You are on page 1of 41

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA

CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO
COLÉGIO DE APLICAÇÃO

Planos de Ensino
Educação Geral
2016

Organização
Direção de Ensino: Marina Guazzelli Soligo
Professora: Marilia Gabriela Petry

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA
CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO
COLÉGIO DE APLICAÇÃO

PLANO DE ENSINO

INSTITUIÇÃO: Colégio de Aplicação
CURSO: Ensino Fundamental
ANO: 1º ano A, B e C
PROFESSORAS: Liliane Alves da Silva, Marilei Maria da Silva, Mariza Konradt de Campos
DISCIPLINAS: Matemática, Ciências, História e Geografia, Língua Portuguesa.
ANO LETIVO: 2016

MATEMÁTICA

1 OBJETIVO DA DISCIPLINA

Ampliar e explorar as potencialidades do conhecimento matemático no que se refere à formação de
capacidades intelectuais, estruturação do pensamento, agilização do raciocínio dedutivo, validação e aplicação aos
problemas e situações da vida cotidiana.

2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS

 Compreender e empregar a organização do Sistema de Numeração Decimal no mínimo até 10;
 Compreender e aplicar a utilização de agrupamentos de 10 na composição de quantidades;
 Explorar figuras geométricas, em especial o quadrado, o retângulo e o triângulo e identificá-las em diferentes
posições;
 Utilizar a régua para traçar linhas retas;
 Identificar os números nos diferentes contextos em que se encontram;
 Registrar escritas numéricas;
 Identificar o calendário como forma de registrar e contar o tempo (dias, semanas, meses e anos);
 Explorar os conceitos de adição e subtração;
 Resolver situações problemas que envolvam o campo aditivo (adição e subtração);
 Produzir escritas numéricas.
 Reconhecer a ordem crescente e decrescente, par e ímpar e os números ordinais.

3 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

Noções de:
- Sistema de Numeração
 Conceito de número;
 História dos sistemas de numeração.
- Sistema de Numeração Decimal
- Operações com Números Naturais
- Sistema de Medidas
- Geometria Plana e Espacial
CIÊNCIAS

1 OBJETIVO DA DISCIPLINA

Compreender a natureza como um todo dinâmico, sendo o ser humano parte integrante e agente de
transformações do mundo em que vive.

2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS

 Caracterizar e compreender diversos ambientes;
 Identificar plantas e animais;
 Reconhecer diferenças e semelhanças de alguns animais de interesse do grupo;
 Perceber a importância de preservar a natureza;

 Identificar características pessoais;
 Identificar preferências e hábitos alimentares;
 Refletir e pesquisar acerca de hábitos saudáveis e sustentáveis nos âmbitos de alimentação e higiene;
 Identificar e explorar os órgãos dos sentidos.

3 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

- O ser humano e sua relação com o ambiente;
- O ser humano e sua relação com os animais;
- Alimentação;
- Corpo Humano
- Higiene e saúde;
HISTÓRIA E GEOGRAFIA

1 OBJETIVO DA DISCIPLINA

Ampliar a compreensão das questões geográficas e do tempo histórico bem como das relações de organização
social e da produção dos bens materiais, culturais, econômicos e políticos com a finalidade de contribuir na formação da
cidadania.

2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS

 Relatar experiências vivenciadas na família e na escola;
 Perceber e esclarecer as diferenças sociais, pessoais e familiares dentre os grupos de que faz parte;
 Compreender e praticar acordos e regras;
 Conhecer e citar os direitos das crianças;
 Visitar e observar o espaço geográfico que a comunidade escolar está inserida;
 Conhecer as noções de: esquerda, direita, dentro, fora, longe, perto;
 Observar e descrever o espaço geográfico em seu entorno;
 Perceber mudanças e permanências como resultados da passagem do tempo.

3 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

- Identidade
- História de vida;
- Configuração familiar.

- Espaço
- Noções básicas do espaço:
- Lateralidade;
- Direção;
- Vizinhança.

- Natureza e Sociedade
- Identificação através de imagens;
- Noções de diferentes tipos de paisagem:
- Natural;
- Humanizada.
LÍNGUA PORTUGUESA

1 OBJETIVO DA DISCIPLINA

Possibilitar ao estudante a ampliação e o domínio da Língua Portuguesa e da linguagem, construídas
historicamente nas relações sociais, para que atue como cidadão consciente do seu papel na sociedade.

2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS

 Apresentar oralmente trabalhos e pesquisas realizadas; (L.O.)
 Relatar as experiências das saídas de estudos; (L.O)
 Descrever oralmente características dos personagens de histórias; (L.O)
 Expressar opiniões sobre textos de diversos gêneros; (L.O)

 Expressar-se oralmente por meio da narração de histórias; (L.O)
 Participar de interações orais nos diversos espaços, questionando, sugerindo, argumentando e respeitando os
turnos de fala; (L.O)
 Vivenciar diversas formas de escrita; (L.E.)
 Escrever as letras do alfabeto; (L.E)
 Escrever o próprio nome; (L.E.)
 Desenvolver noções de sinais de pontuação e acentuação gráfica utilizada no cotidiano; (A.L.)
 Reconhecer gênero, número e grau; (A.L.)
 Entender a estrutura da base alfabética; (A.L.)
 Manusear diferentes materiais de escrita; (L.)
 Identificar o uso funcional dos diferentes gêneros textuais; (L.)
 Identificar e reconhecer diferentes materiais de escrita; (L.)
 Reconhecer diferentes tipos de letras; (L.)
 Identificar letras iguais por comparação; (L.)
 Identificar palavras com sons semelhantes; (L.)
 Desenvolver noções de leitura e compreensão de textos verbais e não verbais; (L.)
 Utilizar estratégias de leitura que permitam descobrir o que está escrito e onde. (L.)
L.O. = Linguagem Oral
L.E. = Linguagem Escrita
A.L. = Análise Linguística
L.= Leitura

3 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

Linguagem oral

- Participação em situações de intercâmbio oral ampliando o vocabulário;
- Relatos e audição de experiências pessoais;
- Descrição de personagens, cenários e objetos;
- Consciência fonológica: percepção dos sons das palavras, jogos com a linguagem (rimas, trava-línguas, brinquedos
cantados).

Linguagem escrita

- Manuseio de diferentes materiais de escrita (livros, revistas, etc.);
- Alfabeto;
- Escrita espontânea de textos diversos;
- Produção coletiva de textos: registros e relatos de experiências vividas.

Análise Linguística

- Ortografia;
- Acentuação gráfica;
- Sinais de pontuação;
- Divisão silábica;
- Gênero e número;
- Significação das palavras no texto (uso do glossário com mediação).

Leitura

- Literatura infantil: poemas, contos de fada, fábulas, histórias em quadrinhos, textos dramáticos, livros de imagens;
- Textos práticos: anúncio, bilhete, manual, bula, receita;
- Textos não-verbais: livros de imagens, obras de arte, etc.

a análise e aplicação de conhecimentos pertinentes ao 2º ano.  Valor posicional situações-problema. Ciências.  Unidade e dezena  Reconhecer o valor posicional da unidade e da  Ordem crescente e decrescente.  Leitura e escrita dos nomes dos números  Reconhecer a dezena como agrupamento de dez  Antecessor e o sucessor de um número.  Contagens e agrupamentos utilizando materiais  Classificar e organizar objetos em situações diversos.  Classificação de objetos.  Sólidos Geométricos  Medidas de tempo: horas em relógios analógicos e digitais  Medidas de comprimento e capacidade no contexto social .  Situações matemáticas. aplicando operações. a descoberta. Integração Social ANO LETIVO: 2016 MATEMÁTICA 1.  Construção de sequências numéricas utilizando diversos  Reconhecer a matemática em seu cotidiano: sistema critérios monetário. construindo  História do número sequencias numéricas com diferentes critérios e  Numerais de 0 a 100. contagem de materiais concretos e estimativa. Língua Portuguesa. a percepção. Letícia Cunha e Simone Carminatti de Almeida DISCIPLINAS: Matemática. 2. Oferecer condições para o desenvolvimento do senso crítico e raciocínio lógico possibilitando a observação. OBJETIVO DA DISCIPLINA PARA O ANO Utilizar a matemática em situações concretas do cotidiano. leitura de horas. etc. simetria e sólidos geométricos. sistemas de medida e grandeza.Relacionar números à quantidade através da  Relação números e quantidades. no ambiente escolar e fora dele. reconhecendo antecessor e sucessor. dezena em um numeral. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO COLÉGIO DE APLICAÇÃO PLANO DE ENSINO INSTITUIÇÃO: Colégio de Aplicação CURSO: Ensino Fundamental ANO: 2º ano A. conforme suas características.  Identificar os numerais de 0 a 100. a investigação. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO  . B e C PROFESSORAS: Elisangela MelnikTrombetta.  Composição e Decomposição de Números  Construir conhecimentos geométricos: formas  Formas Geométricas Básicas básicas. OBJETIVOS ESPECÍFICOS 3.  Adição e Subtração  Retirar informações e construir tabelas e gráficos  Cálculo Mental simples. unidades. cotidianas.  Realizar situações matemáticas envolvendo adição e  Interpretação e construção de tabelas e gráficos subtração.

enfatizando as questões ambientais de  Meio ambiente .  Propor atividades em que os alunos possam conhecer e analisar os termos cunhados pela ciência para análise dos processos da natureza. locomoção. 2. ar e solo como elementos necessários  Seres vivos. CIÊNCIAS 1. compõe sua alimentação diária e desenvolver critérios  Hábitos saudáveis relacionados à higiene. para uma alimentação saudável. como forma de desenvolver a capacidade crítica em relação à relação entre natureza e cultura. no dia a dia.  Observação de elementos naturais e culturais do  Estudar a origem dos alimentos e utensílios utilizados espaço. utilizando do raciocínio. a vida. contextualizando seu uso para atividades do cotidiano. animais e  Corpo humano: representação e características seres humanos) em suas diversas fases de crescimento. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO  Reconhecer água. habitat. análise e síntese.  Animais (alimentação. . pesquisa e interpretação.  Analisar criticamente as formas de interação com as ciências tecnológicas e midiáticas.  Promover hábitos de higiene e saúde no ambiente reprodução e revestimento).  Realizar o estudo da vida animal. biológicas e culturais  Identificar os diferentes grupos de alimentos que  Alimentos e hábitos para uma alimentação saudável. reciclagem e reaproveitamento. OBJETIVO DA DISCIPLINA PARA O ANO Proporcionar um trabalho efetivo de observação da natureza e de suas variáveis.  Utilizar a pesquisa e interpretação. OBJETIVOS ESPECÍFICOS 3.  Cuidado e preservação da vida animal. reconhecendo os seres vivos (plantas. escolar. despertando a curiosidade científica do que somos e do ambiente onde vivemos. compreendendo a importância do cuidado e preservação.

para que atue como cidadão consciente do seu papel na sociedade.  Escrever palavras.  Formação de frases. turnos de fala. 2. bilhete.  Compreensão da função social da escrita (forma de  Identificar as letras do alfabeto (fonema/grafema). utilizando o registro alfabético.  Divisão silábica. sequência ideias e articulando adequadamente as palavras. fazendo a reescrita e percebendo questões como  Leitura e traçado da letra: cursiva. Possibilitar ao aluno a ampliação e o domínio da Língua Portuguesa e da linguagem. frases e pequenos textos com  Escrita do nome e palavras.  Significação das palavras no texto. ordem alfabética. compreensão e interpretação de diferentes explorando livros e textos diversos e utilizando a gêneros textuais escrita. receita e narrativa. o desenho e a fala para demonstrar aquilo  Expressão por meio de contações de histórias que compreendeu. entre outros). . trava-línguas. lógica dos fatos e mensagens  Ouvir atentamente no momento solicitado. carta.  Alfabeto. Análise Linguística  Ortografia. reconhecendo os diversos gêneros textuais Linguagem escrita trabalhados (poesia. LÍNGUA PORTUGUESA 1. ampliando o vocabulário construção de textos coletivos. construídas historicamente. brinquedos cantados)  Demonstrar interesse pelas atividades de leitura. parlendas. OBJETIVOS DA DISCIPLINA PARA O ANO Desenvolver a linguagem oral e escrita em situações do cotidiano. autonomia. argumentando e respeitando os que leu. OBJETIVOS ESPECÍFICOS 3. vogais e consoantes.  Ler pequenos textos com unidade de sentido.  Produção individual e coletiva de textos.  Acentuação gráfica.  Descrição de personagens. expressando suas  Relatos e audição de experiências pessoais.  Organizar textos com sequência de ideias. função social. decodificando e compreendendo aquilo questionando.  Sinais de pontuação. fluência.  Leitura. comunicações e  Situações de intercâmbio oral. história ou relato feito pelos e jogos com a linguagem (rimas. ortografia e pontuação. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO  Participar de atividades que envolvam Linguagem oral comunicação oral: relatos.  Expressão de opinião sobre textos de diversos gêneros  Realizar a leitura oral de palavras e frases com  Participação de interações orais nos diversos espaços. nas relações sociais. sugerindo. cenários e objetos distinguindo os aspectos relevantes de uma  Consciência fonológica: percepção dos sons das palavras explicação. comunicação e de interlocução). adivinhas. professores ou colegas.  Gênero e número.

Campinas: Pontes. 1985. ____.). Os significados do letramento. abaixo.  Regras de Convivência no ambiente escolar. A importância do ato de ler em três artigos que se completam. registros de vivências. Tais estratégias são elaboradas de forma a desenvolver autonomia de pensamento. autoavaliação e análise de suas produções. ____. . CONTEÚDO PROGRAMÁTICO  Identificar as diversas relações de parentesco e  História de vida. 2. Oficina de leitura. Compor textos. 6. 1993. projetos de estudo. L. 1982. INTEGRAÇÃO SOCIAL 1.  Escola. OBJETIVOS ESPECÍFICOS 3.  Grupos Étnicos. Ao final de cada trimestre são feitas atividades individuais avaliativas. 1988. A. São Paulo: Ática.  Reconhecer os direitos e deveres das crianças. bem como suas  Configuração familiar. Leitura: ensino e pesquisa. social e cultural de forma reflexiva e crítica.  Aspectos culturais e físicos da paisagem. modo de vida nas famílias. 1989. ____. ____. São Paulo: Martins Fontes. mês e ano. em cima. REFERÊNCIAS ____ (org. brincar. O aluno participará de atividades como assembleias. ESTRATÉGIAS DE ENSINO As estratégias utilizadas são fundamentadas em uma concepção que compreende a realidade histórico. Em uma concepção de avaliação formativa. por todos os professores. 1994. recursos multimídia.) e reconhecer pontos de referência em trajeto simples. com o objetivo de visualizar o desenvolvimento global em diversos conteúdos e a criança tomar consciência do seu desenvolvimento desse período. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM A avaliação dos alunos é realizada diariamente. através da observação do envolvimento e participação nas atividades propostas. ____. reconhecendo dia do mês e da semana. São Paulo: Cortez. Algumas atividades a serem desenvolvidas: jogos matemáticos. hora do conto. ____.  Observar e diferenciais elementos da paisagem  Aspectos históricos culturais da infância.  Perspectivas.  Distinguir aspectos relevantes da cultura e do folclore de Florianópolis. desafios.  Identificar os modos de vida das crianças. Além da alfabetização. 4.  Noções básicas de tempo e espaço. OBJETIVOS DA DISCIPLINA PARA O ANO Contribuir para a cidadania e compreensão crítica da realidade. O Conselho de Classe reúne os professores que juntos discutem o desenvolvimento de cada aluno e elaboram o boletim conceitual a ser entregue as famílias no final de cada trimestre. a criança é compreendida como parte importante do processo para que tome consciência de suas aprendizagens ao longo do ano letivo. Reconhecer e respeitar a diversidade. Problematizar a socialização dos alunos dentro dos diversos contextos em que vivem. moradias. São Paulo: Cortez.  Organizar-se através do uso do calendário. articulando as vivências com os conteúdos escolares. 5. embaixo. 1995. de Santa Catarina e do Brasil. Campinas: Mercado de Letras. ____. etc.  Demonstrar conhecer relações espaciais básicas (perto. Aprendendo a escrever. textos coletivos. Reflexões sobre alfabetização. pesquisas. e TOLCHINSKY. especialmente os que envolvem o brinquedo e o  Pontos de referência. natural e paisagem modificada. entre. A Formação social da mente. longe. 1995. Campinas: Pontes/Unicamp. biblioteca e hora do brinquedo. In: TEBEROSKY. São Paulo: Ática.  Participar da construção de regras de convivência no ambiente escolar. viagens de estudos.

G. A concepção da escrita pela criança. M. Porto Alegre: Artes Médicas. M. 2002. Vozes. R. A pedagogia do oprimido. E. Ciências: 2º ano. (1997). KATO. Com todas as letras. O. Petrópolis. 2002. A. A paixão de conhecer o mundo. 2010. 135 p. B. M. 2000. Porto Alegre. FERREIRO.Ensino fundamental de nove anos : orientações para a inclusão da criança de seis anos de idade / organização Jeanete Beauchamp. WEFFORT. A. 2007. 1987. e TEBEROSKY. São Paulo: Martins Fontes. A. F. 1989. BARBOSA. FREIRE. São Paulo: Trajetória/Unicamp. Direito. Secretaria de Estado da Educação. NIGRO. D. A. São Paulo. e BENEVIDES. Espaço geográfico: ensino e representação. Proposta Curricular de Santa Catarina: Estudos Temáticos. 2008. Pelos caminhos da história: Curitiba: Positivo. M. São Paulo: Contexto. Jogos para a estimulação das múltiplas inteligências. A. VIGOTSKY. Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação . COLL. São Paulo: Quinteto. Os processos de leitura e escrita: novas perspectivas.). MARQUES. (org. PASSOS. Celso. (org. F. C. São Paulo: Ática. KLEIMAN. Porto Alegre: Artes Médicas. 1987. 1994. Brasília. 1994. A. TEBEROSKY. Sandra Denise Pagel. SANTA CATARINA. Texto e leitor. : il. Campinas: Pontes/Unicamp. S. E PALÁCIO. Atividades interdisciplinares de educação ambiental. M. . São Paulo: Trajetória/Unicamp. FREIRE. 2009. e BERUTTI. Kátia Stoccoet al. e CAMPOS. BRASIL.. Queiroz. B. Artes Médicas Sul. BRASIL. e CARDOSO. De olho no futuro: matemática. et al. L. 1988. Campinas: Pontes. 1998. F. 1989. P. 1978. 6ª ed. FERREIRO. –Brasília :. Pensamento e linguagem. 1999 FERREIRO. 1989. 1985. Ministério da Educação. Gramática divertida. Grupo Ediouro – Editora Tecnoprint. 2005. SMOLE.C. 1988. Aricélia Ribeiro do Nascimento. DIAS. Secretaria de Educação Básica. Aprendizagem escolar e construção do conhecimento. Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental. Resolução de problemas.ALMEIDA.) Reflexões sobre o ensino da leitura e da escrita. MEC/SEF. Florianópolis: IOESC. Rio de Janeiro: Paz e Terra. Psicogênese da língua escrita. ANTUNES. A. E.V. TEBEROSKY. E. M e PASSOS. 12 ed. São Paulo: Cortez. cidadania e participação. R. Psicopedagogia da linguagem escrita. L. Rio de Janeiro: Paz e Terra. São Paulo: Global/Gaia. TEBEROSKY. Porto Alegre: Artes Médicas.

OBJETIVO DA DISCIPLINA PARA O ANO Ampliar e explorar o conhecimento matemático no que se refere à formação de capacidades intelectuais. etc. B e C PROFESSORA: Aline Rocha DISCIPLINA: Matemática CARGA HORÁRIA: 6 aulas semanais em cada turma ANO LETIVO: 2016 MATEMÁTICA 1. .Multiplicação e divisão (com multiplicador e divisor de 1 a como código. compreendendo alguns dos significados das .Ordem crescente e decrescente. interpretar. aproximado — pela observação de divisão. 2. OPERAÇÕES COM NÚMEROS NATURAIS . NÚMEROS RACIONAIS (NUMERAL FRACIONÁRIO) . terça parte.Conhecer os conceitos.Leitura e escrita por extenso e comparação dos números até decomposição dos números. . . (metade. algoritmos e terminologias das quatro operações matemáticas. matemáticas diversas e. . algoritmo e terminologia. bem como seu reconhecimento na vida cotidiana. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO . quinta parte.Conhecer a ordem. . unidade de milhar. . . UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO COLÉGIO DE APLICAÇÃO PLANO DE ENSINO INSTITUIÇÃO: Colégio de Aplicação CURSO: Ensino Fundamental ANO: 3º ano A.Conhecer a evolução histórico-cultural dos sistemas de SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL numeração.) . princípio multiplicativo deste sistema até a ordem da .Dobro. dezena e centena).Desenvolver procedimentos de cálculo — mental.Números ordinais.Situações matemáticas envolvendo o campo aditivo e antecipação e verificação de resultado.Analisar.Identificação do sucessor e do antecessor de um número.Identificar.Fração: noções da divisão do inteiro em partes iguais operações. domínio das quatro operações matemáticas e resolução de problemas em situações da vida cotidiana. estruturação do pensamento. multiplicação e divisão).Evolução histórico-cultural dos sistemas de numeração. memória de quantidade e de ordenação em situações .Conceito. resolver e formular situações problema. composição e . . multiplicativo e sua representação através de algoritmos convencionais (adição.Utilizar critérios que definem uma classificação dos números (maior que. menor que. agilização do raciocínio dedutivo.Conhecer os números ordinais. subtração. quarta parte. escrita. .Ampliar o significado de número natural como . conhecer e utilizar o sistema posicional e o . . estar entre). triplo e o quádruplo de um número. OBJETIVOS ESPECÍFICOS 3. . 9). exato. . leitura. ainda dos algarismos utilizados .Classe das unidades simples (unidade.Reconhecimento de números no contexto diário. regularidades e de propriedades das operações e pela .Relação entre adição e subtração e entre a multiplicação e escrito.Construir o significado do número racional por meio .Ordem da unidade de milhar. 999. .Composição e decomposição dos números até 999 aplicando as regras do Sistema Numérico Decimal. .Adição e subtração (com e sem reagrupamento).

esboço.da ideia de medida.tabelas. comprimento (quilômetro. semestre. características de diferentes áreas de conhecimento e questões da vida prática.Entes geométricos (ponto. massa (grama. para auxiliar na compreensão de conceitos matemáticos. . ampliações e reduções de figuras. etc.Noções de Medidas: contexto social e em outras áreas de conhecimento para . croquis e itinerários. centímetro. da noção de metade. capacidade e massa por meio de situações .. noite. simétricas ou não etc. METODOLOGIA As mediações planejadas para o desenvolvimento dos conteúdos propostos. régua. calendários entre outros.Localização. SISTEMA DE MEDIDAS . 4. direções e sentidos. . que possibilitem associar diversos conteúdos e atividades. . bimestre..Identificar e fazer relações com as unidades de medida . mililitro). tópicos ou ideias. capacidade (litro.Construir o significado de medidas.esquemas. possibilitando a construção de uma rotina diária que inclua diversas estratégias de ensino. GEOMETRIA PLANA E ESPACIAL . calculadora. A integração curricular pode ser pensada mediante a correlação de diversas disciplinas em que alguns conteúdos de uma disciplina se relacionam com conteúdos de outras. percebendo semelhanças e diferenças por meio TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO da composição e decomposição. .Reconhecer o sistema monetário brasileiro. mês. posições. .listas. etc. possibilitar a comparação de grandezas de mesma . .Estabelecer comparação entre objetos do espaço físico e objetos geométricos (sem uso obrigatório da nomenclatura). ano.Manusear instrumentos tais como: ábaco. milímetro).Conhecer e relacionar os sistemas de medida de . .Simetria.Figuras planas e não planas (sólidos). material dourado. paralelas). .Observar as formas geométricas presentes em elementos naturais e nos objetos criados pelo homem e de suas características: arredondadas ou não. .Interpretar e representar posições de movimentação no espaço a partir da análise de uma maquete. plano). A integração de temas. . comprimento. no campo da matemática observando os princípios da aprendizagem reflexiva e crítica.Identificar as figuras geométricas (formas planas e não planas). terça parte. . . a partir do uso no . resolução e avaliação de situações matemáticas organizadas pelos próprios alunos de forma individual e .gráficos. . jogos. ESTRATÉGIAS DE ENSINO . de tempo como dia.Posições relativas entre duas retas (paralelas e não . da vida cotidiana. semana.Elaboração. metro. se desenvolverão no sentido de criar situações que integrem os conteúdos. .Identificar o uso de tabelas e gráficos para facilitar a leitura e interpretação de informações e construir formas pessoais de registro para comunicar informações coletadas. que objetivam a consolidação da autonomia e da cidadania. quilograma). 5. reta. . simetrias. tempo. natureza.Conhecer formas de localização com base em . direções e sentidos. diferentes pontos de referência e indicação de posições.

1996. vol. A criança e o número: da contagem à resolução de problemas. H. Didática da Matemática. Estruturas da mente: a teoria das inteligências múltiplas. 1988. Aprendendo Matemática: conteúdos essenciais para o Ensino Fundamental de 1ª a 4ª série. 2. diagnóstica. capacidade de interação com seus pares e implicação nas diferentes atividades propostas. In: PARRA. O Sistema de numeração: um problema didático. Porto Alegre: Artes Médicas. CARRAHER. C. BRASIL. tais como: participação oral (debates). PAVANELLO. Campinas: Unicamp. 1994 KHISHIMOTO.. 1994. outras histórias. FAYOL. REFERÊNCIAS BOAS. Tradução: IngeborgStrake. AVALIAÇÃO A avaliação do processo do ensino e aprendizagem das turmas dos Anos Iniciais. . contínua e processual. Parâmetros Curriculares Nacionais: Matemática/1º e 2º ciclos/Brasília: MEC/SEF. do Ensino Fundamental do Colégio de Aplicação. SAIS. 2006. visando a troca de experiências e resolução desafios. SP: SBEM. Uso do quadro valor de lugar. Rio de Janeiro: Livro Técnico AS. T. G.Uso da malha quadriculada. RS: Artes Médicas. jogos e calculadora. 1996. COOL. M. p. O jogo e a educação infantil. entre outros. Porto Alegre. Ensinar matemática na Educação Infantil e nas Séries Iniciais: análise e propostas. M. projetos). a partir do Plano de Ensino. . H. São Paulo: Interciência. N. 1984. . BRASIL. CHARLES. São Paulo: Vozes. . CARRAHER. Matemática nas séries iniciais do Ensino Fundamental: a pesquisa e a sala de aula.Atividades que incluam a manipulação de materiais concretos como instrumento de visualização de propostas abstratas e de conceitos historicamente organizados. T. trabalhos. com características que se alternam durante o ano. Tradução: Antônio Fletrin. C. 6. V. Biblioteca do Educador Matemático. Aprender pensando. São Paulo. relatórios. 2004. A. M. do ábaco de papel e do material dourado para construção do conceito de centena e reconstrução do conceito de unidade e dezena. Da realidade à ação: reflexões sobre educação e matemática. U. 1984. Delia. Porto Alegre: Artes Médicas. com o propósito de atingir a proposta do Plano de Ensino. 1975. Tal avaliação ocorrerá em todos os momentos do processo de ensino e aprendizagem. registros escritos grupais e individuais (provas. Mabel e al. Bem como: escambo. as práticas da professora e identificar as necessidades de aprendizagem do grupo e de cada criança individualmente. tangram. textos. de dedução e de estimativa que instiguem o raciocínio. RS: Artmed. . . a avaliação contribuíra para redirecionar o trabalho educativo. Porto Alegre. Secretaria de Educação Fundamental. 1978. Patrícia. é compreendida em suas dimensões: formativa. LERNER. .73-155. (org). A arte de resolver problemas. São Paulo: Brasiliense. . São Paulo: Vozes. Alfabetização: uma nova alternativa didática – outras questões. visando o pleno desenvolvimento das ações educativas das crianças. SADIVSKY.Saídas de estudos. São Paulo: Ática. D’AMBRÓSIO.Exercícios que reproduzam ações matemáticas do cotidiano.Utilização de blocos lógicos. Aprender pensando. N.Propostas de exercícios lógicos. Desta forma. Secretaria de Educação Fundamental. T. supermercado.coletiva. 1986. 1997. Regina Maria et al. utilizam- se os instrumentos e medidas de avaliação que atendem a dinâmica mediadora e que privilegiam o processo e não apenas o produto. GARDNER. PANIZZA. 7. São Paulo: Pioneira. nas várias manifestações das crianças em situação de aprendizagem. Piaget ao alcance dos professores. 1998a.Jogos e atividades lúdicas que permitam aquisição de conceitos mais elaborados em Matemática. 2000. TEBEROSKY. I. Considerando preliminarmente os critérios de avaliação para o trimestre.Trabalhos em grupos. . POLYA. C. Parâmetros Curriculares Nacionais: Introdução aos parâmetros curriculares nacionais/Brasília: MEC/SEF.

OBJETIVOS DA DISCIPLINA PARA O ANO Ampliar o domínio ativo do discurso nas diversas situações comunicativas. ampliando suas possibilidades de participação social no exercício da cidadania. questionando.Incentivar e promover a leitura e a escrita. 1 Os conteúdos aqui apresentados tomam como base os direitos gerais de aprendizagem de Língua Portuguesa apresentados no Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa (PNAIC.Desenvolver a fluência na leitura.Compreender e produzir textos orais e escritos de Leitura diferentes gêneros.Desenvolver a fluência oral. . questionando. textos. . veiculados em suportes textuais diversos.Participação de interações orais em sala de aula. diferentes gêneros textuais. . ideias e .Conhecer diferentes gêneros textuais. Brasil/Ministério da Educação/2012). .Expressar fatos. ampliando o universo linguístico da criança para que compreenda a linguagem .Leitura. sequência lógica dos fatos. ampliando o universo . com fluência. Localização. . UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO COLÉGIO DE APLICAÇÃO PLANO DE ENSINO INSTITUIÇÃO: Colégio de Aplicação CURSO: Ensino Fundamental ANO/TURMA: 3º ano A. sugerindo. de modo a possibilitar sua inserção efetiva no mundo da escrita. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO1 . respeitando como instrumento de expressão na relação com o outro. acontecimentos.Identificar os diversos tipos de letras: caixa alta. .Estabelecimento de relação de intertextualidade entre função da pontuação e aspectos da leitura com entonação.Participação em situações de intercâmbio oral. gêneros textuais.Desenvolver a fluência escrita. . .Leitura com autonomia. em diferentes relação com o outro.Leitura em voz alta. . compreensão e interpretação de diferentes opiniões buscando clareza e coerência. compreensão e reflexão (inferência) acerca dos aspectos veiculados pelo texto.Relato e audição de experiências pessoais. .Participar dos momentos de debates e produções coletivas. OBJETIVOS ESPECÍFICOS 3.Compreensão de textos lidos por outras pessoas.Identificação e apreciação dos aspectos que compõem argumentando e respeitando os turnos de fala. 2. script e Linguagem oral cursiva. compreendendo a . . experiências. . argumentando e respeitando os turnos de fala. sugerindo. . linguístico da criança para que a linguagem seja apropriada enquanto um instrumento de expressão na . situações. sobretudo nas instâncias públicas de uso da linguagem. de interações orais. B e C PROFESSORA: Marilia Gabriela Petry DISCIPLINA: Língua Portuguesa CARGA HORÁRIA: 6 aulas semanais em cada turma ANO LETIVO: 2016 LÍNGUA PORTUGUESA 1.

.  Pronomes pessoais.Registros coletivos de vivencias da rotina escolar. . S e Z em final de palavra. G/J. M e N nasalização final de sílaba. Número: plural e singular.Conhecer e usar palavras ou expressões que estabelecem a coesão.Perceber as diferenças entre a linguagem oral e escrita.  Divisão silábica.. CH/X.Planejamento da escrita considerando o contexto de produção. Segmentar palavras em textos. . .Identificação e diferenciação das letras: caixa alta.Usar adequadamente a concordância e reconhecer violações de concordância nominal e verbal. ÃO e AM em final de palavra.Pontuação de textos. entrevista. Linguagem Escrita . poema.  Substantivos: Substantivo próprio e Substantivo comum – uso de letra maiúscula.Emprego adequado da letra cursiva.Trabalhar a produção de pequenos textos objetivando .Revisão coletiva de textos. . .Introdução e aprofundamento da revisão autônoma de textos. .Escuta com atenção de textos de diferentes gêneros. . C/QU.Usar diferentes tipos de letras em situações de escrita. . . texto de divulgação científica. .Reconhecimento e respeito pela diversidade linguística. G/GU. R/RR.Compreensão da função social da escrita enquanto forma de comunicação e de interlocução. .  Gênero e número. .Gêneros textuais: relato.Produção de frases e textos com recursos linguísticos acessíveis ao 3º ano. Análise Linguística .Organização do texto dividindo-o em parágrafos. O/U e E/I em sílaba final.  Sinônimos e Antônimos. . . CH/NH/LH. C/Ç.  Verbo: palavras que denotam ação (noção de passado. presente e futuro). S/SS.Trabalhar a estruturação textual e análise linguística. script e cursiva. unidade e coerência.Identificação e utilização das normas e regularidades do sistema de escrita nas produções de texto no que se refere à:  Ortografia. diário. .Valorização dos textos de tradição oral. carta e contos. . clareza.  Adjetivo. .

Ministério da Educação e do Desporto. AVALIAÇÃO A avaliação do processo do ensino e aprendizagem das turmas dos Anos Iniciais. registros escritos grupais e individuais (provas. H. projetos). Introduzir e aprofundar o uso do dicionário. . .  Significação das palavras no texto.“Rodas” de caráter específico que despertem a atenção e a curiosidade para temas voltados à cultura.Trabalho integrado a partir de uma obra de literatura infantil lida por todas as crianças. contínua e processual. A.  Utilização do dicionário para procurar a grafia correta das palavras. 6. Grupo Ediouro – Editora Tecnoprint. 2006. observando-se os princípios da interdisciplinaridade e da aprendizagem participativa.  Sinais de pontuação e acentuação gráfica. capacidade de interação com seus pares e implicação nas diferentes atividades propostas. . G. 1997. Tal avaliação ocorrerá em todos os momentos do processo de ensino e aprendizagem. Brasília: MEC/SEF. nas várias manifestações das crianças em situação de aprendizagem. Gramática divertida. BOAS.Leitura e avaliação (no plano oral e escrito) de registros relativos ao cotidiano da sala de aula e ao universo particular das crianças na faixa etária em questão. . Parâmetros curriculares nacionais: 1º e 2º ciclos do Ensino Fundamental: Língua Portuguesa.Viagens de estudo. textos. Universidade Federal de Minas Gerais. interpretação e produção oral e escrita. com o propósito de atingir a proposta do Plano de Ensino. São Paulo: Brasiliense. Secretaria da Educação. Capacidades Linguísticas da alfabetização e a avaliação. .Utilização de literatura infantil/infanto juvenil relativa ao conteúdo programático. . O.Trabalhos em grupos. REFERÊNCIAS BARBOSA. tais como: participação oral (debates). V. 7.Utilização de diferentes linguagens para expressão. METODOLOGIA Planejamento de estratégias de ensino-aprendizagem que possibilitem o desenvolvimento dos conteúdos previstos no programa. utilizam- se os instrumentos e medidas de avaliação que atendem a dinâmica mediadora e que privilegiam o processo e não apenas o produto. Fascículo 1) BRASIL. interpretação e composição de textos. Pontuar o texto. . . visando o pleno desenvolvimento das ações educativas das crianças. é compreendida em suas dimensões: formativa. as práticas da professora e identificar as necessidades de aprendizagem do grupo e de cada criança individualmente. No campo da Língua Portuguesa. BATISTA.Leitura. diagnóstica. 4. relatórios.Reestruturação individual e coletiva dos textos produzidos pelas crianças.  Utilização do dicionário compreendendo sua função e organização. Brasília : MEC. . outras histórias. Secretaria de Educação Fundamental. A. et al. de textos com linguagens variadas. a partir do Plano de Ensino. ESTRATÉGIAS DE ENSINO . a organização. a ação pedagógica se desenvolverá no sentido de criar situações que integrem os conteúdos numa rotina diária de leitura e escrita. Considerando preliminarmente os critérios de avaliação para o trimestre. exercício de liderança. divisão de funções. . 100 p.Utilização de livro didático do PNLD (2016-2018). Alfabetização: uma nova alternativa didática – outras questões. com características que se alternam durante o ano. Desta forma. a avaliação contribuíra para redirecionar o trabalho educativo. 5. reflexiva e crítica. do Ensino Fundamental do Colégio de Aplicação. trabalhos. visando à troca de experiências e o desenvolvimento de habilidades e atitudes entre as crianças. ( Coleção Pró Letramento.

RODARI. Alfabetização: um processo em construção.. 1999. 1985. Aprendendo a escrever. __________. e TEBEROSKY. 4ª ed. LAJOLO. TEBEROSKY. A. M. M. L. G. São Paulo: Martins Fontes. ____________. 1987. Texto e leitor. C. A. (org. São Paulo: Trajetória/Unicamp. 1994. São Paulo: Ática. KLEIMAN. 1989. Rio de Janeiro: Paz e Terra. A importância do ato de ler em três artigos que se completam. FRANCHI. P. 1985.) Reflexões sobre o ensino da leitura e da escrita. São Paulo: Cortez. 1994. Com todas as letras. A. Os processos de leitura e escrita: novas perspectivas. M. M. São Paulo: Martins Fontes. 1995. Campinas: Pontes/Unicamp.).. São Paulo: Cortez. Os significados do letramento. A. 1995. Oficina de leitura. 1989. 1988. Linguagem e escola: uma perspectiva social. São Paulo: Casa do Psicólogo. ___________. Campinas: Mercado de Letras. 1988. 1993. de. E PALÁCIO. (org. Psicogênese da língua escrita. Porto Alegre: Artes Médicas. Curitiba: Renascer. e CARDOSO. L. e TOLCHINSKY. Trabalhando com a palavra viva – 1 2. L. A Formação social da mente. Literatura infantil brasileira: história & histórias. Pensamento e linguagem. 1988. Além da alfabetização.. __________. 6ª ed. 2ª ed. COLL. São Paulo: Mestre Jou. Ensaios construtivistas. São Paulo: Ática. Campinas: Pontes. S. 1982. Leitura: ensino e pesquisa. São Paulo: Cortez. 5ª ed. M. MACEDO. 1996. FREIRE. E. Gramática da fantasia. V. A redação na escola. LEMLE. M. ___________. B. 1994.). VIGOTSKY. A pedagogia do oprimido.1988. SOARES. 3 e 4 Séries. E. M. e BOZZA. Psicopedagogia da linguagem escrita. A. TEBEROSKY. 1986. TEBEROSKY. 1993. Reflexões sobre alfabetização. ___________. S. KATO. Aprendizagem escolar e construção do conhecimento. 13ª ed. E. A concepção da escrita pela criança. 1989. E as crianças eram difíceis. Rio de Janeiro: Paz e Terra. São Paulo: Saraiva. 2ª ed. FERREIRO. 1995. 1982. Porto Alegre: Artes Médicas. M. A. B. LOWENFELD. 1978. 1977. Compor textos. e BRITTAIN. SERKES. Desenvolvimento da capacidade criadora. A. 1987. São Paulo: Ática. 1989. e VIAN. Guia Teórico do Alfabetizador. FREIRE. Campinas: Pontes. . São Paulo: Martins Fontes. R. e ZILBERMAN. São Paulo: Ática. E. Porto Alegre: Artes Médicas. A paixão de conhecer o mundo. São Paulo: Ática. São Paulo: Trajetória/Unicamp. ___________ (org. L. W. São Paulo: Summus. ____________. FERREIRO. Campinas: Pontes/Unicamp. RUSSO. FERREIRO. In: TEBEROSKY. 1988.

. OBJETIVOS ESPECÍFICOS2 3. onívoros etapas do trabalho científico. grãos. com vistas à sua formação integral e como forma de mediar o conhecimento e a atuação na sociedade.Pesquisar.Identificar os diversos tipos de materiais e a sua  Obesidade transformação para facilitar a vida dos seres vivos. fibras.  Cadeia alimentar: seres consumidores. através de hábitos de observação. ... juntamente com Integração Social) CARGA HORÁRIA: 3 aulas semanais em cada turma ANO LETIVO: 2016 CIÊNCIAS 1. 2.Desenvolver a capacidade de observação reflexiva e OS ANIMAIS crítica da ação humana na natureza. . vitaminas. análise crítica e espírito de iniciativa.  Desnutrição . Animais nocivos . seres produtores. que vive acima do solo . ALIMENTAÇÃO E SAÚDE  Alimentação saudável .Desenvolver a capacidade de pesquisar observando as carnívoros.  Animais domesticados.Entender como a ciência constrói conhecimento sobre os O SER HUMANO E A CIÊNCIA fenômenos naturais. vegetais e legumes.  Animais em extinção (Direitos dos Animais). ovíparos. Animais silvestres. relações com a higiene.  Ciências humanas e da natureza . herbívoros.Entender conceitos básicos da ciência. praticar hábitos saudáveis e identificar suas  Frutas.Refletir sobre a natureza da ciência e sua relação com a  Animais vertebrados e invertebrados tecnologia e a sociedade.  A ciência e a produção do conhecimento  Conceitos básicos das ciências .  Habitat: animais que vivem dentro do solo. seres decompositores. Brasil/Ministério da Educação/2012). . CONTEÚDO PROGRAMÁTICO .Compreender a necessidade de preservação ambiental. que vivem na água.Aprender a seriar. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO COLÉGIO DE APLICAÇÃO PLANO DE ENSINO INSTITUIÇÃO: Colégio de Aplicação CURSO: Ensino Fundamental ANO/TURMA: 3º ano A. OBJETIVOS DA DISCIPLINA PARA O ANO Despertar o interesse e a curiosidade científica do educando.Favorecer a proposição de ações éticas e responsáveis  Classificação dos animais quanto à reprodução: em relação à natureza e aos animais.Compreender a importância das relações entre os seres vivos para a sobrevivência. frente aos problemas eco ambientais contemporâneos. B e C PROFESSORA: Carolina Ribeiro Cardoso da Silva DISCIPLINA: Ciências (compõe a área de Ciências Humanas e da Natureza. 2 Os objetivos específicos aqui apresentados têm como referência os Direitos gerais de aprendizagem de Ciências Naturais apresentados no Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa (PNAIC. organizar e classificar informações. vivíparos  Classificação dos animais quanto à alimentação: .

interpretação e composição de contextos culturais do universo social dos alunos. projetos). . vidro PRESERVAÇÃO DO AMBIENTE  Saneamento básico  Abastecimento e tratamento de água  Coleta de lixo  Destino do lixo 4. cênica. diagnóstica.Apresentação e criação de vídeos. Tal avaliação ocorrerá em todos os momentos do processo de ensino e aprendizagem. registros escritos grupais e individuais (provas. com características que se alternam durante o ano. tais como: participação oral (debates). relatórios. nas várias manifestações das crianças em situação de aprendizagem. a avaliação contribuíra para redirecionar o trabalho educativo. a partir do Plano de Ensino. .Jogos e atividades lúdicas que permitam aquisição de conceitos mais abstratos no campo da Ciência. do Ensino Fundamental do Colégio de Aplicação. 6. é compreendida em suas dimensões: formativa. Desta forma. capacidade de interação com seus pares e implicação nas diferentes atividades propostas. ferro. visando a ampliação do repertório de saberes. papel. . leitura e exposição de registros elaborados pelos alunos. relativos às experiências propostas. utilizam-se os instrumentos e medidas de avaliação que atendem a dinâmica mediadora e que privilegiam o processo e não apenas o produto. visando o pleno desenvolvimento das ações educativas das crianças. . as práticas da professora e identificar as necessidades de aprendizagem do grupo e de cada criança individualmente. 5. ESTRATÉGIAS DE ENSINO . .Identificação do conhecimento prévio dos alunos sobre os conteúdos previstos. observando-se os princípios da interdisciplinaridade e da aprendizagem participativa.Utilização de literatura infantil/infanto juvenil relativa ao conteúdo programático. AVALIAÇÃO A avaliação do processo do ensino e aprendizagem das turmas dos Anos Iniciais. . Considerando preliminarmente os critérios de avaliação para o trimestre. musical e literária para expressão. algodão. METODOLOGIA Planejamento de estratégias de ensino-aprendizagem que possibilitem o desenvolvimento dos conteúdos previstos no programa de Ciências. exercício de liderança. TRANSFORMANDO O AMBIENTE  Recursos naturais renováveis e não-renováveis  Conhecendo os materiais e como são feitos: madeira. borracha. . . contínua e processual.Pesquisas individuais e/ou em grupos sobre os temas previstos no plano de ensino. .Trabalhos em grupos. com o propósito de atingir a proposta do Plano de Ensino.Produção.Aulas expositivas dialogadas. textos. .Utilização da linguagem artística. divisão de funções.Viagens de estudo. couro. a organização. visando a troca de experiências e o desenvolvimento de habilidades e atitudes entre elas. reflexiva e crítica. trabalhos.

2005. D. A.pdf>. Disponível em: <http://reec. São Paulo: Edusp. O que é ecologia. _______. 1985. A. M. BRONOWSKY. 2. A. 1984. Acesso em: 24/02/2016.pdf>.org.. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias. _______. REFERÊNCIAS ACEVEDO. 2015. HERMAN. et al. Disponível em: <http://cdnbi.VÁZQUEZ. M. SEB. Brasília: MMA/DEA. Encontros e Caminhos: formação de educadoras(es) ambientais e coletivos educadores. Acesso em: 25/02/2016.br/resources/VMSResources/contents/document/publicationsSeries/150744Iniciaca oCient. São Paulo: Brasiliense. Departamento de Educação Ambiental. 1992. 2. Coleção Primeiros Passos. MANASSERO. REIGIOTA. Ministério da Educação. 1994.uvigo. Brasília: MEC/SEF.L. Ciências da Natureza no Ciclo de Alfabetização. A. Orientando a criança para amar a Terra. Diretoria de Apoio à Gestão Educacional. Belo Horizonte: Itatiaia. Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. LAGO. Cadernos 08/ Ministério da Educação. P. J. Ministério do Meio Ambiente. Introdução à Metodologia da Ciência. . – Brasília: MEC. Secretaria de Educação Fundamental. São Paulo: Brasiliense. O que é educação ambiental.. Iniciação Científica: um salto para a ciência. Secretaria de Educação Básica. São Paulo: Atlas. Papel de la educación CTS en una alfabetización científica y tecnológica para todas las personas. J. 1997. M. v. Parâmetros curriculares nacionais: 1º e 2º ciclos do Ensino Fundamental: Ciências. São Paulo: Augustus. Boletim 11 junho 2005. Ministério da Educação e do Desporto. ________. 1979. Ciências e valores humanos. BRASIL.es/volumenes/volumen2/REEC_2_2_1. A. M. n. 2003.7.tvescola. A. J. e PÁDUA. DEMO.

etc.Reconhecer e identificar os aspectos naturais e culturais  A rua no bairro: endereço dos alunos (nome da do bairro em que vive. B e C PROFESSORA: Carolina Ribeiro Cardoso da Silva DISCIPLINA: Integração Social (compõe a área de Ciências Humanas e da Natureza. monumentos históricos. descrição ou  Tempo histórico rememoração dos fatos históricos (textos manuscritos. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO COLÉGIO DE APLICAÇÃO PLANO DE ENSINO INSTITUIÇÃO: Colégio de Aplicação CURSO: Ensino Fundamental ANO/TURMA: 3º ano A. país). e as demais pessoas como membros Infância(s): de vários grupos de convívio. mapas simples. jornal. Tecnologias de transporte e comunicação: . Brasil/Ministério da Educação/2012).Reconhecer permanências e mudanças ocorridas nos  Os direitos das crianças na atualidade vários aspectos da vida em sociedade. 2. OBJETIVOS DA DISCIPLINA PARA O ANO Desenvolver a compreensão de questões geográficas e do tempo histórico. registros orais. cores e legendas). registros familiares. interpretar e representar o espaço por meio de  Comunicação e imprensa (rádio. .Reconhecer a relação entre sociedade e natureza na  O bairro dos alunos e suas características. número da casa.Ler.  Correspondência . dinâmica de seu cotidiano e na paisagem local. localizando os bairros . território. escala. OBJETIVOS ESPECÍFICOS3 3.). bairro. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO .  Registros da história imagens estáticas e em movimento. rua. CEP. cidade. Espaço geográfico e bairro:  Lugar.  As fases da vida (enfoque na infância)  Infâncias no século passado e no atual . televisão. assim como das relações de organização social e da produção dos bens materiais. etc. croquis ou roteiros utilizando elementos espaços da linguagem cartográfica (orientação. plantas e mapas mudanças ao longo do tempo. econômicos. internet.)  Meios de transporte em diferentes tempos e .  O bairro na cidade: o mapa de Florianópolis. juntamente com Ciências) CARGA HORÁRIA: 3 aulas semanais em cada turma ANO LETIVO: 2016 INTEGRAÇÃO SOCIAL 1. 3 Os objetivos específicos aqui apresentados têm como referência os Direitos gerais de aprendizagem de História e Geografia apresentados no Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa (PNAIC. Medição e marcadores do Tempo:  Os relógios .Identificar e utilizar diferentes marcadores de tempo  A paisagem e seus elementos elaborados pelas sociedades em diferentes tempos e lugares.Identificar e comparar diferentes tipos de registros  Os calendários (períodos e estações do ano) documentais utilizados para a construção.Identificar-se. a si. culturais. paisagem e região . ao longo do tempo e em diferentes lugares.Produzir mapas. bem como  Croquis.

Jogos e atividades lúdicas que permitam a aquisição de conceitos relacionados a categorias e instrumentos relativos aos conceitos de tempo e de espaço.Produção de mapas. registros escritos grupais e individuais (provas.Aulas expositivas dialogadas. do Ensino Fundamental do Colégio de Aplicação. observando as técnicas e as formas de apropriação interesses coletivos. visando o pleno desenvolvimento das ações educativas das crianças. com o propósito de atingir a proposta do Plano de Ensino. divisão de funções. exercício de liderança. é compreendida em suas dimensões: formativa. a avaliação contribuíra para redirecionar o trabalho educativo.Identificar razões e processos pelos quais os grupos  Os temas serão definidos mediante o contexto social. AVALIAÇÃO A avaliação do processo do ensino e aprendizagem das turmas dos Anos Iniciais. 5. Temas Atuais . projetos). METODOLOGIA Planejamento de estratégias de ensino-aprendizagem que possibilitem o desenvolvimento dos conteúdos previstos no programa de Integração Social. interpretação e composição de contextos culturais do universo social dos alunos. cênica. . . Considerando preliminarmente os critérios de avaliação para o trimestre. reflexiva e crítica. . cores e legendas). . . O trabalho com os temas da da natureza e seus recursos. a partir do Plano de Ensino. etc. observando os tempo.Utilização de livro didático do PNLD (2016-2018). visando a ampliação do repertório de saberes. escala. locais e a sociedade transformam a natureza ao longo do político. . capacidade de interação com seus pares e implicação nas diferentes atividades propostas. econômico e cultural. contínua e processual. documentos.Apresentação e criação de vídeos. imagens. 6.Utilização da linguagem artística. a organização. relatórios. . as práticas da professora e identificar as necessidades de aprendizagem do grupo e de cada criança individualmente. . musical e literária para expressão. observando-se os princípios da interdisciplinaridade e da aprendizagem participativa.Posicionar-se frente aos assuntos e decisões de interesse coletivo. trabalhos. nas várias manifestações das crianças em situação de aprendizagem. relacionados aos temas em estudo. . com características que se alternam durante o ano. . 4. utilizam-se os instrumentos e medidas de avaliação que atendem a dinâmica mediadora e que privilegiam o processo e não apenas o produto. ESTRATÉGIAS DE ENSINO . croquis ou roteiros utilizando elementos da linguagem cartográfica (orientação.Identificação do conhecimento prévio dos alunos sobre os conteúdos previstos.Observação e análise de paisagens. . textos. Tal avaliação ocorrerá em todos os momentos do processo de ensino e aprendizagem. . atualidade visam a reflexão sobre as relações que se estabelecem entre natureza e sociedade. . diagnóstica..Utilização de literatura infantil/infanto juvenil relativa ao conteúdo programático. tais como: participação oral (debates). Desta forma.Viagens de estudo. visando a troca de experiências e o desenvolvimento de habilidades e atitudes entre elas.Trabalhos em grupos.Pesquisas individuais e/ou em grupos sobre os temas previstos no plano de ensino.

O tempo e os tempos. Editora responsável: Lucimara Regina de Souza Vasconcelos. O saber histórico na sala de aula. São Paulo: Editora Contexto. A. Metamorfoses do espaço habitado. Parâmetros curriculares Nacionais 1º e 2º ciclos do Ensino Fundamental: História e Geografia. 2014. C. Ciências da Natureza no Ciclo de Alfabetização. Cadernos 09 e 10/ Ministério da Educação. CALLAI. Epistemologia da geografia. 3ª ed. _________.7.). 2009. 1991. EDITORA MODERNA (org. A natureza do espaço. O ensino em estudos sociais. Rosângela. . Diretoria de Apoio à Gestão Educacional. Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. São Paulo: Companhia das Letras. São Paulo: Contexto. Ministério da Educação e do Desporto. Aprendendo História e Geografia – Conteúdos essenciais para o Ensino Fundamental de 1ª a 4ª séries. Representações do espaço para visuais e invisuais. NOGUEIRA. Secretaria de Educação Básica. __________________. 1993. Pensando o espaço do homem.). outras histórias. BITTENCOURT. Circe. Porto Alegre: Editora UFRGS. PNLD 2016-2018 (FNDE/MEC). Florianópolis: Nova Letra. _______. CASTROGIOVANI. São Paulo: Editora Contexto. MENDONÇA. 1988. 2002. In Novaes. Do desenho ao mapa – iniciação cartográfica na escola. Florianópolis:UFSC. 2000.. 1988. BOAS. Ruth E. Antonio Carlos. 1992. H. César & TEBEROSKI. V. Alfabetização: uma nova alternativa didática – outras questões. (org. 1997. F. 2009. São Paulo: Brasiliense. SANTOS. Secretaria de Educação Fundamental. São Paulo: Moderna. H. O espaço geográfico – ensino e representações. (Org. São Paulo: Hucitec. São Paulo: Ática. BRASIL. Projeto Buriti: história. Paul. Brasília: MEC/SEF. 1991 _________. SEB. 1996. CLAVAL. – Brasília: MEC. Ijuí: Livraria Unijuí Editora. M.). Geografia e meio ambiente. Motivações hodiernas para ensinar geografia. COLL. BOSI. A. 2015.). 1997. Geografia em sala de aula – práticas e reflexões. São Paulo: HUCITEC. São Paulo: Contexto. REFERÊNCIAS ALMEIDA. 2011. Tempo e história. São Paulo: HUCITEC. (org. Ensino Fundamental: anos iniciais. A.

fotografias. oral. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO COLÉGIO DE APLICAÇÃO PLANO DE ENSINO INSTITUIÇÃO: Colégio de Aplicação CURSO: Ensino Fundamental SÉRIE: 4º ano A. oral.Verbos: tempos verbais. 1. OBJETIVOS DA DISCIPLINA PARA O ANO Possibilitar ao aluno a ampliação e o domínio da Língua Portuguesa e da linguagem. corretamente e perceber o uso . filmes. folhetos. número e grau.Ortografia. . intensidade.Classificação das palavras quanto ao número de sílabas e sílaba tônica. exposições. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO  Expressar oralmente momentos da Linguagem oral própria vida.Artigo definido e indefinido. textuais. textuais: ritmo. adequado por meio de consulta ao .Produção e recepção de textos orais em situações formais e informais. . brinquedos cantados). unidade.Significação das palavras no texto (uso do glossário). .Adjetivo.(presente.Identificação e utilização dos aspectos prosódicos dos diversos gêneros oralidade. cds. teatral.  Identificar os sinais de pontuação e a . diálogos. mapas. . 2.  Reproduzir histórias utilizando as diferentes linguagens para contar: Linguagem escrita musical.Produção de textos com clareza.  Comentar um fato narrado e registrar observando-se os sinais gráficos da sua pontuação com sua expressão opinião sobre a questão proposta. livros.Compreensão da função social da escrita (forma de comunicação e de  Fazer leitura em voz alta e com interlocução). coerência.Sinais de pontuação. segunda e . entonação adequada. audiovisual no cotidiano das pessoas. palavras. para que atue como cidadão consciente do seu papel na sociedade.Gênero.Consciência fonológica: percepção dos sons das palavras.  Discutir a função da linguagem . reportagens e  Apropriar-se do sistema de escrita na histórias em quadrinhos.Divisão silábica. para adaptar trechos em que aparece a . com alternância entre as turmas nos três trimestres. na escrita.Utilização dos recursos gráficos para orientar adequadamente a leitura  Identificar outras formas de registro: e interpretação do interlocutor. de acordo com as jornais. discriminando semelhanças Análise Linguística e diferenças na função e na grafia das . desenhos.Substantivo próprio e comum. .Acentuação gráfica.  Utilizar cada uma das palavras . . e reescrevê-los. relatórios.Conhecimento e observação do uso das seguintes classes de palavras: sílaba tônica. altura e timbre de voz. características de cada texto. OBJETIVOS ESPECÍFICOS 3. diários.Pronomes pessoais do caso reto. organização  Ilustrar os fatos comentados. utilização para aplicá-los corretamente . reconhecer a sílaba tônica nas palavras . .  Identificar os diferentes acentos e sua .…). observados em suas diferentes formas de produção de diferentes gêneros manifestação/linguagens e espaços de divulgação e circulação (revistas. construídas historicamente nas relações sociais.  Compreender a divisão silábica.Apresentação de textos produzidos pelos alunos. . entonação. e classificá-las conforme a posição da . formal e estrutural nos diversos gêneros (além dos trabalhados anteriormente): entrevistas. B e C PROFESSORA: Silvia Maria Martins DISCIPLINA: Língua Portuguesa ANO LETIVO: 2016 CARGA HORÁRIA: 6 aulas semanais em 2 turmas e 7 aulas semanais em 1 turma. . pretérito e futuro) e conjugações (primeira.  Comparar. espetáculos. função de cada um deles. . brincadeiras  Utilizar os recursos da escrita formal com a linguagem (rimas. trava-línguas.

trabalhos em grupos. . histórias grau na compreensão da frase. como também. visando à troca de experiências. E PALÁCIO. terceira). divisão de funções.  Perceber a importância da Leitura concordância de gênero. .  Identificar as diferenças de sentido . A. manual.jogos e atividades lúdicas que permitam aquisição de conceitos mais abstratos no campo da linguística. auxiliando-o no aperfeiçoamento de todo o processo que ocorrerá ao longo do ano letivo. bilhetes.identificação das diferenças entre substantivo próprio e comum e de como utilizá-los na produção textual. . .. Grupo Ediouro – Editora Tecnoprint.. E.  Conhecer textos práticos e sua utilização no cotidiano. .Textos práticos: anúncio. 5. anedotas. Gramática divertida. FERREIRO. TEBEROSKY.Literatura infanto-juvenil: poemas. o desenvolvimento de habilidades e atitudes entre elas. ____.identificação e utilização dos pronomes. número e . etc. folder e cardápios.rotina semanal de ida a biblioteca. . Porto Alegre: Artes Médicas. por intermédio de atividades desenvolvidas nas aulas. São Paulo: Cortez.utilização do dicionário.Uso do dicionário.produção de livros a respeito de diferentes assuntos trabalhados em classe. com características que se alternam no decorrer do ano letivo. Reflexões sobre alfabetização.viagens de estudo e leituras específicas. Os processos de leitura e escrita: novas perspectivas. Com todas as letras. Porto Alegre: Artes Médicas.  Ler diferentes gêneros textuais para exercitar a fluência e a capacidade de compreender um texto. obras de arte.  Identificar o adjetivo no contexto e reconhecer sua função. C. O.apresentação de pesquisas variadas. M. exercício de liderança. contos de fada.. charges. São Paulo: Cortez. substantivo próprio e comum. COLL. diversificada. 1985. aplicando-os na escrita de textos. possibilitando a construção de uma rotina diária que inclua: .  Reconhecer a linguagem não-verbal como forma de representação gráfica e de leitura. Rio de Janeiro: Paz e Terra. fábulas. FRANCHI. algumas placas de indefinidos. poesias e cartas enigmáticas. E as crianças eram difíceis.Textos não-verbais: livros de imagens. . Ela consiste no acompanhamento do desenvolvimento das ações educativas do aluno. receita.construção de rimas. 1999. A redação na escola. a organização. Aprendizagem escolar e construção do conhecimento. . São Paulo: Martins Fontes. 4. Psicogênese da língua escrita. FREIRE.  Analisar e compreender a função dos pronomes. a ação pedagógica se desenvolverá no sentido de criar situações que integrem os conteúdos. e TEBEROSKY. Porto Alegre: Artes Médicas. A. REFERÊNCIAS BARBOSA. . FERREIRO. . com o uso de artigos definidos ou . E.leitura e seleção de reportagens que chamam a atenção do educando.transcrição de textos. . 1987. FERREIRO.  Reconhecer a diferença entre . textos dramáticos. bula. dicionário. . histórias em quadrinhos. . sinalização.confecção de anúncios. 1988. E. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM A avaliação do processo de aprendizagem é diagnóstica.relato das observações nas viagens de estudo. despertar a consciência da necessidade de se desenvolver relações de respeito à vida nas suas diferentes formas. 1993. M. . ASPECTOS METODOLÓGICOS No campo das disciplinas que compõem a grade curricular para o 4º ano. em quadrinhos.reestruturação coletiva e individual dos textos produzidos pelos educandos. bilhete. E. 6ª ed. A paixão de conhecer o mundo. formativa. contínua e cumulativa. 1994. 1985. 6. . trechos de histórias e frases de linguagem informal para linguagem formal.

LOWENFELD. TEBEROSKY. A concepção da escrita pela criança. 1989. A. 1987. ____. W. M. Pensamento e linguagem. 1988. ____. Ensaios construtivistas. Além da alfabetização. TEBEROSKY. São Paulo: Mestre Jou. (org. 1994. Gramática da fantasia. 1986. de. Trabalhando com a palavra viva – 1. 1989. Curitiba: Renascer. (org. A pedagogia do oprimido. A. São Paulo: Martins Fontes.FREIRE. 2. 1982. Os significados do letramento. A. Aprendendo a escrever. A. 5ª ed. e BOZZA. VIGOTSKY. M. Compor textos. B. 3 e 4 Séries. 4ª ed. São Paulo: Ática. SERKES. ____. São Paulo: Summus. 1982. e CARDOSO. Alfabetização: um processo em construção. São Paulo: Casa do Psicólogo. 1988. L. S. ____. Psicopedagogia da linguagem escrita. Leitura: ensino e pesquisa. R. RODARI. São Paulo: Ática. A. SOARES. B. MACEDO. São Paulo: Saraiva. M.) Reflexões sobre o ensino da leitura e da escrita. Guia Teórico do Alfabetizador. A Formação social da mente. ____ (org.). Campinas: Pontes. L. Literatura infantil brasileira: história & histórias. 1988. 1977. RUSSO. P. 2ª ed. São Paulo: Ática. 1989. S. 1995. M. e TOLCHINSKY. Rio de Janeiro: Paz e Terra. KATO. São Paulo: Ática. Campinas: Pontes/Unicamp. 2ª ed. LAJOLO. 1996. V. São Paulo: Ática. ____. Campinas: Mercado de Letras. e BRITTAIN. Desenvolvimento da capacidade criadora. LEMLE. KLEIMAN. L. 1978. 1995. Campinas: Pontes/Unicamp. In: TEBEROSKY. 1989. São Paulo: Martins Fontes.. . São Paulo: Trajetória/Unicamp. 13ª ed. 1994.). e ZILBERMAN. Texto e leitor. M. São Paulo: Cortez. 1995. A importância do ato de ler em três artigos que se completam. Campinas: Pontes. Linguagem e escola: uma perspectiva social. e VIAN. M. Oficina de leitura. ____. L. 1993. São Paulo: Trajetória/Unicamp. G.

escrita. interpretar.Medidas de tempo. ordem crescente. . ordem decrescente. diversos contextos e situações-problema e dele se -Classe dos milhares: leitura. . → Utilizar os números naturais para representar .Números Racionais (numeral fracionário): decimais. Operações → Adicionar. → Perceber como os conceitos matemáticos estão objetivados em nosso dia-a-dia.Noção. → Conhecer regras e sistematização: classes de milhares . Aplicando os conhecimentos adquiridos no seu dia-a-dia.Sistema de Medidas: 3. → Utilizar estratégias pessoais ou cálculos mentais aproximando-se de técnicas operatórias . 2. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1.Sistema de Numeração Decimal: . OBJETIVOS ESPECÍFICOS 3. algoritmo e terminologia.Capacidade. . → Reconhecer e usar a fração em situações . cálculo mental. contagens.Representação. . com alternância entre as turmas nos três trimestres. formular e resolver situações . OBJETIVOS DA DISCIPLINA PARA O ANO Propiciar ao educando o desenvolvimento do pensamento lógico-matemático por meio da aquisição de conceitos e procedimentos.Evolução histórico-cultural dos sistemas de numeração. subtrair. → Analisar. explorados em .Conceito.. procedimentos de . parênteses. → Realizar expressões numéricas com o uso de .Propriedades e relações entre as operações. apropriar.Regras e sistematizações. com compreensão. Sistema de Numeração Decimal . B e C PROFESSORA: Juliete Schneider DISCIPLINA: Matemática ANO LETIVO: 2016 CARGA HORÁRIA: 6 aulas semanais em 2 turmas e 7 aulas semanais em 1 turma.Massa. escrita.Representação das frações decimais em números → Desenvolver cálculos mentais por estimativa e por decimais e vice-versa. . comparação. . . multiplicar e dividir números . comparação. medidas.Conceito de número. matemáticas envolvendo as quatro operações.Divisão (com divisor de 1 a 99).Adição.Adição.Comparação Operações. ordenação.. quantidades em diversas situações.Expressões numéricas (introdução dos sinais de associação: parênteses). refletir e encontrar soluções. Números Racionais . → Desenvolver. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO COLÉGIO DE APLICAÇÃO PLANO DE ENSINO INSTITUIÇÃO: Colégio de Aplicação CURSO: Ensino Fundamental SÉRIE: 4º ano A. 2. ordem . instigando-o a pensar.Multiplicação (com multiplicador de um ou dois numeração decimal.Subtração. crescente e decrescente).Comprimento. ordenação. arredondamento. .Operações: → Compreender a evolução da história dos números. . (leitura. . algarismos). → Compreender e utilizar as regras do sistema de .Números Decimais: convencionais. → Reconhecer as propriedades e relações entre as operações. códigos. da resolução de problemas. → Construir o significado de número natural a partir de .. 1.Subtração. .

construção e analise de gráficos. 1986. perpendicularismo. 4. CARRAHER. TEBEROSKY. Campinas: Unicamp. visando à troca de experiências de desafios. . COOL.construção de composições com figuras geométricas planas. temperatura e capacidade). 1998a. 1984.comunicar ideias matemáticas de diferentes formas: oral. .Noção de perímetro. da dedução e da estimativa que instiguem o raciocínio. inicialmente em a apresentação de seus elementos. Secretaria de Educação Fundamental. N. segundos) em atividades diárias. Sistema de Medidas . auxiliando-o no aperfeiçoamento de todo o processo que ocorrerá ao longo do ano letivo. por intermédio de atividades desenvolvidas nas aulas.Sólidos: prismas. fracionárias e decimais. possibilitando a construção de uma rotina diária que inclua: .Triângulos. .Noções de paralelismo. minutos. . Tratamento de Informações → Conhecer e reconhecer estatística como parte fundamental na compreensão de fatos do dia-a-dia. . com características que se alternam durante o ano. Secretaria de Educação Fundamental. REFERÊNCIAS BRASIL. gráficos. C. . 5. → Desenvolver a competência métrica. reconhecendo as . tangram e outras. 2000. etc. . formativa. Parâmetros Curriculares Nacionais: Matemática/1º e 2º ciclos/Brasília: MEC/SEF.Simetria. .trabalhos em grupos. Ela consiste no acompanhamento do desenvolvimento das ações educativas do aluno.uso de trena. massa. Aprendendo Matemática: conteúdos essenciais para o Ensino Fundamental de 1ª a 4ª série. 4. grandezas e suas medidas (comprimento. 1997. escrita.elaboração. São Paulo: Ática. → Reconhecer as frações própria e imprópria. D’AMBRÓSIO.. ____. .estudos sobre frações. esfera. A.realização de cálculos das quatro operações com prova real.estudos das quatro operações. operações com números racionais nas formas . fita métrica.Geometria Plana e Espacial: → Representar e comparar números racionais. padronizadas. São Paulo: Vozes. gráficos. ângulo. etc. régua. cilindro. diagramas. Parâmetros Curriculares Nacionais: Introdução aos parâmetros curriculares nacionais/Brasília: MEC/SEF. U. diversificada. diagramas. Tradução: Ingeborg Strake. Rio de Janeiro: Livro Técnico AS. → Construir e apropriar-se dos significados do . escrita. → Construir e apropriar-se dos significados das .Quadriláteros. número racional e de suas representações. polígonos e não polígonos.atividades que reproduzam ações matemáticas do cotidiano. Piaget ao alcance dos professores. . ASPECTOS METODOLÓGICOS No campo das disciplinas que compõem a grade curricular para o 4º ano. CHARLES.propostas de exercícios no campo da lógica. . 6. → Comunicar ideias matemáticas de diferentes formas: oral.Circunferência e círculo. buscando situações diárias para melhor compreensão. 1975. com tempo. . . contínua e cumulativa. T. Da realidade à ação: reflexões sobre educação e matemática.análise de tempo (hora.jogos e atividades lúdicas que permitam aquisição de conceitos mais elaborados no campo da matemática. M. 5. resolução e avaliação de situações matemáticas organizadas pelos próprios alunos de forma individual e coletiva. . hora e minuto em situações do dia-a-dia. situações em que se exploram unidades não padronizadas e depois. .Noção de área. . suas equivalências e comparações. cone. por tabelas. . cotidianas.Figuras planas.. pirâmide. Aprender pensando. a ação pedagógica se desenvolverá no sentido de criar situações que integrem os conteúdos. etc. por tabelas. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM A avaliação do processo de aprendizagem é diagnóstica.Figuras espaciais. → Compreender as medidas de tempo. C. . .

p. C.73-155. São Paulo: Interciência. Matemática nas séries iniciais do Ensino Fundamental: a pesquisa e a sala de aula. São Paulo: Pioneira. M. T. In: PANIZZA. G. Porto Alegre. Porto Alegre: Artes Médicas. SADOVSKY. 2.. A arte de resolver problemas. A criança e o número: da contagem à resolução de problemas. Didática da Matemática. 2004. 1996. POLYA. Mabel et all. 2006. Delia. O Sistema de numeração: um problema didático. PAVANELLO. (org). Porto Alegre: Artes Médicas. LERNER. KHISHIMOTO. M. PARRA. vol. H. São Paulo. 1996. Biblioteca do Educador Matemático. I. SP: SBEM. Patrícia. Ensinar matemática na Educação Infantil e nas Séries Iniciais: análise e propostas. RS: Artmed. RS: Artes Médicas. 1978. . SAIS. 1994. 1994. Tradução: Antônio Fletrin. Estruturas da mente: a teoria das inteligências múltiplas. O jogo e a educação infantil. GARDNER. Porto Alegre.FAYOL. Regina Maria ett all.

Do entorno da escola. ASPECTOS METODOLÓGICOS No campo das disciplinas que compõem a grade curricular para o 4º ano.Históricos. 2. dimensões e perspectiva. culturais. do bairro e da sua cidade. contínua e cumulativa. . Florianópolis.Representações espaciais e uso de legendas: ocupação de Florianópolis. . . . e assim.Culturais . clima. → Compreender por meio de diferentes fontes de .Florianópolis – Dados: . 5. Ela consiste no acompanhamento do desenvolvimento das ações educativas do aluno.Atividades econômicas. .Físicos.Orientação e ponto cardeais. econômicos e políticos com a finalidade de contribuir na formação da cidadania. hino e brasão de . . .Escola. . Florianópolis. os quais contribuem para a .refletir a respeito de quando e como formamos nossa identidade. . B e C PROFESSORA: Lisley Canola Treis Teixeira DISCIPLINA: Integração Social (Compõe a área de Ciências Humanas e da Natureza) ANO LETIVO: 2016 CARGA HORÁRIA: 3 aulas semanais 1. . Natureza e Sociedade → Identificar zona rural e urbana na cidade de . relevo. informações a relação entre os aspectos naturais de . → Identificar aspectos arquitetônicos. OBJETIVOS ESPECÍFICOS 3. a ação pedagógica se desenvolverá no sentido de criar situações que integrem os conteúdos. diversificada. Florianópolis como: localização.Limites do município de Florianópolis. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO COLÉGIO DE APLICAÇÃO PLANO DE ENSINO INSTITUIÇÃO: Colégio de Aplicação CURSO: Ensino Fundamental SÉRIE: 4º ano A.Paisagem geográfica: → Identificar o significado da bandeira. por intermédio de atividades desenvolvidas nas aulas.Bairro. culturais. formativa. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO → Identificar os conceitos sobre identidade e revisitar Identidade sua história de vida. destacando: proporções. . . 4. compreender como ocorreu a colonização dessas terras.Do município.observação e desenho da sala de aula e entorno da escola. limites.Geográficos. auxiliando-o no aperfeiçoamento de todo o processo que ocorrerá ao longo do ano letivo.Município. hidrografia. Espaço históricos e geográficos.Conceito de identidade.História de vida: → Estabelecer representações espaciais da sala de aula. do entorno da escola. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM A avaliação do processo de aprendizagem é diagnóstica. possibilitando a construção de uma rotina diária que inclua: .Da sala de aula. . OBJETIVOS DA DISCIPLINA PARA O ANO Ampliar a compreensão das questões geográficas e do tempo histórico bem como das relações de organização social e da produção dos bens materiais.

São Paulo: Contexto. Ensaios Construtivistas. O espaço geográfico – ensino e representações.pesquisas sobre as localidades da cidade e pontos turísticos. e RANGER.análise de mapas. 2000. H. 1988. A noção do tempo na criança. Geografia em sala de aula – práticas e reflexões. seus primeiros habitantes e imigrantes.localização em mapas descobrindo os limites da cidade. J. Pensando o espaço do homem. M. C.conversa e pesquisa sobre fatos importantes da ilha. 1984. A. . HELLER.elaboração de análise comparativa em diferentes aspectos entre ontem e hoje em Florianópolis. . César &TEBEROSKI. M.Rio de Janeiro: Paz e Terra. O ensino em estudos sociais. P. (org. L. Tempo e história. Aprendendo História e Geografia – Conteúdos essenciais para o Ensino Fundamental de 1ª a 4ª séries. 1992. . A. A invenção das tradições. E.construção de jogos envolvendo os temas trabalhados. Rio de Janeiro: Record. . MACHADO. BRASIL. São Paulo: Hucitec. São Paulo: Contexto. Circe. (8):37- 45. São Paulo: Casa do Psicólogo. REFERÊNCIAS ALMEIDA. . 1972. O cotidiano e a história. fortalezas e demais localidades. 1991. In Novaes. O tempo e os tempos. C. O saber histórico na sala de aula. A. HOBSBAWM. SANTOS.). (Org. . São Paulo: Companhia das Letras. 1991. São Paulo: Editora Contexto. .Ijuí: Livraria Unijuí Editora. F.). Secretaria de Educação Fundamental. In: Revista Geografia e Ensino. 1997. Porto Alegre: Editora UFRGS. A. COLL. s/d. brasão e hino. L. Do desenho ao mapa – iniciação cartográfica na escola. MENDONÇA. T.pesquisa sobre o significado das cores da bandeira. Antonio Carlos. 1993. .visitação dos pontos turísticos da cidade e a museus arqueológicos. São Paulo: Editora Contexto. 1994. Ministério da Educação e do Desporto. .conhecer a história de Florianópolis. ____. Brasília: MEC/SEF. O estudo da paisagem: uma abordagem perspectiva..Rio de Janeiro: Paz e Terra.relato das viagens de estudo. CASTROGIOVANI. . CALLAI. BITTENCOURT. PIAGET. 6. Rosângela. BOSI.localização no mapa de pontos turísticos da cidade por meio dos pontos cardeais. MACEDO. São Paulo: Ática. Parâmetros curriculares Nacionais 1º e 2º ciclos do Ensino Fundamental: História e Geografia. Geografia e meio ambiente. 1997. .

espaço. . → Identificar alguns componentes presentes no solo e subsolo. Universo: → Diferenciar astros luminosos e astros . Introdução aos Biomas: → Reconhecer algumas características de cada um . sendo o ser humano parte integrante e agente de transformações do mundo em que vive. com alternância entre as turmas nos três trimestres 1. Atmosfera: o ar e a poluição. → Perceber que os alimentos são compostos de nutrientes. como telescópios e lunetas.Ser humano: transformações na superfície terrestre. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO → Definir astros. . matéria. → Entender os motivos pelos quais o ser humano utiliza o solo. associados à energia. → Identificar as etapas de metamorfose em alguns animais. → Identificar alguns agentes naturais que realizam . → Perceber que para observarmos alguns astros Hidrosfera: a água e as atividades humanas. → Identificar locais nos quais a água está presente. → Perceber a importância da reprodução dos animais. . B e C PROFESSORA: Lisley Canola Treis Teixeira DISCIPLINA: Ciências Naturais (Compõe a área de Ciências Humanas e da Natureza) ANO LETIVO: 2016 CARGA HORÁRIA: 3 aulas semanais em duas turmas e 4 aulas semanais em 1 turma. 2. dos planetas do Sistema Solar. → Reconhecer as principais causas do desgaste do solo. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO COLÉGIO DE APLICAÇÃO PLANO DE ENSINO INSTITUIÇÃO: Colégio de Aplicação CURSO: Ensino Fundamental SÉRIE: 4º ano A.Alimentação. sistema.Planeta Terra: → Diferenciar estrelas. planetas e satélites naturais.Ecossistema: animais e vegetação. → Compreender a vida em uma relação de interdependência e a ação humana sobre ela. estimulando a observação em relação à natureza como um todo dinâmico. Sabendo utilizar conceitos científicos básicos.Sistema Solar. transformação. → Identificar os estados físicos em que a água pode ser encontrada em nosso planeta. astros e corpos celestes: iluminados. → Identificar os destinos das águas utilizadas. → Localizar solo e subsolo. com detalhes é necessário utilização de instrumentos Litosfera: o solo e as atividades humanas. equilíbrio e vida sem prejuízo ao meio ambiente. OBJETIVOS ESPECÍFICOS 3. → Compreender o ciclo da água na natureza. tempo. OBJETIVOS DA DISCIPLINA PARA O ANO Despertar o interesse e a curiosidade do educando. → Reconhecer a importância do ar para os seres vivos. construídos pelo ser humano.

DIAS. → Classificar os alimentos de acordo com o tipo de nutriente que possuem em maior proporção. ____. São Paulo: Cia. Ciências para você 4.L. Curitiba: Positivo. Curitiba: Positivo. e INHELDER. Lisboa: Publicações DON Quixote. J. 1980. 1979. São Paulo: Global/ Gaia. PIAGET. A. formativa. 2006. ____. FONSECA. Pra onde vai a educação. → Interpretar a pirâmide alimentar. São Paulo: Cortez.construção de folders com informações trazidas pelas pesquisas e palestras. Ministério da educação e do Desporto. ORGANIZAÇÕES DAS NAÇÕES UNIDAS. Cuidando do Planeta Terra: uma estratégia para o futuro da vida. Curitiba: Positivo. Desenvolvimento das quantidades físicas na criança. Brasília: MEC/SEF. 1994. Interdisciplinaridade em tempo de diálogo: Práticas interdisciplinares na escola. Ela consiste no acompanhamento do desenvolvimento das ações educativas do aluno. São Paulo: Edusp. PIAGET. São Paulo: Augustus. e GARCIA. J. São Paulo: 1991. Fundo Mundial para a natureza (WWF). . REFERÊNCIAS BRASIL. auxiliando-o no aperfeiçoamento de todo o processo que ocorrerá ao longo do ano letivo. B. R. Biologia e conhecimento. J. a ação pedagógica se desenvolverá no sentido de criar situações que integrem os conteúdos. Psicogênese e história da ciência. 1984. 1991. contínua e cumulativa. por intermédio de atividades desenvolvidas nas aulas. 1992. → Identificar as principais funções dos nutrientes. O que é ecologia. PIAGET.construção do Sistema Solar . → Reconhecer o que é composta uma alimentação saudável. et all. Secretaria de Educação Fundamental. Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma).projeto coletivo sobre o Mangue envolvendo o ecossistema abordando animais em extinção e a ação dos homens sobre o meio ambiente. Ciências para você 3. ASPECTOS METODOLÓGICOS No campo das disciplinas que compõem a grade curricular para o 4º ano. . BRONOWSKY. L. 2006. M. J. ____. Ciências para você 2. Ed. 1º e 2º ciclos do Ensino Fundamental: Ciências Naturais. Ciências para você 1. 5. Orientando a criança para amar a Terra. J. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM A avaliação do processo de aprendizagem é diagnóstica. São Paulo: Brasiliense. Nacional.viagens de estudo ao planetário e ao observatório da UFSC. ____.pesquisa sobre as vitaminas das frutas. São Paulo: José Olympio. diversificada. HERMAN. O que é educação ambiental. 1974. possibilitando a construção de uma rotina diária que inclua: . S. Curitiba: Positivo. 4. Ciências e valores humanos. 1987. . Parâmetros Curriculares Nacionais. REIGIOTA. → Identificar alimentos de origem vegetal e animal. M. 2006. Coleção Primeiros Passos. Belo Horizonte: Itatiaia. Atividades interdisciplinares de educação. LAGO. 1997.. 1976. F. União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN).plantio de verduras e legumes na horta da escola. Macia Santos etall. 1994. DIAS. G. -passeio a área rural/fazenda. . . Lisboa: Rés editora. PÁDUA. 6. A. 2006. identificando os fatores necessários para o seu desenvolvimento e conhecendo duas partes. São Paulo: Brasiliense.

respiratório. Caatinga. registros escritos grupais e individuais (provas. Considerando preliminarmente os critérios de avaliação para o trimestre. floresta estacional decidual). Tal avaliação ocorrerá em todos os momentos do processo de ensino e aprendizagem. através de hábitos de observação. Energia elétrica . com vistas à sua formação integral e como forma de mediar o conhecimento e a atuação na sociedade. projetos). floresta ombrófila densa. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO COLÉGIO DE APLICAÇÃO PLANO DE ENSINO INSTITUIÇÃO: Colégio de Aplicação CURSO: Ensino Fundamental – Anos Iniciais ANO: 5º ano A. textos. nas várias manifestações das crianças em situação de aprendizagem. nervoso e reprodutor. relacionadas à eletricidade.Discutir as relações entre os seres vivos e os diversos ecossistemas. trabalhos. visando o pleno desenvolvimento das ações educativas das crianças.Aprender aspectos do sistema: digestório.Diferenciar habitat e ambiente. restinga. análise crítica e espírito de iniciativa. Campos). relatórios. OBJETIVO DO ANO: Despertar o interesse e a curiosidade cientifica do educando. a partir da Ementa e do Plano de Ensino. cuidados com a energia.Trabalhar o que são fatores bióticos e abióticos. é compreendida em suas dimensões: formativa. campos de altitude. tais como: participação oral (debates).Conhecer os principais Biomas Brasileiros (Floresta Amazônica. urinário. a avaliação contribuíra para redirecionar o trabalho educativo. utilizam-se os instrumentos e medidas de avaliação que atendem a dinâmica mediadora e que privilegiam o processo e não apenas o produto.Identificar e interpretar situações do dia a dia. . Desta forma. do Ensino Fundamental do Colégio de Aplicação. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM A avaliação do processo do ensino e aprendizagem das turmas dos Anos Iniciais. que possam representar perigo. com o propósito de atingir a proposta do Plano de Ensino.Compreender como a energia é produzida: tipos de usinas. . e os cuidados que devem ser tomados.Identificar características do corpo humano. Organização e funcionamento do Corpo Humano . capacidade de interação com seus pares e implicação nas diferentes atividades propostas. . . floresta ombrófila mista. Mata Atlântica. Eletrosul). Cerrado. . frente aos problemas biológicos da natureza.Conhecer os ecossistemas do Bioma Mata Atlântica (manguezal. contínua e processual. Pantanal. . 3. . OBJETIVOS ESPECÍFICOS Os seres vivos e suas relações com o ambiente . .Conhecer aspectos básicos em relação à energia elétrica. as práticas da professora e identificar as necessidades de aprendizagem do grupo e de cada criança individualmente. B e C PROFESSORA: Lara Duarte Souto-Maior DISCIPLINA: Ciências da Natureza ANO LETIVO: 2016 1. uso consciente da energia (visita ao projeto Casa Aberta. 2. diagnóstica. .Identificar atividades corporais que são controladas de forma voluntária e involuntária. cardiovascular.

passeios de estudo. Ângela. Ciências. Sueli. ASPECTOS METODOLÓGICOS Práticas de pesquisa. GIL. aulas expositivas com o apoio do livro didático e/ou material audiovisual (data show). 6. SANTOS. REFERÊNCIAS FANIZZI. 2012 MOTTA. Ciências. Emilio. São Paulo: FTD. Cristina. Cristina e TAKASE. 2011 (Coleção Porta Aberta). Mata Atlântica: o bioma onde eu moro. Florianópolis: Lagoa Editora.4. 2014 (Coleção Aprender Juntos) . São Paulo: SM.

Aspectos históricos . 3. nas várias manifestações das crianças em situação de aprendizagem.Identificar as mesorregiões que compõe o estado Catarinense.Identificar as influências dos povos indígenas.Relacionar os diferentes tipos de vegetação existentes no estado de Santa Catarina. textos. do Estado de Santa Catarina e do município de Florianópolis como produto/processo das relações políticas. africanos e europeus em Santa Catarina. políticas e culturais do presente e do passado do nosso estado. visando o pleno desenvolvimento das ações educativas das crianças. legenda. contínua e processual.Apontar mudanças e permanências na paisagem do nosso estado. .Compreender Historia de vida . diagnóstica. com o propósito de atingir a proposta do Plano de Ensino.Conceituar orientação espacial.Identificar os limites do estado de SC e sua divisão territorial. capacidade de interação com seus pares e implicação nas diferentes atividades propostas.Identificar o clima do estado catarinense. ANO: 5º ano A. .Identificar os elementos de um mapa (título.Localizar o estado de Santa Catarina no espaço brasileiro. tais como: participação oral (debates). Promover a compreensão geral da realidade atual do país e. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM A avaliação do processo do ensino e aprendizagem das turmas dos Anos Iniciais. a partir da Ementa e do Plano de Ensino.Relacionar as características dos rios e suas influências nas paisagens. . as práticas da professora e identificar as necessidades de aprendizagem do grupo e de cada criança individualmente. econômicas e culturais historicamente produzidas.Definir os conceitos de direção. do Ensino Fundamental do Colégio de Aplicação. registros escritos grupais e individuais (provas. . Tal avaliação ocorrerá em todos os momentos do processo de ensino e aprendizagem. escala. orientação e proporção. B e C PROFESSORA: Lara Duarte Souto-Maior DISCIPLINA: Ciências Humanas ANO LETIVO: 2016 1. OBJETIVO DO ANO Possibilitar a socialização dos alunos dentro do contexto social em que vivem. . . direções cardeais. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO COLÉGIO DE APLICAÇÃO PLANO DE ENSINO INSTITUIÇÃO: Colégio de Aplicação CURSO: Ensino Fundamental – Anos Iniciais. é compreendida em suas dimensões: formativa.Identificar as formas de relevo de Santa Catarina. econômicas.Identificar as relações sociais. rosa dos ventos) . 2. Aspectos geográficos . trabalhos. . . OBJETIVOS ESPECÍFICOS Orientação e localização . projetos). Considerando preliminarmente os critérios de avaliação para o trimestre. distância. .Apontar o contexto e as motivações das grandes navegações portuguesas. bem como as diferenças climáticas entre as diversas regiões do estado. . . utilizam-se os instrumentos e medidas de avaliação que atendem a dinâmica mediadora e que privilegiam o processo e não apenas o produto. relatórios.Situar na história do Brasil a formação do estado de Santa Catarina. Desta forma. mais especificamente. a avaliação contribuíra para redirecionar o trabalho educativo. .

Ana Claudia. 3 ed. Reinaldo. 5º ano.4. 4 ed. 2012. Eu conto História. 5.120p. São Paulo: Saraiva. ElianAlabi. Anselmo Lazaro. passeios de estudo. Rosângela Doin de. ASPECTOS METODOLÓGICOS Práticas de pesquisa. FIORI. Ivone Regina. LUNARDON. 2011.5º ano. SERIACOPI. Geografia de Santa Catarina. AZEVEDO. São Paulo: Scipione. Isa de Oliveira. Santa Catarina de todas as gentes: história e cultura. 5º ano. ROCHA. . São Paulo: Contexto. Maria Auxiliadora. 2011. São Paulo: Scipione. LUCCI. aulas expositivas com o apoio do livro didático e/ou material audiovisual (data show). 3 ed. REFERÊNCIAS ALMEIDA. História da Santa Catarina. 2012. Curitiba: Base Editorial. BRANCO. 5º ano. URBAN. Neide Almeida. 2004. Curitiba: Base editorial. 2011. Gislane. Coleção plural: geografia.5º ano. SCHIMIDT. Do desenho ao mapa: iniciação cartográfica na escola.

operador partitivo multiplicativo e medida. validação e aplicação aos problemas e à situações da vida cotidiana.). . subtrair. multiplicação (com multiplicador de um ou mais algarismos).c.Identificar uma fração própria.Determinar.Reconhecer o valor posicional do número. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO COLÉGIO DE APLICAÇÃO PLANO DE ENSINO INSTITUIÇÃO: Colégio de Aplicação CURSO: Ensino Fundamental – Anos Iniciais ANO: 5º anos A. observando regularidades nos conjuntos de divisores. subtração. .Compreender o conceito de número. .). . . . comparação. interpretar. OBJETIVO DO ANO Ampliar e explorar as potencialidades do conhecimento matemático no que se refere à formação de capacidades intelectuais.Conceituar. .Utilizar em expressões numéricas os sinais de associação: parênteses. B e C PROFESSORAS: Joseane Pinto de Arruda DISCIPLINA: Matemática ANO LETIVO: 2016 1.Reconhecer o menor divisor e o maior divisor de um número. OBJETIVOS ESPECÍFICOS Sistema de Numeração Decimal . . o menor múltiplo comum de dois ou mais números (m.Determinar. formular e resolver situações matemáticas envolvendo as quatro operações. centésimo e milésimo). imprópria.Adicionar. colchetes e chaves. .Conhecer regras e sistematizações: classe dos milhões e bilhões – leitura. . . 2. ordem crescente e decrescente. . algoritmo e a terminologia da: adição. .d. . escrita. aparente e mista.Comparar números decimais (décimo.Reconhecer e determinar os múltiplos de um número natural.Utilizar estratégias pessoais ou cálculos mentais aproximando-se de técnicas operatórias convencionais.Decompor números naturais em fatores primos. .Compreender e utilizar as regras do sistema de numeração decimal. Operações . agilização do raciocínio dedutivo.Reconhecer e determinar os divisores de um número natural.c.Analisar.Identificar números primos e números compostos. divisão (com divisor de um ou mais algarismos). . . quociente. Números Racionais .m.Relacionar as propriedades e relações entre as operações. .Explorar as ideias de fração como relação parte-todo discreto ou contínuo. estruturação do pensamento. o maior divisor comum de dois ou mais números (m. observando regularidades nos conjuntos de múltiplos. ordenação. multiplicar e dividir números decimais.

. . Tratamento da Informação . CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM A avaliação do processo do ensino e aprendizagem das turmas dos Anos Iniciais. .Diferenciar perímetro e área.Produzir textos escritos. . . arestas e vértices.Identificar paralelismo. visando o pleno desenvolvimento das ações educativas das crianças. construção de gráficos e tabelas. . representação. adicionar.Reconhecer os sólidos geométricos os poliedros e os corpos redondos. nas várias manifestações das crianças em situação de aprendizagem. Considerando preliminarmente os critérios de avaliação para o trimestre. . perpendicularismo.Explorar a ideia de circunferência. relatórios. utilizando a multiplicação com a porcentagem representada como fração decimal e como número decimal.Trabalhar com noções de porcentagem. capacidade e comprimento no seu dia-a-dia. comparar. . .Explorar o conceito de simetria. agudo e obtuso. .Reconhecer e usar as cédulas e moedas do sistema monetário brasileiro. . construção de gráficos e tabelas com base em informações contidas em textos jornalísticos.. quadriláteros e polígonos regulares e não regulares) usando unidades não padronizadas e padronizadas. textos.Explorar a ideia de ângulo reto. a partir da Ementa e do Plano de Ensino.Retomar e ampliar o conceito de perímetro. esfera) . .Coletar.Reconhecer as figuras planas (bidimensionais). diagnóstica. . 3. . subtrair com números decimais. organizar e descrever dados. tabelas e gráficos. a partir da interpretação de gráficos e tabelas.Determinar o perímetro de figuras planas (triângulos.Compreender as medidas de tempo. trabalhos. .Realizar cálculos.Conhecer e reconhecer estatística como parte fundamental na compreensão de fatos do dia a dia. . . utilizam-se os instrumentos e medidas de avaliação que atendem a dinâmica mediadora e que privilegiam o processo e não apenas o produto. do Ensino Fundamental do Colégio de Aplicação.Adicionar e subtrair de frações homogêneas e heterogêneas. . Geometria Plana e Espacial .Reconhecer que a área plana é a medida de sua superfície. . é compreendida em suas dimensões: formativa.Representar e comparar frações. registros escritos grupais e individuais (provas.Realizar cálculos com medida de superfície (cálculo de área do quadrado e retângulo). hora e minuto em situações problema. Sistema de Medidas . . a avaliação contribuíra para redirecionar o trabalho educativo. capacidade de interação com seus pares e implicação nas diferentes atividades propostas. pirâmide.Reconhecer polígonos como uma forma geométrica plana.Identificar figuras espaciais (prisma. fechada e formada por segmento de reta.Representar e transformar número decimal em fração e vice-versa.Compreender e utilizar as medidas de massa. científicos entre outros. . fração decimal. Tal avaliação ocorrerá em todos os momentos do processo de ensino e aprendizagem.Ler. cone. esquemas.Ler e interpretar dados apresentados de maneira organizada por meio de listas.Reconhecer os elementos dos poliedros: faces (superfícies planas e não planas).Transformar frações não decimais em número decimal.Classificar os polígonos de acordo com o número de lados (grupo dos quadriláteros e triângulos). projetos). . cilindro. tais como: participação oral (debates). com o propósito de atingir a proposta do Plano de Ensino. . Desta forma. contínua e processual. . . as práticas da professora e identificar as necessidades de aprendizagem do grupo e de cada criança individualmente. raio e diâmetro.

2012. 2009. 2006. Matemática do cotidiano. Belo Horizonte: Autêntica. São Paulo: Scipione. (Coleção APIS) FONSECA. REFERÊNCIAS BIGODE. Belo Horizonte: Autêntica. et al. . 2001. 2014*. Mabel et al. passeios de estudo e atividades proposta do projeto finalizado. R. do livro didático vindo do FNDE/MEC*. O ensino de geometria na escola fundamental. Ensinar matemática na educação infantil e nas séries iniciais: análise e propostas. material audiovisual (data show). ASPECTOS METODOLÓGICOS Práticas de pesquisa. NACARATO. (Coleção Tendências em Educação Matemática). 5º ano. PANIZZA. DANTE. Luiz Roberto. GIMENEZ. aulas expositivas com o apoio de livros didáticos. 5. Matemática. Antônio José Lopes. Adair et al. sobretudo. Feltrin.. São Paulo: Ática. Tradução: A.4. Joaquim. Maria da Conceição E. "Mapas das narrativas sobre olhares matemáticos nos Anos Iniciais". A matemática nos anos iniciais do ensino fundamental. 5º ano. Porto Alegre: Artmed.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS Leitura . . textos não-verbais e humorísticos. .Desenvolver a fluência oral do aluno. . . Análise Linguística . ampliando o seu universo linguístico para que compreenda a linguagem como instrumento de expressão de sua relação com o outro. entonação. .Reestruturar textos.Identificar os vários espaços de divulgação da língua escrita. coerência. criticidade e consistência de argumentos. observando as especificidades de cada gênero. . jornalísticos.Sistematizar os seguintes gêneros de texto: Literários. narrar e interpretar oralmente. . Linguagem Oral . publicitários.Utilizar os sinais de pontuação corretamente. . como: ritmo. . . científicos. .Identificar a relação entre a linguagem oral e escrita. utilizando os recursos oferecidos pela língua. Linguagem Escrita . . OBJETIVO DO ANO Possibilitar ao aluno a ampliação e o domínio da Língua Portuguesa e da linguagem.Ler textos. .Conhecer a função social da escrita. .Incentivar o hábito da leitura e dar a possibilidade para o educando interagir com variados tipos de leitura para desenvolver a compreensão do que lê. .Trabalhar com as habilidades básicas de leitura: seleção.Perceber e diferenciar os sons das palavras. ampliando seu universo linguístico para que compreenda a linguagem como instrumento de expressão de sua relação com o outro. altura e timbre de voz. organização formal e estrutural.Produzir textos com clareza. pensamentos e conhecimentos com coerência. unidade.Escrever de acordo com a linguagem formal.Utilizar e identificar os sinônimos e antônimos em diferentes contextos. . autocorreção.Descrever.Verbalizar ideias. predição. . UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO COLÉGIO DE APLICAÇÃO PLANO DE ENSINO INSTITUIÇÃO: Colégio de Aplicação CURSO: Ensino Fundamental – Anos Iniciais ANO: 5º ano A. epistolares. 2. utilizando as regras ortográficas. . instrucionais. . para que atue como cidadão consciente do seu papel na sociedade. construídas historicamente nas relações sociais. inferência. B e C PROFESSORAS: Viviane Carvalho DISCIPLINA: Língua Portuguesa ANO LETIVO: 2016 1.Desenvolver a fluência escrita do aluno.Diferenciar os gêneros textuais e suas especificidades. intensidade.Proporcionar ao educando condições de internalizar e empregar adequadamente a diversas possibilidades de estruturação dos elementos que compõem o texto nas diversas situações de uso. autocontrole.Identificar e utilizar os aspectos prosódicos dos diversos gêneros textuais.Utilizar o dicionário como apoio pedagógico. percebendo desta forma a intencionalidade da língua escrita.Produzir e expor oralmente situações formais e informais.Comparar a língua escrita com a falada. .

sob/sobre. projetos). gênero e grau dos substantivos.Classificar as palavras quanto ao número de sílabas. . 1996. trabalhos.Classificar os adjetivos e locuções adjetivas. Língua Portuguesa. tais como: participação oral (debates). CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM A avaliação do processo do ensino e aprendizagem das turmas dos Anos Iniciais. . In: Estética da Criação Verbal. contínua e processual. 5. . José. Vera. da UNESP. com o propósito de atingir a proposta do Plano de Ensino. relatórios.Utilizar a acentuação gráfica reconhecendo as suas funções. São Paulo: Ed. 4 ed. 261-306. traz/atrás. nas várias manifestações das crianças em situação de aprendizagem. registros escritos grupais e individuais (provas. NASPOLINI. . 2003. do Ensino Fundamental do Colégio de Aplicação. identificando a sílaba tônica. . 3. aulas expositivas com o apoio do livro didático e/ou material audiovisual (data show). Mikhail. diagnóstica. passeios de estudo. é compreendida em suas dimensões: formativa. . São Paulo: Ática. explorando seu significado no texto. onde/aonde. BERTIN. 5º ano. 1996. oblíquo e de tratamento. São Paulo: FTD. Ana Tereza. . BORGATTO. Tradução: Paulo Bezerra.Identificar e utilizar os artigos e suas classificações. utilizam-se os instrumentos e medidas de avaliação que atendem a dinâmica mediadora e que privilegiam o processo e não apenas o produto. MARCHEZI. .Empregar corretamente o número. textos. ASPECTOS METODOLÓGICOS Práticas de pesquisa.Utilizar as palavras do glossário. Considerando preliminarmente os critérios de avaliação para o trimestre. a partir da Ementa e do Plano de Ensino.. A arte de ler.Identificar os tempos verbais e suas conjugações.Diferenciar o uso das palavras: mas/mais. Tal avaliação ocorrerá em todos os momentos do processo de ensino e aprendizagem. . . . São Paulo: Martins Fontes. . Ana Trinconi. Terezinha.Identificar e compreender a função dos pronomes pessoais do caso reto. 4. (Coleção ÁPIS) MORAIS.Identificar as classes gramaticais das palavras em diferentes contextos. 2012. visando o pleno desenvolvimento das ações educativas das crianças.Distinguir os substantivos e sua classificação. Desta forma. Didática de português: tijolo por tijolo: leitura e produção escrita. a avaliação contribuíra para redirecionar o trabalho educativo. mau/mal. as práticas da professora e identificar as necessidades de aprendizagem do grupo e de cada criança individualmente.Diferenciar o uso dos porquês. p. Os gêneros do discurso. REFERÊNCIAS BAKHTIN. capacidade de interação com seus pares e implicação nas diferentes atividades propostas.