You are on page 1of 70

J O E L M A I R I S S O U Z A D A S I L V A , C P F : 0 4 7 5 3 4 1 3 7 6 4

CURSO ON-LINE – CONTABILIDADE PÚBLICA – SUSEP


PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO
AULA ZERO: CONTABILIDADE PÚBLICA - CONCEITO, OBJETO,
REGIME, CAMPO DE APLICAÇÃO, BENS PÚBLICOS

Colega concursando!

Para quem ainda não me conhece farei essa resumida apresentação:

Graduado e Pós-Graduado em Ciências Contábeis;


Atualmente ocupo o Cargo de Perito Criminal Federal – Departamento
de Polícia Federal – ES;
Professor na Academia Nacional da Polícia Federal, FGV/RJ e em
diversos cursos preparatórios para concursos em BH, Teresina, Campo
Grande – MS, Vitória – ES etc.
Chefe de Administração e Logística Policial – SR/ES.

Cargos ocupados:
Auditor Fiscal da atual Receita Federal do Brasil;
Professor Efetivo – UFMS/UFES
Controlador de Recursos Públicos – Tribunal de Contas do Estado do
Espírito Santo.
Entre outros, foi aprovado nos seguintes concursos:
1º. Lugar - Auditor do Estado de Mato Grosso;
1º. Lugar - Prof. efetivo da UFMS;
2º. Lugar – Auditor Fiscal no ES;
2º. Lugar - Analista do TRF 4ª região - Florianópolis;
2º. Lugar - Analista TRE/AC;
4º. Lugar - AFC – CGU;
6º. Lugar – TRF 3ª Região – São Paulo;
6º. Lugar - Auditor Substituto de Conselheiro TCE/PI;
7º. Lugar - Auditor Substituto de Conselheiro TCE/ES;
8º. Lugar - Auditor Substituto de Conselheiro TCM/CE;
51º. Lugar - Perito Criminal Federal – DPF/MJ.

Livros editados:
Orçamento e Contabilidade Pública – 5ª Edição – Editora Campus –
Série provas e concursos/2010;

LRF – Doutrina e Jurisprudência – 1ª Edição – Editora Campus –


Série provas e concursos/2009;

Meus amigos! Satisfação por estarmos juntos mais uma vez nessa
empolgante jornada de estudos, em especial, no concurso para a
SUSEP, objetivo de muitos candidatos por se tratar de um excelente
cargo e com remuneração extremamente atrativa.

www.pontodosconcursos.com.br 1
J O E L M A I R I S S O U Z A D A S I L V A , C P F : 0 4 7 5 3 4 1 3 7 6 4

CURSO ON-LINE – CONTABILIDADE PÚBLICA – SUSEP


PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO

A conquista de uma das vagas depende praticamente de você: seu


esforço, dedicação, planejamento, persistência, vontade de vencer e
jamais desistir nos momentos difíceis.
Você se decidiu pela conquista de uma vaga de Analista da SUSEP,
portanto, por favor, evite contato com os pessimistas ou derrotados, vá
em frente à busca de seus objetivos.
Não se esqueça! Quem estuda para o concurso da SUSEP, indiretamente
está se preparando, entre outros, para os Cargos de Auditor de Controle
Externo/TCU, Perito Criminal Federal do DPF, em especial, para a Área
de Perícia Contábil, posto que muitas disciplinas são coincidentes.

O meu objetivo é procurar “facilitar sua jornada de estudos”, ou seja,


mostrar-lhes o caminho mais curto para o aprendizado e, em
conseqüência, ajudá-lo a concretizar seus ‘SONHOS’, ou seja, os
objetivos almejados.

A nossa experiência nessa área, em especial, nos concursos realizados


pela ESAF é bastante “madura”. Tenho realizado, sempre que possível,
alguns cursos e concursos objetivando me manter atualizado e
“antenado” nessa empolgante “brincadeira”!

Nesta aula demonstrativa abordaremos questões que contemplam


diversos assuntos da Contabilidade Pública, porém, nas aulas
subseqüentes iremos dividir as questões por tópicos específicos.

Por favor! Procure estudar concentrado, se possível, descansado, isso


porque o estudo da Contabilidade Pública exige atenção e concentração,
haja vista a riqueza de detalhes e peculiaridades dessa disciplina.

Estudar para concursos nos dias atuais exige bastante atenção do


candidato. Quem “se destaca” na prova de Contabilidade Pública
geralmente faz a diferença no resultado do concurso, posto que são
questões diferenciadas e que poucos acertam. Portanto, procure
começar bem!

Não comece seus estudos “achando” ou “pensando” que essa matéria é


chata ou difícil. Isso é mito! Aprender Contabilidade Pública para fazer
prova de concurso é simples e sem muita complicação.

O conteúdo e a forma com que temos abordado nossas aulas têm sido
mais do que suficiente para o candidato realizar excelentes provas.

www.pontodosconcursos.com.br 2
J O E L M A I R I S S O U Z A D A S I L V A , C P F : 0 4 7 5 3 4 1 3 7 6 4

CURSO ON-LINE – CONTABILIDADE PÚBLICA – SUSEP


PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO
Portanto, por favor! Não fique tentando entender os “N”
lançamentos/registros contábeis, as “N” contas, os infinitos anexos etc.
Procure focar basicamente nos conteúdos abordados. Repito! O
conteúdo abordado em nossas aulas é suficiente para que você realize
uma excelente prova, basta estudar razoavelmente a matéria e fazer
bastantes exercícios.

Ao estudar essa nota de aula, você estará garantindo acerto de algumas


questões para sua classificação. Assim, comece a fazer a diferença
desde já.

É importante esclarecer: essa é só uma aula demonstrativa. É a


oportunidade para o aluno conhecer a didática, metodologia e até
mesmo o “humor” do professor.

Esse tipo de curso proporciona ao aluno bom método de estudo, em


especial, através de questionamentos no fórum de dúvidas e respectivas
respostas, tanto dos seus quanto de colegas. Dessa forma você poderá
tirar proveito dessa metodologia. Isso é importante e muitos candidatos
obtiveram aprovação através dessa forma de ensino (interação com
outros alunos).

Sei que muitos alunos têm pouca familiaridade com o conteúdo da


disciplina Contabilidade Pública. Assim, utilizarei, sempre que possível,
uma linguagem mais informal. Logo, desculpo-me com os que já
conhecem e dominam o assunto com mais vagar.

Qualquer termo ou frase que não tenha ficado claro, por favor, sem
nenhum receio, tire suas dúvidas no fórum.

Enfatizo: Estude concentrado no foco do respectivo concurso. Aproveite


a oportunidade, para estudar com o pensamento “terei de aprender o
conteúdo, pois passarei nesse concurso e aplicarei, na prática, o
conhecimento teórico adquirido, ou seja, executar, trabalhar –
desempenhar a função”.

Vamos adiante e aproveite a oportunidade, para sair na frente dos


concorrentes.

Esse é o concurso de seus sonhos? Imagine você ocupando esse cargo e


percebendo remuneração superior a R$ 10.000,00. Então estude! Só
assim poderá ocupá-lo e desfrutar de seus benefícios.

www.pontodosconcursos.com.br 3
J O E L M A I R I S S O U Z A D A S I L V A , C P F : 0 4 7 5 3 4 1 3 7 6 4

CURSO ON-LINE – CONTABILIDADE PÚBLICA – SUSEP


PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO
Procure estímulo para estudar! Está satisfeito com o cargo ou emprego
atual? Se a resposta for não, “chute o balde”! Só seu esforço tirará você
dessa situação e verá que valeu a pena.

Como é de costume, não medirei esforços para trabalhar com muita


dedicação e boa vontade, objetivando contribuir da melhor forma
possível para que você realize sua merecida conquista e alcance seus
objetivos.

Análise do conteúdo programático:


Antes, porém, um ALERTA! A disciplina Contabilidade Pública sofreu
recentes alterações com a edição dos seguintes instrumentos
normativos: Manual da Receita e da Despesa Pública Nacional e o
Manual de Contabilidade Pública, além de outras normas provenientes
da Secretaria do Tesouro Nacional – STN.

A disciplina Contabilidade Pública é rica em detalhes e peculiaridades,


portanto, ao estudar essa matéria seja bastante atencioso, pois as
bancas de concursos “pegam” nos detalhes (notas de rodapé),
principalmente a ESAF e o CESPE.

Procure nunca se descuidar das normas (Lei nº 4.320/64, Lei de


Responsabilidade Fiscal – LRF, Decreto nº 93.872/86, Portarias nº 42/99
e nº 163/01- MPOG/STN).

Ao estudar essa disciplina é muito importante que o concursando(a)


tenha esses instrumentos normativos nas “mãos”, para consulta
constante.

Por fim, preste bastante atenção às dicas e principalmente ao que vem


sendo “cobrado” em concurso. Vou trabalhar, preferencialmente, com
questões da ESAF, haja vista que essa instituição será responsável pelo
concurso da SUSEP/2010.

Geralmente o candidato que domina ou que possui bons conhecimentos


das disciplinas Administração Financeira e Orçamentária - AFO e
Contabilidade Pública faz a diferença nos concursos da SUSEP, MPOG,
CGU, TCU, STN etc.
Reflexão!
Um momento de reflexão para os desanimados!
Sabe-se que a grande maioria das pessoas desiste dos seus sonhos quando já estão a
um passo da conquista. Desistem muitas vezes por muito pouco, pois é mais fácil
desistir do que prosseguir.
Desistem dos estudos, do objetivo perseguido por muito tempo ou de um grande
sonho, do trabalho, dos projetos, etc. Pense um pouco, neste momento, quantas

www.pontodosconcursos.com.br 4
J O E L M A I R I S S O U Z A D A S I L V A , C P F : 0 4 7 5 3 4 1 3 7 6 4

CURSO ON-LINE – CONTABILIDADE PÚBLICA – SUSEP


PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO
coisas você deixou de fazer, no ano que passou? Tenho certeza de que devem ser
várias. Eu pergunto, por que você não fez? O que lhe impediu para conseguir realizar?
Pense! O sol nasce para todos, porém, a sobra é só para quem procura!

Atenção! Para os tópicos que não encontramos questões da ESAF


inserimos as de outras instituições. O mais importante é contemplarmos
todos os tópicos com questões de concursos atualizados.

Vamos ao nosso estudo!

1. CONTABILIDADE PÚBLICA

1.1. Conceito

A Norma Brasileira de Contabilidade - NBC T 16.1/2008 –


Resolução CFC nº. 1.128/08, conceitua a Contabilidade Aplicada ao
Setor Público como o ramo da ciência contábil que aplica, no processo
gerador de informações, os Princípios Fundamentais e as normas
contábeis direcionados ao controle patrimonial das entidades do setor
público.

Estabelece ainda que a Contabilidade Aplicada ao Setor Público tem


como objetivo fornecer aos usuários informações sobre os resultados
alcançados e os aspectos de natureza orçamentária, econômica,
financeira e física do patrimônio da entidade do setor público, em apoio
ao processo de tomada de decisão, à adequada prestação de contas e
ao necessário suporte para a instrumentalização do controle social.

Conclui-se que a Contabilidade Pública é um ramo da ciência contábil


que estuda, orienta, controla e registra os atos e fatos da
administração pública, demonstrando o seu patrimônio e as suas
variações, bem como acompanha e evidencia a execução do orçamento.

Assim como em outras ciências, a contabilidade possui diversos ramos,


entre eles situa-se o da Contabilidade Pública.

Alguns conceitos previstos em norma legal:


“A contabilidade Pública estuda, registra, controla e demonstra o
orçamento aprovado e acompanha a sua execução” (art. 78, do
Decreto-Lei nº 200/67).

“A contabilidade deverá apurar os custos dos serviços de forma a


evidenciar os resultados da gestão” (art. 79, do Decreto-Lei nº 200/67).

www.pontodosconcursos.com.br 5
J O E L M A I R I S S O U Z A D A S I L V A , C P F : 0 4 7 5 3 4 1 3 7 6 4

CURSO ON-LINE – CONTABILIDADE PÚBLICA – SUSEP


PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO
“Os serviços de contabilidade serão organizados de forma a permitirem
o acompanhamento da execução orçamentária, o conhecimento da
composição patrimonial, a determinação dos custos dos serviços
industriais, o levantamento dos balanços gerais a análise e
interpretação dos resultados econômicos e financeiros” (art. 85, da Lei
nº 4.320/64).

“A contabilidade evidenciará perante a Fazenda Pública a situação de


todos quantos, de qualquer modo, arrecadem receitas, efetuem
despesas, administrem ou guardem bens a ela pertencentes ou
confiados” (art. 83, da Lei nº 4.320/64).

Compilando os conceitos e regras acima pode-se afirmar que a


contabilidade pública registra os atos e fatos contábeis, a exemplo da
previsão da receita e a fixação da despesa estabelecida no orçamento,
escritura a execução orçamentária, faz a comparação entre a previsão e
a realização das receitas e despesas, controla as operações de crédito, a
dívida ativa, os valores, os créditos, as obrigações, etc. e ainda revela
as variações patrimoniais e demonstra a situação do patrimônio público.

Foi cobrado em concurso!


(ESAF – AFC/CGU – 2006) Segundo o que dispõe o art. 85 da Lei n.
4.320/64, os serviços de contabilidade serão organizados de forma a
permitirem, exceto,
a) o conhecimento da composição do patrimônio.
b) acompanhar a execução orçamentária.
c) análise e interpretação dos resultados econômicos.
d) determinar os custos dos serviços industriais.
e) evidenciar a arrecadação tributária líquida.

Resolução
Atenção! O comando da questão pede uma opção que contraria a
determinação do art. 85 da Lei nº. 4.320/64.

O art. 85 da Lei nº. 4.320/64 determina que os serviços de


contabilidade sejam organizados de forma a permitirem o
acompanhamento da execução orçamentária, o conhecimento da
composição patrimonial, a determinação dos custos dos serviços
industriais, o levantamento dos balanços gerais, a análise e a
interpretação dos resultados econômicos e financeiros.
Portanto, a organização dos serviços de contabilidade deve permitir:
O acompanhamento da execução orçamentária;
O conhecimento da composição patrimonial;
A determinação dos custos dos serviços industriais;

www.pontodosconcursos.com.br 6
J O E L M A I R I S S O U Z A D A S I L V A , C P F : 0 4 7 5 3 4 1 3 7 6 4

CURSO ON-LINE – CONTABILIDADE PÚBLICA – SUSEP


PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO
O levantamento dos balanços gerais;
A análise e a interpretação dos resultados econômicos e financeiros.
Portanto, os serviços de contabilidade não são organizados de forma a
evidenciar a arrecadação tributária líquida.
Opção E.

1.2. OBJETIVO DA CONTABILIDADE PÚBLICA

Conforme a NBC T/CFC 16.1/2008, o objetivo da Contabilidade Aplicada


ao Setor Público é fornecer aos usuários informações sobre os
resultados alcançados e os aspectos de natureza orçamentária,
econômica, financeira e física do patrimônio da entidade do setor público
e suas mutações, em apoio ao processo de tomada de decisão; a
adequada prestação de contas; e o necessário suporte para a
instrumentalização do controle social.

1.3. FUNÇÃO SOCIAL DA CONTABILIDADE PÚBLICA

Segundo a NBC T/CFC 16.1/2008, a função social da Contabilidade


Aplicada ao Setor Público deve refletir, sistematicamente, o ciclo da
administração pública para evidenciar informações necessárias à tomada
de decisões, à prestação de contas e à instrumentalização do controle
social.

1.4. CAMPO DE APLICAÇÃO

Segundo a NBC T/CFC 16.1/2008, o campo de aplicação da


Contabilidade Aplicada ao Setor Público abrange todas as entidades do
setor público.
As entidades abrangidas pelo campo de aplicação devem observar as
normas e as técnicas próprias da Contabilidade Aplicada ao Setor
Público, considerando-se o seguinte escopo:
1. Integralmente, as entidades governamentais, os serviços
sociais e os conselhos profissionais;
2. Parcialmente, as demais entidades do setor público, para garantir
procedimentos suficientes de prestação de contas e
instrumentalização do controle social.

Síntese:
É o ramo da ciência contábil que aplica, no
processo gerador de informações, os Princípios
Conceito de Contabilidade
Fundamentais e as normas contábeis direcionados
Pública
ao controle patrimonial das entidades do setor
público.

www.pontodosconcursos.com.br 7
J O E L M A I R I S S O U Z A D A S I L V A , C P F : 0 4 7 5 3 4 1 3 7 6 4

CURSO ON-LINE – CONTABILIDADE PÚBLICA – SUSEP


PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO
Objeto da Contabilidade
Apenas o Patrimônio Público.
Pública
Fornecer aos usuários informações sobre os
resultados alcançados e os aspectos de natureza
orçamentária, econômica, financeira e física do
Objetivo da Contabilidade
patrimônio;
Pública
Adequada prestação de contas;
Necessário suporte para a instrumentalização do
controle social.
Refletir, sistematicamente, o ciclo da
Função social da administração pública para evidenciar informações
Contabilidade Pública necessárias à tomada de decisões, à prestação de
contas e à instrumentalização do controle social.

76 64
1. Integralmente, as entidades

4
13 37
governamentais, os serviços sociais e os

34 41
conselhos profissionais;

75 53
Campo de aplicação 2. Parcialmente, as demais entidades do setor

04 47
público, para garantir procedimentos suficientes de
prestação de contas e instrumentalização do

F: :0
CP PF controle social
Estudo, registro, controle do orçamento aprovado
C

Informações evidenciadas
e de sua execução.
A, ,
LV VA

Obrigatoriedade na Apurar os resultados da gestão e os custos dos


SI IL

Contabilidade Pública serviços para evidenciar o resultado da gestão.


Para permitir:
S

Acompanhamento da execução orçamentária;


DA A
A D

Conhecimento da composição patrimonial;


UZ ZA

Determinação dos custos;


SO OU

Organização da Levantamento dos balanços gerais (orçamentário,


Contabilidade Pública financeiro, patrimonial, demonstração das
S

variações patrimoniais, balanço consolidado da


IS S
IR RI

união, demonstração do fluxo de caixa,


I

demonstração do resultado econômico e notas


MA A

explicativas).
EL LM

De todos os que arrecadem receitas, efetuem


Evidenciação
JO OE

despesas, administre ou guarde bens (próprios ou


(demonstração)
J

de terceiros).
Registro na Contabilidade
Fatos econômicos e atos administrativos.
Pública

Questionamento!
A contabilidade pública é o ramo da ciência contábil que:
a) é aplicada a toda a estrutura da administração pública direta e
indireta, sem exceção.
b) Evidencia e administra toda a estrutura da administração pública.
c) é aplicada apenas à administração direta.
d) é aplicada apenas à administração indireta.

www.pontodosconcursos.com.br 8
J O E L M A I R I S S O U Z A D A S I L V A , C P F : 0 4 7 5 3 4 1 3 7 6 4

CURSO ON-LINE – CONTABILIDADE PÚBLICA – SUSEP


PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO
e) aplica, no processo gerador de informações, os Princípios
Fundamentais e as normas contábeis direcionados ao controle
patrimonial das entidades do setor público.

Essa questão facílima dispensa “esforço de memória”. A intenção é fixar


o aprendizado. A contabilidade pública aplica-se a toda a administração
direta e indireta (Autarquias, Fundações Públicas e Empresa Estatal
Dependente). Algumas entidades da administração indireta (Empresas
Públicas e Sociedades de Economia Mista que exercem atividade
econômica), só utilizam as regras da contabilidade pública quando
recebem recursos dos orçamentos fiscal e da seguridade social para
custeio de pessoal e custeio em geral.
Exemplo de empresa pública e sociedade de economia mista que não
utiliza a contabilidade pública: ECT e BB.
Exemplo de empresa pública que aplica integralmente a contabilidade
pública: EMBRAPA.
Opção “e”.

A Contabilidade Pública registra atos?


Sim, o registro de atos administrativos é uma das peculiaridades dessa
matéria. Exemplo: o ajuste de um convênio ou um contrato (ato
administrativo), deve ser controlado através de registros contábeis. Esse
controle é realizado no sistema de compensação, através das contas de
compensação (art. 105, § 5º, da Lei nº 4.320/64).

Existem diferenças entre a Contabilidade Pública e a Contabilidade


Empresarial?
Sim, ao longo deste curso iremos apontar as principais diferenças.
Vimos acima que a contabilidade pública registra atos através das
contas de compensação e ainda acompanha e controla a execução do
orçamento. Essas diferenças em relação à contabilidade geral são
relevantes, haja vista que esta (contabilidade geral), não registra o
controle do orçamento e nem contabiliza atos administrativos.

Mais uma diferença! Na Contabilidade Pública o registro nas contas de


compensação é obrigatório (art. 105, § 5º, da Lei nº 4.320/64). Na
contabilidade empresarial esse registro é facultativo.

Natureza do registro dos atos e fatos na Contabilidade Pública:


A Contabilidade Pública registra os atos e fatos de natureza
orçamentária, financeira, patrimonial, industrial, de compensação, bem
como os custos dos serviços da administração pública (arts, 89 e 105, §
5º, da Lei nº 4.320/64).

www.pontodosconcursos.com.br 9
J O E L M A I R I S S O U Z A D A S I L V A , C P F : 0 4 7 5 3 4 1 3 7 6 4

CURSO ON-LINE – CONTABILIDADE PÚBLICA – SUSEP


PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO
Portanto, a Contabilidade Pública deverá evidenciar, perante a fazenda
pública, a situação de todo gestor público que arrecada receita, efetue
despesa, administra ou guarda bens a ela pertencentes ou confiados
(art. 83 da Lei 4.320/64).

Foi cobrado em concurso!


(ESAF – CONTADOR – PREFEITURA/RECIFE - 2003) A Contabilidade
Pública:
I. deve evidenciar, em seus registros, o montante dos créditos
orçamentários vigentes, a despesa empenhada e a despesa realizada, à
conta dos mesmos créditos, e as dotações disponíveis.
II. é disciplina que aplica na administração pública as técnicas de
registros e apurações contábeis em harmonia com as normas gerais do
direito financeiro.
III. é um conjunto de agentes econômicos que estabelece metas
específicas para um determinado período, comanda recursos e traça
planos e decisões com relação às ações econômicas.
IV. aplica normas de escrituração contábil, registra a previsão da
receita, a fixação das despesas e as alterações introduzidas no
orçamento.
Está correto apenas o contido em:
a) II
b) II e III
c) I e IV
d) I, II e IV
e) I, II e III

Resolução
I O art. 90 da Lei 4.320/64 estabelece que a contabilidade deverá
evidenciar, em seus registros, o montante dos créditos orçamentários
vigentes, a despesa empenhada e a despesa realizada, à conta dos
mesmos créditos, e as dotações disponíveis. Certo.
II A contabilidade Pública é disciplina que aplica na administração
pública as técnicas de registros e apurações contábeis em harmonia com
as normas gerais do direito financeiro (Lei nº. 4.320/64). Certo.
III Um conjunto de agentes econômicos que estabelece metas
específicas para um determinado período, comanda recursos e traça
planos e decisões com relação às ações econômicas é o conceito de
administração pública. Errado.
IV A Contabilidade Pública aplica normas de escrituração contábil,
registra a previsão da receita, a fixação das despesas e as alterações
introduzidas no orçamento. Portanto, pode-se observar pelo conceito
que é função da Contabilidade Pública o controle do orçamento. Certo.
Opção D.

www.pontodosconcursos.com.br 10
J O E L M A I R I S S O U Z A D A S I L V A , C P F : 0 4 7 5 3 4 1 3 7 6 4

CURSO ON-LINE – CONTABILIDADE PÚBLICA – SUSEP


PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO

Foi cobrado em concurso!


(CESPE – MJ/Perito Criminal Federal/2004) Cabe à contabilidade
evidenciar, perante a fazenda pública, a situação de todos quantos, de
qualquer modo, arrecadem receitas, efetuem despesas, administrem ou
guardem bens a ela pertencentes ou confiados.

Resolução
Nessa disciplina devemos sempre ficar atento aos conceitos legais. Às
vezes os questionamentos são “cobrados” literalmente como está na
norma.
Essa questão foi praticamente “Ctrl C e Ctrl V” do art. 83 da Lei nº
4.320/64. Pior é que muita gente erra! Faz parte!
Veja o teor desse artigo:
“Art. 83. A contabilidade evidenciará perante a Fazenda Pública a situação de
todos quantos, de qualquer modo, arrecadem receitas, efetuem despesas,
administrem ou guardem bens a ela pertencentes ou confiados”.
Algumas diferenças entre a contabilidade pública e a contabilidade
empresarial ou geral:
A contabilidade pública possui normas e conceitos próprios que a regem,
portanto, apresenta algumas peculiaridades que a diferencia dos outros
ramos dessa ciência.
Eis as principais diferenças:
CONTABILIDADE PÚBLICA CONTABILIDADE EMPRESARIAL (GERAL)
Possui caráter conservador – Possui maior liberdade – além das normas que a
registro dos atos e fatos regem, baseia-se em consenso da classe contábil.
baseados em normas legais.
Atualmente, regime contábil da Regime contábil de competência para as receitas
competência para as receitas e e despesas.
despesas) – porém, admite
exceções.
Não apura lucro, mas déficit ou Objetiva apurar lucro – exceção para as entidades
superávit. sem fins lucrativos.
Demonstra no resultado geral do Em princípio, na Demonstração do Resultado do
exercício, na Demonstração das Exercício – DRE, o resultado é apurado através da
Variações Patrimoniais – DVP e comparação entre receitas e despesas, não
Demonstração do Resultado envolvendo contas patrimoniais.
Econômico, toda e qualquer
alteração no patrimônio,
inclusive fatos meramente
permutativos.
Acompanha e registra a Não registra e execução dos orçamentos, pois são
execução orçamentária (art. 85, atos administrativos.
da Lei nº 4.320/64).
Os bens móveis de almoxarifado Os bens móveis de almoxarifado podem ser
são avaliados pelo preço médio avaliados pelo PEPS, UEPS, Preço Médio

www.pontodosconcursos.com.br 11
J O E L M A I R I S S O U Z A D A S I L V A , C P F : 0 4 7 5 3 4 1 3 7 6 4

CURSO ON-LINE – CONTABILIDADE PÚBLICA – SUSEP


PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO
ponderado das compras e são Ponderado Móvel ou Fixo e são classificados no
classificados no ativo ativo circulante do balanço patrimonial.
permanente ou não financeiro
(art. 106, inciso III, da Lei nº
4.320/64).
A reavaliação passou a ser A reavaliação é facultativa – geralmente é
obrigatória a partir de 2010. realizada, em especial pelas S/A.
As reavaliações devem ser feitas
utilizando-se o valor justo ou o
valor de mercado na data de
encerramento do Balanço
Patrimonial, pelo menos:
1. Anualmente, para as contas

76 64
ou grupo de contas cujos valores

4
13 37
de mercado variarem

34 41
significativamente em relação

75 53
aos valores anteriormente
registrados; ou

04 47
2. A cada quatro anos, para as

F: :0
demais contas ou grupos de CP PF
contas.
C

Na impossibilidade de se
A, ,

estabelecer o valor de mercado,


LV VA

o valor do ativo pode ser


SI IL

definido com base em


S

parâmetros de referência que


DA A
A D

considerem características,
circunstâncias e localizações
UZ ZA

assemelhadas.
SO OU

Em caso de bens imóveis


S

específicos, o valor justo pode


IS S
IR RI

ser estimado utilizando-se o


valor de reposição do ativo
I

devidamente depreciado.
MA A
EL LM

O valor de reposição de um ativo


JO OE

depreciado pode ser estabelecido


J

por referência ao preço de


compra ou construção de um
ativo semelhante com similar
potencial de serviço.
A depreciação é obrigatória a A depreciação é facultativa – geralmente as
partir de 2010. empresas realizam, pois é vantajoso em função
A entidade pública necessita dos tributos.
apropriar ao resultado de um
período, o desgaste do seu ativo
imobilizado ou intangível, por
meio do registro da variação
patrimonial diminutiva de

www.pontodosconcursos.com.br 12
J O E L M A I R I S S O U Z A D A S I L V A , C P F : 0 4 7 5 3 4 1 3 7 6 4

CURSO ON-LINE – CONTABILIDADE PÚBLICA – SUSEP


PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO
depreciação, amortização ou
exaustão, obedecendo ao
princípio da competência
Na União possui sistema único, Os sistemas de controle e registros contábeis não
integrado, informatizado e são padronizados, geralmente são adquiridos no
padronizado para fins de registro mercado ou elaborados pela própria empresa.
dos atos e fatos contábeis –
SAIFI.
As receitas e as despesas, para As receitas e as despesas devem ser incluídas na
serem consideradas arrecadadas apuração do resultado do período em que
e executadas, respectivamente, ocorrerem, sempre simultaneamente quando se
passam por diversas fases ou correlacionarem, independentemente de
estágios. Receitas recebimento ou pagamento (art. 9º da Res. Nº

76 64
(Planejamento – previsão de 750, do Conselho Federal de Contabilidade –

4
13 37
arrecadação, Execução: CFC).

34 41
lançamento, arrecadação e

75 53
recolhimento, Controle e

04 47
Avaliação - fiscalização)
despesas (Planejamento -

F: :0
fixação da despesa, Execução - CP PF
empenho, liquidação e
C

pagamento, Controle e Avaliação


A, ,
LV VA

- fiscalização).
Exercício financeiro – coincide O exercício social terá duração de 1 (um) ano e a
SI IL

com o ano civil e vai de 1º de data do término será fixada no estatuto (art. 175
S

janeiro a 31 de dezembro (art. da Lei nº 6.404/76).


DA A
A D

34 da Lei nº 4.320/64). Na constituição da companhia e nos casos de


UZ ZA

alteração estatutária o exercício social poderá ter


duração diversa (Parágrafo único do art. 175 da
SO OU

Lei nº 6.404/76).
S

Possui CINCO sistemas contábeis As contas são registradas em um só sistema,


IS S
IR RI

independentes (orçamentário, envolvendo contas patrimoniais e de resultado. As


I

financeiro, patrimonial de contas patrimoniais não se misturam com as de


MA A

compensação e Custos), os resultado na apuração e demonstração do


EL LM

débitos e créditos são resultado do exercício - DRE. Nos lançamentos


JO OE

escriturados dentro de cada contábeis existem registros simultâneos de contas


J

sistema. Exemplo, quando de resultado e patrimonial.


houver débito em uma conta do
sistema patrimonial, haverá um
ou mais créditos
correspondentes dentro do
mesmo sistema.
Registra a formalização de Em princípio não registra contratos, garantias,
convênios, contratos, avais, avais, etc. apenas evidencia em notas
garantias, etc. no sistema de explicativas.
compensação. São as contas de
controle (art. 87 da Lei nº
4.320/64).

www.pontodosconcursos.com.br 13
J O E L M A I R I S S O U Z A D A S I L V A , C P F : 0 4 7 5 3 4 1 3 7 6 4

CURSO ON-LINE – CONTABILIDADE PÚBLICA – SUSEP


PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO
Classifica-se como material Classifica como material permanente os bens
permanente somente aquele destinados à manutenção das atividades da
com vida útil estimada superior a empresa, ou exercidos com essa finalidade.
dois anos (art. 15, § 2º, da Lei
nº 4.320/64).
Seu objeto é o patrimônio e o O objeto é apenas o patrimônio das entidades
orçamento, exceto os bens de (pessoas físicas e jurídicas).
uso comum (praças, estradas,
rios, mares etc.).

Basicamente essas são diferenças mais relevantes entre a Contabilidade


Pública e a Contabilidade Empresarial. Ao longo desse estudo
chamaremos a atenção para outras diferenças.

Foi cobrado em concurso!


(NCE – UFRJ – Contador – Ministério das Cidades – 2005) A Lei
4.320/64, ao estatuir Normas Gerais de Direito Financeiro, VEDOU à
União, Estados, Municípios e Distrito Federal:
(A) realizar reavaliações de seus bens móveis e imóveis;
(B) classificar como material permanente aquele que tenha vida útil
estimada inferior a dois anos;
(C) a realização de conversão dos débitos e créditos, bem como os
títulos de renda pelo seu valor nominal, devendo ser feita a conversão,
quando em moeda estrangeira, à taxa de câmbio vigente na data do
balanço;
(D) a avaliação dos bens móveis e imóveis pelo valor de aquisição ou
pelo custo de produção ou de construção;
(E) a avaliação dos bens do almoxarifado, pelo preço médio ponderado
das compras.

Resolução
(A). Incorreta. A Lei 4.320/64 não veda a administração pública a
realizar reavaliação de seus bens móveis e imóveis. A reavaliação é
facultativa (art. 106, § 3º, da Lei nº 4.320/64).
(B). Correta. Como a contabilidade pública possui caráter conservador –
registro dos atos e fatos baseados em normas legais, a Lei 4.320/64
realmente veda a classificação como material permanente, aquele que
tenha durabilidade inferior a dois anos (art. 15, § 2º da Lei nº
4.320/64).
(C). Incorreta. A Lei 4.320/64 determina que a realização da conversão
dos débitos e créditos, bem como os títulos de renda, deverá ser
realizada pelo seu valor nominal, e feita a conversão, quando em moeda
estrangeira, à taxa de câmbio vigente na data do balanço (art. 106,
inciso I, da Lei nº 4.320/64). Portanto, não há vedação, e sim,
determinação.

www.pontodosconcursos.com.br 14
J O E L M A I R I S S O U Z A D A S I L V A , C P F : 0 4 7 5 3 4 1 3 7 6 4

CURSO ON-LINE – CONTABILIDADE PÚBLICA – SUSEP


PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO
(D). Incorreta. Também não há vedação, mas sim, determinação (art.
106, inciso II, da Lei nº 4.320/64).
(E). Incorreta. Idem ao comentário da letra D (art. 106, inciso III, da Lei
nº 4.320/64).

Mais uma questão de concurso!


(FCC – Técnico de Orçamento/MPU – 2007) Para efeito de classificação
da despesa, considera-se material permanente o de duração superior a
(A) dois meses.
(B) três meses.
(C) seis meses.
(D) um ano.
(E) dois anos.

Resolução
Conforme demonstrado no quadro acima, na contabilidade pública
classifica-se como material permanente somente aquele com vida útil
estimada superior a dois anos.
Observe a regra da Lei nº 4.320/64:
“Para efeito de classificação da despesa, considera-se material
permanente o de duração superior a dois anos” (art. 15, § 2º.).

2. OBJETO DA CONTABILIDADE PÚBLICA

O objeto da contabilidade, em seu sentido amplo, é o patrimônio.


O patrimônio público pode ser definido como sendo o conjunto de
bens e direitos, tangíveis ou intangíveis, onerados ou não, adquiridos,
formados ou mantidos com recursos públicos, integrantes do patrimônio
de qualquer entidade pública ou de uso comum, que seja portador ou
represente um fluxo de benefícios futuros inerentes à prestação de
serviços públicos

Entretanto, pelas suas especificidades, a contabilidade pública não está


interessada somente no patrimônio e suas variações, mas, também, no
orçamento e sua execução (previsão e arrecadação da receita e a
fixação e a execução da despesa).

A contabilidade pública, além de registrar todos os fatos contábeis


(modificativos, permutativos e mistos), registra também os atos
potenciais praticados pelo gestor, que poderão alterar qualitativa e
quantitativamente o patrimônio.

O que são atos potenciais? São os contratos, convênios, previsão de


receita, fixação da despesa, etc. São atos administrativos que no

www.pontodosconcursos.com.br 15
J O E L M A I R I S S O U Z A D A S I L V A , C P F : 0 4 7 5 3 4 1 3 7 6 4

CURSO ON-LINE – CONTABILIDADE PÚBLICA – SUSEP


PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO
momento de seu registro não alteram o patrimônio, entretanto,
futuramente poderão vir a afetá-lo.

Dizer que o objeto da contabilidade pública é todo e qualquer patrimônio


público não é totalmente verdadeira essa afirmação.

Por quê? Como para quase toda regra existe exceção, aqui não poderia
ser diferente.

Exceção existe quanto aos bens de uso comum do povo, haja vista
que conforme a NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE APLICADA AO
SETOR PÚBLICO - NBC T 16, os bens de uso comum que absorveram ou
absorvem recursos públicos, ou aqueles eventualmente recebidos em
doação, devem ser incluídos no ativo não circulante da entidade
responsável pela sua administração ou controle, estejam, ou não, afetos
a sua atividade operacional.

Estabelece ainda que a valorização dos bens de uso comum deve ser
efetuada, sempre que possível, ao valor de aquisição, de produção ou
de construção.

Portanto, quanto aos bens de uso comum só haverá registro daqueles


que absorveram ou absorvem recursos públicos, ou aqueles
eventualmente recebidos em doação.

Contrário “sensu”, os bens de uso comum que NÃO absorveram ou


NÃO absorvem recursos públicos, ou aqueles NÃO
eventualmente recebidos em doação não serão objeto de registro
contábil, ou seja, não poderão ser registrados no patrimônio da entidade
pública.
Exemplo: mares, rios, etc.

Bens de uso comum do povo é um conceito do Código Civil - CC


Brasileiro. Para melhor entendimento mencionaremos as regras do CC,
conforme segue:

Os arts. 98 e 99 do novo Código Civil ao estabelecer regras acerca dos


bens públicos prevê que:

Art. 98. “São públicos os bens do domínio nacional pertencentes às


pessoas jurídicas de direito público interno; todos os outros são
particulares, seja qual for a pessoa a que pertença”.
Art. 99. “São bens públicos”:
“I- Os de uso comum do povo, tais como rios, mares, estradas, ruas e praças”;
II- Os de uso especial, tais como edifícios ou terrenos destinados a serviço ou

www.pontodosconcursos.com.br 16
J O E L M A I R I S S O U Z A D A S I L V A , C P F : 0 4 7 5 3 4 1 3 7 6 4

CURSO ON-LINE – CONTABILIDADE PÚBLICA – SUSEP


PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO
estabelecimento da administração federal, estadual, territorial ou municipal, inclusive
os de suas autarquias”.
III- Os dominicais, que constituem o patrimônio das pessoas jurídicas de direito
público, como objeto de direito pessoal, ou real, de cada uma dessas entidades”.

Os bens de uso comum do povo enumerados no inciso I do art. 99 são


apenas exemplificativos.
Esses bens não são objeto da contabilidade pública, ou seja, não são
registrados contabilmente nos entes que possuem o seu domínio.

Exemplificando:
As praias do litoral brasileiro não estão registradas na contabilidade da
União;
Uma ponte construída por um estado não será registrada em sua
contabilidade;
O Cristo Redentor, no Rio de Janeiro, não está registrado na
contabilidade daquele Município.

3. BENS PÚBLICOS (PATRIMÔNIO PÚBLICO)

Como são avaliados os elementos patrimoniais de acordo com a Lei nº.


4.320/64? Geralmente esse tipo de questionamento é exigido em
concurso!
A avaliação dos elementos patrimoniais obedecerá as seguintes normas:
◊ Os débitos e créditos, bem como os títulos de renda, pelo seu valor
nominal, feita a conversão, quando em moeda estrangeira, à taxa de câmbio
vigente na data do balanço;
◊ Os bens móveis e imóveis, pelo valor de aquisição ou pelo custo de
produção ou de construção;
◊ Os bens de almoxarifado, pelo preço médio ponderado das compras.
◊ Os valores em espécie, assim como os débitos e créditos, quando em
moeda estrangeira, deverão figurar ao lado das correspondentes importâncias
em moeda nacional. Esse comando informa que quando houver valores em
moeda estrangeira, geralmente dívidas, deverão figurar, logo abaixo desse
valor, o correspondente em moeda nacional.

3.1. AVALIAÇÃO E MENSURAÇÃO

Conforme a NBC T 16/2008, a avaliação e a mensuração dos


elementos patrimoniais nas entidades do setor público obedecem aos
seguintes critérios:

DISPONIBILIDADES
1. As disponibilidades em moeda estrangeira são expressas no Balanço
Patrimonial ao câmbio vigente na data de sua elaboração.

www.pontodosconcursos.com.br 17
J O E L M A I R I S S O U Z A D A S I L V A , C P F : 0 4 7 5 3 4 1 3 7 6 4

CURSO ON-LINE – CONTABILIDADE PÚBLICA – SUSEP


PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO
2. As aplicações financeiras de liquidez imediata são mensuradas ou avaliadas
pelo valor original, atualizadas até a data do Balanço Patrimonial.

3. As atualizações apuradas são contabilizadas em contas de variação.

CRÉDITOS E DÍVIDAS
1. Os direitos, os títulos de créditos e as obrigações são mensurados ou
avaliados pelo valor original, feita a conversão, quando em moeda
estrangeira, à taxa de câmbio vigente na data do Balanço Patrimonial.

2. Os riscos de recebimento de dívidas são reconhecidos em conta de ajuste, a


qual será reduzida ou anulada quando deixarem de existir os motivos que a
originaram.

3. Os direitos, os títulos de crédito e as obrigações prefixados são ajustados a


valor presente.

4. As provisões são constituídas com base em estimativas pelos prováveis


valores de realização para os ativos e de reconhecimento para os passivos.

5. As atualizações e os ajustes apurados são contabilizados em contas de


variação.

ESTOQUES
1. Os estoques são mensurados ou avaliados com base no valor de aquisição
ou no valor de produção ou de construção.

2. Os gastos de distribuição, de administração geral e financeiros são


considerados como despesas do período em que ocorrerem.

3. Se o valor de aquisição, de produção ou de construção dos estoques for


superior ao valor de mercado, deve ser ajustado ao valor de mercado.
4. O método para mensuração e avaliação das saídas dos estoques é o custo
médio ponderado.

5. Quando houver deterioração física parcial, obsolescência, bem como outros


fatores análogos, deve ser utilizado o valor de mercado.

6. Os resíduos e os refugos devem ser valorizados, na falta de critério mais


adequado, pelo valor realizável líquido.

7. Relativamente às situações previstas dos itens 15 a 18 desta Norma, as


diferenças de valor de estoques devem ser refletidas em contas de variação.

8. Os estoques de animais e de produtos agrícolas e extrativos são


mensurados ou avaliados pelo valor de mercado, quando atendidas às
seguintes condições:
a) que a atividade seja primária;

www.pontodosconcursos.com.br 18
J O E L M A I R I S S O U Z A D A S I L V A , C P F : 0 4 7 5 3 4 1 3 7 6 4

CURSO ON-LINE – CONTABILIDADE PÚBLICA – SUSEP


PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO
b) que o custo de produção seja de difícil determinação ou que acarrete
gastos excessivos.

INVESTIMENTOS PERMANENTES
1. As participações em empresas e em consórcios públicos sobre cuja
administração se tenha influência significativa devem ser mensuradas ou
avaliadas pelo método da equivalência patrimonial.

2. As demais participações podem ser mensuradas ou avaliadas de acordo


com o custo de aquisição.

3. Os ajustes apurados são contabilizados em contas de variação.

IMOBILIZADO
1. O ativo imobilizado, incluindo os gastos adicionais ou complementares, é
mensurado ou avaliado com base no valor de aquisição, produção ou
construção.

2. Quando os respectivos elementos tiverem vida útil econômica limitada,


ficam sujeitos a depreciação, amortização ou exaustão sistemática durante
esse período, sem prejuízo das exceções expressamente consignadas.

3. Em regra, o reconhecimento inicial do ativo imobilizado deve ser


contabilizado com base em seu valor de aquisição ou construção, deduzido da
depreciação, da amortização ou da exaustão acumulada e do montante
acumulado de quaisquer perdas do valor que hajam sofrido ao longo de sua
vida útil por redução ao valor recuperável (impairment).

4. Quando se tratar de ativos do imobilizado obtidos a título gratuito deve ser


considerado o valor resultante da avaliação obtida com base em procedimento
técnico ou valor patrimonial definido nos termos legais.

5. Devem ser evidenciados em notas explicativas o critério de mensuração ou


avaliação dos ativos do imobilizado obtidos a título gratuito, bem como a
eventual impossibilidade de sua valoração, devidamente justificada.

6. Os gastos posteriores à aquisição ou ao registro de elemento do ativo


imobilizado devem ser incorporados ao valor desse ativo quando houver
possibilidade de geração de benefícios econômicos futuros ou potenciais de
serviços, adicionados aos originalmente avaliados. Qualquer outro gasto deve
ser reconhecido como despesa do período em que seja incorrido.

7. No caso de transferências de ativos, o valor a atribuir deve ser o valor


contábil líquido constante nos registros da entidade de origem, salvo se existir
valor diferente fixado no instrumento que autorizou a transferência.

8. Os bens de uso comum que absorveram ou absorvem recursos públicos, ou

www.pontodosconcursos.com.br 19
J O E L M A I R I S S O U Z A D A S I L V A , C P F : 0 4 7 5 3 4 1 3 7 6 4

CURSO ON-LINE – CONTABILIDADE PÚBLICA – SUSEP


PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO
aqueles eventualmente recebidos em doação, devem ser incluídos no ativo
não circulante da entidade responsável pela sua administração ou controle,
estejam, ou não, afetos a sua atividade operacional.

9. A valorização dos bens de uso comum deve ser efetuada, sempre que
possível, ao valor de aquisição, de produção ou de construção.

INTANGÍVEL
1. Os direitos que tenham por objeto bens incorpóreos destinados à
manutenção da atividade pública ou exercidos com essa finalidade são
mensurados ou avaliados com base no valor de aquisição ou de produção,
deduzido do saldo da respectiva conta de amortização acumulada e do
montante acumulado de quaisquer perdas do valor que hajam sofrido ao longo
de sua vida útil por redução ao valor recuperável (impairment).

2. Devem ser evidenciados em notas explicativas o critério de mensuração ou


avaliação dos ativos intangíveis obtidos a título gratuito, bem como a eventual
impossibilidade de sua valoração, devidamente justificada.

3. Os gastos posteriores à aquisição ou ao registro de elemento do ativo


intangível devem ser incorporados ao valor desse ativo quando houver
possibilidade de geração de benefícios econômicos futuros ou potenciais de
serviços, adicionados ao originalmente avaliados. Qualquer outro gasto deve
ser reconhecido como variação patrimonial diminutiva do período em que seja
incorrido.

DIFERIDO
1. As despesas pré-operacionais e os gastos de reestruturação que
contribuirão, efetivamente, para a prestação de serviços públicos de mais de
um exercício e que não configurem tão-somente uma redução de custos ou
acréscimo na eficiência operacional, classificados como ativo diferido, são
mensurados ou avaliados pelo custo incorrido, deduzido do saldo da
respectiva conta de amortização acumulada e do montante acumulado de
quaisquer perdas do valor que hajam sofrido ao longo de sua vida útil por
redução ao valor recuperável (impairment).

3.2. REAVALIAÇÃO E REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL


A reavaliação passou a ser obrigatória a partir de 2010, conforme as
regras da STN.
Observe:
1. As reavaliações devem ser feitas utilizando-se o valor justo ou o valor de
mercado na data de encerramento do Balanço Patrimonial, pelo menos:
a) anualmente, para as contas ou grupo de contas cujos valores de mercado
variarem significativamente em relação aos valores anteriormente
registrados;
b) a cada quatro anos, para as demais contas ou grupos de contas.

www.pontodosconcursos.com.br 20
J O E L M A I R I S S O U Z A D A S I L V A , C P F : 0 4 7 5 3 4 1 3 7 6 4

CURSO ON-LINE – CONTABILIDADE PÚBLICA – SUSEP


PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO
2. Na impossibilidade de se estabelecer o valor de mercado, o valor do ativo
pode ser definido com base em parâmetros de referência que considerem
características, circunstâncias e localizações assemelhadas.

3. Em caso de bens imóveis específicos, o valor justo pode ser estimado


utilizando-se o valor de reposição do ativo devidamente depreciado.

4. O valor de reposição de um ativo depreciado pode ser estabelecido por


referência ao preço de compra ou construção de um ativo semelhante com
similar potencial de serviço.

5. Os acréscimos ou os decréscimos do valor do ativo em decorrência,


respectivamente, de reavaliação ou redução ao valor recuperável
(impairment) devem ser registrados em contas de resultado.

Importante! Valor nominal é aquele escrito no próprio documento, por


extenso ou em valor numérico. Na data do encerramento do balanço,
em 31/12, os valores em moeda estrangeira serão convertidos para
moeda nacional à taxa de câmbio vigente na data do balanço.

Os bens móveis e imóveis serão mensurados pelo valor histórico, ou


seja, pelo valor de aquisição ou de construção. Exemplo: um bem
construído pela própria administração pública (um posto de saúde), será
registrado contabilmente pelo seu custo de produção.

Os bens de almoxarifado serão mensurados pelo preço médio


ponderado das compras. Significa que a cada compra realizada por
preço diferente extrai-se nova média do valor dos bens em estoque.

Foi cobrado em concurso!


(CESPE – Auditor do Estado- AGE/ES - 2004) A tabela abaixo mostra a
composição, em 31/12/2003, relativa à compra, em datas distintas, de
determinado item de estoque, em uma entidade pública.

Se não houve nenhuma saída desse material de estoque do


almoxarifado, então, na avaliação para inventário, o valor unitário desse
item estocado é igual a R$ 38,00.

Resolução

www.pontodosconcursos.com.br 21
J O E L M A I R I S S O U Z A D A S I L V A , C P F : 0 4 7 5 3 4 1 3 7 6 4

CURSO ON-LINE – CONTABILIDADE PÚBLICA – SUSEP


PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO
Na contabilidade pública os bens de almoxarifado são avaliados pelo
preço médio ponderado das compras.
Portanto, para resolver essa questão basta somar os valores das
compras e dividi-los pelo valor da soma das quantidades e assim obter o
preço médio ponderado das compras.
Cálculo:
Valor total das compras R$ 2.280
Quantidade comprada 60
Valor unitário (2.280/60 = 38,00) R$ 38,00

Essa questão está de acordo com o que determina o art. 106, inciso III
da Lei 4320/64, abaixo transcrito:
Art. 106. A avaliação dos elementos patrimoniais obedecerá as normas
seguintes:
I - os débitos e créditos, bem como os títulos de renda, pelo seu valor
nominal, feita a conversão, quando em moeda estrangeira, à taxa de câmbio
vigente na data do balanço;
II - os bens móveis e imóveis, pelo valor de aquisição ou pelo custo de
produção ou de construção;
III - os bens de almoxarifado, pelo preço médio ponderado das compras.
Item CERTO.

4. REGIME CONTÁBIL APLICADO À CONTABILIDADE PÚBLICA

Atenção! Conteúdo com nova interpretação aprovada pela


Secretaria do Tesouro Nacional – STN.
Consagração do regime de competência aplicado à Contabilidade
Pública
O art. 7º, da Portaria Conjunta nº. 2, STN/SOF/2009 estabelece que as
variações patrimoniais serão reconhecidas pelo regime de
competência patrimonial, visando garantir o reconhecimento de
todos os ativos e passivos das entidades que integram o setor público,
conduzir a contabilidade do setor público brasileiro aos padrões
internacionais bem como ampliar a transparência sobre as contas
públicas.

Princípio da competência para a receita pública

Conforme as regras contidas na Resolução CFC nº. 1.111/07, sob a


perspectiva do setor público, o Princípio da Competência é aquele
que reconhece as transações e os eventos na ocorrência dos respectivos
fatos geradores, independentemente do seu pagamento ou recebimento.
Assim sendo, os atos e os fatos que afetam o patrimônio público devem
ser contabilizados por competência, e os seus efeitos devem ser
evidenciados nas Demonstrações Contábeis do exercício financeiro com

www.pontodosconcursos.com.br 22
J O E L M A I R I S S O U Z A D A S I L V A , C P F : 0 4 7 5 3 4 1 3 7 6 4

CURSO ON-LINE – CONTABILIDADE PÚBLICA – SUSEP


PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO
o qual se relacionam, complementarmente ao registro orçamentário das
receitas e das despesas públicas.

Relacionamento do regime orçamentário com o regime de


competência
É comum encontrar na doutrina contábil a interpretação do artigo 35 da
Lei nº 4.320/1964, na qual entende que na área pública o regime
contábil é um regime misto, ou seja, regime de competência para a
despesa e de caixa para a receita:

Vejamos o que estabelece a referida norma:


Art. 35. Pertencem ao exercício financeiro:
I – as receitas nele arrecadadas;
II – as despesas nele legalmente empenhadas.

Porém, a STN e o CFC entendem que a Contabilidade Aplicada ao Setor


Público, assim como qualquer outro ramo da ciência contábil, obedece
aos princípios fundamentais de contabilidade. Portanto, aplica-se o
princípio da competência em sua integralidade, ou seja, tanto para
a receita quanto para a despesa.

Para os referidos órgãos, em realidade, o artigo 35 refere-se ao regime


orçamentário e não ao regime contábil, pois a contabilidade é
tratada em título específico, no qual determina-se que as variações
patrimoniais devem ser evidenciadas, sejam elas independentes ou
resultantes da execução orçamentária.

Observe o que prevê a Lei nº. 4.320/64:


Título IX – Da Contabilidade
(...)
Art. 85. Os serviços de contabilidade serão organizados de forma a
permitirem o acompanhamento da execução orçamentária, o
conhecimento da composição patrimonial, a determinação dos custos
dos serviços industriais, o levantamento dos balanços gerais, a
análise e a interpretação dos resultados econômicos e financeiros.
(...)
Art. 89. A contabilidade evidenciará os fatos ligados à administração
orçamentária, financeira, patrimonial e industrial.
(...)
Art. 100. As alterações da situação líquida patrimonial, que
abrangem os resultados da execução orçamentária, bem como as
variações independentes dessa execução e as superveniências e
insubsistências ativas e passivas, constituirão elementos da conta
patrimonial.

www.pontodosconcursos.com.br 23
J O E L M A I R I S S O U Z A D A S I L V A , C P F : 0 4 7 5 3 4 1 3 7 6 4

CURSO ON-LINE – CONTABILIDADE PÚBLICA – SUSEP


PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO
(...)
Art. 104. A Demonstração das Variações Patrimoniais evidenciará as
alterações verificadas no patrimônio, resultantes ou independentes
da execução orçamentária, e indicará o resultado patrimonial do
exercício.

Interpretando as regras acima pode-se observa-se que, além do registro


dos fatos ligados à execução orçamentária, exige-se a evidenciação dos
fatos ligados à administração financeira e patrimonial, exigindo que os
fatos modificativos (aumentativos ou diminutivos) sejam levados à
conta de resultado e que as informações contábeis permitam o
conhecimento da composição patrimonial e dos resultados econômicos e
financeiros de determinado exercício.

A contabilidade deve evidenciar, de forma tempestiva e oportuna, os


fatos ligados à administração orçamentária, financeira e patrimonial,
gerando informações que permitam o conhecimento da composição
patrimonial e dos resultados econômicos e financeiros.

Portanto, com o objetivo de evidenciar o impacto no Patrimônio, deve


haver o registro da receita em função do fato gerador, observando-se os
Princípios da Competência e da Oportunidade.

O reconhecimento da receita, sob o enfoque patrimonial, nem sempre é


fácil distinguir, apresenta como principal dificuldade a determinação do
momento de ocorrência do fato gerador.
Para a receita tributária pode-se utilizar como referência para o
reconhecimento da receita o momento do lançamento. É nesse estágio
de execução da receita orçamentária que:
1. Verifica-se a ocorrência do fato gerador da obrigação
correspondente;
2. Determina-se a matéria tributável;
3. Calcula-se o montante do tributo devido;
4. Identifica-se o sujeito passivo responsável pelo tributo.

Sempre que ocorrido o fato gerador, pode-se proceder ao registro


contábil do direito em contrapartida a uma variação ativa, em contas do
sistema patrimonial, o que representa o registro da receita pelo regime
de competência.

Importante! O reconhecimento da receita orçamentária ocorre no


momento da arrecadação, conforme artigo 35 da Lei nº 4.320/64 e
decorre do enfoque orçamentário dessa lei, tendo por objetivo evitar

www.pontodosconcursos.com.br 24
J O E L M A I R I S S O U Z A D A S I L V A , C P F : 0 4 7 5 3 4 1 3 7 6 4

CURSO ON-LINE – CONTABILIDADE PÚBLICA – SUSEP


PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO
que a execução das despesas orçamentárias ultrapasse a arrecadação
efetiva.

Atenção! É importante saber que já era entendimento da doutrina de


que a despesa pública deve ser reconhecida pelo regime de
competência, porém, com algumas exceções, devido às especificidades
dessa disciplina.

Exceções a aplicação do regime de competência


O Parágrafo único do art. 7º ressalta que na aplicação do regime de
competência são mantidos os procedimentos usuais de reconhecimento
e registro da receita e da despesa orçamentárias, de tal forma que a
apropriação patrimonial:
1. Não modifique os procedimentos legais estabelecidos para o
registro das receitas e das despesas orçamentárias;
2. Não implique necessariamente modificação dos critérios
estabelecidos no âmbito de cada ente da Federação para elaboração
das estatísticas fiscais e apuração dos resultados fiscais de que trata
a LRF;
3. Não constitua mecanismo de viabilização de execução de despesa
pública para a qual não tenha havido a devida fixação orçamentária.

Interpretando os conceitos acima pode-se dizer que:


1. Tanto na realização de despesa quanto na arrecadação de
receitas, caso haja norma legal que estabeleça procedimento
divergente, ou seja, registro da receita e da despesa pelo regime de
caixa, deve-se aplicar o que estabelece a norma legal.
Exemplo: o Inciso II, do art. 50 da LRF, estabelece:
“Além de obedecer às demais normas de contabilidade pública, a
escrituração das contas públicas observará as seguintes:”
--------------------------------
“II - a despesa e a assunção de compromisso serão registradas
segundo o regime de competência, apurando-se, em caráter
complementar, o resultado dos fluxos financeiros pelo regime de
caixa;”
2. Cada Ente da Federação pode continuar aplicando os seus
respectivos critérios contábeis para elaboração das estatísticas fiscais
e apuração dos resultados fiscais desde que não inviabilize a
consolidação das contas públicas pela União;
3. Que não haja execução de despesa pública sem a devida
inclusão/previsão orçamentária.
Portanto, em determinadas situações, pode haver registro de receita
pelo regime de caixa, a exemplo da retenção de imposto de renda da
pessoa física quando do recebimento de valores (verbas salariais)

www.pontodosconcursos.com.br 25
J O E L M A I R I S S O U Z A D A S I L V A , C P F : 0 4 7 5 3 4 1 3 7 6 4

CURSO ON-LINE – CONTABILIDADE PÚBLICA – SUSEP


PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO
atrasados por determinação judicial ou reconhecimento da
administração. Nesse caso, haverá retenção de imposto de renda de
uma só vez, sem considerar o ganho por exercício financeiro.

Foi cobrado em concurso!


Julgue o seguinte item, que versa sobre a contabilidade aplicada ao
setor público.
(CESPE – Analista Administrativo 2009) A contabilidade aplicada ao
setor público, assim como qualquer outro ramo da ciência contábil,
obedece aos princípios fundamentais de contabilidade. Dessa forma,
aplica-se, em sua integralidade, o princípio da competência, tanto para
o reconhecimento da receita quanto para a despesa.

Resolução
Conforme o Manual da Receita Nacional, aprovado pela Portaria
Conjunta STN/SOF nº 3, de 2008, aplicado à União, aos Estados, ao
Distrito Federal e aos Municípios, a partir da execução orçamentária de
2009 deve-se aplicar, na integralidade, o princípio da competência,
tanto para o reconhecimento da receita quanto para a despesa.
É importante observar que mesmo após diversos recursos contestando o
gabarito preliminar dessa questão, o CESPE manteve o entendimento da
STN.
CERTO.

Importante! A doutrina entende que o art. 35 da Lei nº. 4.320/64


estabelece o regime misto aplicado à contabilidade pública. Ou seja,
caixa para as receitas e competência para as despesas, havendo
exceção para ambos.
Observe: Pertencem ao exercício financeiro:
◊ As receitas nele arrecadadas;
◊ As despesas nele legalmente empenhadas.
Portanto, legalmente (Resolução do CFC/STN) o regime contábil aplicado
à Contabilidade Pública é o da competência e para parte da doutrina, o
regime seria o misto (caixa para as receitas e de competência para as
despesas).

Atenção! Em questão de concurso, fique atento! Caso seja solicitado o


entendimento segundo a doutrina, o regime contábil aplicado ao setor
público é o misto e para a STN/CFC, regime de competência.

Previsão do regime contábil misto na LRF:


A LRF estabelece em seu art. 50 que além de obedecer às demais
normas de contabilidade pública, a escrituração das contas públicas
observará as seguintes:(art. 50).

www.pontodosconcursos.com.br 26
J O E L M A I R I S S O U Z A D A S I L V A , C P F : 0 4 7 5 3 4 1 3 7 6 4

CURSO ON-LINE – CONTABILIDADE PÚBLICA – SUSEP


PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO
A despesa e a assunção de compromisso serão registradas segundo o
regime de competência, apurando-se, em caráter complementar, o
resultado dos fluxos financeiros pelo regime de caixa (art. 50, inciso
II, da LRF).
Verifica-se que a adoção do regime contábil misto para registro das
receitas e despesas é previsto em norma legal, ou seja, está consagrado
em norma cogente.

Podemos afirmar que o regime legal de competência, adotado pela


contabilidade pública, segundo a STN/CFC é 100% aplicável?
Não, aí está o “X” da questão! As bancas de concursos “pegam”
exatamente nesse ponto, ou seja, nas exceções.
Quanto à despesa, funciona exatamente como na contabilidade
empresarial, regime de competência, entretanto, mesmo assim, existem
exceções.

Exemplo: a despesa empenhada no exercício de 2003, que não foi paga


naquele ano deverá ser inscrita em restos a pagar em 31/12/03 para
ser paga em 2004. Se até 31/12/04 essa despesa ainda não tiver sido
paga, será cancelada (isso no Sistema Integrado de Administração
Financeira – SIAFI), entretanto, ainda permanece o direito do credor.

A partir de 01/01/2005, se essa despesa for reclamada pelo credor, a


administração pública irá pagá-lo com a rubrica “despesas de exercícios
anteriores”. Esse pagamento será considerado uma despesa normal do
orçamento vigente (2005), afetando esse exercício, porém, foi gerada
em 2003. Essa é uma das exceções ao princípio da competência.

A sistemática funciona assim:


Exercício financeiro Situação gerada
2003: Foi considerada despesa nas
A despesa foi empenhada (primeiro demonstrações contábeis de 2003,
estágio da despesa), liquidada porém, não paga e inscrita em “restos
(segundo estágio da despesa) e não a pagar”.
paga.
2004: Em 31/12/04 foi cancelada no SIAFI.
A rubrica “restos a pagar” permaneceu Essa situação gerou uma receita
todo o exercício financeiro, até orçamentária deste exercício.
30/12/04 sem ser paga.
2005: Foi considerada despesa a custa do
A despesa foi reclamada pelo credor e orçamento de 2005, entretanto, foi
paga na rubrica “despesas de gerada em 2003.
exercícios anteriores”.

Outra exceção seria uma despesa paga antecipadamente.

www.pontodosconcursos.com.br 27
J O E L M A I R I S S O U Z A D A S I L V A , C P F : 0 4 7 5 3 4 1 3 7 6 4

CURSO ON-LINE – CONTABILIDADE PÚBLICA – SUSEP


PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO
Exemplo: uma despesa referente ao exercício de 2006, porém,
empenhada, liquidada (no siafi) e paga em 2005 (antecipadamente).
Ela será incluída como despesa do exercício financeiro de 2005.

A expressão “liquidada”, acima mencionado não significa que o


fornecedor ou prestador de serviço liquidou a despesa, ou seja,
entregou os bens ou prestou o serviço. A liquidação de fato da
despesa ocorreu somente em 2006. Em 2005 ocorreu a liquidação de
direito.

Mas o leitor pode estar questionando! Isso é possível? Pagamento


antecipado de despesas na área pública. Sim, seria o caso de
pagamento antecipado como forma de garantia de um contrato ou
fornecimento de produto exclusivo.
Na situação apresentada, o fornecedor liquidou a despesa (entregou os
bens) somente em 2006, porém, a despesa onerou o exercício de 2005.

Mais uma exceção! Na contabilidade pública admite-se, em algumas


situações, a inscrição de restos a pagar não-processados, ou seja,
despesa sem liquidação.
A despesa será liquidada somente no ano seguinte, portanto, deveria
ser despesa deste exercício, mas foi incluída no rol das despesas do
exercício anterior, em 31/12.

Essa observação é importante para fins de entendimento das


exceções ao regime de competência e outras situações da
despesa!
A Secretaria do Tesouro Nacional – STN, durante o exercício financeiro,
para fins de diversos cálculos, entre eles, os dos resultados nominal e
primário, considera a despesa pela sua liquidação (segundo estágio de
execução da despesa). Entretanto, no final do exercício financeiro, na
elaboração das demonstrações contábeis, a despesa é considerada pelo
seu empenho (primeiro estágio de execução da despesa).

Assim sendo, para fins de encerramento do exercício financeiro e


elaboração dos balanços públicos, a despesa é considerada pelo
empenho (primeiro estágio de execução da despesa).

“Estrito sensu”, a despesa é gerada pela sua liquidação, e não pelo


empenho (princípio da competência).
A liquidação da despesa ocorre quando o fornecedor entrega os bens ou
o contratado conclui os serviços prestados. A partir daí, a administração
pública poderá emitir um documento de liquidação da despesa
denominado nota de liquidação – NL. Na União esse documento é

www.pontodosconcursos.com.br 28
J O E L M A I R I S S O U Z A D A S I L V A , C P F : 0 4 7 5 3 4 1 3 7 6 4

CURSO ON-LINE – CONTABILIDADE PÚBLICA – SUSEP


PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO
emitido no Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo
Federal - SIAFI.

Foi cobrado em concurso!


(CESPE – TCE/AC – Analista de Controle Externo – 2006) O regime de
competência exige que as despesas sejam contabilizadas conforme o
exercício a que pertençam, ou seja, em que foram geradas. Se uma
despesa foi empenhada em um exercício e somente foi paga no
seguinte, ela deverá ser contabilizada como pertencente ao exercício em
que foi empenhada. Por ter sido realizada no ano anterior, o eventual
pagamento da despesa no exercício seguinte deverá ser considerado
como extra-orçamentário. Tal situação é que gera, na execução
financeira e orçamentária da despesa, a figura dos restos a pagar.

Resolução
O regime de competência exige que as despesas sejam contabilizadas
no exercício em que foram geradas, independentemente do momento do
pagamento. Assim, a despesa deverá ser considerada pelo seu
empenho.
Na União, o pagamento de uma despesa empenhada em um exercício
anterior se desenvolve da seguinte forma:
1º. A Secretaria do Tesouro Nacional – STN transfere os recursos
necessários ao órgão setorial de programação financeira – OSPF. Essa
transferência denomina-se COTA;
2º. Para a STN esse fato gera uma interferência passiva extra-
orçamentária e para o OSPF, interferência ativa extra-orçamentária;
3º. O OSPF do órgão ou entidade sub-repassa os recursos, valor a
pagar, à Unidade Gestora – UG responsável pelo pagamento (devedor).
Essa transferência denomina-se SUB-REPASSE.
4º. A UG devedora recebe os recursos do OSPF e realiza o pagamento
ao credor mediante a emissão de Ordem Bancária – OB.
5º. Essa despesa estava inscrita em restos a pagar. O pagamento foi
realizado na rubrica “restos a pagar - pagos” e classificado no lado das
despesas extra-orçamentárias no Balanço Financeiro.
Opção correta.

Procedimento para inscrição de crédito da união na dívida ativa:


1º. O crédito a ser inscrito será todo aquele não recebido na data
prevista (receita tributária ou não tributária);
2º. Existe a interveniência de dois órgãos: o responsável pelo crédito
(entidade credora) e o responsável pelo recebimento (Procuradoria-
Geral da Fazenda Nacional - PGFN);

www.pontodosconcursos.com.br 29
J O E L M A I R I S S O U Z A D A S I L V A , C P F : 0 4 7 5 3 4 1 3 7 6 4

CURSO ON-LINE – CONTABILIDADE PÚBLICA – SUSEP


PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO
3º. O órgão ou entidade credora verifica o seu direito, apura sua
liquidez e certeza e registra o crédito a seu favor (direito a receber) e o
encaminha para a PGFN.
No momento em que a entidade credora registra o crédito a seu favor –
direito a receber – haverá um registro contábil de variação ativa
(aumento da situação líquida patrimonial), ou seja, do patrimônio
líquido;
É exatamente nesse momento que existe a exceção ao regime de caixa
para a receita, haja vista que esse aumento do patrimônio ocorre em
função do registro da variação ativa (considerada como se fosse uma
receita).
Porém, pode-se observar que não houve o efetivo recebimento do
numerário, portanto, a receita é meramente econômica, exceção ao
regime de caixa.
4º. O registro (formalização) do direito a receber pela entidade
detentora do crédito é um fato contábil modificativo aumentativo;
5º. No momento em que ocorre o efetivo recebimento do recurso este
será classificado como receita orçamentária corrente – “outras receitas
correntes”;
6º. O ato administrativo de inscrição do devedor na dívida ativa pela
PGFN é extra-orçamentário. Fato permutativo.

Atenção! O mais importante de tudo o que foi inscrito acima para


fins de concursos é que:
O regime contábil da despesa consagrado pela Lei nº 4.320/64 para
contabilidade pública é o da competência;
Constitui exceção ao regime financeiro de caixa da receita orçamentária a
inscrição de crédito tributário ou não na dívida ativa;
O reconhecimento da receita na inscrição da dívida ativa indica exceção ao
regime de caixa para a receita, ou seja, atualmente, inscrição de despesa na
dívida obedece ao regime de competência;
O valor proveniente de crédito inscrito na dívida ativa é receita corrente
orçamentária e pertence ao exercício que foi arrecadada.

Foi cobrado em concurso!


(FCC – TRF 4ª/2001 – CONTADORIA) constitui exceção ao regime
financeiro de caixa da receita orçamentária em interpretação literal das
disposições atinentes contidas na Lei no 4 320/64:
(A) inscrição da dívida ativa.
(B) recebimento de dívida ativa de exercícios anteriores.
(C) baixa de restos a pagar como receita orçamentária por
cancelamento do empenho assim inscrito.
(D) apropriação como receita orçamentária pela conversão de depósito
recebido no exercício.

www.pontodosconcursos.com.br 30
J O E L M A I R I S S O U Z A D A S I L V A , C P F : 0 4 7 5 3 4 1 3 7 6 4

CURSO ON-LINE – CONTABILIDADE PÚBLICA – SUSEP


PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO
(E) estorno da receita orçamentária e inscrição de restituição de tributos
a pagar relativa a imposto arrecadado no exercício.

Resolução
Conforme mencionado, a inscrição do crédito tributário ou não tributário
na dívida ativa constitui exceção ao regime financeiro de caixa da
receita orçamentária. Cabe ressaltar que essa receita ainda não foi
arrecadada, ocorreu apenas inscrição na dívida ativa, a arrecadação
(recebimento) ocorrerá em momento posterior. Opção “a”.

Foi cobrado em concurso!


(Analista de Finanças e Controle - AFC - STN – 2005) O regime contábil
consagrado pela Lei nº 4.320/64 para contabilidade pública é o de caixa
para a Receita e de competência para a Despesa. Assinale a opção que
indica exceção ao regime de caixa para a receita.
a) O reconhecimento da receita na inscrição da Dívida Ativa.
b) O recebimento de receitas oriundas de operações de crédito.
c) O recebimento de doações em dinheiro.
d) O recebimento de tributos.
e) O recebimento de transferências financeiras.

Resolução
Ficou fácil essa questão! Pelo exposto acima, a opção correta é a letra
“a”. Como mencionado acima, as questões de concursos “pegam” nas
exceções.
Em todas as opções apresentadas, as receitas entram para os cofres
públicos pelo regime de caixa, exceto o reconhecimento da receita na
inscrição da Dívida Ativa. Observe que o termo é “reconhecimento” da
receita. Isso porque não há entrada de recursos, mas sim o registro
contábil de um fato modificativo aumentativo (variação ativa).

Foi cobrado em concurso!


(FCC – TRE/MS – Contador 2007) A entidade Iporanga apura seu
resultado pelo regime contábil de caixa. Considerando as receitas e
despesas abaixo, o resultado em 20X5 é:
Em R$
Receita de 20X4 recebida em 20X5 25.000
Receita de 20X5 recebida em 20X5 20.000
Despesa de 20X5 paga em 20X5 15.000
Despesa de 20X4 paga em 20X5 5.000
a) R$ 40.000
b) R$ 30.000
c) R$ 25.000
d) R$ 15.000

www.pontodosconcursos.com.br 31
J O E L M A I R I S S O U Z A D A S I L V A , C P F : 0 4 7 5 3 4 1 3 7 6 4

CURSO ON-LINE – CONTABILIDADE PÚBLICA – SUSEP


PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO
d) R$ 5.000

Resolução
O comando da questão informa que a entidade apura seu resultado pelo
regime de caixa. Assim sendo, deve-se considerar, para as receitas só
as recebidas em 20X5 e para as despesas, somente aquela que foram
efetivamente pagas no mesmo período.

Cálculo – regime de caixa em 20X5:


Receita recebida em 20X5 45.000
(-) Despesa paga em 20X5 (20.000)
= Resultado apurado pelo regime de caixa em 20X5 25.000

Cálculo: regime de caixa para as receitas e de competência para


as despesas (regime legal aplicado à Contabilidade Pública):
Receita recebida em 20X5 45.000
(-) Despesa paga em 20X5 (15.000)
= Resultado apurado pelo regime de competência em
30.000
20X5
Opção C.

5. CAMPO DE APLICAÇÃO DA CONTABILIDADE PÚBLICA

A contabilidade pública é regulamentada especialmente pela Lei nº


4.320/64. Esta lei estatui normas gerais de direito financeiro para
elaboração e controle dos orçamentos e balanços da União, dos Estados,
dos Municípios e do Distrito Federal. Portanto, é uma norma de âmbito
nacional.

Dessa forma, O campo de aplicação da contabilidade pública é


essencialmente o das pessoas jurídicas de direito público – União,
Estados, Distrito Federal e Municípios. Portanto, todos os entes
federados devem seguir as normas gerais de direito financeiro
estabelecidas na Lei nº 4.320/64.

Estados, Distrito Federal e Municípios podem ter suas próprias normas


de direito financeiro?
Sim, a Constituição Federal – CF/88 prevê que compete à União, aos
Estados e ao Distrito Federal legislar concorrentemente sobre direito
tributário, financeiro, penitenciário, econômico e urbanístico (art. 24,
inciso I).
Os Municípios não podem legislar concorrentemente, entretanto, a CF
prevê que compete aos Municípios legislar sobre assuntos de interesse

www.pontodosconcursos.com.br 32
J O E L M A I R I S S O U Z A D A S I L V A , C P F : 0 4 7 5 3 4 1 3 7 6 4

CURSO ON-LINE – CONTABILIDADE PÚBLICA – SUSEP


PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO
local e suplementar a legislação federal e a estadual no que couber (art.
30, incisos I e II).

Portanto, cabe à União estabelecer as normas gerais de direito


financeiro para elaboração e controle dos orçamentos e balanços. Aos
Estados, Municípios e Distrito Federal competem aprovar as suas
normas específicas acerca dessa matéria.

Nunca é demais Lembrar que cada Ente da Federação elabora e aprova


suas leis orçamentárias (PPA, LOA e LDO).

Não há dúvida de que o campo de aplicação da contabilidade pública


abrange todos os entes da federação (União, Estados, Municípios e
Distrito Federal) e seus órgãos da administração direta.

E quanto aos órgãos da administração indireta (Autarquias, Fundações


de direito público e de direito privado, Empresas públicas, Sociedades de
Economia Mista e Empresa Estatal Dependente)? Essas entidades
utilizam a contabilidade pública?

Antes, porém, só para recordar, veremos os conceitos sucintos das


entidades supracitadas e, em seguida, se estão ou não abrangidas no
campo de aplicação da contabilidade pública.

Autarquia: é entidade prestadora de serviço autônomo, com


personalidade jurídica de direito público, patrimônio e receita próprios,
criada por lei para executar atividades típicas da administração
pública, que requeriam, para seu melhor funcionamento, gestão
administrativa e financeira descentralizada.

Fundação Pública: é a entidade dotada de personalidade jurídica de


direito público, sem fins lucrativos, criada em virtude de autorização
legislativa, com autonomia administrativa, patrimônio próprio e
funcionamento custeado por recursos públicos.

Não há dúvida de que as Autarquias e Fundações públicas estão


abrangidas no campo de aplicação da contabilidade pública, portanto,
seguem as normas de direito financeiro.

Empresa Pública: é a entidade dotada de personalidade jurídica de


direito privado, com patrimônio próprio e capital públicos, criada por
lei para a exploração de atividade econômica ou não, que o governo
seja levado a exercer por força de contingência ou de conveniência

www.pontodosconcursos.com.br 33
J O E L M A I R I S S O U Z A D A S I L V A , C P F : 0 4 7 5 3 4 1 3 7 6 4

CURSO ON-LINE – CONTABILIDADE PÚBLICA – SUSEP


PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO
administrativa, podendo revestir-se de qualquer das formas
admitidas em direito (Decreto-lei nº 900/69).

As Empresas Públicas que participam dos orçamentos fiscal e da


seguridade social, ou seja, recebe recursos para fins de custeio de
pessoal e material, seguem as normas da contabilidade pública.

A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – EMBRAPA seria um


bom exemplo de empresa pública que recebe recursos do orçamento
fiscal, portanto, segue as normas da contabilidade pública.

A Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos – ECT é um exemplo de


empresa pública que não participa dos orçamentos fiscal e da
seguridade social para custeio de pessoal, material de consumo,
previdência social etc., portanto, não segue as normas da contabilidade
pública, mas sim, da contabilidade empresarial.
A caixa Econômica Federal – CEF é uma empresa pública e não participa
dos orçamentos fiscal e da seguridade social para custeio da máquina
administrativa, portanto, não está abrangida no campo de aplicação da
contabilidade pública.

Para não deixar dúvida! A empresa pública só está abrangida no


campo de aplicação da contabilidade pública quando recebe recursos do
orçamento fiscal e da seguridade social para custeio de suas despesas
com pessoal, material de consumo, previdência etc.

Sociedade de Economia Mista: é a entidade dotada de personalidade


jurídica de direito privado, criada por lei para a exploração de
atividades econômicas, sob a forma de sociedade anônima, cujas
ações com direito a voto pertençam, em sua maioria, direta ou
indiretamente, ao poder público ou à entidade da administração indireta
(Decreto-lei nº 900/69).

A Sociedade de Economia Mista não está abrangida no campo de


aplicação da contabilidade pública, entretanto, quando receber recursos
públicos para aplicação em determinados projetos, ela aplica e presta
contas conforme as normas da contabilidade pública.

Explicando melhor a frase: “cujas ações com direito a voto


pertençam, em sua maioria, direta ou indiretamente, ao poder público
ou à entidade da administração indireta”.

O controle de uma entidade pode ser exercido de forma direto ou


indiretamente:

www.pontodosconcursos.com.br 34
J O E L M A I R I S S O U Z A D A S I L V A , C P F : 0 4 7 5 3 4 1 3 7 6 4

CURSO ON-LINE – CONTABILIDADE PÚBLICA – SUSEP


PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO

Controle direto: Quando o investidor (poder público), possui em seu


próprio nome mais de 50% do capital com direito a voto (ações
ordinárias) da sociedade de economia mista.

Controle indireto: Quando o investidor (poder público) exerce o


controle da sociedade de economia mista através de outra, que também
é controlada por ela.

Exemplo:

70% ON Sociedade de Economia Mista


PODER PÚBLICO A
Controle direto
10% ON
60% ON

Sociedade de Economia Mista


B
Controle indireto
ON = Ações Ordinárias.
O gráfico acima demonstra que:
1. o poder público possui 70% das ações com direito a voto da
Sociedade de Economia Mista “A”. Controle direto.
2. A Sociedade de Economia Mista “A” possui 60% das ações com direito
a voto da Sociedade de Economia Mista “B”. Controle direto.
3. O Poder Público controla indiretamente a Sociedade de Economia
Mista “B”, através de “A”. Ou seja, o Poder Público possui 52% do total
das ações com direito a voto: 70% X 60% = 42% indiretamente,
através de “A” e + 10% em seu próprio nome.

A empresa estatal dependente pode ser qualquer tipo de estatal


constituída (criada) pelo governo e que não seja independente
financeiramente, ou seja, é uma entidade criada pelo governo com total
dependência, podendo ser: Empresa pública, autarquia, sociedade de
economia mista dependente, fundação de direito público ou privado etc.
A LRF estabeleceu o conceito legal de estatal dependente, observe:
Empresa estatal dependente: empresa controlada que receba do ente
controlador recursos financeiros para pagamento de despesas com pessoal ou
de custeio em geral ou de capital, excluídos, no último caso, aqueles
provenientes de aumento de participação acionária (art. 2º, inciso III, da
LRF).

www.pontodosconcursos.com.br 35
J O E L M A I R I S S O U Z A D A S I L V A , C P F : 0 4 7 5 3 4 1 3 7 6 4

CURSO ON-LINE – CONTABILIDADE PÚBLICA – SUSEP


PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO
Atenção! Empresa estatal dependente é um novo conceito estabelecido
pela LRF e compreende-se abrangida no campo de aplicação da
contabilidade pública.

Algumas características da empresa estatal dependente:


Empresa Estatal Dependente
Conceito: empresa controlada pela União, pelo Estado, pelo Distrito
Federal ou pelo Município, que tenha, no exercício anterior, recebido
recursos financeiros de seu controlador, destinados ao pagamento de
despesas com pessoal, de custeio em geral ou de capital, excluídos, neste
último caso, aqueles provenientes de aumento de participação acionária, e
tenha, no exercício corrente, autorização orçamentária para recebimento
de recursos financeiros com idêntica finalidade (art. 2º, inciso II, da
Portaria STN nº. 589/01).
São incluídas nos orçamentos fiscal e da seguridade social.
Aplicam os recursos recebidos conforme as normas da contabilidade
pública nacional
É controlada e dependente.
Pode ter o capital 100% público ou misto, no caso de capital misto, desde
que dependa integralmente do poder público.
O Controle é sempre direto.
São incluídas na consolidação nacional das contas públicas.

Exemplo de estatal não dependente: Banco do Brasil, Caixa


Econômica Federal, PETROBRÁS, IMPRENSA NACIONAL etc. Todas essas
entidades foram criadas e pertencem ao Poder Público, porém, não
dependem financeiramente da União.
Assim, a PETROBRÁS, CEF e BB não recebem recursos da União para
custeio de suas atividades (pessoal e encargos sociais, sistema de
previdência, material de consumo etc.). Essas entidades possuem
recursos próprios (receitas das suas atividades operacionais) para a
manutenção de suas ações.

Exemplo de Empresas Estatais Dependentes:


RADIOBRÁS, EMBRATUR, Fundações Públicas de Direito Privado etc.
Essas entidades geralmente recebem recursos do Governo Federal
destinados ao custeio de suas atividades (pagamento de pessoal,
previdência social, material de consumo, investimentos em geral etc.).

Portanto, essas entidades não possuem independência financeira, ou


seja, arrecadação de receitas próprias suficientes para a manutenção de
suas ações e assim dependem dos recursos dos orçamentos fiscal e da
seguridade social da União para o custeio de suas atividades.

Resumindo:

www.pontodosconcursos.com.br 36
J O E L M A I R I S S O U Z A D A S I L V A , C P F : 0 4 7 5 3 4 1 3 7 6 4

CURSO ON-LINE – CONTABILIDADE PÚBLICA – SUSEP


PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO

CAMPO DE APLICAÇÃO DA CONTABILIDADE PÚBLICA


ADMINISTRAÇÃO DIRETA:
PODER EXECUTIVO:
Presidência da República e suas secretarias.
Ministérios Civis e Militares.
Fundos especiais.
PODER JUDICIÁRIO:
Todos os seus tribunais.
Fundos especiais
PODER LEGISLATIVO:
Câmara dos Deputados.
Senado Federal.
Fundos especiais.
ADMINISTRAÇÃO INDIRETA:
Autarquias.
Fundações Públicas
Empresa Estatal Dependente.
Empresas Públicas e Sociedades de Economia Mista*.
*somente aquelas sujeitas ao orçamento fiscal e da seguridade social e
que recebam recursos para fins de custeio.

Foi cobrado em concurso!


(Analista de Finanças e Controle - AFC - STN – 2005) O campo de
aplicação da Contabilidade Pública vem-se expandindo nos últimos anos,
sobretudo por determinação da legislação federal. Assinale a opção que
indica os entes incluídos no seu campo de aplicação, em razão da Lei
Complementar nº 101/2000 – LRF.
a) Autarquias federais.
b) Empresas estatais dependentes.
c) Fundações públicas pertencentes aos municípios.
d) Empresas controladas pelas instituições financeiras públicas.
e) Empresas públicas financeiras.

Resolução
a) Incorreta. O campo de aplicação da contabilidade pública já abrangia
as Autarquias federais, portanto, não foram incluídas em razão da Lei
Complementar nº 101/2000 – LRF.
b) Correta. As empresas estatais dependentes foram incluídas no campo
de aplicação da contabilidade pública pela LRF.
c) Incorreta. Idem à opção “a”.
d) Incorreta. Empresas controladas pelas instituições financeiras
públicas seguem as regras da contabilidade empresarial.

www.pontodosconcursos.com.br 37
J O E L M A I R I S S O U Z A D A S I L V A , C P F : 0 4 7 5 3 4 1 3 7 6 4

CURSO ON-LINE – CONTABILIDADE PÚBLICA – SUSEP


PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO
e) Incorreta. Empresas públicas financeiras, a exemplo da Caixa
Econômica Federal – CEF seguem as regras da contabilidade
empresarial.

Foi cobrado em concurso!


(ESAF - Analista Contábil-Financeiro - SEFAZ - CE – 2006) O campo de
atuação da contabilidade pública define-se tanto nos atos e fatos objeto
de seu registro quanto nas entidades alcançadas pelas suas regras.
Assinale a opção em que a entidade não está obrigada, por força de lei,
a seguir as regras de contabilidade pública.
a) Autarquias municipais.
b) Empresas públicas dependentes.
c) Empresas de economia mista não dependentes.
d) Fundações instituídas e mantidas pelo poder público.
e) Autarquias federais que arrecadem recursos próprios.

Resolução
A questão pede a opção em que a entidade não está obrigada, por força
de lei, a seguir as regras de contabilidade pública.
a) Incorreta. Todas as autarquias são obrigadas, por lei, a seguir as
regras da contabilidade pública, haja vista que as Autarquias são
entidades da Administração Indireta com personalidade jurídica de
direito público.
b) Incorreta. Conforme as regras da LRF e da Portaria STN nº 589/01,
empresa estatal dependente estão compreendidas no campo de
aplicação da contabilidade pública: Observe o conceito de empresa
estatal dependente: empresa controlada pelo Estado, pelo Distrito
Federal ou pelo Município que tenha, no exercício anterior, recebido
recursos financeiros de seu controlador, destinados ao pagamento de
despesas com pessoal, de custeio em geral ou de capital, excluídos,
neste último caso, aqueles provenientes de aumento de participação
acionária, e tenha, no exercício corrente, autorização orçamentária para
recebimento de recursos financeiros com idêntica finalidade.
c) Correta. As Sociedades de Economia Mista (estatal não dependente),
a exemplo do Banco do Brasil e PETROBRÁS, não estão incluídas no
campo de aplicação da contabilidade pública, haja vista que essas
entidades exercem atividade econômica.
d) Incorreta. Todas as Fundações de direito público são obrigadas, por
lei, a seguir as regras da contabilidade pública, haja vista que essas
entidades da Administração Indireta possuem personalidade jurídica de
direito público. Atenção! Essa regra é extensiva às Fundações de Direito
Público.
e) Incorreta. Idem à opção “A”.

www.pontodosconcursos.com.br 38
J O E L M A I R I S S O U Z A D A S I L V A , C P F : 0 4 7 5 3 4 1 3 7 6 4

CURSO ON-LINE – CONTABILIDADE PÚBLICA – SUSEP


PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO
Para finalizar, e depois de um bom cafezinho, faremos mais algumas
questões de concursos!

6. EXERCÍCIOS DE CONCURSOS

1. (ESAF – Analista de Planejamento e Orçamento – MPOG –2005) A


respeito dos conceitos, objeto, regime e práticas contábeis adotadas no
âmbito federal é correto afirmar, exceto:
a) as autarquias federais integrantes do Orçamento Geral da União -
OGU estão submetidas às regras de contabilidade pública.
b) os regimes contábeis adotados são o de competência para a despesa
e de caixa para a receita, ocorrendo exceções para os dois casos.
c) os avais concedidos pelo Tesouro Nacional constituem objeto de
registro pela contabilidade.
d) os fatos contábeis permutativos não são reconhecidos como tais pela
contabilidade aplicada às entidades públicas.
e) os três estágios de realização da despesa (empenho, liquidação e
pagamento) são objeto de registro contábil.

Resolução
a) Não é exceção afirmar que as autarquias federais estão abrangidas
no campo de aplicação da contabilidade pública. Não existe dúvida de
que as autarquias e as fundações públicas devem utilizar a contabilidade
pública, posto que são entidades dotadas de personalidade jurídica de
direito público. Incorreta.
b) Não é uma exceção afirmar os regimes contábeis adotados são o de
competência para a despesa e de caixa para a receita, ocorrendo
exceções para os dois casos. Exemplo: no registro da dívida ativa é
considerado receita no momento de sua inscrição. “Despesa de
exercícios anteriores” onera o orçamento que está sendo paga a
despesa. Incorreta.
c) Não é uma exceção afirmar que os avais concedidos pelo Tesouro
Nacional constituem objeto de registro pela contabilidade. Os avais são
registrados (contabilizados) nas contas de controle, classificadas no
ativo e passivo compensados. Incorreta.
d) Os fatos contábeis permutativos, a exemplo da aquisição de material
de consumo para estoque em almoxarifado, são reconhecidos
normalmente como permutativos pela contabilidade aplicada às
entidades públicas. Correta.
e) Existem registros contábeis no empenho e liquidação da despesa
(sistema orçamentário) e no pagamento (sistema financeiro). Porém, na
fixação da despesa na LOA não existe nenhum registro contábil.
Incorreta.

www.pontodosconcursos.com.br 39
J O E L M A I R I S S O U Z A D A S I L V A , C P F : 0 4 7 5 3 4 1 3 7 6 4

CURSO ON-LINE – CONTABILIDADE PÚBLICA – SUSEP


PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO
2. (CESPE – TRE/PA – Analista Judiciário – Contabilidade 2005) A
contabilidade aplicada à administração pública, como um segmento da
ciência contábil, apresenta características especiais.
Acerca desse assunto, assinale a opção correta.
(A) No setor público, a contabilidade prioriza o orçamento e as finanças
em relação ao balanço patrimonial.
(B) Entre os objetos da contabilidade na área pública, estão os bens
públicos de uso geral e indiscriminado.
(C) A contabilidade pública utiliza regime de competência para o registro
da receita orçamentária.
(D) A contabilidade pública não tem entre suas finalidades a
determinação dos custos dos serviços para evidenciar os resultados da
gestão.
(E) O campo de aplicação da contabilidade pública está restrito aos
órgãos da administração direta nos três níveis de governo.

Resolução
(A) Levantar o balanço patrimonial é conseqüência do registro dos atos
e fatos contábeis. Primeiramente são registrados os atos e fatos
orçamentários (execução do orçamento), posteriormente, ao final do
exercício financeiro apuram-se os demonstrativos contábeis (BO, BF, BP
e DVP). Correta.
(B) Os bens públicos de uso geral e indiscriminado não são registrados
pela contabilidade, portanto, não estão abrangidos no campo de
aplicação da contabilidade pública. Incorreta.
(C) A contabilidade pública utiliza o regime de caixa para o registro da
receita orçamentária e extra-orçamentária. Incorreta.
(D) É finalidade da contabilidade pública a determinação dos custos dos
produtos e serviços para melhor evidenciar os resultados da gestão.
Inclusive essa determinação consta na LRF, onde prevê que a LDO
conste as normas relativas ao controle de custos e à avaliação dos
resultados e programas financiados com recursos orçamentários.
Incorreta.
(E) O campo de aplicação da contabilidade pública não está restrito aos
órgãos da administração direta nos três níveis de governo, mas sim, aos
órgãos integrantes dos orçamentos fiscal e da seguridade social
(administração direta e indireta). Incorreta.

3. (CESGRANRIO– Contador/DETRAN/AC – 2009) Uma das


características dos bens de uso comum é que eles
(A) estão incluídos no patrimônio da instituição.
(B) são inventariados e avaliados.
(C) são contabilizados.
(D) são impenhoráveis e imprescritíveis.

www.pontodosconcursos.com.br 40
J O E L M A I R I S S O U Z A D A S I L V A , C P F : 0 4 7 5 3 4 1 3 7 6 4

CURSO ON-LINE – CONTABILIDADE PÚBLICA – SUSEP


PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO
(E) podem ser alienados na forma que a lei estabelecer.

Resolução
Código Civil (Lei 10.406/02):
Art. 100. Os bens públicos de uso comum do povo e os de uso especial
são inalienáveis, enquanto conservarem a sua qualificação, na forma
que a lei determinar.

Art. 102. Os bens públicos não estão sujeitos a usucapião.


Ser inalienável implica dizer que os bens são, inclusive, impenhoráveis.
Bem imprescritível é aquele não sujeito a usucapião.

Novidade! Até o exercício de 2009 os bens de uso comum não são


objeto de contabilização obrigatória. Todavia, a partir de 2010 serão,
em virtude da Resolução CFC 1.137/08, que aprova a NBC T 16.10 –
Avaliação e Mensuração de Ativos e Passivos em Entidades do Setor
Público:
30. Os bens de uso comum que absorveram ou absorvem recursos
públicos, ou aqueles eventualmente recebidos em doação, devem ser
incluídos no ativo não circulante da entidade responsável pela sua
administração ou controle, estejam, ou não, afetos a sua atividade
operacional.
31. A mensuração dos bens de uso comum será efetuada, sempre que
possível, ao valor de aquisição ou ao valor de produção e construção.
As disposições contidas nessa resolução somente serão obrigatórias a
partir do exercício de 2010, podendo ser adotadas antecipadamente de
forma facultativa.

Portanto, atenção! A contabilização dos bens de uso comum ainda não


é obrigatória, mas será a partir de 2010. Sendo cobrada questão desse
conteúdo, considere a regra atual (não contabilização dos bens de uso
comum do povo). Ou seja, atualmente os bens de uso comum não são
objeto da contabilidade pública.
Letra D.

4. (CESPE – TRT/16.ª Região - Contabilidade - 2005) O reconhecimento


contábil, no resultado patrimonial, da receita não arrecadada, por
inadimplência do contribuinte, só é efetuado quando o poder público
inscreve o devedor em dívida ativa.

Resolução

www.pontodosconcursos.com.br 41
J O E L M A I R I S S O U Z A D A S I L V A , C P F : 0 4 7 5 3 4 1 3 7 6 4

CURSO ON-LINE – CONTABILIDADE PÚBLICA – SUSEP


PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO
O comando da questão refere-se à dívida ativa, ou seja, de receita não
arrecadada por inadimplência do contribuinte.
Conceito de dívida ativa: a dívida ativa compreende os créditos a favor
da Fazenda Pública, cuja certeza e liquidez foram apuradas, por não
terem sido efetivamente recebidos nas datas estabelecidas.
É, portanto, uma fonte potencial de fluxos de caixa, com impacto
positivo pela recuperação de valores, espelhando créditos a receber,
sendo contabilmente registrados no ativo permanente do balanço
patrimonial como um direito a receber.

Os créditos da Fazenda Nacional em moeda estrangeira serão


convertidos aos correspondentes valores na moeda nacional à taxa
cambial oficial, para compra, na data da notificação ou intimação do
devedor

www.pontodosconcursos.com.br 42
J O E L M A I R I S S O U Z A D A S I L V A , C P F : 0 4 7 5 3 4 1 3 7 6 4

CURSO ON-LINE – CONTABILIDADE PÚBLICA – SUSEP


PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO
apurar a liquidez e certeza do crédito e suspenderá a prescrição, para
todos os efeitos de direito, por 180 dias, ou até a distribuição da
execução fiscal, se esta ocorrer antes do prazo supramencionado.
Atenção! A presunção de certeza e liquidez é relativa, posto que pode
ser derrogada por prova inequívoca, cuja contestação cabe ao sujeito
passivo.

Portanto, a receita lançada e não arrecadada depois de apurada a sua


certeza e liquidez e inscrita como dívida ativa na Procuradoria da
Fazenda Nacional é reconhecida contabilmente como tal.
Item CERTO.

5. (CESPE – TRE/PA - 2007) Os tipos de entes a que se aplica a


contabilidade pública incluem
A) organizações da sociedade civil de interesse público.
B) empresas públicas dependentes.
C) sociedades de economia mista.
D) associações beneficentes que tenham contratos com o poder público.
E) fundações privadas de utilidade pública.
QUESTÃO 29
Resolução
Essa questão é facílima e dispensa delonga de comentários! Porém,
importante para a fixação do conceito. A contabilidade pública aplica-se
a toda a administração direta e indireta (Autarquias, Fundações Públicas
e Empresa Estatal Dependente).
Quanto às entidades da administração indireta:
Empresas Públicas e Sociedades de Economia Mista somente utilizam a
contabilidade pública quando receberem recursos dos orçamentos fiscal
e da seguridade social para custeio de pessoal e de toda a
“máquina administrativa”. (Exceto para despesa de capital)
Item CERTO B.

6. (CESPE – TCE/AC - Ciências Contábeis – 2006) Os bens móveis e


imóveis serão contabilizados pelo valor de aquisição ou pelo custo de
produção ou construção; já os bens de almoxarifado serão
contabilizados pelo preço médio ponderado das compras.

Resolução
Questão simples, cópia fiel do art. 106 da Lei 4320/64.
Art. 106. A avaliação dos elementos patrimoniais obedecerá as normas
seguintes:
I - os débitos e créditos, bem como os títulos de renda, pelo seu valor nominal,
feita a conversão, quando em moeda estrangeira, à taxa de câmbio vigente na
data do balanço;

www.pontodosconcursos.com.br 43
J O E L M A I R I S S O U Z A D A S I L V A , C P F : 0 4 7 5 3 4 1 3 7 6 4

CURSO ON-LINE – CONTABILIDADE PÚBLICA – SUSEP


PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO
II - os bens móveis e imóveis, pelo valor de aquisição ou pelo custo de
produção ou de construção;
III - os bens de almoxarifado, pelo preço médio ponderado das compras.
Item CERTO.

A contabilidade pública no Brasil

7. (CESPE – TCEES - 2004) evidencia para a fazenda pública a situação


de todos que efetuam despesas, arrecadam receitas ou guardam bens
públicos de uso restrito, específico e não-generalizado.

Resolução
Esse é o conceito estabelecido pela Lei nº. 4.320/64.
A contabilidade evidenciará perante a Fazenda Pública a situação de
todos quantos, de qualquer modo, arrecadem receitas, efetuem
despesas, administrem ou guardem bens a ela pertencentes ou
confiados” (art. 83, da Lei nº. 4.320/64).
No comando da questão existe a seguinte frase: ”guardam bens públicos
de uso restrito, específico e não-generalizado”.
Essa frase informa, com outras palavras, o objeto da contabilidade
pública, no qual exclui os bens de uso comum do povo tais como os
mares, rios estradas, parques etc.
Item CERTO.

8. (CESPE – TCEES - 2004) tem como um de seus objetos o orçamento


público, considerado como a peça autorizativa para a arrecadação de
receitas e a realização de despesas.

Resolução
Como já estudamos, a contabilidade pública opera com quatro sistemas:
orçamentário, financeiro, patrimonial e compensado.

O objeto da contabilidade em geral é o patrimônio. O objeto da


contabilidade na administração pública é o patrimônio e também o
orçamento.
Assim sendo, um dos objetos da Contabilidade Pública é o orçamento
público.
Atualmente o nosso sistema orçamentário é autorizativo, ou seja, o
Poder Legislativo autoriza mediante lei (LOA) que o Poder Executivo
realize a execução orçamentária aprovada. Nesse tipo de processo
orçamentário o Executivo possui bastante margem de “manobra” sobre
a LOA, em especial, a abertura de créditos suplementares e a liberação
da maior parte dos recursos de forma discricionária, ou seja, no
momento considerado oportuno pelo Executivo.

www.pontodosconcursos.com.br 44
J O E L M A I R I S S O U Z A D A S I L V A , C P F : 0 4 7 5 3 4 1 3 7 6 4

CURSO ON-LINE – CONTABILIDADE PÚBLICA – SUSEP


PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO
Item CERTO.

9. (CESPE – TJDFT/Analista - Contabilidade – 2008) Os bens de


almoxarifado serão avaliados pelo método UEPS (último que entra
primeiro que sai), a fim de se subsidiar a elaboração do orçamento com
valores mais próximos da realidade.

Resolução
A contabilidade utiliza-se de várias técnicas para avaliação dos bens
patrimoniais. Os estoque são comumente avaliados por quatro técnicas:
PEPS (Primeiro que Entra Primeiro que Sai); UEPS (Último que Entra
Primeiro que Sai); Média Ponderada (média aritmética) e Custo
Específico.
Todavia, a lei 4.320/64 impôs que os bens em almoxarifado devem ser
avaliados e registrados, na contabilidade pública, pela média ponderada.
Lei 4.320/64:
Art. 106. A avaliação dos elementos patrimoniais obedecerá as normas
seguintes:
I - os débitos e créditos, bem como os títulos de renda, pelo seu valor
nominal, feita a conversão, quando em moeda estrangeira, à taxa de
câmbio vigente na data do balanço;
II - os bens móveis e imóveis, pelo valor de aquisição ou pelo custo de
produção ou de construção;
III - os bens de almoxarifado, pelo preço médio ponderado das compras.
ERRADO.

10. (ESAF – AFC/CGU – 2006) Em relação aos registros contábeis, a


transferência de um bem móvel entre unidades gestoras do mesmo
órgão provoca

a) interferência ativa extra-orçamentária na unidade destinatária do


bem.
b) mutação ativa na unidade destinatária e mutação passiva na unidade
transferidora.
c) acréscimo patrimonial na unidade destinatária e decréscimo
patrimonial na unidade transferidora.
d) despesa orçamentária na unidade transferidora e receita
orçamentária na receptora.
e) não é necessário realizar lançamentos contábeis uma vez que as
unidades gestoras pertencem ao mesmo órgão.

Resolução

www.pontodosconcursos.com.br 45
J O E L M A I R I S S O U Z A D A S I L V A , C P F : 0 4 7 5 3 4 1 3 7 6 4

CURSO ON-LINE – CONTABILIDADE PÚBLICA – SUSEP


PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO
A transferência de bens móveis entre unidades gestoras do mesmo
órgão, ou seja, mesmo Ministério, ou entre Unidades Gestoras,
evidencia-se esse fato na DVP como uma variação passiva extra-
orçamentária para a Unidade Gestora responsável pela transferência e
uma variação ativa extra-orçamentária para a UG beneficiária.
A conta respectiva denomina-se “transferência de bens e valores”. Ao
mesmo tempo em que se transfere o bem, também deve ser transferido
o valor contábil do mesmo.
Assim sendo, a transferência de um bem móvel entre unidades gestoras
do mesmo órgão provoca uma interferência ativa extra-orçamentária na
unidade destinatária do bem.
Opção A.

11. (ESAF – Administrador/ENAP – 2007) Indique a opção em que a


operação não é objeto da contabilidade pública, segundo as práticas
adotadas no âmbito federal.
a) O lançamento de tributos.
b) A consignação de créditos por intermédio da Lei Orçamentária Anual
– LOA.
c) A emissão de Nota de Empenho.
d) A baixa de bem patrimonial por ter se tornado obsoleto.
e) A transferência de créditos orçamentários entre órgãos.

Resolução
Observe que o comando da questão pede a opção em que a operação
não é objeto da contabilidade pública no âmbito federal.
a) Certo. No âmbito federal o lançamento de tributos fica a cargo da
Receita Federal do Brasil. Atualmente são pouquíssimos os tributos
lançados no nível federal e geralmente ocorre em casos de retificação,
de ofício, de declarações e também para as multas, sendo que estas não
se enquadram no conceito de tributos.
Portanto, lançamento de tributos no âmbito federal não é objeto de
registro contábil.
b) Errado. A consignação de créditos por intermédio da Lei Orçamentária
Anual – LOA, é realizada por intermédio do documento denominado
Nota de Dotação, através do Sistema Integrado de Administração
Financeira do Governo Federal – SIAFI.
O registro contábil ocorre da seguinte forma:
Dotação inicial gerada pela SOF depois de aprovada a LOA:
D – Crédito inicial – originário do Orçamento Geral da União XXX
C – Créditos disponível XXX
c) Errado. No empenho de despesa ocorre registro contábil somente no
sistema orçamentário da seguinte forma:
D – Créditos disponíveis XXX
C – Despesa de capital empenhada XXX

www.pontodosconcursos.com.br 46
J O E L M A I R I S S O U Z A D A S I L V A , C P F : 0 4 7 5 3 4 1 3 7 6 4

CURSO ON-LINE – CONTABILIDADE PÚBLICA – SUSEP


PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO
d) Errado. Toda e qualquer baixa de bem patrimonial requer registro no
sistema patrimonial pela baixa do bem.
Exemplo:
D – Variação passiva XXX
C – Bens XXX
e) Errado. A transferência de créditos requer registro contábil imediato
no sistema orçamentário através de documento denominado Nota de
Crédito através do Sistema Integrado de Administração Financeira do
Governo Federal – SIAFI.
O documento é lançado através de um EVENTO (lógica do sistema
SIAFI) da classe 30 – movimentação de crédito.
A movimentação de crédito ocorre de duas formas: mediante DESTAQUE
e PROVISÃO.
O registro contábil ocorre no sistema orçamentário conforme segue:
Destaque – descentralização externa de créditos (entre ministérios
diferentes).
Lançamento na UG concedente:
D – Créditos disponíveis XXX
C – Créditos concedidos XXX
Lançamento na UG beneficiária:
D – Créditos recebidos XXX
C – Créditos disponíveis XXX
Provisão – descentralização interna de créditos (dentro do mesmo
ministério).
Lançamento na UG concedente:
D – Créditos disponíveis XXX
C – Provisão concedida XXX
Lançamento na UG beneficiária:
D – Provisão recebida XXX
C – Créditos disponíveis XXX
Conclusão: a operação que não é objeto da contabilidade pública,
segundo as práticas adotadas no âmbito federal é o referente ao
lançamento de tributos.
Atenção! Nos Entes Federados (Estados e Municípios) existem
lançamentos de tributos que requerem registro contábil, a exemplo do
IPTU, ISS etc.
Opção A.

12. (ESAF – Auditor TCE – GO 2007) Considerando o regime contábil, o


campo de aplicação, o objeto e outros aspectos gerais da Contabilidade
Pública no Brasil, identifique a opção incorreta.
a) Os balanços orçamentário, financeiro e patrimonial e a demonstração
das variações patrimoniais são demonstrativos previstos na Lei n.
4.320/1964 que sofrem impacto das operações decorrentes da execução

www.pontodosconcursos.com.br 47
J O E L M A I R I S S O U Z A D A S I L V A , C P F : 0 4 7 5 3 4 1 3 7 6 4

CURSO ON-LINE – CONTABILIDADE PÚBLICA – SUSEP


PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO
orçamentária, independentemente da natureza econômica da receita e
da despesa.
b) Considerando que o empenho da despesa cria para o Estado
obrigação de pagamento, pendente ou não de implemento de condição,
o registro contábil da emissão de empenho afetará o sistema
orçamentário e o financeiro, pois a despesa pública deve ser
reconhecida sob a ótica de competência.
c) A contabilidade será organizada de modo a permitir o
acompanhamento da execução orçamentária, o conhecimento da
composição patrimonial, a determinação dos custos dos serviços
industriais, o levantamento dos balanços gerais, a análise e a
interpretação dos resultados econômicos e financeiros.
d) Segundo a Lei n. 4.320/1964, as previsões para depreciação serão
computadas para efeito de apuração do saldo líquido das empresas com
autonomia financeira e administrativa cujo capital pertença
integralmente ao poder público.
e) No que se refere à avaliação dos elementos patrimoniais, a Lei n.
4.320/64 estabelece que os débitos e créditos, bem como os títulos de
renda, serão avaliados pelo seu valor nominal, e convertidos, quando
em moeda estrangeira, à taxa de câmbio vigente na data do balanço.

Resolução
O comando da questão pede a opção incorreta em relação ao regime
contábil, o campo de aplicação, o objeto e outros aspectos gerais da
Contabilidade Pública no Brasil.
a) Certo. Os balanços orçamentário, financeiro e patrimonial e a
demonstração das variações patrimoniais são demonstrativos contábeis
previstos na Lei nº. 4.320/1964 que sofrem impacto das operações
decorrentes da execução orçamentária.
Independentemente da natureza econômica da receita e da despesa
esses demonstrativos contábeis evidenciam os eventos econômicos ou
não, relativas às operações orçamentárias e extra-orçamentárias,
independentemente da categoria econômica (correte ou de capital)
todos os eventos são objeto de evidenciação nos balanços públicos.
b) Incorreta. O empenho da despesa é objeto de registro contábil só no
sistema orçamentário. O empenho da despesa é um ato emanado de
uma autoridade competente para tal que cria para o Estado obrigação
de pagamento, pendente ou não de implemento de condição.
c) Certo. Essa opção é cópia do art. 85 da Lei nº. 4.320/64.
Observe:
Art. 85. Os serviços de contabilidade serão organizados de forma a permitirem
o acompanhamento da execução orçamentária, o conhecimento da
composição patrimonial, a determinação dos custos dos serviços industriais, o
levantamento dos balanços gerais, a análise e a interpretação dos resultados

www.pontodosconcursos.com.br 48
J O E L M A I R I S S O U Z A D A S I L V A , C P F : 0 4 7 5 3 4 1 3 7 6 4

CURSO ON-LINE – CONTABILIDADE PÚBLICA – SUSEP


PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO
econômicos e financeiros.
d) Certo. A Lei nº. 4.320/64 estabelece no TÍTULO X, Das Autarquias e
Outras Entidades, art. 107, § 2º, essa determinação.
Observe:
§ 2o As previsões para depreciação serão computadas para efeito de apuração
do saldo líquido das mencionadas entidades.
Cabe observar que essa determinação legal tem sido “letra morta” na
Lei nº. 4.320/1964, ou seja, essa previsão legal não pegou. Por
enquanto a sua aplicabilidade tem sido apenas para exigência em
concursos.
e) Certo. Perfeito, essa opção apresenta a determinação legal acerca da
avaliação dos elementos patrimoniais prevista na Lei nº. 4.320/1964.

Observe as regras da norma citada:


A avaliação dos elementos patrimoniais obedecerá as seguintes normas:
◊ Os débitos e créditos, bem como os títulos de renda, pelo seu valor
nominal, feita a conversão, quando em moeda estrangeira, à taxa de câmbio
vigente na data do balanço;
◊ Os bens móveis e imóveis, pelo valor de aquisição ou pelo custo de
produção ou de construção;
◊ Os bens de almoxarifado, pelo preço médio ponderado das compras.
◊ Os valores em espécie, assim como os débitos e créditos, quando em
moeda estrangeira, deverão figurar ao lado das correspondentes importâncias
em moeda nacional. Esse comando informa que quando houver valores em
moeda estrangeira, geralmente dívidas, deverão figurar, logo abaixo desse
valor, o correspondente em moeda nacional.
Opção B.

13. (ESAF – Contador Ministério do Planejamento/ENAP – 2006) O


Sistema de Contabilidade Federal não tem como objetivo evidenciar
a) os créditos adicionais aos orçamentos vigentes da União.
b) os custos dos programas e das unidades da Administração Pública
Federal.
c) a aplicação dos recursos da União pelas unidades da Federação
beneficiadas.
d) a renúncia de receitas de órgãos e entidades federais.
e) as receitas obtidas pelas unidades da Federação e os recursos
aplicados.

Resolução
A Lei Federal nº. 10.180/2001 que organiza e disciplina os Sistemas de
Planejamento e de Orçamento Federal, de Administração Financeira
Federal, de Contabilidade Federal e de Controle Interno do Poder

www.pontodosconcursos.com.br 49
J O E L M A I R I S S O U Z A D A S I L V A , C P F : 0 4 7 5 3 4 1 3 7 6 4

CURSO ON-LINE – CONTABILIDADE PÚBLICA – SUSEP


PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO
Executivo Federal, e dá outras providências assim estabelece acerca do
assunto:
Art. 14. O Sistema de Contabilidade Federal visa a evidenciar a situação
orçamentária, financeira e patrimonial da União.
Art. 15. O Sistema de Contabilidade Federal tem por finalidade registrar os
atos e fatos relacionados com a administração orçamentária, financeira e
patrimonial da União e evidenciar:
I - as operações realizadas pelos órgãos ou entidades governamentais e os
seus efeitos sobre a estrutura do patrimônio da União;
II - os recursos dos orçamentos vigentes, as alterações decorrentes de
créditos adicionais, as receitas prevista e arrecadada, a despesa empenhada,
liquidada e paga à conta desses recursos e as respectivas disponibilidades;
III - perante a Fazenda Pública, a situação de todos quantos, de qualquer
modo, arrecadem receitas, efetuem despesas, administrem ou guardem bens
a ela pertencentes ou confiados;
IV - a situação patrimonial do ente público e suas variações;
V - os custos dos programas e das unidades da Administração Pública Federal;
VI - a aplicação dos recursos da União, por unidade da Federação beneficiada;
VII - a renúncia de receitas de órgãos e entidades federais.
Parágrafo único. As operações de que resultem débitos e créditos de natureza
financeira não compreendidas na execução orçamentária serão, também,
objeto de registro, individualização e controle contábil.
Conforme se observa, não é objetivo do Sistema de Contabilidade
Federal evidenciar as receitas obtidas pelas unidades da Federação e os
recursos aplicados.
Caso essa situação fosse objetivo do Sistema de Contabilidade Federal,
certamente estaria havendo “quebra” do princípio federativo, haja vista
que todas as unidades da federação possuem competência
constitucional para organizar suas próprias finanças.
Opção E.

14. (CESPE – DOCAS/PA – Contador – 2006) Considere a existência dos


seguintes saldos contábeis, em reais, de um ente, ao final do exercício:
receita arrecadada: R$ 170.000,00
despesa autorizada: R$ 150.000,00
despesa empenhada: R$ 125.000,00
despesa paga: R$ 110.000,00
despesa liquidada: R$ 115.000,00
Com base nesses dados, conclui-se que, segundo os critérios adotados
pela Lei n.º 4.320/1964 e pela Secretaria do Tesouro Nacional (STN), o
resultado da execução orçamentária foi igual a R$ 20.000,00 e R$
60.000,00, respectivamente.

Resolução
Cálculo do resultado da execução orçamentária segundo a Lei 4.320/64:
Receita arrecadada 170.000,00

www.pontodosconcursos.com.br 50
J O E L M A I R I S S O U Z A D A S I L V A , C P F : 0 4 7 5 3 4 1 3 7 6 4

CURSO ON-LINE – CONTABILIDADE PÚBLICA – SUSEP


PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO
(-) Despesa empenhada (125.000,00)
= Superávit orçamentário 45.000,00

Cálculo do resultado da execução orçamentária segundo a STN:


Receita arrecadada 170.000,00
(-) Despesa liquidada (115.000,00)
= Superávit orçamentário 55.000,00
Comentários:
1º. A Lei 4.320/64 estabelece em seu art. 35 que pertence ao exercício
financeiro as despesas legalmente empenhadas, ou seja, para a norma
supracitada a despesa é considerada em 31/12 pelo seu empenho;
2º. Para a STN a despesa é considerada pela sua liquidação. Assim
sendo, mesmo que a despesa não tenha sido liquidada em 31/12,
CONSIDERA-SE como se liquidada fosse;
3º. Pode-se observar que o cálculo do resultado orçamentário conforme
o entendimento da STN é bem mais realista, posto que a despesa é
considerada de fato pela sua liquidação. Esse também é o entendimento
do Conselho Federal de Contabilidade – CFC.
Item ERRADO.

15. (ESAF – AFC/CGU – 2006) Um dos resultados da aplicação do


princípio contábil da entidade no setor público é a possibilidade de se
delimitar com precisão o patrimônio de um determinado ente público.
Assinale a opção em que o ente não é uma entidade contábil segundo as
regras praticadas na contabilidade federal.
a) Programa de governo.
b) Unidade gestora/Gestão.
c) Órgão.
d) Gestão, embora o seu uso esteja em extinção.
e) União.

Resolução
A Resolução nº. 750/93 do Conselho Federal de Contabilidade – CFC,
estabelece em seu art. 4º. que o princípio da ENTIDADE reconhece o
Patrimônio como objeto da contabilidade e afirma a autonomia
patrimonial, ou seja, a necessidade da diferenciação de um patrimônio
particular no universo dos patrimônios existentes, independentemente
de pertencer a uma pessoa, um conjunto de pessoas, uma sociedade ou
instituição de qualquer natureza ou finalidade, com ou sem fins
lucrativos.

Nessa linha de raciocínio temos que os bens, direitos e obrigações


pertencentes aos Entes Federados não se confundem com o dos

www.pontodosconcursos.com.br 51
J O E L M A I R I S S O U Z A D A S I L V A , C P F : 0 4 7 5 3 4 1 3 7 6 4

CURSO ON-LINE – CONTABILIDADE PÚBLICA – SUSEP


PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO
particulares, ou seja, o patrimônio público não pertence a nenhum
gestor, político ou detentor de mandato, mas sim à sociedade.

Portanto, o patrimônio público não deve ser confundido com o


patrimônio dos particulares.

Assim sendo, quando, por exemplo, um Prefeito empresta ou utiliza um


bem público em proveito próprio ou para satisfazer amizades, incorre
em improbidade administrativa, sujeito à perda do cargo conforme
prevê a Lei nº. 8.429/92 (lei de improbidade administrativa).

Ainda segundo a Resolução nº 750/93 do CFC, os Princípios


Fundamentais de Contabilidade – PFC representam o núcleo central da
própria contabilidade, na sua condição de ciência social, sendo a ela
inerentes.

Os princípios constituem sempre as vigas-mestras de uma ciência,


revestindo-se dos atributos de universalidade e veracidade, conservando
validade em qualquer circunstância.

No caso da contabilidade, presente seu objeto, seus PFC valem para


todos os patrimônios, independentemente das entidades a que
pertencem, seja com ou sem fins lucrativos.

Portanto, à contabilidade pública, sempre que possível aplicam-se os


princípios fundamentais de contabilidade, ressalvando-se as
peculiaridades dessa disciplina.

Aplicando o princípio da competência, a Resolução nº 750/93 do CFC, no


§ 3º do art. 9º menciona que:
“As receitas consideram-se realizadas”:
“Quando da extinção, parcial ou total, de um passivo, qualquer que seja o
motivo, sem o desaparecimento concomitante de um ativo de igual valor”.
O perdão de uma dívida seria um exemplo de geração de receita, tanto
para a contabilidade pública quanto para a contabilidade empresarial.

Nessa situação, desaparece a dívida do passivo e não há registro


correspondente no ativo. O registro seria uma receita econômica ou
escritural, aumentando o patrimônio líquido.
Exemplo de registro contábil:
D – Obrigações a pagar XXX
C – Receita ou Variação ativa XXX

www.pontodosconcursos.com.br 52
J O E L M A I R I S S O U Z A D A S I L V A , C P F : 0 4 7 5 3 4 1 3 7 6 4

CURSO ON-LINE – CONTABILIDADE PÚBLICA – SUSEP


PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO
Receita escritural ou econômica é aquela que efetivamente não ocorre o
ingresso do recurso, mas sim, apenas sua contabilização, resultando
aumento no patrimônio.

Um exemplo da aplicação do princípio da competência para as despesas


seria a previsão no § 4º do art. 9º, da resolução supracitada, onde
estabelece que:
§ 3º do art. 9º menciona que:
“Consideram-se incorridas as despesas”:
“Pela diminuição ou extinção do valor econômico de um ativo”.
Para a contabilidade empresarial e a pública seria o exemplo da perda
de estoque ou a morte de um semovente. A perda de parte do estoque
diminui o valor econômico de um ativo e a morte de um semovente
(animal) há extinção do valor do ativo.

Feitas essas considerações podemos afirmar que os princípios


fundamentais de contabilidade são aplicáveis a todos os ramos da
contabilidade, inclusive o da contabilidade pública, haja vista que esses
princípios representam o verdadeiro núcleo central da doutrina contábil.
Corroborando com esse entendimento, observe o que estabelece a
Portaria Conjunta nº 2, de 08 de agosto de 2007 que aprova a 4ª edição
do Manual de Procedimentos da Receita Pública:
RECONHECIMENTO DA RECEITA
É a aplicação dos Princípios Fundamentais de Contabilidade para
reconhecimento da variação ocorrida no patrimônio, por meio do registro do
direito a receber no momento da ocorrência do fato gerador, antes da
efetivação do correspondente ingresso de disponibilidades. Nesse momento,
deverá ser efetuado o seguinte registro contábil...

Feitas essas “sucintas” considerações iniciais, passaremos aos


comentários específicos das opções da questão:
a) Programa de governo não pode ser uma entidade contábil segundo as
regras praticadas na contabilidade federal porque não possui existência
real, mas sim uma intenção técnico-política de realização de ações.
Errado.
b) Unidade Gestora/Gestão pública se encaixa perfeitamente no conceito
de entidade contábil porque existe contabilidade própria. Certo.
c) Órgão também se encaixa perfeitamente no conceito de entidade
contábil porque possui contabilidade própria e pessoas responsáveis
pela gestão. Certo.
d) A Gestão atualmente tem sido denominada orçamentariamente de
Órgão Orçamentário, a exemplo dos Fundos Especiais, Transferências
etc. Certo.

www.pontodosconcursos.com.br 53
J O E L M A I R I S S O U Z A D A S I L V A , C P F : 0 4 7 5 3 4 1 3 7 6 4

CURSO ON-LINE – CONTABILIDADE PÚBLICA – SUSEP


PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO
e) A União, sem nenhuma dúvida, é uma entidade contábil.
Orçamentariamente se encaixa no mesmo conceito de órgão. Certo.

16. (ESAF – APO/MPOG – 2008) Assinale a afirmação correta referente à


contabilização da fixação da despesa orçamentária no âmbito federal.
a) O registro contábil ocorre somente no início e fim do exercício.
b) No Passivo Compensado, são demonstrados os créditos iniciais
consignados em lei.
c) Créditos extraordinários, em razão da sua excepcionalidade, não são
registrados na abertura.
d) Os saldos de créditos disponíveis são demonstrados em contas do
passivo.
e) No ativo, a despesa fixada é registrada pelo seu valor líquido
(deduzidos os créditos contidos e contigenciados).

Resolução
Atenção! O comando da questão refere-se a registro contábil da fixação
da despesa orçamentária.
Assim sendo, veremos um exemplo de fixação e liquidação da despesa
no sistema orçamentário:
Fixação da despesa na LOA

Empenho da despesa

Liquidação de despesa

Pagamento de despesa

www.pontodosconcursos.com.br 54
J O E L M A I R I S S O U Z A D A S I L V A , C P F : 0 4 7 5 3 4 1 3 7 6 4

CURSO ON-LINE – CONTABILIDADE PÚBLICA – SUSEP


PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO
a) O registro contábil ocorre tanto na fixação quanto na liquidação.
Errado.
b) No Passivo Compensado, haverá controle da execução orçamentária
da despesa. Observe abaixo:
2.9 – PASSIVO COMPENSADO
2.9.1 EXECUÇÃO ORCAMENTÁRIA DA RECEITA
2.9.2 EXECUÇÃOO ORCAMENTÁRIA DA DESPESA
Errado.
c) Para toda e qualquer abertura de crédito adicional deve haver registro
contábil.
Exemplo de abertura de créditos extraordinários:
D – Créditos extraordinários XXX
C – Créditos disponíveis XXX
Errado.
d) Perfeito! Os saldos de créditos disponíveis são demonstrados em
contas do passivo. Observando o lançamento acima (opção C), pode-se
verificar que a conta créditos disponíveis é credora. Certo.
e) A despesa fixada é registrada no sistema orçamentário pelo seu valor
bruto. Errado.

17. (ESAF – Auditor TCE – GO 2007) Considerando o regime contábil, o


campo de aplicação, o objeto e outros aspectos gerais da Contabilidade
Pública no Brasil, identifique a opção incorreta.
a) Os balanços orçamentário, financeiro e patrimonial e a demonstração
das variações patrimoniais são demonstrativos previstos na Lei n.
4.320/1964 que sofrem impacto das operações decorrentes da execução
orçamentária, independentemente da natureza econômica da receita e
da despesa.
b) Considerando que o empenho da despesa cria para o Estado
obrigação de pagamento, pendente ou não de implemento de condição,
o registro contábil da emissão de empenho afetará o sistema
orçamentário e o financeiro, pois a despesa pública deve ser
reconhecida sob a ótica de competência.
c) A contabilidade será organizada de modo a permitir o
acompanhamento da execução orçamentária, o conhecimento da
composição patrimonial, a determinação dos custos dos serviços
industriais, o levantamento dos balanços gerais, a análise e a
interpretação dos resultados econômicos e financeiros.
d) Segundo a Lei n. 4.320/1964, as previsões para depreciação serão
computadas para efeito de apuração do saldo líquido das empresas com
autonomia financeira e administrativa cujo capital pertença
integralmente ao poder público.
e) No que se refere à avaliação dos elementos patrimoniais, a Lei n.
4.320/64 estabelece que os débitos e créditos, bem como os títulos de

www.pontodosconcursos.com.br 55
J O E L M A I R I S S O U Z A D A S I L V A , C P F : 0 4 7 5 3 4 1 3 7 6 4

CURSO ON-LINE – CONTABILIDADE PÚBLICA – SUSEP


PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO
renda, serão avaliados pelo seu valor nominal, e convertidos, quando
em moeda estrangeira, à taxa de câmbio vigente na data do balanço.

Resolução
O comando da questão pede a opção incorreta em relação ao regime
contábil, o campo de aplicação, o objeto e outros aspectos gerais da
Contabilidade Pública no Brasil.
a) Os balanços orçamentário, financeiro e patrimonial e a demonstração
das variações patrimoniais são demonstrativos contábeis previstos na
Lei nº. 4.320/1964 que sofrem impacto das operações decorrentes da
execução orçamentária.
Independentemente da natureza econômica da receita e da despesa
esses demonstrativos contábeis evidenciam os eventos econômicos ou
não, relativas às operações orçamentárias e extra-orçamentárias,
independentemente da categoria econômica (correte ou de capital)
todos os eventos são objeto de evidenciação nos balanços públicos.
Certo.
b) O empenho da despesa é objeto de registro contábil só no sistema
orçamentário. O empenho da despesa é um ato emanado de uma
autoridade competente para tal que cria para o Estado obrigação de
pagamento, pendente ou não de implemento de condição. Incorreta.
c) Essa opção é cópia do art. 85 da Lei nº. 4.320/64.
Observe:
Art. 85. Os serviços de contabilidade serão organizados de forma a
permitirem o acompanhamento da execução orçamentária, o conhecimento
da composição patrimonial, a determinação dos custos dos serviços
industriais, o levantamento dos balanços gerais, a análise e a interpretação
dos resultados econômicos e financeiros.
Certo.
d) A Lei nº. 4.320/64 estabelece no TÍTULO X, Das Autarquias e Outras
Entidades, art. 107, § 2º, essa determinação.
Observe:
§ 2o As previsões para depreciação serão computadas para efeito de apuração
do saldo líquido das mencionadas entidades.
Cabe observar que essa determinação legal tem sido “letra morta” na
Lei nº. 4.320/1964, ou seja, essa previsão legal não pegou. Por
enquanto a sua aplicabilidade tem sido apenas para exigência em
concursos. Certo.
e) Perfeito, essa opção apresenta a determinação legal acerca da
avaliação dos elementos patrimoniais prevista na Lei nº. 4.320/1964.
Observe as regras da norma citada:
A avaliação dos elementos patrimoniais obedecerá as seguintes normas:
◊ Os débitos e créditos, bem como os títulos de renda, pelo seu valor
nominal, feita a conversão, quando em moeda estrangeira, à taxa de
câmbio vigente na data do balanço;

www.pontodosconcursos.com.br 56
J O E L M A I R I S S O U Z A D A S I L V A , C P F : 0 4 7 5 3 4 1 3 7 6 4

CURSO ON-LINE – CONTABILIDADE PÚBLICA – SUSEP


PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO
◊ Os bens móveis e imóveis, pelo valor de aquisição ou pelo custo de
produção ou de construção;
◊ Os bens de almoxarifado, pelo preço médio ponderado das compras.
◊ Os valores em espécie, assim como os débitos e créditos, quando em
moeda estrangeira, deverão figurar ao lado das correspondentes
importâncias em moeda nacional. Esse comando informa que quando
houver valores em moeda estrangeira, geralmente dívidas, deverão figurar,
logo abaixo desse valor, o correspondente em moeda nacional.
Certo.

18. (ESAF ACE – TCU/2006) De acordo com o que dispõe o art. 35 da


Lei n. 4.320/64, conclui-se que o regime contábil adotado pela
Contabilidade Pública em nosso País é
a) misto, sendo de caixa para as receitas e de competência para as
despesas.
b) de competência, para receitas e despesas.
c) misto, sendo de competência para as receitas e de caixa para as
receitas.
d) de caixa, para receitas e despesas.
e) misto, sendo de caixa para as receitas e despesas correntes, e de
competência para as receitas e despesas de capital.

Resolução
Essa questão não apresenta dificuldades. É tipo daquelas que
pouquíssimos candidatos erram.
O regime contábil da contabilidade pública “cai” em quase todos os
concursos, porém, geralmente apresentando as exceções.
Exemplo:
Regime de caixa: Inscrição da dívida ativa. Não existe entrada de
dinheiro em caixa, mas considera-se receita no momento de sua
inscrição.
Regime de competência: Despesa de exercícios anteriores: a despesa
de exercícios anteriores onera o exercício de seu pagamento, porém, foi
gerada em exercícios anteriores.

Exemplo:
Uma despesa de serviço empenhada e não paga em novembro de 2004.
O prestador de serviço realizou o trabalho (liquidou a despesa) no mês
de dezembro e não recebeu pelos serviços prestados.
Essa despesa foi inscrita em restos a pagar processados (despesa
liquidada) em 31/12/2004. Permaneceu todo o exercício de 2005
inscrita em restos a pagar e foi cancelada em 31/12/2005.

www.pontodosconcursos.com.br 57
J O E L M A I R I S S O U Z A D A S I L V A , C P F : 0 4 7 5 3 4 1 3 7 6 4

CURSO ON-LINE – CONTABILIDADE PÚBLICA – SUSEP


PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO
Em 2006 o credor reclamou seu direito que foi reconhecido pela
administração pública e pago à conta de despesas de exercícios
anteriores.
Você concorda que essa despesa deveria onerar o exercício de 2004 e
não o de 2006? Pois bem, na CP é assim que funciona! Outro exemplo
são as “despesas pagas antecipadamente”.
Opção A.

19. (CESPE – ACE/TCU – 2008) No caso de bens móveis produzidos ou


de imóveis construídos diretamente pelo ente público, os valores que
devem ser incorporados ao patrimônio e que devem figurar no balanço
patrimonial são aqueles pelos quais esses mesmos bens poderiam ser
adquiridos no mercado.

Resolução
Bens produzidos ou construídos devem ser contabilizados pelo seu custo
de produção ou construção.
Lei 4.320/64:
Art. 106. A avaliação dos elementos patrimoniais obedecerá as normas
seguintes:
I - os débitos e créditos, bem como os títulos de renda, pelo seu valor
nominal, feita a conversão, quando em moeda estrangeira, à taxa de câmbio
vigente na data do balanço;
II - os bens móveis e imóveis, pelo valor de aquisição ou pelo custo de
produção ou de construção;
III - os bens de almoxarifado, pelo preço médio ponderado das compras.
§ 1° Os valores em espécie, assim como os débitos e créditos, quando
em moeda estrangeira, deverão figurar ao lado das correspondentes
importâncias em moeda nacional.
§ 2º As variações resultantes da conversão dos débitos, créditos e
valores em espécie serão levadas à conta patrimonial.
§ 3º Poderão ser feitas reavaliações dos bens móveis e imóveis.
ERRADO.

20. (ESAF - Analista Contábil-Financeiro - SEFAZ - CE – 2006) Assinale


a opção correta em relação à dívida ativa da Fazenda Pública constituída
na forma prevista no art. 39 da Lei n. 4.320/64 e Portaria STN n.
564/2004.
a) É contabilizada como receita orçamentária no ato da inscrição.
b) A inscrição deve ser realizada na unidade detentora do crédito.
c) A inscrição atinge somente o principal do crédito, ficando os encargos
e demais acréscimos dispensados de registro.

www.pontodosconcursos.com.br 58
J O E L M A I R I S S O U Z A D A S I L V A , C P F : 0 4 7 5 3 4 1 3 7 6 4

CURSO ON-LINE – CONTABILIDADE PÚBLICA – SUSEP


PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO
d) No recolhimento, é uma receita não-efetiva e não afeta a situação
patrimonial líquida do ente público.
e) A contabilização do cancelamento é fato contábil permutativo.

Resolução
a) A dívida ativa no ato de sua inscrição é um ato administrativo extra-
orçamentário. Errado.
b) A inscrição da dívida ativa deve ser realizada pela Procuradoria Geral
da Fazenda Nacional – PFN. Errada.
c) A inscrição atinge tanto o principal do crédito quanto os encargos e
demais acréscimos. Errado.
d) Perfeito! No recolhimento de receita inscrita na dívida ativa classifica-
se uma receita não-efetiva e não afeta a situação patrimonial líquida do
ente público. Não afeta porque o fato contábil é permutativo, troca-se
um crédito a receber pela entrada de recursos em caixa. Certo.
e) A contabilização do cancelamento é fato contábil modificativo. Errado.

21. (ESAF – ACE/TCU – 2006) De acordo com o que dispõe o art. 35 da


Lei n. 4.320/64, conclui-se que o regime contábil adotado pela
Contabilidade Pública em nosso País é
a) misto, sendo de caixa para as receitas e de competência para as
despesas.
b) de competência, para receitas e despesas.
c) misto, sendo de competência para as receitas e de caixa para as
receitas.
d) de caixa, para receitas e despesas.
e) misto, sendo de caixa para as receitas e despesas correntes, e de
competência para as receitas e despesas de capital.

Resolução
Conforme dissertamos em nosso estudo, até 2008 havia entendimento
da Esaf de que o regime contábil adotado pela Contabilidade Pública em
nosso País era o misto, caixa para as receitas e de competência para as
despesas.
Opção A.

22. (CESPE – ACE/TCU – 2008) No caso de bens móveis produzidos ou


de imóveis construídos diretamente pelo ente público, os valores que
devem ser incorporados ao patrimônio e que devem figurar no balanço
patrimonial são aqueles pelos quais esses mesmos bens poderiam ser
adquiridos no mercado.

Resolução

www.pontodosconcursos.com.br 59
J O E L M A I R I S S O U Z A D A S I L V A , C P F : 0 4 7 5 3 4 1 3 7 6 4

CURSO ON-LINE – CONTABILIDADE PÚBLICA – SUSEP


PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO
Bens produzidos ou construídos devem ser contabilizados pelo seu custo
de produção ou construção.
Lei 4.320/64:
Art. 106. A avaliação dos elementos patrimoniais obedecerá as normas
seguintes:
I - os débitos e créditos, bem como os títulos de renda, pelo seu
valor nominal, feita a conversão, quando em moeda estrangeira, à taxa
de câmbio vigente na data do balanço;
II - os bens móveis e imóveis, pelo valor de aquisição ou pelo
custo de produção ou de construção;
III - os bens de almoxarifado, pelo preço médio ponderado das
compras.
§ 1° Os valores em espécie, assim como os débitos e créditos,
quando em moeda estrangeira, deverão figurar ao lado das
correspondentes importâncias em moeda nacional.
§ 2º As variações resultantes da conversão dos débitos, créditos e
valores em espécie serão levadas à conta patrimonial.
§ 3º Poderão ser feitas reavaliações dos bens móveis e imóveis.
ERRADO.

23. (ESAF – Analista – Ciências Contábeis/ANA – 2009) Tendo como


base a regulamentação da Lei n. 4.320/64 sobre a contabilidade
orçamentária, financeira, patrimonial e industrial, é correto afirmar:
a) os serviços públicos industriais manterão contabilidade especial para
determinação dos custos, mesmo que não sejam organizados na forma
de empresa ou autarquia.
b) o levantamento geral dos bens móveis e imóveis terá por base o
inventário sintético de cada unidade administrativa e os elementos da
escrituração analítica na contabilidade.
c) os débitos e créditos de natureza financeira não relacionados com a
execução orçamentária não serão objeto de registro contábil.
d) a contabilidade orçamentária manterá registros necessários à
evidenciação das disponibilidades orçamentárias, dispensando-se desse
registro os créditos destinados às transferências.
e) os bens móveis e imóveis serão registrados pela contabilidade de
forma analítica de modo a evidenciar as características de cada um e
seus respectivos responsáveis.

Resolução
a) Lei 4.320/64:

www.pontodosconcursos.com.br 60
J O E L M A I R I S S O U Z A D A S I L V A , C P F : 0 4 7 5 3 4 1 3 7 6 4

CURSO ON-LINE – CONTABILIDADE PÚBLICA – SUSEP


PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO

Art. 99. Os serviços públicos industriais, ainda que não organizados


como empresa pública ou autárquica, manterão contabilidade especial
para determinação dos custos, ingressos e resultados, sem prejuízo da
escrituração patrimonial e financeiro comum.
CERTO.
b) Exatamente o inverso: inventário analítico; escrituração sintética.
Lei 4.320/64:
Art. 96. O levantamento geral dos bens móveis e imóveis terá por base
o inventário analítico de cada unidade administrativa e os elementos da
escrituração sintética na contabilidade.
ERRADO.
c) Todos os débitos e créditos de natureza financeira serão objeto de
registro contábil, mesmo que não relacionados com a execução
orçamentária.
Lei 4.320/64:
Art. 93. Todas as operações de que resultem débitos e créditos de
natureza financeira, não compreendidas na execução orçamentária,
serão também objeto de registro, individuação e controle contábil.
ERRADO.
d) Não há exceção de registro para os créditos destinados às
transferências. ERRADO.
e) Os bens móveis e imóveis serão escriturados pela contabilidade de
forma sintética, sendo o controle analítico efetuado em registros
paralelos.
Lei 4.320/64:
Art. 94. Haverá registros analíticos de todos os bens de caráter
permanente, com indicação dos elementos necessários para a perfeita
caracterização de cada um deles e dos agentes responsáveis pela sua
guarda e administração.
Art. 95 A contabilidade manterá registros sintéticos dos bens móveis e
imóveis.
ERRADO.
Portanto, letra A.

24. (ESAF – AFC/CGU – 2008) Ao longo do exercício financeiro, pode


ocorrer a necessidade de abertura de créditos adicionais para cobrir
despesas não-computadas ou insuficientemente dotadas. Com base na
legislação vigente, relativa a esse assunto, identifique a opção incorreta.

www.pontodosconcursos.com.br 61
J O E L M A I R I S S O U Z A D A S I L V A , C P F : 0 4 7 5 3 4 1 3 7 6 4

CURSO ON-LINE – CONTABILIDADE PÚBLICA – SUSEP


PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO
a) A abertura dos créditos suplementares e especiais depende da
existência de recursos disponíveis para atender à despesa e será
precedida de exposição justificada.
b) Terão vigência até o final do exercício financeiro os créditos
extraordinários cujo ato de autorização tenha sido promulgado nos
primeiros 4 (quatro) meses do exercício financeiro.
c) Somente será admitida a abertura de crédito extraordinário para
atender a despesas imprevisíveis e urgentes, como as decorrentes de
guerra, comoção interna ou calamidade pública, observado o disposto
na Constituição Federal.
d) A vigência dos créditos especiais não pode ultrapassar o exercício
financeiro em que foram autorizados, em respeito ao princípio
orçamentário da anualidade.
e) Para fins de abertura de créditos suplementares e especiais,
consideram-se recursos disponíveis os provenientes do excesso de
arrecadação, ou seja, do saldo positivo das diferenças, acumuladas mês
a mês, entre a arrecadação prevista e a realizada, considerando-se,
ainda, a tendência do exercício.

Resolução
Observe que a questão pede a resposta ERRADA.
Lei 4.320/64:
Art. 40. São créditos adicionais, as autorizações de despesa não computadas
ou insuficientemente dotadas na Lei de Orçamento.
Art. 41. Os créditos adicionais classificam-se em:
I - suplementares, os destinados a reforço de dotação orçamentária;
II - especiais, os destinados a despesas para as quais não haja dotação
orçamentária específica;
III - extraordinários, os destinados a despesas urgentes e imprevistas, em
caso de guerra, comoção intestina ou calamidade pública.
Art. 42. Os créditos suplementares e especiais serão autorizados por lei e
abertos por decreto executivo.
Art. 43. A abertura dos créditos suplementares e especiais depende da
existência de recursos disponíveis para ocorrer a despesa e será precedida de
exposição justificativa.
§ 1º Consideram-se recursos para o fim deste artigo, desde que não
comprometidos:
I - o superávit financeiro apurado em balanço patrimonial do exercício
anterior;
II - os provenientes de excesso de arrecadação;
III - os resultantes de anulação parcial ou total de dotações orçamentárias ou

www.pontodosconcursos.com.br 62
J O E L M A I R I S S O U Z A D A S I L V A , C P F : 0 4 7 5 3 4 1 3 7 6 4

CURSO ON-LINE – CONTABILIDADE PÚBLICA – SUSEP


PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO
de créditos adicionais, autorizados em Lei;
IV - o produto de operações de credito autorizadas, em forma que
juridicamente possibilite ao poder executivo realizá-las.
§ 2º Entende-se por superávit financeiro a diferença positiva entre o ativo
financeiro e o passivo financeiro, conjugando-se, ainda, os saldos dos créditos
adicionais transferidos e as operações de credito a eles vinculadas.
§ 3º Entende-se por excesso de arrecadação, para os fins deste artigo, o saldo
positivo das diferenças acumuladas mês a mês entre a arrecadação prevista e
a realizada, considerando-se, ainda, a tendência do exercício.
§ 4° Para o fim de apurar os recursos utilizáveis, provenientes de excesso de
arrecadação, deduzir-se-á a importância dos créditos extraordinários abertos
no exercício.

CF:
Art. 167. São vedados:
(...)
V - a abertura de crédito suplementar ou especial sem prévia autorização
legislativa e sem indicação dos recursos correspondentes;
(...)
§ 2º - Os créditos especiais e extraordinários terão vigência no exercício
financeiro em que forem autorizados, salvo se o ato de autorização for
promulgado nos últimos quatro meses daquele exercício, caso em que,
reabertos nos limites de seus saldos, serão incorporados ao orçamento do
exercício financeiro subseqüente.
§ 3º - A abertura de crédito extraordinário somente será admitida para
atender a despesas imprevisíveis e urgentes, como as decorrentes de guerra,
comoção interna ou calamidade pública, observado o disposto no art. 62.

a) Perfeito! Art.43 da lei 4.320/64. CERTO.


b) Caso os créditos extraordinários sejam abertos nos quatro primeiros
meses do exercício, eles seguem a regra, ou seja, possuem validade
apenas até o final ano. CERTO.
c) Art. 167, § 3º da CF. O que a questão afirma sobre “observado o
disposto na Constituição Federal” são as regras do art.62 da CF, que
tratam sobre medida provisória. CERTO.
d) Existe exceção prevista no §2º, art. 167 da CF, caso os créditos
especiais sejam autorizados nos últimos quatro meses do exercício
financeiro. ERRADO.
e) Art. 43 da lei 4.320/64, inciso II e § 3º. CERTO.
Portanto, a afirmativa ERRADA é a letra D.

www.pontodosconcursos.com.br 63
J O E L M A I R I S S O U Z A D A S I L V A , C P F : 0 4 7 5 3 4 1 3 7 6 4

CURSO ON-LINE – CONTABILIDADE PÚBLICA – SUSEP


PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO
LISTA DAS QUESTÕES COMENTADAS NESTA AULA

1. (ESAF – Analista de Planejamento e Orçamento – MPOG –2005) A


respeito dos conceitos, objeto, regime e práticas contábeis adotadas no
âmbito federal é correto afirmar, exceto:
a) as autarquias federais integrantes do Orçamento Geral da União -
OGU estão submetidas às regras de contabilidade pública.
b) os regimes contábeis adotados são o de competência para a despesa
e de caixa para a receita, ocorrendo exceções para os dois casos.
c) os avais concedidos pelo Tesouro Nacional constituem objeto de
registro pela contabilidade.
d) os fatos contábeis permutativos não são reconhecidos como tais pela
contabilidade aplicada às entidades públicas.
e) os três estágios de realização da despesa (empenho, liquidação e
pagamento) são objeto de registro contábil.

2. (CESPE – TRE/PA – Analista Judiciário – Contabilidade 2005) A


contabilidade aplicada à administração pública, como um segmento da
ciência contábil, apresenta características especiais.
Acerca desse assunto, assinale a opção correta.
(A) No setor público, a contabilidade prioriza o orçamento e as finanças
em relação ao balanço patrimonial.
(B) Entre os objetos da contabilidade na área pública, estão os bens
públicos de uso geral e indiscriminado.
(C) A contabilidade pública utiliza regime de competência para o registro
da receita orçamentária.
(D) A contabilidade pública não tem entre suas finalidades a
determinação dos custos dos serviços para evidenciar os resultados da
gestão.
(E) O campo de aplicação da contabilidade pública está restrito aos
órgãos da administração direta nos três níveis de governo.

3. (CESGRANRIO– Contador/DETRAN/AC – 2009) Uma das


características dos bens de uso comum é que eles
(A) estão incluídos no patrimônio da instituição.
(B) são inventariados e avaliados.
(C) são contabilizados.
(D) são impenhoráveis e imprescritíveis.
(E) podem ser alienados na forma que a lei estabelecer.

4. (CESPE – TRT/16.ª Região - Contabilidade - 2005) O reconhecimento


contábil, no resultado patrimonial, da receita não arrecadada, por
inadimplência do contribuinte, só é efetuado quando o poder público
inscreve o devedor em dívida ativa.

www.pontodosconcursos.com.br 64
J O E L M A I R I S S O U Z A D A S I L V A , C P F : 0 4 7 5 3 4 1 3 7 6 4

CURSO ON-LINE – CONTABILIDADE PÚBLICA – SUSEP


PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO

5. (CESPE – TRE/PA - 2007) Os tipos de entes a que se aplica a


contabilidade pública incluem
A) organizações da sociedade civil de interesse público.
B) empresas públicas dependentes.
C) sociedades de economia mista.
D) associações beneficentes que tenham contratos com o poder público.
E) fundações privadas de utilidade pública.

6. (CESPE – TCE/AC - Ciências Contábeis – 2006) Os bens móveis e


imóveis serão contabilizados pelo valor de aquisição ou pelo custo de
produção ou construção; já os bens de almoxarifado serão
contabilizados pelo preço médio ponderado das compras.

A contabilidade pública no Brasil

7. (CESPE – TCEES - 2004) evidencia para a fazenda pública a situação


de todos que efetuam despesas, arrecadam receitas ou guardam bens
públicos de uso restrito, específico e não-generalizado.

8. (CESPE – TCEES - 2004) tem como um de seus objetos o orçamento


público, considerado como a peça autorizativa para a arrecadação de
receitas e a realização de despesas.

9. (CESPE – TJDFT/Analista - Contabilidade – 2008) Os bens de


almoxarifado serão avaliados pelo método UEPS (último que entra
primeiro que sai), a fim de se subsidiar a elaboração do orçamento com
valores mais próximos da realidade.

10. (ESAF – AFC/CGU – 2006) Em relação aos registros contábeis, a


transferência de um bem móvel entre unidades gestoras do mesmo
órgão provoca
a) interferência ativa extra-orçamentária na unidade destinatária do
bem.
b) mutação ativa na unidade destinatária e mutação passiva na unidade
transferidora.
c) acréscimo patrimonial na unidade destinatária e decréscimo
patrimonial na unidade transferidora.
d) despesa orçamentária na unidade transferidora e receita
orçamentária na receptora.
e) não é necessário realizar lançamentos contábeis uma vez que as
unidades gestoras pertencem ao mesmo órgão.

www.pontodosconcursos.com.br 65
J O E L M A I R I S S O U Z A D A S I L V A , C P F : 0 4 7 5 3 4 1 3 7 6 4

CURSO ON-LINE – CONTABILIDADE PÚBLICA – SUSEP


PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO
11. (ESAF – Administrador/ENAP – 2007) Indique a opção em que a
operação não é objeto da contabilidade pública, segundo as práticas
adotadas no âmbito federal.
a) O lançamento de tributos.
b) A consignação de créditos por intermédio da Lei Orçamentária Anual
– LOA.
c) A emissão de Nota de Empenho.
d) A baixa de bem patrimonial por ter se tornado obsoleto.
e) A transferência de créditos orçamentários entre órgãos.

12. (ESAF – Auditor TCE – GO 2007) Considerando o regime contábil, o


campo de aplicação, o objeto e outros aspectos gerais da Contabilidade
Pública no Brasil, identifique a opção incorreta.
a) Os balanços orçamentário, financeiro e patrimonial e a demonstração
das variações patrimoniais são demonstrativos previstos na Lei n.
4.320/1964 que sofrem impacto das operações decorrentes da execução
orçamentária, independentemente da natureza econômica da receita e
da despesa.
b) Considerando que o empenho da despesa cria para o Estado
obrigação de pagamento, pendente ou não de implemento de condição,
o registro contábil da emissão de empenho afetará o sistema
orçamentário e o financeiro, pois a despesa pública deve ser
reconhecida sob a ótica de competência.
c) A contabilidade será organizada de modo a permitir o
acompanhamento da execução orçamentária, o conhecimento da
composição patrimonial, a determinação dos custos dos serviços
industriais, o levantamento dos balanços gerais, a análise e a
interpretação dos resultados econômicos e financeiros.
d) Segundo a Lei n. 4.320/1964, as previsões para depreciação serão
computadas para efeito de apuração do saldo líquido das empresas com
autonomia financeira e administrativa cujo capital pertença
integralmente ao poder público.
e) No que se refere à avaliação dos elementos patrimoniais, a Lei n.
4.320/64 estabelece que os débitos e créditos, bem como os títulos de
renda, serão avaliados pelo seu valor nominal, e convertidos, quando
em moeda estrangeira, à taxa de câmbio vigente na data do balanço.

13. (ESAF – Contador Ministério do Planejamento/ENAP – 2006) O


Sistema de Contabilidade Federal não tem como objetivo evidenciar
a) os créditos adicionais aos orçamentos vigentes da União.
b) os custos dos programas e das unidades da Administração Pública
Federal.
c) a aplicação dos recursos da União pelas unidades da Federação
beneficiadas.

www.pontodosconcursos.com.br 66
J O E L M A I R I S S O U Z A D A S I L V A , C P F : 0 4 7 5 3 4 1 3 7 6 4

CURSO ON-LINE – CONTABILIDADE PÚBLICA – SUSEP


PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO
d) a renúncia de receitas de órgãos e entidades federais.
e) as receitas obtidas pelas unidades da Federação e os recursos
aplicados.

14. (CESPE – DOCAS/PA – Contador – 2006) Considere a existência dos


seguintes saldos contábeis, em reais, de um ente, ao final do exercício:
receita arrecadada: R$ 170.000,00
despesa autorizada: R$ 150.000,00
despesa empenhada: R$ 125.000,00
despesa paga: R$ 110.000,00
despesa liquidada: R$ 115.000,00
Com base nesses dados, conclui-se que, segundo os critérios adotados
pela Lei n.º 4.320/1964 e pela Secretaria do Tesouro Nacional (STN), o
resultado da execução orçamentária foi igual a R$ 20.000,00 e R$
60.000,00, respectivamente.

15. (ESAF – AFC/CGU – 2006) Um dos resultados da aplicação do


princípio contábil da entidade no setor público é a possibilidade de se
delimitar com precisão o patrimônio de um determinado ente público.
Assinale a opção em que o ente não é uma entidade contábil segundo as
regras praticadas na contabilidade federal.
a) Programa de governo.
b) Unidade gestora/Gestão.
c) Órgão.
d) Gestão, embora o seu uso esteja em extinção.
e) União.

16. (ESAF – APO/MPOG – 2008) Assinale a afirmação correta referente à


contabilização da fixação da despesa orçamentária no âmbito federal.
a) O registro contábil ocorre somente no início e fim do exercício.
b) No Passivo Compensado, são demonstrados os créditos iniciais
consignados em lei.
c) Créditos extraordinários, em razão da sua excepcionalidade, não são
registrados na abertura.
d) Os saldos de créditos disponíveis são demonstrados em contas do
passivo.
e) No ativo, a despesa fixada é registrada pelo seu valor líquido
(deduzidos os créditos contidos e contingenciados).

17. (ESAF – Auditor TCE – GO 2007) Considerando o regime contábil, o


campo de aplicação, o objeto e outros aspectos gerais da Contabilidade
Pública no Brasil, identifique a opção incorreta.
a) Os balanços orçamentário, financeiro e patrimonial e a demonstração
das variações patrimoniais são demonstrativos previstos na Lei n.

www.pontodosconcursos.com.br 67
J O E L M A I R I S S O U Z A D A S I L V A , C P F : 0 4 7 5 3 4 1 3 7 6 4

CURSO ON-LINE – CONTABILIDADE PÚBLICA – SUSEP


PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO
4.320/1964 que sofrem impacto das operações decorrentes da execução
orçamentária, independentemente da natureza econômica da receita e
da despesa.
b) Considerando que o empenho da despesa cria para o Estado
obrigação de pagamento, pendente ou não de implemento de condição,
o registro contábil da emissão de empenho afetará o sistema
orçamentário e o financeiro, pois a despesa pública deve ser
reconhecida sob a ótica de competência.
c) A contabilidade será organizada de modo a permitir o
acompanhamento da execução orçamentária, o conhecimento da
composição patrimonial, a determinação dos custos dos serviços
industriais, o levantamento dos balanços gerais, a análise e a
interpretação dos resultados econômicos e financeiros.
d) Segundo a Lei n. 4.320/1964, as previsões para depreciação serão
computadas para efeito de apuração do saldo líquido das empresas com
autonomia financeira e administrativa cujo capital pertença
integralmente ao poder público.
e) No que se refere à avaliação dos elementos patrimoniais, a Lei n.
4.320/64 estabelece que os débitos e créditos, bem como os títulos de
renda, serão avaliados pelo seu valor nominal, e convertidos, quando
em moeda estrangeira, à taxa de câmbio vigente na data do balanço.

18. (ESAF ACE – TCU/2006) De acordo com o que dispõe o art. 35 da


Lei n. 4.320/64, conclui-se que o regime contábil adotado pela
Contabilidade Pública em nosso País é
a) misto, sendo de caixa para as receitas e de competência para as
despesas.
b) de competência, para receitas e despesas.
c) misto, sendo de competência para as receitas e de caixa para as
receitas.
d) de caixa, para receitas e despesas.
e) misto, sendo de caixa para as receitas e despesas correntes, e de
competência para as receitas e despesas de capital.

19. (CESPE – ACE/TCU – 2008) No caso de bens móveis produzidos ou


de imóveis construídos diretamente pelo ente público, os valores que
devem ser incorporados ao patrimônio e que devem figurar no balanço
patrimonial são aqueles pelos quais esses mesmos bens poderiam ser
adquiridos no mercado.

20. (ESAF - Analista Contábil-Financeiro - SEFAZ - CE – 2006) Assinale


a opção correta em relação à dívida ativa da Fazenda Pública constituída
na forma prevista no art. 39 da Lei n. 4.320/64 e Portaria STN n.
564/2004.

www.pontodosconcursos.com.br 68
J O E L M A I R I S S O U Z A D A S I L V A , C P F : 0 4 7 5 3 4 1 3 7 6 4

CURSO ON-LINE – CONTABILIDADE PÚBLICA – SUSEP


PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO
a) É contabilizada como receita orçamentária no ato da inscrição.
b) A inscrição deve ser realizada na unidade detentora do crédito.
c) A inscrição atinge somente o principal do crédito, ficando os encargos
e demais acréscimos dispensados de registro.
d) No recolhimento, é uma receita não-efetiva e não afeta a situação
patrimonial líquida do ente público.
e) A contabilização do cancelamento é fato contábil permutativo.

21. (ESAF – ACE/TCU – 2006) De acordo com o que dispõe o art. 35 da


Lei n. 4.320/64, conclui-se que o regime contábil adotado pela
Contabilidade Pública em nosso País é
a) misto, sendo de caixa para as receitas e de competência para as
despesas.
b) de competência, para receitas e despesas.
c) misto, sendo de competência para as receitas e de caixa para as
receitas.
d) de caixa, para receitas e despesas.
e) misto, sendo de caixa para as receitas e despesas correntes, e de
competência para as receitas e despesas de capital.

22. (CESPE – ACE/TCU – 2008) No caso de bens móveis produzidos ou


de imóveis construídos diretamente pelo ente público, os valores que
devem ser incorporados ao patrimônio e que devem figurar no balanço
patrimonial são aqueles pelos quais esses mesmos bens poderiam ser
adquiridos no mercado.

23. (ESAF – Analista – Ciências Contábeis/ANA – 2009) Tendo como


base a regulamentação da Lei n. 4.320/64 sobre a contabilidade
orçamentária, financeira, patrimonial e industrial, é correto afirmar:
a) os serviços públicos industriais manterão contabilidade especial para
determinação dos custos, mesmo que não sejam organizados na forma
de empresa ou autarquia.
b) o levantamento geral dos bens móveis e imóveis terá por base o
inventário sintético de cada unidade administrativa e os elementos da
escrituração analítica na contabilidade.
c) os débitos e créditos de natureza financeira não relacionados com a
execução orçamentária não serão objeto de registro contábil.
d) a contabilidade orçamentária manterá registros necessários à
evidenciação das disponibilidades orçamentárias, dispensando-se desse
registro os créditos destinados às transferências.
e) os bens móveis e imóveis serão registrados pela contabilidade de
forma analítica de modo a evidenciar as características de cada um e
seus respectivos responsáveis.

www.pontodosconcursos.com.br 69
J O E L M A I R I S S O U Z A D A S I L V A , C P F : 0 4 7 5 3 4 1 3 7 6 4

CURSO ON-LINE – CONTABILIDADE PÚBLICA – SUSEP


PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO
24. (ESAF – AFC/CGU – 2008) Ao longo do exercício financeiro, pode
ocorrer a necessidade de abertura de créditos adicionais para cobrir
despesas não-computadas ou insuficientemente dotadas. Com base na
legislação vigente, relativa a esse assunto, identifique a opção incorreta.
a) A abertura dos créditos suplementares e especiais depende da
existência de recursos disponíveis para atender à despesa e será
precedida de exposição justificada.
b) Terão vigência até o final do exercício financeiro os créditos
extraordinários cujo ato de autorização tenha sido promulgado nos
primeiros 4 (quatro) meses do exercício financeiro.
c) Somente será admitida a abertura de crédito extraordinário para
atender a despesas imprevisíveis e urgentes, como as decorrentes de
guerra, comoção interna ou calamidade pública, observado o disposto
na Constituição Federal.
d) A vigência dos créditos especiais não pode ultrapassar o exercício
financeiro em que foram autorizados, em respeito ao princípio
orçamentário da anualidade.
e) Para fins de abertura de créditos suplementares e especiais,
consideram-se recursos disponíveis os provenientes do excesso de
arrecadação, ou seja, do saldo positivo das diferenças, acumuladas mês
a mês, entre a arrecadação prevista e a realizada, considerando-se,
ainda, a tendência do exercício.

GABARITO
1D 2A 3D 4C 5B 6C 7C 8C 9E 10A 11A 12B 13E 14E 15A 16D 17B 18A
19E 20D 21A 22E 23A 24D

Obrigado pela atenção! Fique em paz.

Prof. Deusvaldo Carvalho

www.pontodosconcursos.com.br 70