Resenha Crítica - Modelos

Dedicou toda uma vida a pesquisar o assunto e produziu uma série de 20 volumes de histórias náuticas protagonizadas pelo capitão da Marinha inglesa Jack Aubrey e o médico e naturalista Stephen Maturin. seus personagens ganham as telas no filme Mestre dos Mares . Resenha do filme Mestre dos mares – O lado mais distante do mundo O romancista inglês Patrick O'Brian é considerado nos meios literários como um especialista em romances históricos sobre aventuras marítimas. Agora.O Lado Mais Distante do Mundo. .

O ano é 1805 e a Inglaterra resiste bravamente às investidas expansionistas de Napoleão Bonaparte. cuja missão é interceptar a fragata francesa Acheron. Mestre dos Mares mostra o capitão Aubrey (Russell Crowe. Com um roteiro que combina os enredos de dois dos 20 livros escritos pelo romancista. na costa brasileira. . eficiente como sempre) no comando no galeão HMS Surprise.

.e por pouco não sucumbem ao seu poder de fogo. Com o navio seriamente avariado e parte da tripulação ferida. o voluntarioso militar resolve se embrenhar numa missão arriscada.muito mais veloz e bem armada . cruza o Atlântico. Para isso. enfrenta as intempéries do traiçoeiro Cabo Horn e singra o Pacífico até a altura das Ilhas Galápagos. Traídos por um forte nevoeiro. Aubrey e sua tripulação acabam surpreendidos pela embarcação inimiga . partindo atrás dos franceses com a intenção de capturá-los.

durante a jornada repleta de adversidades. o dia a dia da tripulação de um navio de guerra do século XIX. o espectador vai conhecendo. Assim. tudo reconstituído com extrema precisão e minúcia de detalhes. Mas o filme não se limita apenas ao espetáculo visual. Esquadrinham-se cada recanto da nau. . com riqueza de detalhes. dos aposentos dos oficiais aos alojamentos dos marujos.

O diretor Peter Weir (de O Show de Truman .O Show da Vida) vai além e expõe a complexidade nas relações entre os personagens. ponto forte nos livros de O'Brian. as relações tensas entre oficiais e subalternos. Observam-se os conflitos entre tripulantes. com o naturalista e médico da tripulação Stephen Maturin (Paul Bettany). os dilemas do capitão Jack Aubrey e sua amizade. às vezes conturbada. .

o determinado capitão Jack Aubrey se mostra tão forte quanto o mastro de madeira brasileira de seu navio. . Navegador competentíssimo. grande estrategista de guerra e comandante que mistura austeridade. mas. quando se trata de exercer a autoridade e a determinação necessárias à condição de líder junto a sua equipe – mesmo que isso não seja para o bem imediato de todos. Nas batalhas. o HMS Surprise. ao final. humor e justiça em doses absolutamente proporcionais. Nos momentos de calmaria. Aubrey também sabe muito bem colocar uma muralha entre ele e seu amigo. o risco se transforme em sucesso. ele toca Mozart ao lado de seu amigo Maturin.

A influência do capitão se traduz no conceito de Sun Tzu sobre a utilidade de um exército: uma poderosa tropa de um milhão de homens. depende de um só homem. por exemplo. Esta é a influência do espírito! .

Sobre essa plataforma de sentimentos desconexos. . ao contrário. que acabam se misturando nos alicerces de uma amizade sólida. até quando é obrigado a retirar uma bala do próprio corpo. em contrapartida à alegria rude dos marinheiros. de homens que começam a enxergar as mudanças radicais na civilização. São conversas de cúmplices. Maturin. está mais interessado em suas pesquisas nas ilhas Galápagos do que nas emoções da guerra. guarda a conduta centrada dos cientistas. Como naturalista. cuja coragem nunca é questionada. Embora não negue bravura nos momentos cruciais. evidenciam-se dois personagens.

O filme é uma lição de administração e gestão empresarial. . que conduz ao domínio de uma determinada tecnologia. Nas áreas de educação corporativa e desenvolvimento. quando se faz uma analogia com o comando e a liderança da tripulação do HMS Surprise. exigido pelo trabalho no navio. destaca-se o processo de aprendizado dos marinheiros em seu treinamento diário.

Na época. . era perfeitamente aceitável que as técnicas de produção mais elaboradas fossem transmitidas com as limitações impostas pelas corporações que as dominavam e que estabeleciam critérios fortemente restritivos em termos da admissão de aprendizes. o que tornava a formação profissional bastante lenta e totalmente sujeita ao controle pessoal do mestre encarregado de ministrá-la.

Trata-se. mais acostumados a tramas ágeis e de cortes rápidos. tal qual os navegadores da época guiavam seus navios e suas vidas. . enfim. tudo ao seu tempo. Na verdade. considerem o filme arrastado. de um bom filme. direção de arte de encher os olhos e cenas de batalhas de um impressionante realismo. uma espécie de "sessão da tarde" com orçamento generoso que deve agradar aos apaixonados por aventuras náuticas e aos nem tanto assim. Mestre dos Mares pode ser considerado um dos bons filmes do gênero. Com história bem contada. a produção é conduzida com paciência e cautela. Talvez alguns espectadores.

br. Fotografia. Maquiagem. (unieduca. o filme recebeu 10 indicações ao Oscar 2004: Melhor Filme.blogspot. Efeitos Sonoros e Efeitos Visuais. Em tempo. 14h40min) . Acessado em 18/6/2013. Som. Direção. Montagem. Direção de Arte.com. Figurino.

112 páginas) do gramático Celso Pedro Luft traz um conjunto de ideias que subverte a ordem estabelecida no ensino da língua materna. inutilidade do ensino da teoria gramatical. o esquecimento a que se relega a prática linguística. intencionalmente.uma variação sobre o mesmo tema: a maneira tradicional e errada de ensinar a língua materna. a postura prescritiva. 1995. Nos 6 pequenos capítulos que integram a obra. por combater. a visão distorcida de que se ensinar a língua é se ensinar a escrever certo. o gramático bate. o ensino da gramática em sala de aula. purista e alienada . as noções falsas de língua e gramática. Um gramático contra a gramática Gilberto Scarton Língua e Liberdade: por uma nova concepção da língua materna e seu ensino (L&PM. a obsessão gramaticalista. .tão comum nas "aulas de português". veemente. sempre na mesma tecla .

gramática tradicional e linguística. como crescer. o essencial. o ensino útil. dos linguistas. e o leitor facilmente se convence de que aprender uma língua não é tão complicado como faz ver o ensino gramaticalista tradicional. do irrelevante. Essa fundamentação linguística de que lança mão . É. inevitável. do ensino inútil. um processo espontâneo.traduzida de forma simples com fim de difundir assunto tão especializado para o público em geral . o saber dos falantes e o saber dos gramáticos. um fato natural. antes de tudo. O velho pesquisador apaixonado pelos problemas da língua. imanente ao ser humano.sustenta a tese do Mestre. o relativismo e o absolutismo gramatical. teórico de espírito lúcido e de larga formação linguística e professor de longa experiência leva o leitor a discernir com rigor gramática e comunicação: gramática natural e gramática artificial. dos professores. . natural. automático.

gramatiqueiros.pucrs. convincente fundamentação que lhe sustenta a tese e atenua o choque que os leitores .vítimas do ensino tradicional . para desenvolver seu espírito crítico e para falar por si. 16h35min) .e os professores de português . numa mesma obra. liberto de preconceitos e do artificialismo do ensino definitório. puristas .têm ao se depararem com uma obra de um autor de gramáticas que escreve contra a gramática na sala de aula. o aluno poderá ter a palavra.br/gpt/resenha.teóricos. dessa propensão inata pela linguagem. nomenclaturista e alienante. Embora Língua e Liberdade. não seja tão original quanto pareça ser para o grande público (pois as mesmas concepções aparecem em muitos teóricos ao longo da história).php. tem o mérito de reunir. do professor Celso Pedro Luft. Consciente desse poder intrínseco. Acessado em 18/6/2013. (www.