You are on page 1of 18

INTRODUÇÃO

Há diversas definições para Música.Algumas simplificam seu significado e outras a
tornam muito complexa.Para alguns a música é " a arte de combinar os sons simultânea e
sucessivamente,com ordem,equilíbrio e proporção dentro do tempo".Para outros, a música é
"uma arte de expressão que utiliza o som".O som,através de suas propriedades,traduz e evoca
sentimentos e impressões.

As principais características (ou parâmetros) da música são:

MELODIA - conjunto de sons dispostos em ordem sucessiva(concepção horizontal da música);

HARMONIA - conjunto de sons dispostos em ordem simultânea(concepção vertical da música);

RITMO - ordem e proporção em que estão dispostos os sons que constituem a melodia e a
harmonia.

Som é sensação produzida no ouvido pelas vibrações de corpos elásticos.Uma vibração
põe em movimento o ar na forma de ondas sonoras que se propagam em todas as direções
simultaneamente.Essas atingem a membrana do tímpano fazendo-a vibrar.Transformadas em
impulsos nervosos,as vibrações são transmitidas ao cérebro,que as identifica como tipos
diferentes de sons.

A vibração regular produz sons de altura definida,chamados sons musicais ou notas
musicais.Por exemplo,o som do piano,do violino,etc.

A vibração irregular produz sons de altura indefinida,chamados de barulho.Por
exemplo,som de avião,de automóvel,de uma explosão,etc.

Na música são usados sons regulares(instrumentos musicais com notas definidas) e sons
irregulares(instrumentos de percussão).

As características principais do som são:

ALTURA - capacidade de um som ser mais grave ou mais agudo.Determinada pela freqüência
das vibrações,isto é,da sua velocidade.Quanto maior for a velocidade da vibração,mais agudo
será o som.

DURAÇÃO - é o tempo de produção do som.É a extensão do som.É determinada pelo tempo
de emissão das vibrações.

INTENSIDADE - é o que determina se um som é mais forte ou mais suave.É determinada pela
força ou volume do agente que as produz.É o grau de volume sonoro.

TIMBRE - é a "impressão digital" de um som.Depende de sua fonte sonora,ou seja,do
instrumento.Alguns autores descrevem o timbre como a "cor" do som de cada instrumento ou
voz.

Fa.Guido d'Arezzo adotou uma pauta musical de quatro linhas.Sol.Depois do século XII foi adotado o Pentagrama.a pauta de cinco linhas que é o padrão desde então.Si).isto é.pequenos símbolos que representavam as notas musicais em peças vocais do chamado "Canto Gregoriano".por volta do século VII. Grande parte do desenvolvimento da notação musical deriva do trabalho do monge católico italiano Guido d'Arezzo.La.que viveu no século X . O sistema de notação musical moderno teve suas origens nos NEUMAS (do Latim : sinal).Os nomes foram retirados das sílabas iniciais do "Hino s São João Batista". Hino á São João Batista Ut queant laxis Resonare fibris Mira Gestorum Famuli tuorum Solve polluti Labii reatum Sancte Iohannes .Inicialmente esses neumas eram posicionados sobre as sílabas de texto e serviam como um lembrete da forma de execução para os que já conheciam a música. NOTAÇÃO MUSICAL Notação Musical é o nome do sistema de escrita utilizado para representar graficamente uma peça musical.Ele criou os nomes pelos quais as notas são conhecidas atualmente(Do .permitindo a um intérprete que a execute da maneira desejada pelo compositor ou arranjador.Mi.Re.

PAUTA OU PENTAGRAMA São cinco linhas paralelas e horizontais. .Existem quatro tipo de claves: Clave de Sol Clave de Fá Clave de Dó Clave de Percussão A clave de Sol é escrita na segunda linha.Essas linhas e espaços são contados de baixo para cima: Há notas que são mais graves ou mais agudas do que as notas escritas no pentagrama.A clave de Fá pode ser escrita na terceira ou quarta linha.A clave de Dó pode ser escrita na primeira. O Si foi formado da primeira letra de Sancte e da primeira de Ioannes.formando entre si quatro espaços.tirai toda mácula do pecado dos seus lábios impuros. foi substituída por Dó.onde se escrevem as notas e todos os sinais musicais. terceira ou quarta linha.oh São João! Como a sílaba Ut era difícil de ser cantada. Tradução : Para que os vossos servos possam cantar livremente as maravilhas dos vossos feitos.Nesses casos são usadas as Linhas Suplementares Superiores e Inferiores: CLAVE Clave(do Latim=chave) é um sinal colocado no início da pauta e serve para determinar o nome (altura) da nota. segunda.

todas as demais figuras são desmembradas da semibreve. Veja abaixo as figuras e suas pausas correspondentes: DIVISÃO PROPORCIONAL DE VALORES A semibreve é a figura que representa maior duração e é tomada como unidade da Divisão Proporcional dos Valores.Nos sons intermediários usamos a clave de Dó(viola). Cada figura de som tem sua respectiva pausa que lhe corresponde o mesmo tempo de duração. temos a pausa da semibreve. .fagote. da semicolcheia. da colcheia. da semínima. ou seja.flauta. FIGURAS MUSICAIS Nem todas as notas tem a mesma duração. em resumo. elas aparecem em sete formas diferentes: PAUSAS As pausas são figuras que indicam duração de silêncio entre sons.Temos então na seqüência abaixo as figuras mais usadas e que representam os sons.clarinete).Estas diversas formas das notas se chamam Figuras ou Valores. da mínima. A clave de Sol é usada para os instrumentos mais agudos(violino. Para entendermos a duração dos sons musicais é necessário que as notas apareçam sobre formas diferenciadas.trombone).Nos sons médios para grave usamos a clave de Fá(violoncelo. da fusa e da semifusa.

Temos a semibreve e em seguida os valores das demais em relação a semibreve. Abaixo temos a comparação real dos valores de acordo com o que explicamos acima.aos poucos. Havia antigamente figuras que.deixaram de ser usadas.até desaparecerem da grafia musical moderna: A Breve e a sua Pausa valem duas Semibreves .

de dois em dois. Os compassos de 4 tempos são chamados quaternários.três em três. Os compassos de 3 tempos são chamados ternários. Os tempos são agrupados em porções iguais. Lê-se três por quatro . A Longa e sua pausa velem duas Breves.que indicam a unidade de tempo e o número de tempos no compasso. A Máxima e a sua pausa Valem duas Longas A Quartifusa e sua pausa valem metade da Semifusa COMPASSOS Compassos são unidades métricas iguais em que são divididas a música.etc. Os compassos são divididos por uma linha vertical chamada barra simples ou "travessão". Os compassos de 2 tempos são chamados binários.após a clave.formando os compassos. No final de um trecho musical usa-se o "travessão duplo" e na terminação de uma obra usa-se a "pausa final". Fórmula de Compasso são dois números escritos nos início da Pauta.quatro em quatro.

mas com sons sucessivos ou sons com denominação Semitom cromático É formado por duas notas do mesmo nome. Semitom: é o menor intervalo. que podemos perceber e o classificar. Os compassos simples são aqueles indicados por um valor simples. INTERVALO HARMÔNICO E MELÓDICO O intervalo harmônico é quando as duas notas são tocadas simultaneamente. . formado por dois semitons. Tom: é um intervalo. entre dois sons. O intervalo é melódico quando as notas são tocadas uma após a outra. Temos 2 tipos de compassos: o Simples e o Composto. SEMITOM E INTERVALOS Intervalo: é a distancia de um som e outro. O semitom pode ser diatônico ou cromático. Os números que servem como denominador são: Unidade de Compasso é a figura que preenche cada compasso. (unidade de tempo). mas com entonação diferente. TOM. entre dois sons. O numerador indica o número de tempos do compasso. O denominador indica a figura que representa a U.T. Os compassos compostos são aqueles em que a unidade de tempo é um valos composto. Semitom diatônico É formado por duas notas diferentes. dando uma subdivisão binária em seus tempos.Os intervalos melódicos podem ser ascendente se o segundo som for mais agudo que o primeiro e será descendente caso o segundo som seja mais grave que o primeiro.

ou seja. indica que os sons não devem ser repetidos.Confira na tabela abaixo: Número de Semitons Intervalo Abreviatura 1 Segunda Menor 2ͣª m 2 Segunda Maior 2ª M 3 Segunda Aumentada 2ª A 2 Terceira Diminuta 3ª d 3 Terceira Menor 3ª m 4 Terceira Maior 3ª M 5 Terceira Aumentada 3ª A 4 Quarta Diminuta 4ª d 5 Quarta Justa 4ª J 6 Quarta Aumentada 4ª A 6 Quinta Diminuta 5ª d 7 Quinta Justa 5ª J 8 Quinta Aumentada 5ª A 7 Sexta Diminuta 6ª d 8 Sexta Menor 6ª m 9 Sexta Maior 6ª M 10 Sexta Aumentada 6ª A 9 Sétima Diminuta 7ª d 10 Sétima Menor 7ª m 11 Sétima Maior 7ª M 12 Sétima Aumentada 7ª A 11 Oitava Diminuta 8ª d 12 Oitava Justa 8ª J 13 Oitava Aumentada 8ª A LIGADURA A ligadura é uma linha curva que se estiver colocada sobre ou sob dois ou mais sons da mesma entonação. Esta prolongação terá a duração das figuras ligadas. os demais serão apenas uma prolongação do primeiro. CLASSIFICAÇÃO DOS INTERVALOS SIMPLES Os intervalos são classificados pela distância vertical entre duas notas. isto é. somente o primeiro som é emitido.pela quantidade de semitons existente entre elas. .

também conhecida por Suspensão em italiano. PONTO DE AUMENTO O ponto de aumento é um ponto colocado à direita de uma figura servindo para aumentar a metade de seu valor de duração. FERMATA Fermata. . PONTO DE DIMINUIÇÃO Um ponto em cima ou embaixo da nota diminui metade do seu valor O ponto de diminuição indica também uma maneira especial de emitir o som chamada "staccato". significa parada.O ponto de diminuição não é usado nas pausas. indicando que devemos sustentá-la em aproximadamente 1/2 do valor da figura que a antecede. As pausas também são pontuadas Pode-se também colocar dois pontos do lado direito de uma nota ou pausa. uma vez que o ponto serve para aumentar o valor da figura. Trata-se de um sinal colocado sobre a nota ou pausa. embora na maior parte das vezes essa duração fique a critério do intérprete.No exemplo abaixo a mínima pontuada está valendo uma mínima e um semínima (metade da mínima).sendo que o segundo aumenta metade do primeiro.

não. e na síncope (que pode ser regular ou irregular). conforme mostra o exemplo abaixo).2° tempo fraco. a nota pode aumentar ou diminuir um ou dois semitons. pois no padrão. O tempo forte é transferido para a nota no segundo tempo (e prolongada para o terceiro tempo se for o caso. A diferença é que o contratempo é precedido e intercalado de pausas. Compasso Quaternário: 1° tempo Forte.Por essas acentuações pode-se distinguir se o compasso é Binário. Compasso Ternário: 1° tempo Forte.Ternário ou Quaternário.2° fraco. Compasso Binário: 1° tempo Forte. SÍNCOPE E CONTRATEMPO Ambos Síncope e Contratempo significam deslocamento de um tempo forte para um tempo fraco do compasso. o segundo tempo é fraco. SINAIS DE ALTERAÇÃO Alteração é um sinal que é colocado antes de uma nota que muda sua entonação.3° meio Forte e 4° fraco. Dependendo da alteração. Os sinais de alteração mais comuns são: Sustenido: eleva a altura da nota em um semitom. .2° e 3° fracos. ACENTUAÇÃO MÉTRICA Os tempos dos compassos têm acentuações fortes e fracas.

fazendo a nota voltar a altura primitiva.Dobrado-sustenido: eleva a altura da nota em dois semitons. . ao qual se acrescenta o nome do acidente.sustenido  Lá bemol  Mi dobrado-bemol As alterações em sustenido são consideradas ascendentes. no inicio de cada pentagrama. ou seja. Por exemplo:  Ré dobrado. ACIDENTES OCORRENTES E FIXOS O acidente ocorrente é válido apenas no compasso em que aparece. um tom. O acidente fixo aparece junto a clave. O bequadro é uma alteração de duplo efeito. um tom. se quiser que ele continue alterando a nota no compasso seguinte é necessário repeti-lo. Dobrado-bemol: abaixa a altura da nota em dois semitons. A nota com acidente conserva seu nome. já as alterações em bemol são consideradas descendentes. ou seja. Bequadro: anula qualquer dos quatro acidentes anteriores. Bemol: abaixa a altura da nota em um semitom.

7º em SI Como se vê a distância de intervalos é de quintas (de FÁ a DÓ.6º em MI . DÓ e SOL serão sustenidos. IV e V graus) da escala. O acidente fixo afeta todas as oitavas das notas. de DÓ a SOL.3º em LÁ .2º em MI . ARMADURA DE CLAVE A armadura de clave é o conjunto de acidentes fixos escritos junto a mesma.No primeiro exemplo.4º em RÉ . O acidente ocorrente somente quando aparece no decorrer da música POSICIONAMENTO DOS ACIDENTES NA ARMADURA DE CLAVE A formação da tonalidade depende do grau tonal (I. todo SI da música será bemol. e assim por diante. por serem estes os mais importantes e caracteriza o tom da escala.5º em LÁ .5º em SOL . De forma mais prática e convencional segue abaixo a colocação dos acidentes (sustenidos e bemóis. Sustenido e dobrado-sustenido 1º em FÁ .6º em DÓ . são grafados (escritos) junto à clave. no segundo todo FÁ. Por convenção os acidentes fixos sempre serão escritos após a clave e antes da forma de compasso.7º em FÁ Grafia dos acidentes Os acidentes fixos. Acidentes ocorrentes . dobrados-sustenidos e dobrados-bemóis).4º em RÉ .2º em DÓ .3º em SOL . aqueles que aparecem no início da pauta. etc) Bemóis e dobrados-bemóis 1º em SI .

Nas armaduras de clave com sustenidos (#) dos tons maiores. pode-se contar uma quarta abaixo do último bemol. ESCALAS MUSICAIS Dá-se o nome de escala uma série de notas sucessivas separadas por tons e semitons. na armadura de clave não terá sustenido nem bemol. Há uma armadura de clave para cada tom maior ou menor. A cada uma das notas. A predominância de um som é que caracteriza uma tonalidade. de acordo com a sua função na própria escala.Das doze notas que temos na música. Quando uma música está. como diz o nome.Os graus tem as seguintes denominações: 1º grau . será natural.Supertônica 3º grau .a qualquer hora.Tônica 2º grau . Como reconhecer um tom e formar a armadura de clave Com sustenidos .Superdominante 7º grau . no tom de Dó Maior ou Lá Menor. aparecem no decorrer da música e não necessariamente fazem parte da tonalidade.Dominante 6º grau .Sensível 8º grau . a tônica está um semitom acima do último sustenido.Nas armaduras de clave com bemois (b) dos tons maiores.ou quais acordes poderão ser tocados em cada tonalidade.É o resultado de um conjunto de sons que formam uma escala em relação à sua tônica (1º grau). Estes acidentes têm a função de alterar trechos da música e sucessivamente a escala em questão no tempo ou período no qual aparecem. dá-se o nome de grau.Subdominante 5º grau . a tônica corresponde ao penúltimo bemol.Mediante 4º grau . Com bemois .Repetição da Tônica MODOS DA ESCALA . uma escala é uma sucessão de sons em graus conjuntos.determinando quais notas poderão ser tocadas num solo. TONS E ARMADURA DE CLAVE Tonalidade .não são todas que combinam em qualquer música. De forma mais prática.As escalas definem parâmetros para embelezar nossa música. por exemplo.Os acidentes ocorrentes são aqueles que.

.Com esta alteração. Modo é a maneira como estão distribuídos os tons e semitons na escala. e do VII para o VIII grau.teremos um intervalo de 1 Tom e 1 Semitom do VI para o VII grau.formando- se ai um semitom do VII para o VIII.Harmônica e Melódica. Modo Menor .Essa distribuição pode ser feita de duas formas: Modo Maior .os intervalos de semitons são encontrados do III para o IV .formando um intervalo de segunda aumentada.a distância é de 1 Tom.o VII grau aparece elevado de um semitom.Tem origem na escala Maior e tem a seguinte intervalo entre as notas: T > ST > T > T > ST > T > T Escala Menor Harmônica . Escala Menor Natural ou Primitiva .caracterizando assim a Escala Menor Harmônica.Toma-se como escala modelo a de DóM.Entre os outros graus.os intervalos de semitons encontram-se do II para o III e do V para o VI grau.a distância é de 1Tom. A escala menor tem 3 formas: Natural(ou Primitiva).nesta forma.Toma-se como escala modelo a escala de Lám.Nos demais intervalos.

ACORDES E SUA ESTRUTURA .e quando desce. Descendente .porque se distancia da Tônica de 1 Tom. OBS: Na Escala Melódica descendente.o VII grau em vez de Sensível.porém modos diferentes.Escala Menor Melódica .semitom do II ao III e do VII ao VIII grau.Ex.semitom do VI para o v e do III para o II grau.Qualquer escala Maior tem sua relativa Menor e vice-versa.nesta forma.passa a chamar-se Subtônica.o VI e VII graus levam alterações ascendentes de um semitom.Encontra-se a relativa menor uma terça menor abaixo da Tônica de sua relativa maior.A distribuição dos tons e semitons é a seguinte: Ascendente . ESCALAS RELATIVAS E HOMÔNIMAS Dizem-se Relativas as escalas que têm a mesma armadura de clave.Demais intervalos de 1 Tom. Escalas homônimas são as que têm mesma Tônica e modos diferentes.a escala sobe e desce de maneiras diferentes.Demais intervalos são de 1 Tom.estas alterações desaparecem. Quando sobe.:Dó maior e Dó menor.

Acorde Perfeito Menor:compõe-se de Fundamental.de acordo com os intervalos que são formados: Acorde Perfeito Maior:compõe-se da Fundamental.3ª menor e 5ª justa em relação à Fundamental.de 3ª maior e 5ª justa em relação à Fundamental. As Tríades(acordes de três sons) podem ser de quatro espécies.Os acordes podem ser de três. .Três ou mais notas separadas por terças e tocadas simultaneamente formam o acorde.quatro ou cinco sons.de acordo com o número de notas que se encontram em sua formação. Acorde de 5ª diminuta:compõe-se de Fundamental.3ª menor e 5ª diminuta em relação à Fundamental.

: 6 = 6ªM. G – sol. D – ré.3ª maior e 5ª aumentada em relação à Fundamental. A cifra simples (letras sem complemento).: G7(b9) – G = sol (fund). o intervalo de nona menor. números e sinais.No caso da tríade existe três opções de formação: CIFRAS São símbolos compostos por letras maiúsculas. a partir da nota fundamental. A exceção é o número “7”. ré (5ªJ). Qualquer alteração deve ser especificada. Ex.trata-se de um acorde invertido.Acorde de 5ª aumentada:compõe-se de Fundamental.4: aqui está sendo dado apenas o essencial para começo de trabalho. B – si. Ex. O número “7” significa o intervalo de 7ªm (fá) a partir da fundamental “sol” e o “b9” (láb). já inclui a 3ªM e a 5ªJ. pois 7 = 7ªm (7M = 7ªM). além da fundamental. Obs.3: todo número sozinho (sem sinal). . F – fá. significa seu intervalo Maior ou Justo. ACORDES INVERTIDOS Quando a nota fundamental deixa de ser a nota mais grave do acorde. Os números e sinais usados na cifra representam os intervalos das escalas. com função de representar os acordes. 11 = 11ªJ. C – dó. Obs. As letras maiúsculas e suas respectivas fundamentais são: A – lá. si (3ªM). em que são formados os acordes. E – mi.

a forma (simultânea ou arpejada) e os dobramentos e supressões de notas. Porém a cifra não estabelece a posição do acorde. . as alterações e a inversão.A importância da cifra está em estabelecer o tipo de acorde.