You are on page 1of 21

1

Centro de Formação Profissional “Taft Alves Ferreira”


SENAI - Sete Lagoas/MG
Discente: Paulo Henrique da Rocha Rodrigues
Técnico em Eletrotécnica PEP A (Noturno)

ISO 14000

Trabalho apresentado ao
Curso de Técnico em Eletrotécnica
no CFP “Taft Alves Ferreira” como
requisito para a conclusão da
disciplina de Gestão Ambiental, e
orientado pela professora Natane
Carolline.

Sete Lagoas/MG

Março de 2010.
2

Sumário

1.Introdução ................................................................................................................ 4
2.ISO 14000 ................................................................................................................ 5
2.1. O que é? .................................................................................................... 5
2.2. Para qual finalidade a ISO 14000 foi criada? ............................................. 5
2.3. Quais são os subcomitês da criação da ISO 14000 e do que trata cada
um deles? ......................................................................................................... 6
2.3.1. Subcomitê 1: Sistema de Gestão Ambiental (SGA) ..................... 6
2.3.2. Subcomitê 2: Auditoria na área de Meio Ambiente ...................... 8
2.3.3. Subcomitê 3: Rotulagem Ambiental ............................................. 8
2.3.4. Subcomitê 4: Avaliação da Performance Ambiental..................... 9
2.3.5. Subcomitê 5: Análise durante a existência (análise do ciclo de
vida) ..................................................................................................... 10
2.3.6. Subcomitê 6: Definições e Conceitos ......................................... 11
2.3.7. Subcomitê 7: Integração de Aspectos Ambientais no projeto e
desenvolvimento de produtos .............................................................. 11
2.3.8. Subcomitê 8: Comunicação Ambiental ....................................... 12
2.3.9. Subcomitê 9: Mudanças Climáticas ........................................... 12
2.4. O que é necessário para que uma empresa receba a certificação ISO
14000? ............................................................................................................ 13
2.4.1. Política Ambiental ..................................................................................... 14
2.4.2. Aspectos Ambientais .................................................................. 14
2.4.3. Exigências legais........................................................................ 14
2.4.4. Objetivos e metas ....................................................................... 14
2.4.5. Programa de Gestão Ambiental ................................................. 14
2.4.6. Estrutura organizacional e responsabilidades ............................ 14
2.4.7. Conscientização e treinamento .................................................. 15
2.4.8. Comunicação ............................................................................. 15
2.4.9. Documentação do Sistema de Gestão Ambiental ...................... 15
2.4.10. Controle de documentos .......................................................... 15
2.4.11. Controle operacional ................................................................ 16
2.4.12. Situações de emergência ......................................................... 16
2.4.13. Monitoramento e avaliação ...................................................... 16
3

2.4.14. Não conformidade, ações corretivas e ações preventivas ....... 16


2.4.15. Registros .................................................................................. 16
2.4.16. Auditoria do Sistema de Gestão Ambiental .............................. 17
2.4.17. Análise do Sistema de Gestão Ambiental ................................ 17
2.5. Como ocorre a certificação? .................................................................... 17

2.5.1 Pré-avaliação .............................................................................. 17


2.5.2 Avaliação ..................................................................................... 17
2.5.3 Pós-avaliação .............................................................................. 18
2.6. Benefícios em se obter a certificação ambiental ...................................... 18
2.6.1. Para a empresa .......................................................................... 18
2.6.2. Para os clientes .......................................................................... 19
2.7. Motivos que levam as empresas a implantarem um Sistema de Gestão
Ambiental ........................................................................................................ 19
2.7.1. Motivos Externos ....................................................................... 19
2.7.2. Motivos Internos ......................................................................... 19
2.8 As 17 Leis Ambientais do Brasil ............................................................... 20
3. Conclusão ................................................................................................... 20
4. Referências................................................................................................. 21
4

1. Introdução

O ambiente altamente competitivo em que estamos inseridos intensificou e


ampliou consideravelmente a luta pela sobrevivência.

A dinâmica de mudanças nas empresas é constante, sendo assim, elas


precisam proteger a si próprias de alguns efeitos adversos que fazem parte da
dinâmica da mudança.

Mudanças em recursos humanos, tecnologia e expectativas dos clientes


compõem uma parte da base de dados sobre as quais decisões gerenciais e
operacionais são tomadas.

Um programa de qualidade, dentro de sua filosofia de reformulação e


melhoria da estrutura empresarial a partir da reestruturação e melhoria das
instalações e equipamentos e da preparação das pessoas, passa principalmente por
mudanças de postura. Construindo dessa forma uma imagem positiva e de
credibilidade, indispensáveis para um bom relacionamento com a comunidade, os
funcionários é vital para todos os clientes.

As normas ISO 14000 – Gestão Ambiental, foram inicialmente elaboradas


visando o “manejo ambiental”, que significa “o que a organização faz para minimizar
os efeitos nocivos ao ambiente causados pelas suas atividades” (ISO, 2000).

Assim sendo, essas normas fomentam a prevenção de processos de


contaminações ambientais, uma vez que orientam a organização quanto a sua
estrutura, forma de operação e de levantamento, armazenamento, recuperação e
disponibilização de dados e resultados (sempre atentando para as necessidades
futuras e imediatas de mercado e, conseqüentemente, a satisfação do cliente), entre
outras orientações, inserindo a organização no contexto ambiental.
5

2. ISO 14000

2.1. O que é?

A ISO 14000, ou série ISO 14000, é um conjunto de normas que definem


parâmetros e diretrizes para a Gestão Ambiental para empresas privadas ou
públicas. Estas normas foram definidas pela International Organization for
Standardization, que, em português significa “Organização Internacional para
Normalização”, é uma organização não-governamental e foi criada depois da II
Guerra Mundial (1946) e situada em Genebra com o objetivo de facilitar as trocas
internacionais de bens e serviços e criar normativas para o comércio mundial. O
Brasil participa do ISO através da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABTN)
uma associação

2.2. Para qual finalidade a ISO 14000 foi criada?

As normas da série ISO 14000 foram criadas para guiar, as empresas, quanto
a diminuição dos impactos por elas provocados ao meio ambiente. Muitas
corporações utilizam recursos naturais, geram poluição ou causam danos
ambientais através de seus processos de produção. Seguindo as normas em
questão, estas companhias podem reduzir significativamente estes danos ao meio
ambiente.

Quando uma empresa segue as normas e implanta os processos indicados,


ela pode obter o Certificado ISO 14000. Este certificado é importante, pois atesta
que a organização possui responsabilidade ambiental, valorizando assim seus
produtos e marca.

Para conseguir e manter o certificado ISO 14000, a empresa precisa seguir a


legislação ambiental do país, treinar e qualificar os funcionários para seguirem as
normas, diagnosticar os impactos ambientais que está causando e aplicar
procedimentos para diminuir os danos ao meio ambiente.
6

2.3. Quais são os subcomitês da criação da ISO 14000 e do que trata cada um
deles?

No ano de 1993, a ISO reuniu diversos profissionais e criou um comitê,


intitulado Comitê Técnico TC207, que teria como objetivo desenvolver normas (série
14000) nas seguintes áreas envolvidas com o meio ambiente. O comitê foi dividido
em vários subcomitês, conforme descrito abaixo:
Subcomitê 1: Desenvolveu uma norma relativa aos sistemas de gestão
ambiental.
Subcomitê 2: Desenvolveu normas relativas às auditorias na área de meio
ambiente.
Subcomitê 3: Desenvolveu normas relativas à rotulagem ambiental.
Subcomitê 4: Desenvolveu normas relativas a avaliação do desempenho
ambiental.
Subcomitê 5: Desenvolveu normas relativas à análise durante a existência
(ciclo de vida).
Subcomitê 6: Desenvolveu normas relativas a definições e conceitos.
Subcomitê 7: Desenvolveu normas relativas à integração de aspectos
ambientais no projeto e desenvolvimento de produtos.
Subcomitê 8: Desenvolveu normas relativas à comunicação ambiental.
Subcomitê 9: Desenvolveu normas relativas às mudanças climáticas.

2.3.1. Subcomitê 1: Sistema de Gestão Ambiental (SGA)

Este subcomitê desenvolveu a norma ISO 14001, que estabelece as diretrizes


básicas para o desenvolvimento de um sistema que gerenciasse a questão
ambiental dentro da empresa, ou seja, um sistema de gestão ambiental. É a mais
conhecida entre todas as normas da série 14000.

O sistema de gestão ambiental deve interagir com outros sistemas de gestão


da empresa. A norma se aplica a qualquer tipo de empresa, independentes de suas
características, local, cultura, etc.
7

A ISO 14001 tem como foco a proteção ao meio ambiente e a prevenção da


poluição, equilibradas com as necessidades sócio-econômicas do mundo atual.

A norma tem vários princípios do sistema de gestão em comum com os


princípios estabelecidos na série de normas ISO 9000. Em seu escopo, a ISO 14001
possui como objetivos gerais:
Estabelecer a criação, manutenção e melhoria do sistema de gestão
ambiental.
Verificar se a empresa está em conformidade com sua própria política
ambiental e outras determinações legais.
Permitir que a empresa demonstre isso para a sociedade.
Permitir que a empresa possa solicitar uma certificação/registro do sistema de
gestão ambiental, por um órgão certificador (empresa que dá o certificado)
externo.

Em suas referências normativas, consta a informação de que não há


menções para outras normas.

Dentro da norma, são especificadas as definições dos seguintes termos


utilizados na compreensão da mesma:
Melhoria contínua.
Ambiente.
Aspecto Ambiental.
Impacto Ambiental.
Sistema de Gestão Ambiental.
Sistema de Auditoria da Gestão Ambiental.
Objetivo Ambiental.
Desempenho Ambiental.
Política Ambiental.
Meta Ambiental.
Parte Interessada.
Organização.
8

Na área de requisitos do Sistema de Gestão Ambiental da ISO 14001, são


expostas todas as condições que a empresa deve seguir para implantar e manter o
SGA. Ela está dividida da seguinte forma:
Aspectos Gerais.
Política Ambiental.
Planejamento.
Implantação e operação.
Verificação e Ação Corretiva.
Análise crítica pela direção.
Anexos.

2.3.2. Subcomitê 2: Auditoria na área de Meio Ambiente

No que diz respeito à execução de auditorias ambientais, este subcomitê


desenvolveu três normas: ISO 14010, ISO 14011 e ISO 14012, em 1996.

Em 2001, foi desenvolvida a ISO 14015, que foi revisada em 2003. No ano de
2002, foi criada a norma ISO 19011, que substituiu a ISO 14010, a ISO 14011 e a
ISO 14012.

As normas citadas estabelecem:


ISO 14010: os princípios gerais para execução de auditorias.
ISO 14011: os procedimentos para o planejamento e execução de auditorias
em um Sistema de Gestão Ambiental.
ISO 14012: os critérios para qualificação de auditores.
ISO 14015: as avaliações ambientais de localidades e organizações.
ISO 19011: guias de auditorias de qualidade e do meio ambiente.

2.3.3. Subcomitê 3: Rotulagem Ambiental

Este subcomitê diz respeito a garantia de que um determinado produto é


adequado ao uso que se propõe e apresenta menor impacto ambiental em relação
aos produtos do concorrente disponíveis no mercado. A Rotulagem ambiental é
9

conhecida também pelo nome de Selo Verde, usada em países como Japão,
Alemanha, Suécia, Países Baixos e Canadá, mas com formas de abordagens e
objetivos que diferem uma das outras.

Para estabelecer as diretrizes para a rotulagem ecológica, este subcomitê


criou várias normas. São elas:
ISO 14020: Estabelece os princípios básicos para os rótulos e declarações
ambientais (criada em 1998 e revisada em 2002).
ISO 14021: Estabelece as auto-declarações ambientais – Tipo II (criada em
1999 e revisada em 2004).
ISO 14024: Estabelece os princípios e procedimentos para o rótulo ambiental
Tipo I (criada em 1999 e revisada em 2004).
ISO 14025: Estabelece os princípios e os procedimentos para o rótulo
ambiental Tipo III (criada em 2001).

No ano de 2003, foi iniciada a criação da ISO 14025, relativa ao Selo Verde
Tipo III, que poderá ser usada como empecilho às exportações dos produtos de
países que não estejam adequados e preparados.

2.3.4. Subcomitê 4: Avaliação da Performance Ambiental

Para estabelecer as diretrizes para um processo de avaliação do


desempenho ambiental de sistemas de gestão ambiental. Este subcomitê criou as
normas ISO 14031, em 1999 (revisada em 2004), e a ISO 14032, também em 1999.

As normas estabelecem e fornecem:


ISO 14031: Diretrizes para a avaliação de desempenho ambiental. Ela inclui
ainda exemplos de indicadores ambientais.
ISO 14032: Exemplos de avaliação do desempeno ambiental.
10

2.3.5. Subcomitê 5: Análise durante a existência (análise do ciclo de vida)

Análise do ciclo de vida, ou seja, durante a existência da empresa, é um


processo criado com o intuito de avaliar os impactos ao meio ambiente e a saúde
provocados por um determinado produto, processo, serviço ou outra atividade
econômica.

A análise abrange todo o ciclo de vida de um produto/processo/atividade.


Aborda, por exemplo:
A extração da matéria-prima.
O processamento da matéria-prima.
A produção.
A distribuição.
O uso.
O reuso (quando necessário)
A manutenção.
A reciclagem.
A eliminação (disposição final).

Para incentivar entidades oficiais e empresas públicas e privadas a


abordarem os temas ambientais de forma integrada durante toda a sua existência,
este subcomitê criou diversas normas. São elas:
ISO 14040: Estabelece as diretrizes e estrutura para análise do ciclo de vida
(criada em 1997).
ISO 14041: Estabelece a definição do escopo e análise do inventário do ciclo
de vida (criada em 1998).
ISO 14042: Estabelece a avaliação do impacto do ciclo de vida (criada em
2000).
ISO 14043: Estabelece a interpretação do ciclo de vida (criada em 2000).
ISO 14048: Estabelece o formato da apresentação de dados (criada em
2002).
ISO TR 14047: Fornece exemplos para a aplicação da ISO 14042 (criada em
2003).
11

ISO TR 14049: Fornece exemplos para a aplicação da ISO 14041 (criada em


2000).

Com a finalidade de facilitar a aplicação, as normas ISO 14040, ISO 14041,


ISO 14042 e ISO 14043, foram reunidas em apenas dois documentos: ISO 14041 e
ISO 14044.

2.3.6. Subcomitê 6: Definições e Conceitos

Toda a terminologia utilizada em todas as normas citadas anteriormente


(relativas à Gestão Ambiental) é definida na norma ISO 14050, publicada no ano de
1998, criada pó este subcomitê.

Foi feita uma revisão desta norma, conforme descrito abaixo:


ISO 14050 Rev. 1: Publicada em 2002 e revisada em 2004.

2.3.7. Subcomitê 7: Integração de Aspectos Ambientais no projeto e


desenvolvimento de produtos

Este subcomitê estudou como o desenvolvimento de novos produtos interage


com o ambiente. Foi criada a seguinte norma:
ISO TR 14062: Estabelece a integração de aspectos ambientais no projeto e
desenvolvimento de produtos (criada em 2002 e revisada em 2004).

Nesta norma, foi criado o conceito de Ecodesign, uma espécie de “Projeto


Ecológico/ Produto Ecológico”. Este conceito oferece inúmeros benefícios às
empresas que o utilizam, tais como:
Minimização de custos.
Melhora no desempenho ambiental.
A inovação e estimulada.
São criadas novas oportunidades de mercado.
A qualidade do produto é melhorada como um todo.
12

2.3.8. Subcomitê 8: Comunicação Ambiental

Este subcomitê desenvolveu duas normas relativas à comunicação ambiental.


São elas:
ISO/TC 207/WG 4: Estabelece diretrizes e exemplos para a comunicação
ambiental.
ISO 14063: Estabelece o que foi definido sobre comunicação ambiental
(criada em 2006).

2.3.9. Subcomitê 9: Mudanças Climáticas

Este subcomitê desenvolveu normas relativas as mudanças climáticas na


Terra. Estas, em grande parte, são provocadas por impactos ambientais gerados
pelo homem. As normas são:
ISO/TC 207/WG 5: Estabelece a medição, comunicação e verificação de
emissões de gases do efeito estufa, a nível de entidades e projetos.
ISO/TC 14064 Parte 1: Relativa aos gases do efeito estufa, diz respeito à
especificação para a quantificação, monitoramento e comunicação de
emissões e absorção por entidades.
ISO/TC 14064 Parte 2: Relativa aos gases estufa, diz respeito à especificação
para quantificação, monitoramento e comunicação de emissões e absorção
de projetos.
ISO/TC 14064 Parte 3: Relativa aos gases estufa, diz respeito à especificação
e diretrizes para validação, verificação e certificação.
ISO/TC 207/WG 6: Estabelece a acreditação.
ISO 14065: Relativa aos gases estufa, diz respeito aos requisitos para
validação e verificação de organismos para uso em acreditação ou outras
formas de reconhecimento.

Todas estas normas foram publicadas em 2006.


13

2.4. O que é necessário para uma empresa receber a certificação ISO 14000?

Na verdade, é um erro dizer que uma empresa recebeu o certificado ISO


14000, pois não existe certificação baseada nesta ISO, mas sim, nas séries da
norma. Assim, para uma empresa receber um certificado ISO 14000, ou melhor,
certificado ISO 14001, por exemplo, é necessário que atenda as seguintes
exigências:
Política Ambiental.
Aspectos Ambientais.
Exigências legais.
Objetivos e metas.
Programa de gestão ambiental.
Estrutura organizacional e responsabilidades.
Conscientização e treinamento.
Comunicação.
Documentação do Sistema de Gestão Ambiental.
Controle de documentos.
Controle operacional.
Situação de emergência.
Monitoramento e avaliação.
Não conformidade, ações corretivas e ações preventivas.
Registros.
Auditoria do Sistema de Gestão Ambiental.
Análise crítica do Sistema de gestão Ambiental.

2.4.1. Política Ambiental

A empresa deve elaborar uma Política Ambiental que represente seus


produtos e serviços, que seja divulgada entre funcionários e comunidade,
demonstrando que está comprometida com o cumprimento dessa política. Deve
obter o cumprimento legal e buscar o melhoramento contínuo do desempenho
ambiental.
14

2.4.2. Aspectos Ambientais

A organização precisa ter procedimentos que permitam identificar, conhecer,


administrar e controlar os resíduos que ela gera durante o processamento e uso do
produto: emissões atmosféricas, efluentes líquidos e resíduos sólidos.

2.4.3. Exigências legais

A empresa deve desenvolver uma sistemática para obter e ter acesso a todas
as exigências legais pertinentes a sua atividade, de modo que elas, e suas
documentações necessárias para seu cumprimento, fiquem claras à direção
empresarial bem como aos funcionários da empresa.

2.4.4. Objetivos e metas

A empresa deve criar objetivos e metas alinhados ao cumprimento da Política


Ambiental, de modo que reflitam os aspectos ambientais, os resíduos gerados e
seus impactos no meio ambiente. Isto, considerando as exigências legais e outros
aspectos inerentes ao próprio negocio.

2.4.5. Programa de Gestão Ambiental

A organização deve ter um programa bem estruturado, com coordenadores e


implementadores das ações que cumpram o que foi estabelecido na política
ambiental e as exigências legais, que atinjam os objetivos e metas e que
contemplem o desenvolvimento de novos produtos e novos processos. Este
programa deve, inclusive, prever ações contingenciais, associadas aos riscos
envolvidos e aos respectivos planos emergenciais.

2.4.6. Estrutura organizacional e responsabilidades

O Programa de Gestão Ambiental deve integrar as funções dos funcionários


da empresa, através da descrição de cargos e funções relativas à questão
15

ambiental. A empresa deve possuir um organograma que demonstre que suas inter-
relações estão bem definidas e comunicadas em toda a empresa.

A direção da empresa deve definir um ou mais profissionais para que seja o


representante dos assuntos específicos da Gestão Ambiental.

2.4.7. Conscientização e treinamento

O Programa de Gestão Ambiental de prover treinamento aos funcionários


com atribuições na área ambiental, conscientizando-os da importância do
cumprimento da Política do Meio Ambiente e seus objetivos, das exigências legais e
de outras definidas pela empresa.

O treinamento também deve levar em consideração todos os impactos


ambientais reais ou potenciais associados as suas atividades de trabalho.

2.4.8. Comunicação

A empresa deve possuir uma metodologia para enviar e receber comunicados


relativos às questões ambientais, para seus funcionários e comunidade.

2.4.9. Documentação do Sistema de Gestão Ambiental

A empresa precisa ter um Manual dos Sistemas de Gerenciamento Ambiental


que contenha suas exigências ambientais.

2.4.10. Controle de documentos

A empresa deve manter um sistema bem parecido com o controle de


documentos da ISO 9000, ou seja, procedimentos para que todos os documentos
sejam controlados e assinados pelos responsáveis, com acesso fácil aos
interessados, para manter atualizados, identificados, legíve3is e armazenados
adequadamente. Os documentos em desuso devem ser retirados do local para
evitar uso indevido.
16

2.4.11. Controle operacional

A organização precisa ter procedimentos para realizar inspeções e o controle


dos aspectos ambientais, inclusive procedimentos para a manutenção e calibração
dos equipamentos que fazem esses controles.

2.4.12. Situações de emergência

A empresa deve possuir procedimentos para prevenir, investigar e responder


a situações de emergência, assim como ter planos e funcionários treinados para
atuar caso haja alguma emergência.

2.4.13. Monitoramento e avaliação

A organização deve ter um programa para medir o desempenho ambiental


através da inspeção das características de controle ambiental e calibração dos
instrumentos de medição para que atendam aos objetivos e metas estabelecidos.

2.4.14. Não conformidade, ações corretivas e ações preventivas

A empresa deve definir responsáveis com autoridade para investigar as causa


das não conformidades ambientais e tomar as devidas ações corretivas e
preventivas.

2.4.15. Registros

A organização precisa arquivar todos os resultados de auditorias, análises


criticas relativas às questões ambientais. O objetivo é mostrar e provar, a quem for
que a empresa possui um sistema conforme o que é exigido pela norma.
17

2.4.16. Auditoria do Sistema de Gestão Ambiental

A organização precisa ter um programa de auditoria ambiental periódica e os


resultados das auditorias devem ser documentados e apresentados à alta
administração da mesma.

2.4.17. Análise do Sistema de Gestão Ambiental

Baseados nos resultados da auditoria do SGA, a organização deve fazer uma


analise critica do Sistema de Gestão Ambiental e as devidas alterações, para que
atenda as exigências do mercado, clientes, fornecedores e aspectos legais, na
busca da melhoria contínua.

2.5. Como ocorre a certificação?

Após implantar a ISO 14000, a empresa deve solicitar a certificação de seu


sistema. A certificação é efetuada por um Organismo Certificador que, no âmbito do
Sistema Brasileiro de Certificação – SBC, determinado através de resolução do
CONMETRO, deve estar credenciado junto ao INMETRO para exercer tal atividade.

2.5.1 Pré-avaliação

A Empresa contrata a Certificadora que encaminha um questionário de


avaliação preliminar à Empresa. Após a Certificadora receber o questionário
respondido, ela avalia documentação necessária e realiza pré-auditorias.
Com o resultado das pré-auditorias, a empresa promove correção das não
conformidades.

2.5.2 Avaliação

Após a Empresa realizar a correção das não conformidades, a Certificadora


realiza auditoria do Sistema nas instalações da própria Empresa. A Certificadora
analisa o relatório de auditoria e, caso aprovada, emite-se o certificado. Caso
18

contrário, é estabelecido um prazo para a correção das não conformidades e


realizada nova auditoria.

2.5.3 Pós-avaliação

A Certificadora tem acompanhamento constante (a cada seis meses, uma


auditoria), para averiguar a continuidade da conformidade do Sistema da Empresa
aos requisitos da Norma. A Certificadora tem o poder de suspender, cancelar ou
revogar o certificado obtido pela Empresa.

2.6. Benefícios em se obter a certificação ambiental

De um modo geral, o SGA:


Proporciona uma ferramenta gerencial adicional para aumentar
continuamente a eficiência e eficácia dos serviços;
Proporciona definição clara de Organização, com responsabilidades e
autoridades de cada função bem estabelecidas;
Promove a capacidade dos colaboradores para o exercício de suas funções,
estruturadas a partir de seleções, treinamentos sistemáticos e avaliação de
desempenho;
Minimiza custos, reduzindo desperdícios, o que aumenta a competitividade e
participação no mercado;
Possibilita maior probabilidade de identificar um problema antes que ela
ocorra e cause maiores conseqüências.

2.6.1. Para a empresa

Criação de uma imagem “verde”;


Acesso a novos mercados;
Redução de acidentes ambientais e custos de remediação;
Conservação de energia e recursos naturais;
Racionalização de atividades;
Menor risco de sanções do poder público;
19

Redução de perdas e desperdícios;


Facilidade de acesso a financiamentos.

2.6.2. Para os clientes

Confiança na sustentabilidade do produto;


Acompanhamento da vida útil do produto;
Cuidados com a disposição final do produto;
Incentivo à reciclagem, se for o caso;
Produtos e processos mais limpos;
Conservação dos recursos naturais;
Gestão dos resíduos industriais;
Gestão racional do uso de energia;
Redução da poluição global.

2.7. Motivos que levam as empresas a implantarem um Sistema de Gestão


Ambiental

2.7.1. Motivos externos

Pressão do cliente;
Alta concorrência do mercado;
Restrição de comércio através de regulamentos de mercado.

2.7.2. Motivos Internos

Convicção, acreditar nos benefícios que o sistema proporciona;


Política corporativa e estratégia de competitividade.
20

2.8 As 17 Leis Ambientais do Brasil

A legislação ambiental brasileira é uma das mais completas do mundo.


Apesar de não serem seguidas à risca, elas podem garantir a preservação do
grande patrimônio ambiental do país.

3. Conclusão

As normas ISO 14000 são uma valiosa ferramenta gerencial, contribuindo


para a redução de custos e o aumento da conscientização ambiental de seus
colaboradores, clientes e toda a comunidade, promovendo os recursos necessários
para controlar e reduzir os impactos ambientais resultantes das atividades
empresariais.

De maneira geral um sistema ISO ambiental necessita criar condições


necessárias para a definição para a realização dinâmica de uma política ambiental,
que deve ser adequada à natureza, escala e impactos ambientais das atividades
produtos ou serviços da organização.

A partir deste momento, notamos uma mudança no pensamento empresarial,


que deixou de encarar os valores gastos com os cuidados com o meio ambiente
como custos, para serem encarados como investimentos e assim passaram a ser
internalizados pelas empresas.

Podemos perceber que para uma efetiva proteção e preservação do meio


ambiente é necessário que haja um grande esforço dos administradores públicos,
empresários, ambientalistas e da sociedade na resolução destas questões, pois
como expresso na Constituição Federal Brasileira em seu art. 225 "Todos têm direito
ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e
essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o
dever de defendê-lo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações".

Para conseguir a certificação da ISO, observamos que o processo é bastante


burocrático e as exigências são muitas. Porém os benefícios são muito importantes
para a empresa no mercado hodierno, que a cada dia se torna mais competitivo. A
21

implementação do ISO 14000 é além de um instrumento de promoção da imagem


da empresa, uma oportunidade de revisão de todo os processos produtivos,
identificação de desperdícios e aproveitamento de resíduos.

Portanto, algumas empresas vêm usando certificações como jogada de


marketing, todos querem uma certificação e algumas até subornam para consegui-
la. Resta saber se a maioria trabalha desta forma. Pois são estas as opções que
surgem nesse tempo, a fim de diminuir os impactos ambientais causados pelas
indústrias.

4. Referências

http://ambientes.ambientebrasil.com.br/gestao/iso_14000.html, acesso em
24/03/2010
www.ebah.com.br, acesso em 24/03/2010
http://www.qualitabrasil.com.br/Consultor/faq/iso14001.htm, acesso em 27/03/2010
http://www.abnt.org.br, acesso em 27/03/2010
http://www.planetaorganico.com.br/17leisamb.htm, acesso em 27/03/2010

http://www.mundoquimico.hpg.ig.com.br/iso14000.htm, acesso em 27/03/2010

http://www.suapesquisa.com/o_que_e/iso_14000.htm, acesso em 27/03/2010

David L. Goetsch, Stanley Davis - ISO 14000: environmental management –


Editora Prentice Hall – São Paulo/SP

ABNT, NBR ISO 14001- Sistemas de gestão ambiental- Especificação e


diretrizes para uso. Rio de Janeiro, out. 1996.

EMPRESAS adotam processo ambientais investindo pouco. Meio Ambiente, São


Paulo, , p. 20-35, fev. 1999.

FRANCO, Núbia Cristina, Um alerta para o valor da ISO14000, Gazeta Mercantil,


14 jul 1997. Disponível e na Internet:
http://www.centind.fieb.org.br/Noticias/n4141197.htm

Related Interests