UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ - UFC

CENTRO DE TECNOLOGIA - CT
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA - DEE

LABORATÓRIO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS I

Relatório da Prática 10
Operação Direta da Máquina de Indução Trifásica - MIT

Bancada: 02
Equipe: Breno Bezerra Chaves – 336649
Lorena de Castro Dantas – 366317
Maria Yasmin Almeida Sampaio – 356290

Professor: Sérgio Daher
Turma: 03A (Segunda-Feira, 10h-12h)

Fortaleza
(13/06/2016)

Reação à Queda de Fase ____________________________________________ 11 4. PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL ____________________________________ 4 3. OBJETIVOS __________________________________________________________ 3 2.3.2.2 Curvas Características _____________________________________________ 10 3.1.2. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ____________________________________ 14 2 .MIT ________________________________ 7 3. SUMÁRIO 1. Gerador CC com Excitação Independente ______________________________ 8 3. Corrente de Partida e de Regime . MATERIAL UTILIZADO _______________________________________________ 3 3. CONCLUSÃO ________________________________________________________ 13 5.1 Procedimento para comparação _______________________________________ 9 3.2.

 Reostato de 2200 Ohms.  Tacômetro digital.1.  1 Amperímetro Analógico CC (0 – 10 A). MATERIAL UTILIZADO  Bancada com retificador a diodo.  Osciloscópio digital.  Multímetro digital. 3 .  Cabos e conectores. OBJETIVOS  Verificar a partida e operação da MIT alimentada a partir da rede.  1 motor de indução trifásico.  Ponteira de corrente para o osciloscópio.  1 gerador CC.  Verificar o processo de inversão de velocidade da MIT.  1 Voltímetro Analógico CC (0 – 500 V).  Banco de lâmpadas. 2.  Observar o comportamento da MIT com carga.  Verificar as consequências da falta de uma fase.

Dados de placa da MIT Fonte: O próprio Autor Tabela 1 . ou seja. Para o experimento.87 Número de Polos 4 Fonte: O próprio Autor A máquina utilizada foi construída para funcionar conectada à rede de frequência 50 Hz.A. predeterminada por sua instalação na bancada do laboratório. cuja placa está representada na Figura 1 e as características estão melhor detalhadas na Tabela 1.”. por 4 . Figura 1 . utilizou-se a ligação em estrela. PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL Para o estudo da MIT (Máquina de Indução Trifásica) utilizou-se a máquina do fabricante “EletroMáquinas ANEL S.3. mas foi acionada pela rede local de 60 Hz.5 Frequência Nominal (Hz) 50 Potência Nominal (HP) 5 Velocidade Nominal (rpm) 1450 Fator de Potência 0.Características da MIT utilizada Delta Estrela Tensão Nominal (V) 220 380 Corrente Nominal (A) 13 7. visto que seu funcionamento é apenas para experimentos laboratoriais com fins educativos. Não há prejuízos consideráveis à máquina.

(1. realizou-se a ligação direta da MIT à alimentação trifásica de 380 V de linha. Como consequência dessa alteração de frequência. observou-se que a rotação da máquina ocorreu no sentido horário. Como a máquina foi ligada a vazio. DAHER. pois a máquina está operando a vazio.um curto espaço de tempo. Antes de prosseguir com a descrição do procedimento. deve-se ter em mente que a definição de velocidade síncrona de uma máquina é a velocidade de rotação do campo girante presente no estator. 2016. Figura 2 . 𝒇 𝑽𝒔í𝒏𝒄𝒓𝒐𝒏𝒂 = 𝟏𝟐𝟎. A pequena variação é consequência de um leve escorregamento (a definição será apresentada a seguir) presente na máquina em virtude de seus aspectos construtivos e princípios de funcionamento. de acordo com o esquemático mostrado na Figura 2. Este valor é maior que o nominal. 𝟔𝟎 𝑽𝟔𝟎 = 𝑽𝟓𝟎 . como apresentado na equação (1). e com velocidade 1797 rpm. Este escorregamento é calculado a seguir na equação (3): 1800−1797 𝑆𝑣𝑎𝑧𝑖𝑜 = = 0. podendo ser calculado por uma simples regra de três.Ligação direta da MIT Fonte: Roteiro de Aulas Práticas – Disciplina de Máquinas Elétricas.16% (3) 1800 5 .2) → 𝑉60 = 1740 𝑟𝑝𝑚 (1) Após o conhecimento dos dados de funcionamento da máquina para a frequência da rede. 𝒑 → 𝑉𝑠 (60 𝐻𝑧 − 4 𝑝𝑜𝑙𝑜𝑠) = 1800 𝑟𝑝𝑚 (2) Onde p é o número de polos. ou seja. 𝟓𝟎 = 1450. Após a partida. a velocidade atingida é muito próxima da velocidade síncrona esperada (1800 rpm) para uma máquina de 4 polos. a velocidade do vetor resultante do somatório dos três campos pulsantes no tempo (ondas senoidais defasadas 120° elétricos e mecânicos) produzidos pelas fases que alimentam a máquina. sua velocidade nominal de rotação irá aumentar. medido com o auxílio de um tacômetro digital.

o torque de rotação será nulo. que é dita ser uma máquina assíncrona. altera- se também o sentido de rotação mecânica. 1800−1740 𝑆𝑛𝑜𝑚𝑖𝑛𝑎𝑙 = = 3. invertendo-se a posição de duas fases a cada vez. Este fator é essencial para o funcionamento de uma máquina de indução. respectivamente: horário → anti-horário → horário. como o rotor está sempre “seguindo” o campo produzido no estator. Figura 3 . Escorregamento é definido pela diferença entre a velocidade relativa entre a velocidade síncrona da máquina (de acordo com o número de polos) e a velocidade mecânica desenvolvida pelo rotor. A explicação para este fenômeno está na essência do campo girante. Observe na Figura 3 a representação do campo girante formado pelo arranjo de fases ABC. pois ele garante que sempre existirá uma diferença entre a velocidade do rotor e a do campo girante. observou-se a inversão do sentido de rotação. O escorregamento nominal da máquina é calculado na equação (4). muda-se o sentido de rotação do campo e.Formação do Campo Girante Fonte: Autor Desconhecido 6 .33% (4) 1800 Foram realizadas três partidas da máquina a vazio. já que no momento em que o rotor atingir a velocidade síncrona. e a máquina perderá sua função. A cada mudança. pois a cada mudança na posição de um par de fases da máquina.

o torque se mantém um pouco mais estável. A equação (5) apresenta o cálculo deste parâmetro. 𝐼𝑝 66.1.5 Um fato interessante é que embora a corrente possua um valor muito elevado na partida em relação à de regime. Corrente de Partida e de Regime . 3.5 7 . obtendo-se as formas de onda da Figura 3. respectivamente Fonte: O próprio Autor Com o valor de corrente máxima de partida da primeira imagem da Figura 4 e o conhecimento da corrente nominal da máquina.23 = = 43. Uma faixa comum é em torno de 60% a 350% do valor nominal.853 (5) 𝐼𝑛 7. Na equação (6) encontra-se o cálculo desta relação.Corrente de partida e de regime. Figura 4 . Observa-se que há um pico inicial de corrente.07% (6) 𝐼𝑛 7. podendo até ser menor. é possível determinar a relação IP/IN.MIT Com o osciloscópio. observou-se a corrente de partida e de regime da MIT a vazio. que é aproximadamente oito vezes maior que o valor de regime. 𝐼𝑣𝑎𝑧𝑖𝑜 3. ficando em torno de 20% a 60% da corrente nominal. mais estável e que aparece no final do eixo de tempo.4 = = 8. um parâmetro de extrema importância para a MIT. Já a corrente a vazio (segunda imagem da Figura 4) tem uma faixa de variação mais restrita.

com uma potência em torno de 1050 W. DAHER.17 Fonte: O próprio Autor 8 . Gerador CC com Excitação Independente Para a segunda parte da prática. para partida a carga máxima.2. medindo-se sempre os valores referentes a carga de corrente (IL) e potência (P).94 200 3.2 448 1789 0. 3. A máquina foi acionada ao limite de carga de 1050 W (valor total de potência absorvido pelas lâmpadas quando em funcionamento sob condições nominais de tensão e corrente).00 220 4 880 1779 1.Dados de funcionamento do gerador Vg (V) IL (A) P (W) n (rpm) s (%) 80 2. de acordo com o esquemático da Figura 5.61 160 3. Tabela 2 .4 544 1786 0.44 120 3 360 1791 0. O reostato (0 – 2200 Ω) foi ajustado para um valor médio (em torno de 1200Ω) para limitar a corrente de partida.4 192 1793 0. O banco de lâmpadas utilizado como carga foi acionado completamente.78 180 3.8 760 1782 1.50 140 3.39 100 2. a velocidade de rotação do gerador (n) e o escorregamento (s). Figura 5 . realizou-se a ligação da máquina CC acoplada ao eixo da MIT para operar como gerador.6 648 1783 0. Ajustou-se o reostato de modo a fornecer os valores de tensão de carga (Vg) mostrados na Tabela 2. 2016.Ligação do gerador com excitação independente Fonte: Roteiro de Aulas Práticas – Disciplina de Máquinas Elétricas.6 260 1792 0.

6 504 1787 0.8 608 1785 0. 1793−1779 𝑅𝑒𝑔𝑚á𝑥 = = 0. Tabela 3 .2.Dados de funcionamento do gerador Vg (V) IL (A) P (W) n (rpm) s (%) 80 2.5 990 1776 1.44 120 3. modificando-se apenas a carga de lâmpadas para 700 W. Observa-se que a MIT possui uma boa regulação de velocidade.33 100 3 300 1792 0.05 729 1782 1.83 180 4. Na equação 7. e as pequenas variações podem ter sido consequência da diferença de carga ou de erros de medição.28 220 4. com redução de apenas 14 rpm para a condição de carga máxima aplicada.1 Procedimento para comparação Na Tabela 3 encontram-se os dados referentes ao mesmo procedimento na mesma máquina realizado em outro dia. Observa-se que os dados são bem similares. mas referido aos dados da Tabela 3.72 160 3.15 830 1777 1. Na equação (7) calcula-se o valor da regulação para esta condição de operação. é calculada a regulação de velocidade nas mesmas condições do primeiro caso.6 208 1794 0.78% (7) 1793 3.00 200 4.2 384 1791 0.50 140 3.33 Fonte: O próprio Autor 1794−1776 𝑅𝑒𝑔𝑚á𝑥 = = 1% (7) 1794 9 .

Escorregamento x Potência de Carga Tabela 2 Tabela 3 1. Gráfico 1 .8 0.2 Curvas Características Os Gráficos 1 e 2 apresentam as curvas de velocidade de rotação e escorregamento da máquina. podendo assim realizar uma melhor comparação dos mesmos.2. 3.Curva de velocidade x Potência de Carga Tabela 2 Tabela 3 1796 1794 1792 Velocidade (rpm) 1790 1788 1786 1784 1782 1780 1778 1776 1774 150 250 350 450 550 650 750 850 950 Potência da Carga (W) Fonte: O próprio Autor Gráfico 2 . respectivamente.6 0.2 0 150 250 350 450 550 650 750 850 950 Potência da Carga (W) Fonte: O próprio Autor 10 .2 1 0. em função da potência de carga.4 Escorregamento (rpm) 1.4 0. Ambos possuem curvas para os dados das Tabelas 2 e 3.

No momento da partida. no esquema de ligação da Figura 2. houve um aumento no valor da corrente. No entanto. ou seja. Observa-se que. Na Figura 7 observa-se a transição da corrente de entrada da MIT no momento da retirada de uma fase: a direita a corrente quando alimentada por 3 fases e a esquerda com duas fases. a máquina não conseguiu desenvolver torque. se a máquina já estiver em funcionamento e o campo girante já iniciado. Na Figura 6 pode-se ver a magnitude da corrente durante o acionamento a duas fases (em que a máquina não realiza partida). é possível manter o funcionamento com apenas duas fases. já que terão de compensar a perda da terceira. para comparação com o próximo caso. emitindo um grande ruído. o que não ocorre na retirada de uma fase do sistema trifásico. em razão da corrente requisitada ser muito elevada. Figura 6 . Reação à Queda de Fase Analisou-se em seguida o comportamento da máquina quando alimentada com apenas duas fases. a MIT não é capaz de partir com apenas duas fases. como citado anteriormente. garantindo integridade no funcionamento do sistema. 11 .Corrente de entrada durante acionamento a duas fases Fonte: O próprio Autor Outra questão é a necessidade de origem do campo girante. resultando apenas no aumento das correntes de cada fase. o que não é suprido por apenas duas fases. importante observar que a escala vertical está em 20V (corresponde a A) por divisão. Este comportamento é justificado pelo fato da MIT necessitar de uma potência muito grande durante a partida.3. ela permanece em funcionamento. mas em um fator aceitável. que apenas seria possível em um sistema bifásico se a defasagem fosse de 90°. 3. portanto. Lembrando que a fase foi retirada durante o funcionamento da máquina.

Corrente de operação à três fases (direita) e a duas fases (esquerda) Fonte: O próprio Autor 12 .Figura 7 .

Como essa máquina foi alimentada em um sistema com 60 Hz. na MIT. a MIT girou no sentido horário. restando apenas duas fases conectadas a máquina. muda-se o sentido de rotação do campo e. Isso se deve ao fato de que. foi analisada a corrente de partida dessa máquina. emitindo um grande ruído. A corrente obtida nesse experimento foi 8. Posteriormente verificou-se o sentido de rotação da MIT. a cada mudança na posição de um par de fases da máquina. intitulado de “Operação Direta da Máquina de Indução Trifásica – MIT”. se a máquina já estiver em funcionamento e o campo girante já iniciado. Conectou-se uma carga resistiva. Essa corrente. 13 . pois essas terão que compensar a perda da terceira e de um torque pulsante. seu sentido de rotação foi invertido para anti-horário. quando retirada um das fases do sistema trifásico. a máquina não conseguiu girar. Inicialmente percebeu-se que a MIT utilizada para os experimentos era de 50 Hz. uma das fases de alimentação da MIT foi retirada. altera- se também o sentido de rotação mecânica.853 vezes maior do que a corrente nominal. teve como objetivo analisar os princípios da Máquina de Indução Trifásica. o que é necessário para que a MIT consiga partir. sua velocidade de operação foi alterada. CONCLUSÃO O experimento aqui realizado. B e C respectivamente. não haverá a “criação” de campo girante. podem trazer sérios riscos a máquina. O que percebeu-se foi que. como o rotor está sempre “seguindo” o campo girante produzido no estator. Entretanto. composta por lâmpadas. no momento da partida. Essa elevada corrente na partida é uma grande desvantagem das MITs que. com redução de apenas 14 rpm para a condição de à vazio até a carga máxima aplicada.4. é possível manter o funcionamento com apenas duas fases. conectadas as fases A. conforme os dados de placa da máquina. Isso se deve ao fato de. operando em uma velocidade maior do que a apresentada nos dados de placa da MIT. Após realizados todos esses experimentos. observou-se que a MIT possui uma boa regulação de velocidade. Quando invertida umas das fases. resultando no aumento das correntes em cada fase. geralmente. Para a partida direta. O que se observa é que a corrente de partida é muito alta. se não controladas adequadamente. gira em torno de sete vezes a corrente nominal. Assim. Em seguida.

1975.. Electric Machinery and Transformers.. Escola Politécnica da Universidade Federal do Rio de Janeiro. H. R. C. A. Máquinas Elétricas. B.5. 2001. HIZIROGLU. E. 14 . S. KUSKO. [3] FITZGERALD. Oxford University Press. S. A. [4] DELGADO. 2010. Estudos dos Requisitos Essenciais a Especificação de Transformadores de Potência em Condições Normais de Operação. Roteiro de Aulas Práticas – Disciplina de Máquinas Elétricas. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS [1] DAHER. R. 2016. [2] GURU. KINGSLEY JR.. Mc Graw Hill do Brasil. S.