You are on page 1of 2

A mitologia no inventada racionalmente e no pode ser

entendida racionalmente. Sob a luz da psicologia biolgica, uma


funo do sistema nervoso humano, exatamente homologa aos
estmulos, sinais inatos e aprendidos, que liberam e dirigem as
energias da natureza, das quais nosso crebro apenas a flor mais
fascinante. (CAMPBEEL, 1992, p.47).

Walter Boechat em A Mitopoese da Psique (2008) diz que Jung


enfatizou que cada pessoa deveria descobrir o seu mito pessoal
compreender seu papel no mundo e seu destino, e que atravs do
fascinante universo da mitologia como recursos em arteterapia,
alguns mitos atualizam a histria pessoal, e ao longo do processo
criativo favorecem o processo de individualizao.

O psiclogo suo Carl Jung (1875-1961), responsvel pela


mudana de percepo no que diz respeito a mitologia, considerava
o mito uma expresso do inconsciente coletivo. Acreditava que as
qualidades psicolgicas inatas so comuns a todos os seres
humanos, determinando o modo de viver das pessoas composto de
arqutipos, como o heri, o trapaceiro, o tolo e a mulher sbia,
seriam imagens no inconsciente, que dependendo da jornada de
vida pessoal do individuo, seriam expressos de maneira diferente.
s vezes, apenas um arqutipo dominaria, depois outro, em
diferentes perodos da vida do individuo. Em determinados
momentos, agiriam simultaneamente.

Mitos podem favorecer a maturidade emocional, o resgate da


espontaneidade, da autoconfiana no outro, o respeito pelo prprio
pensar e sentimentos, o retorno da alegria e do bem viver, e da
criatividade.

Integrar a histria de um indivduo ao que o cerca, conect-lo com a


representao arquetpica em seu inconsciente, seria a contribuio
da mitologia como ferramenta para favorecer o emergir de um novo
olhar do individuo sobre si mesmo.

Os mitos relatam passagens cruciais do ser humano e, por isso,


fundamental o seu estudo a e sua utilizao, sendo um instrumento
importante para o trabalho do arteterapeuta.
Reviver atravs de um mito, o que h sculos esta registrado no
inconsciente coletivo seria a possvel contribuio da mitologia para
a arteterapia, e na constante busca conhecer-se, os mitos poderiam
ser ferramenta auxiliar oferecendo respostas para questes
esquecidas, como enterradas pelo prprio paciente, negligenciadas
e sufocadas em seu interior.

Referencia:

SOUZA,S. dos Margareth. Monografia: Mitos, Recurso teraputico


no processo de individualizao em arteterapia, Rio de Janeiro:
POMAR/SPEI, 2013.