O Direito à Cidade: Reflexão Conceitual e Experiência Internacional

FGV-SP – 2o semestre de 2017

Professor José Henrique Bortoluci
CPDOC-FGV
jhbortoluci@gmail.com

Objetivos

A disciplina trata do “direito à cidade” – uma temática acadêmica e política que, nos
últimos anos, passou a ocupar espaço central nos debates acerca dos dilemas e
disputas pela transformação das cidades contemporâneas, nos contextos nacionais
mais diversos. O conceito, inicialmente formulado pelo filósofo francês Henri Lefebvre
em fins dos anos 1960, foi reelaborado ao longo de lutas urbanas em todo o globo, em
particular na França, nos Estados Unidos e na América Latina.

Ao longo do curso, discutiremos a evolução do urbanismo moderno e as principais
críticas a ele, além de situar as especificidades dessa modalidade (por si só múltipla e
conflituosa) em suas manifestações em sociedades do sul. Além disso, trabalharemos
temáticas contemporâneas, como a disputas por moradia, as diferentes formas de
ativismo urbano, a emergência dos “comuns” e as novas formas de democracia
urbana.

Dinâmica do curso

As aulas geralmente serão iniciadas com uma exposição do professor sobre os
principais conceitos apresentados na bibliografia obrigatória e complementar. Em
seguida, os alunos irão coordenar em grupo a apresentação dos estudos de caso.
Haverá também a exibição e debate de documentários em algumas das aulas, além
da participação de convidados externos (a serem definidos).
O trabalho final exigirá dos grupos a imersão em alguma dimensão da vida da cidade.
Os temas possíveis e os métodos de estudo serão discutidos em sala de aula.

Avaliação

Estudo de caso 20%
Participação 20%
Trabalho final em grupo 30%
Avaliação Final 30%

55. 104. 131-148. Tavolari. 2016. O Direito à Cidade. “O Direito à Cidade”. Seeing Like A State. Routledge. (Algumas) críticas ao urbanismo moderno *Jacobs Jane. 2015. Henri. 2014 [1988]. . ch 4 (“The High Modernist City: An Experiment and a Critique”). PROGRAMAÇÃO DE AULAS E LEITURAS (*=leituras obrigatórias) 1. Utopia e Justiça: uma introdução *Lefebvre. Cities of Tomorrow.29.73-89. and the Birth of Urban Modernism” in his Fin de Siecle: Vienna Politics and Culture Vintage Books 3. Urban Think Tank. its Critics.” Novos Estudos CEBRAP. Cidades do Sul Global e as geografias do conhecimento urbano *Roy. New edition.” Regional Studies 43(6):819–30. Chatterjee. Urbanismo moderno e a disputa pela cidade *Scott. 2006. 2012. The MIT Press. 2009. Tafuri. 2. James. Columbia University Press. 1998. Architecture and Utopia: Design and Capitalist Development. The Politics of the Governed: Reflections on Popular Politics in Most of the World. (em sala de aula). p. Schorske Carl E. Partha. Direito à cidade: uma trajetória conceitual. 103–146. Peter.73 *de Certeau Michel 1988 ”Walking in the city“ from The Practice of Everyday life California: UC Berkley Press. 2009. 93-109./dez. Jennifer. Manfredo. trechos selecionados. David. Ananya. “What Is Critical Urban Theory?” City 13(2-3):198–207. Pp. Ordinary Cities: Between Modernity and Development. “The 21st-Century Metropolis: New Geographies of Theory. 4. 1992 [1961] “The uses of Sidewalk: contact”. 2006. pp. The Death and Life of Great American Cities pp. v. p. Neil. Hall. Cidade. 1979. *Filme (em sala de aula): Torre David. New Haven: Yale University Press. Lutas Sociais n. Brenner. Robinson. John Wiley & Sons. *Harvey. jul. [1961] 1981 “The Ringstrasse. Bianca.

2015. vol. City. São Paulo. pp. 1992. . vol. Eduardo Cesar. 5. and Citizenship in São Paulo. “Protesto em Assentamentos Informais”. Justin. Bogotá: Editorial Tercer Mundo. and Social Justice". “To go again to Hyde Park: Public Space. Direção: Chad Freidrichs 8. p. Kowarick. The Pruitt-Iggoe Myth. Veena and S. Palgrave Macmillan. 18-27. Bortoluci. pp. Em The Right to the City. 1st ed. Radical Cities. 2013. 2000. and Power. 2003. Milton. Segregation. março 2015. 2000. Disponível em https://www. Precarity”. Santos. “Politics of the Urban Poor: Aesthetics. 1979a. São Paulo: Editora 34. n. Moradia e ativismo urbano 2 *McGuirk. 175-206. Diálogo Globa ISA. Pierre et al. v. São Paulo em perspectiva internacional: breve história sócio-espacial *Rolnik. 2009b. University of California Press. 2009. Bayat. Novos Estudos CEBRAP. Raquel. 336-345. 6. Metrópole Corporativa Fragmanteda. Lúcio. 13-41. Movimentos sociais e estratégias de resistência urbana cotidianas *Hamel. heterogeneidades e desigualdades. Mitchell. 2001. Current Anthropology. Marques. 2016. 9-17 e 369-380. 7. Armando. Rights. Randeria. “From `Dangerous Classes’ to ‘Quiet Rebels’ Politics of the Urban Subaltern in the Global South. 35. Volatility. Arquiteturas: Copromo. “A descoberta do viver periférico: Articulações do popular na arquitetura paulista (1960-1980)”. São Paulo: Editora Unesp Centro de Estudos da Metrópole. global spaces”. “Do barraco à casa: tempo. Silva. 2012. espaço e valo(es) em uma favela consolidada. Manuel.1. Cavalcanti. 1a ed. supplement 11. São Paulo: Publifolha. Class. Raquel. 2015. Asef. 31-50. “Urban Social Movements – local thematics. Imaginarios Urbanos.com/watch?v=4H6BM6_aubA Vários autores. José H. pp. Don. *Filme: SESC-TV. Caldeira.” Revista Brasileira de Ciências Sociais 24(69):69–80. 56. 2015. City of Walls: Crime. pp. Mariana. Moradia e ativismo urbano *Rolnik. Em The Urban Sociology Reader. Castells. 5. Escritos urbanos. pp. *Das.” International Sociology 15 (3): 533–57. A metrópole de São Paulo no século XXI: espaços. Ethics.youtube. 2014. Guerra dos Lugares. Teresa. São Paulo: Edusp. 2003.

10. They can’t represent us: reinventing democracy from Greece to Occupy. programas y otras recetas urbanas para ciudades latinoamericanas”. “The creation of urban commons”.. Novos Estudos Cebrap 94. J. pp.” Urban Studies 52(11):2001–17. 1996. Wiley-Blackwell.. Zukin. “Madrid. 2015. ocupações e os “commons” *Harvey. 2014. 2015. Next City. Cidade. Verso. J.. 29 de junho de 2015. Novy.. Connolly. 11. Sitrin. 2009. políticas. Em The Urban Sociology Reader. “The Just Cities Essays”. Otília. Next City. Ross.net/destaques/madri-laboratorio-democratico-global/> *Marcuse. Olivio. The Cultures of Cities. n. 2012.org/features/view/just-city-essys-toni-griffin-theaster-gates-angela- glover-blackwell Caldeira. Sy e Johanna Brenner. 2012. 200-207. Bernardo. I. Marina e D. “Novas visibilidades e configurações do espaço público em São Paulo”.Scruggs. (eds) (2009) Searching for the Just City (Routledge: New York). Uso e significação dos espaços públicos (e as ciladas do urbanismo antissocial) *Arantes.121-150. 11-74. Em A cidade do pensamento único. Cadernos Metrópole. P. 12. Teresa and James Holston. pp.org/features/view/millennials-renters-latin-america-urban-chao- suegra 9. . London: Verso. 2012. “Latin American Cities to Millennials: Move Out of Your Parents’ House and Rent”. laboratório democrático global?” <http://outraspalavras. Potter. Adler. Victor. Sharon. “Participatory Urban Planning in Brazil. Azzellini. 67-88. Arte. p. nov. “Gender and Space: Lesbians and Gay Men in the City”. Em Rebel Cities. (trechos selecionados). 31: 89-111. Vários autores. “Uma estratégia fatal: a cultura das novas gestões urbanas”. Greg. pp. J. 19 de Outubro de 2015. Disponível em https://nextcity. Delgadillo. Kristin. “Urbanismo a la carta: teorías. David. J. Democracia e a cidade *Gutierrez. 2014. and Steil. Communal Luxury: The Political Imaginary of the Paris Commune. Teresa. cultura e ativismo urbano *Caldeira. Disponível em https://nextcity. 2015.

Beautiful Trouble: A Toolbox for Revolution. Sharon. 13. Zukin. New York: OR Books. pp.*Boyd. (trechos selecionados). Tanya L. Saunders. Em The Cultures of Cities. Apresentação dos trabalhos finais . 1-47. “Black Thoughts.” Latin American Perspectives 39(2): 42–60. “Whose Culture? Whose City?”. 2012. Atividade complementar (decidida em sala de aula) 14. Black Activism: Cuban Underground Hip-Hop and Afro-Latino Countercultures of Modernity. Andrew and Dave Oswald Mitchell. 2012.