You are on page 1of 10

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ÁLGEBRA LINERAR

Luiz Francisco da Cruz – Departamento de Matemática – Unesp/Bauru

EXERCÍCIOS GERAIS

1) Mostrar que, para qualquer escalar k e quaisquer vetores u e v, k (u − v ) = ku − kv .

2) Sejam: X ⊂ ℜ um conjunto não vazio e um corpo K. Mostrar que o conjunto V das funções
definidas em X e tomando valores em K, munido das operações:
(i) (f + g )(x ) = f (x ) + g(x ) , ∀f , g ∈ V , ∀x ∈ X

(ii) (kf )(x ) = kf (x ) , ∀f ∈ V , ∀k ∈ K , ∀x ∈ X

é um espaço vetorial sobre K.

3) Mostrar que o conjunto V = {(a , b) / a , b ∈ ℜ} não é um espaço vetorial sobre ℜ , em relação

a cada uma das operações de adição e multiplicação por escalar em V, definidas a seguir:
(a) (a , b ) + (c , d ) = (a + c , b + d ) e k (a , b) = (ka , b )

(b) (a , b ) + (c , d ) = (a , b ) e k (a , b) = (ka , kb )

(
(c) (a , b ) + (c , d ) = (a + c , b + d ) e k (a , b) = k 2 a , k 2 b )
4) Mostrar que W é subespaço de ℜ3 , em cada um dos casos seguintes:
(a) W = {(a , b ,0) / a , b ∈ ℜ}

(b) W = {(a , b , c ) / a + b + c = 0}

5) Escrever o vetor u = (1,−2 ,5) como combinação linear dos vetores:

v1 = (1,1,1) ; v 2 = (1,2 ,3) ; v 3 = (2 ,−1,1) . R.: u = −6v1 + 3v 2 + 2v 3

6) Seja V o espaço vetorial real das funções f : ℜ → ℜ .

(a) Considerando-se f (t ) = e 2t , g (t ) = t 3 e h(t ) = t , pergunta-se: os vetores {f , g , h} são LI ou

LD? R.: LI

(b) O conjunto {e t
}
, e 2t é LI ou LD? R.: LI

7) Se os vetores u, v e w são LI, mostrar que são LI:
(a) {u + v , u − v , u − 2v + w}

(b) {u , u + v , u + v + w}

8) Demonstrar que: u + v e u − v são LI ⇔ u e v são LI .

9) Considerando-se o espaço vetorial real ℜ 3 , pergunta-se: os vetores v1 = (1,1,0) ;

v 2 = (2 ,1,1) e v 3 = (4 ,3 ,1) são LD ou LI? R.: LD

10) Considerem-se o espaço vetorial complexo C sobre o corpo K e os vetores i e i − 1 .

M3 =   R. (5 .−5 .y .1).1.2).−2 . 11) Seja P3 (ℜ ) o espaço vetorial dos polinômios de grau menor ou igual a 3 com coeficientes reais. v = 2t 3 − 4t 2 + 9t + 5 e w = t 3 − t 2 + 8t + 2 . (3 .−3) . (1.: A = 2M1 − M2 + 2M3  0 − 1 − 1 0  0 0 ( ) 14) Determinar uma base e a dimensão do espaço das soluções S ∗ do sistema linear  x . (b) Mostrar que esses vetores são LI.−1.0).1.−2 . Dim(W ) = 2 (b) Estender a base de W para uma base do ℜ 4 . R.1)} 17) Considere-se o espaço vetorial real P3 (ℜ ) de todos os polinômios com coeficientes reais de grau menor ou igual a 3. demonstrar que essa representação é única.−1). Dim S ∗ = 1( )  z .0 .3). (2 . M2 =   .0 .3} .: não (b) {(1.−3 .5)} R. Determinar as coordenadas do polinômio p(t ) = 1 + 2t − t 3 em relação: . L .7 .t=0 (S ) : 2x + y + t = 0 . (1.−2)} R.−2 .1.0 . se u = a1e1 + a2 e2 + L + an en . en } vetores LI.: base: B = {1.4)} R.1.: não (c) {(1.: {(1.: {(1. (a) Encontrar uma base e a dimensão de W.2  1 1  1 1  1 − 1 M1 =   .2). (2 .3 .−3).5 . (0 . isto é.3).−1.0 .: não 16) Seja W o subespaço do ℜ 4 gerado pelos vetores (1.−3). Se u é combinação linear desses vetores.t=0  15) Verificar se os seguintes conjuntos de vetores formam uma base do ℜ 3 : (a) {(1. INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ÁLGEBRA LINERAR Luiz Francisco da Cruz – Departamento de Matemática – Unesp/Bauru (a) Mostrar que esses vetores são LD. R.1).7 .−5) .1 13) Escrever a matriz A =   como combinação linear das seguintes matrizes: 1 . e2 .2 .: sim (d) {(1.−9 .3 . Verificar se são LI ou LD os vetores: u = t 3 − 3t 2 + 5t + 1 .8 . quando se considera C como um espaço vetorial sobre o corpo K = ℜ .z .: LI 12) Sejam {e1 . (1.3 .−9 .2 .2)} .5).−1. quando se considera C como um espaço vetorial sobre o corpo K = C . R.2 .0).5 . 3 .−4) e (3 .5 . (2 . (0 . (0 .1.1)} R. R. (1. (0 .1.

R. x 2 . x n ) / x1 + 2x 2 = 0} R. V = {(a . INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ÁLGEBRA LINERAR Luiz Francisco da Cruz – Departamento de Matemática – Unesp/Bauru  1    2 (a) à base canônica de P3 (ℜ ) .1 − t 3 } R. L .  0 .0 .1 + i}.  2 3  3   3  20) Encontrar a dimensão e uma base do espaço de soluções do sistema:  x + 2y + 2z . R. b . (− 7 . R. L .: não 22) Demonstrar que W não é subespaço vetorial do espaço vetorial M2 (ℜ ) das matrizes de ordem 2 sobre ℜ . (5.: é soma direta .2)} deste mesmo espaço 1 0  1   2  é   . R.−2 .1.: [z ]B = 2 − 1    2 19) A matriz de mudança de uma base B do ℜ 2 para a base {(1.2 .s + 3t = 0   x + 2y + 3z + s + t = 0 . xn ) / x1 + 2x2 = 1} R.: sim (c) {(x1 . x2 .: [p(t )]C = 0    − 1    2   { (b) à base B = 1. x 2 .1)} 3x + 6y + 8z + s + 5t = 0  21) Determinar quais subconjuntos de ℜn são subespaços: (a) {( (x1 . c ) / c ∈ ℜ} subespaços do ℜ 3 . (0 . 23) Sejam U = {(a . c ) / a + b + c = 0} .0). c ) / a − c = 0} W = {(0 . Demonstrar que são verdadeiras as somas abaixo.0 . (b) W consiste de todas as matrizes A para as quais A2 = A .1 − t 2 .0 .0 .: {(− 2 . onde: (a) W consiste de todas as matrizes cujo determinante é nulo. b .: é soma direta (c) ℜ 3 = V + W R. x n ) / x1 ≥ 0} R.: [p(t )]B  − 2 = 0    1   18) Seja C o espaço vetorial complexo sobre o corpo K = ℜ .0).1).L .: não (b) {(x1 .−  . Quando a soma é direta? (a) ℜ 3 = U + V R. Determinar a base B.1.: não é soma direta (b) ℜ 3 = U + W R.1 − t .0 . Determinar as coordenadas do  3   vetor z = 1 − 2i em relação à base B = {1 − i .: B = 1.

−4 . (1.1. (0 .: [u ]C =  1   4    1   (b) B = {(1.1)} .0 . Mostrar que os conjuntos 1.−1.−1.3 .0 .0).2 . base de U + W : {(1.2 .3)] subconjuntos do ℜ 4 .−1.0 . (0 .1).−3 .−1)] . c .1.: dim(M ) = 2 .3 − 3 } geram o mesmo subespaço de ℜ .0).0).−1. d / b + c + d = 0} e W = {(a .0). (0 .0). (0 .0 . base: {(0 . (0 .0).−1)} R.0). dim(U ) = 3 . 4 + 2. U +W e U ∩W. b . (1.1.0).−1.4)] . R. 28) Considere-se o corpo ℜ dos números reais como espaço vetorial sobre o corpo Q dos números racionais.0 .1. Sejam: W1 = {p(x ) ∈ Pn (ℜ ) / p(1) = 0} e W2 = {p(x ) ∈ Pn (ℜ ) / p(2) = 0} .1).1)} .0).: [u]B =  2   − 1   1 -1  31) Determinar as coordenadas da matriz   ∈ M2 (ℜ ) em relação à base: 2 0  .6 )] e W = [(1.1)} . (− 1.3).0). dim(W ) = 2 . dim(U ∩ W ) = 1 30) Determinar as coordenadas do vetor u = (2 .1. d ) / a + d = 0 e c = 2d}. b .1.0 .0 . c . 26) Sejam V = [(1.1)}.0). (0 .0 . (1. 27) Considere-se o espaço vetorial Pn (ℜ ) dos polinômios de grau menor ou igual a n com coeficientes reais.2 .0 .1.2 . base de U ∩ W : {(− 1.0 .0). base de W: {(0 . Determinar W1 ∩ W2 e W1 + W2 . R.0 .1.4)} 25) Mostrar que: [(1. (1. (1.1.2 .3. INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ÁLGEBRA LINERAR Luiz Francisco da Cruz – Departamento de Matemática – Unesp/Bauru 24) Seja M ⊂ ℜ 4 tal que M = [(1.1.−1. 2 . (2 . W.0 .0 .3). Mostrar que V e W geram o mesmo subespaço.1.: base de U: {(1.4) ∈ ℜ 3 em relação às bases: 2    (a) canônica R. Calcular uma base e a dimensão dos subespaços: U.1.4 . 3 { } e {2 − 2 .0 .1).0 . (0 .1.3 .1. (1. (− 4 .0 .1.2 .1)] = [(2 .0 .2 .1. (0 .0 .0 . dim(U + W ) = 4 . 29) Considerem-se os seguintes subespaços do ℜ4 : U = {a . Calcular a dimensão de M e determinar uma base do ℜ 4 que contenha uma base de M.

e2 .1) = 3 e T (0 . INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ÁLGEBRA LINERAR Luiz Francisco da Cruz – Departamento de Matemática – Unesp/Bauru  1   1 0 0 1  0 0 0 0   − 1 B =  . t ) = (x − y + z + t . relacionadas da seguinte forma: g1 = e1 + e3  g2 = 2e1 + e2 + e3 .: [M ] 3 B do ℜ .1.0).   R.1). y . x + y + 3z − t ) . y ) .: sim (b) T : ℜ 3 → ℜ . definida por T (x . z .: sim (c) T : ℜ 2 → ℜ .  .1. Encontrar uma base e a dimensão de: (a) Im(T ) R.0 .: [p( (t )]B =  5   0 1  0 0   2 0  1 2   4 − 1   2 32) Determinar a matriz de mudança da base B = {(1.: não 36) Seja T : ℜ 2 → ℜ a transformação linear tal que T (1. y ) = (x + y .: base: B = {(1. y .1.0 . g3 } do ℜ 3 . z ) = 2 x − 3y + 4z R. (0 . Determinar a expressão de T (x . x + 2 z − t .0). Determinar a base C.: [M ]C = P =  0 1 2  . dim(Im(T )) = 3 .  .1 + 3t } 35) Verificar quais das aplicações abaixo são transformações lineares: (a) T : ℜ 2 → ℜ 2 .3)} para a base canônica  1 0 0   R.: T (x . R. g = e + 2e + e  3 1 2 3 Determinar a matriz de mudança da base B para C e de C para B. y ) = xy R. (0 .1) = 2 .2)} .1. (0 . 1 − 1  R. 1 2 1 − 1 − 1 3    2 2 2 R. A matriz de mudança da base B = {1 + t . C =  − 1 1 0    0 0 1  3 33) Considerem-se as bases B = {e1 .2).1 − t } para uma base C desse 1 2 espaço é   . g2 . definida por T (x . [M ]B = P −1 =  1 0 − 1 B C 1 1 1     − 1 1 1  2 2 2 34) Considere-se o espaço vetorial P1 (ℜ ) dos polinômios de grau menor ou igual a 2 com coeficientes reais. definida por T (x . (0 . y ) = x + 2y 37) Seja T : ℜ 4 → ℜ 3 a transformação linear definida por: T (x . x ) R.: C = {2 . e3 } e C = {g1 .

1. dim(Ker (T )) = 1 40) Determinar uma transformação linear T : ℜ 4 → ℜ 3 cujo núcleo é gerado pelos vetores (1. se possível. y .: base: B = {(3 . y ) .1. z ) = (− x + 5y . z ) = (3x − y . R.2) .1. y . y ) = (x − y .2 x ) (b) F o G R.: (G o F )(x . y .: G 2 (x . y . y ) = (x .0)} .0) (d) F 2 ( ) R. t ) = (0 . y . dim(Im(T )) = 2 (b) Ker (T ) R. INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ÁLGEBRA LINERAR Luiz Francisco da Cruz – Departamento de Matemática – Unesp/Bauru (b) Ker (T ) R.6) .: (F o G )(x . y + z . x ) e G (x . y . F o G não está definida 44) Sejam F : ℜ 2 → ℜ 2 e G : ℜ 2 → ℜ 2 transformações lineares definidas por: F (x . y ) = (5x − 2y . Determinar. z ) = (x + y . z ) = (6 x .: T (x .0 .1) = (2 . z ) = (2 x . z ) = (y + z . x + y − 2 z ) .−1)} .3) e (4 .0) . Encontrar uma base e a dimensão de: (a) Im(T ) R. z ) = (x + 4y .1) .3y + 3z ) (c) 2F − 5G R. y + z ) e G (x . as expressões de: (a) 2F + 3G R.0 . y .−1) = (1.: T (x .: base: B = {(− 2 . Determinar. x − y ) (e) G 2 ( ) R. y .1)} .−3y + 2 z ) 43) Sejam F : ℜ 3 → ℜ 2 e G : ℜ 2 → ℜ 2 transformações lineares definidas por: F (x . T (1. (0 .2 x + 5y . y ) = (x − y . x ) (c) G o F R.: (3F )(x .: T (x .: (G o F )(x .1) e T (1. R.1. R.2 . y . z ) = (2 x .1).0 .− x + y + z ) 41) Determinar uma transformação linear T : ℜ 3 → ℜ 3 cuja imagem é gerada pelos vetores (1.5 .0) .1.2 x ) . z ) = (x − y . y ) = (x . x ) .3x + 6y ) 42) Sejam F : ℜ 3 → ℜ 2 e G : ℜ 3 → ℜ 2 transformações lineares definidas por: F (x .− x − y + z .3. z . z ) = (x + 2y − z .: (2F + 3G )(x . y ) = (− y .2 .: (2F − 5G )(x . as expressões de: F o G e G o F . y .−1.1) = (1. se possível. y .: base: B = {(1.−1. y + z ) e G (x . y + z ) 39) Seja T : ℜ 3 → ℜ 3 o operador linear definido por: T (x . R.: F 2 (x .: (F + G )(x .2y + z ) (b) 3F R.4) e (0 .−1) . y ) = (x . dim(Ker (T )) = 1 38) Determinar a expressão da transformação linear T : ℜ 3 → ℜ 2 tal que: T (1. Encontrar as expressões que definem as transformações: (a) F + G R. y ) = (y .

x + 5y ) . R.−1)} é 1 0  3 − 2   . y ) = (2 x .: base: B =  . y ) = (x + y .: T (x . Encontrar uma base e a dimensão de: 1 0   0 1 (a) Ker (T ) R. INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ÁLGEBRA LINERAR Luiz Francisco da Cruz – Departamento de Matemática – Unesp/Bauru 45) Determinar a representação matricial de cada um dos seguintes operadores do ℜ 2 . (1. 3 3    1 1   R. base canônica do ℜ 2 R. y ) = (3x − 4y . y + 4 z . z ) = (x + 3y + 14 z . (2 . y ) .   .− x + 2y . dim(Im(T )) = 2  − 2 0   0 − 2  50) Mostrar.1). z ) . R.1). que o operador linear T : ℜ 3 → ℜ 3 é inversível e determinar uma expressão para T −1 : (a) T (x .: [T ]C =   0 5  − 2 3  48) Sejam F : ℜ2 → ℜ3 e G : ℜ2 → ℜ3 transformações lineares tais que F (x . y . Sejam:  1 − 1 M =   um elemento desse espaço e T : M2 (ℜ ) → M2 (ℜ ) a transformação linear − 2 2  definida por T (A) = MA . dim(Ker (T )) = 2 1 0   0 1  1 0  0 1 (b) Im(T ) R. y .3y − x ) . Determinar a matriz de T em relação à base canônica do ℜ 2 .2y ) e que a matriz de F + G em relação às bases canônicas do ℜ 2 e ℜ 3 é 2 1    0 1  .: [T ]B =    − 21 − 29  46) Determinar o operador linear T : ℜ 2 → ℜ 2 cuja matriz em relação à base B = {(1. z ) R.3x + y )  3 1   49) Considere-se o espaço vetorial M2 (ℜ ) das matrizes de ordem 2 sobre ℜ . (1.: [T ]C =    − 1 3  37 52  (b) T (x .3)} R.: base: B =   .2 x + y ) 1 2  47) Seja T o operador linear T : ℜ 2 → ℜ 2 cuja matriz em relação à base B = {(1. ∀A ∈ M2 (ℜ ) . em cada caso. y ) = (x .: [G ] =  − 1 2  . z ) = (x − 3y − 2 z .2)} é 1 0  .2).: T −1 (x . y − 4 z . base B = {(1. y ) = (2 x . em relação às bases indicadas:  2 0 (a) T (x . Determinar a matriz de G em relação a essas bases e a expressão da G (x .   . x − y . G (x .

λ2 = 4 .0 .: P =  2 2   0 0   0 0   − 1 0   0 3   0 −1 0    0 1 1  3 3 54) Sejam B = {e1 .0 . R. definido por: T (x .0) = (1.  8 11 R. y − 4 z .   2 2  51) Determinar quais dos operadores lineares T : ℜ 3 → ℜ 3 são automorfismos: (a) T (x . Se C = {f1 .1 + t .1) e T (0 .−1) . x − y .1. z ) = (x + z . y . INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ÁLGEBRA LINERAR Luiz Francisco da Cruz – Departamento de Matemática – Unesp/Bauru x + y x −y (b) T (x .2y + 3z ) R. . y .: λ1 = 2 .1 55) Encontrar todos os autovalores e uma base para cada um dos autoespaços seguintes: (a) T : ℜ 2 → ℜ 2 .   4 2  ( a 53) Seja T : P2 (ℜ ) → M2 (ℜ ) tal que T ao + a1t + a2 t 2 =  0 ) a0 + a1   .0) = (1. (0 .2)} 56) Para cada matriz abaixo.−1)} . z ) R. base de V (λ1 ) : B1 = {(1.1) . .:   .0). z ) = (x + y + z .: sim 52) Considere-se o operador linear T : ℜ 3 → ℜ 3 satisfazendo as seguintes condições: T (1. v 2 = (1.2 x + y − z ) R.  3x − 4y + z − x + z  R. y .1)} (b) T : ℜ 3 → ℜ 3 .   do espaço M2 (ℜ ) . z ) =  y . y .1) 1 3  . encontrar a matriz de T em relação à base C.1)} .2) = (0 . z.−1.2 . y ) R. determinar o isomorfismo inverso.: sim (b) T (x . λ2 = 4 .: λ1 = 1 . y ) = (3x + 3y . y . z ) =  . definido por: T (x . encontrar todos os autovalores e os autovetores: 2 2 (a)   R. λ2 = 6 .2y + z . T (0 . Determinar a matriz de a1 + a2   a1 T em relação à base {1. base de V (λ2 ) : B2 = {(1. z ) = (x − 3y − 2 z .: sim. f2 } é uma base de V para a qual se têm f1 = e1 + e2 e f2 = 2e1 + 3e2 . x + 5y ) R.0 .: λ1 = 1 .0 .1.2 + t } 2 do espaço P2 (ℜ ) e à base − 1 −1 − 1  2 2  − 2 1  0 1  0 0   0 0   3 5 3  . z ) = (x .1. base de V (λ1 ) : B1 = {(3 . . e2 } uma base do espaço vetorial V e T : V → V o operador linear para o qual se têm: T (e1 ) = 3e1 − 2e2 e T (e2 ) = e1 + 4e2 . base de V (λ2 ) : B2 = {(1. v1 = (2 .4) . x − z .1.: T −1 (x . T −1 (x . y . Pergunta-se: T é um isomorfismo? Caso seja.

v1 = (1. cuja base canônica é C =  .−1. ou  0 4 0  ou  0 1 0  L 0 0 4 0 0 2 0 0 4       (b) T (a0 + a1t ) = (8a0 − 6a1 ) + (9a0 − 7a1 )t  2 0 − 1 0 R.: λ1 = 2 . [T ]B =   ou    0 − 1   0 2  59) Considere-se o operador linear T : M2 (TS ) → M2 (TS ) . x + 2y − z . INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ÁLGEBRA LINERAR Luiz Francisco da Cruz – Departamento de Matemática – Unesp/Bauru 3 1 1   (b)  2 4 2  R.   4 4  . [T ]B = 0 2 0  ou  0 − 2 0  ou  0 1 0 L  0 0 − 2   0 0 2   0 0 − 2      6 x − y 2 x + 3y  (b) T (x .1) 1 1 3    − 9 4 4   57) Mostrar que o operador linear T : ℜ 3 → ℜ 3 cuja matriz é dada por  − 8 3 4  é  − 16 8 7    − 1 0 0   diagonalizável e exibir sua matriz na forma diagonal. Exibir a matriz dos que forem diagonalizáveis em relação à base de autovetores. 3 0 0 1 0 0     R.: é diagonalizável. y ) =  .: é diagonalizável.  . [T ]B =  0 3 0  ou  0 3 0  0 0 1 0 0 3     60) Verificar quais dos operadores lineares abaixo é diagonalizável. x + y − z . y . onde M2 (TS ) é o espaço vetorial das  1 0   0 1   0 0  matrizes triangulares superiores de ordem 2. λ2 = 6 .: é diagonalizável. v 3 = (1.−1) . R. z ) = (x + y + z . [T ]B =  0 2 0  . Exibir a matriz dos que forem diagonalizáveis em relação à base de autovetores. (a) T (x . 2 x + 3z ) 1 0 0 1 0 0 2 0 0        R.: é diagonalizável. x − y − z )  1 0 0  1 0 0  2 0 0       R.:  0 − 1 0  0 0 3   58) Verificar quais dos operadores lineares abaixo é diagonalizável. y . (a) T (x .2 .  0 0   0 0   0 1   a b   3a 3b  Mostrar que o operador linear T   =   é diagonalizável e exibir sua matriz  0 c   0 − a + 3b + c  em relação à base de autovetores.0) e v 2 = (1. . z ) = (2 x + z .0 .

x + 2y − z . z ) = (x + 2y + 3z .: é diagonalizável. y . z ) = (4 x − y − z . 2 x + y + 2 z . [T ]B =  0 2 0  ou  0 2 0  0 0 2 0 0 1     . 3x + 3y + z ) 6 0 0 6 0 0 − 2 0 0       R. y . INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ÁLGEBRA LINERAR Luiz Francisco da Cruz – Departamento de Matemática – Unesp/Bauru 5 0   1 0 R.: não é diagonalizável (d) T (x . y + z ) R.: é diagonalizável. [T ]B =  0 − 1 0  ou  0 − 2 0  ou  0 − 1 0  L 0 0 − 2  0 0 − 1  0 0 6     ( ) (e) T a0 + a1t + a2 t 2 = (a0 + a1 + a2 ) + (a0 + a1 − a2 )t + (− a0 + a1 + 3a2 )t 2 1 0 0 2 0 0     R. [T ]B =  4 ou   0 1 0 5    4 (c) T (x .: é diagonalizável.