35 ANOS

MULTIPLICANDO O QUE A VIDA TEM DE MELHOR.

Relatório de Resultados
Relações com Investidores
Armando d’Almeida Neto Vice-Presidente e DRI

2T10

Teleconferência
Português 12 de agosto de 2010 11:00 am (Brasília) 10:00 am (Nova York) Tel.: 4003-9004 (Capitais) (11) 4003-9004 (outras cidades) Código: Multiplan Replay: (11) 4003-9004 Código: Multiplan Inglês 12 de agosto de 2010 12:30 pm (Brasília) 11:30 am (Nova York) Tel.: +1 (800) 860-2442 (EUA) +1 (412) 858-4600 (outros países) Código: Multiplan Replay: + 1 (412) 317-0088 Código : 442715#

Rodrigo Krause dos Santos Rocha Superintendente de RI
Leonardo Oliveira Analista Sênior de RI Franco Carrion Analista de RI

Hans Melchers Gerente de Planejamento
ri@multiplan.com.br Tel: +55 21 3031-5224 Fax: +55 21 3031-5322

MULTIPLAN ANUNCIA RESULTADO OPERACIONAL LÍQUIDO (NOI) DE R$100 MILHÕES E EBITDA DE R$81 MILHÕES NO 2T10
Rio de Janeiro, 11 de Agosto de 2010 – A Multiplan Empreendimentos Imobiliários S.A. (Bovespa: MULT3), anuncia seus resultados do segundo trimestre de 2010. As informações financeiras e operacionais, exceto quando indicado em contrário, são apresentadas em Reais (R$), e baseadas em números consolidados, em conformidade com as práticas contábeis adotadas no Brasil (BR GAAP).
Variação 2T10/2T09 Vendas nos Shopping Centers ▲21,8% NOI ▲22,9% EBITDA ▲27,5% Lucro Líquido ▲12,7% Lucro Líquido Ajustado ▲68,1% Vendas nos Shopping Centers ▲23,7% Variação 1S10/1S09 NOI ▲28,8% EBITDA ▲34,7% Lucro Líquido ▲9,3% Lucro Líquido Ajustado ▲74,5%

DESTAQUES
As Vendas nos shopping centers da Multiplan null subiram 21,8% no trimestre, e 23,7% no primeiro semestre null do ano, com todos os shoppings apresentando aumentos de dois dígitos em ambos os null períodos.
null As Vendas nas Mesmas Lojas (SSS) subiram 11,9% (2T10/2T09) e 13,2% (1S10/1S09), null impulsionadas por vendas fortes nos segmentos de null alimentação & área gourmet e artigos do lar & escritório. null Nas Vendas na Mesma Área (SAS), as alterações recentes efetuadas no mix de lojas se DESTAQ refletiram no crescimento deste indicador, em 13,3% UES (2T10/2T09) e 14,8% (1S10/1S09), acima do SSS FINANCEIROS para cada período.

recém inauguradas também foram responsáveis por este desempenho. A Receita diferida atingiu um novo recorde de R$150,0 milhões, beneficiado por R$19,6 milhões de direitos de cessão assinados no trimestre. A Multiplan investiu R$17,2 milhões em campanhas de marketing para a Empresa e para projetos neste trimestre, beneficiando a locação e a venda dos dez projetos em andamento e lançamentos futuros. A Multiplan continua a beneficiar-se de economias de escala. Enquanto o NOI cresceu 22,9% sobre o 2T09, atingindo R$99,9 milhões, a alavancagem resultante desta economia levou o EBITDA, o AFFO e o Lucro Líquido ajustado a crescerem 27,5%, 58,7% e 68,1% respectivamente. O AFFO acumulou R$178,1 milhões no primeiro semestre, com margem de 63,7%, provendo uma geração de caixa sustentável, suficiente para financiar o pipeline de projetos. A Empresa planeja investir mais de R$1,0 bilhão apenas nos projetos recentemente anunciados até 2012, e que deverão aumentar a ABL própria em 2. 44,0% elevando-a para mais de meio milhão de m A Multiplan tem dez projetos em desenvolvimento: quatro shopping centers; três expansões e três torres comerciais. Os seis projetos greenfield e de expansões em fase de locação têm 58,4% das 772 lojas já locadas.

A Receita Líquida cresceu 33,6% no trimestre atingindo R$143,1 milhões, reforçando a eficiência da 2 Empresa ao entregar elevados retornos por m . Esta conta foi incrementada por R$12,2 milhões, resultado do ritmo acelerado da obra na torre comercial no BarraShoppingSul, que deve ser entregue em menos de um ano. A Receita de Locação teve um aumento de 23,5% chegando a R$100,7 milhões no 2T10, apesar do efeito negativo da indexação dos contratos de locação ao IGP-DI. O valor para o primeiro semestre foi de R$199,7 milhões, um ganho de 24,1% sobre o 1S09. O aluguel complementar superou o do 2T09 em 59,2%, indicando um bom momento para lojistas. Além do sucesso das operações atuais, o crescimento acelerado dos novos shopping centers e expansões Eventos recentes e projetos em desenvolvimento:

Em 1 de julho, a agência Standard&Poor´s elevou a classificação do crédito corporativo da Multiplan de brAA para brAA+ na Escala Nacional Brasil, e reafirmou a classificação BB+ na Escala Global, com perspectiva estável. Em 22 de julho, a Companhia aumentou sua participação no Pátio Savassi através da aquisição adicional de 15,6% elevando a participação total para 96,5% do shopping center. Na mesma data, a Companhia adquiriu ativos e participações em lotes de terrenos localizados nos arredores do shopping center para futuras expansões. Em novembro deste ano a Companhia deverá inaugurar uma expansão no Pátio Savassi com 1.109 m² de ABL, adicionando 5 novas lojas. Em 28 de julho, a Multiplan anunciou o desenvolvimento do ParkShopping Corporate, projeto padrão classe A, integrado ao ParkShopping, com duas torres comerciais para locação, e participação da Multiplan de 50%. As torres terão uma ABL total de 13.360 m², com 391 vagas exclusivas de estacionamento. A construção deverá ter início no 1T11 e as torres tem previsão de entrega para o 4T12.

2

2T10
MULT3

INDICADORES
Financeiros (MTE %) (R$’000) Receita Bruta null Receita Líquida null Despesas de Sede 2T10 157.373 143.096 25.325 Receita de Locação 100.666 null Receita de Locação/m² 303 R$/m² Receita de Locação US$/pé² 15,6 EBITDA 80.922 Margem de EBITDA 56,6% Receita Líquida Operacional (NOI) 99.907 Receita Líquida Operacional/m² 300 R$/m² Receita Líquida Operacional US$/pé² 15,5 Margem Receita Líquida Operacional 86,0% Lucro Líquido Ajustado 76.238 FFO Ajustado 87.831 FFO Ajustado/m² 264 R$/m² FFO Ajustado US$ 48.668 FFO Ajustado US$/pé² 13,6 Market Performance 2T10 Número de Ações 179.197.214 Ações Ordinárias 167.338.867 Ações Preferenciais 11.858.347 Preço Médio da Ação R$ 31,00 Preço Final da Ação R$ 33,01 Volume Médio Diário Negociado 9.100 Dólar (US$) Final do Trimestre R$ 1,80 Valor de Mercado (R$ '000) 5.915.300 Dívida Bruta (R$ '000) 558.617 Caixa (R$ '000) 933.011 Dívida Líquida (R$ '000) (374.393) Lucro/Ação R$ 0,29 NOI/Ação R$ 0,56 P/FFO Ajustado (últimos 12 meses) 16,76 x EV/EBITDA (últimos 12 meses) 16,31 x Dívida Líquida /EBITDA (últimos 12 meses) (1,10) x Operacional (100%) 2T10 ABL Total Final 532.902 m² ABL Própria Final 347.757 m² Participação média Multiplan % 65,3% ABL Total Ajustada (média) ¹ 515.953 m² ABL Própria Ajustada (média) ¹ 332.574 m² Vendas Totais 1.714.591 Vendas Totais/m² 3.323 R$/m² Vendas Totais US$/pé² 171,1 Vendas nas Mesmas Lojas/m² 1.182 R$/m² Vendas na Mesma Área/m² 1.154 R$/m² Aluguel nas Mesmas Lojas/m² 82 R$/m² Aluguel na Mesma Área/m² 83 R$/m² Custos de Ocupação ² 12,9% Aluguel como % das Vendas 7,3% Outros como % das Vendas 5,6% Turnover ² 1,3% Taxa de Ocupação ² 98,1% Inadimplência (Atraso 25 dias) ² 1,5% Perda de Aluguel ² 0,8% 2T09 119.417 107.069 24.657 81.498 258 R$/m² 12,3 63.445 59,3% 81.305 257 R$/m² 12,2 US$/sqf 86,2% 45.344 55.318 175 R$/m² 28.368 8,3 2T09 147.799.441 135.941.094 11.858.347 R$ 18,24 R$ 19,80 1.725 R$ 1,95 2.926.429 401.983 187.213 214.646 R$ 0,31 R$ 0,55 13,09 x 12,05 x 0,82 x 2T09 484.873 m² 330.833 m² 68,2% 470.525 m² 316.458 m² 1.407.614 2.992 R$/m² 142,5 1.056 R$/m² 1.019 R$/m² 78 R$/m² 80 R$/m² 13,5% 7,9% 5,7% 1,1% 96,5% 4,7% 0,4% Var% ▲31,8% ▲33,6% ▲2,7% ▲23,5% ▲17,5% ▲27,0% ▲27,5% ▼271 b.p ▲22,9% ▲16,9% ▲26,3% ▼21 b.p ▲68,1% ▲58,8% ▲51,1% ▲71,6% ▲63,2% Var% ▲21,2% ▲23,1% ▲69,9% ▲66,7% ▲427,6% ▼7,5% ▲102,1% ▲39,0% ▲398,4% ▼274,4% ▼7,0% ▲1,4% ▲28,1% ▲35,3% ▼233,8% Var% ▲9,9% ▲5,1% ▼297 b.p ▲9,7% ▲5,1% ▲21,8% ▲11,1% ▲20,0% ▲11,9% ▲13,3% ▲4,4% ▲3,7% ▼59 b.p ▼54 b.p ▼05 b.p ▲24 b.p ▲159 b.p ▼322 b.p ▲36 b.p 1S10 307.337 279.476 45.393 199.717 576 R$/m² 29,6 166.214 59,5% 199.635 575 R$/m² 29,6 86,3% 154.808 178.085 513 R$/m² 98.679 26,4 1S10 179.197.214 167.338.867 11.858.347 R$ 30,73 R$ 33,01 9.868 R$ 1,80 5.915.300 558.617 933.011 (374.393) R$ 0,55 R$ 1,11 16,76 x 16,31 x (1,10) x 1S10 532.902 m² 347.757 m² 65,3% 530.286 m² 346.908 m² 3.300.184 6.223 R$/m² 320,4 1.134 R$/m² 1.113 R$/m² 80 R$/m² 82 R$/m² 13,2% 7,5% 5,7% 2,3% 98,1% 1,4% 0,7% 1S09 230.331 208.011 43.542 160.888 486 R$/m² 23,2 123.392 59,3% 154.998 469 R$/m² 22,3 84,1% 88.738 108.370 328 R$/m² 55.574 15,6 1S09 147.799.441 135.941.094 11.858.347 R$ 16,26 R$ 19,80 1.543 R$ 1,95 2.926.429 401.983 187.213 214.646 R$ 0,61 R$ 1,05 13,09 x 12,05 x 0,82 x 1S09 484.873 m² 330.833 m² 68,2% 484.906 m² 330.819 m² 2.668.827 5.504 R$/m² 262,2 1.002 R$/m² 969 R$/m² 77 R$/m² 79 R$/m² 14,1% 8,2% 5,9% 2,3% 96,5% 5,2% 0,4% Var% ▲33,4% ▲34,4% ▲4,3% ▲24,1% ▲18,4% ▲27,9% ▲34,7% ▲15 b.p ▲28,8% ▲22,8% ▲32,7% ▲221 b.p ▲74,5% ▲64,3% ▲56,7% ▲77,6% ▲69,3% Var% ▲21,2% ▲23,1% ▲89,0% ▲66,7% ▲539,7% ▼7,5% ▲102,1% ▲39,0% ▲398,4% ▼274,4% ▼9,8% ▲6,2% ▲28,1% ▲35,3% ▼233,8% Var% ▲9,9% ▲5,1% ▼297 b.p ▲9,4% ▲4,9% ▲23,7% ▲13,1% ▲22,2% ▲13,2% ▲14,8% ▲4,2% ▲3,7% ▼85 b.p ▼71 b.p ▼14 b.p ▲01 b.p ▲159 b.p ▼380 b.p ▲29 b.p

ES FINANCEIROS

DESTAQU

¹ ABL ajustada é a média da ABL do período excluindo 14 mil m² do supermercado BIG, no BarraShopping Sul. ² Não inclui o Shopping VilaOlímpia.

3

2T10
MULT3

CARTA DO PRESIDENTE
null Prezados investidores, null

É com satisfação que apresentamos os resultados da Multiplan relativos ao segundo trimestre e ao primeiro null semestre de 2010. Os números demonstram a solidez da nossa empresa e espelham a fase de crescimento pela qual vem passando o varejo nacional. As vendas dos nossos shoppings no segundo trimestre chegaram a R$ DESTAQUES 1,7 bilhão, um crescimento de 21,8%. Nos primeiros seis meses, as vendas alcançaram R$ 3,3 bilhões, FINANCEIROS representando um crescimento de 23,7% em relação ao mesmo período de 2009. Esses resultados impulsionaram a receita de locação, que no trimestre foi de R$ 100,7 milhões, um incremento de 23,5%, e no semestre chegou a R$ 199,7 milhões, um aumento de 24,1%. O lucro líquido ajustado aumentou 68%, passando de R$ 45,3 milhões para R$ 76,2 milhões no segundo trimestre. Somando os primeiros seis meses do ano, o lucro líquido ajustado foi de R$ 154,8 milhões, um crescimento de 74,5% sobre o primeiro semestre de 2009. O EBITDA cresceu 27,5% no trimestre, atingindo R$ 81 milhões. No semestre, o aumento foi de 34,7%, alcançando 166,2 milhões, com margem de 60%. O Resultado Líquido Operacional (NOI) atingiu o patamar de R$ 100 milhões no trimestre e de R$ 200 milhões no semestre, ambos com margem de 86%. O fluxo de caixa operacional ajustado (AFFO) cresceu 59%, atingido o valor total de R$ 87,8 milhões no trimestre, fechando os primeiros seis meses do ano com R$ 178 milhões, um crescimento de 64,3%. Além disso, a Empresa dispõe de cerca de R$ 1 bilhão em caixa, o que significa uma posição confortável para levar adiante os seus planos de crescimento. A Multiplan conta, atualmente, com 10 projetos em desenvolvimento, sendo quatro novos shopping centers, três expansões e três edifícios comerciais – incluindo as duas torres de escritório do ParkShopping Corporate, em Brasilia, anunciadas em julho - que deverão aumentar a ABL própria da Companhia em 43,8%, passando dos atuais 347 mil metros quadrados para mais de 500 mil metros quadrados de ABL. Até 2012 o investimento previsto nesses projetos é de R$ 1 bilhão. A Empresa também anunciou em julho a compra de uma participação minoritária no shopping Pátio Savassi, de 16,5%, o que elevou a nossa participação neste empreendimento para 96,5%. A compra de participações em nossos shopping centers constitui investimento de alto retorno para a empresa. O processo de comercialização dos shoppings em desenvolvimento também apresenta bons resultados. JundiaíShopping e ParkShoppingSãoCaetano, no estado de São Paulo, e VillageMall, na capital do Rio de Janeiro já estão com 45% de suas lojas alugadas. Considerando esses três shoppings e as três expansões que estão em obras – no BH Shopping e no Pátio Savassi, em Belo Horizonte; e no ParkShoppingBarigui, em Curitiba – serão 772 novas lojas. Somadas às 3.415 em operação, alcançaremos o total de 4.187 lojas. Nossa empresa dispõe, ainda, de um banco de terrenos de 801 mil metros quadrados, o que nos permite dar continuidade ao nosso plano de expansão por meio do desenvolvimento de novos empreendimentos. Temos especial interesse por complexos multiuso, que reúnem diferentes edificações no entorno dos nossos shopping centers, promovendo a sinergia entre compras, trabalho, lazer e serviços. Podemos afirmar que, cada vez mais, se confirma a nossa convicção de que as pessoas querem resolver seus problemas em um só lugar, buscando mais conforto e conveniência em seu dia a dia. Para o segundo semestre de 2010, temos previstas as inaugurações de três novas expansões – do BH Shopping, do Pátio Savassi e do ParkShoppingBarigui - que acrescentarão à empresa mais 20 mil metros quadrados de ABL. Também iniciaremos a construção de dois novos shoppings: o JundiaíShopping, no interior de São Paulo, e o VillageMall, no Rio de Janeiro. Continuamos confiantes no futuro da economia brasileira e principalmente no potencial do varejo, contribuindo cada vez mais para a expansão do consumo. Mantemos nosso compromisso de continuar crescendo com segurança, oferecendo projetos diferenciados e da mais alta qualidade aos nossos clientes e lojistas. Obrigado a todos pelo apoio e pela confiança, José Isaac Peres Presidente

4

2T10
MULT3

DESTAQUES FINANCEIROS
Visão Geral A Multiplan Empreendimentos Imobiliários S.A lidera o setor de shopping centers do Brasil em receita. Criada como uma companhia full service, a Multiplan planeja, desenvolve e administra um dos maiores e mais bem qualificados portfólios de shoppings do país. A Companhia também possui operações estratégicas nos setores de incorporação imobiliária residencial e comercial, gerando sinergias em operações relacionadas a shopping centers, por meio do desenvolvimento de projetos multiuso em áreas adjacentes. No final deste trimestre, a Multiplan administrava 13 shopping centers próprios, com uma participação média de 65,7%, totalizando uma ABL de 532.902 m², 3.415 lojas e tráfego anual estimado em 147 milhões de consumidores. Demonstrações Financeiras Consolidadas
(R$ 000) Locação de lojas Serviços Cessão de direitos Receita de estacionamento Venda de imóveis Outras Receita Bruta Impostos e contribuições sobre vendas e serviços prestados Receita Líquida Despesas de sede Despesas remuneradas baseadas em opções de ações Despesas de shopping centers Despesas pré-operacionais Custo de imóveis vendidos Resultado de equivalência patrimonial Receitas financeiras Despesas financeiras Depreciações e amortizações Outras receitas (despesas) operacionais Lucro antes do imposto de renda, da contribuição social e da participação de minoritários Imposto de renda e contribuição social Imposto de renda e contribuição social diferidos Participação dos acionistas minoritários Lucro Líquido EBITDA NOI FFO Ajustado Lucro Líquido Ajustado 2T10 100.666 21.077 6.350 15.505 12.240 1.534 157.373 (14.276) 143.096 (25.325) (1.380) (16.263) (11.191) (7.283) (997) 21.995 (11.564) (11.593) 266 79.760 (1.500) (24.804) (2.022) 51.434 80.922 99.907 87.831 76.238 2T09 81.498 18.107 6.034 12.807 Var. % ▲23,5% ▲16,4% ▲5,2% ▲21,1% 1S10 35.786 17.529 31.500 21.256 1.549 1S09 33.497 11.202 23.347 Var. % ▲24,1% ▲6,8% ▲56,5% ▲34,9%

199.717 160.888

882 ▲1.288,2% 89 ▲1.618,9% 119.417 (12.348) 107.069 (24.657) (807) (13.000) (2.420) (3.354) 5.063 (10.707) (9.974) 1.094 47.827 (2.254) 284 (228) 45.628 63.445 81.305 55.318 45.344 ▲31,8% ▲15,6% ▲33,6% ▲2,7% ▲71,0% ▲25,1% ▲362,4% ▼70,3% ▲334,4% ▲8,0% ▲16,2% ▼75,7% ▲66,8% ▼33,5% n.d. ▲784,8% ▲12,7% ▲27,5% ▲22,9% ▲58,8% ▲68,1%

1.309 ▲1.524,4% 89 ▲1.635,2% ▲33,4% ▲24,8% ▲34,4% ▲4,3% ▲93,1% ▲8,1% ▲574,1% ▼48,2% ▲349,2% ▲11,3% ▲18,6% ▼40,5% ▲75,2% ▼17,7% n.d. ▲950,8% ▲9,3% ▲34,7% ▲28,8% ▲64,3% ▲74,5%

307.337 230.331 (27.861) (22.320) 279.476 208.011 (45.393) (43.542) (2.544) (1.317)

(31.581) (29.209) (17.818) (12.377) (4.951) 42.341 (2.643) (9.552) 9.425

(481) ▲1.414,7%

(714) ▲1.634,2%

(22.771) (20.452) (23.277) (19.631) 1.402 162.506 (2.914) (56.633) (4.785) 98.175 2.357 92.734 (3.540) 1.068 (455) 89.806

166.214 123.392 199.635 154.998 178.085 108.370 154.808 88.738

5

2T10
MULT3
Estudo de caso I: Demanda por espaço nos shopping centers da Multiplan A Empresa continua a verificar uma forte demanda por espaço em seus shopping centers. Ao analisar os dados operacionais da última década, a Empresa identificou inúmeras variáveis indicando uma tendência clara: as áreas para locação nos shopping centers da Multiplan tornaram-se mais valiosas. Multiplan: O poder da marca A Multiplan é conhecida no Brasil por desenvolver, administrar e ser proprietária de shopping centers líderes em importantes cidades brasileiras. A presença de um trevo de quatro folhas na logomarca de um shopping center o associa a uma administração de qualidade e serviços focados no cliente. Em seus 35 anos de existência a Companhia construiu um forte relacionamento com mais de mil lojistas. De pequenas operações regionais às principais companhias locais e internacionais, a Multiplan viu lojas iniciantes transformarem-se em operações regionais, nacionais, e até mesmo globais, com uma abordagem local para clientes brasileiros. Vendas aumentam 8 vezes em 8 anos Esse aumento só seria possível com um forte desempenho das vendas aliada a novas oportunidades de crescimento. A Empresa acredita ter contribuído para ambos os fatores ao triplicar a área bruta locável própria 786 desde 2001, e utilizando-se de todo o Vendas Ponderadas (% MTE) sua experiência para ampliar vendas. As Receita de Locação 626 ABL Própria Média vendas consolidadas e as novas áreas Vendas do Varejo excedem em muito as vendas do varejo IGP-DI nacional, que cresceu 47%, e a inflação 358 (medida pelo IGP-DI), que cresceu 86%. 186 As vendas dos lojistas (ponderadas pela 147 participação da ABL da Multiplan) se multiplicaram por oito desde 2001, com 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 um crescimento médio ponderado anual Análise do crescimento das Vendas, Locação, Área e Inflação (Base 100 = 2001) de 29% no período. Esse crescimento é também, em parte, resultado das renovações e controle de mix de lojistas e com o intuito de atualizar os interiores de acordo com novas tendências e exigências dos consumidores e controle do mix de lojistas e serviços. O forte desempenho nas vendas foi o agente catalisador para o crescimento das receitas de aluguel. Mesmo considerando-se que os aluguéis dos primeiros anos de operação de um novo empreendimento são mais baixos, a receita de aluguéis aumentou mais de seis vezes nos últimos oito anos, com um crescimento maior que a ABL, mas ainda abaixo do crescimento das vendas dos lojistas gerando um crescimento sustentável. Focando em crescimento sustentável Como resultado das vendas crescendo acima dos 18,0% PKB aluguéis, o custo de ocupação foi caindo ao longo 17,0% da última década. Em 2000, a Empresa registrou um 16,0% custo de ocupação de 17,4%, enquanto que na 15,0% primeira metade de 2010, esse percentual havia 14,0% caído para 13,2%. Deve-se enfatizar que esta BSS redução deveu-se a um forte crescimento das 13,0% SVO vendas que elevam ainda mais os retornos dos 12,0% lojistas em razão da alavancagem operacional – um 11,0% aumento de 10% nas vendas normalmente leva a 10,0% 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2T10 um aumento ainda maior no lucro líquido do lojista. A Empresa entende que esta situação serve de Evolução do custo de ocupação estímulo para que o lojista participe de novos empreendimentos da Multiplan, conclusão sustentada pelo sucesso de locação e de elevados índices de ocupação. Altas taxas de ocupação – sinônimo de qualidade Desde 1999, os shopping centers da Multiplan têm registrado uma taxa de ocupação média superior a 90%. Conforme o gráfico da próxima página é importante ressaltar que a abertura de novas áreas, como em 1999,

6

2T10
MULT3
2003, 2008 e 2009, e a decisão estratégica de reestruturação do mix de lojas, para adaptar o shopping ao seu consumidor-alvo, ocasionam uma queda temporária na taxa de ocupação. A despeito das pequenas quedas causadas pela adição de novas áreas ao portfólio, o gráfico abaixo indica uma recuperação do nível de ocupação no ano seguinte à abertura de expansões e greenfields. Em junho de 2010, dos 13 shopping centers em operação, três estavam completamente ocupados (100%) e outros cinco possuíam uma taxa de vacância inferior a 0,5%. Com exceção do Shopping SantaÚrsula, que está no meio de um forte processo de mudança de mix, e do Shopping Vila Olímpia que está ainda no seu primeiro ano de operação, nenhum outro shopping center encerrou o 2T10 com nível de ocupação inferior a 97%.
99,0% 97,0%
BSS

98,8% 97,7%

95,0%

SVO SAF NYC

93,0%
91,0%

PKB

90,0%

89,0%
1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 90% 2008 2009 2010

Portfolio Atual

Portfolio s/ SSU

Evolução da taxa média de ocupação

Consolidação como fator de atração Os shopping centers consolidados com mais de 25 anos de operação estão entre os que têm maiores vendas por metro quadrado no portfólio da Multiplan. Estes shoppings consolidados são referências em suas regiões, possuindo a menor taxa de vacância, e demonstrando a contínua demanda por espaço. Com índices de ocupação acima de 90%, os shopping centers mais recentes (há menos de 15 anos em operação), são também muito cobiçados. Neste grupo, o destaque fica com o DiamondMall, que passou pela substituição de 26 operações, e alcançou o segundo lugar de toda a rede em maiores vendas por metro quadrado, ficando atrás apenas de um dos shopping centers mais rentáveis do país, o MorumbiShopping.
idade
40º 35º 30º 25º

Shoppings Consolidados

eixo x - idade do shopping eixo y - taxa média de ocupação (junho 2010) tamanho da esfera - vendas/m²

BHS RBS BRS MBS PKS

20º
Shopping Novos
15º Turnaround 10º SSU 5º 0º 82,0% 84,0% 86,0% -5º taxa média de ocupação RecémInaugurado SVO 88,0% 90,0% 92,0% 94,0% DMM NYC SAF PKB PSS BSS 98,0% 100,0% 102,0%

96,0%

Análise do portfólio: Idade do shopping center vs. taxa média de ocupação

Meio cheio, meio vazio O Shopping SantaÚrsula, por outro lado, adquirido pela Companhia em 2008, e que concluiu recentemente a primeira fase de um programa de reestruturação com investimentos totais de R$15 milhões, ainda possui uma taxa de vacância superior em relação aos outros shoppings. O shopping center possui um aluguel médio por metro quadrado 71,2% inferior ao RibeirãoShopping, shopping da Multiplan e na mesma cidade, e sugerindo um potencial significativo de valorização, dada a semelhança na qualidade dos lojistas, da arquitetura e da localização. Esta diferença tende a desaparecer com as ações realizadas pela equipe comercial da Multiplan. Das lojas vagas no início da reestruturação (a taxa de vacância alcançou uma alta recorde de 34,4%), a Empresa já assinou 34 novos contratos de locação, com um aluguel por metro quadrado 51,5% mais elevado que o aluguel médio do 2T10 aferido center.
7

2T10
MULT3
Estudo de Caso II: shopping Pátio Savassi Donos de 96,5% do shopping… Em 22 de julho de 2010, a Multiplan exerceu uma opção de compra para aquisição de uma participação adicional de 16,5% no Pátio Savassi, resultando em uma participação de 96,5% no empreendimento. A opção foi assinada com a MK Empreendimentos e Participações Ltda. A Companhia pagou R$51,8 milhões por esta participação, e outros R$4,2 milhões por ativos e terrenos para futuras expansões nas áreas adjacentes. A compra desta participação aumentará ainda mais o controle da Multiplan sobre o shopping center e os benefícios sobre o crescimento futuro esperado. ..com três expansões previstas A Multiplan planeja desenvolver três expansões no shopping. A primeira deverá ser inaugurada em novembro de 2010, representando uma adição de 1.109 m² à ABL total, ao terceiro andar do shopping center, e já está em construção. Além disso, a Companhia deverá desenvolver duas outras expansões nos terrenos adquiridos, representando um acréscimo de 3.000 m² de ABL, e elevando em 25% a ABL atual do shopping Center.

Perspectiva da expansão futura

Aumentando o bolo Conforme divulgado no passado, a operação não tinha apenas um propósito financeiro, mas também estratégico para a Multiplan. Após a aquisição do shopping original, a Companhia passou a ter três shopping centers na parte sul de Belo Horizonte, em Minas Gerais, e três dos melhores shoppings da cidade. Cada shopping center possui um consumidor-alvo na região, e as vendas dos lojistas combinadas aumentaram 60,6% nos últimos três anos. Isto também teve um impacto nos resultados do Pátio Savassi, que levaram à superação do cap rate de 1º ano prevista pela Companhia. Superando expectativas, ano após ano Ao adquirir suas duas primeiras participações no shopping, em 2007, a Empresa esperava um cap rate taxa de capitalização de 1º ano de 6,9%. No entanto, devido aos esforços da Companhia na revisão de seu mix de lojistas e contratos, o shopping center superou este número com cap rate de 7,6% para o 1º ano. Em 2010, utilizando-se o mesmo preço para o desempenho dos últimos 12 meses, o cap rate do Pátio Savassi teria sido 10,5%, em razão do forte aumento de 66,5% do resultado operacional líquido (NOI), resultado da bem-sucedida estratégia de segmentação aplicada nos últimos três anos. Vale mencionar que a ABL do shopping não sofreu nenhuma mudança significativa durante este período.
6,9%

+44,9% CAGR: 13,2%

679,0 M
+72,1% CAGR: 19,8%

+87,4% CAGR: 23,3%

468,5 M 387,8 M
268,5 M 156,0 M 206,9 M

BHS

PSS

DMM Vendas jun/10 (12M)

Vendas jun/07 (12M)

Aumento nas vendas dos shopping centers no estado de Minas Gerais nos últimos três anos

+52,3% CAGR: +15,1%
9,8%
7,6% 10,5%

'Cap Rate' jun/08 (12M) jun/09 (12M) jun/10 (12M) esperado no 1o ano

Evolução da taxa de capitalização nas duas primeiras aquisições em relação à expectativa inicial

8

2T10
MULT3
TIR alavancada pela expansão A TIR atual esperada é quase 300 pontos-base superior à inicialmente planejada, e chegou a 16,8%. Se consideradas as futuras expansões, o retorno poderia atingir 17,6%. Boas perspectivas de crescimento contínuo Mesmo com todo esse crescimento, os dois shopping centers da Multiplan na região, BHShopping e DiamondMall, ainda possuem um aluguel mínimo/m² 43,8% e 23,5% respectivamente, maiores que o do Pátio Savassi nos últimos 12 meses, dado que a Companhia ainda não concluiu, neste shopping center, sua estratégia de alinhamento dos contratos de locação. Dois índices que mostram o potencial de futuro crescimento do Pátio Savassi são: 1. 2. Aluguel Mínimo/Vendas; inferior ao BH Shopping e DiamondMall. Aluguel Complementar/Aluguel Mínimo; superior aos outros dois shoppings Multiplan de Belo Horizonte, o que indica que uma porcentagem do aluguel complementar poderá ser transferida para o aluguel mínimo em futuros contratos.

+358b.p.

16,8%
14,0%
+280b.p. +79b.p.

17,6%

TIR esperada TIR após ambas Considerando inicialmente aquisições expansões (2007) futuras TIR real e desalavancada para as aquisições no Pátio Savassi.
18, 0%

7,2%
6,3% 5,6%

8, 0%

16, 0%

7, 0%

14, 0%

6, 0%

12, 0%
5, 0%

10, 0%

4, 0%

8, 0%

17,0%
6, 0%

3, 0%

2, 0%

4, 0%

2, 0%

8,7% 3,4%

1, 0%

0, 0%

0, 0%

BHS

PSS

DMM

A região também mostra potencial de valorização devido a possíveis investimentos em infra-estrutura no entorno do shopping. Isto poderia aumentar ainda mais o poder de atração do shopping center, dando suporte a seu forte crescimento, e superando as expectativas atuais da Multiplan.

Aluguel Complementar Aluguel Mínimo/Vendas

Porcentagem de aluguel complementar em relação ao aluguel mínimo e aluguel mínimo/vendas nos últimos 12 meses, desde junho de junho/10
+43,8%
1.322 R$/m² 1.136 R$/m² 920 R$/m²

+23,5%

BHS

PSS

DMM

Aluguel mínimo/m² nos últimos 12 meses desde junho de 2010.

9

2T10
MULT3

VENDAS NOS SHOPPING CENTERS
Vendas null shopping centers da Multiplan alcançam R$3,3 bilhões no 1S10 nos
null

As vendas dos lojistas dos shopping centers da Multiplan aumentaram 23,7% no primeiro semestre de 2010, null alcançando R$3,3 bilhões, ou R$1,7 bilhão no 2T10, representando uma elevação de 21,8% na comparação com o mesmo período do ano anterior. Todos os shopping centers registraram aumentos de dois dígitos nas vendas null do trimestre e do primeiro semestre do ano.

DESTAQUES FINANCEIROS

Shopping centers consolidados, como o BH Shopping, BarraShopping e MorumbiShopping (três dos quatro shoppings do portfólio da Multiplan com as maiores vendas por metro quadrado), apresentaram crescimento orgânico superior a 15% nas vendas do primeiro semestre de 2010. O Shopping AnáliaFranco e o ParkShopping cresceram 41,6% e 20,4% respectivamente, beneficiados pela abertura de novas expansões no 2S09 e por aumentos nas vendas dos lojistas, no 1S10. O DiamondMall, com o segundo maior valor de vendas por metro quadrado do portfólio da Multiplan, e o New York City Center, tiveram nos últimos anos seu mix de lojistas alterado com sucesso, e o impacto positivo revelou-se nos aumentos de 39,6% e 34,3%, registrados nas vendas do 1S10.
762
814 +23,7% 3.300

CAGR: +17,7%
2.217 1.914 1.563

2.669

1.183
922

1.378

1S01

1S02

1S03

1S04

1S05

1S06

1S07

1S08

1S09

1S10

Crescimento histórico das vendas no primeiro semestre (R$ milhões)

As vendas do Shopping SantaÚrsula aumentaram 28,0% no trimestre, e o shopping continua a apresentar avanços após ter sido profundamente transformado, tanto em termos arquitetônicos quanto em seu mix de lojas. Como consequência, a taxa de ocupação continua crescendo após a baixa histórica de 65,6% registrada no 3T09, tendo alcançado 85,2% em 30 de junho de 2010. O gráfico comparativo do primeiro semestre dos últimos nove anos, acima, mostra o sólido crescimento das vendas no período, com um crescimento médio ponderado anual de 17,7%.
Vendas Totais (R$’000) Shopping Center BH Shopping RibeirãoShopping BarraShopping MorumbiShopping ParkShopping DiamondMall New York City Center Shopping AnáliaFranco ParkShoppingBarigüi Pátio Savassi Shopping SantaÚrsula BarraShopping Sul Shopping Vila Olímpia¹ Vendas Totais 2T10 166.844 110.145 308.648 275.052 172.797 103.431 40.481 158.804 122.748 66.582 24.991 117.185 46.884 1.714.591 2T09 146.076 95.818 259.564 241.384 151.657 76.245 31.288 114.810 111.459 59.241 19.526 100.549 1.407.614 Var. % ▲14,2% ▲15,0% ▲18,9% ▲13,9% ▲13,9% ▲35,7% ▲29,4% ▲38,3% ▲10,1% ▲12,4% ▲28,0% ▲16,5% ▲21,8% 1S10 323.720 213.525 596.777 514.271 345.820 196.786 86.700 301.321 236.304 126.838 45.569 224.494 88.058 3.300.184 1S09 279.917 184.809 494.967 445.918 287.333 140.915 64.533 212.738 212.687 111.877 40.577 192.554 2.668.827 Var. % ▲15,6% ▲15,5% ▲20,6% ▲15,3% ▲20,4% ▲39,6% ▲34,3% ▲41,6% ▲11,1% ▲13,4% ▲12,3% ▲16,6% ▲23,7%

Vendas nas Mesmas Lojas crescem 11,9% no 2T10 No segundo trimestre de 2010, as vendas nos shopping centers da Multiplan continuaram a crescer acima da inflação e do índice nacional de vendas do varejo, conforme divulgado pelo IBGE. Esses resultados decorrem de uma saudável combinação de crescimento orgânico e aumento de área bruta locável ao portfólio. O aumento nas vendas totais confirma que as novas áreas foram entregues com sucesso e que os esforços da Empresa para crescer resultaram em uma importante contribuição para o aumento nas vendas.

10

2T10
MULT3
+21,8%

Além disso, o gráfico abaixo mostra o quão resiliente as vendas nas mesmas lojas foram, tendo crescido consistentemente e acima do já forte índice histórico. Apesar da crise econômica de 2008, as Vendas nas Mesmas Lojas continuaram a se expandir. O spread entre Vendas nas Mesmas Lojas e Vendas na Mesma Área confirma que a Empresa foi bem-sucedida na sua estratégia de melhoria no mix.

+10,2% +5,1%

+11,9%

+13,3%

IPCA

Vendas do Vendas na Varejo Multiplan

Vendas nas Vendas na Mesmas Mesma Lojas Area

Análise da Receita de Locação – 2T10 vs 2T09

13,8% 12,2%

14,4% 11,4%

14,0% 11,4% 9,9% 7,9% 5,1% 5,6% 9,8% 10,6%

14,9% 11,9%

1T07

2T07

3T07

4T07

1T08

2T08

3T08

4T08

1T09

2T09

3T09

4T09

1T10

2T10

Crescimento histórico das Vendas nas Mesmas Lojas

Praça de Alimentação & Área Gourmet e Artigos do Lar & Escritório impulsionam Vendas nas Mesmas Lojas As lojas satélites e âncora registraram crescimento de dois dígitos nas Vendas nas Mesmas Lojas no trimestre e no primeiro semestre do ano. Os segmentos de alimentação e área gourmet foram os que mais contribuíram, percentualmente, junto com o segmento de artigos do lar e escritório, este último impulsionado pelas vendas de televisores para a Copa do Mundo de Futebol. O segmento de vestuário teve aumento nas vendas em termos absolutos, sendo responsável por 2/5 das vendas dos shopping centers (2T10). Serviços representaram uma parcela menor dos aumentos no 2T10 e 1S10, de 3,3% e 4,8% respectivamente.
Vendas nas mesmas lojas (R$ '000)/m² Segmentos Satélites Alimentação e Área Gourmet ▲22,4% Artigos Diversos ▲11,0% Artigos do Lar e escritório ▲14,5% Serviços ▲1,7% Vestuário ▲9,2% Portfólio ▲12,3% Âncoras n.d. ▲4,0% ▲19,2% ▲4,3% ▲8,1% ▲11,1% 2T10/2T09 Total ▲22,4% ▲9,4% ▲16,7% ▲3,3% ▲8,9% ▲11,9% Satélites ▲26,6% ▲11,2% ▲14,7% ▲5,2% ▲8,9% ▲13,1% Âncoras n.d. ▲10,3% ▲20,2% ▲4,5% ▲10,0% ▲13,3% 1S10/1S09 Total ▲26,6% ▲11,0% ▲17,3% ▲4,8% ▲9,2% ▲13,2%

Crescimento histórico confirma o desempenho consistente da Multiplan O aumento nas vendas mensais dos shopping centers da Multiplan, apresentado no gráfico abaixo, indica que o crescimento de dois dígitos não se trata de um evento isolado, mas sim de uma conquista recorrente no histórico de desempenho da Companhia. Em junho de 2010, vendas apresentaram um crescimento forte de 16,5% comparado com as vendas no mesmo mês em 2009, mesmo sendo fortemente impactado pela Copa do Mundo que começou dia 11 de junho de 2010.
Crescimento das Vendas do Varejo Crescimento de Vendas da Multiplan 30,3%

24,2% 20,2%
12,9% 8,6% 8,6%

19,9%

20,6%

22,9%

22,9%

24,0% 15,7%

24,1%

25,1% 16,5%

9,1%

10,4%

12,2% 9,2%

10,2%

11,3%

6,0%

4,7%

5,0%

Crescimento mensal do total de vendas (Ano a Ano)

11

2T10
MULT3

RECEITAS
Receita Bruta null Crescimento de 31,8% em todas as linhas de receita null A receita null bruta do 2T10 alcançou R$157,4 milhões, registrando uma taxa de crescimento próxima do 1T10, null aumentando 31,8%. No primeiro semestre de 2010, a receita bruta cresceu 33,4%, alcançando R$307,3 DESTA milhões. QUES Os principais vetores de crescimento do trimestre foram o FINANCEIR aumento da receita de locação e das vendas de imóveis OS que, juntas, adicionaram R$30,5 milhões às receitas da Multiplan. A receita bruta da Multiplan continua composta predominantemente por receitas de locação (64,0%) geradas por lojas nos shopping centers da Companhia. Mais detalhes sobre cada linha de receita podem ser encontrados nas próximas páginas.
+23.5%
€1, 00

Outras Venda de 1,0% imóveis 7.8% Estacionamento 9.9% Cessão de Direitos 4.0% Serviços 13,4% Locação 64,0% Mínimo 84,5% Complementar 4,5% Merchand. 11,0%

Composição da receita bruta % - 2T10

+16,4%

+5,2%

+21,1% +1288,2% +1618,9%
170. 000

€( 199. 99999, 0) . 0

11.359

1.445

157.373

160. 000

€( 399. 99999, 0) . 0

19.167 119.417

2.970

317

2.698

150. 000

140. 000

130. 000 €( 599. 99999, 0) . 0

120. 000

€( 799. 99999, 0) . 0

+31.8%
€( 999. 99999, 0) . 0

110. 000

Linearidade 7,5% Aluguel mínimio 92,5%

Sazonalidade (aluguel dobrado) 79,2%

100. 000

Receita Locação Serviços Cessão Bruta de lojas de 2T09 direitos

Estac.

Venda Outras Receita de Bruta imóveis 2T10
Composição do aluguel mínimo – 2T10

Reajustes contratuais 20,8%

Evolução da receita bruta – (R$’000) Números em negrito referem-se à variação percentual no comparativo 2T09 com 2T10

1. Receita de Locação Crescimento estável em todo o portfólio A receita de locação da Multiplan aumentou 23,5% no 2T10 em relação ao mesmo período do ano anterior, e 24,1% considerando-se o 1S10 sobre o 1S09. A receita de locação do primeiro semestre atingiu R$199,7 milhões. O crescimento foi especialmente forte se considerarmos que o impacto do IGP-DI foi negativo em 0,3%. O MorumbiShopping, BarraShopping e BH Shopping seguem sendo os maiores contribuidores de receita de locação, e também os shoppings com os maiores aluguéis por metro quadrado. No entanto, devido a novos empreendimentos e ao sucesso de outros shoppings do portfólio, a porcentagem de receita com que contribuem foi diluída de 50,3% no 2T09 para 44,1% no 2T10.
Receita de locação/Shopping center (R$ '000) BH Shopping RibeirãoShopping BarraShopping MorumbiShopping ParkShopping DiamondMall New York City Center Shopping AnáliaFranco ParkShoppingBarigüi Pátio Savassi Shopping Santa Úrsula BarraShopping Sul Shopping Vila Olímpia¹ Sub-Total Portfólio Apropriação efeito da linearidade Total
¹ Inaugurado em novembro de 2009

2T10 11.113 6.677 15.193 17.999 7.848 7.167 1.332 4.139 6.421 4.090 453 7.581 4.240 94.254 6.412 100.666

2T09 10.086 6.342 13.930 16.946 5.864 6.331 1.206 3.262 6.200 3.640 405 7.287 0 81.498 0 81.498

Var. % ▲10,2% ▲5,3% ▲9,1% ▲6,2% ▲33,8% ▲13,2% ▲10,5% ▲26,9% ▲3,6% ▲12,4% ▲11,9% ▲4,0% n.d. ▲15,7% n.d. ▲23,5%

1S10 21.248 13.246 29.919 35.128 15.441 13.941 2.754 8.124 12.165 7.639 830 14.996 8.844 184.274 15.443 199.717

1S09 20.324 12.558 28.057 33.103 11.379 11.951 2.532 6.390 12.010 7.038 851 14.695 0 160.888 0 160.888

Var.% ▲4,5% ▲5,5% ▲6,6% ▲6,1% ▲35,7% ▲16,7% ▲8,8% ▲27,1% ▲1,3% ▲8,5% ▼2,5% ▲2,1% n.d. ▲14,5% n.d. ▲24,1%

12

2T10
MULT3
Quanto ao crescimento percentual, o ParkShopping apresentou o maior crescimento do portfólio (2T10/2T09: 33,8% e 1S10/1S09: 35,7%), em razão do impacto positivo da expansão frontal, inaugurada no 4T09. Com este aumento no trimestre, o ParkShopping se consolida como o quarto maior gerador de aluguéis do portfólio. O Shopping AnáliaFranco também registrou um excelente crescimento (2T10/2T09: 26,9% e 1S10/1S09: 27,1%), beneficiado pela importante contribuição de sua primeira expansão, inaugurada no 3T09. O Shopping SantaÚrsula passou por uma profunda transformação, iniciando seu processo de recuperação no 2T10, com um crescimento de 11,9% nas receitas de locação após uma queda 14,3% registrada no primeiro trimestre de 2010. O desempenho dos aluguéis no 1S10 foi relativamente estável (-2,5%) em relação ao mesmo período de 2009. O BarraShoppingSul contribuiu com R$7,6 milhões neste trimestre, um aumento de 4,0% comparado com o 2T09, apesar de sofrer o impacto do IGP-DI de -1,8% nos contratos reajustados em seu primeiro aniversário, em novembro de 2009. Outro shopping recém-inaugurado, o Shopping Vila Olímpia, contribuiu com R$4,2 milhões para as receitas de locação do 2T10, devendo apurar resultados maiores à medida em que se consolida. Finalmente, o New York City Center registrou um aumento de 10,5% em aluguéis no 2T10 contra o 2T09, também avançando 8,8% no primeiro semestre de 2010. O shopping center, focado em entretenimento e restaurantes gourmet, teve parte de seu mix de lojas alterado no ano passado, e agora colhe os resultados de sua transformação positiva. Crescimento do aluguel complementar indica potencial de expansão do aluguel mínimo O aluguel mínimo da Multiplan representa 4/5 da receita total de locação, tendo aumentado em 12,5% no 2T10, enquanto o aluguel complementar e os resultados + 12,5% + 59,2% + 26,7% n.d. de merchandising expandiram muito acima desse 100.666 6.412 número, conforme detalhado abaixo: 2.331
8.744 1.680

I – O aluguel complementar pode ser visto como um indicador de como a Companhia é capaz de capturar o crescimento contínuo de vendas. Com crescimento de 59,2%, para R$4,5 milhões no 2T10, o aluguel complementar mostra que o aluguel mínimo pode aumentar naturalmente no futuro.

81.498

+ 23,5%

Locação 2T09

Mínimo

Complementar

Merchand.

Linearidade Locação 2T10

Crescimento da receita de locação – 2T10 (R$’000)

II – Merchandising também registrou ganhos substanciais de 26,7% no segundo trimestre, totalizando R$11,0 milhões, e revela a demanda por mídia alternativa nos shopping centers da Multiplan.

Receita de Locação/Shopping (R$ '000) BH Shopping RibeirãoShopping BarraShopping MorumbiShopping ParkShopping DiamondMall New York City Center Shopping AnáliaFranco ParkShoppingBarigüi Pátio Savassi Shopping Santa Úrsula BarraShopping Sul Shopping Vila Olímpia¹ Total do Portfolio Apropriação de receita de aluguel linear Total
¹ Inaugurado em novembro de 2009

Mínimo 9.490 5.596 13.121 14.548 6.519 5.879 1.161 3.534 5.259 2.832 378 6.420 3.923 78.660 6.412 85.072

2T10 Complementar 369 206 508 757 490 642 27 187 273 740 13 235 70 4.517 4.517

Merchand. 1.254 875 1.565 2.694 839 646 145 417 889 518 62 925 248 11.077 11.077

Mínimo 9.011 5.404 12.355 14.353 4.732 5.415 1.049 2.761 5.133 2.861 264 6.577 69.916 69.916

2T09 Complementar 196 194 319 511 325 398 16 141 198 397 2 140 2.837 2.837

Merchand. 878 744 1.255 2.082 807 518 141 360 870 382 139 570 8.746 8.746

13

2T10
MULT3
+23,5%
4,7% 4,0%
3,0% 2,2% 2,3% 3,3% 2,1% 3,5% 3,7%

+3,7%

+4,4%

-0,3% Efeito do Ajuste do IGP-DI ¹ Aluguel nas Aluguel nas Mesmas Áreas Mesmas Lojas Receita de Locação

0,8%

1T08 2T08 3T08 4T08 1T09 2T09 3T09 4T09 1T10 2T10

Análise da Locação 2T10 x 2T09 ¹ Média trimestral da variação acumulado de 12 meses do IGP-DI

Crescimento real histórico do Aluguel nas Mesmas Lojas

Aluguéis nas Mesmas Lojas: forte crescimento real Os Aluguéis de Mesmas Lojas (SSR) avançaram 4,4% no 2T10, em comparação com o 2T09, ou 4,2% no 1S10 contra o 1S09. Quanto ao Aluguel na Mesma Área (SAR), o índice subiu 3,7% no trimestre e no primeiro semestre de 2010. Ambos registraram aumentos superiores ao efeito do reajuste do IGP-DI sobre os contratos de locação no período, de 0,3% negativo, decomposto no gráfico abaixo à esquerda. No último relatório de resultados (1T10), o SSR já havia aumentado 3,7% em termos reais, a maior taxa de crescimento dos últimos dois anos, conforme se verifica no gráfico inferior à direita. Agora, no 2T10, como reflexo do ambiente saudável decorrente do elevado crescimento das vendas, o número se fortaleceu ainda mais para robustos 4,7%. O efeito do reajuste do IGP-DI é a média ponderada do aumento mensal do IGP-DI com um mês de atraso, multiplicado pela ABL percentual reajustada para o respectivo mês. O gráfico abaixo à direita indica que o efeito do reajuste deverá crescer nos próximos trimestres, considerando-se a atual trajetória do IGP-DI.

5,07% 4,38%

0,4% 0,2%
0,77% 2,26%

2,95%

-0,5%

-0,4%
-0,54%-0,65% -1,01% -0,45%

-1,44% -1,76%-1,76%

3T09

4T09

1T10

2T10

jul/09 ago/09 set/09 out/09 nov/09 dez/09 jan/10 fev/10 mar/10 abr/10 mai/10 jun/10

Contribuição trimestral do efeito do ajuste do IGP-DI A soma de 12 meses resultou em -0,3% no 2T10

Índice acumulado de 12 meses do IGP-DI (Source: FGV)

14

2T10
MULT3
2. Receita de Serviços Receita de serviços tem crescimento superior ao da ABL As receitas de serviços, compostas basicamente por taxas de administração, taxas de corretagem de contratos assinados e taxas de transferência, subiram 16,4% no 2T10, atingindo R$21,1 milhões, enquanto a ABL total aumentou 9,9% no mesmo período. No semestre, a receita de serviços aumentou 6,8% em relação ao mesmo período de 2009. Em termos gerais, a maior parte da receita de serviços é composta pela taxa de administração, que, no 1S10, representou cerca de 3/5 do total. Vale mencionar que à medida em que a Companhia lance projetos 100% de sua propriedade, as receitas de serviços deverão passar a registrar níveis de crescimento menores que na receita de locação.

3. Receita de Cessão de Direitos Mantendo o ritmo de locação! Receita diferida soma R$150 milhões No 2T10 R$6,4 milhões foram apropriados como receita de cessão de direitos, número este 5,2% maior que no segundo trimestre de 2009. Em relação ao 149.975 primeiro semestre, alcançou R$17,5 138.788 141.224 137.099 milhões, equivalente a um crescimento de 126.298 136.741 56,5% na comparação com o 1S09. 121.479 A conta de receita diferida, que inclui as receitas de cessão de direitos ainda não apropriadas contabilmente no resultado da Companhia, somou R$150,0 milhões, em 30 de junho de 2010. O gráfico ao lado mostra que a receita diferida continuou a crescer, apesar dos valores apropriados terem aumentado.
110.183 110.506 131.976

96.381
81.194

Evolução da receita diferida (R$’000)

Quanto à composição da receita de cessão de direitos, os novos projetos apropriam receitas 61,5% maiores no 2T10, ou 113,5% no 1S10, em decorrência da inauguração de um shopping center (Shopping Vila Olímpia) e três expansões (ParkShopping, ShoppingAnáliaFranco e RibeirãoShopping), desde junho de 2009.
Receita de CD/Tipo (R$ '000) Operacionais (Recorrentes) Novos projetos abertos nos últimos 5 anos Total do Portfólio 2T10 1.174 5.176 6.350 2T09 2.829 3.205 6.034 Var. % ▼58,5% ▲61,5% ▲5,2% 1S10 4.564 12.965 17.529 1S09 5.129 6.072 11.202 Var. % ▼11,0% ▲113,5% ▲56,5%

4. Receita de Estacionamento Novas operações e maior tempo de permanência resultam em maior receita A receita de estacionamento aumentou 21,1% no 2T10 em relação ao mesmo período do ano anterior, enquanto no primeiro semestre de 2010, cresceu 34,9% quando comparada ao 1S09, alcançando R$31,5 milhões. Desde o 1T10, a Multiplan apresenta a receita de estacionamento líquida dos repasses aos sócios dos shoppings, dado que ela é apenas um agente, coletando e repassado o resultado da operação. As despesas de estacionamento continuam a ser contabilizadas na linha de despesas de shopping centers, e a tributação da receita de estacionamento não sofreu qualquer alteração. No acumulado do ano, o crescimento do resultado de estacionamento tem duas principais razões: I. Novas operações: a Multiplan iniciou a cobrança de estacionamento no Ribeirão Shopping, BarraShoppingSul (ambos em maio de 2009), ParkShopping (em outubro de 2009) e Shopping Vila Olímpia (em novembro de 2009). Todos os shopping centers de propriedade da Companhia estão cobrando pelo estacionamento.

15

2T10
MULT3
II. Maior tempo de permanência: o aumento do tempo médio de permanência dos clientes nos shopping centers teve um impacto sobre o valor do ticket médio de estacionamento, aumentando a receita de estacionamento. A tabela abaixo mostra a receita bruta das operações de estacionamento antes do repasse aos sócios da Multiplan e shopping centers. As receitas aumentaram 15,9%, para R$26,8 milhões no trimestre, enquanto nos primeiros seis meses do ano, subiram 31,8%, para R$53,8 milhões.

Receita de Estacionamento/Shopping (R$ '000) BH Shopping RibeirãoShopping BarraShopping MorumbiShopping ParkShopping DiamondMall New York City Center Shopping AnáliaFranco ParkShoppingBarigüi Pátio Savassi Shopping Santa Úrsula BarraShopping Sul Shopping Vila Olímpia¹ Receita Bruta de Estacionamento Repasse do Estacionamento Receita Líquida de Estacionamento
¹ Inaugurado em novembro de 2009

Vagas 3.500 3.102 5.097 3.108 4.005 1.289 1.192 4.314 2.338 1.294 824 4.630 1.578 36.271 -

2T10

2T09

Var. %

1S10

1S09

Var. %

2.227 2.155 ▲3,3% 4.490 4.160 ▲7,9% 1.655 761 ▲117,4% 3.244 761 ▲326,2% 5.525 5.897 ▼6,3% 11.012 10.005 ▲10,1% 5.977 5.903 ▲1,3% 11.751 10.532 ▲11,6% 1.423 n,d, 3.097 n,d, 1.275 1.071 ▲19,0% 2.544 2.173 ▲17,0% 1.168 1.244 ▼6,1% 2.525 2.296 ▲10,0% 2.458 2.346 ▲4,8% 4.786 3.825 ▲25,1% 1.884 1.714 ▲9,9% 3.759 3.667 ▲2,5% 1.352 1.196 ▲13,0% 2.718 2.522 ▲7,8% 275 185 ▲48,9% 496 230 ▲115,9% 1.481 635 ▲133,2% 2.952 635 ▲365,0% 89 n.d. 394 n.d. 26.789 23.106 ▲15,9% 53.766 40.807 ▲31,8% (11.284) (10.299) ▲9,6% (22.266) (17.460) ▲27,5% 15.505 12.807 ▲21,1% 31.500 23.347 ▲34,9%

4. Venda de Imóveis A menos de um ano da entrega, 91% das unidades vendidas A construção do Cristal Tower avançou no trimestre, resultando em um reconhecimento de receita no valor de R$12,2 milhões no 2T10, de acordo com o andamento físico-financeiro da Obra (PoC),. No primeiro semestre do ano, o total de receitas apropriadas alcançou R$21,3 milhões. Conforme se verifica na foto, a fachada do edifício está sendo montada a partir de baixo, subindo à medida em que a estrutura é erguida até os últimos andares. O Cristal Tower, que será conectado ao BarraShoppingSul por meio de uma passarela suspensa, tem entrega prevista para maio de 2011 e já possui 91% de suas unidades vendidas.
Canteiro Escavações Fundações Estrutura Vedações Fachada Acabamentos Pintura Entrega 100% 100% 100% 80% 60% 20% 0% 0% 0%
Cristal Tower será integrado ao BarraShopping Sul

Progresso dos trabalhos no Cristal Tower

16

2T10
MULT3

DESPESAS
1. Despesas Gerais e Administrativas (Sede) Despesas gerais e administrativas aumentaram 2,7% no 2T10
30.000 Em termos absolutos, as despesas gerais e administrativas aumentaram 25.000 2,7%, de R$24,6 milhões no 2T09 para R$25,3 milhões no 2T10. A Multiplan encerrou o segundo trimestre com despesas gerais 20.000 e administrativas equivalentes a 17,7% da receita líquida do período, 15.000 ficando 530 pontos-base abaixo dos 23,0% registrados no 2T09. 10.000 A melhora neste indicador de desempenho resultou no aumento de dois 5.000 dígitos verificado na receita líquida em relação a menor variação nas despesas gerais e administrativas, o que demonstra os ganhos de escala que a Companhia tem obtido com a abertura de novos projetos.
+2,7%

40,0% 25.325 35,0% 30,0%

24.657

23,0% 17,7%

25,0% 20,0% 15,0% 10,0%

As do 2T10 foram impactadas principalmente devido a dois fatores, (i) despesas de marketing e (ii) doações para as vítimas das enchentes no Rio de Janeiro em abril. Em 2T10 a Multiplan celebrou 35 anos e investiu em campanhas para reforçar sua marca em um momento de novos projetos. Apenas para efeito de análise, excluindo-se estes dois eventos não recorrentes, as despesas gerais e administrativas teriam reduzido 23,7%. Na mesma métrica, a relação despesas gerais e administrativas/receita líquida teria caído para 13,2%. No 1S10, as despesas gerais e administrativas aumentaram 4,3%, de R$43,6 milhões no 1S09 para R$45,4 milhões no 1S10. O maior crescimento da receita líquida, que subiu 34,4% no 1S10, resultou em um decréscimo da relação despesas gerais e administrativas/receita líquida para 16,2% no 1S10, em relação aos 20,9% apurados no 1S09.

DEST AQUES FINANCEIR OS despesas gerais e administrativas

2T09

2T10

Evolução das despesas de sede (R$´000) e Sede/Lucro Líquido no 2T10

Despesas não recorrentes 26%
Despesas recorrentes 74%

Composição da Despesa de Sede no 2T10 (Despesas recorrentes e não-recorrentes)

2. Despesas de Shopping Centers Crescimento em linha com as receitas As despesas de shopping center aumentaram R$3,3 milhões no 2T10, ou 24,8%, de R$13,0 milhões no 2T09 para R$16,3 milhões. Este aumento ficou pouco acima das receitas obtidas no trimestre (22,4%, sem incluir as vendas de imóveis), principalmente devido à inauguração de novas áreas e novas operações de estacionamento que, juntas, foram responsáveis por 91,8% dos R$3,3 milhões de aumento.
+1.622
13.000 +1.349 +292 16.263

+24,8%

Despesas de Despesas Despesas de Shopping 2T09 Shopping Vila Estacionamento Olímpia

Outras Despesas

Despesas de Shopping 2T10

Evolução das despesas de shopping centers no 2T10 (R$’000)

As expansões no Shopping AnáliaFranco, RibeirãoShopping e ParkShopping, e a inauguração do Shopping Vila Olímpia, adicionaram 17.562 m² à ABL própria da Companhia. Tal aumento contribuiu significativamente para o aumento das despesas de shopping centers, dado que novas áreas têm menores margens que as mais consolidadas, por necessitarem de maiores investimentos para promover sua marca e adaptar seu mix de lojas. Desta forma, o crescimento com novas áreas normalmente é inferior ao crescimento de despesas. Estes investimentos, no entanto, devem ser reduzidos no longo prazo. O aumento das despesas de shopping Center, decorrentes da abertura do Shopping Vila Olímpia em 2T10, foram de R$1,6 milhão. Por outro lado, no mesmo período, ele contribuiu com receitas de R$6,8 milhões, quatro vezes superiores à sua despesa.
17

2T10
MULT3
Deve ser ressaltado que para os resultados decorrentes do Shopping Vila Olímpia, no qual a empresa detém uma participação de 30%, são considerados o desempenho da MPH Empreendimentos Imobiliários Ltda, um veículo que detém 71,5% do shopping e do qual a Multiplan detêm 42,0%. O valor pertencente aos outros parceiros da MPH é reduzido na linha de „participações minoritárias‟ na demonstração de resultado, mas inflou a despesas de shopping center em R$0,9 milhão no 2T10. As despesas de estacionamento aumentaram em R$1,3 milhão principalmente devido às novas operações de estacionamento do BarraShoppingSul, responsáveis por 48,8% do aumento nas despesas de estacionamento, com R$0,7 milhão no 2T10, sendo outros R$0,6 milhão decorrente de duas novas operações iniciadas em 2009. As operações de estacionamento novas e existentes, por sua vez, contribuíram com R$2,7 milhões para o aumento dos resultados de estacionamento. Nos seis meses encerrados em 30 de junho de 2010, as despesas de shopping centers aumentaram 8,1%, passando de R$29,2 milhões no 1S09 para R$31,6 milhões no 1S10. A alteração sofrida no semestre foi inferior àquela sofrida no trimestre, devido à redução de 5,5% nas despesas de shopping centers do 1T10, em relação ao 1T09. 3. Despesas Pré-Operacionais O custo do crescimento No segundo trimestre, foi feito um investimento de R$11,2 milhões nas fases pré-operacionais de novos shopping centers. A maior parte dos investimentos foi focado em promover os projetos existentes, gerando em contrapartida R$19,6 milhões de contratos de cessão de direto assinados. Com investimentos destinados a marketing e publicidade, estas despesas com projetos contribuíram para um forte desempenho dos esforços de locação, que alcançaram a marca de mais de 100 lojas locadas, apenas no 2T10.
19.584
11.191

Despesas préCessão de operacionais direitos assinada
Despesas pré-operacionais e Cessão de direitos assinada no 2T10 (R$´000)

O investimento está em sua maior parte relacionado a despesas com marketing e publicidade para o VillageMall e o JundiaíShopping que, juntos, foram responsáveis por 2/3 das despesas pré-operacionais, ou R$8,8 milhões. As despesas relacionadas às expansões do BH Shopping e ParkShoppingBarigüi (ambas programadas para inauguração no 4T10), e outros projetos em desenvolvimento, incluindo o ParkShoppingSãoCaetano, também contribuíram para as despesas com projetos no 2T10. Conforme recomendação contida no Pronunciamento CPC 04, despesas pré-operacionais com publicidade, estudos de viabilidade e outros custos de construção não podem ser contabilizados no ativo permanente do balanço patrimonial da Companhia, sendo incluídas como despesas pré-operacionais

4. Custo de Imóveis Vendidos Cristal Tower com 91% das unidades vendidas O avanço na construção do Cristal Tower permitiu a apropriação de custos no valor de R$7,3 milhões no 2T10. Com apenas 9% de suas unidades disponíveis, a torre de escritórios no BarraShoppingSul, em Porto Alegre, está programada para ser entregue no segundo trimestre de 2011.

Resultado de Equivalência Patrimonial Investimentos no Royal Green Península caem para R$1,0 milhão Os investimentos em melhorias no Royal Green Península caíram de R$3,9 milhões no 1T10 para R$1,0 milhão no 2T10. No final do 2T10, havia apenas oito unidades à venda, com um VGV (Valor Geral de Vendas) potencial de aproximadamente R$13,5 milhões, a ser reconhecido na linha de equivalência patrimonial quando as unidades forem vendidas.

18

2T10
MULT3

RESULTS
Resultado Financeiro, Dívida e Disponibilidades Resultado financeiro A Multiplan encerrou o 2T10 com uma dívida líquida negativa (ou uma posição líquida de caixa positiva) de R$374,4 milhões. Os investimentos decorrentes da sólida posição de caixa foram responsáveis por um lucro financeiro de R$10,4 milhões, comparados ao prejuízo financeiro de R$5,6 milhões apurado no 2T09. Dívida bruta inalterada

DEST AQUES A dívida bruta permaneceu praticamente no mesmo nível de 31 de março de 2010, com a amortização da dívida existente sendo contrabalanceada através de novos recursos desembolsados pelo Banco Real. Uma nova FINANCEI parcela ROS de R$30,0 milhões foi recebida como parte do empréstimo de R$102,4 milhões obtido junto ao Banco
Real para a construção da expansão do BH Shopping, em Minas Gerais, dos quais R$90,7 milhões já foram desembolsados pelo Banco Real para a Multiplan até 30 de junho de 2010. Debêntures contabilizadas como dívida de curto prazo No 2T10, a dívida de curto prazo apresentou um aumento acima de R$100,0 milhões, principalmente devido ao novo perfil de vencimentos das debêntures emitidas pela Companhia. A debênture, com prazo de dois anos e emitida em junho de 2009, tornou-se dívida de curto prazo (expirando em julho de 2011). Caixa de R$933,0 milhões assegura flexibilidade estratégica à Companhia As recentes elevações na taxa básica de juros local melhoraram os resultados financeiros da Companhia devido à sua posição líquida de caixa. No final do 2T10, caixa e disponibilidades eram 67% superiores à dívida bruta. A Multiplan continua mantendo uma sólida posição de caixa para a realização de seu atual plano de expansão e para o aproveitamento de potenciais oportunidades de crescimento. No final do 2T10, a posição de caixa estava 4,8% abaixo do valor apurado no 1T10 devido a investimentos em novos projetos e pagamento de dividendos em Maio.
Abertura de Situação Financeira Dívidas de Curto Prazo Empréstimos e financiamentos Obrigações por aquisição de bens Debêntures Dívida de longo prazo Empréstimos e financiamentos Obrigações por aquisição de bens Debêntures Dívida Bruta Caixa Dívida Líquida (Caixa Líquido)
100,0

30/6/2010 227.161 72.413 54.207 100.541 331.456 221.154 110.302 558.617 933.011 (374.393)

31/3/2010 115.677 50.784 62.130 2.764 439.020 223.566 115.454 100.000 554.697 980.467 (425.770)

Variação % ▲96,4% ▲42,6% ▼12,8% ▲3.537,8% ▼24,5% ▼1,1% ▼4,5% ▼100,0% ▲0,7% ▼4,8% ▼12,1%

Empréstimos e financiamentos (bancos) Obrigações por aquisição de bens (terrenos e participações) Debêntures

60,1 35,0 31,4 39,6 45,6 28,9

43,9

36,1

38,9 17,7

33,2 21,9 10,9 15,0

0,5

2010

2011

2012

2013

2014

2015

2016

>=2017

Perfil de amortização da dívida em 30 de junho de 2010 (R$ milhões)

19

2T10
MULT3
Os índices financeiros foram afetados por mudanças nas posições de dívida bruta e caixa. A relação dívida líquida/EBITDA permanece negativa (-1,1x), e a relação dívida bruta/EBITDA ficou em 1,6x no 2T10.

Indicadores Financeiros* Dívida Líquida (Caixa Líquido)/EBITDA (12M) Dívida Bruta/EBITDA (12M) Dívida Líquida (Caixa Líquido)/FFO (12M) Dívida Bruta/FFO (12M) Dívida Líquida (Caixa Líquido)/Patrimônio Líquido Passivo/Ativo Dívida Bruta/Passivo

30/6/2010 -1,1x 1,6x -1,1x 1,6x -12,8% 23,3% 62,7%

31/3/2010 -1,3x 1,7x -1,3x 1,7x -14,8% 24,1% 60,1%
Endividamento em 30 de junho de 2010

NãoBancos 30%

Bancos 70%

* EBITDA e AFFO equivalem à soma dos 12 meses precedentes. Diversificação de índices O endividamento da Multiplan apresenta uma base diversificada de índices, conforme mostra o gráfico da direita. A partir do último trimestre, aproximadamente 38% da dívida estava atrelada à TR. No 2T10, os indicadores da dívida foram positivamente impactados pelo aumento de participação da TR, de 35% para 38%, e pela redução da parcela do IPCA, de 16% para 14% do total, comparado a 31 de março de 2010. Considerando a taxa anual, composta pelo índice e juros, o endividamento atrelado à TR apresentou uma taxa de 10,4%, 204 pontosbase abaixo do IPCA. Indicadores de endividamento em 30 de junho de 2010
Curto Prazo Taxa de Juros Média¹ 3,79% 7,47% 10,00% 1,08% 12,29% 2,99% 11,93% n.d. (R$ ‘000) 12.333 28.032 26.621 2.423 131.379 6.318 17.227 2.828 227.161 Longo Prazo Taxa de Juros Média¹ 3,53% 7,13% 10,00% 1,18% 2,96% 4,50% n.d. (R$ ‘000) 28.226 52.401 186.174 5.430 58.680 545 331.456 Total Taxa de Juros Média¹ 3,61% 7,25% 10,00% 1,15% 12,29% 2,96% 11,70% n.d. (R$ ‘000) 40.559 80.433 212.795 7.853 131.379 64.998 17.771 2.828 558.617
CDI 25% IGP-M Pré12% Fixado 3% TJLP 7% IPCA 14%

TR 38%

Índices de endividamento em 30 de junho de 2010

TJLP IPCA TR CDI + % do CDI ² IGP-M Pré-Fixado Outros Dívida Líquida

¹ Média ponderada da taxa de juros anual. ² A taxa representa o indexador como um percentual do CDI.

Desempenho do Indice (últimos 12 meses) TJLP IPCA TR CDI + % do CDI ² IGP-M Pré-Fixado Outros Total 6,00% 4,84% 0,37% 10,25% 10,25% 5,17% 0,00% -0,02% 4,43%

Taxa de Juros Média 3,61% 7,25% 10,00% 1,15% 119,86% 2,96% 11,70% 6,43%

Custo da Dívida 9,82% 12,44% 10,40% 11,52% 12,29% 8,28% 11,70% -0,02% 10,86%

Dívida (R$ ‘000) 40.559 80.433 212.795 7.853 131.379 64.998 17.771 2.828 558.617

¹ Média ponderada da taxa de juros anual. ² A taxa representa o indexador como um percentual do CDI.

20

2T10
MULT3
NOI NOI cresce 28,8% no 1S10, alcançando margem de 86,3%, 220 pontosbase superior ao 1S09 O Resultado Operacional Líquido (NOI) aumentou 28,8% no 1S10 250.000 comparado ao mesmo período do ano passado, alcançando R$199,6 200.000 milhões. O resultado operacional foi impulsionado pelos ganhos nas receitas de locação e estacionamento, que subiram significativamente 150.000 acima das despesas de shopping centers, contribuindo para elevar a 100.000 margem NOI de 84,1% no 1S09 para 86,3% no 1S10.
50.000 A receita de locação no primeiro semestre aumentou R$38,8 milhões, ficando em R$199,7 milhões. Em termos absolutos, as receitas do Shopping Vila Olímpia, inaugurado em novembro de 2009, e do ParkShopping, beneficiado pela expansão entregue no 2S09, juntas, contribuíram com 55% do aumento das receitas de locação no 1S10.
+28.8%

300%
199.635

250%
200%

155.026

150%
84,1%
86,3%

100% 50% 0%

1S09

1S10

NOI (R$´000) e Margem NOI (1S09 vs. 1S10)

A receita de estacionamento, depois de deduzidos os repasses, ficou 34,9% maior no 1S10 comparada ao mesmo período de 2009. A receita de estacionamento é diretamente afetada pelo número de vagas em operação, que aumentaram 9,9% no 1S10, 480 pontos-base acima do aumento de 5,1% na ABL própria. As despesas de shopping centers subiram 8,1% no 1S10, principalmente devido a dois fatores: (i) aumentos das despesas de estacionamento devido a novas operações de estacionamento no RibeirãoShopping, ParkShopping e BarraShoppingSul, e (ii) despesas de shopping centers do Shopping VilaOlímpia. Comparado ao mesmo trimestre do ano anterior, o NOI aumentou 22,9% no 2T10, alcançando R$99,9 milhões. O crescimento de 23,2% na receita operacional (comporto por receitas de locação e estacionamento líquido) e aumento de 24,8% de despesas de shopping centers resultaram numa margen NOI de 86,0% no 2T10, mantendo-se no mesmo nível do 2T09. A inauguração de dois shopping centers e seis expansões nos últimos dois anos, contribuiu para o aumento de 56,5% nas receitas de Cessão de Direitos apropriadas no 1S10, resultando em uma margem NOI + Cessão de Direitos 100 pontos-base superior à margem NOI. Conforme já mencionado no relatório de resultados do trimestre anterior, a metodologia de cálculo do NOI + Cessão de Direitos nos trimestres anteriores ao 1T10 considerava a adição ao NOI de contratos de Cessão de Direitos assinados no período. A partir do 1T10, em linha com os novos princípios contábeis, a Companhia começou a considerar no cálculo do NOI + Cessão de Direitos, apenas a Cessão de Direitos apropriada como receita no período.
Cálculo do NOI Locação de Lojas Resultado de Estacionamento Resultado Operacional Despesa de Shopping NOI Margem NOI Cessão de Direitos NOI + CD Margem NOI + CD 2T10 100.666 15.505 116.170 (16.263) 99.907 86,0% 6.350 106.257 86,7% 2T09 81.498 12.807 94.305 (13.000) 81.305 86,2% 6.034 87.339 87,0% Var. % ▲23,5% ▲21,1% ▲23,2% ▲25,1% ▲22,9% ▼21 p.b. ▲5,2% ▲21,7% ▼32 p.b. 1S10 199.717 31.500 231.217 (31.581) 199.635 86,3% 17.529 217.165 87,3% 1S09 160.888 23.347 184.235 (29.209) 155.026 84,1% 11.202 166.228 85,1% Var. % ▲24,1% ▲34,9% ▲25,5% ▲8,1% ▲28,8% ▲220 p.b. ▲56,5% ▲30,6% ▲225 p.b.

21

2T10
MULT3
EBITDA EBITDA do 1S10 aumentou 34,7%, para R$166,2 milhões A Multiplan registrou um aumento de 34,7% no EBITDA do 1S10. As receitas brutas apresentaram um forte aumento de 33,4%, ou R$77,1 milhões, sendo que as receitas da Multiplan do negócio principal, aluguéis e estacionamento, participaram com 72,2% desse aumento. As despesas administrativas e operacionais compostas por sede, remunerações com base em opções de ação e despesas de shopping centers apresentaram um aumento combinado de 7,4% no 1S10, comparado ao mesmo período do ano anterior, e substancialmente inferior ao aumento de 24,3% apurado pelo mesmo grupo de receitas, de aluguéis, serviços, cessão de direitos e estacionamento. A Multiplan continuou a aumentar seu desempenho operacional das despesas de sede como porcentagem da receita líquida, reduzindo-as de 20,9% no 1S09 para 16,2% no 1S10. A margem EBITDA alcançou 59,5% no 1S10, 15 pontos-base acima dos 59,3% registrados no 1S09.
Cálculo do EBITDA (R$'000) Receita Líquida Despesas de sede Despesas remuneradas baseadas em opções de ações Despesas de shopping centers Despesas pré-operacionais Custo de imóveis vendidos Resultado de equivalência patrimonial Outras receitas (despesas) operacionais EBITDA Margem EBITDA 2T10 143.096 (25.325) (1.380) (16.263) (11.191) (7.283) (997) 266 80.922 56,6% 2T09 107.069 (24.657) (807) (13.000) (2.420) (3.354) 1.094 63.444 59,3% Var. % ▲33,6% ▲2,7% ▲71,0% ▲25,1% ▲362,4% ▼70,3% ▼75,7% ▲27,5% ▼271 b.p 1S10 279.476 (45.393) (2.544) (31.581) (17.818) (12.377) (4.951) 1.402 166.214 59,5% 1S09 208.011 (43.542) (1.317) (29.209) (2.643) (714) (9.552) 2.357 123.391 59,3% Var. % ▲34,4% ▲4,3% ▲93,1% ▲8,1% ▲574,1% ▲1.634,2% ▼48,2% ▼40,5% ▲34,7% ▲15 b.p

(481) ▲1.414,7%

Análise do EBITDA A estratégia da Companhia, que inclui o desenvolvimento de projetos imobiliários para venda, pode ter um impacto negativo em suas margens. Excluindo do cálculo do EBITDA receitas, impostos e despesas relacionadas a empreendimentos imobiliários, isto é, considerando apenas o desempenho do principal negócio da Multiplan - desenvolvimento e administração de shopping centers - a margem EBITDA seria de 63,1% em 1S10, 360 pontos-base acima da margem EBITDA não ajustada.
+1050 b.p. +685 b.p. +365 b.p.

70,0%

63,1%

59,5%

Em 1S10 a empresa contabilizou R$17,8 milhões como despesas pré-operacionais de seus novos projetos de shoppings e expansões. Tais investimentos foram compostos principalmente por despesas de marketing com o intuito de reforçar a locação de suas lojas e assim seus futuros resultados. Para fins de análise, caso estas despesas pré-operacionais e resultados das torres comercias fossem excluído do EBITDA a sua margem no 1S10 subiria de 59,5% para 70,0%.

EBITDA Resultado imobiliário e Despesas préoperacionais Margens EBITDA excluindo resultados de vendas imobiliários e despesas pré-operacionais no 1S10

EBITDA

EBITDA Resultado Imobiliário (+ impostos)

22

2T10
MULT3
Lucro Líquido e FFO Ajustado Criando valor para o acionista A Multiplan apresentou no 1S10 um lucro líquido ajustado de R$154,8 milhões, representando um aumento significativo de 74,5% comparado +80,0% +70,0% ao 1S09. Em bases trimestrais, o lucro líquido ajustado saltou 68,1% em +60,0% relação aos R$45,3 milhões apresentados no ano passado.
+50,0%
+24,1% +28,8% 86,3%

+74,5%

O lucro liquido ajustado desconsidera os impostos de renda +40,0% e contribuição social diferidos, dado que são despesas sem efeito caixa. +30,0%
+20,0% +10,0% Como já mencionado, o desempenho do EBITDA seguiu o aumento da +0,0% receita líquida do 1S10, em comparação com o 1S09.

+34,7%

59,5%

55,4%

€4,00 €3,50 €3,00 €2,50 €2,00 €1,50 €1,00 €0,50 €-

Após voltar a adicionar ao lucro líquido ajustado do 1S10, a depreciação e amortização sem efeito caixa, o Fluxo de Caixa Operacional Ajustado (do acrônimo em inglês, AFFO) alcançou R$178,1 milhões, representando um aumento de 64,3% em comparação ao 1S09.
Cálculo do FFO & Lucro Líquido Lucro Líquido Imposto de renda e contribuição social diferidos ¹ Lucro Líquido Ajustado Depreciações e amortizações FFO Ajustado 2T10 51.434 24.804 76.238 11.593 87.831 2T09 45.628 (284) 45.344 9.974 55.318

Locação de lojas

NOI

EBITDA

Lucro Líquido Ajustado

Impacto do ganho de escala no 1S10 (Crescimento 1S09 vs. 1S10 e Margens 1S10)

Var. % ▲12,7% n.d. ▲68,1% ▲16,2% ▲58,8%

1S10 98.175 56.633 154.808 23.277 178.085

1S09 89.806 (1.068) 88.738 19.631 108.370

Var. % ▲9,3% n.d. ▲74,5% ▲18,6% ▲64,3%

Na comparação entre o lucro líquido divulgado no primeiro semestre de 2009 e 1S10, a variação é de 9,3%. No entanto, é importante notar que o imposto de renda e contribuição social diferidos passaram por duas importantes mudanças no terceiro e quarto trimestres de 2009. Estas mudanças não se refletiram nos resultados financeiros do 1S09. Caso estas mudanças fossem incorporadas aos dados do primeiro semestre de 2009, o aumento no lucro líquido do 1S10 seria de 77,7%, conforme mostrado no quadro abaixo.

Lucro Líquido com Rateio do Imposto Diferido em 2009 Lucro Líquido Imposto de renda e contribuição social diferidos contabilizados no 3T09 (efeito pro-rata) Imposto de renda e contribuição social diferidos contabilizados no 4T09 (efeito pro-rata) Lucro Líquido pós rateio

2T10 51.434 -

2T09 45.628 (7.704)

Var. % ▲12,7% n.d.

1S10 98.175 -

1S09 89.806 (15.408)

Var. % ▲9,3% n.d.

51.434

(9.572) 28.352

n.d. ▲81,4%

98.175

(19.144) 55.254

n.d. ▲77,7%

23

2T10
MULT3

MERCADO DE CAPITAIS
A ação da Multiplan (MULT3, na BM&F Bovespa; MULT3 BZ, no Bloomberg) encerrou o primeiro semestre de 2010 cotada a R$33,01/ação, representando uma valorização de 66,7% em relação ao preço de fechamento em 30 de junho de 2009. O IBovespa, principal índice da Bolsa de Valores Brasileira, teve uma valorização de 18,4% no mesmo período.
200 Volume Médio Negociado (15 dias) Multiplan Ibovespa R$ Milhões $35 $30

180
160

140
120

DESTAQUES FINANCEIROS

$25 $20 $15
$10 $5 $0

100
80

jun-09 jul-09 ago-09 ago-09 set-09 out-09 out-09 nov-09 dez-09 jan-10 jan-10 fev-10 mar-10mar-10 abr-10 mai-10 mai-10 jun-10

Primeiro semestre de 2010 confirma o aumento da liquidez da ação Após a oferta subseqüente concluída em setembro de 2009, a ação da Companhia obteve um aumento significativo de liquidez, saltando de um volume médio diário negociado de R$1,5 milhão no 1S09 para R$9,9 milhões no 1S10, mais de seis vezes o seu valor inicial. Apesar da Companhia ter atingido uma meta importante, o objetivo é continuar a trabalhar para a obtenção de maior liquidez para proporcionar aos investidores maior negociabilidade das ações. O valor de mercado da Multiplan também cresceu, ficando em R$5,9 bilhões, em 30 de junho de 2010, dobrando seu valor em relação ao ano anterior, conforme detalhado no quadro abaixo. MULT3 Preço de fechamento Volume diário médio negociado Valor de mercado no fim do período 1S10 R$ 33,01 R$ 9.867.530,20 R$ 5.915.300.034,14 1S09 R$ 19,80 R$ 1.542.537,24 R$ 2,926.434.871,80 Var.% 66,7% 539,7% 102,1%

MULT3 supera índices em 12 meses de valorização A Multiplan está listada em cinco índices de Bolsa de Valores Brasileira: Índice Brasil (IBRX), Índice de Construção Civil e Imobiliário (IMOB), Índice Small Cap (SMLL), Índice Tag Along (ITAG) e Índice de Governança Corporativa (IGC). Como indicado no gráfico abaixo (Base 100 = 30 de junho de 2009), nos últimos 12 meses, a ação da Companhia teve valorização superior aos índices mencionados, incluindo o IMOB, composto por companhias brasileiras do setor imobiliário.
MULT3 IBRX IMOB SMLL ITAG IGC 180 160

140 120
100 80

jun-09 jul-09 ago-09 set-09 out-09 out-09 nov-09 dez-09 jan-10 fev-10 mar-10 abr-10 abr-10 mai-10 jun-10

Estrutura Acionária O número total de ações emitidas permanece em 179.197.214, e o número de ações em negociação (free-float) representa 37,2% da estrutura patrimonial. A composição do capital social, em 30 de junho de 2010 é explicada no gráfico da direita. As ações em negociação tiveram sua participação no total do capital da Empresa aumentado de 36,9% para 37,2% em virtude do exercício de opções de compra de ações da Multiplan ao longo do trimestre.
Adm+Tesouraria 0,1% Free Float 37,2%
OTPP 29,1% MTP+Peres 33,6% Ordinárias 22,5%

Pref erenciais 6,6%

Estrutura acionária em 30/06/2010

24

2T10
MULT3

ESTRATÉGIA DE CRESCIMENTO
No total, a Multiplan possui dez projetos em desenvolvimento:
Quatro shopping centers: ParkShoppingSãoCaetano, VillageMall, JundiaíShopping e ShoppingMaceió. Três expansões: no BH Shopping, ParkShoppingBarigüi e Pátio Savassi. Três torres comerciais: MorumbiBusinessCenter e ParkShopping Corporate (para locação); e Cristal Tower (para venda).

Crescimento de ABL própria esperado entre 2T10 – 2012: 44,0%
Projetos anunciados em desenvolvimento (por tipo):
ABL Própria 532.902 m² 553.731 m² 689.278 m² 17.735 m² 2.436 m² 185.145 m² 18.393 m² 500.792 m² 347.757 m²
+ 44,0%

ABL de Terceiros 712.788 m² 6.680 m² 712.788 m²

211.996 m²

117.812 m²

16.830 m²

Shoppings em operação (2T10)

Expansões em desenvolvimento

Shoppings em desenvolvimento

Imobiliário para locação

Total anunciado (2012P)

Por data de abertura:
ABL Própria 532.902 m² 553.731 m²
602.886 m²

ABL de Terceiros 712.788 m² 24.415 m² 0 m² 211.996 m² 85.486 m² 49.155 m² 712.788 m²

2.436 m² 185.145 m² 18.393 m²

500.792 m² 347.757 m²
+ 44,0%

1S10

2S10

2011

2012

Total anunciado (2012P)

+327 +243 3.415 +202

4.187

+772 Lojas
2T10 2S10 2011 2012 Total

Número de lojas no portfólio da Multiplan Desconsiderando o Shopping Maceió, que não se encontra em fase de locação.

25

2T10
MULT3
Investimento Mais de R$1 bilhão a ser investido até 2012; R$79.6 milhões no 2T10 No 2T10, foram investidos R$79,6 milhões em renovações, três expansões (BH Shopping, ParkShoppingBarigüi e Pátio Savassi), dois imóveis para locação (Morumbi Business Center e ParkShopping Corporate) e três shopping centers em fase de locação (ParkShoppingSãoCaetano, JundiaíShopping e VillageMall). Capex Econômico (R$'000)
Renovação & Outros Desenvolvimento de Shopping Expansão de Shopping Imobiliário para Locação Total 2T10 Descrição 22.935 Todos Shopping Centers 23.229 PSC, JDS, VLG & Outros 24.239 BHS, PKB, PSS & Outros 9.243 MBC, PKC & Outros 79.646

O gráfico abaixo mostra o plano de investimentos da Companhia (CAPEX) para os próximos anos. De um total de 772 lojas em três shopping centers e três expansões em fase de locação, 58,4% já foram locadas.
Investimento 2010 - 2012: R$1,2 bilhões
Tempo*

518,2 M 24,6 M 351,6 M 447,2 M 142,1 M 2010
Investido durante 1S10

Lojas Locadas 58,4%

453,4 M 6,2 M 207,9 M 207,9 M 2011
Projetos para locação e revitalizações

43,7%

SC's e Exp. em desenvolvimento
%% das Lojaslocadas vs. Tempo transcorrido das Lojas locadas Tempo transcorrido * Tempo se refere ao período transcorrido entre *Tempo se refere ao período transcorrido entre o pré-lançamentoe a data de inauguração e a data de inauguração o pré-lançamento (data de referência: 2 de agosto de 2010)

2012
Imobiliário para venda

1. Shopping Centers (Greenfields) Os três projetos de shopping centers em 58,4% ParkShopping fase de locação repetiram o bom SãoCaetano 36,5% desempenho do trimestre anterior. Desde o início do processo de locação, todos os 32,3% VillageMall três projetos locaram em média 18,2% do 21,5% total de lojas no 2T10, alcançando 45,1% no total de lojas locadas. 37,1% Shopping Jundiaí Este resultado confirma a força e o 20,1% reconhecimento da marca da Multiplan no 45,1% Lojas Locadas mercado. Outros motivos para o sucesso SC's em desenvolvimento 27,4% são a localização dos shoppings, o Tempo* conceito inovador dos projetos e a % das Lojas locadasvs. Tempo transcorrido vs. Tempo transcorrido % das Lojas locadas abordagem multiuso. A Multiplan dá aos *Tempo se refere ao período transcorrido entreoopré-lançamento e a data de inauguração * Tempo se refere ao período transcorrido entre pré-lançamento e a data de inauguração (data de referência: 2 de agosto de 2010) lojistas a oportunidade de expandir seus negócios. O quadro abaixo fornece dados sobre os projetos recém-anunciados e em desenvolvimento.
Shoppings em Desenvolvimento/Aprovação Projeto ParkShoppingSãoCaetano Village Mall Shopping Jundiaí Shopping Maceió² Total Inaug. nov/11 mai/12 set/12 2012 ABL 39.005 m² 25.653 m² 35.418 m² 35.470 m² 135.546 m² % Mult. 100,0% 100,0% 100,0% 50,0% 86,9% Participação da Multiplan (R$ ‘000) CAPEX¹ 249.352 350.000 240.000 82.100 921.452 CAPEX Realizado³ 13% 31% 15% 17% 21% Cessão de Direito 30.876 37.500 21.600 5.500 95.476 NOI 1º ano 34.225 36.900 24.500 7.800 103.425 NOI 3º ano 45.162 41.300 31.700 9.800 127.962

¹ Considera somente a primeira fase do projeto ² Sujeito a aprovação ³ Considera o custo com aquisição de terreno de acordo com seu fluxo financeiro.

26

2T10
MULT3
ParkShoppingSãoCaetano
Status: em construção A construção do shopping Center teve início no mês de março. Ao fim de junho, 350 das 402 estacas de fundação haviam sido implantadas e 710 metros do muro de contenção subterrâneo foram instalados. A montagem dos pilares pré-moldados, como visto na foto, iniciou em Agosto. A fase de locação avança e atingiu uma locação de quase 60% da ABL total. Este desempenho revela a forte confiança dos lojistas no projeto e o potencial da vizinhança, representada pelo “Espaço Cerâmica”, um bairro planejado para conter torres comerciais, um polo residencial e companhias do setores de tecnologia, varejo e serviços. O projeto prevê 39.005m² de ABL na primeira fase e inclui Canteiro de obras do ParkShoppingSãoCeetano uma expansão futura que poderá adicionar 13.411m², aumentando a capacidade do projeto para atender o desenvolvimento futuro da região.

VillageMall
Status: pré-lançamento O Village Mall Shopping Center ficará localizado em uma área privilegiada, no coração da Barra da Tijuca, região com um dos maiores índices de crescimento visto em anos recentes no Rio de Janeiro. O projeto terá 25.653m² de ABL, 134 lojas e 1.462 vagas de estacionamento. O shopping será diferenciado devido à presença de lojas de moda e sofisticadas opções de restaurantes, em um ambiente moderno, valorizado pela paisagem vizinha. Em agosto, será realizada uma forte campanha de marketing destinada a valorizar a exclusividade do projeto, contribuindo para a fase de locação. Sua inauguração é esperada para 2012, e a construção está planejada para iniciar em breve.

Perspectiva do Village Mall

O projeto será adicionado ao complexo composto pelo BarraShopping, o New York City Center e pelo Centro Empresarial Barrashopping.

JundiaíShopping
Status: lançado O JundiaíShopping está localizado na cidade de Jundiaí, no interior do estado de São Paulo, a 60 quilômetros da capital do estado, sendo a oitava maior economia do estado. O shopping center terá uma ABL de 35.418 m², 197 lojas e 2.079 vagas de estacionamento. O projeto está em linha com a estratégia da Companhia de desenvolver complexos multiuso, combinando vários empreendimentos em um mesmo local. O projeto inclui duas torres comerciais de dez andares cada e 13.260 m² de ABL para futura expansão.

Perspectiva do JundiaíShopping

Foi divulgada neste trimestre uma campanha com o propósito de mostrar o projeto e seus benefícios para a cidade de Jundiaí, resultando em maior demanda por lojas no JundiaíShopping e aumento do número de lojas locadas. Atualmente 37.1% das lojas se encontram locadas. A construção será iniciada em breve.
27

2T10
MULT3

Shopping Maceió
Status: em desenvolvimento O Shopping Maceió é o primeiro projeto da Multiplan na região nordeste do país. O shopping será construído na região de maior crescimento da cidade e se beneficiará da significativa expansão das classes A e B locais. O projeto está em fase de aprovação. O terreno de 210.000 m² possibilita, além do desenvolvimento do shopping center, a construção de um hotel, torres comerciais e edifícios residenciais. O projeto é uma parceria com a Aliansce Shopping Centers S.A., que estará liderando o processo em nome da Multiplan. 2. Expansões de Shopping Center (Brownfields) Ajustes finais: três expansões serão entregues no 2S10 As chaves das expansões do BH Shopping, ParkShoppingBarigüi e Pátio Savassi foram entregues aos lojistas neste trimestre. Essas expansões adicionarão um total de 20.829m² de nova ABL no segundo semestre de 2010. Os projetos já alcançaram 96% de área locada e os lojistas já trabalham na arrumação das lojas, se preparando para o dia da inauguração. Restam apenas oito lojas para locação de um total de mais de 200 novas lojas.
Expansões em Construção Projeto Inaug. ABL % Mult. 80,0% 80,9% 100,0% 88,3% CAPEX 143.506 3.303 55.102 201.910 % Multiplan (R$ ‘000) CAPEX Cessão de Realizado¹ Direito 82% 11.875 40% 256 56% 13.079 74% 25.210

Perspectiva do Shopping Maceió

BH Shopping Exp. Out-10 11.121 m² Pátio Savassi ² Out-10 1.109 m² ParkShoppingBarigüi Exp ³ Nov-10 8.600 m² Total 20.829 m²

NOI 1º ano 11.463 617 7.084 19.165

NOI 3º ano 13.054 679 8.591 22.324

¹ Participação da Multiplan ² Não considerando a aquisição de participação adicional de 15.6% em Julho de 2010 ³ A Multiplan terá 84% da participação no NOI após a inauguração

Expansão do BH Shopping em construção

Expansão do ParkShoppingBarigüi em construção

Expansão do Pátio Savassi em construção

28

2T10
MULT3
3. Torres Comerciais Estratégia Multiuso A estratégia da empresa compreende a incorporação de edifícios comerciais e residenciais, em sua maioria localizados próximos aos shopping centers, tornando-os complexos “multi-uso”, que são beneficiados pela sinergia e pelo fluxo de pessoas gerado pelos empreendimentos e pelo conseqüente desenvolvimento da região. Desde 1975, ano que marcou o início de sua trajetória, até 2009, a Multiplan desenvolveu 11 shoppings centers e entregou mais de 45 empreendimentos imobiliários no Brasil e no exterior. 3.1 Torres Comerciais para Locação

ParkShopping Corporate
Tipo Área para Locação Inauguração Participação CAPEX Estimado (% MTE) Status: em desenvolvimento Em linha com sua estratégia de crescimento, a Multiplan anunciou o desenvolvimento do ParkShopping Corporate, um projeto classe A, com duas torres comerciais para locação, integradas ao ParkShopping, em Brasília. As torres terão seis andares de espaço para 2 escritórios, ABL de 13.360m e 391 vagas exclusivas de estacionamento. A área total construída será de 37.572 2 m , e o investimento total estimado de R$79,6 milhões. A participação da Multiplan neste projeto é de 50%. A construção deverá ter início no primeiro trimestre de 2011 e as torres deverão ser entregues no quarto trimestre de 2012.
Perspectiva do ParkShopping Corporate

Imóvel comercial para locação 13.360 m² Quarto trimestre de 2012 50% R$39,8 milhões

Em consequência da crescente demanda por espaços de escritório, o ParkShopping Corporate é o segundo projeto multiuso da Multiplan anunciado este ano.

Morumbi Business Center
Tipo Área para Locação Inauguração Participação CAPEX Estimado (% MTE) Status: em construção O Morumbi Business Center é um edifício comercial classe A, localizado na cidade de São Paulo, destinado à locação, podendo ter um locatário ou múltiplos ocupantes. Com uma ABL prevista de 10.150 m², a construção teve início em abril deste ano e a entrega está planejada para o segundo semestre de 2011. O Morumbi Business Center complementa o complexo construído em frente ao MorumbiShopping, contendo o Morumbi Office Tower e o
Construção do Morumbi Business Center

Imóvel comercial para locação 10.150 m² Segundo semestre de 2011 100% R$74 milhões

29

2T10
MULT3
Centro Profissional Morumbi Shopping, integrados à expansão do shopping. Todo muro de contenção subterrâneo da construção foi finalizado no fim do 2T10. 3.2 Torres comerciais para venda

Cristal Tower
Tipo Área para venda Inauguração Participação VGV estimado (% MTE) Total de Unidades % de Unidades Vendidas Imóvel comercial para venda 11.915 m² Maio de 2011 100% R$70 milhões 290 91%

Status: em construção O Cristal Tower é uma para torre de escritórios destinados à venda, na cidade de Porto Alegre, com entrega programada para o segundo semestre de 2011, e 11.915 m² de área privativa de venda conectada ao BarraShopping Sul por meio de uma passarela suspensa. A torre comercial possui 290 unidades, equipadas com moderna infraestrutura e a conveniência de estar conectada a um dos maiores shopping centers da região sul, sem mencionar a vista exclusiva do Rio Guaíba. Com mais de 91% de suas unidades já vendidas, a proximidade ao BarraShoppingSul irá gerar um fluxo de consumidores qualificados para o shopping center durante a semana, e sinergias naturais; um modelo multiuso que a Companhia utiliza para integrar shopping centers, edifícios comerciais, residenciais e hotéis, todos na mesma área.

Banco de Terrenos Mais de 800.000 m² para crescimento futuro A Multiplan observou um pequeno aumento em seu banco de terrenos em relação ao 1T10, com a aquisição de dois terrenos nos arredores do Pátio Savassi que, juntos, representaram um adição de 1.459 m² e serão destinados à futura expansão do Pátio Savassi.

Local BarraShoppingSul Campo Grande Maceió Jundiaí MorumbiShopping ParkShoppingBarigüi ParkShoppingBarigüi Pátio Savassi² RibeirãoShopping São Caetano Shopping AnáliaFranco Total

% 100% 90%¹ 50% 100% 100% 84% 94% 97% 100% 36% 84%

Tipo Residencial, Hotel Residencial, Comercial Residencial, Comercial, Hotel Comercial Comercial Apart-Hotel Comercial Comercial Comercial Residencial

Área do Terreno 12.099 m² 338.913 m² 140.000 m² 4.500 m² 19.069 m² 843 m² 27.370 m² 2.541 m² 200.970 m² 24.948 m² 29.800 m² 801.053 m²

100% Residencial, Comercial, Centro Médico

¹ 90% para o shopping center e 50% para projetos imobiliários. ² Inclui a participação adquirida em Julho de 2010.

30

2T10
MULT3

PORTFÓLIO

AL

DF
71% do PIB do país(*)

55% da população do país(*)

MG SP PR
RJ

78% de toda o ABL do país se encontra na região Sul e Sudeste
RS

Fonte: IGBE e ABRASCE * Dados de 2006

Portfólio Portfólio em Operação BH Shopping RibeirãoShopping BarraShopping MorumbiShopping ParkShopping DiamondMall New York City Center Shopping AnáliaFranco ParkShoppingBarigüi Pátio Savassi ² Shopping SantaÚrsula BarraShoppingSul Shopping VilaOlímpia Sub-Total Portfólio em Operação Shopping Centers em Desenvolvimento ParkShoppingSãoCaetano Shopping Maceió Shopping Jundiaí Village Mall Expansões em Desenvolvimento BH Shopping Exp. ParkShoppingBarigüi Exp. II

Estado MG SP RJ SP DF MG RJ SP PR MG SP RS SP

% Multiplan

ABL Total

Locação 2T10¹ 377 R$/m² 187 R$/m² 429 R$/m² 497 R$/m² 255 R$/m² 372 R$/m² 120 R$/m² 271 R$/m² 178 R$/m² 310 R$/m² 52 R$/m² 141 R$/m² 232 R$/m² 303 R$/m² 156.376 m² 303 R$/m²

(100%) 80,0% 36.840 m² 76,2% 46.784 m² 51,1% 69.319 m² 65,8% 55.085 m² 59,6% 51.532 m² 90,0% 21.388 m² 50,0% 22.269 m² 30,0% 50.974 m² 84,0% 42.985 m² 80,9% 16.319 m² 37,5% 23.088 m² 100,0% 68.229 m² 30,0% 28.091 m² 65,3% 532.902 m² 100,0% 50,0% 100,0% 100,0% 80,0% 100,0% 80,9% 87.1% 39.005 m² 35.470 m² 35.418 m² 25.653 m² 11.121 m² 8.600 m² 1.109 m² 87,10%

Vendas 2T10 (R$’000) 166.844 110.145 308.648 275.052 172.797 103.431 40.481 158.804 122.748 66.582 24.991 117.185 46.884 1.714.591 -

Taxa Média de Ocupação 99,1% 98,8% 99,3% 99,9% 99,8% 99,3% 99,7% 99,2% 98,2% 100,0% 76,2% 98,6% 91,4% 97,8% -

SP AL SP RJ MG PR MG

Pátio Savassi Sub-Total SC’s e Exp. Desenvolvimento Imobiliário para Locação em Desenvolvimento Morumbi Business Center SP ParkShopping Corporate DF Portfólio Total

100,0% 10.150 m² 50,0% 13.360 m² 70,3% 712.788 m²

1.714.591

97,8%

¹ Receita de locação dividida pela ABL própria ajustada (média) ² Não considerando a aquisição de participação adicional de 15.6% em Julho de 2010

31

2T10
MULT3

ESTRUTURA ACIONÁRIA
A Multiplan manteve inalterada sua estrutura acionária desde o primeiro trimestre do ano. Em 30 de junho de 2010, a Companhia tinha 179.197.214 ações emitidas, das quais 167.338.867 ordinárias e 11.858.347 preferenciais.

Free Float

22,25%

Maria Helena Kaminitz Peres 0,39% ON

39,54% ON 36,92% Total

Tesouraria 0,08% ON 0,08% Total

Multiplan Planejamento, Participações e Administração S.A.
77,75%

DESTAQUES 0,36% Total FINANCEIROS 34.41% ON 32.14%Total
1,16% ON 1,09% Total
1,00%

Ontario Teachers’ Pension Plan 100,00%

24,07% ON 100,00% PN 29,10% Total

1700480 Ontario Inc.

Jose Isaac Peres

Multiplan Administradora de Shopping Centers Ltda. Embraplan Empresa Brasileira de Planejamento Ltda.

99,00%

99,00%

Shopping Centers
100,00% BarraShopping BarraShoppingSul BH Shopping DiamondMall MorumbiShopping New York City Center ParkShopping ParkShoppingBarigüi Pátio Savassi RibeirãoShopping ShoppingAnáliaFranco Shopping Vila Olímpia Shopping Maceió¹ Shopping Santa Úrsula ParkShopping SãoCaetano ² Shopping Jundiaí ² VillageMall ²
¹ Em aprovação ² Em desenvolvimento

%
51,07% 100,0% 80,00% 90,00% 65,78% 50,00% 59,63% 84,00% 80,87% 76,17% 30,00% 30,00% 50,00% 37,50% 100,0% 100,0% 100,0% 99,61%

CAA Corretagem e Consultoria Publicitária Ltda. CAA Corretagem Imobiliária Ltda. Pátio Savassi Administração de Shopping Center Ltda. MPH Empreend. Imobiliário Ltda. Manati Empreendimentos e Participações S.A. Haleiwa Empreendimentos Imobiliários S.A.

2,00%

83,81%

SCP Royal Green Península

98,00%

41,96%

1

Renasce Rede Nacional de Shopping Centers Ltda.

99,99%

50,00%

2

50,00%

3

1. 2. 3.

MPH Empreendimento Imobiliário: Sociedade de Propósito Específico (SPE) do Shopping Vila Olímpia. Manati Empreendimentos e Participações S.A.: Sociedade de Propósito Específico (SPE) do Shopping Santa Úrsula. Haleiwa Empreendimentos Imobiliários S.A.: Sociedade de Propósito Específico (SPE) do Shopping Maceió.

Programa de recompra de ações Em fevereiro de 2010, o Conselho de Administração da Multiplan aprovou o segundo Programa de Recompra de Ações da Companhia. O propósito do programa é utilizar fundos disponíveis da Companhia para maximizar valor para o acionista, podendo também ser utilizado para atender a futuros exercícios de opção de ações dentro do escopo do Plano de Opção de Compra de Ações de emissão da Multiplan. Dentro do programa atual, nenhuma ação foi adquirida até o momento. O prazo para recompra das ações é de 365 dias, a partir da data inicial do programa, com encerramento no dia 3 de fevereiro de 2011. Durante o primeiro programa, encerrado em novembro de 2009, a Companhia adquiriu 340.000 ações ordinárias, a um custo médio ponderado de R$13,59 por ação. O saldo de ações em tesouraria em 30 de junho de 2010 era de 135.286.

32

2T10
MULT3

APÊNDICES
APÊNDICE I

Demonstração de Resultados
(R$ 000) Locação de lojas Serviços Cessão de direitos Receita de estacionamento Venda de imóveis Outras Receita Bruta Impostos e contribuições sobre vendas e serviços prestados Receita Líquida Despesas de sede Despesas remuneradas baseadas em opções de ações Despesas de shopping centers Despesas pré-operacionais Custo de imóveis vendidos Resultado de equivalência patrimonial Receitas financeiras Despesas financeiras Depreciações e amortizações Outras receitas (despesas) operacionais Lucro antes do imposto de renda, da contribuição social e da participação de minoritários Imposto de renda e contribuição social Imposto de renda e contribuição social diferidos ² Participação dos acionistas minoritários Lucro Líquido EBITDA NOI FFO Ajustado Lucro Líquido Ajustado 2T10 100.666 21.077 6.350 15.505 12.240 1.534 157.373 (14.276) 143.096 (25.325) (1.380) (16.263) (11.191) (7.283) (997) 21.995 (11.564) (11.593) 266 79.760 (1.500) (24.804) (2.022) 51.434 80.922 99.907 87.831 76.238 2T09 81.498 18.107 6.034 12.807 Var. % ▲23,5% ▲16,4% ▲5,2% ▲21,1% 1S10 35.786 17.529 31.500 21.256 1.549 1S09 33.497 11.202 23.347 Var. % ▲24,1% ▲6,8% ▲56,5% ▲34,9%

199.717 160.888

882 ▲1.288,2% 89 ▲1.618,9% 119.417 (12.348) 107.069 (24.657) (807) (13.000) (2.420) (3.354) 5.063 (10.707) (9.974) 1.094 47.827 (2.254) 284 (228) 45.628 63.445 81.305 55.318 45.344 ▲31,8% ▲15,6% ▲33,6% ▲2,7% ▲71,0% ▲25,1% ▲362,4% ▼70,3% ▲334,4% ▲8,0% ▲16,2% ▼75,7% ▲66,8% ▼33,5% n.d. ▲784,8% ▲12,7% ▲27,5% ▲22,9% ▲58,8% ▲68,1%

1.309 ▲1.524,4% 89 ▲1.635,2% ▲33,4% ▲24,8% ▲34,4% ▲4,3% ▲93,1% ▲8,1% ▲574,1% ▼48,2% ▲349,2% ▲11,3% ▲18,6% ▼40,5% ▲75,2% ▼17,7% n.d. ▲950,8% ▲9,3% ▲34,7% ▲28,8% ▲64,3% ▲74,5%

307.337 230.331 (27.861) (22.320) 279.476 208.011 (45.393) (43.542) (2.544) (1.317)

(31.581) (29.209) (17.818) (12.377) (4.951) 42.341 (2.643) (9.552) 9.425

(481) ▲1.414,7%

(714) ▲1.634,2%

(22.771) (20.452) (23.277) (19.631) 1.402 162.506 (2.914) (56.633) (4.785) 98.175 2.357 92.734 (3.540) 1.068 (455) 89.806

166.214 123.392 199.635 154.998 178.085 108.370 154.808 88.738

33

2T10
MULT3
APÊNDICE II Balanço Patrimonial (R$’000)
ATIVO Ativo Circulante Disponibilidades e valores equivalentes Contas a receber Empréstimos e adiantamentos diversos Impostos e contribuições sociais a compensar Imposto de renda e contribuição social diferidos Outros Total Circulante Créditos a receber de empresa relacionadas Contas a receber Terrenos e imóveis a comercializar Empréstimos e adiantamentos diversos Imposto de renda e contribuições social diferidos Outros Investimentos Imobilizado Intangível Diferido Total do Ativo não Circulante Total Ativo PASSIVO Passivo Circulante Empréstimos e financiamentos Contas a pagar Obrigações por aquisição de bens Impostos e contribuições a recolher Dividendos a pagar Parcelamento de impostos Receitas diferidas Valores a pagar a partes relacionadas Debêntures Adiantamentos de clientes Outros Total Passivo Circulante Passivo não Circulante Empréstimos e financiamentos Debêntures Imposto de renda e contribuições social diferidos Obrigações por aquisição de bens Parcelamento de impostos Provisão para contingências Receitas diferidas Total do Passivo não Circulante Participação dos acionistas minoritários Patrimônio Líquido Capital social Reserva de capital Reserva de lucros Gasto com emissão de ações Lucro do período Ações em tesouraria Total do Patrimônio Líquido Total Passivo 30/6/2010 933.011 116.307 21.300 29.864 61.751 10.092 1.172.325 74 27.362 136.479 8.494 7.340 14.891 2.138.738 313.867 26.360 2.673.605 3.845.930 30/6/2010 72.413 64.947 54.207 12.543 1 284 33.154 94.290 100.541 3.930 436.310 221.154 14.231 110.302 1.244 5.791 116.821 469.543 16.596 1.761.662 966.153 131.174 (31.842) 98.174 (1.840) 2.923.481 3.845.930 31/3/2010 980.467 98.589 21.471 38.702 60.981 8.442 1.208.652 74 20.793 142.074 9.001 11.343 7.208 14.418 2.073.242 310.206 27.495 2.615.854 3.824.506 31/3/2010 50.784 59.843 62.130 23.754 40.521 281 68.878 94.290 2.764 4.533 1.850 409.628 223.566 100.000 115.454 1.302 5.736 67.863 513.921 14.670 1.761.662 962.854 151.497 (31.842) 46.740 (4.624) 2.886.287 3.824.506 Variação ▼4,8% ▲19,8% ▼0,8% ▼22,8% ▲1,3% ▼2,1% ▼3,0% ▼0,0% ▲31,6% ▼3,9% ▼5,6% ▼100,0% ▲1,8% ▲3,3% ▲3,2% ▲1,2% ▼4,1% ▲2,2% ▲0,6% Variação ▲42,6% ▲8,5% ▼12,8% ▼47,2% ▼100,0% ▲1,0% ▼51,9% ▲0,0% ▲3,537,8% ▼100,0% ▲112,1% ▲6,5% ▼1,1% ▼100,0% ▲0,0% ▼4,5% ▼4,5% ▲1,0% ▲72,1% ▼8,6% ▲13,1% ▲0,0% ▲0,3% ▼13,4% ▲0,0% ▲110,0% ▼60,2% ▲1,3% ▲0,6%

34

2T10
MULT3
APÊNDICE III Demonstração de Fluxo de Caixa
Fluxo de Caixa (R$'000) Fluxo de caixa operacional Lucro líquido do trimestre Depreciações e amortizações Atualização de debêntures, empréstimos e obrigações por aquisição de bens Imposto de renda e contribuição social diferidos Outros ajustes ao lucro líquido (Aumento) redução de ativo circulante Aumento (redução) de passivo circulante Fluxo de caixa gerado pelas operações 51.435 11.593 6.840 12.448 (3.300) 719 (44.667) 35.068 45.628 9.719 4.535 (2.480) (3.230) (12.074) 42.098 2T10 2T09

Fluxo de caixa de investimentos Aumento nos empréstimos e adiantamentos diversos (Aumento) redução em investimentos Adições em Imobilizado Adições em intangível Outros Fluxo de caixa usado nas atividades de investimento 1.239 (1.470) (75.307) (4.309) (4.831) (84.678) 5.661 (1.804) (90.457) 239 1.162 (85.199)

Fluxo de caixa de financiamentos Aumento (redução) de empréstimos e financiamentos Pagamento de juros dos empréstimos e financiamentos obtidos Aumento do valor a pagar a partes relacionadas Aumento de capital social Outros Fluxo de caixa gerado pelas atividades de financiamento 23.579 (6.457) (14.969) 2.153 56.308 (13.575) 778 (286) 43.225

Fluxo de caixa Disponibilidades e valores equivalentes no início do trimestre Disponibilidades e valores equivalentes no final do trimestre Variação no caixa

(47.457) 980.467 933.010 (47.457)

124 187.213 187.337 124

35

2T10
MULT3

GLOSSÁRIO E ACRÔNIMOS
ABL: Área Bruta Locável, que corresponde ao somatório de todas as áreas disponíveis para a locação nos shopping centers, exceto merchandising. ABL Própria: ou ABL da companhia ou ABL Multiplan, refere-se à ABL total ponderada pela participação da Multiplan em cada shopping. Aluguel Complementar: É a diferença (quando positiva) entre o aluguel mínimo e o aluguel com base em porcentagem de vendas paga como aluguel, conforme definida em contrato. Aluguel na Mesma Área/m² (na sigla em inglês SAR): É a relação entre o aluguel faturado em uma mesma área no ano anterior com o ano atual menos a taxa de vacância. Aluguel nas Mesmas Lojas/m² (na sigla em inglês SSR): Aluguel faturado de lojas em operação há mais de um ano. Acrônimos: BHS BRS BSS DMM MAC MBC MBS MTE NYCC JDS PKB PKS PKC PSC PSS RBS SAF SSU SVO VLG BH Shopping BarraShopping BarraShoppingSul DiamondMall Shopping Maceió Morumbi Business Center MorumbiShopping Multiplan New York City Center Shopping Jundiaí ParkShoppingBarigui ParkShopping ParkShopping Corporate ParkShoppingSãoCaetano Pátio Savassi RibeirãoShopping ShoppingAnáliaFranco Shopping Santa Úrsula Shopping Vila Olímpia Village Mall

DESTAQUES Aluguel Mínimo (ou Aluguel-Base): É o aluguel mínimo do contrato de locação de um FINANCEIROS

lojista. Caso um lojista não tenha contratado um aluguel-base, o aluguel mínimo será uma porcentagem de suas vendas. CAGR: Compounded Annual Growth Rate. Taxa Composta de Crescimento Anual. Corresponde à taxa média de crescimento em bases anuais. CAPEX: Capital Expenditure. É a estimativa do montante de recursos a ser desembolsado para o desenvolvimento, expansão ou melhoria de um ativo. CDI: Certificado de Depósito Interbancário. Certificados emitidos pelos bancos para geração de liquidez. Sua taxa média de 1 (um) dia, anualizada, é utilizada como referência para as taxas de juros da economia brasileira.

Cessão de Direitos (CD): Cessão de Direitos é o valor pago pelo lojista para abrir uma loja no shopping center. O contrato de cessão de direitos, quando assinado, é reconhecido na conta de receita diferida e na conta de recebíveis, mas sua receita é reconhecida na conta de receita de cessão de direitos em parcelas lineares, somente no momento de uma abertura, pelo período do contrato de locação. Cessão de Direitos não recorrentes refere-se a contratos de lojas novas em novos empreendimentos ou expansões (inaugurados nos últimos 5 anos). Cessão de Direitos “Operacional” refere-se a lojas que estão mudando para um shopping já em funcionamento. Custo de Ocupação: É o custo de locação de uma loja como porcentagem das vendas. Inclui o aluguel e outras despesas (despesas de condomínio e fundo promocional).

Debênture: instrumento de dívida emitido pelas companhias para captar dinheiro. As debêntures da Multiplan são do tipo não conversíveis, significando que não podem ser convertidas em ações. Além disso, o titular da debênture não tem direito a voto. EBITDA: Earnings Before Interest, Tax, Depreciation and Amortization. Lucro (prejuízo) líquido adicionado das despesas com IRPJ e CSLL, resultado financeiro, depreciação e amortização, e despesas não recorrentes. O EBITDA não possui uma definição única, e sua definição pode não ser comparável ao EBITDA utilizado por outras companhias. Efeito do reajuste no IGP-DI: É a média ponderada do aumento mensal do IGP-DI com um mês de atraso, dividida pela porcentagem da ABL ajustada no respectivo mês. EPS: Earnings per Share. Ganhos por Ação; constitui-se do Lucro Líquido dividido pelo número total de ações da companhia. FFO Ajustado (Fluxo de Caixa Operacional Ajustado): É a soma do Lucro Líquido Ajustado, depreciação e amortização. IGP-DI (Índice Geral de Preços - Disponibilidade Interna): Índice de inflação apurado pela Fundação Getúlio Vargas, com período de coleta do primeiro ao último dia do mês de referência e divulgação próxima ao dia 20 do mês posterior. Possui a mesma composição do IGP-M (Índice Geral de Preços do Mercado), diferenciando-se apenas o período de coleta. IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo): Calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, é o indicador nacional de inflação controlado pelo Banco Central do Brasil. Lojas Âncora: Grandes lojas conhecidas pelo público, com características estruturais e mercadológicas especiais, que funcionam como força de atração de consumidores, assegurando permanente afluência e trânsito uniforme destes em todas as áreas do shopping center. As lojas devem ter mais de 1.000 m² para serem consideradas âncoras. Lojas Satélite: Pequenas lojas, sem características estruturais e mercadológicas especiais, localizadas no entorno das Lojas Âncora e destinadas ao comércio em geral. Lucro Líquido Ajustado: Lucro Líquido Ajustado pelas despesas não recorrentes com o IPO, custos de reestruturação e amortizações de ágio provenientes de aquisições e fusões (incluindo impostos diferidos). Margem EBITDA: EBITDA dividido pela Receita Líquida. Margem NOI: NOI dividido pela receita de locação e receita líquida de estacionamento.

36

2T10
MULT3
Merchandising: É todo tipo de locação em um shopping não vinculada a uma área da ABL do shopping. Merchandising inclui receitas de quiosques, stands, cartazes, locação de espaços em pilares, portas e escadas rolantes, entre outros pontos de exposição em um shopping. Receitas Diferidas: Cessão de Direitos diferida e despesas com recompra de lojas. Resultado Operacional Líquido: Net Operating Income, ou NOI. Refere-se à soma do resultado operacional (receita de locação e despesas do shopping) e o resultado das operações de estacionamento (receitas e despesas). Impostos sobre receita não são considerados. O NOI+CD também inclui a receita de cessão de direitos. Taxa de Ocupação: ABL locada dividida pela ABL total TJLP: Taxa de Juros de Longo Prazo – custo usual de financiamento apurado pelo BNDES TR: Taxa Referencial – Taxa média de juros utilizada pelo mercado. Turnover (giro): Consiste na ABL locada no período dividida pela ABL total Vendas: Vendas declaradas pelas lojas em cada um dos shoppings. Vendas na Mesma Área/m² (na sigla em inglês SAS): É a relação entre as vendas em uma mesma área no ano anterior e o ABL da área menos a taxa de vacância. Vendas nas Mesmas Lojas/m² (na sigla em inglês SSS): Vendas de lojas em operação há mais de um ano. VGV (Valor Geral de Vendas): Refere-se ao total de unidades à venda em um empreendimento imobiliário multiplicado pelo valor de tabela de cada uma.

Segmentos de Shopping Centers: Praça de Alimentação & Área Gourmet – Inclui operações de fast food e restaurantes Diversos – Cosméticos, livrarias, cabeleireiros, lojas para animais, etc. Artigos para o lar e escritório – Lojas de aparelhos eletrônicos, decoração, arte, materiais para escritório, etc. Serviços – Centros esportivos, centros de lazer, teatros, salas de cinema, centros médicos, bancos, etc. Vestuário – Lojas de roupas, calçados e acessórios femininos e masculinos

Aviso Legal
Este documento pode conter considerações futuras, que estão sujeitas a riscos e incertezas, uma vez que se baseiam nas expectativas da administração da companhia bem como nas informações disponíveis. Essas projeções incluem afirmações a respeito das intenções e expectativas atuais de nossa administração. Os leitores/investidores devem estar cientes de que muitos fatores podem afetar nossos resultados fazendo com que sejam materialmente diferentes das projeções contidas nesse relatório. A companhia não está obrigada a atualizar tais afirmações. As palavras "antecipar“, “desejar“, "esperar“, “prever“, “pretender“, "planejar“, "prognosticar“, “projetar“, “objetivar" e termos similares são utilizados para identificar tais afirmações. As projeções referem-se a eventos futuros que podem ou não vir a ocorrer. Nossa futura situação financeira, resultados operacionais, participação de mercado e posicionamento competitivo podem diferir substancialmente daqueles expressos ou sugeridos em tais projeções. Muitos dos fatores e valores que estabelecem esses resultados estão fora do controle ou expectativa da companhia. O leitor/investidor é encorajado a não se basear totalmente nas informações acima. Este documento contém informações sobre projetos futuros que poderão se tornar diversas devido a alterações nas condições de mercado, alterações de lei ou políticas governamentais, alterações das condições de operação do projeto e dos respectivos custos, alteração de cronogramas, desempenho operacional, demanda de lojistas e consumidores, negociações comerciais ou de outros fatores técnicos e econômicos. Este documento contém informações sobre projetos futuros que poderão se tornar diversas devido a alterações nas condições de mercado, alterações de lei ou políticas governamentais, alterações das condições de operação do projeto e dos respectivos custos, alteração de cronogramas, desempenho operacional, demanda de lojistas e consumidores, negociações comerciais ou de outros fatores técnicos e econômicos.

37

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful