Culture, Thought, and Social Action: an anthropological perspective (1985

)
Stanley Jeyaraja Tambiah
Aluno: Arthur Pires Amaral Disciplina: Ritos e Dramas Sociais Profº: Gabriel O. Alvarez

Biografia
Nascido no Sri Lanka (antigo Ceilão, até 1972) em 16 de janeiro de 1929. Tornou-se antropólogo pela influência do sociólogo Bryce Ryan. Fundador do primeiro departamento de antropologia e sociologia do Ceilão. Após a graduação, tornou-se um assistant lecturer na Universidade do Ceilão. Foi fazer o seu PhD na Universidade Cornell (EUA). Primeiramente, formou-se em Sociologia, sendo a Antropologia e a Psicologia Social disciplinas secundárias.

Em Cornell, Tambiah teve um maior contato com os escritos de Weber, Durkheim, Marx e Pareto. Também, de alguns antropólogos como Mead, Kluckhohn, Radcliffe-Brown e Malinowski. Retornou ao Sri Lanka para fazer trabalho de campo e estudos de parentesco. Posteriormente, foi influenciado por Edmund Leach. Tornou-se antropólogo após compreender a etnografia como um poderoso método de análise social. A partir de 1956, passa a se interessar nos estudos sobre o Budismo. Para isso, realiza trabalho de campo na Tailândia. Primeira obra: Buddhism and the Spirit Cults in NorthEast Thailand (1970).

Mais uma obra a partir do campo na Tailândia: World Conqueror and World Renouncer: a study of Buddhism and polity in Thailand against a historical background (1976). Outras obras:
III) Culture, Thought, and Social Action: An Anthropological Perspective (1985); IV) Sri Lanka: Ethnic Fratricide and the Dismantling of Democracy (1986); V) Magic, Science and Religion and the scope of Rationality (1990); VI) Buddhism Betrayed?: Religion, Politics and Violence in Sri Lanka (1992); VII) Levelling Crowds: Ethnonationalist Conflicts and Collective Violence in South Asia (1996); VIII) Edmund Leach: An Anthropological Life (2002).

4) A Performative Approach to Ritual
Ponto de partida: The Andaman Islanders (1964), de Radcliffe- Brown – Assunto: a dança. A natureza rítmica da dança (mas também de todos os rituais coletivos) resulta em: i) Envolvimento dos integrantes num conjunto, formando um corpo único “que faz, que realiza”; ii) Força coercitiva sobre cada pessoa: todos cedem a essa força rítmica que direciona e regula o movimento do corpo (individual e social) e da mente.

Essa força que constrange para a performance coletiva, provoca, ao mesmo tempo, o prazer da auto-renúncia em cada integrante. Em suma: o Ritmo conduz a Performance. Questionamentos de Radcliffe-Brown: Quais os efeitos produzidos ao se combinarem os diferentes “media” num ritual? Como são feitas tais combinações?

The Problem
Duplo aspecto do ritual como performance: i) Um ritual público se reproduz por repetição de formas invariadas e estereotipadas: fórmulas de entoar os cantos, regras de conduta a serem seguidas, etc. ii) Ao mesmo tempo, nenhuma performance ritual é igual à outra. Tudo depende do modo especializado de quem fará a recitação oral; das características e circunstâncias sociais dos atores envolvidos; sua freqüência, e do interesse e expectativa da audiência (o público).

Em outras palavras, a flexibilidade da performance ritual está relacionada aos significados contextuais em que é realizada. A dança (seu ritmo, sua harmonia e a tensão física exercida sobre os corpos) vai “direto ao ponto”: produz efeitos e amplia faculdades por meio de um chamado direto. Apesar do aspecto variável (ii), certos eventos estruturados por todas as sociedades, e em qualquer época, podem ser reconhecidos – através de sua forma – como rituais.

Identifying Ritual
Não podemos identificar claramente um certo domínio demarcado de eventos ditos rituais. Mas há certas performances e festividades que, pontualmente, se aproximam de um exemplo de rito. Expressões lingüísticas que diferenciam um certa classe de eventos de outros “da vida cotidiana”. Exemplos (ver p. 126): 1) “In the Tai language the prefix pithi, usually translated as ‘ceremony’, demarcates certain events”. 2) “The words [in the English language] ‘ceremony’, ‘service’, ‘convention’, ‘meeting’, and so on mark the events as being of a particular kind”. 3) “The word lila in North India means ‘play’, and as such labels games and dramas. In this context [to describe the religious festivals of Ram Lila], lila means no ‘ordinary’ play, no ‘ordinary’ theater […]”.

Lévi-Strauss – distinção entre: Game => efeito disjuntivo: estabelece a diferença, a desigualdade entre os players (vencedores x perdedores) e Ritual => efeito agregador: provoca o equilíbrio, a união coletiva entre os indivíduos ou grupos envolvidos.

Definição de Ritual (conforme Tambiah):
“Ritual is a culturally constructed system of symbolic communication. It is constituted of patterned and ordered sequences of words and acts, often expressed in multiple media, whose content [conteúdo] and arrangement are characterized in varying degree by formality (conventionality), stereotypy (rigidity), condensation (fusion), and redundancy (repetition). Ritual action in its constitutive features [características] is performative in these three senses: in the Austinian sense of performative, wherein saying something is also doing something as a conventional act; in the quite [completamente] different sense of a staged [encenada] performance that uses multiple media by which the participants experience the event intensively; and in the sense of indexical values – I derive this concept from Peirce – being attached to and inferred by actors during the performance” (p. 128; grifos meus).

The Integration of Cultural Account and Formal Analysis
A eficácia e o caráter performativo da ação ritual se devem à combinação entre sua forma e o seu conteúdo. Crítica de Tambiah aos neo-Tyloristas: ao tomar as cosmologias como meras “crenças” declaradas e anteriores à ação ritual: i) Consideram o rito como derivado dessas crenças e, por isso, secundário; ii) O que leva à desconsideração do seu papel de: transmissor de significados; criação da realidade social, e atualizador da cosmologia no dia-a-dia. Ou seja, ignoram o seu aspecto performativo e criativo.

Definição de cosmologia: “By ‘cosmology’ I mean the body of conceptions that enumerates and classify the phenomena that compose the universe as an ordered whole and the norms and processes that govern it. From my point of view, a society’s principal cosmological notions are all those orienting principles and conceptions that are held to be sacrosanct, are constantly used as yardsticks [“parâmetros”], and are considered worthy [dignos de] of perpetuation relatively unchanged. As such, depending on the conceptions of the society in question, its legal codes, its political conventions, and its social class relations may be as integral to its cosmology as its ‘religious’ beliefs concerning gods and supernaturals” (p. 130). Corolário dessa definição: há pouco sentido na distinção entre “secular” e “religioso”; “sagrado” e “tradicional”; “ritos sagrados” e “ritos cívicos”.

Formality, Conventionality, Stereotypy, and Rigidity
O nexo dinâmico entre a cosmologia e o ritual gera:

1) As formas fixas do ritual; 2) A projeção do tempo presente no tempo mítico ou A consagração do mundo humano presente através do contato com o sagrado.

O comportamento ordinário (“comum”, cotidiano), ao expressar atitudes e sentimentos de forma direta e espontânea, comunica essas informações visando a interação entre as pessoas; Já o comportamento ritual possui uma intencionalidade prévia; é construído para expressar e comunicar através de um intercurso institucionalizado. Caráter distintivo deste último: o ritual provoca o distanciamento psíquico entre as emoções particulares (dos atores) e a moralidade pública => i) padrão emocional e ii) gestos formalizados, não-imediatos. Ritual is not a “free expression of emotions” but a disciplined rehearsal [ensaio] of “right attitudes” (p. 133134; grifos meus).

The Application of Information Theory to Ritual
Preocupação da teoria da informação (conforme a engenharia da comunicação): “[...] transmitting the maximum number of messages through the channel in shortest possible time” (p. 137). Dois conceitos centrais dessa teoria (ver p. 137): Noise: “refers to any interference in a channel that affects the correct reception of signals”; Redundancy: “The use of ‘superfluous’ symbols to make sure that the message will be received correctly”.

Contudo... É preciso ter cuidado ao se aplicar a teoria da informação na análise de rituais, pois um ritual não apenas informa, mas também permite o ordenamento, a integração e a continuidade das relações interpessoais. O que seria a forma do ritual? Segundo Tambiah: “[...] the ordering and the pattern of presentation of the ritual language, physical gestures, and manipulation of substances is the form of the ritual: form is the arrangement of contents” (p. 143).

O ritual como um ato comunicativo: i) É um “espelho” dos cosmológicos e litúrgicos; conceitos e princípios

ii) Ocorre num meio no qual os papéis sociais já estão bem definidos. Disso decorre que, para compreender os eventos rituais como atos performativos (que possuem regras seqüenciais obrigatórias), é preciso: iii) Perceber os atos rituais como uma espécie de “roupagem” das ações sociais, iv) e que estas estão ligadas à cosmologia e às normas de interação social dos atores.

O ritual como um ato performativo é uma atualização dramática “que faz”, “que realiza” por meio de uma comunicação condensada, padronizada, redundante e intensificada (p.ex.: cantos, louvores, dança, música, fórmulas verbais e dádivas materiais). Exemplos do que os ritos realizam: “[...] as the submission of persons to a compelling ‘constraint’ (as Radcliffe-Brown put it), or as their transportation into a supranormal, transcendental, ‘antistructural’, ‘numinous’, or ‘altered’ state of consciousness, or as a euphoric communion with one’s fellows beings, or as subordination to a collective representation” (p. 145).

A Sinhalese Exorcism Rite
“[...] a good example of the employment of multiple media and the devices [dispositivos] of redundancy” (p. 146). “In the southwest low country of Sri Lanka, there is an elaborated set of beliefs and cuts concerning illnesses that are believed to be caused by demons. […] The attack itself takes place because the victim is in a vulnerable situation on account [por conta] of bad karma, planetary influence, or sorcery” (idem). Objetivo: criar uma “outra realidade” demoníaca para que esta se manifeste no mundo humano.

Principais seqüências do rito de exorcismo (ver p .148):
Divination – performed at the be beginning
(1ª. Preliminary silent prayers to Buddha and the gods)
1. Kalu Yakkha (Black Demon) Pideniya (offering) 2. Dapavilla (to lie down and offer body, then rooster [galo], to many demons) 3. Mahasohona Natanava (dance to Mahasohona) 4. Mangra Pela-Paliya (a procession in honor of God Mangra – comic sequence) 5. Mahasohona Pideniya (offering to Mahasohona)

Divination – performed in the middle
6. Dera Hava (reclining on a stretcher, a monk funeral) 7. Sanni Yakkha Pideniya (offering to Disease Demon) 8. Avatara (manifestation or apparition of the Demons – the most dramatic sequence in the rite) 9. Daha-ata Paliya (eighteen-part sequence in which gifts are brought by a messenger of the gods and are given to demons: low comedy) 10. Suniyam Yakkha Pideniya (offering to the Sorcery Demon) 11. Mahasohona Baliya (the effigy of Mahasohona to which illness is transferred)

(11ª. Final prayer)

Múltiplas mídias empregadas durante o ritual (e que comandam a presença dos demônios): mantras; oferendas (de alimentos, flores, corpos humanos e galos); “fireplay”; dança (convulsiva, furiosa e “rodopiante”); louvores e cantos; “insincere/farce praise”; piadas obscenas; gritos e música ao som de tambores. Durante o avatara (8) – clímax ritual – a dança e o “play with fire” são os meios de comunicação dominantes. Superam a própria linguagem. A dança como o veículo, por excelência, de manifestação da força e do poder através do gesto ritual => tensão entre os “performers”.

O rito de exorcismo tem como foco os demônios, mas a sua estrutura estabelecida (as seqüências obrigatórias) se dá conforme as regras hierárquicas do panteão dos deuses. Seqüência repetitiva das oferendas (Pideniya) por meio de todos os gêneros verbais da fala e da canção. Princípio da dádiva: Por meio dos “material gifts” (oferendas) realizado. e dos demais que atos o locucionários exorcismo e ilocucionários, espera-se seja

Ritual Involution
O Ritual como: 1) Ícone: representa a cosmologia “[...] an ontological and experiential constraint that leads to formalization and archaism through the performance of cosmological archetypes” (p. 156). 2) Índice: legitima e consolida hierarquias sociais “[…] a social constraint that allocates to persons in ranked positions and relations of ‘power and solidarity’ a differential access to and participation in a society’s major rites, and a differential enjoyment of their benefits” (idem).

Referências
TAMBIAH, Stanley Jeyara. Culture, Thought, and Social Action: an anthropological perspective. Cambridge: Harvard University Press, 1985. Alan Macfarlane King's College Cambridge history anthropology: <http://www.alanmacfarlane.com>

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful