You are on page 1of 140

AS VANGUARDAS EUROPEIAS

O SÉCULO XX

Pablo Picasso & Salvador Dali

AS ORIGENS
• Ao se iniciarem os anos de 1900, a Europa
apresentava duas situações antagônicas, mas
complementares: euforia exagerada diante
do progresso industrial e dos avanços
técnico-científicos e as consequências desse
avanço no processo burguês-industrial: uma
disputa cada vez mais acirrada pelo domínio
dos mercados fornecedores e consumidores,
que resultaria na 1ª Guerra Mundial.

• Assim, contrastando com o clima
eufórico da burguesia, também vamos
encontrar o pessimismo característico
do fim de século, representado, por
exemplo, pelo decadentismo simbolista.
Essa contradição gera um clima propício
para a efervescência artística,
favorecendo o aparecimento de várias
tendências preocupadas com uma nova
interpretação da realidade.

. ou seja. durante a guerra e nos anos imediatamente anteriores e posteriores. escritos entre 1909 e 1924. responsável por uma verdadeira inundação de manifestos.• A essa multiplicidade de tendências – Futurismo – Expressionismo – Cubismo – Dadaísmo – Surrealismo -. convencionou-se chamar Vanguarda Europeia.

Surgimento do cinematógrafo. 3. Euforia burguesa pelo advento da Era da Máquina. Características do período 1. à velocidade e aos confortos proporcionados pela tecnologia. 4. 2. . do automóvel e das máquinas voadoras. Belle Époque (Declínio). Culto ao progresso.

I Grande Guerra Mundial (1914-1918). Declínio dos valores e falência dos ideais. Desilusão. CONTEXTO HISTÓRICO 1. 4. desencanto. 5. . 2. Descrédito das antigas “certezas” científicas e religiosas. Ruína econômica dos países europeus. perplexidade. 3.

“A morte de Deus” e a filosofia de Friedrich Nietzsche ganham espaço. A arte acompanha o colapso do mundo burguês e reflete a tensão do momento. Psicanálise (o inconsciente). 2. INTELECTUALIDADE 1. de Sigmund Freud. de Henry Bergson. Intuicionismo (fonte do conhecimento). . 4. 3.

e fundador da psicanálise. 1939). . judeu.• Sigmund Freud (Viena.1856 – Londres. médico austríaco.

Freud apresentou ao mundo o inconsciente e explorou a mente humana. estudou histeria. . Sigmund Freud ficou conhecido como um dos maiores pensadores do século XX e o pai de muitas das teorias psicanalistas aplicadas atualmente. desenvolveu uma teoria de personalidade. entre tantos trabalhos. neuroses e sonhos.• Médico neurologista e fundador da psicanálise. Freud explorou a psique.

. ou seja. No entanto. com o prosseguimento de seus estudos. que diz respeito ao fato de que nosso psiquismo é movido por forças em conflitos. e novamente presente no outro. muitas ideias permanecem presentes na mente. embora estejam latentes na consciência. O estudo do inconsciente – FREUD • O termo inconsciente foi primeiramente compreendido por Freud como um elemento psíquico que se encontra presente na consciência e pode se tornar ausente no momento seguinte. Freud foi levado a considerar o sentido dinâmico do termo inconsciente.

com conteúdos em conflito com a consciência. e responsável não só pelos sintomas.• O inconsciente dinâmico. tal como Freud o compreende corresponde a uma ação permanente. mas pelo próprio funcionamento do aparelho psíquico. Com a investigação sobre o funcionamento dos sonhos (A interpretação dos sonhos). . Freud pode compreender de forma mais abrangente o funcionamento da mente e dos processos conscientes e inconscientes.

de origem irlandesa. Henri Bergson (1859–1941) foi um dos maiores expoentes da revolta contra as doutrinas materialistas e mecanicistas. . que dominaram a cultura européia na segunda metade do século XIX. pensador e literato.• Francês.

de Bergson. é bem antigo na história da filosofia no Ocidente.• O Intuicionismo. apresenta a realidade como algo de estático e imutável. enquanto o conhecimento. e o élan vital (a energia da vida). Segundo Bergson. a apreensão pela intuição estabelece uma comunicação direta entre o "eu profundo" (que muda continuamente) e a interioridade dinâmica das coisas. As verdades humanas. . que opõe o conhecimento direto e imediato da realidade ao pensamento analítico e reflexivo. O conceito de "intuição". ao tempo e ao espaço. mas relativos ao sujeito. através de conceitos. não têm valores absolutos. está intimamente ligado à noção de durée (duração). portanto.

mas rompeu com o cristianismo em 1865. Foi um dos filósofos mais extraordinários do mundo moderno. em uma família de pastores luteranos. . Teve rigorosa formação religiosa.• Friedrich Nietzsche (1844 – 1900) nasceu na Alemanha.

seu personagem principal. essa suposta carga negativista e pessimista que se verifica nos seus escritos. Zaratustra. Em Assim falou Zaratustra. não pode ser identificado como um filósofo portador de um discurso periculoso e trágico. proclama a falência da civilização e a aurora de uma nova era. Nietzsche destaca a necessidade do anúncio do super-homem. Nele. como um manifesto de reivindicação e de superação da condição existencial humana. em seu filosofar. em quase todas as suas abordagens. . Pelo contrário. É o anúncio de que o homem deve superar a si mesmo. à sua potencialidade negada. ressoam.• Nietzsche.

o divino não é uma coisa separada do homem. que. isto é. ao nada. segundo Nietzsche. que vivia enclausurado no seu pessimismo e ilusão. seria um “ponto” na vontade de poder. entendido como ato de abertura para o nada ou para o sagrado. o novo pretende ser substituto daquele. mas o divino e o humano se encontram no ato contínuo e ininterrupto de superação do objeto conhecido e. Sendo assim. O superar típico do super-homem. . na consciência do não- poder em relação ao não-objeto. tampouco uma realidade para fora de si e que tem poder de manipulação.• Procurando sacudir o velho homem. nada mais é do que a própria vontade de poder. O super-homem como superação implica a dimensão do divino. por conseguinte.

.• Desta forma. a segurança na raiz metafísica leva o homem a absorver convicção e segurança. levando-o a ver Deus como objeto último de sua esperança. pois ela acentua a natureza do medo e da dramaticidade existencial. visto que pensar na sua ausência assinalaria o declínio da esperança e o estabelecimento da incerteza. Nessa linha. é revertida a concepção metafísica do conhecer como esperança e a de Deus como causa última de segurança. Para Nietzsche. sedimentado em terreno metafísico. donde provêm a sua fé e a sua verdade absoluta. seria catastrófico para o homem. ouvir a proclamação da morte de Deus.

Não pretende ser a disseminação do ateísmo. A morte de Deus. não se trata de propagar ideias anti-teístas. representa o fim e o declínio da formulação do Deus que a metafísica clássica ocidental construiu: o de ser absoluto e supremo. portanto.• O anúncio da morte de Deus. . Mas em erigir um novo conceito sobre o homem e sobre Deus. Como resultado disso. alguém deveria ocupar o seu lugar – o próprio homem. para Nietzsche. Quer dizer que a ideia do Deus do cristianismo deveria morrer na consciência do ser humano enquanto mantenedor do sistema tradicional de valores.

• Enfocam a euforia e o pessimismo. • Defesa da interdependência das linguagens artísticas. Características Gerais • Fundação da modernidade: novas linguagens e temáticas. • Irracionalismo. • Negação do academicismo. • Crítica às convenções burguesas. . • Negação das formas fixas.

. designa aqueles que estão à frente de seu tempo. a palavra significa “o que marcha na frente” (termo militar). A origem do termo • Vanguarda: do francês avant-garde. No campo das artes e das ideias. Artística ou politicamente. se chama de vanguardas aos grupos ou correntes que apresentam uma proposta e/ou uma prática inovadora.

não ser compreendido. . Ideologia estética das Vanguardas • Os artistas das Vanguardas abandonaram o otimismo positivista do final do século XIX e deslocaram o sentido de sua produção para a negatividade. tornar os incompatíveis híbridos. superar. desordenar. chocar. a sociedade e o conceito iluminista de humanidade. abrir mão da beleza. misturar. deformar. abolir. inverter. desequilibrar. criticando a razão. Para o artista vanguardista produzir foi necessário destruir. ser ilógico. desintegrar.

.. Os Manifestos de Vanguarda expressão tais afirmações: • “Porque a arte não pode ser senão violência.) não existe mais história (. .. (Manifesto da Poesia Expressionista de 1918).) das convenções”.” (Manifesto Futurista de 1909). crueldade e injustiça. • “Não existe mais a cadeia dos fatos (.• Os artistas de vanguarda adotam uma posição antitética em relação à sociedade que vivenciaram..

negativo. limpar. a executar. • “Ausência de todo controle exercido pela razão.” (Manifesto DADÁ de 1918). fora de qualquer preocupação estética ou moral”. Varrer. (Manifesto do Surrealismo de 1924). .• “Que cada homem grite: há um grande trabalho destrutivo.

. de Pablo Picasso. O CUBISMO “Les demoiselles d`Avignon”.

o pintor cubista rompeu com a visão renascentista (clássica) de seres e objetos. vistas de vários ângulos e remontadas em sofisticada composição. foi uma obra decisiva da pintura moderna.• “Les demoiselles d`Avignon”. de Pablo Picasso. predominante há quatro séculos na pintura ocidental. Por meio dessas figuras femininas. .

em 1907. influenciado pela arte primitiva e pelas máscaras africanas. onde as formas reais. naturalmente arredondadas. de Pablo Picasso. com a tela Les Demoiselles d''Avignon. deram espaço a figuras geométricas perfeitamente trabalhadas. O CUBISMO • O marco inicial do Cubismo ocorreu em Paris. . Nesta obra. o artista espanhol retratou a nudez feminina de uma forma inusitada.

O primeiro núcleo de pintores cubistas foi composto pelo encontro de Georges Braque e Pablo Picasso. em 1908 (Paris). davam a impressão de cubos. imitados em seguida por Mondrian. O CUBISMO • O termo “cubismo” surgiu a partir da exposição de Braque. O movimento conheceu seu declínio com o fim da Primeira Guerra Mundial (1918) . Seus quadros apresentavam objetos que. Juan Gris. observados de diversos ângulos. Férnand Léger. Picabia.

Pablo Picasso (1881-1973) .

Obras de Picasso .

surgiu a inspiração para pintar a mais terrível e genial das suas obras.• A tragédia de Guernica chegou ao pintor. em maio de 1937. quando os jornais publicaram fotografias do bombardeamento da aldeia. Da tragédia. . Picasso sentiu-se profundamente tocado pelo derramamento de sangue do povo basco.

pintado a óleo. . o artista criou 45 estudos preliminares. a obra era um tenaz registro daquele momento tétrico da história espanhola (Guerra Civil).50 m x 7. menos de dois meses após o bombardeamento. cinza e branca. ao qual chamou “Guernica”. com imagens sombrias. nas cores preta. O painel trazia uma carga emotiva que inquietava as pessoas. rompendo com qualquer efusão lírica.82 m. resultando num painel de 3. Exposta pela primeira vez a 4 de junho de 1937.• Fechado no seu atelier de Paris.

Georges Braque (1882 – 1963) .

Obras de Braque .

Passaram a representar os objetos com todas as suas partes num mesmo plano. os cubistas foram mais longe do que Cézanne. pois para ele a pintura deveria tratar as formas da natureza como se fossem cones. esferas e cilindros. . Entretanto.• Historicamente o Cubismo originou-se na obra de Cézanne.

os objetos parecem estar abertos como se apresentassem todos os seus lados no plano frontal em relação ao espectador. . O CUBISMO • Na arte cubista. Na verdade. essa atitude de decompor os objetos não tinha nenhum compromisso de fidelidade com a aparência real das coisas.

paradoxalmente. O CUBISMO • Ou seja. através da percepção. o culto do objeto vai conduzir a destruição do real: . enquanto o Impressionismo procurava apreender a realidade “tal como a vemos”. Mas. o Cubismo tenta apresentar a realidade “tal como ela é”.

O CUBISMO a análise e a decomposição sistemática do objeto. no afã de captar a estrutura profunda das coisas. do Cubismo ao Abstracionismo (a completa ausência de figurativismo). . afastam a arte da verdadeira aparência. Portanto. desarticulando a forma e reduzindo-a a elementos puramente geométricos. o passo é breve.

Buscam novas experiências com a perspectiva. de tal forma que o espectador. os pintores cubistas opõem-se à objetividade e à linearidade da arte renascentista e da realista. que se interceptam e se sucedem. com espaços múltiplos e descontínuos. como se estivesse dado uma volta em torno deles. procuram decompor e recompor os objetos representados em diferentes planos geométricos e ângulos retos. de face e de perfil. possa remontá-los e ter uma visão do todo. . com o seu olhar.• Enfim.

reunir assuntos aparentemente sem nexo. tecidos. espaços e tempos diferentes. que consiste em montar a obra a partir de diferentes materiais. misturar assuntos. jornais. A técnica da colagem • Outra técnica introduzida pelos cubistas é a COLAGEM. essas técnicas da pintura correspondem à fragmentação da realidade. • Na LITERATURA. à superposição e simultaneidade de planos – por exemplo. como figuras. etc. . madeira.

Quadro Jeune fille endormie. simultaneidade. linguagem predominantemente nominal. jovem amante do pintor espanhol Pablo Picasso. . antiintelectualismo. humor. instantaneísmo.• Características cubistas na literatura: o ilogismo. que retrata Marie Thérèse Walter.

Oswald de Andrade Foguetes pipocam o céu quando em quando Há uma moça magra que entrou no cinema Vestida pela última fita Conversas no jardim onde crescem bancos Sapos Olha A iluminação é de hulha branca Mamães estão chamando A orquestra rabecoa na mata .Cidade.

teve como alvo decompor a realidade para estabelecer composições livres no espaço da página. Apollinaire. As experiências visuais do poeta Guillaume Apollinaire (amigo íntimo de Picasso). . Apollinaire e seus caligramas • O Cubismo literário. a exemplo da pintura. nas décadas de 1950-60. influenciaria o surgimento do Concretismo no Brasil. criou um amplo espectro de disposições gráficas para seus versos. que explorou a disposição espacial e gráfica do poema – técnica que. com seus caligramas.

. de Guillaume Apollinaire • “A pomba apunhalada e o jato d`água” CALIGRAMA = Texto que dispõe tipograficamente as suas palavras de forma a obter uma sugestão figurativa semelhante ao tema tratado. “La colombe poignardée et le jet d`eau”.

.

1947 • Doces figuras apunhaladas – Caros lábios em flor – Mia Mareye – Yette Lorie – Annie e você Marie – onde estão . Tradução do poema de Apollinaire por Patrícia Galvão (Pagu) .vocês ó – meninas – Mas – junto a um – jacto de água que – chora e que suplica – esta pomba se extasia – Todas as recordações de outrora? – Onde estão Raynal Billy Dalize – Os meus amigos foram para a guerra – Os seus nomes se melancolizam – Esguicham para o firmamento – .

.Como os passos numa igreja – E os seus olhares na água parada – Onde está Crémnitz que se alistou – Morrem melancolicamente – Pode ser que já estejam mortos – Onde estão Braque e Max Jacob – Minha alma está cheia de lembranças – Derain de olhos cinzentos como a aurora – O jacto de água chora sobre a minha pena – Os que partiram para a guerra ao norte se batem agora – A noite cai o sangrento mar – Jardins onde sangra abundantemente o louro rosa flor guerreira.• .

Na Literatura Modernista Brasileira • Entre os modernistas brasileiros da década de 1920 = Influências Cubistas em Oswald de Andrade (fragmentação da realidade + predominância de substantivos + flashes cinematográficos): • Hípica • Saltos records/Cavalos da Penha/Correm jóqueis de Higienópolis/Os magnatas/As meninas/E a orquestra toca/Chá/Na sala de cocktails. .

No entanto. timidamente. nas pinturas de Anita Malfatti que recebeu duras críticas do escritor Monteiro Lobato. Malfatti impôs seu estilo (cubista e expressionista) com várias obras. o Cubismo manifestou-se. . O Cubismo na pintura Modernista do Brasil • No Brasil.

revolucionou a arte no Brasil. .Outra artista que utilizou o estilo cubista em algumas de suas obras foi a artista Tarsila do Amaral. Outro artista brasileiro que utilizou a estética cubista foi Di Cavalcanti. com sua obra. claramente influenciado por Picasso. que.

O FUTURISMO Dinamismo de um cão na coleira. de Giacomo Balla .

do Manifesto Futurista. Muito mais do que por obras. do poeta italiano Filippo Tommasio Marinetti (1876-1944). o movimento futurista difunde-se por meio de manifestos (mais de 30) e conferências. no jornal francês Le Figaro. que surpreende os meios culturais europeus pelo caráter violento e radical de suas propostas. .• O Futurismo foi um movimento artístico e literário iniciado oficialmente em 1909 com a publicação. tendo sempre à frente a figura de seu líder. Marinetti.

• O FUTURISMO rejeita o moralismo e o passado. A palavra chave desse movimento é “dinamismo” e sua principal contribuição foi a ideia de reunir visualmente: som. baseado na velocidade. Agressivo e extravagante. O apego do futurismo ao novo é tão grande que chega a defender a destruição de museus e de cidades antigas. . exalta a violência e propõe um novo tipo de beleza. luz e movimento. encara a guerra como forma de higienizar o mundo.

Glorifica-se a audácia. • A celebração da técnica e da velocidade. Aspectos relevantes do Futurismo: • Total identificação entre o movimento e seu líder: Futurismo = Marinetti. a tecnologia. a energia. • A adesão de Marinetti ao fascismo de Mussolini (1919). . e todo o dinamismo da vida moderna. o amor ao perigo. o automóvel. a guerra. dadas as evidentes afinidades ideológicas entre eles.

na arte. • Elementos artísticos sugestivos de velocidade e mecanização da vida moderna.• O desprezo pelo passado. . do imprevisto e da revolta. a valorização. • Elogio do “caráter higiênico das guerras”.

“Manifesto futurista” 1909 MARINETTI .

• 1. a audácia e a revolta. Os elementos essenciais de nossa poesia serão a coragem. Nós declaramos que o esplendor do mundo se enriqueceu com uma beleza nova: a beleza da velocidade. • 2. . Nós queremos cantar o amor ao perigo. o hábito à energia e à temeridade. • 3.

o gesto destruidor dos anarquistas. o patriotismo.• 4. Nada de obra-prima sem um caráter agressivo. o feminismo e todas as covardias oportunistas e utilitárias. as bibliotecas. . Não há mais beleza senão na luta. Nós queremos glorificar a guerra – única higiene do mundo – o militarismo. • 6. e o menosprezo à mulher. • 5. combater o moralismo. Nós queremos demolir os museus. as belas ideias que matam.

.Manifesto Técnico da Literatura Futurista (1912) Projeto estético renovador. Maior importância do movimento. Linguagem jovem e contestadora das convenções. Revolução na linguagem (literária).

<) e pelos sinais musicais. A destruição da sintaxe e a disposição das “palavras em liberdade”.1. =. 4. >. . mulher-golfo) em lugar do substantivo acompanhado de adjetivo. com vistas à substantivação da linguagem. O emprego do substantivo duplo (praça-funil. 5. . 6. A abolição dos adjetivos e dos advérbios. O emprego de verbos no infinitivo. que seria substituída por sinais de matemática (+. A destruição do “eu” psicologizante. 3. 2.. A abolição da pontuação. :.

ele foi o principal estímulo artístico e intelectual dos jovens renovadores de São Paulo (SAM). . A importância do Futurismo • O movimento futurista impulsionou decisivamente toda a arte de vanguarda. a tal ponto que os mesmos eram conhecidos – durante os primeiros anos da década de 1920 – mais como “futuristas” do que como “modernistas”. No Brasil. tanto a europeia como a não-europeia.

• Assim, a palavra Futurismo passou a designar
qualquer postura inovadora na arte, levando
Oswald de Andrade a saudar, em 1921, o
jovem poeta Mário de Andrade como um
artigo intitulado “O meu poeta futurista”.
Temendo uma identificação com o fascismo,
Mário vem a público negar, mais do que o
movimento futurista, a figura de seu líder. No
prefácio ( o Prefácio Interessantíssimo) de
Paulicéia desvairada, afirma:

“Não sou futurista (de Marinetti). Disse e repito-
o. Tenho pontos de contacto com o futurismo.
Oswald de Andrade, chamando-me de futurista,
errou. A culpa é minha. Sabia da existência do
artigo e deixei que saísse. Tal foi o escândalo,
que desejei a morte do mundo. Era vaidoso.
Quis sair da obscuridade. Hoje tenho orgulho.
Não me pesaria reentrar na obscuridade. Pensei
que se discutiram minhas idéias (que nem são
minhas): discutiram minhas intenções. Já agora
não me calo.”
(...)

• Em Portugal, notadamente entre 1910 e 1920,
houve uma maior identidade entre os
modernistas de primeira hora e o Futurismo. Já
nos primeiros números da revista Orpheu (1915)
encontramos textos futuristas de Fernando
Pessoa e de Mário de Sá Carneiro.

.“Ode triunfal” = texto futurista de Álvaro de Campos. heterônimo de Fernando Pessoa.

Por todas as papilas fora de tudo com que eu sinto! (.À dolorosa luz das grandes lâmpadas eléctricas da fábrica Tenho febre e escrevo. ó engrenagens. Para a beleza disto totalmente desconhecida dos antigos.. r-r-r-r-r-r-r eterno! Forte espasmo retido dos maquinismos em fúria! Em fúria fora e dentro de mim. Por todos os meus nervos dissecados fora. fera para a beleza disto.) . Escrevo rangendo os dentes.. Ó rodas.

Artigos políticos insinceramente sinceros. Deliciosos escândalos financeiros e diplomáticos. (.. E de vez em quando o cometa dum regicídio Que ilumina de Prodígio e Fanfarra os céus Usuais e lúcidos da Civilização quotidiana! Notícias desmentidas dos jornais.) .(. Agressões políticas nas ruas.) A maravilhosa beleza das corrupções políticas....

) Ah. . Que emprega palavrões como palavras usuais.. A gentalha que anda pelos andaimes e que vai para casa Por vielas quase irreais de estreiteza e podridão.e eu acho isto belo e amo-o! - Masturbam homens de aspecto decente nos vãos de escada.. que parece sempre a mesma.(. e a gente ordinária e suja. Cujos filhos roubam às portas das mercearias E cujas filhas aos oito anos .

porque sois assim. Fauna maravilhosa do fundo do mar da vida! . Inatingíveis por todos os progressos.Maravilhosamente gente humana que vive como os cães Que está abaixo de todos os sistemas morais. nem bons nem maus. Nenhuma arte criada. Nenhuma política destinada para eles! Como eu vos amo a todos. Para quem nenhuma religião foi feita. Nem imorais de tão baixos que sois.

trabalhador descontente. Limpa o suor com o braço.) . A luz do sol abafa o silêncio das esferas E havemos todos de morrer. anda à roda.. E o mistério do mundo é do tamanho disto. Pinheirais onde a minha infância era outra coisa Do que eu sou hoje..(Na nora do quintal da minha casa O burro anda à roda. Ó pinheirais sombrios ao crepúsculo.

. (.. italiano.) Fora! Fu! Fora o bom burguês!.) Ódio e insulto! Ódio e raiva! Ódio e mais ódio! (. brasileiro..... “Ode ao burguês”. é sempre um cauteloso pouco-a-pouco!] (.) . O burguês-burguês! A digestão bem-feita de São Paulo! O homem-curva! O homem-nádegas! O homem que sendo francês... poema futurista de Mário de Andrade Eu insulto o burguês! O burguês-níquel.

de EDVARD MUNCH . O EXPRESSIONISMO O GRITO (1893).

de Munch. Parece expressar uma terrível solidão existencial. Serão elas os motivos do grito? Serão elas a morte ou a salvação? . Duas figuras estão vindo em sua direção. conduzem o olhar do expectador diretamente para a boca que se abre num grito.• O grito. Que ser grita? O grito é de angústia? As formas sinuosas do céu e da água e a forte diagonal da ponte. expressa o desespero da figura humana em cima da ponte.

pouco importando os conceitos então vigentes de belo e feio. numa tela ou numa folha de papel. ou seja. trazendo uma forte herança dos princípios estéticos do final do século XIX. . na Alemanha. Daí a importância da expressão. da materialização. de imagens nascidas em nosso mundo interior. O MOVIMENTO EXPRESSIONISTA • O movimento expressionista surgiu em 1910. preocupado com as manifestações do mundo interior e com uma forma de expressá-las.

. Na relação entre o artista impressionista e a realidade. isto é. trata-se de uma arte sensorial e subjetiva quanto ao modo de captação da realidade. o movimento de criação vai do mundo exterior para o mundo interior. ou superar. O Impressionismo valorizava a impressão. tendência da qual provinham. o Impressionismo.• Um dos principais objetivos dos expressionistas era combater.

ao modo como forma e conteúdo livremente se unem para dar vazão às sensações do artista no momento da criação. isto é. . do seu mundo interior. para o artista expressionista.• Já no Expressionismo ocorre o oposto: o movimento de criação parte da subjetividade do artista. Assim. a obra de arte é reflexo direto de seu mundo interior e toda a atenção é dada à expressão. em direção ao mundo exterior.

pela deformação ou exagero das figuras. o Expressionismo foi uma corrente artística que.• ENFIM. O artista expressionista buscava a experiência emocional. . Preocupando-se mais com as emoções do observador do que com a realidade externa. buscava a expressão dos sentimentos e emoções do autor.

autor de quadros intensamente dramáticos. Paul Gauguin. Entre eles. Edvard Munch. .• Os autênticos precursores do Expressionismo vanguardista apareceram no final do século XIX e começo do século XX. destacam-se: Vincent Van Gogh. O principal pintor expressionista é o norueguês Edvard Munch.

Vincent Van Gogh (1853-1891) .

Paul Gauguin (1848-1903) .

EDVARD MUNCH .

Possui um sentimento de fraternidade universal e desprezo pela civilização materialista. o Expressionismo assumiu um caráter mais social e combativo. denunciando os horrores da guerra. etc. industrial e mecanizada. as condições de vida desumanas das populações carentes. O Expressionismo e a 1ª Guerra Mundial • Durante e depois da 1ª Guerra Mundial. .

Fundamentos do Expressionismo 1. o que representa um repúdio à repressão social. A razão é objeto de descrédito. A arte é expressão dos sentimentos. mas criação subjetiva. A arte é criada sem obstáculos convencionais. . 4. ele a deforma ou a elimina. criando arte abstrata. por isso. livre. 3. 2. A realidade que circunda o artista é horrível e. A arte não é imitação. 5.

. Fundamentos do Expressionismo • A intimidade e a vivência da dor derivam do sentido trágico da vida e causam uma deformação significativa e torturada. • A arte se desvincula do conceito de belo e feio e torna-se uma forma de contestação.

A Arte Expressionista
• Das artes plásticas, especialmente da pintura, a
estética expressionista passou também a ser
utilizada pela literatura, cinema, dança, música,
teatro.
• Destacam-se os artistas: na pintura, Kandinski,
Chagall, além de Van Gogh, Cézanne, Gauguin e
Munch; na literatura: August Stramm, Herman
Hesse, Thomas Man; no teatro, Kayser e Brecht;
na música, Schoemberg; no cinema, Wiene.

O Expressionismo na LITERATURA
• Combinações rítmicas, cortes surpreendentes,
jogo de imagens ousadas, sublimação do
patético e exaltação das paixões;
• Liberdade léxica (vocabulário), sintática (funções
e relações das palavras e frases) e semântica
(significado da palavra);
• Linguagem fragmentada, elíptica (oculta),
construída por frases nominais (basicamente
aglomerado de substantivos e adjetivos), às
vezes até sem sujeito;
• Roptura com elementos poéticos.

O Expressionismo no Brasil

• No Brasil, o Expressionismo marcou uma
forte influência no teatro de Oswald de
Andrade e de Nélson Rodrigues; na
pintura: Portinari, Emiliano Di
Cavalcanti, Lasar Segall, Anita Malfatti e
na poesia de Augusto dos Anjos.

“A boba”. de Anita Malfatti .

de Portinari .Série “Retirantes”.

de Lasar Segall .“Guerra”.

“Mulata com gato”. de Di Cavalcanti .

O DADAÍSMO .

O termo “dadá” foi escolhido ao acaso. inicia o mais radical movimento da vanguarda européia: o Dadaísmo. de Zurique. em plena guerra. . O DADAÍSMO • Em 1916. por Tristan Tzara e outros artistas revoltados contra os horrores da guerra. no cabaré “Voltaire” (ponto de encontro do grupo dadaísta). abrindo-se o dicionário Larousse. um grupo de refugiados em Zurique. na Suíça.

banquetes excêntricos e tumultuados. ridicularizando tradições e valores institucionalizados. através de arruaças. Foi um movimento antiarte por excelência. pois. agitações anárquicas. . os dadaístas gritavam a sua trágica revolta. expressando a rebelião da geração jovem contra os poderosos círculos internacionais e a burguesia acomodada. exposições extravagantes.• Caracterizou-se por um cunho fortemente anárquico.

apregoando a poesia e a pintura automáticas: faziam poemas remexendo alguns recortes de jornais no fundo de um chapéu. choravam em casamentos. convidavam os visitantes de suas exposições a quebrarem os quadros à vontade. pois achavam que não tinham valor algum. enfim pregavam e praticavam o mais absoluto inconformismo. . davam risadas durante os enterros. misturavam tintas sem nenhum critério.• A única norma estética era a “lei do acaso”.

A técnica do ready-made consiste em extrair um objeto do seu uso cotidiano e. atribuir-lhe um valor.• Quanto às obras artísticas. sem nenhuma ou com pequenas alterações. com a qual é satirizado o mito mercantilista da civilização capitalista. sendo cultivado especialmente em Nova Iorque. é pequena a produção do Dadaísmo suíço. Max Ernst utiliza montagens e colagens em suas obras e Marcel Duchamp desenvolve a técnica do ready-made. . Mas o movimento se espalhou para o mundo.

Os ready-mades de Duchamp .

. pela improvisação. pela desordem. O Dadaísmo na Literatura • Na literatura. pela livre associação de palavras (a escrita automática = mais tarde aproveitada pelo Surrealismo) e pela invenção de palavras com base na exploração apenas do seu significante. pela rejeição a qualquer tipo de racionalização e equilíbrio. o Dadaísmo caracteriza-se pela agressividade.

de Tristan Tzara a canção de um dadaísta que tinha dadá no coração cansava demasiado seu motor que tinha dadá no coração o ascensor (elevador) levava um rei pesado frágil e autônomo cortou seu grande braço direito o enviou ao papa em roma . Canção dadá.

A propriedade do indivíduo se firma após o estado de loucura. de loucura agressiva. limpar. negativo.” • “Que cada homem grite: há um grande trabalho destrutivo. como sou também contra os princípios. Manifesto dadá (1918).” . completa. eu digo portanto certas coisas e sou por princípio contra os manifestos. a executar. de Tristan Tzara • “Eu escrevo um manifesto e não quero nada. de um mundo abandonado entre as mãos dos bandidos que rasgam e destroem os séculos. Varrer.

André Breton X Tristan Tzara .

deu origem ao Surrealismo. era hora de reconstruir o que fora demolido: a Europa e a arte. mas logo acaba negando-o por achar que não levava a nada. em 1921. A participação de André Breton • O importante poeta francês André Breton adere ao movimento dadaísta. abandona o grupo dadaísta e. Como a guerra terminara já havia alguns anos. Breton. uma das mais importantes correntes artísticas do século XX. então. Breton não concordava com a idéia de Tzara em manter a linha original do movimento. .

O SURREALISMO “A metamorfose de Narciso”. de Salvador Dali .

escritor. Fortemente influenciado pelas teorias psicanalíticas de Sigmund Freud. Defende que a arte deve libertar-se das exigências da lógica e expressar o inconsciente e os sonhos. crítico e psiquiatra francês André Breton. como a pátria e a família. enfatiza o papel do inconsciente na atividade criativa. reunindo artistas anteriormente ligados ao dadá. Rejeita os valores burgueses. livre do controle da razão e de preocupações estéticas ou morais. O principal teórico e líder do movimento é o poeta. que em 1924 publica o primeiro Manifesto Surrealista. .O Surrealismo foi um movimento artístico e literário que surge na França nos anos de 1920.

. Chamou de “Surrealismo” ao novo movimento que tinha como propósito fundamental anular as barreiras entre o sonho e a realidade.• Contra o niilismo pessimista do movimento Dadá. pela qual o pensamento se liberta do controle exercido pela razão e pelos condicionamentos sociais. psiquiatra praticante na 1ª Guerra Mundial. usou a técnica do “automatismo psíquico”. Para isso. morais e estéticos. encontrou nas teorias de Freud meios mais positivos para revolucionar a arte. Breton.

Paul Éluard. Luís Buñuel e Rossellini. no teatro. Daí a exaltação do maravilhoso que reside no estado onírico. na alucinação. no cinema. no acaso.• A finalidade do movimento surrealista era colocar “o surreal fora do seu esconderijo”. . realizando a fusão da realidade com o sonho. na psicopatologia. De Chirico e Salvador Dalí. • Os principais artistas surrealistas foram: na poesia. Antonin Artaud. na pitura.

Entendendo o Surrealismo • Entender o Surrealismo é notar que este movimento ocorreu no período entre as duas guerras. . É sob esses dois aspectos que devemos considerar o surrealismo para situá-lo no debate com a psicanálise. Ele se constitui também como herdeiro e propagador dos movimentos artísticos anteriores. Abordá-los é identificar que tanto a psicanálise quanto o surrealismo compartilharam de um momento histórico de efervescência cultural e intelectual na França.

Os surrealistas. a partir também das teorias lacanianas. a experiência surrealista da linguagem permite. Breton e muitos surrealistas. puderam obter uma base sólida para defender seus pensamentos. O Surrealismo e a Psicanálise • A psicanálise forneceu para os surrealistas um contexto e um vocabulário capaz de lançá-los em suas pesquisas e questionamentos sobre o automatismo psíquico. Apesar das divergências teóricas iniciais. recorreram aos trabalhos de Freud. a partir dos escritos de Freud. interessados no maior conhecimento do homem. . expondo seus métodos de acesso ao inconsciente. uma melhor compreensão dos conceitos psicanalíticos.

Linhas de atuação do Surrealismo
• Duas são as linhas de atuação do Surrealismo em
seu início: as experiências criadoras automáticas
e o imaginário extraído do sonho.
• Freud, na psicanálise, e Bergson, na filosofia, já
haviam destacado a importância do mundo
interior do ser humano, das zonas desconhecidas
ou pouco conhecidas da mente humana.

• A partir das influências criadoras do
automatismo, os surrealistas encaravam o
inconsciente, o subconsciente e a intuição como
fontes inesgotáveis e superiores de
conhecimento do homem, colocando em
segundo plano o pensamento sensível, racional
e consciente. O automatismo artístico consiste
em extravasar os impulsos criadores do
subconsciente, sem nenhum controle da razão
ou do pensamento, ou seja, pôr na tela ou no
papel os desejos interiores profundos, sem se
importar com coerência, adequação, etc.

• A outra linha de atuação surrealista, a onírica,
busca a transposição do universo dos sonhos
para o plano artístico. O sonho, na concepção
de Freud, é a manifestação das zonas ocultas
da mente, o inconsciente e o subconsciente. Os
surrealistas pretendiam criar uma arte livre da
razão, uma arte produzida num estado de
consciência em que o artista estaria “sonhando
acordado”.

o humor negro. o devaneio. a loucura. a livre expressão dos impulsos sexuais. o estado de transe. a hipnose. . as imagens surpreendentes e extravagantes. o impacto do inusitado. o delírio. o sonho.• Nessas duas linhas de pesquisa e trabalho são freqüentes: o ilogismo.

. liberdade e poesia . por meio da qual se pusesse fim ao modo de produção capitalista e à estrutura de classes sociais. O Surrealismo e o Comunismo • A rejeição do Surrealismo ao mundo burguês. Para alcançar o objetivo maior do movimento – amor. racional. mercantil e moralista levaria alguns membros do grupo a ter ligações com o Comunismo.. eles acreditavam ser necessária uma transformação radical da sociedade.

às ideias socialistas (comunistas) provoca no movimento uma cisão interna. . que se agrava com a 2ª Guerra Mundial (1939 – 1945) e colabora para a desarticulação do grupo. particularmente de André Breton.• A adesão desses membros.

em diferentes linguagens artísticas. resquícios do movimento ou tentativas de recuperá-lo são vistos até os dias de hoje. .O Surrealismo e a contemporaneidade • Embora o Surrealismo tenha oficialmente desaparecido com a 2ª Guerra Mundial. o que comprova sua força criadora e a contemporaneidade de suas propostas.

Jorge de Lima. . revela a marca surrealista. na medida em que a proposta artística dos modernistas era um mergulho no imaginário para. Murilo Mendes. Tarsila do Amaral. matar a cultura dominante e retirar de suas entranhas a matéria prima brasileira. reencontrar a espontaneidade dos instintos e. vários escritores foram influenciados pelas ideias surrealistas. O SURREALISMO NO BRASIL • No Brasil. Millôr Fernandes. etc. Na pintura. de um lado. tais como Mário e Oswald de Andrade. de outro. nos anos de 1920.

Urutu & Abaporu. de Tarsila do Amaral .

Foi um dos mais importantes artistas plásticos (pintor e escultor) surrealistas da Espanha. na cidade espanhola de Figueres (Catalunha). .Salvador Domingo Felipe Jacinto Dalí i Domènech nasceu em 11 de maio de 1904.

a memória (sua permanência ou dissipação). O pintor foi o mais extravagante dos surrealistas e os temas recorrentes em suas obras são: o sexo (e todas as atribulações: angústias. . medos. o sono e o sonho. SALVADOR DALÍ (1904-1989) • Dalí liga-se aos surrealistas em 1929. e pelo menos desde 1926. frustrações. porém. obsessão pela morte. em 1922 já havia lido A Interpretação dos Sonhos de Freud. a sua pintura incorpora materiais oníricos e inconscientes. traumas).

Concebe a paranóia como exaltação dele próprio. ou seja. como uma via por meio do qual sistematizaria e se apropriaria de suas obsessões para organizá-las como material artístico. O artista dará o nome de paranóico-crítico a esse método e o desenvolverá em numerosos textos produzidos ao longo dos anos trinta. O método paranóico-crítico é definido por Dalí como “um meio espontâneo de conhecimento irracional baseado na associação crítico-interpretativa de fenômenos delirantes”. . O método paranóico-crítico de Dalí • Dalí enquanto teórico e escritor se propõe objetivar e sistematizar o seu delírio.

O seu método. As produções de Dalí não se davam por acaso. . apresentarem a impressão de um devaneio para Dalí não o era. Dalí em seus escritos é como em suas obras. suas obras únicas advinham de um exercício e de um controle de seus delírios por meio do seu método. Apesar de seus textos. assim como Gala.• Estabelecer parâmetros e encontrar referências sobre o método de Dalí é uma atividade árdua e sem precisão. O importante é a possibilidade de transformação e de incorporar temas oníricos do inconsciente em seus trabalhos. segundo Dalí. não possui a preocupação com o rigor da racionalidade. É por amor a Gala que Dalí investe em seu método e faz dele seu motor de criação. era uma atividade capaz de fazer de seus delírios uma força criadora. para nós leitores.

Por amor. e assim pude transformar a torrente dionisíaca em realizações apolíneas. ela soube obrigar minha inteligência ao exercício impiedoso da crítica. Sei. Antes. em minhas pesquisas. Sei onde começa o delírio. que quero cada vez mais perfeitas. E isso consegui por amor e por inteligência. aceitei fazer de uma parte da minha personalidade um aparelho auto-analisador. Encontrei Gala. em glória e alegria uma doença do espírito tão séria. Por amor. Meu método. Minha função da realidade estava alterada. onde ele termina.“Agora. eu confundia realmente delírio e realidade.” . Minha estrutura fundamental é ainda assim a de um grande paranóico. é a conquista constante do irracional. Mas devo ser o único de minha espécie a ter dominado e transformado em força criadora. intuições ou invenções. aquilo que pode um dia ser justificado pela razão e aquilo que talvez nunca o seja. que chamei de paranóia crítica. eu conheço muito bem o lugar das coisas.

Paranoic Visage (1935) .

O paranóico inverte os fatos de acordo com as sua perspectiva. podemos verificar na posição horizontal um grupo de pessoas em frente a uma cabana. . Nota-se que a proposta de Dalí ao criar imagens que produzem duplo sentido. Esse rosto seria o que Dalí menciona como rosto paranóico que surge apenas por meio do exercício da visão.• No quadro Paranoic Visage. de Dalí. mas se invertemos a imagem e olharmos na vertical podemos constatar a presença de um rosto. é uma característica presente no discurso paranóico. dependendo apenas do olhar do observador.

Galatea de las esferas (1952) .

A persistência da memória .

amante de Dalí . musa.Gala. mulher.

Criança geopoliticus observando o nascimento do homem novo (1943) .

O sono .

um segundo antes do despertar.Sonho causado pelo vôo de uma abelha em torno de uma romã. .

GIORGIO DE CHIRICO (1888-1978) .

na Espanha. dramaturgo e vítima da Guerra Civil Espanhola. em 5 de junho de 1898. Foi poeta. devido aos seus alinhamentos políticos com a República e por ser homossexual.• Federico García Lorca nasceu na província de Granada. . E foi assassinado em 1936 na mesma cidade.

• Nascido na região da Andaluzia. García Lorca ingressou na faculdade de Direito de Granada em 1914. . Nessa época publicou seus primeiros poemas. Cinco anos depois transferiu-se para Madrid onde ficou amigo de artistas como Luis Buñuel e Salvador Dalí.

A pedra inerte nem conhece a sombra nem a evita. com a flor que se murcha. O poeta pede a seu amor que lhe escreva Amor de minhas entranhas. que se vivo sem mim quero perder-te. Coração interior não necessita o mel gelado que a lua verte. . O ar é imortal. morte viva. em vão espero tua palavra escrita e penso.

. tigre e pomba. de palavras minha loucura ou deixa-me viver em minha serena noite da alma para sempre escura. pois. Enche. Rasguei-me as veias.Porém eu te sofri. sobre tua cintura em duelo de mordiscos e açucenas.

sendo hoje considerado o maior autor espanhol desde Miguel de Cervantes. Foi ainda um excelente pintor.• Com o fim da Ditadura. finalmente sua terra natal veio a render-lhe homenagens. conhecida como "geração de 27". compositor precoce e pianista. Yerma (1934) e A Casa de Bernarda Alba (1936) asseguraram sua posição como grande dramaturgo. alinhando-se entre os maiores poetas do século XX. Como dramaturgo. e a volta do país à democracia. Lorca tornou-se o mais notável numa constelação de poetas surgidos durante a guerra. As três tragédias rurais passadas na Andaluzia. Lorca fez incursões no drama histórico e na farsa antes de obter sucesso com a tragédia. . Bodas de Sangue (1933).

BODAS DE SANGUE .

Não quero que me repitam que os mortos não perdem o sangue.• Quero dormir o sono das maçãs/Afastar-me do tumulto dos cemitérios. . que a boca podre continua pedindo água. Quero dormir o sono daquele menino que queria cortar o coração em alto-mar.

• Dono de uma complexa personalidade. Buñuel deixou sua marca e afirmou seu talento e genialidade. Luis Buñuel (1900 – 1983) foi um dos grandes cineastras do século XX. ao premiado A bela da tarde (1967). feito em parceria com Dalí. precursor do Surrealismo. . De Um Cão Andaluz (1928).

Filmes de Buñuel .

Relações entre Dali. Lorca e Buñuel .