You are on page 1of 18

DOENÇAS DA ALFACE

Lactuca sativa

Anotações de aula
Profa. Marli F.S. Papa

Vídeo “Hidroponia: controle de doenças e pragas da alface”

1. Quais as medidas que podem ser adotadas preventivamente para o


controle das doenças da alface?

• 2. Quais as doenças fúngicas que afetam a parte aérea?

• 3. Quais as doenças fúngicas que atacam as raízes?

• 4. Quais as doenças bacterianas que incidem sobre a alface?

• 5. Quais os métodos alternativos que podem ser utilizados para o controle


das doenças da alface?

• 6. Quais as doenças causadas por vírus que afetam a alface?

• 7. Como controlar as doenças causadas por vírus?

• 8. Como você explica a importância de ser dada tanta ênfase para o


controle de doenças da alface por meio de medidas preventivas e
alternativas?

PRINCIPAIS DOENÇAS DA ALFACE


Vírus
Fungos
Bactérias
Fatores abióticos

1
1. Doenças causadas por vírus

Mosaico* Vírus do mosaico da Alface

Vira-cabeça Vírus do Vira-cabeça do


Tomateiro

Outros vírus relatados em alface Vírus do Mosaico do Picão,


no Brasil Vírus do Mosaico do Pepino,
Vírus do Mosqueado da Alface

Mosqueado - Lettuce mottle virus


Vírus não relatados no Brasil “Big vein” – Mirafiori lettuce virus

1.1. MOSAICO DA ALFACE

. Distribuído em todo o mundo

. Importância: meses de verão → fator


limitante para a produção de alface

SINTOMAS

. Planta jovem: folhas mais novas →


deformações e
enrolamentos,
mosaico típico

2
. Planta doente: crescimento diferente do
normal

Planta mais velha:


. sintomas de mosaico podem desaparecer
. substituído por bronzeamento uniforme de
todas as folhas

. Var. crespas: + suscetíveis

. sintomas necróticos, com morte parcial


do limbo foliar

ETIOLOGIA

. Lettuce mosaic virus – LMV

. Transmissão: . Semente (pólen ou óvulo)


. vetor → pulgão

. Hospedeiros do LMV: 121 esp.: 17 famílias e 60 gêneros

3
CONTROLE

Dano = f(sementes infectadas e população do vetor)

. Uso de sementes sadias


0,5 % de sementes infectadas = perdas totais

EUA – nível de tolerância = 0/30.000 sementes


Europa = nível de tolerância = 0/200 sementes

. Variedades resistentes

. Variedades com níveis de Tolerância e


Resistência:
. Viruzan . Brasil 48 .Cil

.Madona AG 605 . Jade Imperial-D .Veneza roxa

. Early Giant . Obo . Paris Island Cós

. Brasil 303 . Regina 71 .Carolina AG 576

. Monalisa AG 819 . Empire . Higreen

.Elisa . Floresta . Nacional

. Deisy . Vanessa . Verônica

. Vera

1.2. VIRA-CABEÇA DA ALFACE

4
SINTOMAS

. Planta jovem: folhas mais novas → lesões marrom-


claras, que escurecem com o tempo

. Planta doente: crescimento diferente do normal,


podendo ocorrer em um só lado da planta, com
encarquilhamento e morte de tecidos,
conseqüentemente da planta

. Planta mais velha: bronzeamento uniforme de todas


as folhas e necrose das áreas

ETIOLOGIA

- Tospovirus: 2 esp. Relatadas no Brasil:


. Tomato spotted wild virus (TSWV) - nordeste
. Tomato chlorotic spot virus (TCSV) - SP

- Transmissão: circulativa progpagativa


. vetor → thripes ( Frankliniella sp. e Thrips tabaci)

CONTROLE

. Erradicar plantas viróticas da área


. Evitar plantios de culturas afetadas
. Controle do vetor
. Eliminação de plantas daninhas hospedeiras do vetor
e do vírus
. Mudas sadias

5
2. Doenças causadas por bactérias

Mancha bacteriana * Pseudomonas cichorii

Podridão mole Erwinia carotovora pv.


carotovora

Outras bactérias relatadas Pseudomonas marginalis pv. marginalis,


Xanthomonas campestris pv. vitians,
Pseudomonas viridiflava

2.1. MANCHA BACTERIANA

• Maior incidência: inverno

SINTOMAS

. Folhas:. manchas necróticas irregulares → bordos ou


limbo foliar

. Umidade ↓: lesões delimitadas no tamanho e nas


folhas + velhas

. Umidade ↑: . também nas folhas + novas


. coalescência de inúmeras lesões

. Podridão mole da planta no campo ou durante a


colheita e transporte

6
ETIOLOGIA

. Pseudomonas cichorii

. Penetração

. Disseminação: . sementes contaminadas


. dentro da cultura ???

. Outros hospedeiros: . cucurbitáceas


. solanáceas
. liliáceas
. leguminosas

7
CONTROLE
. Não existem medidas específicas de controle
→ medidas de caráter geral :
. Bom preparo do solo
. Tratamento de semente
. Plantio em solo não contaminado
. Eliminação de fonte de inóculo
. Controle da água de irrigação

Podridão mole

Podridão mole

8
3. Doenças causadas por fungos

“Damping-off” Rhizoctonia solani, Pythium spp.

Podridão de esclerotinia Sclerotinia sclerotiorum

Queima da saia Rhizoctonia solani

Podridão da base das folhas Sclerotium rolfsii

Septoriose Septoria lactucae

Manchas de folhas Alternaria sonchi, Cercospora sp.


Míldio Bremia lactucae
Murchadeira ou podridão negra das Thielaviopsis basicola
raízes

3.1. PODRIDÃO DE ESCLEROTINIA

. doença comum

. quando ocorre → prejuízos totais

. fungo polífago

SINTOMAS

. Sementeira: “damping-off”

. Como identificá-lo no campo????

. Consequências ??????

9
Plantas adultas no campo ou durante a
colheita e transporte: podridão mole

. Presença de micélio superficial branco e


escleródios

ETIOLOGIA

. Sclerotinia sclerotiorum

. Disseminação:
. escleródios → movimento de solo
. ascosporos → vento

. Sobrevivência: solo

→ 0 a 28°°C e U↑
. Cond. Fav.: . T→ ↑

10
CONTROLE

. Destruição de restos de cultura

. Aração profunda

. Preparo do solo com antecedência

. Inundação do solo

. Fumigação do solo

. Pulverização:
. iprodione . vinclozolin

. Tratamento do solo: . quintozene

3.2. QUEIMA DA SAIA

. manifesta-se em plantas adultas

SINTOMAS
Folhas + velhas: . lesões necróticas no pecíolo
e nervuras, destruindo-os
. necrose do limbo foliar e seca das folhas

Sob cond. fav. :


. afeta sucessivamente todas as folhas
. presença de escleródios do fungo

11
ETIOLOGIA

. Rhizoctonia solani

. Sobrevivência: . micélio em restos de cultura


. escleródios

. Disseminação:
. solo .mudas
. água de superfície . vento

. Muitas plantas hospedeiras

. Cond. fav.: . U do solo ↑


. Temperatura: 15 a 25 °C

CONTROLE

. Tratamento de solo

. Tratamento das covas com PCNB

3.3. SEPTORIOSE

. Bastante disseminada

. Manchas de folhas → perda do valor


comercial das plantas doentes

.Importante → produção de sementes


(contaminação)

12
SINTOMAS
.Folhas: . no geral → folhas mais velhas

. manchas necróticas, de tamanho e forma irregulares

. centro da lesão escuro,


oliváceo a preto →
parte central → picnídios

. tecido necrosado das


lesões pode romper e cair

. muitas manchas →
crestamento e perda
das folhas →
morte da pl.

ETIOLOGIA

. Septoria lactucae

. Disseminação:

. semente
. água de chuva

CONTROLE

. Ausência de variedades resistentes

. Utilização de sementes sadias

. Rotação de culturas

. Pulverização com fungicidas: ditiocarbamatos

13
3.4. CERCOSPORIOSE ou Mancha de cercospora

. Manchas de folhas → perda do valor comercial

. Ocorrência principalmente em cultivo protegido

• SINTOMAS

.Folhas:
. ataque ocorre a partir das folhas + velhas
. pode ocorrer em qualquer estádio da planta
. manchas necróticas, forma de circular a irregular
. centro da lesão de cor claro a acinzentado

. ataques severos ocorre o coalescimento das lesões,


provocando queimas das folhas

. da septoriose por apresentar bordas melhor


definidas

ETIOLOGIA

. Cercospora longíssima e Cercospora sp.

. Disseminação: . semente
. água de chuva
. vento

. Cond. Fav.:. Alta umidade e temperaturas


amenas

14
CONTROLE

. Retirada e Destruição de plantas doentes da


área

. Utilização de sementes sadias

. Rotação de culturas

. Pulverização com fungicidas a base de cobre


e maneb

3.5 MÍLDIO

. Importante em condições de alta umidade e


temperatura baixa ou amena

. Fungo muito sensível ao calor e baixa umidade do ar


(influencia na esporulação, germinação e penetração
do fungo via estômato)

. Na ausência de filme de água não há formação de


esporângios e zoósporos dentro destes

SINTOMAS
.Folhas: . áreas cloróticas de tamanho variável
mais tarde necróticas de cor parda

15
. na superfície inferior frutificação de aspecto
branco esporângios e esporangióforos

Míldio – Bremia lactucae

ETIOLOGIA

. Agente causal: Bremia lactucae

16
CONTROLE

. Plantio em solo bem drenado, evitando áreas de


baixadas, mal ventiladas e úmidas

. Rotação de culturas com plantas de outras famílias

. Eliminação de restos culturais

. Pulverização com fungicidas sistêmicos específicos:


metalaxyl, cymoxanil, ou, preventivamente com
mancozeb ou chlorotalonil

3.6. MURCHADEIRA OU PODRIDÃO


NEGRA DAS RAÍZES

• Doença nova, constatada em 1999 e


que encontra-se em expansão no
estado de S.P

• Agente causal: Thielaviopsis basicola

SINTOMAS
• Manchas escuras nas raízes que, com o avanço
da doença vão se tornando totalmente
apodrecidas.

• Planta pode emitir novas raízes.

• Redução do crescimento da planta.

• Murcha nas horas + quentes do dia.

17
CONTROLE
• Solarização

• Mudas sadias

• Substrato livre do patógeno

• Variedades crespas são + resistentes que


as do tipo lisa e a americana.

Tipburn
Colapso marginal e necrose nas margens da folha

“Tipburn”
• Quando ocorre? Próximo da colheita

• Agente causal: desordem relacionada com Ca

• Fatores que contribuem para a ocorrência:


- Temp. amena - fertilização excessiva
- aumento na intensidade de luz
- outros fatores que fav. crescimento rápido

18