You are on page 1of 9

III- FLEXÃO SIMPLES

Neste capítulo passaremos a desenvolver as equações que regem o dimensionamento e a verificação das
seções de concreto armado submetidas ao efeito de flexão simples.

LEMBRAR QUE, CONFORME NBR 6118-2014 PARA CONCRETOS COM FCK> 50 = e σcd =
αc.fcd

1- EQUAÇÕES DE COMPATIBILIDADE DE DEFORMAÇÃO

Como visto anteriormente, as deformações na flexão simples correspondem aos domínios 2, 3 e 4.
Os valores de “x” que limitam estes domínios podem ser obtidos facilmente a partir das equações de com-
patibilidade de deformações, como mostra na figura a seguir:
c

Md x c 1
d =
linha neutra x d-x

1
As d-x

Lembrando que:
d = altura útil da seção transversal, sempre medida da linha mais comprimida até o baricentro da
armadura;
As = área de aço;

De acordo com a compatibilidade, as deformações nas armaduras e no concreto podem ocorrer nas
seguintes alternativas:

* DOMÍNIO 2: é o domínio das peças subarmadas: nelas o estado limite último é atingido pela deforma-
ção plástica excessiva do aço, sendo que o concreto não atingiu o seu limite, portanto não há ruptura do
concreto.

1 = 10%o = 0,010 0 < c < 0,0035
0 < x < 0,259d

* DOMÍNIO 3: acontece a ruptura do concreto simultaneamente com o escoamento do aço, tem-se então
o aproveitamento integral dos 2 materiais, o que é uma situação desejável. Entretanto, não há risco de
ruptura brusca, pois o aço, ao estar escoando, propiciará deformações que serão perceptíveis.

10%o > 1 > yd c = 0,0035
0,259d < x < xlim

f yd d
BARRAS (A)   yd   x lim =
Es 1 + 1,36  10 -3 f yd

* DOMÍNIO 4: conhecido como o domínio das peças superarmadas. Nele, o concreto rompe sem que o
atinja a tensão de escoamento, sem haver fissuração no concreto tracionado. Tal domínio deve ser
ENG 01111 - ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO I- UFRGS - DECIV

Em situações extremas. Md < Md lim .Armadura dupla (As e A’s)  x > xlim . yd > 1 c = cu xlim < x  d FATO IMPORTANTE DA NORMA NBR6118:2014 Ou seja.dimensões da seção transversal (b. há casos onde com Domínio 2 requer armadura dupla. para definir se haverá ou não necessidade de armadura dupla. ou.8x b d linha neutra As b w .evitado.resistências dos materiais (fck . a área de aço necessária.UFRGS . as armaduras As e A’s . Deve ser calculado assim a armadura As . d) (devem ser estimados) . h. como conseqüência do esmagamento do concreto. também chamado de Xductil . NOTE QUE ISTO LEVA A UMA CONSEQUENCIA INTERESSANTE: PODERÃO EXISTIR CASOS EM QUE ESTANDO NO DOMÍNIO 3 PODERÁ REQUERER ARMADURA DUPLA. Md > Md lim ENG 01111 .Armadura simples (As)  x < xlim . deverá ser respeitado um Xmáx. fyk) . dependendo da configuração geométrica das cargas e das propriedades dos materiais. caso seja necessário. tanto à tração quanto a compressão. 2.DECIV .DIMENSIONAMENTO DE SEÇÃO RETANGULAR (DOMÍNIOS 2 E 3) No processo de dimensionamento de seções retangulares de concreto armado. são conhecidos os seguintes dados: As’ d’ 0. e também devido à possibilidade de ruptura frágil.solicitação (Md) Fica assim como incógnita. por não ser econômico já que há um mau aproveitamento do aço.ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO I.

85 b y fcd (d . ENG 01111 .As f yd  M As  0  Md = 0. pois a ruptura aconteceria pelo esmagamento repentino do concreto. pode-se estabelecer o equilíbrio das forças de tração no aço Fst e a de compressão no concreto Fcc.5 y) 0. Caso y seja maior que o ylim .85 b ylim fcd (d . onde λ = 0. Equações de equilíbrio  F  0  0 = 0.2 da norma).A armadura encontrada deve respeitar os critérios de armadura mínima definidos no capítulo VIII da NBR6118:2014. . isto é obtido substituindo a parábola-retângulo por um retângulo com área equivalente. Quase todas elas procuram estabelecer o equilíbrio de forças e momentos na seção transversal. obtêm-se a posição da linha neutra.Armadura máxima  As máx = 4% bw h O coeficiente indicado na fórmula anterior depende da forma da seção transversal e do tipo de concreto usado.ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO I. Observando a seguinte figura. a área de aço necessária As é obtida isolando-a na equação de somatório de forças.85 b y fcd . o momento de cálculo atuante é maior que o momento limite.UFRGS . sendo conveniente então projetar armadura dupla. y = λx. *Domínios 2 e 3: O valor de y deve atender a condição: y  ylim = 0.0.2. ou seja Md > Mdlim  Mdlim = 0. Usaremos a metodologia de cálculo baseado no equilíbrio de forças e momentos na seção transversal.8 x (somente para o caso de fck<50 Mpa.1. estando normalmente em torno de 0.0.Armadura mínima  As mín = Coef * bw h** (ver CapVIII)  aço CA-50 e CA-60 . ARMADURA SIMPLES Existem várias metodologias para o dimensionamento de seções de concreto armado. caracterizada pela distância y.15%.8 x x d Md linha neutra As As fyd Fst Com a equação de soma de momentos. 2. Usaremos o diagrama simplificado para as tensões de compressão do concreto. Neste caso não convém o dimensionamento com armadura simples.85 fcd 0.5 ylim ) indicando que a seção trabalha no domínio 4. o que é obtido substituindo o x pelo valor y=0.8 xlim Nestes casos.DECIV .85 b y fcd Fcc y = 0.8*(fck- 50)/400 Item 17. quando fck> 50 Mpa.

d’ d’ As’2 As’ 0. bf hf h  1. as forças de compressão e tração que formam o binário capaz de absorver a diferença de monentos Md .85 b ylim fcd + As ' 2 .0.DECIV .3 da norma (e não mais o xlim conceitual!) *Equações de equilíbrio   F  0  0 = 0.ARMADURA DUPLA Quando y > ylim ou. x > xlim ou Md > Mdlim  A’s y = ylim = 0.2.0035  diagrama tensão-deformação do aço  2 ylim .8d' ylim A armadura tracionada. tendo-se calculado antes a deformação 2 a partir da compatibilidade de deformações: 2  0. já que o xlim e ylim devem ser limitados pelos xmax e ymax respectivamente. 3.8 xlim  Mdlim  Md = Md . Esta armadura de compressão e uma armadura adicional de tração As constituem.ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO I. As.2.6. quando suas áreas são multiplicadas por suas resistências. tal afastamento é normalmente nomeado de d´.85bylim fcd As’ Mdlim + d Md d d . Md > Mdlim fixa-se a posição da linha neutra em xlim (ylim) que seria a máxima seção que poderia estar comprimida no domínio 3.Mdlim CUIDADO!!!! Desde a NBR6118:2014 entende-se que para calcular o Mdlim o xlim deve ser o definido no item 14.UFRGS . resulta: As= As1 + As . o que é o mesmo.As f yd  M As  0  Md = Mdlim + As' 2 (d .DIMENSIONAMENTO DA SEÇÃO T O dimensionamento segue o mesmo procedimento adotado para a seção retangular. As’. adaptando-se apenas a forma da seção nas equações de equilíbrio para poder contemplar as áreas comprimidas.4. o mais afastada possível da linha neutra.d’ d . e se introduz uma armadura localizada na zona comprimida.5 cm2/m bw ENG 01111 .d' ) A tensão 2 da armadura de compressão A’s deve ser determinada pelo diagrama tensão- deformação do aço empregado.5ylim As As1 fyd As As fyd Observe que este conceito simples foi alterado pela NBR6118-2014 pois é possível ter armadura dupla no Domínio 3.0.

As f yd  M As  0  Md = Mdmax + As' 2 (d . Mdmáx :    Mdmáx = 0.5h f  A diferença de momentos Md = Md . As equações de equilíbrio são.8 xlim  Armadura Dupla O procedimento é análogo ao da seção retangular com armadura dupla. e uma armadura tracionada As. poderão acontecer 3 situações possíveis. ENG 01111 .bw hf .3. deverá ser usada a lei de Hooke para encontra o valor de 2.As f yd Md = 0.5 y) + 0.8xlim  0.As f yd    Md = 0.85 fcd bf .85 bw y fcd + 0.ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO I.5h f  3.d' ) A tensão 2 da armadura de compressão A’s deve ser determinada pelo diagrama tensão- deformação do aço empregado. 2 será igual a fyd. Zona comprimida está dentro da mesa  0.A altura da zona comprimida está entre hf e 0.5y  3.Mdmáx será absorvida por uma armadura de compressão.85 fcd bf .0.8x = 0. com as seguintes equações de equilíbrio: b  bf y 0 = 0.bw ) hf  bw ylim + As ' 2 .8xlim  hf < 0. Entretanto. o cálculo do momento correspondente à seção T quando 0.bw hf d . conforme a posição da linha neutra: 3. então.8xlim  Armadura Simples O dimensionamento é feito adaptando-se as equações de equilíbrio para a seção T.0.85 bw y fcd (d .DECIV .85 bw ylim fcd (d . caso contrário. tendo-se calculado antes a deformação s2 a partir da compatibilidade de deformações: s2  0.bw hf d .8x < hf  Armadura Simples O dimensionamento é feito como se tivesse uma viga de seção retangular de largura bf e altura útil d.5 ylim ) + 0. A’s.8x > 0.85 fcd bf . Faz-se. então.0.A altura da zona comprimida é maior que 0.8d' ylim Lembrar que: caso εs2 for maior o igual a εyd.0.85 fcd (b f .85 bf y fcd .0.8x  0. o que resulta: y   0 = 0.85 bf y fcd d .UFRGS .1.0035  diagrama tensão-deformação do aço  2 ylim .8xlim . dadas por: F  0    0 = 0.2.0.

são conhecidas todas as dimensões geométricas da seção.y) y Esta equação.85 b y fcd (d .0. junto com as de equilíbrio (1) e (2) torna o sistema determinado. CASO A VIGA T TIVER UMA MESA SUPERIOR. as resistências dos materiais. assim. As1 (2)  Mu = 0.85 b y fcd (d . 4.As 1 ( 2)  Mu = 0.85 b y fcd . neste caso. são: (1)  0 = 0.0035 Es (0. pois para y > ylim  1< fyd e o problema deverá ser resolvido de acordo com o tipo do aço: * BARRAS (A) Para as barras.y.0.1.5 y) Este sistema não pode ser resolvido. 4.uma armadura tracionada e a outra comprimida A diferença do problema de verificação em comparação ao de dimensionamento está no fato de não se saber se as armaduras atingiram a tensão de cálculo fyd. O problema deverá ser resolvido de acordo com o tipo do aço: * BARRAS (A) ENG 01111 . e Mu .85 b y fcd + As ' 2 .DECIV . a deformação na armadura tracionada é dada por: 1 1  Es A tensão 1 é determinada substituindo-se o valor acima na equação de compatibilidade das deformações: 1  0.8d . restando por calcular o momento fletor último. neste caso. pois existem mais incógnitas do que equações.ARMADURA SIMPLES A diferença do problema de verificação em comparação ao de dimensionamento está no fato de não se saber se a armadura tracionada atingiu a tensão de cálculo fyd. 1 realmente atingiu a tensão de cálculo fyd. que pode solicitá-la. O procedimento utilizado para resolver o sistema é o seguinte: 1) arbitra-se.5y) + As ' 2 (d . ELA COMPORTAR-SE-Á COMO RETANGULAR DE LARGURA bw E NÃO bf!!!!! 4. As equações de equilíbrio.ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO I.ARMADURA DUPLA . suas armaduras.2. o valor de y calculado está correto e determina-se o valor de Mu substituindo-se y na equação (2) 3) se o valor encontrado para y for y > ylim o seu valor não está correto. na equação (1). quando y > ylim .UFRGS . 1.d' ) Este sistema não pode ser resolvido. pois existem três incógnitas .VERIFICAÇÃO DE SEÇÃO RETANGULAR Nos problemas de verificação. 1 está na parte da reta de Hooke do diagrama tensão-deformação. As equações de equilíbrio. E ESTIVER SENDO SUBMETIDA A UM MOMENTO NEGATIVO.e duas equações. são: ( 1)  0 = 0.LEMBRAR QUE. 1= fyd e obtém-se o valor de y 2) se o valor encontrado para y for y  ylim . Mu.

UFRGS . sejam realizadas simplificações. então 1 é menor que fyd e. Esta técnica nem sempre é aplicável. como por exemplo.0. então 1 é igual a fyd e 2  fyd . A NBR6118-2004 permite que. ou ábacos. essa área é variável com a posição da linha neutra. então 1 é igual a fyd e 2  fyd . é possível ENG 01111 . 2 < yd e a tensão 2 deve ser determinada por: 2  0. Arbitra-se. tornando-a uma destas últimas. A equação abaixo junto com as de equilíbrio (1) e (2) torna o sistema determinado.207d (domínio 2). É o caso de algumas vigas I pré- moldadas e com chanfros entre as uniões da alma e as abas.8 d  y Se 2  yd  2 = fyd e da equação de equilíbrio (2) pode-se calcular Mu. Nestes casos.01 Es (y . em seções retangulares ou triangulares. ficando: 2  0.0035 (y . só que a correspondente ao domínio 3: 2  0. na equação (1). geralmente.8 d ) y 5 – DIMENSIONAMENTO E VERIFICAÇÃO DE SEÇÕES DE FORMAS DIFERENTES O dimensionamento de seções diferentes da retangular ou T anteriormente apresentados torna-se um pouco mais complexo. ou são aproximadas com poligonais. Se 2 < yd então a equação abaixo junto com as de equilíbrio (1) e (2) torna o sistema determinado.0. 2  0. Existe bibliografia especializada que apresenta tabelas.8 d ) 0 .8 d ) y 3) Se y > ylim (domínio 4). Isto ocorre em peças armadas com aço de alta resistência. 2  0. 1= 2= fyd e obtem-se o valor de y. ou são estabelecidas as equações de equilíbrio em termos de setores de circulo.0035 Es (0. Se 2 < yd então a equação abaixo junto com as de equilíbrio (1) e (2) torna o sistema determinado.8 d ) y Se 2  yd  2 = fyd e da equação de equilíbrio (2) pode-se calcular Mu.DECIV . A determinação de 2 novamente é feita através da equação de compatibilidade das deformações. Muitas vezes. ou a seção tubular circular.8 d  y 2) Se 0.207d < y  ylim (domínio 3). A determinação de 2 é feita através da equação de compatibilidade das deformações no domínio 2.0035 Es (y . não porque o fenômeno complique.8d . quando a seção não difere consideravelmente da retangular ou T.0. ou são usadas técnicas numéricas. que auxiliam no dimensiona- mento de seções de geometria um pouco elaboradas.0035 Es (y . por exemplo no caso da seção circular. somente excepcionalmente 2 deixa de atingir a tensão de cálculo fyd.0.ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO I. no domínio 4. Caso a seção não se encontre tabelada.01 (y . mas pelo fato do cálculo da área e da posição do baricentro da seção de concreto que ficará comprimida. nesses casos convêm dividir a seção comprimida em seções mais fáceis de trabalhar. 2 = fyd . de pequena altura útil e recobrimento da armadura de compressão grande. Nesses últimos casos. 1  0.8 d ) 0 .0.y) y Tomou-se 2 = fyd porque. Podem ocorrer três situações: 1) Se y  0.

e com isto.ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO I.DECIV . mediante o uso de programas computacionais. por exemplo do Método dos Elementos Finitos.também encontrar a distribuições dos esforços.UFRGS . a localização das armaduras. TABELA PARA ARMADURA DE LAJES (As cm2/m) ENG 01111 .

ENG 01111 .ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO I.UFRGS .DECIV .