You are on page 1of 4

ORIENTAÇÕES AOS PAIS SOBRE GAGUEIRA

a. Ser “todo ouvidos”.

Respeite o tempo necessário para criança falar. Não demonstre desagrado ou
impaciência, ao contrário, mantenha atenção no que ela quer dizer. Isso a deixará mais
segura para falar.

b. “Falar com” ao invés de “falar para”

“Falar com” é diferente do que “falar para”. Significa ouvir mais e mandar
menos, ter tolerância, dar modelo adequado de fala, experiências agradáveis de
comunicação, auxiliar a criança a expressar seus sentimentos.

c. Usar a comunicação não-verbal

Expressar apoio, usar voz carinhosa, falar de perto e de frente para criança.
Tocar a criança, acolhê-la.

d. Diminuir a pressão do tempo na comunicação

Fale devagar, dando o modelo certo para ela imitar, ao invés de mandar ela
falar mais devagar; Dê tempo, não interrompa, esperar dois segundos antes de
responder ou perguntar alguma coisa.

e. Revisar o estilo de vida

Se a vida familiar está muito agitada, compromissada, procurar rever onde
poderiam acontecer algumas pequenas mudanças que permitam um pouco mais de
flexibilidade. Excesso de regras e compromissos não facilitam a comunicação,
especialmente a de uma criança que gagueja.

f. Aceitação de um filho que gagueja

Procurar entender as diferenças da fala, aumentar a tolerância, expressar
aceitação. Conversar com a criança que a boca às vezes “tranca”, orientando-a direta e
calmamente, evitando de dizer “pare”, “respira”, ”fala devagar”, pedir para parar e
começar de novo, etc. Tentar reduzir os medos e as frustrações com a gagueira para
mostrar à criança como lidar com estes sentimentos.

g. Não repreender, ridicularizar ou expor a criança, não ameaçá-la com injeções,
monstros, castigos, não mandar parar de gaguejar. Não é recomendado “ajudar” a
criança completando suas falas, falando ou usando o telefone por ela nem estimulá-la
a substituir palavras gaguejadas por palavras fluentes. Substituir palavras é considerado
um insucesso. Aumenta muito o nível de preocupação pelo vocabulário e não diminui a
gagueira. É um comportamento de evitação que deve ser desestimulado.

h. É recomendado agir com a criança de forma consistente, independente de ela
estar ou não fluente, mostrar que a conversa é prazerosa, mostrar interesse mantendo
contato visual. Garantir-lhe que há tempo para escutar o que ela tem a dizer, ou pedir-
lhe para aguardar um pouco até poder se dar atenção integral ao que ela diz. Isto ajuda

Ajudar não é fazer pela criança. Respeitar as diferenças individuais faz parte do viver em comunidade. ao reprisar lances de futebol. de maneira errada. fazer teatrinhos. i. Pais devem observar seus níveis de exigências. por exemplo. l. O fato de se ser compreensivo com ela por causa da gagueira não significa que todos têm que parar tudo para ouvi-la. brincar de falar no ritmo. pelo nervosismo ou pela timidez. e seguir as combinações feitas na hora de decidir os objetivos terapêuticos. o que pode ser considerado ainda mais problemático. Segundo. ao seu nível de maturidade. ORIENTAÇÕES AOS PROFESSORES SOBRE GAGUEIRA A gagueira infantil ainda é tema de muitas dúvidas por parte de pais e professores e. Terceiro. dizer falas automatizadas (dias da semana. como uma coisa normal. ou como um problema de fundo emocional. se a criança reclamar que não consegue falar. ou para chamar a atenção. Não é fazer críticas nem recriminar a criança pela sua fala.a dar limite à criança. ela pode compreender que não precisa falar rápido. causado pelos pais. Quando se reforça que há tempo para ouvi- la. não desistir de ajudar. Orientação sobre as altas expectativas dos pais As condutas dos pais devem estar adequadas à idade da criança. Melhorar a gagueira não é uma tarefa que se realiza em poucos dias. que todos têm qualidades e dificuldades a serem superadas. é que a gagueira ainda é tratada. e mostrar sinais de irritação. aproveitar para reforçar que dizer as palavras um pouco mais lentamente. Se os pais não conseguem resolver esta questão. Nos momentos em que a freqüência aumenta. E que ela também possa respeitar os outros nas suas dificuldades. Ela também precisa aprender a esperar a sua vez de falar e de ser ouvida. O que fazer com os colegas ou irmãos que fazem chacota? Explicar claramente que humilhar as pessoas não é um comportamento adequado. brincando de falar em câmera lenta como na tv. mas também não ajudar em excesso. velocidade controlada. j. sempre que necessário. Isto passa para ela a impressão de que o assunto não é tabu. Tolerância e colaboração são habilidades a desenvolver. k. O que fazer quando a criança mostra muita frustração por não falar fluente? Primeiro. pode ajudar. os adultos podem dizer o necessário com a boca bem aberta. Que as pessoas que gaguejam não o fazem por achar divertido ou engraçadinho. números). . O que fazer quando a gagueira está pouco manejável? Sabemos que a gagueira é muito variável na sua manifestação. É uma forma mais sutil de estimulá-la a falar mais devagar sem precisar ficar dizendo isto a todo o momento. Nesta hora. que se pode falar sobre ele sem problemas. reconhecer os momentos de dificuldade fazendo calmamente algum comentário que mostre que a gagueira foi percebida. junto com o adulto. às suas conquistas de fluência com a terapia. o fonoaudiólogo deve solicitar uma entrevista com os irmãos ou professores para se chegar a um termo onde a criança que gagueja possa ser respeitada. Descobrir o ponto de equilíbrio. proporcionar à criança situações onde a fluência possa aparecer como cantar.

movimentação facial ou corporal. Ao invés disso. É comum crianças apresentarem estes comportamentos típicos da gagueira por apenas alguns meses e depois voltarem ao normal sem nenhum tratamento. sílabas e sons. Além disso. pois lendo em uníssono provavelmente ela não irá gaguejar. até certo ponto. MAS SE DENTRO DE SEIS MESES NÃO HOUVER MELHORA PODE SER UM INDICATIVO DE QUE REALMENTE SEJA UM CASO DE GAGUEIRA. para que não se sinta "especial") faça a leitura em dupla. Os “erros” mais comuns na gagueira são as repetições de palavras. Incentive a participação da criança nos dias em que ela estiver falando melhor. principalmente quando acompanhados de esforço. aceitáveis no desenvolvimento da linguagem. prestar mais atenção ao conteúdo que está sendo dito do que à sua forma. Quando for fazer perguntas à classe chame-a logo. em voz alta. explicando que você sabe que ela está apresentando dificuldade para falar. os prolongamentos de vogais e os bloqueios. Já na idade escolar a gagueira é sempre preocupante e essas crianças precisam de ajuda especializada logo. pensar antes de falar. Algumas atitudes dos professores podem ajudar a criança com gagueira a passar por esta fase de maneira mais harmoniosa. tensões ou esforço ao falar. Diga que você quer que ela fale para saber o que ela sabe. respirar. responder pela criança ou completar suas frases. Sem essa ajuda a gagueira poderá realmente afetar seu desempenho na escola e seu bem-estar pessoal. Mantenha um contato de olho natural e procure. fazendo pausas de maneira mais demarcada. demonstrar estar desconfortável. . De vez em quando peça para a classe toda (e não apenas ela. Outras atitudes podem ser negativas como. Conversando com a criança desta maneira ela saberá que você percebeu que ela gagueja. Como e quando ajudar? Buscar um profissional competente e especializado é o mais indicado para quando começamos a perceber que uma criança está apresentando muitas rupturas. começar a frase de novo. mas que você é seu professor. sugerir que a criança evite as palavras difíceis. procure conversar com a criança em particular. para que a tensão não aumente. Na idade pré-escolar os "erros" na fala ainda são bastante comuns e. que aceita esse fato e que a aceita como ela é. seu amigo e que a gagueira não lhe incomoda. por exemplo: falar para a criança parar de gaguejar. Outra atitude muito benéfica é reduzir a própria velocidade de fala. o que ela aprendeu e o que quer aprender sobre os assuntos. sempre. mudar seu tom de fala. ter calma. Sempre que possível reforce para a classe toda que TODOS terão o tempo que for necessário para responder. impaciente ou irritado com a forma da criança falar pode ser tão prejudicial como fingir que a gagueira não existe. Estas são apenas algumas dicas de como ajudar uma criança com gagueira que devem ser utilizadas com bom senso e considerando as individualidades de cada caso.

. Com uma participação positiva dos professores e com a cooperação da família teremos sempre um melhor prognóstico no tratamento das gagueiras infantis.