UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ - UFC

CENTRO DE TECNOLOGIA - CT
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA - DEE

LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA

Relatório da Prática 05
PASSOS INICIAIS PARA O PROJETO FÍSICO DE UM
INDUTOR

Bancada: 03

Equipe: Breno Bezerra Chaves – 336649
Mairon Régis Marinho Silva - 308024
Rômulo Bandeira Pimentel Drumond - 335544

Professor: René Pastor Torrico Bascopé
Turma: 02B (Terça-Feira, 10h-12h)

Fortaleza
(17/11/2015)

CONCLUSÃO _____________________________________________ 12 6. OBJETIVOS _______________________________________________ 5 3. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ____________________________ 13 2 . SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO TEÓRICA ____________________________________ 3 2. MATERIAL UTILIZADO _____________________________________ 5 4. PROCEDIMENTO EXPERIMETAL _____________________________ 5 5.

Este parâmetro é importante quando se vai estimar a resistência elétrica de um enrolamento. AW (WA do inglês “Window area”) é a área da janela a destinada ao enrolamento do núcleo do ferrite que será utilizada como verificação dos critérios de projeto e para avaliar as perdas e as bitolas dos fios dos enrolamentos. Emed = 2 (I + F) 3 .1. Ae = C ∗ F Emed (MLT do inglês "Mean Length Turn") é o caminho médio de uma espira. As dimensões de um núcleo de ferrite podem ser obtidas nos catálogos dos fabricantes. É importante saber calcular parâmetros de interesse para o projeto a partir das dimensões. possibilitam a inserção de gaps de ar e apresentam um circuito magnético fechado o que ajuda muito a conter o fluxo de dispersão e a reduzir interferências em outros componentes. Fonte: [7]. Aw = H (I – C) Ae (Ac do inglês "Area of core") é a área calculada do núcleo. Os catálogos geralmente as dimensões físicas cotadas como na Figura 1. INTRODUÇÃO TEÓRICA Os núcleos de ferrite do tipo EE (Figura 1) propiciam a construção de indutores e transformadores para operação de alta frequência. Pode ser menor que a área efetiva. [7] Figura 1: Dimensões físicas de um núcleo de ferrite EE. no caso para compor o cálculo das perdas totais do ou indutor no circuito.

diminuindo.5 vezes maior que a área ocupada pelos fios: 𝐴𝑤 > 3. da comutação em alta frequência. Para projeto em que há comutação em alta frequência. ou seja. A profundidade de penetração é dada pela relação: 7. bem como o cálculo da bitola de cada fio expresso em AWG (American Wire Gauge). assim. uma escala americana normalizada usada para padronização de fios e cabos elétricos. O projeto do indutor consiste em calcular a quantidade de espiras necessárias a serem enroladas no núcleo de ferrite de maneira que obtenha a indutância desejada levando-se em conta a corrente eficaz e os picos de corrente no indutor. recomenda-se que a área da janela Aw seja mais de 3. À medida que a unidade cresce.5 𝐴𝑓𝑖𝑜𝑠 4 . a bitola do fio diminui. Para isso. Para compensar esse efeito. A quantidade de condutores em paralelo será calculada no procedimento experimental. uma bitola AWG 24 tem seção maior que uma AWG 25. Em alta frequência a corrente tende a fluir pela periferia do condutor. O efeito pelicular é uma consequência. sua área efetiva. fazendo com que a área da seção pela qual flui corrente em um condutor seja reduzida.5 𝑅𝑠𝑘𝑖𝑛 = √𝑓 O efeito pelicular também aumenta as perdas por histerese no material. É necessário verificar se o projeto pode ser executado. deve-se levar em conta o efeito pelicular. deve-se reduzir a área do condutor e adicionar condutores em paralelo (de mesma área e isolados entre si). no material.

88Ω 𝐼𝑜 8. propôs-se o projeto de um conversor Buck (abaixador) com frequência de comutação fs igual a 100 kHz.  Planilhas e guias para a prática 5.5 = 50% 𝑉𝑖 24 A corrente média no indutor e na carga: 𝑃𝑜 100 𝐼𝐿𝑚𝑒𝑑 = 𝐼𝑜𝑚𝑒𝑑 = = = 4. Calculando-se o ciclo de trabalho no conversor Buck: 𝑉𝑜 12 𝐷= = = 0.  Software MathCad 15. MATERIAL UTILIZADO  Microcomputador. a impedância da carga: 𝑉𝑜 12 𝑅= = = 2.1. PROCEDIMENTO EXPERIMETAL 4.2. para ser utilizado em conversor CC- CC.0.5 ∗ = 7.  Software Cadence ORCAD 16.3. para alimentar uma carga de potência média Po = 100 W.2 µ𝐻 2𝑓 2 ∗ 100000 5 . A tensão ∆𝑉𝑜 de ondulação na saída deve ser de no máximo = 1%. 3. OBJETIVOS Projeto do componente magnético (indutor). a partir dos dados e parâmetros de simulação do conversor projetado. cuja tensão de entrada é Vi = 24 V e a saída de tensão é Vo = 12 V. Projeto do Conversor CC-CC Primeiramente. O elemento magnético (indutor) 𝑉𝑜 para esse conversor será projetado posteriormente conforme os dados obtidos da simulação do conversor.88 𝐿𝑚𝑖𝑛 = = 0.33 O valor mínimo de indutância é dado por: (1 − 𝐷)𝑅 2.167𝐴 𝑉𝑜 12 Logo. 4.

Fonte: O próprio autor.16 𝑛𝐹 𝛥𝑉 8 ∗ 𝐿 ∗ ( 𝑉 𝑜 ) ∗ 𝑓² 𝑜 Adota-se o valor comercial mais próximo para o capacitor utilizado: 110 nF. Como critério de projeto. propõe-se que o ripple de corrente no indutor seja no ∆𝐼𝐿 máximo = 25%.25 O capacitor utilizado é calculado por: 1−𝐷 𝐶= = 104. Assim: 𝐼𝐿 𝑉𝑜 (1 − 𝐷) 0. simulou-se no software ORCAD o circuito do conversor Buck como mostrado na Figura 2: Figura 2 .Circuito do conversor Buck projetado. As ondulações de tensão na carga e de corrente no indutor do conversor simulado no ORCAD são mostrada na Figura 3. 𝛥𝐼𝐿 100000 ∗ 0.5 𝐿= = 12 ∗ = 𝟐𝟒𝟎 µ𝑯 𝑓. Assim. 6 .

Projeto do Indutor O indutor foi projetado utilizando-se o software MATHCAD e seguindo-se a planilha e guia contidos no material do procedimento prático. As especificações de projeto.95V 11.000A SEL>> 3.405ms 7.415ms 7.Forma de onda obtida para tensão de saída (azul) e corrente no indutor (vermelho).75V 11. 11. considerações e cálculos serão apresentados da maneira que foram obtidos via MATHCAD.435m RMS(I(L1)) I(L1) Time Fonte: Próprio autor Por meio dos cursores e funções do ORCAD foi possível medir o pico de corrente e a corrente eficaz no indutor: 𝐼𝑚𝑎𝑥 = 4. Figura 3 .98 𝐴 4. 7 .430ms 7.850A 7.420ms 7.400ms 7.50V 11.410ms 7. Utilizou-se os dados de pico de corrente e a corrente eficaz no indutor como parâmetros de projeto.2.15 𝐴 𝐼𝑒𝑓 = 3.125A 4.425ms 7.25V V(C1:2) 4.

Nas considerações de projeto. 8 . O valor de densidade de corrente foi ajustado para atender o critério Ae.35 T. para o cobre J < 450 A/m2 e Bmax< 0.Aw e para que as dimensões dos fios projetados melhor se ajustassem às dimensões do núcleo que foi escolhido para minimizar o efeito de perdas no cobre (que será visto em resultados posteriores).

A estimativa inicial do projeto deve ser menor ou igual às dimensões do núcleo escolhido para verificar se a escolha feita foi adequada. 9 . A Figura 4 ilustra as dimensões físicas do núcleo de ferrite. Calculou-se o número de espiras que devem estar presentes enroladas no núcleo de ferríte para que se obtenha o valor de indutância aproximadamente (por 28 é o arredondamento para cima do valor verdadeiro) igual ao estipulado para o projeto. Figura 4: Dimensões do núcleo de ferrite Thornton NEE-30/15/14 Fonte:[6] Os dados do núcleo adotado (Thornton NEE-30/15/14) foram retirados do catálogo do fabricante.

se adicionam condutores em paralelo de mesma seção. 10 . Por garantia. Além de diminuir a área da seção do fio. se usa um valor maior que o mínimo. na prática. no entanto. para compensar o efeito pelicular. O valor da bitola em AWG seria de 17. portanto adotou-se uma bitola de AWG 25. o mínimo recomendado é uma bitola de 24 (diminuir a seção do condutor). A bitola do fio foi calculada a partir da densidade de corrente adotada nas considerações de projeto e da corrente eficaz no indutor advinda dos dados obtidos por simulação.

o número de condutores em paralelo é de 6 fios (valor arredondado para cima) que serão enrolados para formar as 28 espiras anteriormente calculadas. Pela análise feita. 11 . Assim. Por fim. calculou-se o comprimento médio dos 6 condutores que serão usados em paralelo para formar as 28 bobinas no núcleo de ferríte. o projeto é possível de ser executado visto que a razão entre a área de uma janela e a área dos fios resulta em um valor superior ao fator de utilização da janela adotado.

bem como verificar a possibilidade de execução do projeto.5.Aw estipulada a partir dos critérios de projeto. 12 . parâmetros como densidade de corrente (J) e densidade de fluxo máximo (Bmax) podem ser reajustados. Os parâmetros devem ser ajustados à medida que surjam divergências no decorrer do projeto. a escolha de um outro núcleo também pode ser feita. Caso haja impossibilidade de execução. além da necessidade de se levar em consideração o efeito pelicular ao trabalhar-se em altas frequências. ao contrário dos capacitores que são limitados a certos valores comerciais. os indutores necessários ao projeto de conversores CC-CC podem ser calculados. CONCLUSÃO Percebeu-se que. de outra forma.Aw do núcleo de ferrite escolhido é adequado a relação Ae. Observou-se pelas relações de projeto que o núcleo de ferrite utilizado pode ser reduzido a medida que a frequência de comutação aumenta. projetados e executados de forma a atender os interesses do projetista. Deve-se verificar se o critério Ae.

Fortaleza: UFC. Acesso em: 25/11/2015 13 . 2ª Edição. Introdução aos Conversores CC-CC. [6] THORNTON. H. 2015. Eletrônica de Potência: Dispositivos. 1999. W. C. DEE-UFC. Santa Catarina: INEP/EEL – UFSC.electroncad.com.pdf> Acessado em: 25/11/2015 [7] ELECTRON-CAD. [4] HASHID.6. [3] HART.udesc. D. 2012. [5] PETRY. INEP. São Paulo: MAKRON Books do Brasil.php/eletricidade/indutores-transformadores/75- parametros-nucleos-ferrite-ee>. [2] BARBI. Circuitos e Aplicações. Ivo. Projeto físico de indutores e transformadores. Eletrônica de Potência: Análise e Projeto de Circuitos. 2001. Disponível em: < http://www.1ª Edição. Parâmetros para núcleos de Ferrite.br/index. Porto Alegre: AMGH. Roteiro de Aulas Práticas Nº 05 – Passos Iniciais Para O Projeto Físico De Indutor. Santa Catarina: 2002. Disponível em: <http://www. M.br/portal/professores/yales/materiais/CATALOGO_THOR NTON. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS [1] AUTOR DESCONHECIDO.joinville. Catálogo de Materiais: Núcleos EE – Seção NEE-30/15/14. A.