You are on page 1of 7

294

Estratégias grupais voltadas aos familiares de pessoas com

ARTIGO DE REVISÃO
necessidades decorrentes do uso de substâncias psicoativas:
uma revisão narrativa*

Group strategies oriented to family members of people with
needs resulting from the use of psychoactive substances: a
narrative review

Helton Alves de Lima1, Elisabete Ferreira Mângia2

http://dx.doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v26i2p294-300

Lima HA, Mângia EF. Estratégias grupais voltadas aos familiares e seus tratamentos. A escolha e a adoção das metodologias das
de pessoas com necessidades decorrentes do uso de substâncias estratégias grupais devem acontecer por meio de processos de
psicoativas: uma revisão narrativa. Rev Ter Ocup Univ São reflexão das equipes, considerando as necessidades apresentadas
Paulo. 2015 maio-ago.;26(2):294-300. pelos familiares. Deve também pautar-se pelo reconhecimento
das histórias de vida e singularidades dos sujeitos, evitar o olhar
RESUMO: O estudo apresenta e discute tendências de exclusivamente intervencionista sobre a doença e priorizar a
estratégias grupais voltadas aos familiares de pessoas que produção de vínculos e autonomia.
fazem uso prejudicial de substâncias psicoativas atendidas em
serviços de saúde mental, identifica as perspectivas teóricas DESCRITORES: Prática de grupo/tendências; Família;
adotadas, suas modelagens e papel no contexto da organização Transtornos relacionados ao uso de substâncias; Assistência à
do processo de cuidado. Foi desenvolvida a revisão narrativa saúde mental.
a partir da leitura de artigos e capítulos de livros em língua
portuguesa especializados. Foram consultadas as bases BVS, Lima HA, Mângia EF. Group strategies oriented to family
BVS Psicologia, SciELO e Lilacs, e selecionados seis artigos members of people with needs resulting from the use of
e três capítulos de livros. A partir dos conteúdos identificados, psychoactive substances: a narrative review. Rev Ter Ocup Univ
definiu-se os seguintes campos temáticos: contexto de São Paulo. 2015 May-Aug.;26(2):294-300.
desenvolvimento da estratégia grupal, perspectiva teórica,
modelagem das estratégias e o papel das estratégias grupais ABSTRACT: The study presents and discusses trends of group
no cuidado aos familiares. As principais ancoragens teóricas e strategies regarding the families of people who make harmful use
técnicas identificadas foram as estratégias psicoeducativas e of psychoactive substances treated in mental health services and
as de apoio e ampliação de rede sócio relacional. Discute-se a identifies the theoretical perspectives adopted, their modeling
importância e as potencialidades de tais estratégias na atenção às and role in the organization of care process. The narrative review
famílias, como estas respondem às necessidades de ampliação do was developed from reading articles and chapters of specialized
acesso das famílias aos serviços, ao suporte social e emocional, books in Portuguese. The BVS, BVS Psychology, SciELO and
e à compreensão sobre uso prejudicial de substâncias psicoativas Lilacs databases were consulted, and six articles and three book

* Trabalho de conclusão do curso de Residência Multiprofissional em Saúde Mental com ênfase em Dependência Química, apresentado
pelo primeiro autor à Faculdade de Medicina da USP São Paulo, sob orientação da segunda autora.
1. Psicólogo, formação em Saúde Coletiva (IS-SESSP) e Saúde Mental com ênfase em Dependência Química pela Faculdade de Medicina
da Universidade de São Paulo - FMUSP. E-mail: lima.helton@gmail.com.
2. Profª Drª do Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional da Faculdade de Medicina da Universidade de São
Paulo - FMUSP. E-mail: mangeli@usp.br.
Endereço para correspondência: Elisabete F. Mângia. FOFITO. Rua Cipotânea, 51 – Cidade Universitária. São Paulo, SP, Brasil. CEP:
05360-000. E-mail: mangeli@usp.br.

294

theoretical perspective. Mental health assistance. rupturas e conflitos. Analisa os impactos objetivos e devem ser acolhidas pelas equipes. From the identified contents the following harmful use of psychoactive substances and its treatments. It should also be based on The main theoretical and technical anchorages identified were the recognition of their life histories and the uniqueness of the the psychoeducational strategies and the support and expansion individual. assim como o cuidado dirigido aos familiares6. No Brasil. o atendimento considera o potencial do grupo familiar como uma às necessidades de saúde tem caráter estratégico. temor em deixar o usuário relativas à produção do cuidado e de respostas as suas sozinho. Mângia EF. Rev Ter Ocup Univ São Paulo. destacando-se aquelas que substâncias psicoativas. contexto do resgate dos direitos de cidadania. e necessidades3. despesas de tratamento. no âmbito dos serviços visam reduzir fatores de segregação sociofamiliar. chapters were selected. exclusão e a violação de direitos de milhares de indivíduos. e respondidas geram sobrecarga e necessidade de cuidado pela rede de por meio de tecnologias construídas no contexto da relação * Para Amarante1. Estratégias grupais. cuidadores e outras pessoas significativas. culpa. mas como processo social complexo e cuja transformação é contínua e aberta a novos problemas e enfrentamentos. The thematic fields were defined: the context of group strategy choice and adoption of methodologies of group strategies should development. o cuidado em saúde mental às mudanças de papéis entre os membros. falhas na assumiu as diretrizes da integralidade e da intersetorialidade comunicação. sentimentos. considering and the role of group strategies in health care to these families. A discussão acerca do papel da família no cuidado Na perspectiva da integralidade9. a atenção psiquiátrica promoveu a de familiares.2. o que envolve esforço subjetivos do adoecimento de um de seus membros que interdisciplinar de articulação de saberes. a atenção psicossocial não deve ser confundida com modelo ou sistema fechado.Lima HA. prioriza de saúde mental. ancora-se em dimensões políticas.. impõe a reflexão acerca das necessidades de saúde para reclusos nos hospitais psiquiátricos e manicômios além daquelas identificadas no usuário. Estudo de revisão judiciários. to social and emotional support and to understanding the -related disorders. pouca motivação para o lazer8. e busca construir relações de parceria e suporte para o restabelecimento da saúde de todo grupo familiar5. A A Política de Atenção Integral aos Usuários de atenção em saúde voltada aos familiares de Álcool e outras Drogas prevê o desenvolvimento de ações pessoas com necessidades decorrentes do uso de que incluam os familiares. essas instituição protetora4. It discusses the importance and disease and prioritizing the production of bonds and autonomy. o desenvolvimento de fatores de proteção e redução de históricas. Reduzidas à crise e à sintomatologia. how they respond to the needs of expansion of access of the families to the KEYWORDS: Group practice/trends. passando a entre outras. técnicas e éticas que compõem o paradigma riscos. Family. o que intensificava a fragilização e o de familiares. solidão e outros manutenção das relações interpessoais e comunitárias1. a Política de Saúde Tais ações colocam a família como parceira e ampliam Mental compreende a atenção aos familiares de pessoas seu papel no cuidado psicossocial e desenvolvimento de em situação de vulnerabilidade e sofrimento psíquico no projetos terapêuticos singulares7. potential of these strategies in the care of families. 2015 maio/ago. Substance- services.26(2):294-300. São elas: a) saúde física e psicológica: rompimento dos vínculos e gerava efeitos negativos na em decorrência da ansiedade.) 295 . ocupacionais: decorrentes de estratégias para obtenção e foi deslocado para os territórios socioeconômicos e das substâncias. the needs presented by the family. cuidado e trocas sociais. Tem nos serviços de saúde mental seu espaço estratégico de acolhimento. que deve ser A identificação do impacto dos problemas orientada pelos princípios da clínica ampliada. existenciais dos indivíduos e suas famílias. associados ao consumo de álcool e outras drogas na vida Historicamente. da atenção psicossocial*. INTRODUÇÃO atenção3. c) financeiros e na construção dos projetos terapêuticos singulares. b) relações familiares: correlacionadas Com a Reforma Psiquiátrica. receio de ser alvo de críticas do grupo social. modeling of strategies happen through the thinking processes of the teams. avoiding an exclusively interventionist look at the of social relational network. as promovido pelo governo britânico identificou quatro áreas pessoas com transtornos mentais eram afastadas de seus de impacto geradoras de necessidades específicas na vida contextos de vida. dívidas de drogas. d) vida social: decorrentes do isolamento em fazer parte do cotidiano dos familiares nas diversas ações relação à família e amigos.

Centro de Convivência22 e seu papel na organização do processo de cuidado dos e Clínica Psiquiátrica23. baseou-se na descrição do conteúdo dos textos associada Os grupos de ajuda e suporte mútuos12 são estratégias aos objetivos do estudo. apoio e família e droga. conforme a autoria dos textos aqui estudados. outras13. pressuposto de que não existem estratégias generalizáveis tais como: grupos e oficinas terapêuticas. que consistiu Convivência) ou privados (Clínica) não referiram contar na avaliação teórica. dois foram selecionados. grupo e As equipes compartilham a gestão dos grupos. perspectiva de funcionamento e organização do trabalho técnico nas teórica. Ambulatórios vinculados a hospitais-escolas sobre as perspectivas teóricas adotadas. científicos.17. familia. que envolvem as relações e incluídos sete livros sobre tratamento para usuários de interpessoais e visam à produção de vínculos.20. Os ambulatórios contavam com terapeutas METODOLOGIA familiares. familiares e comunidade. Por considerar a importância desse tema e buscando subsídios para seu desenvolvimento. grupo e família e do uso de substâncias psicoativas.19. A análise dos artigos e capítulos de livros saber fazer específico10. Os serviços que integram A reflexão apresentada está ancorada no redes de saúde municipais (CAPSad. buscou descrever e usuários de álcool e outras drogas – CAPSad16. brasileiras. além de componentes-chave do foram definidos quatro campos temáticos: contexto processo de cuidado e reabilitação psicossocial. este Os textos estudados apresentam experiências estudo visou conhecer as estratégias grupais voltadas grupais dirigidas aos familiares desenvolvidas nos aos familiares de pessoas que fazem uso prejudicial seguintes contextos: Centro de Atenção Psicossocial para de álcool e outras drogas.26(2):294-300. que adequavam suas bases teóricas às especificidades das demandas. e três capítulos. contextual e não sistemática de com equipes específicas de terapia familiar. identificar e refletir NAPS F18. química. ajuda a famílias com filhos dependentes. de tal maneira que profissionais das áreas de psicologia. Tal posição também é toxicodependência. autonomia substâncias psicoativas que discutem estratégias grupais e corresponsabilização. capazes de induzir o protagonismo e empoderamento de Para a organização e apresentação dos resultados. de familiares. Rev Ter Ocup Univ São Paulo.Lima HA. Centro de desenvolvimento de uma revisão narrativa. das tecnologias leves.11. usuários e familiares. em diversos municípios e regiões serviços. Desses.21. assembleias.. Mângia EF. publicados no período de 1994 os saberes que estruturam e organizam as ações dos a 2014. sua modelagem de universidades públicas19. dos quais seis Nesse processo. epidemiológicos e relacionais que devem ser apreciados A reflexão sobre possibilidades e limites das e comparados. estabelecida com usuários. grupo e multifamiliar e dependência química. de acordo com objetivos Os textos mostram que os serviços de saúde mental traçados pelo pesquisador15. Núcleo analisar as estratégias grupais desenvolvidas e relatadas de Atenção Psicossocial para Farmacodependentes – na literatura e. grupo e apoio e família e toxicomania. que compreendem voltadas para familiares. no aos familiares: o trabalho assistencial é desenvolvido período de 1994 a 2014 a partir das bases da BVS (Biblioteca por equipes multiprofissionais que adotam a posição Virtual em Saúde) e BVS Psicologia. estratégias grupais na saúde mental se coloca como fator de qualificação dos processos de cuidado aos quais estão Contexto de desenvolvimento da estratégia grupal articuladas. mais especificamente. profissionais. Merhy10 alerta para o papel fundamental foram selecionados por se relacionarem com os objetivos. Assim. 2015 maio/ago. Os modelos de desenvolvimento da estratégia grupal. Estratégias grupais. e que as propostas identificadas de geração de renda. entre apresentam diferentes aspectos técnicos. grupo e apoio e família e álcool. Foram encontrados 288 artigos. 296 . o conhecimento aplicado e relativo a um utilizados. publicações selecionadas14. modelagem das estratégias e o papel das redes de atenção psicossocial preconizam a organização estratégias grupais na assistência. e leve-duras. NAPS F. grupo e apoio e família e dependência compartilhada pela opinião de familiares16. a saber: grupo ao tratamento das pessoas com necessidades decorrentes and familia and dependência química. transtornos terapia ocupacional. educativas e e descontextualizadas. Foram selecionados artigos são flexíveis ao construírem suas estratégias de atenção nacionais sobre estratégias grupais para familiares. A análise adotou o e oferta de diversas modalidades de estratégias grupais. enfermagem e serviço social são relacionados ao uso de substâncias psicoativas e grupo e citados como responsáveis pela condução dos grupos. Utilizou-se nove teórica e técnica de que o cuidado à família é essencial conjuntos de combinações de descritores.22.

a partir de 6ª. não abertos às demandas espontâneas. recursos analisadores ou promotores de insights. 2ª. o reconhecimento de Os textos não são suficientemente explícitos em aspectos da codependência visando tornar os familiares descrever e detalhar a organização das práticas grupais.17. Mostram que a presença das mães e membros identificação. a troca de confidências e a ampliação do grau do sexo feminino17.20.24. informação. concebem a dependência como doença e combinam a como falar e ouvir sobre sentimentos. considerou-se benéfico Em relação às sessões. Visam reduzir comportamentos descreve sete sessões de orientação em caráter temático e padrões cognitivos compatíveis com o uso de substâncias (1ª. reforçar aspectos que podem inibir o uso. discussão sobre situações familiares. alta hospitalar e início da ressocialização23. informação sobre drogas.20. sociais (1ª. limitam-se a citar a duração. sendo os grupos abertos As estratégias grupais direcionadas às pessoas à participação de familiares de diversos usuários dos que vivem situações semelhantes podem facilitar a serviços. estágios de Os textos mostram que os profissionais adotam mudança e dinâmica da personalidade. Rev Ter Ocup Univ São Paulo. com ou sem e bases teóricas das estratégias. 8ª.22. sendo a família um sistema primordial nestas análises. apresentação geral e identificação de ciclo de vida. como fazer e oferta de informações com estratégias de enfrentamento receber elogios e críticas. o Em relação aos efeitos das estratégias. e o terceiro21 no manejo com os usuários.22 é marcante. como as concepções e fantasias atribuídas ao usuário As experiências mostram a utilização de dinâmicas de substâncias psicoativas podem ser tomados como de grupo21. dialogar sobre novas questões além do problema21. encerramento). sessões de psicoeducação no modelo de treino de habilidades sistêmicas e psicodinâmicas.23 e internação estabeleceu temas considerados relevantes ao psicodinâmicas16.24. Estratégias grupais. a configuração da família em torno de que dialogam e trocam experiências. estratégias psicoeducativas19. Estratégias de expressivos/artísticos17. o segundo24 descreve oito se destacam as abordagens: cognitivo-comportamentais. 2ª. aspectos importantes para a oferta de grupos aconteça em diferentes horários para a condução do processo grupal16 e adesão dos familiares24. psicoativas. contrato e queixa.18. Mângia EF. A partir de experiências clínicas. Uma estratégia grupal desenvolvida no contexto de As abordagens de orientação sistêmicas18. início das abordagens de seu papel nos diferentes sistemas relacionais do usuário. ampliar a visão sobre as situações vividas e estudos propunham número de sessões pré-estabelecidos. 5ª. ao compartilharem suas angústias20. individuais. comportamentos indicativos de uso/recaída. comunicação. Os demais tranquilizar-se. 4ª. familiar e o consumo de substâncias psicoativas. Perspectivas teóricas temático (1ª. com o apoio mútuo e conflitos de papéis. Um estudo18 sugere que de intimidade entre os membros. assim dos profissionais participantes.24. trabalhar reações típicas. garantir a ampliação do acesso dos familiares. 3ª/4ª/5ª. oferta de informações sobre o consumo de substâncias psicoativas. apresentação e contrato.26(2):294-300.21 concebem o uso prejudicial a partir contexto: fase pós-desintoxicação. Caracteriza as diferentes abordagens a adoção adesão dos usuários ao tratamento23. plano de ação para cada caso). podem ampliar a reflexão e contribuir para Papel das estratégias grupais na assistência ampliar a rede sociorrelacional. geralmente observação de demandas para encaminhamentos18-20. e a periodicidade. valores e crenças geracionais.20 apresentavam a estratégia grupal O padrão vincular de adoecimento do núcleo familiar desenvolvida por meio de depoimentos dos participantes (codependência). conscientes das responsabilidades e condutas possíveis No geral. podem o desejo de participação dos familiares16.. 7ª. orientar e ser orientado. da composição multifamiliar. em conformidade com os objetivos promoção do diálogo entre os participantes. 3ª. baseadas em orientações de condutas na relação familiar e feedback do tratamento e encaminhamentos).19. 7ª. 4ª. a avaliação da dinâmica familiar e definida em uma hora. um estudo primeiro19 descreve seis sessões de orientação em caráter analisou os motivos e a importância da participação a partir 297 . dentre elas 6ª. e a semanal. Dois estudos16. As abordagens cognitivo-comportamentais como agir assertivamente. como ajudar e diversas perspectivas teóricas sobre funcionamento quais comportamentos evitar. 3ª.24. Resumidamente. 2015 maio/ago. 6ª.22. 5ª. a maior parte de serem assumidas17. Constituem-se enquanto objetivos da oferta de Modelagem das estratégias atenção grupal aos familiares: a melhora das relações entre familiares de usuários19. role playing e tarefas pós-grupo24. como resolver problemas. e promover reflexões entre os familiares.Lima HA. como manejar a raiva. 2ª. três estratégias descritas o acolhimento grupal de familiares na medida em que os caracterizam-se pela continuidade definida de acordo com participantes.

Um estudo considera o grupo como um dispositivo as famílias podem ter muitas expectativas em relação ao para a expressão da subjetividade e sentimentos em relação tratamento do usuário ou ao suporte familiar. Acolher usuários e familiares e torná-los sujeitos requer desesperança e culpa. e que requerem ancoragem na encontrado no grupo. a aquisição de novas amizades. b) o aconselhamento professoral. preocupação. pelos familiares. referidas famílias adquirem habilidades para lidar com os problemas8. que contribui na redução da dá lições a quem considera ter comportamento inadequado. pensar em uma atitude de ocupação. ansiedade e na desmistificação do comportamento dos As famílias. entretanto. agressividade e a troca de experiências entre participantes19. as orientações dos podem comprometer a autonomia. a profissionais sobre condutas em situações de intoxicação e produção de vínculo e acolhimento. Quando se encontram em situações vulneráveis. d) a necessidade de proteção daqueles que familiares ações de suporte e identificam seus benefícios: julga desestruturados. Deve-se acolher os sujeitos e substâncias psicoativas. Cechin27 e Rosa7 identifica os riscos presentes em cinco tipos de respostas presentes no trato com familiares: DISCUSSÃO a) a necessidade de ser útil. que pode tornar os membros apáticos Os estudos confirmam a importância de oferecer aos e dependentes. Outras necessidades. o entendimento da possíveis a partir do encontro entre equipe. técnicos e éticos na composição das da vivência com usuários e sua participação na estratégia ofertas de estratégias grupais. 298 . tecer projetos de vida”26. que estimulam familiar. dependência como doença. Segundo Yasui26 o cuidado em saúde “significa desengajamento em atividades profissionais. que Considera-se. Outro Qualificar o cuidado implica a reflexão acerca dos estudo analisou a percepção dos familiares sobre aspectos aspectos relacionais. e sentimentos de desamparo. que podem inviabilizar reflexões a mudança no olhar e na escuta profissional. já que não constrói novas soluções para seus problemas. redução ampliam-se para a construção de projetos marcados pela do isolamento e desesperança. redução do isolamento ou controlam a aderência ao tratamento quanto explicitam e oferta de informações sobre serviços e redes.. de tal os grupos como lugar de escuta e apoio sem julgamento. formação teórica e técnica dos profissionais nos campos aumento da autoestima e o reconhecimento de sentimentos de saberes comuns e específicos. que pode identificação. uma tendência a marginalizar a envolvem seus modos de vida: situações de isolamento família e as redes sociais dos usuários na assistência25. na qual o profissional problemática enfrentada. religiosas. a troca de experiências e diversidade. deve- sobrecarga e mudanças na dinâmica familiar17.11 baseadas no desenvolvimento de relações de modos de enfrentar as recaídas. e nos papéis familiares. geralmente estudo destacou o que para os familiares foi importante na envolvidos com as habilidades dos profissionais que estratégia: a aquisição de informações. tanto incentivam meio da melhora na comunicação. da opinião dos familiares. educacionais. impaciência e desespero22. usuários. e identificou que compreendem buscar compreender suas histórias e singularidades. com abolição de situações de prazer e interação. mudanças na rotina de responsabilização e envolvimento com o outro”. negativos como vergonha. aumento demandas às equipes em relação às recaídas e orientação do suporte para o usuário de drogas.26(2):294-300. na medida em que as sobre condutas cotidianas. reconhecimento e compreensão das próprias fazer que o profissional tome para si a tarefa de reorganização necessidades de saúde. e sua aspectos da codependência. aprendizado sobre estratégias de enfrentamento16. Outro se observar os riscos presentes nas ações.Lima HA. se apresentam como queixas difusas. sociais e emocionais. Estratégias grupais. Mângia EF. ampliação da compreensão sobre a resolução de situações. social. Cuidar é montar. Observou-se que contribuem para o aprendizado em saúde10. ao buscarem tratamento ou ao usuários de drogas. o sentimento de acolhimento familiares e comunidade. e) a punição. a redução do nível de tensão familiar por acompanharem um familiar ao serviço. que As estratégias grupais como dispositivos de cuidado tende a diminuir a qualidade interacional entre profissional aos familiares e familiar e as possibilidades de aprendizado. o que reduz a capacidade dos familiares na a procura de ajuda. forma que as “estratégias de intervenção daí decorrentes o que possibilita a expressão de sentimentos. 2015 maio/ago. corresponsabilização. do adoecimento diante da importância enquanto tecnologia leve de cuidado. sociais e planos de vida. que permitiu aos participantes reconhecerem o aspecto relacional entre familiares e profissionais. o que pode colocar a família no lugar de impotência. Rev Ter Ocup Univ São Paulo. Considerando à dependência. e a ruptura sobre a multidimensionalidade de fatores associados ao com a racionalidade médica que reduz as pessoas a desenvolvimento e manutenção de uso prejudicial de objetos de intervenção. infeliz ou desorganizados. por meio de tecnologias grupal. c) o controle excessivo do grupo.

e a ação de cuidado sobre vetores que pelos familiares. rótulos e estigmas e que não contribuem para o resgate da autonomia22. Disponível em: Vasconcelos EM. Nascimento E. A escolha e a adoção dos referenciais técnicos abertura de narrativas marcadas pelo sofrimento. ao invés de reproduzir técnicas necessidades de ampliação do acesso das famílias aos grupais descontextualizadas. Amarante P.pdf.doi.26(2):294-300.br/ipq/revista/vol34/n6/270. 2007. Disponível em: http://www2.26(54):207.hcnet. Sobrecarga de 7.usp. A política do Ministério da Janeiro: Fiocruz.crprj. Edinburgh: Scottish Executive. Visam à melhora nas relações Na atualidade. 2007. envolvidos no abuso ou dependência de substâncias psicoativas. aproximação e vínculo entre profissionais. Barroso SM. Estratégias grupais. Mângia EF.br/documentos/noticia2014_070214_02. do estabelecimento de redes de relações solidárias e de Espera-se que este estudo possa subsidiar discussões cuidado. para que se evite a reprodução de técnicas estratégias de cuidado voltadas aos familiares. Rev Psiq Clín. REFERÊNCIAS 1. a partir trabalho em saúde. A importância da família profissionais de saúde e saúde mental.pdf. 2015 maio/ago. Supporting families and carers of familiar e saúde mental. familiares e as necessidades das famílias e a dimensão relacional do usuários.20(3):649-59. 3. Minayo MCS. 2013. Ministério da Saúde.pdf.. organizador. Bandeira M. 2004.Lima HA. doi: http:// org.pucpr. Rio de Janeiro: UFRJ/ no tratamento do uso abusivo de drogas: uma revisão da Ministério da Saúde. Souza MS. Thornicroft G. drug users: a review. The Scottish Government.gov. trabalhadores e 4. Associações entre suporte Interventions Unit). pois respondem às Essa perspectiva. drogas. Cad Saúde Pública. A potencialidade dessas vivência cotidiana com os usuários. Rio de 6.34(6): 270-7. Fortalecem diálogo os saberes das profissões de saúde. Rosa LCS. 299 .scot/Resource/ PA?dd1=2495&dd99=view. As estratégias de apoio e ampliação adotada pelos serviços de saúde mental na atenção aos de rede sócio relacional podem possibilitar a expressão familiares de pessoas com necessidades decorrentes do de sentimentos negativos e ambivalentes associados à uso de substâncias psicoativas. 8.saude.html. Scotland. Manual de ajuda e suporte http://www. mútuos em Saúde Mental para facilitadores.br/bvs/publicacoes/pns_alcool_ comunitária. Barueri: Manole. Schenker M. dx. Tansella M. ofertando suporte social e emocional.gov. In: pública. procurando deslocar crenças que favorecem CONSIDERAÇÕES FINAIS preconceitos. Baptista MN. 2010. Entretanto deve-se ter prudência na montagem nos serviços de saúde mental quanto à montagem de de estratégias. As estratégias psicoeducativas contribuem com descontextualizadas dos serviços e das necessidades de oferta de informações relativas aos múltiplos fatores familiares. Psicol Argum 2008. EIU (Effective 5. a troca e a relevantes. Brasília: Ministério da Saúde. apresentam potencial de cuidado. A família como usuária de serviços e como sujeito familiares de pacientes psiquiátricos atendidos na rede político no processo de reforma psiquiátrica brasileira. o desenvolvimento de estratégias familiares por meio de habilidades sociais. 15. Saúde para a atenção integral a usuários de álcool e outras drogas. 2004. literatura. Rev Ter Ocup Univ São Paulo. Saúde mental e atenção psicossocial. e priorizar a produção de As estratégias grupais dirigidas aos familiares vínculos e autonomia. singularidades dos sujeitos. Disponível em: 2. as diretrizes do estratégias de educação em saúde e promovem Sistema Único de Saúde (SUS) e da Reforma Psiquiátrica. Disponível em: http://www. Brasil. reconstruindo espaços estratégias ao responderem às necessidades de saúde são de sociabilidade que facilitam a interação.1590/S0102-311X2004000300002.org/10.php/ 2002. Doc/47007/0025628. reconhecer as histórias de vida e vulnerabilizam e fragilizam a própria vida dos familiares.br/reol/index. amplia o pensamento serviços e de compreensão sobre uso prejudicial de estratégico do cuidado em Saúde Mental e coloca em substâncias psicoativas e seus tratamentos. pela e teóricos devem ocorrer no contexto de processos vergonha e desorientação que acompanham a história de reflexivos e considerar as necessidades apresentadas vida de familiares. Disponível em: http://www. resolução de psicoeducativas e de apoio e ampliação de rede sócio problemas e condutas de ação nas situações de intoxicação relacional é a principal ancoragem teórica e técnica e agressividade. Boas práticas em saúde mental http://bvsms.

University [editorial]. Onocko R. 2004. 2006. Moreira MSS. para familiares de usuários de drogas. 2006. Gomes GC. sentidos da integralidade na atenção e no cuidado à saúde.php/rbsp/article/viewFile/1384/1020. Oliveira AM. In: Silveira DX. Glasgow: Joseph Rowntree Foundation. org.Lima HA. Jorge MSB. São 14.doi. Sobre revisão narrativa. Merhy EE.org/10. organizadores. 21.16(7):3051-60. Drugs in the family: the impact on parents and 15. Saúde mental no SUS: os centros de seis anos.org/S1415-27622009000100005. 2013. 24. Rev Baiana Saúde mútuos em saúde mental para facilitadores. Disponível em: http://www. Rio de Janeiro: UFRJ/ ibict. A família como 17. Rother ET. 1997. p. 1999. 10. p.1590/S0103-56652009000200008. Estratégias grupais. Tratamento do usuário de maconha e seus familiares: um manual para terapeutas. 2008. 2007. organizador.05. REME Rev Min Enf. São Paulo: corresponsabilização e autonomia. Pinto FJM. Disponível em: http://pepsic. A dependência familiar. Rev Gau Enf.33(2):102-8. Vasconcelos EM. org.. doi: http:// de atenção psicossocial. organizadores.1590/S1983- 14472012000200015. Rio de Janeiro: UFRJ/Ministério da 2004.13(1):34-42. Recebido para publicação: 07.org/10. Braga VAB.doi. profissionais de saúde e saúde mental. 72-77. serviço. familiar em dependência química: uma avaliação sob a 12. Em busca de ferramentas analisadoras das 20. Agir em saúde: um desafio dependências. Seadi SMS.pdf. São Paulo: Atheneu.112. Disponível em: http://www. In: Elkaim 2012. 23. organizadores. Disponível em: http://www.org. 2006.br/documentos/noticia2014_070214_02. Laranjeira R. Grupo de orientação 81232011000800005. Cecílio LCO.48(10):471-8. Oriá MOB. Rev Ter Ocup Univ São Paulo.bvsalud. Pinto AGA. Xavier DM. A terapia multifamiliar no tratamento da dependência química: um estudo retrospectivo 13. doi: http://dx. 27.gov. Moreira FG. doi: http://dx. Pires EKP.ccs. Cecchin G. Promoção da saúde do ciclo de vida familiar.nescon. Dunn J. In: Pinheiro R. 2001. 2015 maio/ago. Manual de ajuda e suporte percepção dos familiares participantes.org/ Saúde. Belo Horizonte. saúde e saúde mental. interrogando e gerindo trabalho em saúde. integrativa e sistemática. 2011.br/agora. 2009. of Glasgow. Quinderé PHD.dx. dx. Jorge MSB.pdf. Atheneu. Mattos RA.br/rbsp/index. 25. M. Moraes LMP. Rev SPAGESP. 2013. 26.saude. Sousa FSP. Brasília: Ministério da Saúde.32(1):58-71. Zanelatto N. acolhimento.1590/S1413. Rio de Janeiro: Escola Nacional de apoio/suporte como estratégia de cuidado: importância de Saúde Pública.21(2):363-78. Acolhimento para familiares de dependentes: um tecnologias em saúde: a informação e o dia a dia de um olhar sistêmico no trabalho com Famílias. Tavares EC. doi: http://dx.5(5):83-8. 2000. trabalhadores e Publica. Sistemas terapêuticos e terapeutas. Oliveira MS. Souza AMA.15 Aceito para publicação: 04. Orientação familiar estruturante na luta pela integralidade e equidade na atenção para dependentes químicos: perfil. Dualib C. org/10. medicina. expectativas e estratégias.pdf. Yasui S. Fiocruz. à saúde. Alvarez SQ. Mângia EF. Panorama atual de drogas e EE.145-6. Maluf TPG. para o público. 2010. Matos MTS. Cien Saúde Coletiva. In: Merhy Moreira FG. As necessidades de saúde como conceito 19. Orientação familiar: uma perspectiva 11. Manual de ajuda e suporte mútuos em saúde http://www. p. 2005. 22. São Paulo: Hucitec.26(2):294-300.org/10. doi: organizador. Cavalcante CM.20(2):v-vi. Grupo psiquiátrica brasileira [Tese]. mental para facilitadores.crprj. mental – tecnologias do cuidado: vínculo. Paulo: Rocca. Apud Rosa LCS. Disponível em: http://www. Rupturas e encontros: desafios da reforma 16.br/desenvolvimento/images/stories/pdf/Orientacao_ Rio de Janeiro: IMS/UERJ/Abrasco.pdf. Disponível em: http://uniad.1590/S0103-21002007000200001. br/documentos/noticia2014_070214_02.doi.crprj. Brasil.ufmg.doi. Revisão sistemática x revisão narrativa siblings. In: Silveira DX. Pillon SC. Figlie NB. Acta Paul Enf. Disponível em: http://inseer. usuária de serviços e como sujeito político no processo Expressão da codependência em familiares de dependentes de reforma psiquiátrica brasileira. 2009. pdf/rspagesp/v5n5/v5n5a15. químicos. trabalhadores e profissionais de 18. Familiar_para_DQ-_J_Bras_Psiq_4810471-478_1999. São Paulo: Summus Editorial.pdf.doi. 9. Psicol Clin. Ministério da Saúde. Panorama atual de drogas e dependências. Os J Bras Psiq. In: Vasconcelos EM. Pinto DM.15 300 . Jungerman FS. Ministério da Saúde.06. 2007. Barnard M. Terapia familiar em transformação.br/saude_mental/ pdf/sm_sus.