Dá para chutar no CESPE?

Análise com base nos gabaritos definitivos

Neste artigo analisaremos, com base na estatística, a possibilidade real de somar pontos chutando
eventuais questões de certames realizados pela banca Cespe.

O Cespe, na maioria dos certames, realiza provas em que você deve julgar se cada assertiva está
correta ou errada. Se você errar seu julgamento, além de não somar pontos naquela assertiva, será
subtraído um ponto de sua prova. É o famoso “uma errada anula uma certa”. O candidato pode,
também, não marcar nada. Nesse caso ele não soma ponto, mas também não tem nenhum ponto
subtraído.

Essa metodologia, embora pareça cruel, é a mais justa para o bom candidato e para realizar um
julgamento mais preciso. Como a probabilidade de acerto numa marcação aleatória (chute) é de
50%, se um candidato totalmente despreparado chutar a prova inteira, ele irá acertar 50%. Mas,
como a errada subtrai um ponto, a nota final desse mesmo candidato despreparado será 0%, o que
é o justo, sabe zero, tira zero. Imagine um candidato que não estude Direito Civil e chute tudo. Se o
mínimo por disciplina for de 50%, ele estará sendo incentivado a não estudar essa disciplina que não
gosta.

Numa prova com 5 alternativas, a chance de acerto do candidato acertar é de 20%, o que torna
desnecessário subtrair ponto em marcação errada, visto que esse candidato acertaria 20% das
questões, algo muito inferior ao necessário para passar.

Fazendo um levantamento em provas recentes, cos gabaritos definitivos de 14 certames dos mais
concorridos dos últimos anos (dentre eles: Auditor do TCU, Defensor Público Federal, Agente da
Polícia Federal e Agente da polícia Rodoviária Federal, Caixa Econômica Federal (Administrativo),
Consultor Legislativo da Câmara dos Deputados, Agente Administrativo do MTE e outros) pudemos
obter interessantes conclusões.

O total de questões montou em 2090, das quais tivemos a seguinte distribuição:

Erradas: 1032 – 49,3%

Corretas: 987 – 47,22%

Anuladas: 71 – 3,4%

Alterações de gabarito de Certa para Errada: 26

Alterações de Gabarito de Errado para Certo: 11

Podemos concluir que essa modalidade de prova permite que a banca, ao errar uma questão,
simplesmente altere o gabarito ao invés de anular, o que demonstra o número muito maior de
questões Certas modificadas para Erradas do que o oposto. Mas mesmo assim, o número não é
muito significativo.

Muitas questões podem surgir, como: E as anuladas, eram corretas ou erradas? A grande verdade é
que não importa. O que importa é o número de questões erradas e o número de questões corretas
efetivamente, ou seja, aquelas que você poderia resolver conhecendo a matéria. E serão essas as
questões que contarão pontos.

De fato, percebemos que o número de questões erradas é ligeiramente superior. Agora, devemos
fazer outra análise, pois somente a média pode nos levar a caminhos tortuosos. Vejamos duas
provas isoladas:

o que você deve fazer é contar o número de certas e o número de erradas. Imagine que você irá chutar aleatoriamente as 20 questões restantes. Para quem não conhece. naquele grupo de 20 questões não respondidas. é seu dever chutar. em geral. Chutando as 20 como erradas. Se for.02% Corretas: varia entre 46. você chega no seguinte cálculo: Corretas marcadas: 45 Erradas marcadas: 35 Sabendo que o total de corretas na prova é 50. você respondeu 80 questões. para isso funcionar. As 20 restantes você não sabe e está na dúvida se chuta ou deixa em branco. se você está bem preparado e crê que acertará boa parte das questões. Digamos que. enquanto outra prova teve um número relativamente superior de questões erradas. 61 Corretas e 7 anuladas. levantando o percentual de corretas e erradas por prova. possivelmente marcará entre 1 e 2 pontos. e o total de erradas na prova é 50. Caixa Econômica Federal (Administrativo): 62 Erradas. chutar tudo e deixar em branco dá na mesma!! Mas. Agora. ainda mais sabendo que há. se você não souber nada. O total para sua prova será zero. Agora. que você sabe que 50 são corretas e 50 são erradas. E como chutar e deixar em branco dá na mesma. Ao término. nem adianta ir fazer a prova. encontramos que a média pode variar estatisticamente: Erradas: varia entre 48. ou seja. você certamente pode recorrer a velha técnica de contar as respostas e marcar as restantes naquela alternativa que menos marcou. você saberá que ainda tem na prova. 53 Corretas e 5 anuladas.76% e 48% Agora vamos ao que interessa! Chutar ou não chutar!? Primeiro ponto é que. essa técnica considera que o Cespe faz suas provas com exatamente a metade de questões corretas e a metade incorreta. pode pular essa explicação): Início da explicação: Imagine uma prova de 100 questões. após a contagem. Erradas: 49. e fazendo uma média desses percentuais. Sabendo que a chance de acertar é 50%. Veja que uma prova teve um número relativamente superior de questões corretas.3% Corretas: 47. 5 corretas e 15 Erradas!! Então você chutará tudo no grupo que há mais questões. adicionando então 10 pontos para sua prova! Mas lembre-se. chute tudo no errado.Agente da Polícia Federal: 52 Erradas. você provavelmente acertará 10 chutes e errará 10. você deve ter uma base confiável nas 80 que respondeu. encontramos algo muito próximo do percentual calculado sobre todas as questões somadas.7% e 50.3% Fazendo uma análise estatística para essa população de 14 provas. Vamos explicar (se você já conhece. se você está bem preparado e acertou a grande maioria das 80 que respondeu. mais erradas do que certas!! . você acertará 15 e errará 5.

mas no cenário atual de alta competitividade. Segundo: Se o número de questões que marcou estiver muito próximo. . prefira marcar Errado. Mas veja que descobrimos que o Cespe nem sempre usa o mesmo número de respostas corretas e erradas. Sabemos que o percentual é pequeno. Ainda mais quando há anulações e alterações de gabarito! A sugestão que dou é: Primeiro: SEMPRE CHUTE!! Não deixe NADA em branco! A chance é a mesma se chutar ou deixar em branco. 1 ponto pode ser a diferença entre você passar ou não!! Ou pode te colocar inúmeras posições acima.Fim da explicação. chute todo restante no Errado! Terceiro: Na dúvida.