You are on page 1of 7

ROTEIRO DE AULA PRÁTICA - Aula 02

PREPARO DE SOLUÇÕES – Parte 1

1. INTRODUÇÃO

Solução é uma mistura homogênea constituída por duas ou mais substâncias numa só
fase. As soluções são formadas por um solvente (geralmente o componente em maior
quantidade) e um ou mais solutos (geralmente componente em menor quantidade). As
propriedades de uma solução não dependem apenas dos seus componentes, mas também da
proporção entre as quantidades desses componentes, isto é, dependem de sua concentração,
que é dada pela razão entre a quantidade de soluto e o volume da solução. A concentração é
expressa comumente em mols de soluto por litro de solução. Tal concentração é chamada de
molaridade da solução. Quando não se tem o reagente na forma pura, como é o caso da maior
parte dos hidróxidos alcalinos e de alguns ácidos inorgânicos, preparam-se inicialmente
soluções que tenham aproximadamente a molaridade desejada. Depois estas soluções são
padronizadas pela titulação contra solução de uma substância pura, com concentração
conhecida com exatidão, chamada de padrão primário.
Um dos aspectos mais importante em uma solução é a sua preparação e a expressão de
sua concentração, uma vez que os cálculos efetuados levam em conta sua concentração
molar, que significa quanto de soluto está presente em um volume ou uma massa especifica,
sendo assim, concentração é uma medida das quantidades relativas dos componentes de uma
solução, pode-se então se definida como a razão entre quantidade de soluto e quantidade de
solvente. Diante do exposto, a seguinte aula prática tem por objetivo o preparo de soluções de
NaOH e HCl a 0,1M, para posterior padronização, com o intuito de calculara concentração real
dessas soluções que não são consideradas padrões primários.

2. METODOLOGIA

2.1 Materiais e Reagentes
Pipetas graduadas de 5,00 mL; Espátulas; Balões volumétricos de 500 mL; Béqueres de
250 mL; Bastões de vidro; Funis de vidro; Hidróxido de sódio em pérolas; Ácido Clorídrico.

Os padrões primários são substancias que se caracterizam por alto grau de pureza (as impurezas não devem exceder 0. Preparo da solução de HCl 0. com o auxílio de um funil de vidro e complete o volume com água destilada. • Transfira a solução obtida para um frasco limpo. seco e rotulado. • Transfira a solução obtida para um frasco de plástico limpo. • Transfira cuidadosamente a massa de NaOH para um béquer de 250 mL contendo cerca de 100 mL de água destilada. Introdução O hidróxido de sódio (NaOH) é uma base altamente higroscópica e por este motivo sua pesagem pode ser um motivo de erro analítico devido o teor variável de água de sorção. massa molar elevada de modo que os erros de pesagem devem ser minimizados.2 Procedimento Proceder inicialmente os cálculos necessários para conhecer a massa de Hidróxido de Sódio e o volume de Ácido Clorídrico necessários para o preparo de soluções com volume total de 500 mL. Preparo da solução de NaOH 0. umidade e luz e por se manter estáveis por longos períodos de armazenamento. Homogeneíze a solução. Os padrões primários possuem. pois além de apresentar as características acima reage prontamente com hidróxido. transfira para um balão volumétrico. seguindo a reação e a estequiometria de reação a seguir: . • Transfira cuidadosamente o volume de HCl concentrado calculado para um béquer de 250 mL contendo cerca de 100 mL de água destilada. Caracterizam-se por serem estáveis a ação do ar.02%) e podem ser dessecados a 110°C sem perda nas propriedades químicas.1 M: • Meça com o auxílio de uma pipeta o volume de HCl concentrado calculado. Parte 2 – Padronização de solução de Hidróxido de Sódio e Ácido clorídrico a. Homogeneíze a solução. seco e rotulado. O biftalato de potássio é um padrão ideal para técnicas de padronização de soluções de base. ainda. 2. assim o hidróxido de sódio é considerado um padrão secundário e deve ser padronizado por padrões primário. transfira para um balão volumétrico e complete o volume com água destilada.1 M: • Pesar a massa calculada de NaOH em béquer utilizando a balança analítica.Padronização de solução de Hidróxido 1.

Adicione água destilada no erlenmey quantidade suficiente para diluir o sólido. Material e Métodos • Solução de Hidróxido de sódio 0.Adicionar 2 ou 3 gotas de fenolftaleína 5-Agite o erlenmeyer. . As soluções padrão de NaOH devem ser armazenadas em frascos de polietileno. O volume esperado deve ser calculado através do principio de equivalência de massa no ponto de equilibrio. O NaOH pode ser padronizado titulando esta base com a solução de biftalato de potássio. 3.Pese aproximadamente 0. Multiplicando o fator de correção pela concentração calculada. O NaOH quando sólido ou na forma de soluções absorvem rapidamente dióxido de Carbono da atmosfera com formação e carbonatos.25 g de biftalato de potássio num erlenmeyer de 150 mL. 2. e anote a massa pesada.Agite o erlenmeyer até a completa dissolução do sólido. O fator de correção (FC) pode ser estimado através da Equação 1. estima-se a conxcentração real da solução de NaOH. 2.1 mol L-1 (preparada anteriormente) • Solução de Fenolftaleina a 1% (3 a 5 gotas) • Biftalato de potássio dessecado 3 erlemeyers de 125 mL Bureta de 25 mL • Estufa 105°C Métodos a) Pesagem do biftalato de potássio 1. 4.

Coloque aproximadamente 10 mL de solução de NaOH na bureta. 5. b) Preparação da bureta 1.Prepare a Bureta como a figura abaixo 2-Transfira parte da solução de NaOH preparada anteriormente para um Béquer de 100 mL. . a solução de NaOH. 7-Complete a bureta com a solução de NaOH.Abra a torneira para encher a ponta da bureta. neste caso. Completar o bureta. 3-lave a bureta com um pouco da solução que será adicionda nela. 4-Descarte a solução que lavou a bureta em reci de descarte indicado pelo professor. 6. Verifique se existem bolhas. significa que o menisco (mínimo da concavidade) deve ficar sobre a linha que marca o zero na bureta. caso afirmativo abra e feche rapidamente a torneira para tentar elimine bolhas. Observe que a ponta da bureta deve estar preenchida da solução de NaOH.

5-Repita o procedimento mais 2 vezes. Aparecendo uma coloração rosa agite a solução até a cor desaparecer e pingue mais uma gota de NaOH. c) Procedimento de titulação 1.Deixe escorrer gota-a-gota a solução de NaOH. Registro dos resultados Massa de biftalato (ma) 1º vez = __________ g Massa de biftalato (ma) 2º vez = __________ g Massa de biftalato (ma) 2º vez = __________ g Volume de NaOH (Vb) 1º vez = _____ mL = ______L Volume de NaOH (Vb) 2º vez = _____ mL = ______ L Volume de NaOH (Vb) 3º vez = _____ mL = ______L . com 2 algarismos depois da vírgula (no caso da bureta indicada). 2. agitando constatemente o erlenmeyer. 4-Anote o volume de base gasto.Segure o erlenmeyer e a torneira conforme a figura a seguir. Deixe cair uma gota apenas se a solução estiver incolor. 6-Calcule a concentração da base em mol/L.

Como é evidente a operação inversa também pode ser conduzida. • Solução de hidróxido padronizada. A solução do ácido. com exaditão.1 mol/l preparada anteriormente.Transferir 10 mL.Padronização solução de HCl 0. Assim. que deve estar na bureta. Introdução A acidimetria e alcalimetria compreendem uma serie de métodos baseados + - essencialmente na combinação dos íons H3O e OH .1 mol L-1 1. para um erlenmeyer de 250 mL e adicionar 3 gotas de indicador. • Indicador fenolftaleína. A reação que se passa pode ser representada pelas equações químicas: A concentração de base presente numa solução pode ser determinada através da titulação da mesma com uma solução de um ácido. Material e Métodos Material • Solução de HCl 0. é adicionada à solução de base. • 3 erlenmeyer de 250 mL • Bureta de 25 mL Procedimento . e o ponto final da titulação será indicativo por reativo auxiliar denominado “indicador de acidimetria e alcalimetria”. pode-se determinar a concentração de uma solução ácida pela titulação da mesma com uma solução padronizada de uma base. . B.

Iniciar a titulação até a viragem do indicador.adicionar solução de NaOH a bureta. .. . .Realizar o experimento em triplicata.