You are on page 1of 30

DIRETORIA TÉCNICA

PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DA REDE

007/2015

NORMA TÉCNICA
NT-007/2015 R-06

FORNECIMENTO DE ENERGIA
ELÉTRICA PARA ILUMINAÇÃO
PÚBLICA

FOLHA DE CONTROLE

FOLHA DE CONTROLE

O serviço de Iluminação Pública está a cargo das Prefeituras Municipais. cabendo à Coelce fornecer energia elétrica necessária ao abastecimento da iluminação. em cada caso. Código NORMA TÉCNICA NT-007 Página I FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA Revisão PARA ILUMINAÇÃO PÚBLICA 06 Emissão AGO/2015 APRESENTAÇÃO Nesta NT são apresentadas orientações e recomendações aos projetistas e construtores quanto à Elaboração do Projeto. devem obedecer às recomendações desta norma e do Padrão de Estruturas PE-030 Instalações de Iluminação Pública. Execução da Obra. Manutenção e quanto ao uso correto dos equipamentos de iluminação pública. Esta Norma Técnica NT-007/2015 R-06. a fim de que seja adotada. substitui a Norma Técnica NT-007/2012 R-05. Os equipamentos e materiais utilizados nos sistemas de iluminação pública. quando montados nos postes da rede de distribuição da Coelce. Elaboração: Jacinta Maria Mota Sales José Deusimar Ferreira Paula Fracinete Meira de Carvalho Revisão: Francisco Ernaldo da Silva Normas de Distribuição José Mata III Normas de Distribuição Equipe de Consenso: Delfina Maria de Borba Pontes Clientes Governo Ceará Edgney Sarvio Oliveira Holanda Normas de Distribuição Eduardo Gomes de Paula Operações e Qualidade de Fornecimento Hallisson Costa Montenegro Perdas Capital Jennyson Ercy Soares de Oliveira Jurídico Distribuição Ceará José Carlos Alves Filho Novas Ligações Jose Willames Cordeiro de Oliveira Engenharia de Rede MT/BT – CE Juliana Dionisio de Andrade Manutenção MT/BT Fortaleza Marcelo Costa Palácio de Queiroz Operação em Tempo Real Michael Herbert Rocha Andrade Engenharia de Rede MT/BT – CE Paulo Henrique Almeida Cavalcante Operações Comerciais Raquel Santos Gondim Alves Normas de Distribuição Raimundo Tarciso Dias Costa Junior Regulação Apoio: Jayssa Nobre de Moura Normas de Distribuição Matheus Sousa Lucena Normas de Distribuição . a melhor solução técnica e econômica. mediante aplicação da tarifa correspondente.

.................2 CIRCUITOS EXCLUSIVOS DE IP FORA DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DA COELCE............................................................................. EXPANSÃO......................................... 9 11..............................3 LIGAÇÃO DA ILUMINAÇÃO PÚBLICA ............... 5 7 CONSIDERAÇÕES GERAIS ..................................................... 5 6 RESPONSABILIDADE TÉCNICA E FINANCEIRA ..2 PREFEITURAS MUNICIPAIS ...........2 SUSPENSÃO DE PROJETISTAS .................................... 14 14.............................................................. 7 10 ESTRUTURAS E MATERIAIS UTILIZADOS ..... 9 11............................. 6 8 CONSIDERAÇÕES TÉCNICAS ...................................................................................................................................................................... 5 5................................................................................................................................................. 9 11........................................................................................................................................................................................................................................... 5 5......... OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DA ILUMINAÇÃO PÚBLICA ................ 6 7.......................................................................... 13 12... 6 8................................................................................................ 13 14 CODIFICAÇÃO DOS PONTOS DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA ......................2 CONEXÃO DAS LUMINÁRIAS DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA..................................................................3 Considerações Gerais .............................................................................................................................................. 8 10.............................................................................................................................................................................................................................3 SUSPENSÃO E IMPEDIMENTOS DE CONSTRUTOR/RESPONSÁVEL TÉCNICO .......................3 ACORDO OPERATIVO .............. 9 11 PROCEDIMENTOS DE CONTROLE DE QUALIDADE ...... 11 12................................................................... 16 ........................................................................................................................................................................................................................... 6 8................1.................................................................................................................................................................................................... 1 2 REFERÊNCIAS NORMATIVAS............. 2 4 TERMINOLOGIA..................2 CONSTRUÇÃO.......................................................... 10 12 PROJETOS DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA ...........................4 PENALIDADES APLICADAS ................................................................................ 6 7........................................... 14 14............................................................................................................... 6 8..2 CODIFICAÇÃO DA PLACA................................................................................................................... 5 6...........................5 UTILIZAÇÃO DE POSTES DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA COELCE ....... 1 3 CAMPO DE APLICAÇÃO ................................ Código NORMA TÉCNICA NT-007 Página II FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA Revisão PARA ILUMINAÇÃO PÚBLICA 06 Emissão AGO/2015 SUMÁRIO 1 OBJETIVO. 10 12.......................... 13 13 EXECUÇÃO DA OBRA ...1 CIRCUITOS EXCLUSIVOS DE IP NO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DA COELCE ..................................................................................................................................................................................................... 10 12...........................................................................................1 PONTO DE ENTREGA DE ENERGIA .............................................1 NÍVEL DE ILUMINAMENTO .......................... 6 8............................ EXPANSÃO E MANUTENÇÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA ..............................................................................2 TIPOS DE COMANDO APLICADO ..........................................................................................................................................4 VIABILIDADE DO ATENDIMENTO ......................................................................... 14 14.................................................................1 CONEXÃO DO CIRCUITO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA .....1 Para Pontos de IP Situados no Interior do Estado ...................................................................................................................................................................................................1 DISPONIBILIZAÇÃO DE INFORMAÇÃO ..........1 RECOMENDAÇÕES GERAIS .............. 2 5 CONDIÇÕES DE ACESSOS ............................................... 6 7............................... 8 10.........................2 ELABORAÇÃO DO PROJETO ............................................4 CONSTRUÇÃO...... 9 11........................................................................ 15 14.................................... 5 5..... 7 9 MEDIÇÃO E PROTEÇÃO .... 5 6...................1 COELCE .................................................................................................................................................1 MODELOS DE PLACAS PARA CODIFICAÇÃO DE IP ...................................1.3 PROJETOS DE EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA ....................................1......................................................................................................................................................................................... 14 14.................................................2 Para Pontos de IP Situados em Fortaleza ..................3 BALANCEAMENTO DE FASES ........... 6 8.................................................

...................................................SOLICITAÇÃO DE SUBSTITUIÇÃO DE IP SEM PROJETO ..................... 18 14...............................................................3..................................................................................... 18 14........... 18 16 ANEXOS.......................3........................................................................................... 20 ANEXO B – CHECKLIST PARA RECEBIMENTO DE OBRAS DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA ................................................... 18 15 INSPEÇÃO E RECEBIMENTO DA OBRA ........................................................................................................................ 22 ANEXO D ...............................................................................................................................................................................3 PROCEDIMENTOS DE EMPLAQUETAMENTO .................................1 Emplaquetamento em Postes Duplo T ................ 23 DESENHO N°007.....01 – INFRAESTRUTURA BÁSICA DO EMPREENDIMENTO ........................................................... 19 ANEXO A – ÁREA DE FORTALEZA DIVIDIDA EM QUADRÍCULA ......................................... Código NORMA TÉCNICA NT-007 Página III FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA Revisão PARA ILUMINAÇÃO PÚBLICA 06 Emissão AGO/2015 14....... 24 ... 21 ANEXO C – SOLICITAÇÃO DE INSTALAÇÃO DE IP SEM PROJETO ...................2 Emplaquetamento em Postes Circulares ..............................

de 9 de setembro de 2010. 2. NBR IEC 60662. Relé fotoelétrico e tomada para iluminação . Aprimora a Resolução Normativa n° 414/2010 em relação à aprovação de projetos particulares e estabelecimento de cronograma de obras e dá outras providências. NBR 5461. Rede de Distribuição Aérea de Média e Baixa Tensão. CP-004. Abraçadeiras de Nylon. expansão.2 Decisões Técnicas DT-042. Iluminação – Terminologia.4 Documentos Técnicos da Coelce 2. Resolução Normativa ANEEL Nº 479 de 03/04/2012. Código NORMA TÉCNICA NT-007 Página 1/24 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA Revisão PARA ILUMINAÇÃO PÚBLICA 06 Emissão AGO/2015 1 OBJETIVO Estabelecer regras e recomendações para a realização dos serviços de elaboração de projetos. Luminárias . Resolução Normativa ANEEL Nº 587 de 10/12/2013.Parte 1: Requisitos Gerais e Ensaios. Resolução Normativa ANEEL Nº 670 de 14/08/2015. Utilização de Materiais em Linhas e Redes de Distribuição Aéreas de AT. 218 da Resolução Normativa ANEEL nº 414.Especificação e ensaios. Altera o art. Iluminação Pública – Procedimento. Instalações Elétricas de Baixa Tensão – Procedimento. Metodologia de Cálculo do Encargo Financeiro de Responsabilidade da Coelce e do Interessado. NBR 13593. Rede de Distribuição Subterrânea de Média e Baixa Tensão.Especificação e método de ensaio. executadas pelas Prefeituras Municipais. .4.2 Norma Brasileira (ABNT) NBR 5101. 2.1 Resoluções da ANEEL Resolução Normativa ANEEL Nº 414 de 09/09/2010. altera a Resolução Normativa ANEEL N° 414 de 09/09/2010. DT-044.4. Projeto e Construção de Extensão de Rede de Distribuição Aérea de Baixa e Média Tensão Executada por Terceiro. construção. 2. 2. Reator e ignitor para lâmpada a vapor de sódio a alta pressão . DT-128. NBR 5123. ET-761. NBR 15129.3 Especificações Técnicas ET-195. NBR 5410. 2 REFERÊNCIAS NORMATIVAS 2. Redes de distribuição aérea de energia elétrica com condutores nus. Estabelece as condições gerais de fornecimento de energia elétrica de forma atualizada e consolidada. Luminárias para Iluminação Pública – Requisitos Particulares. Lâmpada a Vapor de Sódio a Alta Pressão – Especificação. MT e BT.1 Critérios de Projetos CP-001.4.3 Normas Regulamentadoras Norma Regulamentadora NR-10. 2. NBR 15688. Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade. operação e manutenção das instalações de iluminação pública dos Municípios. Caixa de Medição para Unidades Consumidoras do Grupo B. NBR IEC 60598-1.

4. túneis. inclusive a iluminação de monumentos. Rede Secundária de Distribuição Aérea 380/220V.4 Carga Instalada É a soma das potências nominais de todas as lâmpadas instaladas no circuito de Iluminação Pública.4. caracteriza-se pelo fornecimento de energia elétrica para iluminação de ruas. 2. Rede Primária de Distribuição Aérea de Energia Elétrica Urbana e Rural. PE-035. Manutenção e Operação de Circuitos de Iluminação Pública. Construção. avenidas. fachadas. 3 CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma se aplica aos serviços de projetos. Padrão de Materiais da Coelce. jardins. mediante concessão ou autorização. PE-037.5 Classe de Consumo de Iluminação Pública A classe de consumo de iluminação pública de responsabilidade das Prefeituras Municipais ou por esta delegada. vias.1 Acordo Operativo É o acordo firmado entre a Coelce e a Prefeitura Municipal. 4. Padrão de Estrutura Iluminação Pública. estradas. Código NORMA TÉCNICA NT-007 Página 2/24 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA Revisão PARA ILUMINAÇÃO PÚBLICA 06 Emissão AGO/2015 2. 4 TERMINOLOGIA 4. 2. . abrigos de usuários de transportes coletivos.4. Ampliação.4. praças. cultural ou ambiental. Rede Aérea Compacta. Reforma. ou para realização de atividades que visem a interesses econômicos. fontes luminosas e obras de arte de valor histórico. 4. operação e manutenção das instalações de Iluminação Pública em todos os Municípios da área de concessão da Coelce. Rede Primária De Distribuição Aérea Rural Monofilar. 4. Encargos e Participação Financeira em Obras do Sistema Elétrico da Coelce.PE-036.3 Avanço Distância transversal entre o meio-fio ou acostamento da via e a projeção vertical do centro de luz aparente da luminária. Para uso dos documentos citados devem ser observadas as suas últimas versões ou documentos que os substituam.4 Normas Técnicas NT-009. expansão. localizadas em áreas públicas e definidas por meio de legislação específica. PE-031. passagens subterrâneas. Padrão de Estrutura Especial Rede de Distribuição Área Transversal – DAT. Rede de Distribuição Subterrânea de Média e Baixa Tensão.5 Padrões de Estruturas PE-030. com o acervo pertencente às Prefeituras Municipais. que estabelece regras na execução de serviços exclusivos de Projeto.5 Padrão de Materiais PM-01.2 Altura de Montagem Distância vertical entre a superfície do logradouro público e o centro aparente da fonte de luz ou da luminária. exceto o fornecimento de energia elétrica que tenha por objetivo qualquer forma de propaganda ou publicidade. logradouros de uso comum e livre acesso. construção. passarelas. PE-038. PE-032.

leve. 4. 4.15 Iluminação Pública Especial É a Iluminação Pública Instalada em postes especiais com características fora dos padrões da rede de distribuição estabelecida pela Coelce. 4. ativa e reativa. 4.13 Iluminação Pública . contínua ou eventual.16 Instalações de Iluminação Pública Conjunto de equipamentos utilizados exclusivamente na prestação do serviço de iluminação pública.7 Comando Individual . 4.10 Espaçamento Distância entre sucessivas unidades de iluminação.18 Manutenção São serviços que se caracterizam por manterem o sistema funcionando nas condições normais de serviço.CG Excepcionalmente pode ser utilizado comando em grupo.14 Iluminação Pública Convencional É a Iluminação Pública instalada em postes da rede de distribuição padrão da Coelce.17 Logradouros São considerados locais especiais: as praças. medida paralelamente ao longo da linha longitudinal da via. conforme PE-030. 4. consumidas num mesmo período especificado. Utilizar condutores multiplexados de cobre ou de alumínio de acordo com a DT-042. monumentos.IP Serviço público que tem por objetivo exclusivo iluminar os logradouros públicos. fachadas de prédios históricos. sem alteração no seu projeto inicial. médio e intenso de acordo com o número de pedestres e veículos conforme apresentado no PE-030. jardins. um relé fotoeletrônico energizando ou desenergizando uma ou mais lâmpadas de uma mesma luminária.8 Comando em Grupo .CI Preferencialmente deve ser utilizado comando individual.12 Fator de Uniformidade da Iluminância . de forma periódica.U Razão entre a iluminância mínima e iluminância média em um plano especificado: E MIN (Iluminância Mínima ) U= E MID (Iluminância Média ) 4. etc. parques. Classifica-se também como especial. de igrejas.11 Fator de Potência Razão entre a energia elétrica ativa e a raiz quadrada da soma dos quadrados das energias elétricas. ou seja. . 4.9 Empresa Construtora Empresa que possua como responsável um técnico profissional de engenharia elétrica e que esteja apta a executar circuitos e sistemas de Iluminação Pública. 4. 4. a iluminação pública cujos níveis de iluminância sejam superiores aos estabelecidos no PE-030. 4. como nos centros comerciais com intensa utilização de anúncios luminosos na fachada. Código NORMA TÉCNICA NT-007 Página 3/24 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA Revisão PARA ILUMINAÇÃO PÚBLICA 06 Emissão AGO/2015 4.6 Classificação do Tráfego O tráfego está definido em três grupos. deixando o relé fotoeletrônico fora da área de influência do fluxo luminoso. O circuito de IP deve ser em cabo pré-reunido. 4.

19 Obra de Conexão É o trecho da linha de distribuição urbana ou rural. 4.28 Rede de Distribuição É a parte integrante do sistema elétrico.23 Projetista Legalmente Habilitado São profissionais de engenharia elétrica que estão aptos para projetarem circuitos e sistemas de Iluminação Pública. . 4. velocidade permitida. com destinação exclusiva para este fim.1 Vias Principais São as ruas e avenidas com trânsito intenso de veículos e pedestres e predominância de estabelecimentos comerciais. 4. conforme desenho 007. utilizados para a distribuição de energia elétrica. 4. todas as obras de reforço e suporte necessários para conexão do empreendimento. formada pelo conjunto de estruturas. 4. construído a partir do ponto de conexão com o sistema existente. capacitor e ignitor. iluminando novos logradouros. ampliado ou reformado o circuito de Iluminação Pública.01.29 Vias Interurbanas São rodovias e estradas exclusivas para tráfego de veículos e que requerem uma iluminação específica de acordo com o volume de tráfego. que compõem o sistema de iluminação pública. condutores e equipamentos elétricos aéreos. 4. com indicação do Norte Magnético e pontos de referência que permitam identificar o local onde será construído. 4. largura da via. por razões de segurança.30 Vias Urbanas São aquelas caracterizadas pela existência de construções às suas margens. etc. 4. visando possibilitar o fornecimento de energia elétrica ao empreendimento.Também estão incluídas nas obras de conexão. operando em baixa e média tensão de distribuição. luminárias.25 Projeto de Reforma de Iluminação Pública São projetos que resultem em obras nas instalações existentes.27 Circuito Exclusivo de Iluminação Pública São os condutores de BT. utilidades. estética. e a presença de tráfego motorizado e de pedestres em maior ou menor escala.20 Planta de Situação É um desenho em escala adequada.21 Ponto de Entrega de Energia para Iluminação Pública O ponto de entrega se situará na conexão da rede elétrica da Coelce com as instalações elétricas de iluminação pública. controle. proteção e demais materiais necessários para as obras civis e estruturas de montagem. 4. 4. 4. Código NORMA TÉCNICA NT-007 Página 4/24 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA Revisão PARA ILUMINAÇÃO PÚBLICA 06 Emissão AGO/2015 4.30.24 Projeto de Ampliação de Iluminação Pública Projetos que resultem em obras para crescimento do circuito de IP. com a finalidade exclusiva de melhorar as suas condições físicas. padronização ou eficientização.22 Posto de Transformação Compreende o transformador de distribuição e seus acessórios. tais como os dispositivos de manobra. até o limite do empreendimento. 4.26 Reator com Alto Fator de Potência É constituído de reator. equipamentos e demais acessórios. quantidade de pistas.

na qual não está incluso o serviço de manutenção. quando da transferência do acervo de Iluminação Pública estabelece as condições. postes.3 Acordo Operativo O Acordo Operativo. diretrizes. Neste caso a tarifa aplicada é a do tipo B4a. 5. 4. b) Análise e aprovação de projetos de Iluminação Pública. c) Homologação de relés fotoeletrônicos instalados nas luminárias. 6. para serem analisados pela área Engenharia de Rede MT/BT . celebrado entre a Coelce e as Prefeituras Municipais. em conformidade com as Normas e Padrões vigentes da Coelce e da ABNT. ao Circuito exclusivo de iluminação pública (quando existir) ou à rede de distribuição de baixa tensão da Coelce.30.3 Vias Secundárias São ruas com ou sem calçamento. pode ser realizada pela Prefeitura. formadas por edificações existentes.2 Prefeituras Municipais A Prefeitura é a responsável pelos seguintes itens: a) Manutenção e operação das instalações de iluminação pública de acervo da mesma.4 Vias Terciárias São ruas com trânsito de pedestres e baixíssimo tráfego de veículos. construção das instalações de iluminação pública. b) A energia elétrica consumida pelos equipamentos auxiliares de IP deve ser calculada com base na norma da ABNT ou em ensaios realizados em laboratórios credenciados por órgãos oficiais. sendo a responsabilidade técnica e financeira atribuída à Prefeitura.CE. compactuados entre as partes. 6 RESPONSABILIDADE TÉCNICA E FINANCEIRA 6. 5 CONDIÇÕES DE ACESSOS 5.1 Conexão do Circuito de Iluminação Pública A interligação da Rede de Distribuição de Baixa Tensão da Coelce com o Circuito de Iluminação Pública. deve ser realizada pela Coelce. ponto a ponto. . d) Homologação de materiais que farão parte do acervo em serviço da Coelce: transformadores. atribuições e responsabilidades para a realização dos serviços de elaboração.2 Vias Normais São as ruas e avenidas com trânsito médio de veículos e pedestres e predominância de unidades residenciais. 5. Código NORMA TÉCNICA NT-007 Página 5/24 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA Revisão PARA ILUMINAÇÃO PÚBLICA 06 Emissão AGO/2015 4.3. com trânsito leve de veículos e pedestres. c) Elaboração do projeto para execução dos serviços de iluminação pública. Neste caso. A conexão da interligação deve ser conforme os padrões estabelecidos no PE-030. operação e manutenção. expansão.30.30.2 Conexão das Luminárias de Iluminação Pública A conexão das luminárias. ferragens e conectores. conforme o determinado na NT-007 e os padrões de conexão estabelecidos no PE-030.1 Coelce A Coelce é a responsável pelos seguintes itens: a) Instalação dos equipamentos de medição. devem ser observadas as prescrições contidas no Acordo Operativo descrito no item 5. d) Dar a anuência aos projetos elaborados por empresas contratadas por esta. condutores. sendo na maioria das vezes sem calçamento e com traçado irregular. 4.

2 Tipos de Comando Aplicado Os tipos de comandos que devem ser utilizados dependem das circunstâncias do local e da característica do projeto. conforme Norma Técnica NT-009 e Resolução Normativa ANEEL Nº 414. respeitando-se a queda de tensão máxima admissível.3 Ligação da Iluminação Pública 7. 7.2. f) A instalação do padrão de medição.1 As conexões descritas nos itens 5.2.3. a delegação para prestar tais serviços.2 Nas implantações. expansão e manutenção são de responsabilidade financeira da Prefeitura ou de quem tenha recebido desta. em suas últimas revisões. expansões e manutenções. 8. limitado à área de influência e capacidade de transformador. Expansão e Manutenção de Iluminação Pública 8. deve ser implementado o balanceamento de fases. 8. preferencialmente em avenidas. nesta Norma e nas demais referenciadas no Item 2. 8 CONSIDERAÇÕES TÉCNICAS 8. definida no CP-001. No entanto. fazendo-se a alternância de poste a poste para cada fase. preferencialmente. conforme estabelecido no Acordo Operativo. Nas reformas e ampliações de fase da rede ou dos circuitos de iluminação pública. 7. Expansão. quer sejam de construção. Operação e Manutenção da Iluminação Pública Nos trabalhos de construção e manutenção de Iluminação Pública. a) Comando Individual (CI) . b) Comando em Grupo (CG) . cada circuito de IP deve ficar limitado à área de influência e capacidade do transformador. não se faz necessário a apresentação de projeto.2 Construção. Código NORMA TÉCNICA NT-007 Página 6/24 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA Revisão PARA ILUMINAÇÃO PÚBLICA 06 Emissão AGO/2015 e) Obras de iluminação pública.deve ser utilizado.3. são de responsabilidade da Prefeitura. caixas de medição e dispositivos de proteção para as instalações de iluminação pública.4 Construção.1 Nível de Iluminamento Esta norma segue os níveis médios mínimos de iluminamento recomendados pela NBR 5101. praças e iluminação especial. expansões de luminárias. devidamente preenchido.3. as luminárias devem ser ligadas à rede. nas ruas normais secundárias. somente devem ser efetuadas através de um Ofício da Prefeitura com a solicitação de fornecimento de energia e esteja conforme o projeto aprovado e atenda aos requisitos de segurança. limitando a extensão máxima de cada circuito a 400m a partir do transformador.Anexo C.2 Todas as conexões dos condutores da luminária. g) Cumprir o estabelecido no Acordo Operativo. 8. .1 e 5.4.3 Balanceamento de Fases Para permitir um melhor equilíbrio das fases dos circuitos trifásicos. devem ser observadas as prescrições contidas no Acordo Operativo específico. caracterizando-se como limite de responsabilidade de fornecimento e se situa na conexão da rede de distribuição da Coelce com as instalações elétricas de iluminação pública. 8. que não ultrapasse o limite definido no Item 12.1 Ponto de Entrega de Energia É o ponto de conexão do sistema elétrico da Coelce com as instalações elétricas do circuito de iluminação pública. logradouros e vias interurbanas e urbanas.4. 7 CONSIDERAÇÕES GERAIS 7. relés e reatores devem ser perfeitamente isoladas e de responsabilidade das prefeituras. é obrigatório apresentar Ofício da Prefeitura com a Solicitação de Instalação de IP sem Projeto .1 Nas implantações.deve ser utilizado. 7.

7 Nas redes com cabos multiplexados. festas religiosas. 8.9 Os projetos de iluminação em vias públicas devem fornecer a todos os seus usuários. deve possuir medição e proteção. cabendo para este caso. independente da quantidade de pontos de iluminação e do tipo de rede (aérea ou subterrânea). sob pena de responsabilidade civil.2. 8.) e áreas afins. estiver na estrutura da rede de distribuição da Coelce. quando for necessário o desmembramento do circuito de BT existente. campos de futebol.4.5. ambiental e administrativa.4. 8. sem ônus para este e sem que isto implique. operação e manutenção do sistema de iluminação púbica do Município. servidão do uso em favor do ocupante. 8.6 Na manutenção das instalações existentes em rede nuas. alta eficiência e respeito ao meio ambiente. o padrão deste circuito deve seguir o disposto na Norma Técnica NT-007 e as recomendações do Padrão de estrutura PE-030.4. sob concessão da Coelce. Código NORMA TÉCNICA NT-007 Página 7/24 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA Revisão PARA ILUMINAÇÃO PÚBLICA 06 Emissão AGO/2015 8.4. carnaval. deve ser desmembrado também o circuito de IP. isto é. c) Toda construção de circuito exclusivo de IP com implantação acima de 05 (cinco) postes com instalação de luminária. deve obrigatoriamente. os respectivos equipamentos de medição. etc. devem ser instalados quando houver conveniência técnica ou solicitação do Poder Público.4. pode utilizar os postes da Coelce sem a prévia e formal autorização. 8.4.5.4.4.10 devem ser padronizados conforme a ET-300 e devem ser transferidos para o ativo em serviço da Coelce. 8. não se faz necessário a apresentação de projeto. 8. onde a quantidade a ser acrescida não ultrapasse o limite definido no Item 12. disponibiliza. ser feita com conector tipo cunha.10 Os projetos para circuitos exclusivos instalados em vias públicas não localizados em canteiros centrais devem seguir o CP-001. conforto.11 Os postes indicados no item 8. expansões e manutenções. segurança. canteiros centrais de acervo da Prefeitura.4 Nas implantações. os custos do desmembramento e da nova medição ao solicitante. 8. ao seu critério.2 A Coelce.Anexo D. obras temporárias (festas juninas. No entanto. 9 MEDIÇÃO E PROTEÇÃO Nas instalações de iluminação pública.5 Utilização de Postes da Rede de Distribuição da Coelce 8. Os conectores devem ser adequados para condutores de cobre ou de alumínio de acordo com a área de aplicação. a conexão deve ser feita na caixa de derivação ou por meio de conector perfurante. devendo ser observadas as seguintes recomendações: a) No caso de fornecimento efetuado a partir de circuito exclusivo.5 A extensão de circuito exclusivo de IP em vias públicas não localizados em canteiros centrais. penal. 8. a conexão da fiação da luminária com a rede elétrica. devem ser atendidos por circuitos exclusivos de iluminação pública com proteção e medição.4. devidamente preenchido. conforme DT-042 e homologados seguindo os padrões do PE-030.3 Nas substituições de lâmpadas ou luminárias.3 O Município de nenhuma forma. e devem ser utilizados exclusivamente pela Coelce. o uso de poste sob sua responsabilidade para fins de instalação.5. é obrigatório apresentar Ofício da Prefeitura com a Solicitação de Substituição de IP sem Projeto . 8. O padrão de ligação é de responsabilidade financeira da prefeitura e a medição deve ser instalada em postes da rede de .8 Os postes e braços de iluminação pública são dimensionados apenas para os esforços mecânicos das luminárias e/ou projetores. limitado à área de influência e capacidade de transformador.4. a Coelce deve instalar os respectivos equipamentos de medição quando houver conveniência técnica ou solicitação do Poder Público.1 Os postes e a rede de distribuição são de propriedade da União. enquanto vigorar o acordo operativo com o Município. b) As instalações de iluminação pública em praças.4. 8. de modo algum.

10.ABNT e estarem certificados de acordo com os regulamentos do Instituto Nacional de Metrologia – INMETRO.2 As lâmpadas.4 O Município pode utilizar outro padrão de luminárias e braços diferentes do indicado no PE- 030. 10.1. os esforços mecânicos.1 Circuitos Exclusivos de IP no Sistema de Distribuição da Coelce 10. j) Os condutores. i) Os circuitos de IP novos.1. Os circuitos monofásicos que apresentem carga instalada superior a 10kW. não é necessária a medição e proteção.10m do solo. n) A tensão de fornecimento deve seguir o que determina a NT-001. ampliados ou reformados. a medição for instalada fora da área da praça e não for possível cruzar ramal aéreo para a praça. desde que sejam observadas as recomendações de segurança para rede subterrânea. h) As caixas de medição instaladas devem ser montadas no sentido longitudinal da calçada. 10 ESTRUTURAS E MATERIAIS UTILIZADOS As estruturas e demais acessórios devem estar de acordo com o estabelecido no PE-030 e devem ser adquiridos de fornecedores homologados pela Coelce quando estes forem incorporados ao ativo imobilizado em serviço. ignitores. k) No fornecimento de energia elétrica para instalações de iluminação pública conectadas ponto a ponto à rede de distribuição secundária. . medidos. l) Todo aumento de carga instalada no circuito exclusivo de IP deve ser comunicada à Coelce. deve se situar na via pública. quando existirem. preferencialmente no alinhamento dos postes da Coelce. ferragens e conectores. consequentemente. a medição deve ser instalada no poste do transformador. m) Os circuito de IP instalados na rede DAT devem ser. devem ser transformados em circuitos trifásicos. Os braços de luminárias não podem ser construídos de material inflamável ou combustível. d) Caso a solicitação de circuito exclusivo de IP tratada no item “c” seja em rede de distribuição já existente.3 Especificamente para os relés fotoeletrônicos. e) A caixa de medição com lente para leitura à distância deve obedecer ao padrão estabelecido pela Coelce. como eletrodutos envelopados com concreto e fitas de sinalização. o ativo imobilizado em serviço da Coelce. conforme a ET-195. conforme Resolução da ANEEL Nº 414. conforme CP-004. onde a parte inferior da caixa deve estar a uma altura mínima de 2m e máxima de 2. tais como: transformadores.1. g) Quando. capacitores e outros equipamentos auxiliares.1 a 10.1.1. 10. obrigatoriamente. por motivos técnicos.3. Neste caso o faturamento deve ser efetuado por tempo de consumo. devem homologados pela Coelce. condutores. Pode ser aceito outro padrão desde que previamente submetido à análise e aceitação da Coelce. desde que as distâncias de seguranças. a proteção e a medição devem ser dimensionados de acordo com o PE-030. já medido. visando não interferir no espaço de circulação dos pedestres e proporcionar maior segurança na coleta de leituras dos medidores.1 Os materiais que compõem a rede de distribuição e. devem atender integralmente aos padrões da Associação Brasileira de Normas Técnicas . os furos disponíveis e as demais recomendações deste padrão sejam obedecidas e atendam o prescrito nos itens 10. 10. admite-se a travessia subterrânea de ruas com o circuito de Iluminação Pública. devem ter proteção individual. f) O padrão de ligação. é obrigatório que sejam homologados pela Coelce. postes. reatores de alto fator de potência.1. independente da rede ser aérea ou subterrânea. Código NORMA TÉCNICA NT-007 Página 8/24 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA Revisão PARA ILUMINAÇÃO PÚBLICA 06 Emissão AGO/2015 distribuição da Coelce a partir do ponto de derivação da Rede de Distribuição de Baixa Tensão da Coelce.

2.2 Este circuito deve atender integralmente aos padrões da Associação Brasileira de Normas Técnicas . 11. g) Empregar mão de obra sem vínculo empregatício ou sem qualificação técnica. a critério da Coelce. h) Se utilizar de trabalho infantil.2 devem estar disponibilizadas na Área de Normas de Distribuição ou na internet através do site da Coelce: www. forçado ou compulsório ou que venham a ferir as leis trabalhistas. 10. Código NORMA TÉCNICA NT-007 Página 9/24 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA Revisão PARA ILUMINAÇÃO PÚBLICA 06 Emissão AGO/2015 10. que coloquem em risco a segurança da rede de distribuição da Coelce e da população. 11.com.ABNT e estarem certificados de acordo com os regulamentos do Instituto Nacional de Metrologia – INMETRO e selo do PROCEL quando couber. d) Praticar atos que possam causar prejuízos ou denegrir a imagem da Coelce perante os seus consumidores e ao público em geral.3 Os documentos e informações indicadas no item 11.5 A Coelce deve manter atualizada e disponível à consulta a relação dos materiais homologados.2 Circuitos Exclusivos de IP fora do Sistema de Distribuição da Coelce 10. dando direito à Coelce informar ao CREA.2 Suspensão de Projetistas O Projetista pode ter seus projetos suspensos para análise nas seguintes situações: a) Projetar circuito de iluminação pública em desacordo com o projeto aprovado ou em desacordo com as Normas Técnicas da Coelce ou da ABNT.1. .br. b) Usar de algum artifício para obtenção de vantagens. não precisam ser homologados uma vez que este circuito não é de responsabilidade da Coelce.2 A Coelce deve disponibilizar aos interessados e Municípios. escravo. 11. c) Aplicar no circuito de iluminação pública materiais de má qualidade. materiais homologados e demais informações técnicas pertinentes à elaboração de projetos e execução de obras de IP. b) Usar de algum artifício para obtenção de vantagens. se: a) Construir obras de iluminação pública em desacordo com o projeto aprovado ou em desacordo com as normas técnicas da Coelce ou da ABNT. d) Praticar atos que possam causar prejuízos ou denegrir a imagem da Coelce perante os seus consumidores e ao público em geral. fora do sistema de distribuição da Coelce. e) Prestar informações inverídicas à Coelce.1 Disponibilização de Informação 11.1. Padrões Técnicos. burlando as Normas e Padrões da Coelce ou a legislação vigente. deve se comprometer a aplicar os padrões de qualidade exigidos pela Coelce e de segurança conforme legislação vigente e se responsabilizar por qualquer problema cuja origem seja oriunda de falhas de projeto ou de execução do circuito durante o prazo legal de garantia da obra. burlando as Normas e Padrões da Coelce ou a legislação vigente.1 O Projetista ou Construtor que se propuser a construir Circuitos de Iluminação Pública. 11. a relação das Normas. 11 PROCEDIMENTOS DE CONTROLE DE QUALIDADE 11. f) Iniciar/construir obras de iluminação pública cujo projeto ou solicitação ainda não tenha sido aprovado pela Coelce. 10.3 Suspensão e Impedimentos de Construtor/Responsável Técnico O Construtor e seu Responsável Técnico podem ter seus inícios ou recebimentos de obras suspensos.1. e) Prestar informações inverídicas quando solicitado pela Coelce.1.1.2.coelce.1 Os materiais que compõem o circuito exclusivo para atendimento a IP.

não se aplicam o Encargo de Responsabilidade da Distribuidora . quando couber. devem ser enviados para a Área de Projetos Institucionais da Coelce para abertura de Ordem de Serviço de nova ligação.1. devem obedecer às prescrições do CP-001. devem definir a punição. operação e manutenção das instalações de iluminação pública. indicados no Item 12. 12.1. poluição de lençol freático.1 A formalização da suspensão deve ocorrer através de uma comissão de pelo menos 03 (três) representantes da Coelce.1.2 O projeto de iluminação pública só deve ser elaborado mediante solicitação por escrito do Município sob o qual fica a jurisdição da área de construção da rede. conforme NT-009. emissão de orçamento. os valores da sua participação financeira relativa à extensão da rede. devem ser informados ao interessado. 12.3 A responsabilidade financeira pela construção do sistema de iluminação das vias internas dos empreendimentos de múltiplas unidades consumidoras é do responsável pela construção do empreendimento habitacional ou da regularização fundiária de interesse específico. é do Município ou de pessoa jurídica delegada mediante contratação do serviço. não há participação financeira da Coelce. devem ser analisados pela Área de Engenharia de Rede MT/BT .5 Os projetos de iluminação pública em redes de Distribuição da Coelce obedecem aos padrões da mesma e aos procedimentos específicos estabelecidos no Acordo Operativo.9 Os projetos e obras de redes de distribuição rurais ou urbanas que contemple Média Tensão. 12. 11. DT- 042 e DT-044. que de posse dos pareceres das irregularidades recebidas das áreas. onde se faz necessária a ampliação de capacidade ou reforma de subestações. Desta forma.).1. conforme NT-009 e Resolução da ANEEL Nº 414.1 Recomendações Gerais 12.4. e serem construídas pela Coelce. etc.1. Portanto. a participação financeira da Coelce deve atender a NT-009 e DT-128. 12. PE-037. Os custos decorrentes da construção são de responsabilidade da Prefeitura correspondente.4 Todos os projetos de iluminação pública. CP-004.1 A responsabilidade pelos serviços de elaboração de projeto. expansão. não existe nenhum tipo de restituição nas obras exclusivas de iluminação pública.1. PE-032.10 Os projetos e obras de IP. para atendimento às instalações de .3.CE.6 No caso da solicitação de extensão de iluminação pública concomitantemente à solicitação de extensão de redes de distribuição.7 Nas obras exclusivas de iluminação pública.11 As empresas construtoras podem projetar e construir rede de distribuição de baixa tensão e média tensão e circuito exclusivo de iluminação pública. etc. cabendo às áreas de obras das regionais: a fiscalização e recebimento da rede de distribuição. do custo da extensão de iluminação pública e do custo do padrão de ligação (caixa de medição.1.9. PE-031. 12. 12.4.1. conforme procedimentos da DT-044. 12. 12 PROJETOS DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA 12. PE-035.1. PE-036.1. Àrea de Engenharia de Obras MT/BT-CE e Área afim de acordo com a especificidade da contingência.ERD e o Encargo de Reserva de Capacidade . das Área de Normas de Distribuição.ERC. respeitando o que prescreve a Resolução da ANEEL Nº 414. PE-030. A temporalidade da pena aplicada deve ser definida pela comissão mencionada no item 11. 12. 12.1.2 e 11.4 Penalidades Aplicadas 11. 12. 11. aterramento.1. Código NORMA TÉCNICA NT-007 Página 10/24 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA Revisão PARA ILUMINAÇÃO PÚBLICA 06 Emissão AGO/2015 i) Praticar atos que venham a ferir as legislações ambientais vigentes como desmatamento ilegal. derramamento de óleo. construção.4. PE-038.8 Nas obras de conexão dos circuitos exclusivos de iluminação pública. alimentadores e linhas já existentes.1.2 A suspensão pode se dar de forma temporária dependendo do nível de inconformidade e/ou reincidência definida nos itens 11. juntamente com Ofício da Prefeitura. para atendimento a fornecimento de energia para iluminação pública.

1. 12. for superior a 10 (dez) unidades por circuito do transformador.4 Deve ser apresentado projeto para substituição de lâmpadas ou luminárias do circuito de iluminação pública. após analisados pela Área de Engenharia de Rede MT/BT – CE. 12. 12.12 Os projetos citados no item anterior devem se estender no máximo ao raio de ação do transformador (400m). apenas os postes e postos de transformação devem ser incorporados ao ativo imobilizado em serviço da Coelce conforme DT-044.13 devem ser interligadas e energizadas após sua conclusão total ou parcial dos centro de distribuição por transformador dos trechos indicados quando da aprovação do projeto.15 Os materiais que devem ser incorporados ao ativo imobilizado em serviço da Coelce não incluem os braços.2. sem a existência de edificação para ligação imediata. do neutro. A construção da rede de distribuição de baixa tensão e média tensão deve ser realizada em rede desenergizada.2 a 12. braços de luminárias e equipamentos.10 A instalação do circuito de IP deve obedecer às trações máximas.2. devem ser enviados à Área de Projetos Institucionais da Coelce. 12.2. 12. não sendo permitida a ocupação de um mesmo poste por circuitos de transformadores diferentes.2 Elaboração do Projeto 12. devem ser enviados aos regionais. 12.CE. para fornecimento inicial exclusivo de iluminação pública. 12. devem ser precedidas de projeto para análise.6 As obras para atendimento as praças. para fixação de seus cabos nos postes da Coelce.07 do PE-030. 12. através do sistema de Gestão de Obras e Manutenção – GOM.8 Os aterramentos da caixa de medição e proteção. o padrão deve ser em Rede de Distribuição de Baixa Tensão e/ou Média Tensão e de circuito exclusivo de IP com medição da iluminação.1. 12.2. 12. conforme desenho 030.2.3 Deve ser apresentado projeto para construção ou ampliação de circuito de iluminação pública.1.1 Na elaboração do projeto devem ser observadas as recomendações contidas nesta NT e no PE-030.1. luminárias. seja através de desenho ou notas explicativas.1. quando a quantidade de luminárias a ser substituída for superior a 10 (dez) unidades por circuito do transformador. chaves magnéticas e acessórios do sistema de iluminação pública.14 As obras indicadas no item 12.2. devendo ser observados os itens 12. 12.13 Nos projetos e obras em empreendimentos de interesse específico (loteamento).2.9 O condutor de aterramento da luminária deve ser conectado ao condutor neutro e estes ao condutor neutro da rede de distribuição da Coelce.7 Somente a Coelce pode executar intervenções na rede de distribuição de energia existente da Coelce.16.18 Todos os projetos de iluminação pública. lâmpadas. Código NORMA TÉCNICA NT-007 Página 11/24 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA Revisão PARA ILUMINAÇÃO PÚBLICA 06 Emissão AGO/2015 iluminação pública. campo de futebol e outras áreas afins.2 Os projetos para construção ou ampliação de circuito de iluminação pública.2. 12. 12. O modo de conexão do neutro da luminária ao neutro da rede de distribuição deve estar explícito na planta do projeto. canteiros centrais. da autorização da Prefeitura e da transferência para o ativo imobilizado em serviço da Coelce.17 Deve ser elaborado orçamento referente ao material para a imobilização do ativo imobilizado em serviço da Coelce.2.1. independente da rede ser aérea ou subterrânea.16 No caso de circuitos exclusivos. 12. 12.1. juntamente com Ofício da Prefeitura. 12.2. de modo a manter estabilidade da estrutura conforme padrões da . devem ser interligados aos aterramentos existentes na rede da Coelce. das luminárias. quando a quantidade de luminárias a ser instalada.5 As obras exclusivas de IP devem ser precedidas de projetos para análise.1. 12.2. pela Área de Engenharia de Rede MT/BT .2.

– Indicação georreferenciada da localização da medição. CP-004. em 01 (uma) via em meio magnético. 12. discriminando todas as suas características básicas. Código NORMA TÉCNICA NT-007 Página 12/24 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA Revisão PARA ILUMINAÇÃO PÚBLICA 06 Emissão AGO/2015 Coelce.13 Devem ser observadas todas as distâncias mínimas de segurança. PE-036 e PE-038. seja sempre a mesma ao longo de todo o vão. – Cálculo da queda de tensão na rede secundária. . Em todos os casos indicados. – Coordenadas georreferenciadas das luminárias. 12. devendo conter: a) Uma via da ART . – Indicação dos códigos dos postes e suas coordenadas geográficas x-y (UTM/UPS) indicando tipo. conforme CP-001. – Planilha com as coordenadas das luminárias e transformadores com a potência dos mesmos e nome da rua. 12.2. emitida pelo CREA. conforme padrões Coelce. contendo – Detalhes e localização do logradouro a ser iluminado. inclusive os nomes dos fabricantes homologados. – Potência. devendo as flechas manterem a mesma catenária dos cabos da rede de BT da Coelce. o projeto deve propiciar uma adequada leitura após sua impressão. evitando assim poluição visual e congestionamento de circuitos. A escala do projeto deve ser de 1:1000. – Tipos de luminárias e dos respectivos braços ou postes. contendo os postes e luminárias. deve-se evitar a posteação dupla.Anotação de Responsabilidade Técnica. PE-032.15 Para o projeto de IP. – Redes e linhas elétricas existentes.2. – Tipo de comando. ou seja. 3 (três) vias impressas e. – Relação dos materiais a serem empregados na obra. postes de distribuição nos dois lados da via. esforço e altura (estas coordenadas devem vir também em planilha Excel). 12. de modo que a distância entre a rede de BT e o circuito de IP.14 Nos projetos de circuito exclusivo de iluminação pública em ruas e avenidas onde ainda não exista rede de distribuição elétrica. estes podem ser executados pela Coelce. 12. Recomenda-se seguir as práticas de segurança adotadas pela Coelce. 12.2. – Estimativa da carga e dimensionamento dos transformadores e postes. quando envolver obras de redes de distribuição rurais ou urbanas convencionais. 12. – Fator de potência e perdas do reator. – Tipo e seção dos condutores utilizados. contendo as estruturas de MT e de BT. para o caso de instalações dos condutores não padronizados.2.12 Somente deve ser utilizado reator de alto fator de potência com certificação do Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica (Selo PROCEL do INMETRO). tipo e número de lâmpadas.2. b) Memorial descritivo contendo as seguintes informações: – Endereço e telefone do Engenheiro Eletricista responsável e do órgão interessado. PE-031. – Relação com especificação resumida e quantidade de todos os materiais utilizados.11 O condutor do circuito de IP deve seguir o que prescreve o PE-030. em 04 (quatro) vias impressas.2. Prefeitura ou empresa por esta delegada. CP- 003. c) Planta de situação com indicação do norte magnético e ruas adjacentes. O Projetista deve fornecer a Coelce as informações relativas aos valores de trações horizontais.16 A carga instalada por circuito e o dimensionamento da proteção devem ser conforme estabelecido no Item 9.2. porém aceitos previamente pela distribuidora.17 O projeto de IP deve ser apresentado para análise da Coelce. ou menor que 1:1000 até 1:2000 quando o projeto não requerer muitos detalhes e 1:500 para praças.

com vista frontal e lateral do poste com indicação da posição da luminária e dos demais equipamentos da estrutura.3 Projetos de Eficientização Energética Entrar em contato com a Área de Inovação e Eficiência Energética da Coelce.4 Viabilidade do Atendimento Compete à Coelce: a) Analisar a viabilidade de atendimento da carga de Iluminação Pública pelo seu Sistema Elétrico no ponto de entrega previsto em todos os projetos. – Padrão de medição. o início da obra antes do projeto aprovado e as respectivas penalidades. e outros aplicáveis. o ponto de conexão à rede da Coelce e a classificação da Iluminação Pública Especial ou Padronizada. 13. 12. g) Detalhar o modo de conexão do neutro da luminária ao neutro da rede de distribuição na planta do projeto. a proteção física da caixa de medição.4 A Prefeitura deve informar à Coelce. 13 EXECUÇÃO DA OBRA 13.3 A prefeitura ou as empresas delegadas pela mesma. d) Identificação dos códigos dos postes dos transformadores existentes. b) Avaliar os itens relacionados à segurança dos transeuntes. o início da obra. 12. distância em relação à rede secundária da Coelce. e altura mínima estabelecida pela ABNT.2. 13. – Largura das vias. e) Informação do esforço resultante dos cabos. PE-031. 13. PE-035.2. ao solo e das redes das demais ocupantes (empresas de telecomunicação com uso compartilhado de postes). imputada ao Construtor e seu Responsável Técnico. f) Detalhes de fixação dos equipamentos nos postes. suas coordenadas geográficas x-y (UTM/UPS) e o número de fases a ser conectado.1. tais como a profundidade dos cabos no solo. no caso de alimentação a partir destes. conforme o item 11. 12. com 05 (cinco) dias de antecedência e apresentar ART referente à execução da obra. e manter atualizada a relação das empresas delegadas à construção e manutenção de IP de seu Município.6 O Construtor deve informar por escrito à Área de Engenharia de Rede MT/BT . – Identificação dos pontos de alimentação. c) Conferir o dimensionamento do disjuntor. PE-036 e PE-038.1 e 14.CE.2 A obra deve ser executada de acordo com o projeto aprovado e com as demais características exigidas pelas Normas Técnicas. seja através de desenho ou nota explicativa. respectivamente para o Interior e Capital do Estado. Quando . constituindo falta grave. PE-032. 13. identificando o código do poste. no caso de rede subterrânea. a Coelce deve informar a numeração dos códigos conforme a quantidade de pontos de iluminação pública.5 As obras só podem ser iniciadas após o projeto analisado e aprovado pela Coelce.4 desta norma. – Indicação do balanceamento das fases quando a alimentação for trifásica. em suas últimas revisões. estão aptas a executar obras com extensão Rede de Distribuição de Baixa Tensão e/ou Média Tensão de circuitos exclusivos para atendimento a iluminação pública. cabendo à Prefeitura a sua confecção e instalação de acordo com os modelos definidos nas figuras dos itens 14. equipamentos e luminárias a serem instaladas.18 Por ocasião da aprovação do projeto. Código NORMA TÉCNICA NT-007 Página 13/24 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA Revisão PARA ILUMINAÇÃO PÚBLICA 06 Emissão AGO/2015 – Identificação do ponto de entrega. – Identificação dos pontos de aterramento.1.1 Na execução da obra devem ser observadas as recomendações contidas nas Normas e Padrões de Estruturas da Coelce PE-030. 13. quando aérea.

14 CODIFICAÇÃO DOS PONTOS DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA 14. – Cor de fundo: natural de alumínio. – Adesivo plotado de 117mm x 24mm. aprovado e homologado previamente pela Coelce. 1mm de espessura. – Tamanho da placa: 140mm x 50mm.2 mm (Código: 6792912). – Dois rasgos laterais de 12mm x 2mm.7mm x 1. conforme modelo da Figura 1. – Cor das letras e números: preta ou vermelha.2 Para Pontos de IP Situados em Fortaleza Os pontos de IP situados em Fortaleza devem ser codificados com 7 (sete) numerais. – Abraçadeira de nylon 280mm x 4. NOTA: Sem arestas cortantes. Figura 2: Modelo de placa para codificação de iluminação de fortaleza . conforme ET-761. deve constar na ART as duas responsabilidades (Projeto e Obra). conforme modelo da Figura 2.35mm x 30mm.1.1 Para Pontos de IP Situados no Interior do Estado Os pontos de IP situados no interior do Estado devem ser codificados com 2 (duas) letras e 6 (seis) numerais. – Altura das letras e números: 1. Código NORMA TÉCNICA NT-007 Página 14/24 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA Revisão PARA ILUMINAÇÃO PÚBLICA 06 Emissão AGO/2015 o responsável for o mesmo do projeto. – Fonte: Verdana com altura de 24mm.1. – Dois furos centrais de 5mm de diâmetro.1 Modelos de Placas para Codificação de IP 14. Figura 1: Modelo de placa para codificação de iluminação do interior As dimensões e especificações dos materiais utilizados devem obedecer o prescrito a seguir: – Placa em alumínio anodizado liga 1100 H1A (Código: 6792913) ou em policarbonato. 14.

3. – Cor dos números: preta ou vermelha. Código NORMA TÉCNICA NT-007 Página 15/24 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA Revisão PARA ILUMINAÇÃO PÚBLICA 06 Emissão AGO/2015 As dimensões e especificações dos materiais utilizados devem obedecer o prescrito a seguir: – Placa em alumínio anodizado Liga 1100 H1A ou policarbonato.1. 14.3 Quando um poste for deslocado do seu local de origem.8 A codificação dos pontos de IP existentes deve seguir o modelo definido nesta NT. . – Tamanho da placa: 180mm x 70mm. 14. deve existir somente uma numeração. Tabela 1: Número de identificação da potência da lâmpada Potência da Lâmpada Número de Identificação (W) 70 07 100 10 150 15 250 25 400 40 14. com o número correspondente a potência da lâmpada.3.1. 3mm de espessura. – 02 (dois) furos centrais de 5mm de diâmetro distando 20mm um do outro. 14. informando que o ponto ficou pertencendo a um novo Município.1. – Adesivo plotado de 160mm x 50mm.3. 14. sendo a responsabilidade da codificação.1. em alguns metros.1 Nas estruturas construídas de mais de um ponto de IP. devem ser fornecidos pela Coelce.3. duas ou mais luminárias no mesmo poste. 14. – fonte: Verdana com altura de 50mm.8mm x 40 mm. Neste caso enquadram-se os postes com mais de uma pétala ou dois braços no mesmo poste. o poste de codificação de IP em fronteira pertencente a um Município passar a pertencer a outro Município.1.1. através de um adesivo citado no desenho padrão da luminária.3. – 02 (dois) rasgos laterais de 14mm x 4 mm.1. da prestadora de serviço da Prefeitura.3.2 Toda a codificação aqui descrita deve ser adequada ao programa de cadastro georreferenciado implantado na Coelce. 14.5 Quando. – Altura dos números: 1. aprovado e homologado previamente pela Coelce. isto é. conforme indicado na Tabela 1. para outro local da rede. Neste caso a codificação existente no ponto deve ser adequada ao novo Município.3. – Abraçadeira de nylon 700mm x 8. este ponto deve manter o mesmo código de IP.7 Em toda luminária instalada deve ser previsto a instalação da plaqueta de codificação do ponto de IP definida nesta norma. conforme ET-761. indicados nas Tabelas 2 a 8.6mm x 2 mm (Código: 6770162).4 Todas as luminárias devem ser marcadas.1. NOTA: Sem arestas cortantes. – Cor de fundo: natural de alumínio.6 Os códigos para as luminárias instaladas nos Municípios do interior do Estado. sob a responsabilidade do órgão executor da obra. é necessário fazer alteração no cadastro da rede. 14.3 Considerações Gerais 14.1. sob a responsabilidade da Área de Projetos Institucionais. por qualquer motivo.3. ou substituir um poste por outro no mesmo local.

Código NORMA TÉCNICA NT-007 Página 16/24 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA Revisão PARA ILUMINAÇÃO PÚBLICA 06 Emissão AGO/2015 14.3. definidas e padronizadas.3 A codificação da placa para uso no interior é constituída de 6 (seis) numerais e 2 (duas) letras que identificam o Município.3. devem ser vermelha. a cor da codificação.2.9 Todo o controle de numeração utilizado pela Coelce tanto no interior como em Fortaleza. Para as demais situações esta cor deve ser a preta. Tabela 2: Código de numeração do Regional Metropolitano Município Código Município Código Município Código Aquiraz EA Acarape FB Palmácia GC Beberibe EB Aracoiaba FC Redenção GD Cascavel EC Aratuba FD Caucaia GE Chorozinho ED Barreira FE São G.2 Codificação da Placa 14. 14. é de responsabilidade da Área de Projetos Institucionais.2.10 Nos pontos de IP pertencentes a circuito independente. 14. João do Jaguaribe IM Iracema HG Ibicuitinga IE Tabuleiro do Norte IN .1. sendo que os 2 (dois) primeiros identificam a área dividida em quadrícula.1. 14. conforme mapa no Anexo A. conforme Tabelas 2 a 8. Amarante GF Eusébio EE Baturité FF Guaiúba GG Horizonte EF Capistrano FG Maracanaú GH Itaitinga EG Guaramiranga FH Maranguape GI Ocara EH Itapiúna FI Pacatuba GJ Pacajús EI Mulungu GA Pindoretama FA Pacoti GB Tabela 3: Código de numeração do Regional Distribuição Leste Município Código Município Código Município Código Aracati HA Jaguaretama HH Limoeiro do Norte IF Fortim HB Jaguaribara HI Morada Nova IG Icapuí HC Jaguaribe IA Palhano IH Itaiçaba HD Pereiro IB Quixeré IJ Jaguaruana HE Potiretama IC Russas IL Ererê HF Alto Santo ID S. letras e números.1 A codificação da placa para uso em Fortaleza é constituída de 7 (sete) numerais.

Código NORMA TÉCNICA NT-007 Página 17/24 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA Revisão PARA ILUMINAÇÃO PÚBLICA 06 Emissão AGO/2015 Tabela 4: Código de numeração do Regional Distribuição Centro-norte Município Código Município Código Município Código Boa Viagem JÁ Ararendá LL Santa Quitéria MC Canindé JB Catunda LM Tamboril MD Caridade JC Hidrolândia LN Varjota ME Itatira JD Ipú LO Banabuiú MF Madalena JE Ipueiras LP Choró Limão MG Paramoti JF Monsenhor Tabosa LQ Ibaretama MH Crateús JG Nova Russas LR Quixadá MI Independência JH Pires Ferreira LS Quixeramobim MJ Ipaporanga JI Poranga MA Novo Oriente LJ Reriutaba MB Tabela 5: Código de numeração do Regional Distribuição Atlântico Município Código Município Código Município Código Irauçuba DR Tejussuoca CG Itarema AA Apuiarés DA Trairi BA Jijoca de Jericoacoara AB Itapajé CA Umirim BB Marco AC Paracuru CB Acaraú BC Miraima AD Paraipaba CC Amontada BD Morrinhos AE Pentecoste CD Bela Cruz BE Tururu AF São Luiz do Curu CE Cruz BF Uruburetama AG General Sampaio CF Itapipoca BG Tabela 6: Código de numeração do Regional Distribuição Norte Município Código Município Código Município Código Barroquinha NA Ibiapina OB Forquilha PC Camocim NB Mucambo OC Groaíras PD Chaval NC Pacujá OD Massapé PE Granja ND São Benedito OE Meruoca PF Martinópole NE Tianguá OF Moraújo PG Carnaubal NF Ubajara OG Santana do Acaraú PH Croata NG Viçosa do Ceará OH Senador Sá PI Frecheirinha NH Alcântara OI Sobral PJ Graça NI Cariré PA Uruoca PL Guaraciaba do Norte OA Coreaú PB .

1 As instalações de iluminação pública devem ser inspecionadas para atestar sua adequação ao projeto aprovado. onde o emplaquetamento no braço fique inviável. 15 INSPEÇÃO E RECEBIMENTO DA OBRA 15. Em situações particulares.3. a placa deve ser colocada no poste. 15.3 Procedimentos de Emplaquetamento 14. 14. as instalações de iluminação pública que possuam atestado de compatibilidade com o projeto. a placa deve ser colocada no lado que corresponder ao endereço cadastrado (poste de esquina). Em situação que não seja em poste de esquina. É usada para fixar a placa uma abraçadeira de nylon ou vinil. virada para o lado da rua. o máximo possível próximo a base de fixação. Somente devem ser ligadas. poderá ser colocada em qualquer braço. Irapuã Pinheiro UF Quiterianópoles VF Acopiara TG Milhã UG Tauá VG Cariús TH Mombaça UH Piquet Carneiro VA Catarina TI Pedra Branca UI Senador Pompeu VB 14.1 Emplaquetamento em Postes Duplo T A placa deve ser instalada no braço da luminária a uma distância em torno de 50cm da base de fixação. Código NORMA TÉCNICA NT-007 Página 18/24 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA Revisão PARA ILUMINAÇÃO PÚBLICA 06 Emissão AGO/2015 Tabela 7: Código de numeração do Regional Distribuição Sul Município Código Município Código Município Código Aiuaba QA Farias Brito RB Aurora SC Antonina do Norte QB Nova Olinda RC Barro SD Araripe QC Santana do Cariri RD Brejo Santo SE Campos Sales QD Tarrafas RE Jati SF Potengi QE Barbalha RF Mauriti SG Saboeiro QF Caririaçu RG Milagres SH Salitre QG Grangeiro RH Missão Velha SI Altaneira QH Jardim RI Penaforte SJ Assaré QI Juazeiro do Norte SA Porteiras SL Crato RA Abaiara SB Tabela 8: Código de numeração do Regional Distribuição Centro-Sul Município Código Município Código Município Código Baixio TA Cedro UA Piquet Carneiro VA Icó TB Iguatu UB Senador Pompeu VB Ipaumirim TC Jucás UC Solonópoles VC Lavras da Mangabeira TD Quixelô UD Arneiroz VD Orós TE Várzea Alegre UE Parambu VE Umari TF Dep. Em postes com 02 (duas) luminárias.3. .2 Emplaquetamento em Postes Circulares A placa deve ser instalada a uma altura de 4m em relação ao solo e fixada com abraçadeira de nylon ou vinil.2 O atestado de compatibilidade deve ser emitido pelas áreas de obras de redes de distribuição de energia da Coelce. virada para o lado da rua.

f) Corrente do disjuntor.Checklist para Recebimento de Obras de Iluminação Pública.01 . i) Profundidade dos dutos no solo.3 Devem ser verificados os seguintes itens.Solicitação de Instalação de IP sem Projeto. e) Verificação das ligações e aterramento internos da luminárias (por amostragem). no caso de rede subterrânea. h) Potência das lâmpadas instaladas.Solicitação de Substituição de IP sem Projeto. b) Distância entre a rede da Coelce e o circuito de iluminação pública.Infraestrutura Básica do Empreendimento. c) Instalação da caixa de medição. g) Seção dos condutores. constantes no Anexo B: a) Altura mínima dos condutores ao solo. j) Proteção do eletroduto de descida. Anexo D . Desenho 007. Anexo C . Código NORMA TÉCNICA NT-007 Página 19/24 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA Revisão PARA ILUMINAÇÃO PÚBLICA 06 Emissão AGO/2015 15. Anexo B . .Área de Fortaleza Dividida em Quadrícula. 16 ANEXOS Anexo A . d) Instalação do aterramento do circuito de IP.

Código NORMA TÉCNICA NT-007 Página 20/24 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA Revisão PARA ILUMINAÇÃO PÚBLICA 06 Emissão AGO/2015 Anexo A – Área de Fortaleza dividida em Quadrícula Detalhe – Quadrícula 1 .

Código NORMA TÉCNICA NT-007 Página 21/24 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA Revisão PARA ILUMINAÇÃO PÚBLICA 06 Emissão JUL/2015 Anexo B – Checklist para Recebimento de Obras de Iluminação Pública ÁREA: CENTRO DE SERVIÇO: MUNICÍPIO: N° ORDEM DE SERVIÇO: XXXXXX XXXXXX XXXXXX XXXXXX RESPOSTA ITEM DESCRIÇÃO DOS ITENS A SEREM VERIFICADOS LOCAL / OBSERVAÇÃO SIM NÃO 1 Altura mínima dos condutores ao solo. 8 Profundidade dos dutos no solo. 9 Proteção do eletroduto de descida. ________ de ___________________ de 20______ RESPONSÁVEL PELO RECEBIMENTO DA OBRA CIC: . __________________________. 2 Distância entre a rede da Coelce e o circuito de iluminação pública. 5 Corrente do disjuntor. 3 Instalação da caixa de medição. 7 Potência das lâmpadas instaladas. 4 Instalação do aterramento. no caso de rede subterrânea. 6 Seção dos condutores.

. Código NORMA TÉCNICA NT-007 Página 22/24 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA Revisão PARA ILUMINAÇÃO PÚBLICA 06 Emissão JUL/2015 Anexo C – Solicitação de Instalação de IP Sem Projeto 1 – IDENTIFICAÇÃO DA OBRA NOME DO INTERESSADO: MUNICÍPIO: 2 – DADOS DA OBRA DESCRIÇÃO DA OBRA: INSTALAÇÃO DE LUMINÁRIAS / LÂMPADAS LOCAL: Transformador: Potência Tipo Coordenada UTM-X Coordenada UTM-Y Código do Poste (kVA) Monofásico: ( ) Bifásico: ( ) Trifásico: ( ) 3 – RELAÇÃO DAS LÂMPADAS INSTALADAS Potência da Tipo de Circuito Tipo de Rede Tipo de Conexão Coordenada Coordenada Nº da Tipo da Lâmpada Código do Poste Lâmpada (Exclusivo/Ponto a Ponto) (Múltiplexada/Nua) (Cx Deri /Perf/Cunha) UTM-X UTM-Y Plaqueta NOTA: As instalações e/ou substituição das luminárias/lâmpadas estão de acordo com a Norma Técnica NT-007. Padrão de Estrutura PE-030 da Coelce e Acordo Operativo.

. Padrão de Estrutura PE-030 da Coelce e Acordo Operativo.Solicitação de Substituição de IP Sem Projeto 1 – IDENTIFICAÇÃO DA OBRA NOME DO INTERESSADO: MUNICÍPIO: 2 – DADOS DA OBRA DESCRIÇÃO DA OBRA: SUBSTITUIÇÃO DE LUMINÁRIAS / LÂMPADAS LOCAL: Transformador: Potência Coordenada UTM Coordenada UTM Tipo Código do Poste (kVA) -X -Y Monofásico: ( ) Bifásico: ( ) Trifásico: ( ) 3 – RELAÇÃO DAS LÂMPADAS INSTALADAS Ação Potência da Tipo da Tipo de Circuito Tipo de Rede Tipo de Conexão Coordenada Coordenada Nº da Código do (Instalar –I/Retirar Lâmpada Lâmpada (Exclusivo/Ponto a Ponto) (Múltiplexada/Nua) (Cx Deriv/Perf/Cunha) UTM-X UTM-Y Plaqueta Poste – R) NOTA: As instalações e/ou substituição das luminárias/lâmpadas estão de acordo com a Norma Técnica NT-007. Código NORMA TÉCNICA NT-007 Página 23/24 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA Revisão PARA ILUMINAÇÃO PÚBLICA 06 Emissão JUL/2015 Anexo D .