a di s tkci a entre elas for inferior ou igual a 5% da espessura da chapa grossa e suas extre mi dades sejam separadas por uma distincia menor que o comprimento da descontjnul dade mais curta. podem ser preenchidas corn solda. BT-25 e BT-27.2 Por acordo privio entre produtor e comprador as chapas grossas podem ser esrneri lhadas para el iminac.1 As chapas grossas nso devem apresentar imperfefcGes de superficie que fm pecam sua aplica$o no us0 previsto. 4. 4. 4. Ap& a eliminaG:o do defeito a cavidade resultante nso pode ter profundidade maior que 3mtn. 1 As chapas grossas corn bordas aparadas ou cortadas corn macarico que apre sentarem.&todo de ensa 1o 3 DEFlNlC6ES OS termos tknicos utilizados nesta Norma estao definidos nas NBR 5903. 4.2 CZassifica@o AS chapas grossas produzidas Segundo esta Norma podem ser fornecidas nos segui n tes graus: BT-21. 4 CONDI@ES GERAIS 4. sofrendo diminul czo da espessura aba i xo do m!‘nimo permitido. fabricaczo. 4. NBR 6215 e NBR 6364.Determinaczo das propri edades meckicas i trasao de produtos P’B nos de aco .2 Por acordo p&io entre produtor e comprador as cavidades resultantes do esmerilhamento para elimina& de descontlnuidade.

4.5.2.4. a cri tirio do comprador. 5. pode efetuar urn dos seguintes tratamentos tir micas para atender aos requisi tos desta Norma: a) normal i zasZ0. c) normal ira$o e alfvio de ten&es.3 As chapas grossas corn espessura superior a 37. cementado. 5. ap& sua uti I ita+o.2. descontinuidades nas bordas corn profundidade maior que 3mm e corn comprimento maior qua 2517~1 podem ser rejeitadas. 4.50mm devem softer tratamen to tgrmico de normaliza$o.4 As chapas grossas corn bordas aparadas ou bordss cortadas corn masarlco que apresentarem.2.2. sofrer urn dos seguintes tratamentos t&micos: a) normaliza+o.2 A marcasZo deve ser efetuada a urns distdncia no mrnimo.5.2 Tratamento t&dco 5.fOmm devem ser mdrcadas por puncionamento corn o nu’mero de identificasso do produtor que individualize o late e permita o levantamento do processamento do material durante a produ&.5. 5. b) airvio de tens6es. a seu critdrio.Cópia não autorizada C6pia impressa pelo Sistema CENWIN NBR 5001/1981 3 4.2 As chapas grossas corn espessura inferior ou igual a 37. .1 0 produtor.1 As chapas grossas produridas Segundo esta Norma devem set marcadas indivl dualmente. de 300mm da boL da e da extremidade da chapa grossa. 4.5Om sgo geralmei te fornecidas sem tratamento tgrmico.3 As chapas grossas corn espessura superior a 6.4 Quando houver exiggncia de requisitos de resistkcia ao impact0 as chapas grossas devem sofrer tratamento tirmico de normaliraC:o. devendo ter o tfi manho de grso austenrtico. b) alrvio de tens6es. por acordo privio entre o prod: tor e comprador. 5 CONDlCdES ES’ECI-FICA8 5.1 PY’OCe880 de fCZbPh2&iO & WO 0 aso deve ser processado de modo a ser obtida granulaqio fina. podendo. c) normal i za$o e al rvio de tens6es. Estas descontinuidades podem ser removidas corn posterior preenchi mento a solda.5 Marcapiio 4. 5. 5 ou mais fino.

Neste case as chapas grossas devem sof rer tratamento tGrmlco de normallza$so.3 Quando o tratamento t. revenidas na falxn de tcmperatura de (590 a 7OO)‘C. em seguida. pode ser acompanhado de aquecimento uniforme para conformaqSo a quente.-ismento ao ar.4. 5.5. tratamento tGrmico corn resfriamento mais rgpido do que aquele obtido PO r resf.3 Por acordo p&to entre produtor e comprador podem ser estabelecidos t-e- quisitos de resistkcia ao impacto. 5.4. sso dados na Tabeia 1 (do Anexo).2.rmico ngo for efetuado nas dependikcias do produ tor.2. 5.5. este ensaio deve ser feito de acordo corn a NBR 6157. Quando reallrado. ou ser providenciado pelo comprador.5 SoZdabiZidade As chapas grossas produridas Segundo esta Norma prestam-se para soldagem desde . 5. o comprador dove ser informado do procedimento seguido no tratamento tirmi co das dmostras pera OS ensaios de liberasio. ria.4.3 Requisites de composi&io q&ha OS requIsitos de composi$Zo qufmica.5 0 tratameqto tdrmico.5.4 Requisitos de propriedades mec&icas 5.1 OS requisitos de propriedades meckicas S~O dados na Tabela 2 (do Anexo). para ana’lise de panela e anilise confirmat.3 c 5. conforme estabelecido em 5. este ensaio deve ser feito de acordo corn a NBR 6153.2.2. tor o comprador pode estipular o tratamento tgrmico desde que nzo haJa conflito corn OS demais requisitos desta Norma. Quando realizado.4. Neste case OS valores dos calgos de dobramento s:o dados na Tabel a 3 (do Anexo) .4 Por scordo prkio entre produtor e comprador as chapas grossas podem so fret.2. Cópia não autorizada 4 C6pia impressa pelo Sistema CENWlN NBR 5001/1Q81 5. Quando o comprador se dispuser a providenciar o tratamento tdrmico das chapas grossas deve fazar esta indicasso no pedido. 5. 5.2. 5.2.ncias do prodk. desde que as chapas grossas seJam. 5.5.2.2 Por acordo prkio entre produtor e comprador pode set efetuado ensalo de dobramento a 180’.2 Quando o tratamento t.1 Quando o tratamento tgrmico for cfetuado nas dependdncias do comprador. 5.rmico nso for efetuado nas depend.2. pode ser efetuado nas depend&cias do produtor. 0 corpo de prova nio deve apresentar trincas na face exter na. 5. A tempe ratura das chapas grossas aquecidas para conforma$o a quente nio deve excede r substancialmente a temperatura do tratamento t<rmico.

No case de ser efetuado ensafo de dobramento deve ser utilizada a mesma amostra retirada para o ensaio de tra @o. A amostra de ve ser retirada de urn dos cantos da chapa grossa.Cópia não autorizada Copia impressa pelo Sistema CENWIN NBR 5001/1981 5 que sejam utilixados dtodos adequados. a amostra para OS ensaios deve receber o tratamento t<rmlco simuitaneamen te corn a chapa representada. amostragem e ensaios das chapas grossas estso definidos na NBR 6664.3 Deve ser ret i rada uma amostra por corri da para determi nagso do tamanho de grso.1 OS requisistos gerals para aceita@o e rejeisio das chapas grossas estio dE finidos na NBR 6664.xlmo ao local de retirada da amostra para o ensaio de trasso. a chapa grossa deve ser aceita corn base nos ensaios efetuados em car pas de prova retirados de amostras tratadas termicamente. 6. 6. IANEXO .1 OS requisitos gerais para inspegso.5 Nos cases em que se efetuar anLlise confirmatGria o corpo de prova deve co2 sistir de cavacos retlrados atrav.2. 6.4 A determinaczo do tamanho de grso deve ser realizada Segundo a NBR 6000. Neste case a chapa grossa deve ser reamostrada para novo ensaio e sua superfrcie deve ser nz vamente inspecionada. 6 INSPE~AO 6. A determina$zo do tamanho de grzo deve ser efetuada apijs cementagso do corpo de prova a 925OC durante 8 horas.3 No case da chapa grossa nzo sofrer tratamento tirmico nas dapendkcias do produtor. 6. 0 ensaio de tracao deve ser realizado de acordo corn a NBR 6673. 7.2.2 No case da chapa grossa sofrer tratamento tgrmico nas dependklas do prg dutor . em urn local pr.2.1 OS eixos longitudinais dos corpos de prova para OS ensaios devem ser pel pendiculares 5 dire$o final de lamfnagso da chapa grossa.2 Oeve ser retirada uma amostra para ensaio de tra$o pot placa.2 Se o resultado do ensaio de tra$o e/au de dobramento (quando este ensaio for prescr i to) de uma chapa grossa tratada termicamente ngo satisfizer aos rE quisitos especificados pode ser efetuado outro tratamento tirmico.s de toda a espessura da chapa grossa. 7 ACEITACAO E REJEICAO 7. 6. 6. 6.

Cópia não C6pia autorizada pelo Sistema impressa CENWIN 6 NBR 6001/1961 .

)06'0/09‘0 LZ’O OS’Zl 3 = tlz’o 00’051>’ a ~00’001 ff’O/fL’O of’o/sl‘o go’0 Sfo’ 0 of‘ l/SS’O 01‘ t/09’ 0 zz’o 00’001>’ a >OO’OS LZ .Cópia não autorizada l e!JpuIJ !)uo3 351 lfue eled oauenb e 1aued ap as!!eue eJed oauea as-tuea!!de e!aqel op saJo!err s!eump so ‘0 13~ I! s op e s~ue6uetu op ~5emca UKQ :vgol l e!+aeuu!Juo3 as! !_eue eJed &(Og’l e LL’O) ap a *e!aued ap as!!$ue eJed %(Oz’l e 58’0) =P s?ue6uetu op ex!eJ e epeD!!de was apod ~UIIO~~Z~ e !en6! no JO!JCQU! eJnssadsa um ‘<I .1s 82'0 00’0s >‘ a >OS’Zl Lz’ 0 OS’Z:l 3 a 61'0 oo'osl>' a >OO'OOL of’o/sr ‘0 90’0 Sfo’o 0<'1/6L'o OZ'L/S8'0 8Z'O OO'OOL>'= >OO'OS sz .l-re3 eJnssads3 (8 O!‘! 1 !S (%) ssue6uew .19 fz'o 00'05 3 a >oSzi v) 86’O/SS’ 0 1.18 9z'o 00’0s 3 = >os'zt 9z'o OSZL >‘ a fz'o oo'oSt>' a >00'001 0f’0/S1’0 tro’ 0 Sfo’o of‘ 1/6L’ o 01' 1/S8’ 0 Sz'o 00'00~~ = ~00' 0s fz .XWlJ PI 1eu !urou aJ.18 neJ6 0 eJed (v) lC’0 oo’osl>‘ = >00’001 ff’O/fl‘O of’o/sl‘o 90’0 Sfo’o of’ 1/6L‘ 0 OZ’ l/9?’ 0 of’0 00’001>’ a >OO’OS LZ .Gxu] OJOJ S?j ouo.18 01’ 0 00’0s >‘ = ~05’11 06'0/09'0 81'0 OS'ZL >‘ a -e!-‘?aewJ !J e 1 aued -e!+aew !J e! aued lJo3 3S!lpJV 3P as! 1y (%) (%I uo3 3S!(yj =P =s!!yv (%I (9 neJ t) ‘XWI ‘X-W .

a 01 ne13 I lJzQS!S liau2c (%I WJ ! UjW CWJUl~6llO~\l .Cópia não autorizada (w) (a) leu!wou eanssads] llJw ooz .ll 0s %. 01 l’F.

00 1 50.5 E 2.OO 1.OO BT .00< e ~50.27 1 2.0 E 1.espeosura do corpo de prove.‘-‘E 1 1.0 E 2.23 1 l.5 E BT . .s E ( 1.OE 1 2.21 1 0.s E 2.OO 125.00< a 6100.0 E 2.0 E 2.s E BT .25 1 1.100.00< e 6150.0 E (A) E .Caicos pan ensaio de dobmmento Calso do dobramento a 180° em fun$o da espesrura nominal (e) Grau hd (A) 1 e c25.Cópia não autorizada C6pia impressa pelo Sistema CENWIN NBR 6001/1981 TABELA 3 .0 E BT .5 E 3.0 E 2.5E 1 2.