Arquivos Catarinenses de Medicina ISSN (impresso) 0004- 2773

ISSN (online) 1806-4280

ARTIGO DE REVISÃO

O método pilates no Brasil: uma revisão de literatura
The pilates method in Brazil: a review of literature
Letícia Miranda Resende da Costa1, Ariane Roth2, Marcos de Noronha3

Resumo resistência, há um consenso que há grande variação dos
torques resistentes em função destes posicionamentos.
Introdução: O método Pilates tem como objetivo a
melhora da coordenação, da flexibilidade geral, da for-
ça muscular e da postura. Durante a execução dos mo- Descritores: Reabilitação. Terapia por exercício. Pilates.
vimentos, recomenda-se a utilização de seis princípios
imprescindíveis: concentração, controle, precisão, fluidez
do movimento, respiração e utilização do centro de força.
Objetivo: O objetivo deste estudo foi analisar os efeitos
da utilização do método pilates, por meio de uma revisão
Abstract
da literatura com estudos realizados no Brasil. Materiais Introduction: The Pilates method is aimed at improving
e Métodos: Foram realizadas buscas sistematizadas em coordination, overall flexibility, muscle strength and postu-
três bases de dados eletrônicas (MEDLINE via PUBMED, re. During execution of the movements, it is recommended
SCIELO e LILACS). O termo de busca utilizado nas bases the use of six essential principles: concentration, control
foi pilates. As buscas não foram limitadas por língua ou precision, fluidity of movement, respiration and using the
data de publicação. A última busca foi realizada em de- center of force. Materials and Methods: Systematic searches
zembro de 2011. Resultados: O resultado final foi um to- were performed in three electronic databases (MEDLINE -
tal de 14 artigos incluídos, dentre estes um estudo com PubMed, SciELO and LILACS). We used the term pilates for
análise qualitativa, cinco ensaios clínicos, sendo quatro the searches. The searches were not limited by language
deles randomizados e um não randomizado; os demais or publication date. The last search was conducted in De-
estudos eram intervencionais, sem grupo controle com cember 2011. Results: A total of 14 articles were included,
análise pré e pós tratamento. Apesar da maioria dos es- among them a study with qualitative analysis of five cases,
tudos analisados confirmarem ganhos em relação à for- four of them were randomized controlled trials and one was
ça, melhora da dor e flexibilidade através do pilates, os a non randomized controlled trial. The remaining articles
achados não se aplicam a qualquer população, grupo were interventional studies without control group (analy-
muscular ou série de exercícios. Conclusão: Em relação sis pre and post treatment). Although most of the studies
aos ensaios clínicos randomizados, a melhora da flexibi- confirmed that pilates can generate gains in strength, pain
lidade foi controversa, já a melhora da dor e do desempe- relief and flexibility, the findings can not be generalized to
nho funcional foram verificados. Em relação ao ganho de any population, muscle group or exercise series. Conclu-
força, não foram encontradas evidências. Outros estudos sion: Regarding the randomized controlled trials, improve-
pré e pós sem grupo controle afirmam que há ganho de ments in flexibility is not a consensus and improvements
força, minimização da dor lombar e aumento da flexibi- in pain and functional performance were verified. There
lidade. Em relação aos aspectos biomecânicos dos exer- were no evidence for gains in strength. Other studies, wi-
cícios quanto ao posicionamento do indivíduo, molas e thout control groups, showed gains in strength, decrease in
back pain and increase in flexibility. For the biomechanical
1. Fisioterapeuta. Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Fisioterapia do aspects, there is a consensus that the position of the parti-
Centro de Ciências da Saúde e do Esporte – CEFID/ Universidade do Estado
de Santa Catarina – UDESC- Florianópolis/ SC.
cipant and the position of the springs and resistances will
2. Fisioterapeuta. Aluna da especialização em Fisioterapia Traumato-ortopédi- generate different torques during exercises.
ca Funcional e Desportiva da Faculdade Estácio de Sá- São José/ SC.
3. Fisioterapeuta. Professor Doutor do Programa de Pós-Graduação em Fisiote-
rapia do Centro de Ciências da Saúde e do Esporte – CEFID/ Universidade do Keywords: Rehabilitation. Exercise therapy. Pilates.
Estado de Santa Catarina – UDESC- Florianópolis/ SC.

Arq. Catarin. Med. 2012; 41(3): 87-92
 87

SCIELO e LILACS). destes um estudo intervencio- seis princípios imprescindíveis: concentração. Histo. nos últimos seleção inicialmente foi realizada através de títulos. Segundo esta pesquisa15. Por se tratar de um método utilizado pelos fisio- terapeutas brasileiros para a prevenção. de angular de 12 graus por segundo em 20 indivíduos DLINE via PUBMED. entretanto. completos e existem evidências de que um programa de exercícios Arq. os praticantes de Pilates eram quase exclu. foram feitas buscas co. medindo a velocida- sistematizadas em três bases de dados eletrônicas (ME. objetivando a melhora da coor- Nos moldes propostos a busca eletrônica retornou denação da respiração com o movimento do corpo. As buscas não foram li. porém foi somente na por dois avaliadores independentes. A sivamente atletas e dançarinos. Na fisioterapia. intervencionais17-24. que o método Pilates surgiu como A avaliação para a seleção dos artigos foi realizada uma ferramenta de reabilitação. e estas foram sanadas através de um consenso. No Brasil. através do torque isocinético. como: na estabilização do segmento lombo-pélvico6.5. tornou-se um método bastante utilizado na reabi. Foram excluídas revisões de litera- Foi durante a 1ª Guerra Mundial. se- anos. Med. a força muscular e a postura. 2012. ões. A última bus. se reuniram e conferiram se havia divergência de opini- ricamente. Na prática desses exercícios mus- rios de inclusão (Figura 1). estudos mostram que o Pilates tem sido utilizado principalmente com fins reabilitadores. O método Pilates caracteriza-se por um conjunto de movimentos onde a posição neutra da coluna vertebral Resultados e discussão é sempre respeitada. Segundo os autores de inclusão estudos realizados no Brasil. O resultado final foi um total culares de baixo impacto. Catarin. 41(4): 87-92  88 . por leitura litação e também como atividade física2. é necessário que este processo seja baseado em estudos contundentes que norteiem o tratamento do paciente. recuperação e manutenção do bom funcionamento global do corpo. cinco ensaios clínicos10-14. e quando selecionados. mento da musculatura extensora do tronco. em seguida estes década de 80 que o método tornou-se popular1. fluidez do movimento. sendo qua- precisão. mostrou-se uma eficiente ferramenta para o fortaleci- mitadas por língua ou data de publicação. na Figura 1: Fluxograma da revisão de literatura restauração de funções de diferentes articulações7 e no tratamento da dor lombar8. sendo seleção manual. o método utilizado nas bases foi pilates. recomenda-se a utilização de de 14 artigos incluídos. esses fatores essenciais no processo de rea- descartados aqueles que não contemplavam os crité- bilitação postural3. Desta forma. utilizou-se como critério dos na extensão e flexão do tronco. Metodologia Koliniak et al. O termo de busca adultos saudáveis. através de leitura dos títulos. nal prospectivo9. guida por resumos. Após flexibilidade geral. controle. com praticantes distribuídos ao longo de todo o nosso país. o desequilíbrio entre a função dos músculos envolvi- Para a seleção dos estudos. completa dos artigos. Existem alguns estudos nacionais que apresentaram como objeto de estudo o método Pilates. (2004)15 estudou o efeito do método Para identificar os estudos que abordavam o tema Pilates sobre a função de extensores e flexores do tron- e que foram realizados no Brasil. atenuando ca foi realizada em dezembro de 2011. foram portanto. respiração e utilização tro destes randomizados11-14 e os demais estudos eram do centro de força4. no entanto não existe um estudo que sintetize essa informação. a 83 artigos a partir da palavra-chave supracitada. O método pilates no Brasil: uma revisão de literatura Introdução que abordassem o tema Pilates em qualquer idioma ou ano de publicação. quando Joseph tura e revisões sistemáticas Huberts Pilates utilizou suas habilidades para tratar os lesionados da guerra. o objetivo deste estudo foi verificar os efeitos do método pilates através de uma revisão de literatura com estudos brasileiros. o Pilates encontra-se bastante difundido.

os resultados deste estudo devem pantes do estudo não demonstraram altos níveis de dor ser interpretados com cautela. tronco e cabeça nos exercícios analisados e que a resultados a populações semelhantes a deste estudo. Após a ava- gias em gestantes. que apresentavam en- os efeitos do método Pilates na prevenção de lombal- curtamento de cadeia muscular posterior. A análise eletromiográfica revelou valores Também em 2006. pesquisou voluntárias entre 18 e 23 anos. 2012. em um estudo intervencional prospectivo pelo se tratava de um ensaio clinico controlado. realizados em controle. população considerada altamente propen- Em 2005. Foram avaliadas doze mulheres adul- estes dados fornecem informações complementares tas pré e pós tratamento com testes de um minuto da para a prescrição de exercícios no Pilates. porém sem diferença significati- e por fotogrametria. os resultados do estudo sugerem efetividade estabilizador da coluna para minimizar este transtor- do programa na aquisição de flexibilidade da articula- no. minal em mulheres submetidas a uma intervenção de a análise eletromiográfica acompanhou o TR. musculatura abdominal é o principal grupo muscular tra- balhado16. a proposta do estudo de Sacco e colabora- sa a limitações dessa capacidade11. O estudo foi realizado com nove gestantes e a as ção tibiotársica. Diante destes na avaliação apresentou uma boa resposta ao estímulo resultados. de Wells em uma equipe de futsal da categoria juvenil (17-20 anos). acreditamos que esses do posicionamento dos membros superiores e inferio- resultados apresentam uma maior generalização de seus res.O método pilates no Brasil: uma revisão de literatura restaure a função da coluna lombar. as conclusões do autor mens adultos avaliando a flexibilidade através do banco devem ser vistas com cautela. Por se tratar de um estudo pré e pós e não um programa de Pilates em uma amostra de onze ho- de um ensaio clínico controlada. ou inabilidade. As avaliações foram dores foi analisar por uma visão cinesiológica e biomecâ- realizadas pré e pós tratamento com o grupo tratado e nica alguns exercícios do método Pilates. representando os melhor descrição do método e seus benefícios16. que avalia as inabilidades causadas de um ensaio clinico controlado e por sua avaliação ser pela lombalgia. método de abordagem qualitativa. O programa aplicado resultou em aumento sig- aparelhos diferentes. levantou a incidência dessas algias e liação biofotogramétrica pré e pós intervenção de seis identificou a relevância da atividade física e do sistema semanas. 41(3): 87-92  89 . sendo estes musculatura abdominal e dos músculos flexores do bra- resultados um passo no sentido de estruturar critérios ço com flexão até a exaustão. horas facilitando. distintas no Cadillac em doze sujeitos adultos de ambos os sexos18. Med. já que a amostra era muito pequena e não saram. Os autores concluíram que as partici- também qualitativa. sendo que nove semanas17. a efetividade do mé- todo Pilates de solo no aumento da flexibilidade em 5 Machado (2006)10. Silva e colaboradores (2009)18 compararam a ati- dernos de treinamento para musculatura estabilizadora vação elétrica dos músculos reto femoral (RF). Não se tratando tionário Oswestry. não podemos afirmar se o método Pilates é mais quadril realizado com a mola fixada em duas posições ou menos eficiente que outra técnica. e compará–los entre si para uma nificativo da flexibilidade dos atletas. que de resistência (TR) do movimento de extensão de queno. Bertolla e colaboradores11 verificaram o efeito de lombalgias15. Infelizmente não foi utilizado um das molas podem interferir diretamente no torque de grupo controle para comparação dos dados. sendo que os efeitos podem ser poten- avaliações pré e pós tratamento foram realizadas com cializados em outras articulações em caso de alterações a escala analógica visual de dor (EAV) e com o ques- do tempo de aplicação do protocolo9. onde cia de força na flexão de braço e em exercício abdo- a demanda externa foi maior20. Este es- efeitos imediatos (24 horas após a atividade). bíceps de coluna para evolução da técnica10. Ferreira e colaboradores17 anali- maiores para o RF na posição baixa da mola e maiores saram a influência do método Pilates sobre a resistên- valores de ativação para o BF e ST na posição alta. e como tudo de caso foi realizado com duas mulheres. Arq. horas difi- promete a credibilidade dos resultados. mostrando-se necessários programas mo. Em comparações gerais. o que com- resistência do movimento. cultando a execução do exercício. Os resultados sugerem objetivos para a elaboração de programas de reabili- que a musculatura envolvida nos exercícios utilizados tação através do método em questão18. Já no ano de 2007. Por se tratar de um ensaio clinico randomizado. em um ensaio clínico randomi- ça e podendo dessa forma prevenir o surgimento de zado. con- uma grande variação dos torques resistentes em função trolado e cego para avaliadores. Catarin. podemos perceber que diferentes fixações do método Pilates17. em seu ensaio clínico. No entanto a metodologia utilizada pode ser No ano de 2009 Barbosa e colaboradores9 anali- questionada. aumentando a for. As avalia- efeitos tardios observou-se pequeno declínio no pós- ções foram qualitativas quanto ao aspecto cinesiológico -tardio (15 dias após). Como não houve femoral cabeça longa (BF) e semitendíneo (ST) e o tor- grupo controle e o nível de dor e incapacidade era pe. Houve efeitos positivos na minimização da lombalgia. A conclusão deste estudo foi que há va11.

Foram realizadas quatro avaliações sua totalidade. Concluiu-se que boa confiabilidade intra e inter-avaliador. e foi res com objetivo de analisar e comparar a efetividade recomendado pelos pesquisadores para processos de do treinamento de força muscular e flexibilidade pelo reabilitação de algias da coluna vertebral. 2012. porém não sendo apli- de ambos os sexos com hérnia discal submetidos a um cável de maneira generalizada para dores na coluna na programa de pilates. a goniometria foi o único método de como objetivo avaliar o comportamento do torque de avaliação. a fim de estimar a força muscular resultante (FMR) dos do e grupo controle segundo o protocolo GDLAM. so- são importantes na prescrição. e posições dos indivíduos avaliados. a flexibilidade foi avaliada através do banco Arq. resultados se bem utilizados. Foram avaliadas o grupo tra- tado e o grupo controle pré e pós intervenção através Também em 2011. Acreditamos que os resulta. Assim como no estudo anterior21 esses resultados canoterapêuticos. homens jovens divididos em grupo intervenção e grupo dos deste estudo levam a crer que o método Pilates é controle. Med. utilizando o método de Pilates. Foram avaliados 26 às escolioses posturais13. cícios de extensão de quadril realizado no “Cadillac”. que não apresenta saudáveis através da eletromiografia. pois nor- o ganho da flexibilidade da musculatura posterior da teiam a evolução dos exercícios e potencializam seus coxa. que varia de ram um ensaio clínico randomizado cego para avaliado- 0 a 10. rentes constantes de deformação e alturas de fixação. 41(4): 87-92  90 . de ativação elétrica nas diferentes regulagens de mola ram o incremento da flexibilidade do músculo isquio. que extensores e flexores do quadril durante o exercício. Foram avaliadas 14 mulheres saudáveis através da ele- moveu melhora significativa no desempenho funcional trogoniometria e o TR foi avaliado através do diagrama do grupo estudado12. No ano de 2010. Dados biomecânicos como os encontrados nes- o protocolo de treinamento utilizado foi eficaz para te estudam são importantes na prática clínica. podendo saio clinico controlado randomizado com 31 mulheres os exercícios ser aplicados a diferentes objetivos clíni- jovens a fim de verificar a eficácia dos exercícios me- cos22. O protocolo utilizado mostrou-se eficaz. e consta de cinco testes físicos onde o escore obtido é propor critérios mecânicos para a progressão de exer- o tempo que se leva para realizar as tarefas. bilitação ortopédica e traumatológica20. O método mostrou-se eficaz em elevar a (2010)21 foi verificar a influência de diferentes regu- flexibilidade dos músculos isquiotibiais em um trata- lagens de molas e posições do indivíduo na ativação mento de 8 semanas. porém os autores afirmam não dos multífidos (MU) e oblíquos externos (OE) durante ser tempo suficiente para elevar a flexibilidade até 80 o exercício de flexoextensão do quadril realizado no graus. nome dado a um dos componentes Neste estudo não houve grupo controle. Catarin. Assim como no O estudo de Melo e colaboradores (2011)22 teve estudo anterior19. Pertile e colaboradores14 realiza- da Escala Percebida de Dor CR10 de Borg. não apresentando como falado anteriormen- resistência oferecido pelo exercício de extensão do te confiabilidade satisfatória e além disso o estudo não quadril realizado no “Cadillac’. tados mostraram que a prática do método Pilates pro. porém com a método Pilates no solo com exercícios terapêuticos apli- necessidade de estudos mais aprofundados em relação cados a atletas juvenis de futebol14. associadas à articulação do quadril podem ser usadas como critérios objetivos de prescrição e progressão do Araújo e colaboradores (2010)13 realizaram um en- exercício de extensão de quadril no Pilates. evolução e objetivos do bre a intensidade da dor crônica em universitárias com exercício aplicado na prática clínica. Foram avaliadas oito mulheres todo de avaliação foi a goniometria. saudáveis14. Por se tratar de um estudo com corpolivre. músculos OE e MU apresentaram diferenças nos níveis Também em 2009. sugerindo que tibial após 30 sessões utilizando o método Pilates em nem sempre os músculos componentes do centro de quinze mulheres adultas utilizando o goniômetro como força são ativados em conjunto e com mesma intensi- instrumento de avaliação20. tornando o método um eficiente recurso na rea. realizar uma análise biomecânica a partir do compor- lisaram em um ensaio clinico randomizado o efeito do tamento do torque de resistência (TR) e da distância método Pilates na autonomia funcional de 52 idosas perpendicular média ponderada (DPMP) dos músculos. O estudo concluiu que a análise biomecânica boa metodologia. O estudo considerou que dade21. acreditamos que estes resultados são do exercício e a avaliação das características mecânicas confiáveis e aplicáveis a esta população. Silva e colaboradores20 analisa. goniométricas tomando como parâmetro os músculos O objetivo do estudo de Loss e colaboradores isquiotibiais. Rodrigues e colaboradores12 ana. padrão estabelecido pela literatura científica19. A avaliação foi realizada no grupo trata. usando molas com dife- apresenta grupo controle. e o único mé- de exercício do pilates. aparelho “Cadillac”. Os resul. escoliose não estrutural. O método pilates no Brasil: uma revisão de literatura O estudo de Lima e colaboradores (2009)19 ava. realmente eficiente na minimização das algias relacio- liou o ganho de flexibilidade em trinta e dois sujeitos nadas à escoliose não estrutural.

Não há fc chronic low back pain and functional disability: evidência sobre incremento de força. The Pilates method: history and philosophy. 5.18. Grace under pressure. Em relação aos ensaios clínicos randomizados. 2006. cionamento do indivíduo. 1. Pilates-based thera- do melhora deste aspecto imediatamente após a ativi. apesar de lação. sendo estes critérios impor- explicados em virtude da população estudada. Neste estudo. A conclusão foi de que os protocolos em- Os estudos que levaram em consideração os aspec- pregados não incrementaram a força dos músculos ex- tos biomecânicos dos exercícios em relação ao posi- tensores de tronco em nenhum dos grupos estudados. flexores de braços e abdominal. já que os resultados encontrados não se que abordaram este tema afirma melhora após a reali- aplicam a qualquer população ou grupo muscular. Donzelli S. comparado ao método Pilates de há grande variação dos torques resistentes em função solo14. já a melhora da a randomized controlled trial. peutic exercise: effect on subjects with nonspeci- dade e o outro não observando esta melhora. na variável força.15. Ganho de necessárias para haver ganho real de força nesta popu.20. A research- regredir a longo prazo .17. 9. 8. Chang Y. a maioria dos estudos deste método. Galletti R. isocinética. 2004. 2000. É possível que os resultados deste estudo sejam destes posicionamentos. Smith D. Two different techniques in the rehabilitation extensora do tronco.13. led trial. Di Domenica F. não ter encontrado melhora da flexibilidade14. exactly? Newsweek. 2006. outro estudo afirma -based review. raúna KMP. mam que a flexibilidade melhora9. Cipriani S. USA.19.21.36(7):472-84. Outros estudos intervencionais garantem que o mé. força e flexibilidade ainda não são consenso.42(3):205-10. Training on Flexibility and Body Composition: An tre os estudos10. number now is 5 million in America alone. J Dance Med Sci. Efetividade do método Pilates de solo no Arq. se tratava de atletas que comumente realizam inten- sos trabalhos de força e flexibilidade. zação do método15.10(3-4):111-6. Cova AM. Shedden M. Latey P. treatment of low back pain: a randomized control- além de ser eficaz na minimização da dor lombar e au. Hein J. Pilates exercise. Maia ESS. posicionamento das molas e e os exercícios terapêuticos revelaram ganho de flexibi- resistência das molas foram unânimes em afirmar que lidade em curto prazo. J Bodyw Mov Ther. a Diante do exposto. J Orthop Sports Phys dor e do desempenho funcional foram verificados. Missaghian M. mento da flexibilidade. 2004: 85 (1):1977-81.5(4):275-82. visto que alguns estudos afir. 7. and rehabilitation. ciam diretamente no resultado dos exercícios16. podemos inferir que o méto- carga utilizada durante os exercícios não foi descrita. Ten years ago. do Pilates parece ser adequado para melhora de dor na e consequentemente podem ter sido aquém daquelas região dorsolombar e desempenho funcional.Callegari B. um observan. Muscolino JE. J Bodyw Mov Ther. Jago R. But what nho físico12.11. people did the exercise routine called Pilates. Giun- todo pilates melhora o fortalecimento da musculatura ta N. Baranowski T. Ther. po.42(3):177-80. 2006. porém acredita-se que estes achados se is it. Já a melhora da flexibilidade foi Observational Study. Segal NA. Barbosa AC. 41(3): 87-92  91 . Catarin. Além disso. Pilates and the ‘‘powerhou- demos concluir que a melhora da flexibilidade ainda é se’’. Leger A. Rydeard R.O método pilates no Brasil: uma revisão de literatura de Wells e fleximetro e a força através de dinamometria le. The Foram achadas evidências de melhora no desempe. Cruz D. Eura Medicophys. Basford JR. Kravitz L. 2012. Sugere-se a realização de mais ensaios clínicos controla- dos que esclareçam as dúvidas a respeito dos benefícios Em relação ao ganho de força.135(9):72-3. Quatro estudos afirmam que as diferentes regulagens Referências de molas em relação à angulação ou resistência influen. 2006.8(1):15-24. Archives of physical medicine um tema controverso. 5. 2001. já que os dois estudos que abordaram o tema obtiveram resultados conflitantes. já que tantes na prescrição e progressão dos exercícios. sendo esta uma preocupação que deve estar presente 2. Pin AS. Med. Effect of 4 weeks of Pilates on the body composi- Conclusão tion of young girls. Prev Med. Jonker ML. The Effects of Pilates A melhora da dor na região lombar foi consenso en.22. Porém estes estudos apresen. nesta amostra de atletas. apliquem a populações específicas. Desta forma o protocolo de atendimento pode alguns estudos de menor qualidade metodológica terem ter ficado aquém das necessidades para que haja ganho apresentado resultados positivos para estas variáveis. porém um estudo não obteve este resultado14. 3. porém poderia 4. 6. Ba- tam limitações metodológicas e falta de grupos contro.000 na elaboração de um treinamento de Pilates. controversa.

Loss JF. Mello progressão./out. durante a gesta. Dantas EHM. Nisiyama M. Medeiros MSL. Rio Claro. Análise da resistência externa e da atividade eletromiográfi- ca do movimento de extensão do quadril realizado segundo o método Pilates.958-966. vol. 2009 utilizando o método pilates sobre a flexibilidade de musculatura posterior de coxa. Rev Bras Med Esporte v. no.4 Niterói [cited 2012 Feb 08] . Vol. Junior ECPL./dez. Fisio- ter. Loss JF. Belchior ACG.17(4): 300-5./fev.10 n.6 Niterói nov. Pikel M. ConScientiae Saúde2011. Melo MO. fisioter. O método pilates no Brasil: uma revisão de literatura aumento da flexibilidade. Grosselli D. 7 (29) 21-26. 2007. 21. Melo MO. Araújo MEA. Mendes ACG. Pertile L. Andrade MS.4. Rosa CH. Ter. o método Pilates na flexibilidade de atletas juvenis Rev. out. Bras. ção. de Carvalho PTC. bras. Silva YO. set. Bonezi A./out. Vol.7 no5. Oltramari JD. 15. p. Silva MCF. Rev Bras Méd Esporte vol. 14(6): 510-517. Catarin. 2010 14. Can- tuária AL. Rev.. set. bras./dez. 2005. v. dril no Pilates e suas implicações na prescrição e 13. Reis FA. 17.76-81. Silva YO. Machado CANR. R. Autonomia funcional de idosas prati- resultante durante exercício de extensão de qua- cantes de Pilates Fisioter Pesq2010. Efeitos de uma abordagem fisiote- 167. Estudo comparativo en- tre o método pilates® e exercícios terapêuticos sobre a força muscular e flexibilidade de tronco em atletas de futebol. DB. Fisioter. rapêutica baseada no método Pilates. Ter.13 no. Souza OS. O método Pilates e o ganho de flexibilidade dos músculos isquiotibiais em pa- cientes portadores de hérnia de disco lombar. vol. 18. De Marchi T. Baroni BM. fisioter. Bras. 2006. Revista Brasileira de Fisioterapia2011. Oliveira EM. da Sil- va BAK. Lima PSQ. 10102-111. Santos AB. Rodrigues BGS. Chissini Vaccaro T. Novaes GS. 2012. Vieira PC. Aidar FJ. em universitárias subme- tidas ao método Pilates. 2010 Dec de futsal. 2009. bras. Kolyniak IEG. Man. Ci e Mov. July/Aug. Torres NVOB. Avaliação isocinética da musculatura envolvida na flexão e ex- tensão do tronco: efeito do método Pilates.16 n. Aná- 12. 22. Med. Motri. 16. Atividade elétrica dos músculos oblíquos externos e multífidos durante o exercício de flexo- 11. Bertolla F. Redução da dor crônica associada 1523-30. Cader SA. Motriz.3. extensão do quadril realizado no Cadillac com dife- Efeito de um programa de treinamento utilizando rentes regulagens de mola e posições do indivíduo. Montenegro EJN. lise do torque de resistência e da força muscular Dantas EHM. Gomes LE. 2004. Loss JF. 2007. à escoliose não estrutural. Ferrreira CB. Cader AS. Melo MO. Silva EB. Laurentino GEC. Método pilates em revista: aspectos biomecânicos de movimentos es- pecíficos para reestruturação postural – Estudos de caso. Silva YO. Rossi RP. 7 (31) 161- 10. Maeda FYI. O método Pilates® sobre a resistência muscular localizada em mulhe- res adultas.4 p. 2009b. para pacien- tes com diagnóstico de lombalgia. Pereira DM. La Torre M. Mancalossi JL. 19.1 São Carlos jan. 20. O efeito do treiamento Arq.13 no. Aoki MS. 41(4): 87-92  92 .10 no5. 13(4): 65-78. out. [serial on the Internet]. 2009a. Cavalcanti SMB. Man. Sacco ICN. Gomes LE.