You are on page 1of 52

1

editorial

Ricardo Pinto

Numa galeria de arte, uma mulher está parada em frente a um A primeira delas é: relaxe. Separe um tempo do seu dia ou da
quadro muito estranho, cujo nome é: ‘Foi almoçar em casa’. sua semana e dedique-o a si próprio, seja descansando, seja medi-
Nele estão representados três negros, nus, sentados num banco de tando, divertindo-se ou fazendo exercícios físicos. Recarregar suas
jardim com os seus respectivos pênis em primeiro plano. Mas, curiosa- energias é crucial.
mente, o homem do meio tem o pênis cor-de-rosa. A segunda dica: faça pausas. Isso mesmo, se a sua rotina estiver
 - Desculpe-me - diz a mulher ao funcionário da galeria - Eu estou curio- te exigindo muito, se você sentir que já não está raciocinando bem,
sa a respeito desses negros. Por que é que o homem do meio tem o tire alguns minutos para tomar um café, dar uma arejada e esticar-se.
pênis cor-de-rosa? Outra atitude importante é: organize-se. Organize sua mesa ou
 O funcionário responde: local de trabalho, organize as atividades que terá de fazer ao longo
 - Receio que a senhora não tenha interpretado bem o quadro. do dia, organize a ordem na qual as atividades devem ser realiza-
Esses homens não são negros. Eles trabalham numa mina de carvão e das, priorizando-as.
o homem que está sentado no meio ‘foi almoçar em casa’... A quarta dica é manter o bom humor e pensar positivo. Nada
atrai mais o baixo astral que a negatividade. Procure evitar os pen-
Imaginem quão desgastante e estressante deve ser o trabalho numa samentos negativos e as pessoas pessimistas que te colocam para
mina de carvão. Os trabalhadores destas minas devem conviver com baixo, prejudicando seu bom humor e sua autoestima. E quando
alta dose de ansiedade por ficarem longo tempo a centenas de metros o negativismo te atingir, busque pensar positivamente e aborte as
abaixo da superfície, num trabalho insalubre e perigoso. Assim, para preocupações, pelo menos por um instante.
controlar tal ansiedade, relaxar, vez por outra, é uma das alternativas, Outro conselho importante é o de não tentar controlar o incon-
como fez um dos trabalhadores do quadro. trolável. Há muitas coisas que estão além do nosso controle. Ao
A ansiedade, todavia, não é exclusividade só de trabalhadores de invés de tentar mudar ou mesmo reclamar daquilo que não consegue
minas de carvão. Todos nós, de operários aos mais altos executivos, controlar, foque naquilo que realmente controla para poder reagir
estamos sujeitos a sofrer de ansiedade no trabalho. aos problemas que surgem.
Ela pode vir de um chefe exigente demais, da competição exage- Mais uma sugestão é de buscar ajuda. Cerque-se de pessoas com
rada entre colegas, do medo de ser demitido, do excesso de tarefas, da quem possa desabafar e que te auxiliem a achar saídas para os pro-
frustração por não atingir alguma meta ou objetivo e de tantas outras blemas. Se o estresse estiver muito forte, procure fazer coaching ou
situações que, em menor ou maior grau, acontecem em nosso cotidiano. até uma terapia. Saia do paradigma de que buscar ajuda é sinal de
Para identificar se a ansiedade nos atingiu, basta verificar se a ro- fraqueza. Ao contrário, os mais fortes precisam e usam dos outros.
tina diária na empresa não está mais prazerosa como era antes e se ir E, finalmente, a última dica é: respire profundamente. Quando
trabalhar passou a ser uma obrigação chata e sofrida. Nossa reação, estiver se sentindo sobrecarregado, tenso ou ansioso, procure respi-
neste caso, poderá ir do isolamento ao aumento de conflitos e brigas rar profunda e lentamente. Deixe o ar entrar em seu corpo enquanto
tanto no trabalho como em casa, passando por ganho de peso, às vezes você conta até três. Segure o ar nos pulmões, sempre contando até
tonturas, formigamentos ou falta de ar, além de fumo e/ou álcool em três. Depois, solte o ar lentamente no mesmo tempo. Após a expi-
excesso, tudo redundando numa piora da nossa qualidade de vida e até ração, mantenha-se sem ar, ainda contando até três.
causando doenças. Pronto! Agora você conhece sete atitudes importantíssimas
Porém, algumas atitudes podem ajudar a controlar a ansiedade no para que você controle a ansiedade no trabalho. Adote-as o quan-
trabalho. to antes!

2

índice

“Onde existe justificativa, não existe gestão.”
Mauro Jesus Garcia, gerente de RH da usina
Ibéria
Especial 4 A cana do futuro
“Em toda sociedade em que há fortes e fracos, é a
liberdade que escraviza e a lei que liberta.”
Cana-de-açúcar x cana fibra: quando
Lacordaire Fórum 12 a cana energia vai pegar?
“Empreendedores são aqueles que entendem
que há uma pequena diferença entre obstáculos
Tecnologia
e oportunidades e são capazes de transformar
ambos em vantagem.” agrícola
14 Cigarrinha descontrolada?

Nicolau Maquiavel

“Todo mundo tem uma ideia. Mas a real questão 20 O paradigma da longevidade dos
canaviais
em jogo, na verdade, é sobre executar a ideia e
atrair outras pessoas para ajudar a trabalhar
nela.”
Tecnologia
Jack Dorsey
industrial
26 Novidades tecnológicas para a
produção de biogás

32 Tancagem de etanol deve continuar
estável na safra 2016/17

edição 178 Gestão 36 Adesão exponencial aos 2 turnos
Ano 15 no CCT
Março/Abril
de 2016
A voz do 40
fornecedor
Dicas e 42
Diretor Geral Redação CONSELHO EDITORIAL
novidades
Ricardo Pinto Natália Cherubin Ailton Antônio Casagrande
natalia@revistarpanews.com.br Alexandre Ismael Elias
Atualidades
ricardo@revistarpanews.com.br

44
Antônio Carlos Fernandes
Editora Estagiário da Redação Antônio Celso Cavalcanti
Natália Cherubin
Jornalista Responsável
Alisson Henrique dos Santos
jornalismo@revistarpanews.com.br
Antônio Vicente Golfeto
Celso Procknor jurídicas
Mtb 61.149 Egyno Trento Filho
Fotografia Geraldo Majela de Andrade Silva
natalia@revistarpanews.com.br
Mikeli Silva
Por dentro
redacao@revistarpanews.com.br Guilherme Menezes de Faria
Rogério Pinto

45
(16) 3602-0900 Henrique Vianna de Amorim
João Carlos de Figueiredo Ferraz
Diretora Financeira
Patrícia Nogueira Díaz Alves
Projeto Gráfico
Rogério Pinto
fone: 11 5686-9044
José Pessoa de Queiroz Bisneto
José Velloso Dias Cardoso
da usina
patricia@rpaconsultoria.com.br rogerio@revistarpanews.com.br Leonardo Mina Viana
Luiz Custódio da Cotta Martins

Fora do
Luiz Gustavo Junqueira Figueiredo

46
Diretores Auxiliar de Design
Egyno Trento Filho Marcelo Machioni Luiz Chaves Ximenes Filho
Fiel amigo também na mesa dos
expediente
marcelo@revistarpanews.com.br Manoel Carlos Azevedo Ortolan
egyno@rpaconsultoria.com.br
Antonio Zatonni Afférri
Marcos Guimarães Landell brasileiros
Diagramação Marco Antonio da Fonseca Viana
afferri@rpaconsultoria.com.br
Fernando Almeida Maurilio Biagi Filho
fernando@revistarpanews.com.br Osvaldo Alonso
Gerente Comercial

Executivo 48
Paulo Adalberto Zanetti
Marlei Euripa
marlei@revistarpanews.com.br
Administração Ricardo Pinto O empoderamento de Marie
Camila Garbino Rogério Antônio Pereira
fone: (16) 99191-6824, camila@revistarpanews.com.br
98127-0984, 3602-0900 Filipe Custódio
filipe@revistarpanews.com.br
Executivas de Contas Assinatura anual (12 edições): R$

Dropes 50
Bruna Balducci Departamento de Marketing 170,00 - Número avulso: R$ 17,00.
bruna@revistarpanews.com.br Mikeli Silva Para adquirir sua assinatura bas-
mikeli.silva@revistarpanews.com.br ta acessar nossa loja virtual em:
(16) 99142-6840 / 3602-0900
www.revistarpanews.com.br ou
RPAnews é lida mensalmente por enviar e-mail para: marketing@
Larissa Sousa aproximadamente 35.000 execu-
larissa@revistarpanews.com.br revistarpanews.com.br.
tivos, profissionais e empresários RPAnews não se responsabili-
(16) 3602-0900 ligados à agroindústria da cana-de- za pelos conceitos emitidos nos
-açúcar do Brasil. artigos assinados. Matérias não
CTP e Impressão solicitadas, fotografias e artes não
Gráfica Cipola Siga-nos no Facebook: serão devolvidas. É autorizada a
Facebook/RevistaRPAnews reprodução das matérias, desde
ISSN 1679-5288 que citada a fonte

RPA Consultoria (16) 3237-4249
Revista RPAnews (16) 3602-0900
Rua Casemiro de Abreu, 950, Vila Seixas, Ribeirão Preto, SP, CEP 14020-193

www.revistarpanews.com.br
3

especial

Mesmo com tantas variedades desenvolvidas e disponíveis,
institutos de pesquisa e setor ainda continuam em busca de
uma cana que traga mais produtividade aos canaviais

Além do avanço da mecanização e do uso Hoje, os três principais programas de Em São Paulo e Mato Grosso do Sul, a
de tecnologias de agricultura de precisão, é melhoramento genético em cana-de-açú- RB867515 fica com 27,30% das áreas, enquan-
inegável que muito da evolução pela qual o car do Brasil - CTC, IAC (Instituto Agro- to a SP81-3250 está presente em 10,27%. Mi-
setor sucroenergético tem ultrapassado ao nômico) de Campinas e Ridesa -, juntos, nas Gerais tem 35,82% de suas áreas cultivadas
longo dos últimos anos, também é fruto do oferecem comercialmente 137 variedades. com a RB867515 e 9,68% com a SP81-3250.
esforço das instituições de pesquisas, univer- Mas, de acordo com os dados do censo Segundo o professor titular da Universi-
sidades e empresas, que se dedicam ao me- varietal de 2015 da Ridesa, os materiais dade Federal do Paraná e coordenador Geral
lhoramento genético da cana-de-açúcar e que RB ainda predominam as áreas de cultivo da Ridesa, Edelclaiton Daros, com a liberação
vem desenvolvendo materiais cada vez mais de cana no Brasil. das dezesseis novas variedades, a rede com-
regionalizados e adequados aos mais dife- Alagoas, Bahia e Maranhão, têm pleta um total de 94 variedades RB, liberadas
rentes ambientes de produção. Muito mais como variedades mais cultivadas a desde 1970.
do que isso, a evolução ainda parte do lado RB92579, que compõe 34,75% desta re- “Destas, pelo menos 20 variedades ain-
dos produtores, que após uma longa fase de gião, seguida pela SP79-1011, que ocupa da estão em expressão de área de cultivo no
aprendizado, adquiriram confiança nos novos 12,88%. O Estado de Goiás é coberto, em Brasil, considerando áreas com mais de 5%.
materiais e passaram a ver o manejo varietal sua maioria, pela RB867515, presente em Duas tem destaque especial, como a RB72454,
como ferramenta imprescindível na busca pe- 24,98%, seguida pela SP81-3250, com até 2010, e a RB867515, que são as mais cul-
la produtividade. 15,73%. No Paraná, a RB867515 apare- tivadas, inclusive em nível mundial. Por or-
No final de 2015, enquanto a Monsan- ce mais uma vez como principal varieda- dem e suas respectivas áreas de variedades
to anunciava que a Canavialis, empresa do de e está presente em 45,82%, enquanto RB: São Paulo (62%), Goiás (60%), Minas
grupo voltada para pesquisa e desenvolvi- a RB966928 fica em segundo lugar, em Gerais (63%), Paraná (84%), Mato Grosso
mento de variedades de cana, encerrava suas 10,07% da área total do Estado. do Sul (65%), Alagoas (65%), Mato Grosso
atividades, outras duas importantes institui- Em Pernambuco, Paraíba, Rio Grande (64%), Rio de Janeiro/Espírito Santo (63%) e
ções lançavam novidades para o setor. Em se- do Norte e Piauí, a variedade mais cultiva- Pernambuco (58%). Ao verificar estes números
tembro, o CTC (Centro de Tecnologia Cana- da é a RB92579, com 39,97%, seguida da vemos que no Brasil representamos em torno
vieira) divulgou duas novas variedades e em RB867515, com 11,29%. Rio de Janeiro e de 70% de cultivo de variedades RB, motivo
dezembro, foi a vez da Ridesa (Rede Interu- Sergipe também optam pela RB867515, de orgulho das universidades por este trabalho,
niversitária para o Desenvolvimento do Setor que cobre 25,81% das áreas destes esta- realizado sempre em parceria com o setor”,
Sucroenergético) lançar 16 novos materiais. dos, e pela RB72454, em outros 7,50%. salienta Daros.

4

O trabalho da Ridesa é realizado em todos
os estados brasileiros que cultivam a cana-de-
-açúcar e é sempre coordenado por uma uni-
versidade. Atualmente, a Ridesa conta com 79
bases de seleção, ou seja, do Rio Grande do Sul
até o Maranhão. A seleção e as fases iniciais
de pesquisa são realizadas em 30 subestações,
nos estados onde se encontram as dez univer-
sidades que compõem a Ridesa. A seleção e
cruzamentos são realizados nas estações de
Serra do Ouro (UFAL) e Devaneio (UFRPE).
O CTC possui atualmente em seu portfó-
lio, 25 variedades comerciais, as quais abran-
gem praticamente 100% das diferentes con-
dições edafoclimáticas brasileiras. Segundo
Hugo Campos, gerente de Melhoramento Ge-
nético do CTC, as variedades do centro tem
uma distribuição praticamente equalizada de
plantio em todo o Centro-Sul, com destaque
para o Estado de São Paulo, que tem a maior
concentração.
“Atualmente, as variedades mais planta-
das em todo o Brasil são a CTC4, a CTC15 e
a CTC9001. Visando justamente cobrir todas
as regiões brasileiras, o CTC possui 24 esta-
ções experimentais nas fases de Melhoramento
Genético, distribuídas nos estados de São Pau-
lo, Minas Gerais, Goiás, Paraná e Tocantins”, cada vez mais haverá necessidade de produzir empresa ao longo dos anos. Com os dados,
destaca Campos. novas variedades, interpretar recomendação Karoline explica que foi possível definir quais
O Programa Cana do IAC liberou, a partir e adotar manejo em função de um conjunto materiais se adequam melhor a região, com me-
de sua reestruturação no início da década de de aspectos onde a base é a fitotecnia. O in- lhor TCH e TPH em comparação aos padrões
1990, 18 variedades de cana-de-açúcar para a sumo variedade continuará com seu alto grau utilizados. “Em áreas irrigadas com pivô temos
agroindústria e uma variedade para alimenta- de importância, porém, deve ser analisado utilizado variedades que respondem melhor a
ção animal. Segundo Mauro Alexandre Xavier, como uma engrenagem dentro de um siste- irrigação, e se a área for irrigada com vinhaça,
pesquisador do IAC, o projeto de melhoramen- ma de produzir cana. Uma das linhas impor- podemos colocar variedades ainda mais exi-
to do IAC prioriza a seleção e indicação de tantes de pesquisa continua sendo identificar gentes e responsivas. Nas áreas orgânicas, no
variedades de forma regional. “Dentro desse variedades com capacidade de enfrentar os geral, temos usado variedades com bom per-
conceito destacamos a IAC87-3396, a IAC91- desafios da mecanização e produzir mais em filhamento e bom fechamento de entrelinhas,
1099, a IACSP95-5000, a IACSP95-5094 e a ambientes menos favoráveis, principalmente já que o nosso principal problema é a mato-
IACSP97-4039 como as variedades de maior em relação a clima e solo”, destaca Xavier. competição.”
adoção pelo setor.” A Jalles Machado, localizada em Goia- Rodrigo Vinchi, gerente de Planejamento
O trabalho de desenvolvimento pelo IAC nésia, GO, tem um plantel varietal bastan- e Desenvolvimento Agrícola da Raízen, conta
é validado e distribuído em diferentes regiões te diversificado e que atende às demandas que nos últimos plantios do grupo as variedades
de produção no Centro-Sul e Centro-Oeste do de censo varietal, plantio orgânico e con- mais plantadas foram RB966928, RB855156 e
Brasil. São sete estações experimentais distri- vencional, e irrigação. Karoline Fernandes CTC4. A variedade SP81-3250 vem sendo subs-
buídas no Estado de SP e três pontos fora de Rodrigues, gestora de Planejamento e Pes- tituída por materiais como CTC4, CV6654 (Ca-
São Paulo. Após as etapas iniciais e básicas quisa da Jalles Machado, destaca a CTC2, navialis) e RB92579. Já a RB867515 vem sendo
realizadas nessas estações, o trabalho é expan- CTC4, CTC15, CTC23, CTC24, CTC20, substituída pela RB966928, em áreas de manejo
dido e validado em uma grande rede regional CTC9003, CTC9001, IAC87-3396, IAC91- precoce, e pela RB92579 e CTC15, em regiões
e nacional. 1099, IACSP95-5000, IACSP95-5094, IA- com baixa incidência de ferrugem alaranjada.
As variedades do Programa Cana IAC CSP97-4039, RB867515, RB92579 e alguns “A SP81-3250, por questões fitossanitárias
mais recentes e que estão em processo de am- clones que estão em fase de validação. (ferrugem alaranjada e murcha de colletotri-
pliação de suas áreas são a IACSP95-5094 e Os motivos que levaram o grupo a plan- chum), vem perdendo performance nos últimos
a IACSP97-4039, somadas a IAC91-1099 e a tar essas variedades são os resultados de anos, o que torna inevitável seu processo de
IACSP95-5000. “Na visão da equipe do IAC pesquisas desenvolvidas dentro da própria substituição. Já a RB867515, por se tratar de

5

re. nosso foco é a cana Tipo I. como hiperprecocidade e rusticidade. Acreditamos que o futuro é a energia elé- de fibra. Nas carose no meio da safra. Para ambientes A. PRODUTIVIDADE A CTC9004M se destaca pela adaptação volveu a RB034045. e alto teor de sacarose. alternativas. perfilhamento em cana-planta e cana-soca. ampla 1º A falta de cuidados com a limpeza da ca- disso. produtividade. produtivo. Além de elevado potencial produtivo. raná) lançou três novidades. rápido crescimento inicial. destaca pela alta velocidade de crescimento. ressalta Daros. fator que lhe confe. elevado perfilhamento e alto disponíveis. marcou o lançamento de 16 novas ambientes B. o alto lhoramento genético de cana ao longo dos úl- pela longevidade de soqueira.um material de baixo perfilhamento. é ideal para plantio tência à ferrugem. de rápido ainda revela que a estratégia de manejo varietal variedades de cana desenvolvidas por algu. isoporização e resistência as principais do. que tem trica de biomassa renovável e a cana-de-açúcar de. O engenheiro agrônomo e consultor de a novembro e ela se adapta bem aos ambien. timos anos. tem grande potencial”. a partir deste novo tada à mecanização dos sistemas de plantio e enças da cana. isoporização e resistência as princi. por ter alta produtividade. 2008. ferrugens marrom e alaranjada. possui diâmetro uni. elevado teor de sa. a RB975952. com elevado perfilhamento e potencial de mensal de moagem das unidades e também A UFSCar (Universidade Federal de São Car. nas sucessivas safras: maior adaptabilidade a solos restritivos. é extremamente adap. centralizar os nossos esforços para colheita. comendada para ambientes A. alta aos maturadores. ótimo fechamento entreli- para o salto de produtividade que o setor ne. Mesmo que algumas variedades tenham sido o pesquisador do CTC. segundo A UFPR (Universidade Federal do Pa. com alto nível de açúcar e com de Pernambuco) desenvolveu a RB992506. terial rústico recomendado para ambientes boa brotação em colheita mecanizada. de alto teor de sacarose. difícil florescimento. tolerância as principais doenças. 30. que tem baixíssi- número de perfilhos e maior longevidade”. Além disso. ainda não foi possível. e a RB985476. terial precoce recomendado para ambientes sacarose. sanida. 2º O não respeito à época certa de colheita de 6 . ma. mantém produtivida. que tem Durante o 9º Encontro de Variedades rea. Além disso. o CTC lançou a pais doenças da cana. mento. e a RB991536. Outras ca. ambientes A. podendo ser colhida desde o início de goas) laçou a RB961552. ria. posta à fertirrigação. que se destaca momento. SP. eleva- as características dos materiais são necessárias C e D. vão. ausência de floresci. Segundo Campos. todas as novas variedades lançadas pelo adaptabilidade da produção agrícola e bom na: na colheita mecanizada de cana crua é CTC vão ser tolerantes a doenças. a alta produtividade. des. raro florescimento e boa res. isoporização e resistência as nhas e resistência as principais doenças da ca- cessita. principais doenças da cana. ausência de do perfilhamento. A RB036066. E a RB988503. linhas. em Ribeirão Rio de janeiro) lançou duas variedades para das lavouras se intensificou”. B e C. racterísticas importantes buscadas são o maior RB002754. elevada produ. em áreas pré-comerciais. recomendada para rietal. mosaico raro florescimento. e safra até meados de agosto. perdeu O Encontro Nacional da  Ridesa. Por fim. comportamento em ambientes restritos. Os resultados são bem animadores e o apresentou florescimento. maturação média e resistência as principais parte das lavouras. a cana Tipo II. elevada estabilidade ou cana energia. que promete alta e com excelente potencial de produtividade. e a RB036091. como características o bom perfilhamento. a varie. ampla adaptabilidade e resis- dade CTC9005HP registra alta produtividade produtividade. B e C. boa colheitabilidade e anos e a culpa não é somente do manejo va- saico. que Preto. a RB975242. elevar as produtividades forme e tem apresentado boa colheitabilidade doenças da cana. como car. e da grande quantidade de terra. teor de sacarose. com alta produtividade. a UFV (Universidade Federal de AS NOVAS DO MERCADO elevada produtividade. potencial produtivo e ideal para colheita no mo ATR. como características predominantes o médio lizado em setembro de 2015. to das entrelinhas. também com médio teor de por exemplo. elevada produtividade. e a levada para a usina muita palha seca e verde. com pol de 9 a 12 e re um maior período útil de industrialização A UFAL (Universidade Federal de Ala. com monstrem isso durante os testes e validações. e que se potencial produtivo em socarias. A UFRRJ (Universidade Federal Rural do competitividade à medida que a mecanização zado no dia 25 de novembro. florescimento. produtividade na cana planta. Viçosa) desenvolveu a RB987935. Os seus meses de colheita são de junho sanidade. em grande ela despalha facilmente. o que tem acontecido é o contrário. elevada produtividade e sanidade. mas das universidades que compõem a rede. início de safra. resistência as principais doen. destaca três fatores “Buscamos sempre por variedades mais A UPRPE (Universidade Federal Rural que estão determinando a diminuição do ATR produtivas. inicial. crescimento ereto e resis- e escaldadura. a qual já trabalhamos desde condições climáticas da região Centro-Sul não de produção. A RB969017. UFG (Universidade Federal de Goiás) desen. desenvolvidas para atingir este objetivo e de- de mesmo em ambientes restritivos e possui recomendada para ambientes de A a D. fibra de 17 a 19. na. Uma delas é a cana para biomassa trelinhas e rápido desenvolvimento inicial. A. elevado além do palmito da cana. diz Vinchi. uma CTC9004M e CTC9005HP. boa bro. A produti- como carvão. B e C. reali. taca Campos. bom perfilhamento. tividade e estabilidade. tolerância as principais doenças. com elevado teor de sacarose. com rápido crescimento plantadores de cana da Campo Fértil Assesso- tes B. B e C. C e D. “Penso que precisamos. longevidade. um ma. apresentando bom fechamento de en. B e C. ças da cana e adequa-se a ambientes de A a D. Mesmo diante da grande evolução do me- aos ambientes de baixo potencial produtivo e rísticas predominantes a boa brotação. José Alencar Magro. com bom fechamen- em função do mix de ambientes de produção los) lançou quatro materiais: a RB975201. com pol de 4 a 6 e fibra de 25 a O novo material ainda apresenta alto teor tação da socaria. com vidade vem declinando ao longo dos últimos escaldadura e tolerância intermediária ao mo. responsiva De acordo com os dados do CTC. para ambientes bem restritivos (PUI). a RB036088. dos canaviais aos tão desejados três dígitos. crescimento inicial e bom fechamento de entre- na Raízen é construída com base na capacida. a VARIEDADES X em ambientes A. pouca tência as principais doenças da cana. De porte ereto. E a RB988082. C e D. mas com boa sanidade. que tem como caracte. ferrugens marrom e alaranjada.

7 .

citadas pelo CTC. e esquecer que ter exube. De qualquer maneira. mesmo com o esforço lidade. porém. Apenas tomando como exemplo os se. mas apresentam estes dados de forma didática para continuação da NA 5679.” lheita e é isso que proporciona o maior lucro. de Silva. no caso. dentre as dez primeiras varieda- divulgados pelas desenvolvedoras são de unidades. lheita mecanizada em solos arenosos e sensibi- 98 milhões de t de cana. como sendo. a elimi. Cana/t ou ATR/t. sentem algum problema de doença. pode ser feito através dos dados RBs e IACs. julho. grau. e que foi detonada pela ferrugem alaranjada) plantadas do CTC. sen- variedades. devido à segurança rando em função da época. nota-se que tem sido redu- ça ou são plantadas. era de se Sempre questionado sobre a razão pela de safra tem-se verificado que quase todas esperar aumento nos valores da Pol% Cana qual os produtores de cana optam pelo cultivo as variedades estão sendo colhidas do início devido às novas variedades tidas como mais de variedades da década de 80. e. mas colhidas com mane. pois estabilidade de plantio analisada pelos dados da Ridesa. “Certamente. determinadas restrições. É comum ouvir dos plantadores. lidade ao ataque da podridão de topo. destaca a tradicional RB867515 que tem como a 2008/09. e tardia para o final da safra. de maior ou menor seu plantio devido a ferrugem marrom”. onde se des- praticamente os valores são semelhantes. taca também a SP80-1816. variedades mais estáveis. necem praticamente nas mesmas posições com de de ótimos dados. o que não está cor- para o início da safra. ferrugem jo indevido. não tem permitido obtidos ao longo deste período  pela Orplana. a escalada da CTC17. assim como outras das maioria das regiões. praticamente todas apresentam úmidas como Piracicaba. tação a qualidade das terras. eliminadas. não houve acréscimo e rância não significa estabilidade. Já no plantio. Na maioria terísticas genéticas de cada uma. das instituições na obtenção de variedades Observando os dados da Ridesa. as CTCs 2 (10º lugar) “Já existem muitas e ótimas variedades li. vas variedades são introduzidas. 4. também precoce. 5º Edição de 2006. também precoce e do ano de 96. no caso maio. “Compare-a antigas porque já as conheço. RBs 855156 e 855453. Cana ao longo das safras se deve unicamente tes de ser posto na área comercial. sete são da década de 80. alte. cada variedade: nem sempre as variedades cimos ou decréscimos nos valores da Pol% justamente no pouco tempo de observação an- de cana são colhidas de acordo com as carac. era de se esperar. esta tendo redução. Dematte conta que das 25 variedades CTC. em maiores Pol%.” e veja a velocidade de evolução de uma em trabalho de assessoria tenho verificado que as O decréscimo e. em quase todos os tipos de ricas para este período. elas estão que se tem na brotação da soqueira em período com um máximo em agosto/setembro. No mais plantadas. observa 6163. comenta Dematte. onde se das 548 milhões de t de cana. atualmente. SP81. tem ocupado o segundo lugar. maior ou menor suscetibilidade a doenças a rugem alaranjada. ou seja. “Devido “Ao analisar os valores da Pol% Cana e do queira. iniciando na safra 1984/85 até a sa. que infelizmente tem sido reduzida por conta poderem convencer os plantadores”. 524 milhões de t de cana. as geadas RB92579 numa possível substituição parcial da mês praticamente não houve aumento da Pol% e resistência a seca. na safra 2001/02 a ferrugem marrom). A CTC lo da Esalq/USP. As duas RBs precoces perma- instituições de pesquisa têm grande quantida. uma evolução quantitativa de açúcar do a mais plantada no Centro-Sul. assim como a CTC09. truções do Consecana. mas infelizmente e devido a fer- cialista do Departamento de Ciências do So. se incluem variedades precoces. a produtividade agrí. 517 milhões de t e na safra 2014/15. dor tem uma resposta simples e objetiva. na matéria-prima decorrente da introdução com a CTC9. “Notamos 1980. segundo Dematte. adaptabilidade ao corte mecanizado e a este fato tem-se destacado a SP83-2847 e a ATR neste longo período. Contudo. entre elas as plantadores de cana. mesmo que apre. a doenças. preciso verificar outros aspectos como adap. não se tem conseguido acréscimo des cultivadas. maio a novembro. assim como ao grande número cultivadas e plantadas em SP e MS. O que se observa nos acrés. relação a outra. filha da ‘tenho pouca confiança nos dados das novas são significativos. principal. On. mas não demostram.’ No meu de novas variedades’. de estaria o erro? Tudo leva a crer que estaria Escolher a variedade mais adequada em 8 . se é precoce da mesma maneira que o aumento da t/ha de para os usuários decidirem. Cada variedade bém não tem ocorrido. 100% não existe. atualmente uma das melhores variedades do rendimento através da Pol% Cana nos últimos dade. uma das variedades mais Magro. Nos relatórios Em relação ao início da safra. a variação de temperatura. que ocupava o 8º lugar pas- Segundo Jose Luiz Ioriatti Dematte. tal fato tam. em 13º beradas que solucionam as questões do ATR. reto”. cola em função da t/ha de colmos tem evo. onde pouca consistência para dar segurança aos de ATR. na safra O pesquisador da Esalq/USP alerta que é inconveniente a perda de produtividade na co- 2009/10. A CTC15. nação de variedades se deve. apresentam maior segurança e maior estabi- tem uma época ideal especificada para a co. mas elas não são plantadas por falta de confian. em RB855156. porém em regiões mais fra 2014/15. indiscriminadamente. mediana para o meio cana”. gundos períodos do meses. faltam variedades precoces e tar- período de 1984/85 a 2000/01 foram analisa. principalmente. SP70-1143. condições climáticas. os testes de validação têm ficado mente quanto a sua maturação. o pesquisa- ao final da safra. zida a SP81-3250 (devido a doença. da Orplana: ‘os dados apresentados alaranjada) sendo que a RB966928. está sendo rapidamente multiplicada na 30 anos. observa-se que mês a a palha. que com a mesma velocidade em que as no. optar sempre por RB867515. Dependendo da sou para 4º. brotação de so. a SP81-3250. extremamente seco e em solo argiloso”. explica Dematte. mas os seus técnicos não a doenças como ocorreram nos casos da des. Ou seja. “Elas solo. dos casos. na maioria dos casos. 50% ainda pertence às variedades da série de setembro e novembro. RB72454 (esta a mais velha de todas do carvão. e neste aspecto estão as duas serva Dematte. luído para maiores também em função das e 15 (8º lugar). as oscilações climáticas e não as variedades. maior estabilidade. o que deve ter resultado terceiro lugar. Dematte apresentadas pelas instituições: os dados destes materiais colocados à disposição das indica que. a CTC15 (esta com Para ele. ob- onde se utilizou as equações do Manual de Ins. posteriormente. portanto continuo plantando as média. espe. em áreas 3º A forma como as novas variedades são comerciais. De qualquer manei. na intenção Cana. frisa. ra. assim como afirma Geraldo Majela de Andra. o histórico da evolução do variedade pode ter maior ou menor estabili. a ferrugem alaranjada) e a CTC4 (esta com dias para solos de baixa fertilidade.

da cana transgênica. principalmente. des no mercado tidas como as mais estáveis introdução de uma série de novas tecnolo- 9 . nos balanços hídricos. com solos de O avanço do aumento da produtividade dutividade devido às chuvas na safra 2015. lho e algodão. É preciso binam potencial de produtividade com esta- 1º Condições climáticas: o Brasil apresenta lembrar que à medida que aumentam as bilidade”. em contraste com a queda de 2º Qualidade das terras: dos aproximada. Este é o Muito mais do que melhoramento gené- na umidade relativa e nos riscos de geadas. como é o caso do CTC porque o clima representa para a cultura da bientes. e as precoces como a RB855156 riais para uso comercial até 2018. conclui Dematte. dades. não so.termos de estabilidade dependeria de uma série 65% apresentam baixa fertilidade e baixa em função dos ambientes onde se pretende de fatores que devem ser colocados em consi. retenção de umidade e com isso maior res. climaticamente favorável. e o aumento da pro. mas também nam-se mais suscetíveis a doenças e com CANA TRANSGÊNICA e. As boas variedades são as que com- deração. deverá ser o papel desta cana para o setor? e 2014. Portanto. motivo pelo qual a RB867515 vem sendo tico. Mas qual vista a baixa produtividade das safras 2013 e. sensível redução na estabilidade. segundo Dematte: trição na escolha de variedades. que devem liberar seus mate- cana de 65% a 68% da produtividade. “Para o restante das áreas. de textura média a argilosa e agrícola em outras culturas como soja. mi- o que deve ocorrer novamente em 2016/17. a RB966928. uma diversidade enorme de clima. boa fertilidade. haja RB92579. restrições de manejo. eventualmente. alguns institutos tem corrido em busca Com isso é preciso ter muito conhecimento uma das mais plantadas nestes tipos de am. produtividade da cana tem sido atribuído à mente 9 milhões de ha cultivados com cana. há sobra de varie. cultivar. a e da Embrapa. devido à seca. é preciso buscar as varieda. sendo seguida pela SP83-2847. as variedades tor- mente na quantidade de chuvas.

por exemplo. Além disso. Seria muito mais planilha padrão) com cada dominar 100% a metodologia que já existe para adequado e prudente se os órgãos responsáveis variedade que possui. safra. na “O parque varietal que possuímos é extre- metodologia de cálculo utilizada maioria dos casos. temos perdido algumas para a ferrugem bons passos da cana do futuro. alaranjada. A cana do futuro não é possível avaliar a evolução obrigam o produtor ao uso de herbicida para seu muito diferente desta que está aí. é possível obter de áreas onde se utilizam as soqueiras como Para o gerente de planejamento e Desen- informações da maior parte alternativa contra o sistema erosivo? Além dis. acrescenta Is- recebem um relatório digital significativos. TCH e TPH. que afirma que as universidades do elenco varietal num conjunto aproximado da Ridesa já têm pesquisas na área. melhor selecionar os materiais genéticos produ. A partir de abril deste considerando que se faz a cruza de genes de ou. ele. Outro ponto extremamente base de usinas cadastradas opina o pesquisador e especialista em Ciência importante é a questão fitossanitária. estão se tornando realidade. tências a fim de melhorar a produção. lavoura de cana. gia que nos tragam materiais com certas resis- de produtividade da próxima ra ver o comportamento das transgênicas no cam. fi- Muito além das diversas variedades que fo. ainda existem desafios que precisam ser su. diz dades liberadas pelo CTC. como já tem ocorrido. irani@ctc. com todas as limitações e indefinições Sindicato Rural de Jaboticabal. lembro os problemas investimento. e portanto. por esta área liberassem um número bem menor independentemente do zidos com a hibridação convencional”. se investe muito pouco em pesquisa em e grupos que enviam as a salvação da lavoura e sim mais uma ferramen. O setor agradece”. adequadamente testadas programa de melhoramento e de comprovada eficiencia. são fato- informação de área cultivada nia. pondera necessita tomar decisões relacionadas à escolha por exemplo. as usinas po. de variedades. Segundo do mercado. de adubação. dos desenvolvedores da é oriunda de uma variedade tradicional que. O potencial produtivo destes para a criação do censo. Acho que ainda res de que todas as variedades são adequadas. to. o pesquisador. O que tem ocasionado a Além do market share pendendo do gene colocado poderemos ter um baixa produtividade é basicamente a falta de das variedades. “Não sei se é moralmente correto ter uma cana transgênica. a cana do futuro de- açúcar de todos os programas utilizados nestas mudanças? A introdução de veria ter maior adaptação à mecanização. estarem cana em todo o Brasil.INFORMAÇÃO NA PALMA DA MÃO Desenvolvido há 30 anos. pode enviar as informações temos muito para explorar dentro do universo de deixando para o usuário o ônus de eventuais de área cultivada (em uma genes da própria cana. Além disso. tratos culturais. amplo período por estágio de corte e a cada tência ao glifosato. qual deverá ser a cana do futuro? são na prática o que prometem na teoria. caso adaptadas aos atuais níveis de mecanização da o nosso censo possui a maior contrário estaríamos na mesma situação atual”. redobrar a atenção no que diz respeito aos ní- e representativos”. este o caminho. semos de alguns avanços na área de biotecnolo- contribuindo na estimativa cia a pragas. tomadas de decisão em fases de manejo de solo. porém. Características como resistência a o censo organizado pelo CTC “O atual sistema de melhoramento está sen. pois como ficariam as reformas afirma Karoline.com. tem desempenho inferior ou. tem sido frequente a posição dos apresentado- ano. o que “Apesar de termos diversas variedades dis. mamente farto. as varieda- (70%) da área cultivada com so. possibilitando do Solo da Esalq/USP. dá para notar é que o setor continua a alguns poníveis. acima de tudo. ram desenvolvidas para atender as necessidades Seja pela falta de manejo adequado. produtor de cana e presidente do com análises estratégicas para ambiente. “De. explica des transgênicas serão mais produtivas que as veis de susceptibilidade às principais doenças Rubens Braga Jr. opina. Volto a insistir. boa alternativa. Ao todo. volvimento Agrícola da Raízen. 10 . ferrugem alaranjada.. Ridesa e IAC) sem FUNCIONA? que tem dúvidas sobre a transgenia. naliza Dematte. bom perfilhamento e fechamento. pois ela será cultivada no mesmo mael Perina. materiais é altíssimo. como a transge. gias como as plantas geneticamente modificadas. Talvez preci- das áreas de plantio e reforma controle. O endereço de envio é A CANA DO FUTURO os riscos nas escolhas. porte mais ereto. Não devemos esperar ganhos nhar com grandes mudanças”. porém. a introdução da cana transgênica teria que des do futuro devem. cana-de-açúcar. de 60 a 65 variedades liberadas (some as varie- COMO O consultor da Campo Fértil Assessoria. de variedade.  alto de melhoramento genético material geneticamente modificado para resis. “Hoje ser em variedade de elevada estabilidade. um variedades tradicionais porque a cana transgênica que afetam a cultura da cana. pe- dos produtores e a iminência da transgenia em la falta de conhecimento dos produtores e até cana. reduzindo assim genético a qual ela pertence. mas vamos esperar pa. A cana transgênica não será que. porém quais seriam os critérios de pesquisa. Nas reuni- ões técnicas espalhadas na região canavieira. de mudas e de doenças”. pois ainda não sabemos falhas. não seria uma de colheita e maior responsividade a irrigação”. por meio custo mais baixo. levar em consideração as antigas. É complexo. também é das plantas daninhas que adquirem resistência e nologias já disponíveis. mesmo por conta de desenvolvimentos que não perados. O mesmo pode acontecer com resistên. no máximo. qualquer usina ou grupo tras espécies de plantas e animais. igual as variedades comuns. Me parece ser res que devem ser superados pelas instituições de cada variedade de cana-de. Acontece safra.br. Afinal. não devemos so- informações solicitadas ta a ser utilizada. ausência de florescimen- é responsável por reunir a do superado e novos avanços. os programas de melhoramento precisam a análise de dados precisos Daros diz que não acredita que as varieda. de manejo e uso de algumas tec- do censo CTC. de “Imagine a área técnica de uma usina que de planejamento de plantio.

11 .

produtor cana tipo 2 (alta fibra) que foi a que se de cana do Condomínio destacou e se desenvolveu. etanol e to do plantio de cana fibra. dades de cogeração existentes como em professor de Planejamento novas. “Acredito que ainda precisa de maturação. para empresários de etanol de segunda geração ga. DOIS A TRÊS Outro assunto a ser desenvolvido é a redu- ANOS ção da energia gasta para processar a cana “Creio que em dois ou três energia na extração do caldo.” Marcos Fava Neves. Mesmo consi- Santa Izabel derando os cenários em que essa cana seja moída em início ou final da safra. com previsão de lançamento para 2018. tanto em uni- tantes do planeta. fórum PREÇOS E TECNOLOGIA POLÍTICAS PRECISA EVOLUIR “Quando os preços e as políti. engenheiro Alimentares da FEA-RP/USP da V&R Consultoria e Projetos 12 . mas até agora não tive notícias Humberto Carrara. algumas unidades industriais já estabeleci- nhar força. diretor deste lançamento. Além disso. “Acredito que à medida que o De qualquer forma. eles não veem vantagem nesta Paulo Rodrigues. O IAC tem previsão de agroindustrial da Usina São João de Araras lançar algo até 2017 e a Ridesa está na fase três do programa de melhoramento genéti- ETANOL 2G co. (cana Vertix) era para dezembro do ano transparência e a longo prazo.” Estratégico e Cadeias Ramón Orlando Villarreal. quando a questão da ele- o preço da energia elétrica praticado nos tricidade renovável deverá ser leilões também influencia na decisão da muito mais sensível aos habi- utilização da cana energia. quando se fala que a cana de maneira complementar e não energia tem açúcar somente para produção antagônica. mas energia elétrica.” de etanol. das e que tem produção de açúcar. cas de geração de energia forem O lançamento da variedade da GranBio estabelecidas com mais clareza. vamos ter o aumen.” passado. anos.

A maioria das empresas foram projetadas para produzir açúcar e etanol. diretor industrial e responsável técnico da Euroforte Agrociências POLÍTICA DE ENERGIA “A evolução da cana energia e o caminho a ser trilhado dependerá da política de geração de energia do governo federal. E quando fa- lamos em governo federal não dá pra investir sem grandes riscos. a rela- ção econômica entre todas as alternativas em vários cenários. Insisto que precisamos ter de- finições que obrigatoriamente venham por parte do governo federal. espe- cialmente para responder em qual cenário a cana energia se tornará viável. com segurança. produtor de cana da Agrícola Rio Claro 13 . produtor de cana e presidente do Sindicato Rural de Jaboticabal DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO “A cana energia é o futuro.DEFINIÇÃO DA MATRIZ ENERGÉTICA “Creio que vai ser a partir do momento em que tivermos uma defi- nição clara da matriz energética brasileira.” Luiz Carlos Dalben. Mas é o futuro e eu acredito muito nela. existe um componente intangível que é o risco de incêndios espontâneos (por fermentação exotérmica) na estocagem da cana energia. temos ainda que desen- volver uma tecnologia de plantio. Ao lado de tudo isso. O que temos hoje no mercado ainda não faz a colheita correta deste material. querer inserir nas moendas a cana fibra talvez ainda não seja racional. Sinceramente. enfim. Então. situação que pesará fortemente na taxa de risco dos seguros e nas providências estratégicas (forte investimento) para mitigar tais riscos. As empresas teriam que estar muito mais preparadas para produção de energia do que para produção de açúcar e etanol.” Flavio Pompei.” Ismael Perina. Não digo presente porque é necessário que tenhamos uma colhedora especial para ela.” Antonio Cesar Salibe. Então acho que além de desenvolver a variedade de cana energia. adubação. acredito que a tecnologia vai evoluir apenas quando houver uma necessidade extrema de energia ou quando a política do governo mudar. diretor-executivo da UDOP VIABILIDADE ECONÔMICA “Acho fundamental que as pesquisas agronômicas e de engenharia de processo avancem para definir e estabelecer. Tenho a informação de que uma marca de colhedoras de cana alemã poderá adaptar uma máquina forrageira que eles têm. é uma cultura nova e temos que desenvolver tecnologias para ela.

volta a ser discutido porque rigoroso. dentre outros as. o inverno quiseram se identificar. -das-raízes. não apenas por tivamente tanto sobre os insetos-pragas. climáticas subsequentes entram na norma. o perfil de pragas da cultura da ca. por exem- O engenheiro agrônomo e sócio diretor reboque das populações de seus hospedei. como proce. Neste ano. em situações de solo saturado por chu- da Araújo&Macedo Consultoria. mas regiões que aparentam resistência aos apresentado resistência aos inseticidas do “Acontece que. a cigarrinha-das-raízes poderá ser um grande problema em 2016. Entre outros fatores. exemplo. em alguns casos. chuvas. Como o produto tem elevada vera/verão da safra 2015/16. como é o caso da cigarrinha. abordado na edição 177 no ar. confirmam que -das-raízes”. têm diferentes interpretações para cada um mento do número de ninfas. que foi mais favorável. existem relatos de produtores que afirmam resistência da praga aos inseticidas e até mesmo ao controle biológico A eliminação da queima e o conse. destinadas a colheita de inverno e prima- ambiente. as razões mercado e. um aumento significativo de cigarrinha. da Syngenta garrinha poderá ser preocupante nos ca. a temperatura elevada por um está sendo observada uma resistência da existem relatos de que a infestação da ci. cuja previsão é que se estenda até canaviais modificaram. acaba se perdendo rapida- 14 . por Relatos de alguns produtores que não tigo “Inovação no manejo da cigarrinha. nor- do descontrole da cigarrinha. parcial de populações em áreas de algu- mas principalmente porque a praga tem podes e micro-organismos). da Bayer. sido de difícil controle biológico. plo. tanto em área de ocorrência. Macedo confirma. Newton ros). se comparado ao mesmo período com a cigarrinha. há o risco de haver mais problemas pectos. pluviométrica e o outro é decorrente dos INSETICIDAS O tema. efeitos de extremos climáticos como. Contudo. diante do au. Diante recuperam suas populações mais rapida. confirma que durante a prima. mente que seus inimigos naturais (os ini. Lembramos que esta primavera/verão vas. o que impactou nega. El Niño. quando acontece. por causa do fenômeno quente aumento da presença da palha nos -das-raízes. principalmente fenômeno: um deles é a maior precipitação RESISTÊNCIA A durante as estações mais chuvosas do ano. se segue a duas anteriores muito diferentes aplicação. segundo ele. Inclusive. como em população de ninfas por metro abril. longo período e o excesso de chuvas fora praga aos inseticidas Actara. quando as condições produtos. “Com o Actara. os insetos-pragas que sobrevivem dos produtos. malmente decorre da aplicação do mesmo der e evitar maiores perdas? migos naturais sempre se desenvolvem a em momento inadequado como. e Curbix.tecnologia agrícola Inimiga de longa data dos canaviais. seguida por mais chuvas logo após a Macedo. como sobre seus inimigos naturais (artró. linear. do período normal. especialmente nas canas na-de-açúcar e seu comportamento neste dos últimos dois anos. também tem lidade. afirma Macedo. almente tem sido observada uma seleção conta do clima. Re- naviais durante este ano. que encontra condições mais destaque como as prováveis causas deste favoráveis para sobreviver. as secas prolongadas. observou-se em termos de volume e má distribuição de solubilidade. dois merecem vera”.

e nas quais o produtor. por exemplo. São áreas com condições muito tidade de ovos no campo e a sobreposição propícias ao desenvolvimento do inseto. a aplicação de inseti. não há qualquer tou que algumas áreas de usinas do grupo voráveis ao desenvolvimento desta praga.mente por lixiviação. apre. observa. na linha de cana junto ao controle químico segunda aplicação de inseticidas em al- grisa. “Um dos extremos climáticos como. a adoção de práticas de manejo integrado. Iracema. conta que tem es. Isso acelerou o processo de aumen. podem ser as prováveis Aimar Pedrini. de Campi. pode gerar a percepção de falha torado constantemente as alterações com- resistentes em pouco tempo. não revelou quais são os inseti. le biológico também. os nossos apontamentos. também atribui praga. depositados na safra anterior estão prova- dem ter contribuído para isso”. SP. em caráter de gumas situações. sendo encaminhadas para nosso Labora- se for comprovada a resistência.” no controle. “De qualquer forma. ráveis à eclosão e sobrevivência dos ovos o desempenho dos inseticidas. praga. ria o uso contínuo e sem rotação com outros de indivíduos que sobram após a aplicação afirma. Além disso. Pa. afirma que a estabelecer uma estratégia de manejo com resistência de pragas a inseticidas já ocorreu o objetivo de evitar o surgimento de po- em outras culturas e pode ser atribuída. a quantidade tório de Monitoramento de Resistência”. serão sempre maiores quando a pressão A estação experimental da Syngenta. o inverno rigoroso no mesmo ciclo da praga”. gerente de portfólio de somente produtividade e não o controle da causas para o aumento da infestação da Inseticidas da Syngenta. estamos realizando ção muito acima dos níveis normais este da BUG Agentes Biológicos e consultor em um manejo integrado de desaleiramento ano. sentou elevado índice pluviométrico. até Leila Luci Dinardo-Miranda. argumenta. dendo ocorrer até seis gerações. No caso do Curbix. registro de casos de resistência de cigar- apresentam resistência a alguns inseticidas. em pulações resistentes. de gerações”. o especialista explica que a Bayer na ânsia de controlar a praga. que elas têm apresentado resistência por que foi extremamente favorável à praga. faz sucessivas vem investindo muito nos últimos anos aplicações do produto no mesmo ciclo da cul. cultores. é importante mento do Estado de São Paulo. bix. Tais fatores tornam necessária uma Manejo de Pragas das usinas Agro Serra. cigarrinha o aumento da infestação e. vada eficiência de controle. diversas regiões canavieiras e que estão nando a resistência. e isso. “Entre os pro- de Desenvolvimento e Tecnologia Agrícola do ano passado e início deste ano. sócio-diretor conta. como conta do reduzido número de moléculas “As condições de clima muito favo- herbicidas e fertilizantes. ao clima população. enquanto Quanto a possível resistência ao Cur- que o comum é três. grupos químicos por vários anos pelos agri. urgência. Acredito que. “Do etiprole (Curbix) só escutei Para Augusto Monteiro. po. mas con. Boa Vista. pois teremos grande quan- diferentes. também po. tem moni- resistentes que darão origem a descendentes situações. Santa e biológico. as secas prolongadas. existe a dificulda- condições de manifestação do problema são de de controle. Desenvolvimento de Mercado da Bayer. o motivo se. o que nha-das-raízes da cana e. que comprometem que são utilizadas para o seu controle. serão necessários estudos para população de cigarrinhas proveniente de cutado em algumas de suas consultorias que o desenvolvimento de novas moléculas e novas gerações mais tardias que estão ata- realmente existem casos de não efeito do tia. as de controle mais tardia. “Temos tido problemas com o contro.” dência científica de populações resisten- resistência. Uma dessas medidas grande parte. consequente- to da proporção de indivíduos resistentes na porém em baixas infestações. dificuldade de controle. Ele acredita mente. O aumento das chuvas e a ocorrência de é a rotação de ingrediente ativo quando muitas vezes de forma indevida. cando o canavial. da Secretaria de Agricultura e Abasteci. visando período. Não encontramos evi- metoxam (Actara) e possível associação com visando o uso racional de inseticidas. Isso acaba selecionando indivíduos populacional for alta. mesmo que os inseticidas apresentem ele. No caso de tiametoxam. do desenvolvimento de resistência desta nas. mas nada relacio. gerente “Sabemos que o período entre o final moléculas de inseticidas. pesquisado. jetos temos o monitoramento da cigarri- da Guarani. Para resolver. explica Macedo. embora exista suspeita de moléculas”. destaca Monteiro. no estudo e conhecimento das cigarri- tura sem o devido cuidado de fazer o rodízio nhas da cana e. portamentais de diversas pragas as suas Jose Olavo Bueno Vendramini. que não tem dado velmente contribuindo para uma infesta- Alexandre de Sene Pinto. há necessidade de mais de uma aplicação usos incorretos dos inseticidas foi a aplica. 15 . ao uso contínuo de inseticidas. o momento não há confirmação científica ra do Instituto Agronômico (IAC). agrônomo de tes ao Actara nas amostras coletadas em sobre falhas no controle. pois existe uma nova Adélia e Santa Albertina. de acordo com cidas que utiliza para a cigarrinha. do aparecimento dessa característica. Quando aliamos esse fato a uma estratégia rinha ao produto Actara até o momento”. Palestina. proporciona condições extremamente fa. cidas juntamente com outros produtos. e temperaturas elevadas por um longo ção em doses reduzidas dos mesmos. em algumas localizada em Holambra.

assim que Filiberto Oscar Terán Peredo. que na aplicação de inseticidas. em 2014 a participação do controle convencionais de inseticidas. gas de tal forma que seus danos e perdas doses recomendadas do produto. principais fatores que regulam as popu- aplicar o produto até abril. já é agrônomo para o direcionamento das prin. natural exercido por numerosos inimigos rotação de produtos. “O apoio 4 ninfas/m linear. no MEP unem-se os (temperatura. ro agrônomo. para re- calda). sejam aceitos economicamente. mas também em longo prazo.” Leila recomenda que as usinas façam cigarrinha-das-raízes”. a biológico das cigarrinhas da cana represen.E fazer a aplicação do fungo somente sultados satisfatórios. fas. é mais adequado para culturas como a cana- ciar as aplicações focando o controle da tos. mesmo que naviais em crescimento servem para dirigir se tornado cada vez mais difícil. um fator de desequilíbrio. Por razões práticas. mo na forma granulada (arroz + conídios) longados permitem reestabelecer o controle fas/m) e sempre consultar um engenheiro favorece a sua permanência no campo. quando as popu. também econômicos e ecológico. optar por tecnologias de aplicação tece é uma má aplicação do controle bioló. o que acon. No caso do fungo. Isto equivale a cipais estratégias regionais para o manejo lhada”. CONTROLE BIOLÓGICO como sua coluna vertebral o respeito e con. dade de São Paulo) defende e estuda o Ma. especialista em Entomologia zinhas.” em baixas.Fazer a aplicação de forma líquida ou gra. como os que se obtêm com os tratamentos tectar o momento oportuno para sua aplica- cado. . biológico”. com amostragens adequadas e oportunas rotacionar moléculas. duzir ou minimizar as populações de pra- que facilitem a calda atingir o alvo. seticidas em canaviais e/ou em culturas vi- as populações atingirem o nível de contro. não repetir o “Portanto. quanto em altas populações da lógico e econômico. naturais que mantem as populações de ci- nejo Ecológico de Pragas (MEP). de saliva presentes no pé das touceiras de é dependente das condições climáticas e pulacionais e na oportunidade certa. . opina. -de-açúcar. o permitirá planejar o manejo deste inseto por produto que já foi aplicado anteriormente fungo M. inimigos naturais . aplicação de DE PRAGAS aplicações acidentais ou precipitadas de in- inseticidas químicos e biológicos. em situações de equivale a detectar os pontos de desequilí. afirma Sene Pinto. “Este enfoque após as primeiras chuvas (primavera). isto é. Os registros disponíveis mostram que 16 . ou em qualquer horário no qual as plantas produtivo e o controle natural por seus Já para canas a serem colhidas no final de façam sombra no solo. usando de forma correta. anisopliae pode ser aplicado tanto métodos compatíveis do ponto de vista eco- na área durante o mesmo ciclo da cultura. população mais elevada. Os cuidados com a aplicação versas técnicas e amplo conhecimento sobre lhidas no início de safra. explica. Essas aplicações quebram o controle le. UR e vento). sivos agrícolas é a melhor opção. a aplicação do mes. o uso de defen. para canas a serem co. deve-se aplicar o produto até abril. conhecimentos não só biológicos como gem adequada do equipamento (volume de Para o especialista da BUG. realizar mos o controle biológico de forma errada. nulada no final da tarde. segundo Peredo. utilizar gico. e aplicações bem feitas de inseticidas e e doutor em Ciências pela USP (Universi. ções ambientais no momento da aplicação te ou condição da cultura como o controle Segundo Peredo. Isto cana. com o mí- o monitoramento frequente da praga logo Acredito que o setor precisa aprender muito nimo de impacto ambiental. MANEJO ECOLÓGICO pragas. àquelas que espalham o produto por todo devem ser detectados previamente por di- Macedo indica. ção. econômica e com menor risco ecológico. de controle deve ser dirigida unicamente tituída pela densidade de salivas ou massas isto porque este tipo de método de controle aos locais com grandes desequilíbrios po. inseticida não é influenciado pelo ambien.” lações superiores a 6 ninfas/m linear. algumas vezes. Ele aponta que com o manejo dos dois canas a serem colhidas no meio de safra. Em quase todos os casos em que estes amostragens constantes e bem feitas. Para mento do uso. “Os monitoramentos efetuados nos ca- O controle biológico da cigarrinha tem servação do controle natural. além natural após sua plantação que. . o canavial. sobre tecnologia de aplicação desses produ. ini. de facilitar a sua penetração por entre a pa. “O que acontece é que ainda utiliza. estão associadas meiras chuvas da primavera. em dias nublados lações das cigarrinhas .seu potencial re- lações forem superiores a 6 ninfas/m linear. o que permite apli- O especialista da Syngenta ainda res. cada uma das espécies-praga. que insetos se transformaram em importantes comecem cerca de 20 dias depois das pri. “Lembrando sempre de grandes. De acordo com pesquisas de mer. uma reaplicação do fungo devem ser respeitados. não só em curto pra- quando as populações forem superiores a quando mais da metade das ninfas são zo. O método difunde que qualquer medida densidade populacional deste inseto é subs- tou menos de 15% da área tratada no Brasil. que representam a densidade das nin- da cultura. engenhei. em si. brio com antecedência. cujos períodos vegetativos pro- 1° geração (populações próximas a 2 nin. fazer a regula.é possível conseguir re- safra.alega Pedrini.Fazer o preparo da calda próximo ao mo. dirigir as medidas de controle só aos lotes de resistência e para a orientação técnica A aplicação localizada é muito superior ou parcelas com severos desequilíbrios. pois o car a medida de controle com maior eficácia salta a importância de respeitar as condi. “Sendo assim. tais como: os fatores que induzem altas infestações de de produto até o final de fevereiro em popu. que tem garrinhas em delicado equilíbrio. segundo seus resultados não sejam tão espetaculares as possíveis medidas de controle e para de- Monteiro.

17 .

ciclo vital (20 a 25 dias) que permite a ocor. cas Sirphidae. que. consegue sobreviver na matéria orgânica e alvos desses produtos químicos. oferecendo diver. Além disso. tanto ecológica quanto economicamente”. porque as populações lha. diz rência de duas a três gerações durante um A renovação de soqueiras muito infes. tadas que. em canaviais com histó- proceder o controle assim que aparecerem rico de altas infestações. mesmo em urgente para o sucesso dos produtos bioló- giões latino-americanas. já consideradas outras medidas de controle. “A essa vantagem se soma seu curto OUTRAS MEDIDAS DE finaliza Peredo. em regiões curto período de tempo”.as populações de ninfas concentram-se em avaliações feitas no pico populacional. da cigarrinha-das-raízes”. a experiência diz dano ao canavial.” cesso tanto por ele. graças ao M. CONTROLE O consultor e especialista da BUG. A retirada da palha contribuiu para re. antecipada e prolongada do solo. mazenamento para que estejam disponíveis ras das cigarrinhas. O aprendizado sobre tecnologia A produção de diversas formulações comer. conclui. minimizando os erros do cação comercial do fungo em grande escala. nores. posticata da linha da cana. ção da umidade no solo. que contribui para reduzir lada com aplicadores de NPK. E fato de estar substituindo as aplicações de linha de cana. acompa- pliae e outras espécies. O fungo que é muito suscetível e um dos primeiros que inclusive. mento inicial da cana pode ser prejudicado nitoramentos de adultos não são tão úteis com a retirada da palha. que ainda prefere o uso correto do fungo único ciclo da cigarrinha. é importante destacar que ter nigra. situações de altíssimas infestações. (dificilmente quantificável) de ninfas me. 18 . especialmente dos inseticidas. existem outros inimigos diferentes espécies de cigarrinhas. que ataca a folhagem. quanto em altas popu. o uso con- cada fêmea coloca. são condenadas por motivos Outras medidas sugeridas são a rotação ecológicos. podendo refletir na reas generalizadas que. de aplicação de micro-organismos se torna ciais está bastante avançada em muitas re. es- alguns meses úmidos do ano. as dificuldades de ar. e a proteção dos culti- Segundo ele. adiciona Peredo. quanto por outros pro. sas raças deste fungo. detalha. “A isto soma-se a proposta de antecipar de forma natural quando as chuvas e as ci- Peredo comenta que esta tecnologia já foi a colheita em áreas severamente atacadas e garrinhas aparecem. especialmente Salpingogas. 250 a 300 ovos acumulados. Por outro lado. Por to. Aparentemente. os que ficaram em diapausa (descanso) e a lo do mesmo no solo dos canaviais. isoladamente. anisopliae pode ser aplicado te leguminosas. superaram-se da umidade do solo. ções menos favoráveis ao desenvolvimento cação do fungo. que ressalta a importância da é preciso de estudos planejados para con- da cigarrinha e uma quantidade muito maior contínua evolução deste tipo de tecnologia. causando muito do ano. além de serem mui. Por tanto. eliminaria os Metarhizium anisopliae. em locais de alta infestação. seu uso. firmar a eficácia destas práticas sugeridas. tre ciclos produtivos da cana. segundo Peredo. o controle biológico Sene Pinto: “Usando de forma correta. principalmente no a retirada ou afastamento da palha de cima “A aplicação do fungo na forma granu- Nordeste brasileiro. o desenvolvi- O pesquisador ainda ressalta que os mo. Neste caso. deve-se isso significa que. por exemplo. as populações per- monitoramento de ninfas ou de suas salivas. em média. não é suficiente para o se desenvolvem exponencialmente num controle da praga. poderiam ser movendo epizootias naturais da doença em protegido. diz o “No entanto. Foram vos e suas vizinhanças contra gramíneas e naturais que podem ser até mais eficientes superadas também. sem tanto em baixas. maneceram muito altas ainda após a retirada deve-se limitar apenas aos meses chuvosos da palha (26 insetos/m). tanto os normais como tínuo desse fungo acaba por deixar inócu- ovos durante duas semanas de vida. como os adubos verdes en- para o manejo ecológico desta praga. o pecialmente no último. do solo. cigarrinha no decorrer dos anos. melhorando a sua eficiência. duzir as populações da praga. to onerosas. com consequente diminuição a amostragem sistemática e correta dessa inseticidas. já foram aplicadas com su. a preparação lações da cigarrinha-das-raízes limitar-se só ao fungo Metarrhizium aniso. utilizada com sucesso. com culturas não hospedeiras. resultando em condi. ou seja. De acordo com Peredo. produtividade agrícola. devido à diminui- porque seu controle induz a aplicações aé. cuja larva mata de 30 a 40 ninfas pesquisador. pro- das essas vantagens este predador deve ser queima da palha após o corte. já adequadas para as nhada da drenagem. Adicionalmente. praga nos indica o momento exato de apli- os problemas que dificultavam a multipli. em pequenos animais (muitos deles pragas) Sobre o uso de produtos comerciais que dutores de cana. Nas gicos”. e situações quentes e secas. especialmen- deve ser o método de controle prioritário o fungo M. as populações das cigarrinhas por permitir colocam o bioproduto exatamente na linha “Boa parte desse sucesso deve-se ao maior incidência dos raios solares sobre a de plantio. no curto período da sua ocorrência”. o que facilita o seu ressurgimento contém o fungo Metarrizhium anisopliae. a retirada da pa- as primeiras salivas. outras plantas invasoras que são hospedei- para controlar as cigarrinhas. como as mos.

19 .

Entretanto. O objetivo deste artigo é apresentar os principais fatores que interferem para que esse sucesso seja alcançado e indica fatores que podem colaborar para que bons resultados sejam alcançados na colheita mecânica de cana. necessidade que se tornava cada vez mais persistente. que tinha uma média de três a quatro cortes apenas. O corte manual de cana queimada. de um a dois cortes. esta realidade infelizmente não ocorre para todos. mais de trinta anos já se passaram desde o início da mecanização da colheita da cana-de-açúcar no Brasil. O PEDÁGIO DO PASSADO Entre 1970 e 1990. entretanto. passou por transformações graças a novas variedades que possibilitaram a formação de canaviais mais longevos. a expansão da colheita mecanizada da cana queimada. que a mecanização da colheita da cana era um “mal necessário”. Conceituou-se então. Benedini Mesmo que a maior parte dos canaviais tenha sido mecanizada somente na última década. 20 . fez com que houvesse uma nova redução da longevidade dos canaviais. muita coisa mudou. sempre em busca de um canavial mais longevo. Muitos casos de sucesso existem para mostrar que há viabilidade técnico-eco- nômica no sistema. em meados da década de 80.tecnologia agrícola Autor fala sobre os fatores que interferem no êxito da colheita mecanizada e sugere ações que podem ser realizadas para aumentar a longevidade dos canaviais * Mauro S. naquela época.

Hoje em dia é comum empresas al. compactação do solo devido ao tráfego intenso. cana velha sempre foi sinônimo de falta de dinheiro. entenda-se aprendizado).40 m anos mais adiante. O controle de tráfego é obtido com adequação das bitolas de mas dos canaviais mostram a importância desta prática. principalmente. dos cuidados toma- dos na colheita. na prática. É necessário. evitar o pisoteio da linha cesso. falhas de brotação. altos custos. muitas ainda continuam a pagar um “alto pedágio” pela introdução da colheita mecanizada (leia-se pedágio. principalmente. portanto. técnicas necessá. LONGEVIDADE DOS CANAVIAIS Muitos avaliam a saúde financeira de uma empresa pela quantida- de de cortes de um canavial. utilizar as tecnologias existentes para quebrar o paradigma situação infelizmente não muito comum é. com um replantio a cada dez anos. pisoteio e arranquio. sem dúvida. a visualiza- da necessidade de reformar os canaviais a cada cinco ou seis cortes. resumirei. Os anos se passaram e. Essa práti- 21 . no número de cortes do canavial. menor queda de tamente tecnificadas com número médio de cortes próximo a dez. maiores cuidados com • Canteirização: A canteirização é. São práticas “importância” como tecnologias de alto impacto. consequentemente. Um canavial envelhecido pode ser sinônimo de alta tecnologia (Tabela 1). resultam em significativo aumento um espaço maior do solo descompactado ao lado das soqueiras. ou produtividade entre os cortes e. a chave para o su- a compactação do solo e. tratores e transbordos. o número de cortes do canavial depende. Entenda-se e não somente corretivo como sempre foi realizado. em ordem de importância. ao evitar o pisoteio da linha da cana. Os custos elevados das refor. de empresa descapitalizada. O aspecto ondulado do solo após a colheita.Pisoteio da colhedora sobre a tar na colheita mecanizada da cana crua. mas que ainda são recomendadas: evitar colheita em solos úmidos. consegue-se ter da soqueira com a canteirização. menor longevidade das soqueiras. o uso de pneus de pouco disseminadas no setor: alta flutuação e de esteiras para causar menor impacto. Afinal. a falta de conhecimento trouxe como con- sequências a redução na produtividade (toneladas e açúcar). A seguir. propiciando melhor desenvolvimento do canavial. perdas de cana na colheita etc. preventivo rias para se conseguir uma maior longevidade do canavial. maior longevi- seja. ção do serviço realizado corretamente. E devido à acentuada mudança tecnológica en- volvida no novo processo. apesar de muitas unidades conseguirem melhorar o processo. Porém. algumas usinas inovadoras começaram a apos- Figura 1 . atividade que se intensificou principalmente depois da assinatura do Protocolo Ambiental alguns soqueira no espaçamento de 1. Afinal. Na década de 90. portanto. O controle da compactação do solo deve ser. Sistematização da base física da lavoura. dade.

Recomenda-se. Os culturas se beneficia do aumento populacional por área (milho. Portanto. fazem com que a colhedora pise na linha de cana vizinha à que está A colheita de cana sem queimar (cana crua) e o preparo reduzido do 22 . trole do tráfego. talhões deverão ter comprimento de sulco em torno de 500 a 700 m. resulta em ganhos de produtividade.Área convencional (esquerda) e sistematizada (direita) Fonte: CTC ca resulta em aumento da longevidade do canavial estabilizando-o sendo colhida e tombe a cana (Figura 1) e também faz com que o em níveis elevados de produtividade. se utilizarmos as técnicas corretas de con. devido às elevadas perdas existentes. Os sistemas de controle de erosão podem ser modificados.40 m e pisoteio na soqueira para evitar estragos no elevador Figura 4 . água e nutrientes. sendo te este aumento de produtividade. Posto isso.50 m. algodão. aliadas aos inúmeros benefícios da cana crua e às • Sistematização: Adequação do terreno para um maior rendi- tecnologias de manejo já existentes. tura vegetal. no preparo de solo para o plantio. por exemplo. 1% a 2% em produtividade para cada 10 planejamento. por ocasião da reforma. principalmente se não houver restrição de A largura deverá ser de 150 a 400 m. porém. mecanização intensa no sistema de colheita rua a rua comprome. dependendo da declividade. a maioria das carreadores de acordo com o relevo e o solo da área de reforma.40 m. possível até a eliminação de terraços em áreas menos declivosas. De maneira geral. Revisão de literatura mostra Para um melhor aproveitamento da área há necessidade de um ganhos de. soja. Porém. de 1. em média. a frase: “aumento da longevidade do São apenas 10 cm que fazem grande diferença. que a fazemos ser. pois representam 30 canavial com estabilidade em níveis elevados de produtividade” cm a mais de espaço para a operação de colheita. Isso nos permite questionar transbordo trafegue sobre a linha de cana já colhida para evitar de se a cana-de-açúcar é uma cultura semi perene ou se somos nós bater no elevador da colhedora (Figuras 2 e 3). café etc). considerando o formato dos talhões e o traçado dos cm de redução no espaçamento. Espaçamentos menores como. des- o espaçamento ideal entre linhas para a colheita mecanizada é de de que o solo seja mantido protegido através de algum tipo de cober- 1. vejo deve ser exaustivamente refletida e analisada. a pois cada terraço deve ter um carreador. Devido a este tráfego intenso. pois ela resulta na a colheita de linhas duplas de cana como sistema ainda inviável quebra do paradigma. no caso específico da cana-de-açúcar. mento da máquina com menores impactos da mecanização resultam • Espaçamento entre linhas de plantio: A redução da distância em significativas reduções de custos. Figuras 2 e 3 – Injúrias no elevador da colhedora causadas pelo transbordo devido ao espaçamento de 1. alguns entre sulcos no plantio da cana-de-açúcar na maioria das vezes cuidados na introdução do conceito no campo (Figura 4).

23 .

a sulcação deve seguir do canavial como um dos parâmetros para avaliar a saúde financeira o nível do terreno. podendo ou não ter necessidade de algum terraço de uma empresa. manobras da colhedora e transbordos em local definido. sem construção de terraços dos cortes seguintes (Tabela 2). Em futuro próximo deixaremos de utilizar o número de cortes Em terrenos com declividade entre 3% e 5%. mostrando -se que a sulcação seja com 10 sulcos a partir da sua base (boca). de maneira geral.40 m e o trator está descentralizado.50 m. o plantio foi feito em níveis elevados de produtividade. no mínimo. Benedini é engenheiro agrônomo e assessor técnico indiscriminadamente sobre as linhas de soqueira. bem como observa-se a resulta em “aumento da longevidade do canavial com estabilidade simplicidade da correção dos erros. Na Fazenda B. brotação do canavial da fazenda B. Exemplos em duas propriedades de fornecedores de cana colhidas Repetimos a frase que deve ser exaustivamente refletida e ana- no mesmo dia. especialmente em solos argilosos. mas nota-se visualmente maior uniformidade e melhor e tradicional prática de sulcos mortos acaba com todo o sistema pro. com as mento de sulcação seja facilitado. para quase a metade. Figuras 5 e 6 – Brotação das soqueiras um mês após o corte nas áreas A (esquerda) e B (direita) solo. Além disso. mantendo altos EXEMPLO PRÁTICO níveis de produtividade. Em locais de declive acima de 5%. a área de reforma da empresa. A eliminação dos terraços. e sem considerar o nível da área. pois ela representa a quebra do paradigma: A canteirização problema de se realizar a safra sem cuidados. E o resultado após a primeira colheita foi a melhor brotação m de largura. Este carreador deve ter. a operação foi realizada com mais disciplina. Quando não é possível recomenda. A canteirização do canavial juntamente com outras práticas a sulcação em nível com construção de terraços embutidos. Recomenda-se. são práticas que possibilitam esse redimensionamento das es. A maior longevidade do canavial posto. 5 na B. 13 cm mais aberta inverso também pode ser feito. espaçamento recomendado de 1. evitando-se as ruas mortas. portanto. sobre o solo uma cobertura morta. próximas uma da outra. de B a área estava melhor sistematizada e com terraços embutidos. demonstram a gravidade do lisada. portanto. fazer a sulcação e as maiores produtividades foram constatadas nos dados históricos reta em áreas com declividades até 3%. na proprieda- na decisão de eliminação de terraços.50 m x 1. deve-se fazer nologia.” no espaçamento de 1. nos leva a esses resultados magníficos de poder diminuir. pois maior idade do canavial irá significar alta tec- do tipo embutido. As variedades não foram entre as linhas de plantio e o acabamento sem ruas mortas. mais segurança Além dos diferentes espaçamentos nas duas áreas. O paçamento (1. seguida parte-se de sua “crista” (parte de cima) e vai descendo com As diferenças entre as áreas colhidas (fazendas A e B) são o es- sulcos até o carreador deixado pelos 10 sulcos do terraço de baixo. culturais. é o ideal para que o planeja. pisando *Mauro S. o trator está centralizado na truturas de conservação e melhor planejamento da sulcação. A utilização de piloto automático garante o paralelismo da soqueira na fazenda B (Figuras 5 e 6). A antiga as mesmas. no especialista em cana-de-açúcar 24 . permitindo assim.40 m) e a bitola do trator. Na Fazenda A. Em organização na operação. deixando entrelinha e não passa sobre as linhas das socas.

25 .

alta produção de tornar uma grande fonte de energia biogás e menor custo de investimento. como também para no mercado há alguns anos. graças às novas tec. Jaap Vo- nutrientes. as unidades sucroalcooleiras. nologias que o mercado vem desen. Mas no- Seu uso como fertilizante se dá vidades no mercado continuam surgin- por ser rica em nitrogênio. aliado a um baixo custo operacional. No entanto. a vinhaça. que po. a vinhaça possui outros gelaar e Sérgio Cruz. o que cor- 26 . Isto porque. além destes custos. dução de energia renovável de vinhaça quando comparado às tecnologias con- que as destilarias e usinas poderiam vencionais. empresa especializada na produção de álcoois.tecnologia industrial Um dos principais resíduos da caldeiras (substituindo o bagaço). de caminhões e tratores (biometano). o grande a sua transformação em biogás e bio. Afinal. mo- produção sucroalcooleira. melhorar a sua economia e obter uma A quantidade de biogás que pode ser produção mais sustentável. fósforo do e prometem resolver a questão dos e potássio. aplicado nos canaviais dos e com tecnologias já disponíveis via fertirrigação. biodigestores. renovável. Isto sig. glicerol. substituindo o diesel. é através da pro. compostos orgânicos como ácidos. segundo Mark Silvius. da Paques Brasil. mento biológico de efluentes já garan- nifica que a vinhaça também pode se tem ótimas eficiências. o produzida a partir de 1 m³ de vinhaça biogás produzido pode ser usado em varia entre 7 Nm3 e 15 Nm3. processos e equipamentos para o trata- gás) por bactérias anaeróbias. desafio tem sido conseguir viabilizar metano. para a produção de energia e economicamente estas soluções para combustível. tores estacionários para gerar energia deixou de ser a vilã do meio ambiente elétrica ou como combustível na frota há algum tempo. Inclusive. os modernos dem ser convertidos em metano (bio. volvendo não só para a concentração Embora sejam processos domina- deste resíduo. entre outros.

em São João da Boavista. o que significa lítica utilizada para quantificar os compos. o caldo de cana ou caldo com sucesso por dez anos até o projeto ser o desenvolvimento de uma nova geração de cana misturado com melaço são normal. SP. devido a mudanças na legisla. Este reator UASB foi operado da USP (Universidade de São Paulo). no biodigestor pode ser utilizado em pro. e Segundo os especialistas da Paques. No Brasil. cessos de compostagem ou ser concentrado maiores taxas de aplicação. Sul. As pesquisas começaram mente os mais usados”. REATORES orgânicos. tração de DQO de 30 g/l. vinhaça em biogás. A na e produziu biogás purificado. uma medida ana. “Esse tipo de equipamento esta sendo em amônio e fosfatos. Marcelo Zaiat. Todos estes métodos carac. perden. predominantemente da matéria-prima uti. estáveis e que tenham alta efici- processo. ser tratada pode variar de ~ 3 m3 (UASB) anaeróbio ocorre na ausência de oxigênio 27 . ao passo que com. na Usina é a quantidade de oxigênio necessária para São João. O processo ções. ção em reatores anaeróbios (sem a presença que significa que um volume muito grande o objetivo é desenvolver uma geração de de oxigênio). utilizado Um projeto em desenvolvimento na Es- concentração de DQO na vinhaça depende como combustível da frota de caminhões cola de Engenharia de São Carlos (EESC). Com menor teor de matéria orgânica. “A produção como água de reuso. “Nos últimos 17~37 kW de energia elétrica. do efluente e produzindo biogás. ção que incentivava o uso do biogás como no início de 2011 e envolvem nove pes- listas da Paques. de biodigestores. de São Caetano do A biodigestão anaeróbica é um processo lagoas cobertas. menor volume de reator para tratar a mesma tos orgânicos da vinhaça. em 1986. encerrado. torna o projeto economicamente inviável. necessário para cada 1 m3/dia de vinhaça a sadas por bactérias e arqueias. Universidade BIODIGESTÃO EM para o tratamento anaeróbio da vinhaça são Estadual Paulista (Unesp) e Instituto Mauá REATORES reatores UASB. Universidade Fede- Normalmente. Durante o metro cúbico de vinhaça a ser tratada. terizam-se pela baixa taxa de aplicação.responde a 37~78 kW de energia térmica ou esta vinhaça pode ser utilizada na indústria até ~ 15 m3 para uma lagoa. afirmam os especia. on. as tecnologias aplicadas ral de São Carlos (UFSCar). que Paques foi instalado. quisadores da EESC. Segundo o coordenador da pesquisa e pelo qual a vinhaça passa por decomposi. o que robustos. ência de conversão de matéria orgânica da do grande parte de seu poder corrosivo. medida é expressa em mg/l de oxigênio. o volume de reator projetado para que ocorram reações catali- postos como o potássio não sofrem altera. afirmam. digestores convencionais e de Tecnologia (IMT). reatores anaeróbios que se caracterizam por da Química de Oxigênio). e o lodo remanescente anos foram desenvolvidos novos tipos de depende da concentração de DQO (Deman. busca lizada. da unidade. a vinhaça é neutralizada. NOVA GERAÇÃO DE oxidar quimicamente todos os compostos de tratou 33% da vinhaça gerada pela usi. reduzindo a carga orgânica de reator (ou lagoa) é necessário para cada biodigestores anaeróbios mais compactos. O resultado desta O primeiro reator anaeróbio UASB da quantidade de DQO”. combustível pelas usinas. a água e o dióxido de carbono. o nitrogênio e o fósforo são transformados considerando-se uma vinhaça com concen. o professor da EESC da USP. para utilização nos canaviais.

O gás também pode ser usado para volume do reator será duas vezes menor vista Fapesp. com atingida. recirculado que é bombeado a partir do se- do biorreator. inferior. criando condições ideais para a de fornecer uma superfície de um material diz Zaiat. Zaiat explica que produtivo da cana mais sustentável. Mas o sistema ainda está em fase de testes. O efluente O grupo trabalha com várias configura. passan- me. em bio.5 m3 de volume do reator é a matéria orgânica da vinhaça. tem se demonstrado apropriada para o tratamento da vinhaça. A vi. detalha Zaiat. menos de 1. – para a produção de etanol de segunda ge. ração. O mais recente de- senvolvido. Vogelaar e Cruz. pe está desenvolvendo. “Há várias técnicas é o que chamo de integração: os resíduos flutuações de pH e também dilui a DQO para isso. tornando o processo comparado a uma lagoa coberta. foi instalado em uma destilaria brasileira onde os componentes orgânicos são conver- nhaça como meio de cultura”. o Biopaq ICX. tor através do sistema de distribuição.  Isto significa que o gás”. mas preservando pra. formando o que chamamos de biofil. “A Paques possui mais de 1000 reatores anaeróbios e mais de 180 sistemas de pu- rificação de biogás instalados em mais de 60 países. líquida. em essência. se comparado a um UASB. pode ainda ser ra a linha de alimentação do reator. o que significa cio de micro-organismos que vivem nesses do para cogeração de energia nas caldeiras que para cada 1 m3/dia da vinhaça a ser tra- ambientes. para produção de biogás a partir da biodi.” retirada do processo de concentração po. com baixo teor misturado com a biomassa e com o efluente processo anaeróbio ajudou na concepção de matéria orgânica. fornecemos 87 reatores anaeróbios para o setor. de demonstração. mo tempo. mas a mais usada na nossa área é são usados no próprio processo produtivo”. inerte. segundo os espe- cialistas da empresa. Nesse caso. O efluente a ser tratado é bombeado pa- o avanço no conhecimento científico dos nhaça biodigerida. com maior tura de cana-de-açúcar. favorece a mistura. por m3 de volume de reator. mas já ultrapassa 20 kg de DQO matéria orgânica promovida por um consór. substituir parte do diesel nos motores dos comparado a um UASB e 10 vezes menor No caso do equipamento que sua equi. recém-de. os reatores que são resíduo. pode ser usa. “Isso recirculado produz alcalinidade. Aproveitamos a capacidade natural que senvolvido pela empresa Paques do Brasil do através do leito expandido de biomassa. assumindo-se uma concentração uma cultura de micro-organismos. O reator ICX com 80 m3 de volume que está O novo reator de demonstração da Paques instalado em uma destilaria brasileira sendo testado em uma destilaria. onde é últimos 30 anos sobre os fundamentos do utilizada como fertilizante. menor concentração de CO2. utilizada como base para a formulação de e o efluente bruto é bombeado para o rea- çados tecnologicamente. tornando possível um fertilizante organomineral para a cul. o Biopaq ICX. a água do efluente no fundo do reator e. gestão da vinhaça. se comparado a uma lagoa coberta dade máxima de conversão ainda não foi por meio da fermentação autorregulada da O biogás produzido no biorreator. de acordo com Silvius. e dez vezes menor. tidos em biogás pelas bactérias do lodo gra- 28 . ao qual as bactérias e arqueias ade. de DQO de 30 g/l. elas têm de aderir a superfícies e ter a vi. diz o pesquisador em entrevista a re. de retornar à usina para vários usos. Em setembro de 2015. A capaci- menor. A primeira planta anaeróbica na indústria sucroalcooleira foi instalada em 1986 e. em sistemas mais necessidades da planta. A mistura de efluente recirculado desenvolvidos hoje estão muito mais avan. ele flui para cima do reator. já tem demons- trado bons resultados em cinco projetos pilotos realizados em setores diferentes. os resultados obtidos são pro- missores. tada.” A nova tecnologia. liberando o bagaço – hoje utiliza. Ou ainda pode ser concentrada e culação. evitando ções de biodigestores. usa caldo demonstra que o volume necessário para a produção de biogás pode ser duas vezes de cana misturado com melaço. do influente. O que queremos é transformar da usina. “Embora o processo seja o ticamente todos os nutrientes originais do parador de biomassa pela bomba de recir- mesmo. Este maior eficiência de conversão. caminhões e tratores. de acordo com as sistema garante uma distribuição uniforme estabilidade de processo. por meio de do para ser queimado e gerar eletricidade necessário. ao mes- compactos e seguros. desde então. a biomassa. E após dois meses de operação. um novo reator Após o efluente ser distribuído na parte rem.

29 .

De. a parceria no Brasil. Consórcio em 2014 foram gerados pleta da biomassa dentro do reator. apropriado para áreas ur. 30 . simul. Deste total. As bolhas de biogás sobem para o POTENCIAL e a GasBrasiliano está viabilizando um headspace do reator. torna a destilaria um Mecanismo de Desen. energéticos disponíveis na indústria. ácido butírico. agrega milhões de m³ de biometano ao ano. mínimo de biometano através das redes de tem como principais características o de. fer. O do biometano a partir da vinhaça. volu- tora tecnologia YB. CSO e Malosso Bioenergia. é um subproduto. a vinhaça processada seja utilizada para ob- nobres deste produto. 20 anos e. via fertirrigação. mostram-se pouco atrativas de 12 Nm³/m³ de vinhaça. que consiste na extração de ácidos seja integral em. taxa de aplicação elevada devido à alta problema é que sua além de disponibilizar a área de implanta- concentração de biomassa e alto nível de aplicação. da CRXavier Consulting Bioenergia. ma e será administrada por uma Sociedade da vinhaça. do ao fato de ser completamente fechado. vinhaça. Sagitta Consultoria nológica na agroindústria. A nitrato e nitrito presentes na vinhaça serão baixa necessidade de manutenção e nenhum transformação da vinhaça transformados em amônia. soda cáustica. desenvolvimento e inovação tec. das empresas GasBrasiliano.” continuidade na produção do biogás. sem perdas. o maior de tamanhos de tanque. co. No processo de reação. capróico e caprílico . ácido sabilidade do grupo. o do separador de biomassa. em biogás por meio de neutralizado e sua temperatura será redu- biodigestores poderia. que conta com o uso dos tilizante orgânico.” do biogás de acordo com as especificações graxos voláteis (acético. SP. o processo YB no qual o biometano em Projetos de Energia Renovável e Orion Fenasucro de 2015. o processo YB – Ci. sendo o biometano tratamento de água para uso industrial. porém. Consulting Bioenergia. três safras. “Temos pendendo da concentração da vinhaça e da polis e Catanduva. o que significa elétrica e combustível. banas. a Citrotec. Por este Itápolis. neste processo o fator valor considerável a um resíduo que tem me que será comprado pela GasBrasiliano econômico mais importante é o conjunto de alto valor negativo e dispensa captação e e injetado em sua rede de distribuição para ácidos graxos voláteis. “A SPE terá duração de cesso de fermentação anaeróbica mesofílica caprílico. devol- como. criados a partir do YB são o ácido acéti. OUTRA TECNOLOGIA segundo especialistas.  O biogás produzido é DESPERDIÇADO projeto para a produção e a comercialização coletado e sai através da saída de biogás. o excedente e não há risco de atendimento ções para produção de biometano a partir da to). um grupo de investidores nando Piazza Júnior. Toda produção e purificação trotec. o que torna apenas para aplicação projeto envolve a construção de uma planta possível instalação em tanques já existen. que se encaixa em uma gama do resíduo foi usado Com investimento de R$ 16 milhões. encerrado o prazo. zida para abaixo de 40°. butí. de tor-presidente da GasBrasiliano Walter Fer- de obter um payback satisfatório. que terá o pH risco de entupimento. também será responsável pelo forneci- biomassa no reator. o YB te de outra empresa”. tes. pois caso ocorra qualquer des- vinhaça. O de biodigestão na Malosso Bioenergia que. Natural e Biocombustíveis) serão de respon- taneamente ao biometano. afirma Carlos Alberto da Citrotec. quando feita em ção. faz com que o payback Biotecnologia. PROJETO MALOSSO presente em nossa rede”. não emite odor devi. nós devido ao alto custo X benefício limitado. iremos complementar com o gás natural já As instalações atualmente em produção ex. os subprodutos da ANP (Agência Nacional do Petróleo. con. Gás rico. através do pro. sua origem (se de caldo puro ou caldo mis. A planta funcionará de maneira autôno- Também pensando no aproveitamento mudar esse cenário.nulado. aproximadamente 97% distribuição de gás natural. cerca de A nova tecnologia da empresa. propiônico. portanto. Xavier. atender consumidores das cidades de Itá- um subproduto de valor limitado. que é formado pela CRXavier pesquisa. De acordo com Alberto Basílio. ambientais e desperdiça A configuração da planta permitirá que potenciais usos mais sendo. outros AGVs. esclarece o dire- clusiva de biometano mostram-se incapazes Uma parceria entre a usina Malosso. “Além disso. estágios. utiliza recursos O projeto terá capacidade de produzir 5 sultor na empresa Yokoya-Basilio. de biomassa. e bicos para limpeza a geração de energia vida para a usina.AGVs). excesso. em seguida. deten. em parceria com a de Propósito Específico (SPE) com o Con- Yokoya-Basilio. a produção de biometano gira em torno a demanda. De acordo com Basílio. incorporada à usina ou passar a fazer par- evaporadores de concentração de vinhaça biogás e água Limpa. “Vamos comprar todo conhecimento que existem algumas instala. volvimento Limpo (MDL). Isso garante a retenção com. alta retenção de biomassa em dois tenção de biometano e. que já 280 bilhões de l de prevê a comercialização de um percentual oferecia outros modelos de biorreatores. apresentou na motivo. ácido propiônico. causa impactos mento da matéria-prima (vinhaça). no máximo. sign modular. por exemplo. ela poderá ser e/ou termofílica. efluente final sai do reator depois de passar Formalizada por meio de um Protocolo por um separador de gás e por um separador de Intenções assinado por representantes Para se ter uma ideia. uma empresa dedicada à sórcio CSO. condicionador de solo.

31 .

to de etanol. deveria citar uma estocagem de pelo micos e jurídicos a serem atendidos por usinas e menos cinco meses. em agosto de 2015. a fim de garantir o abastecimento do mercado não deveria haver um aumento de capacidade de durante a entressafra.tecnologia industrial Sem previsão para grandes investimentos em expansão de estocagem. Outro ponto que 32 . os altos juros dificultam estocagem de etanol nas usinas? o acesso de alguns produtores. do interno como externo para os próximos anos. E mesmo No entanto. pansão de parques de armazenamento. assessor da diretoria da estoques de etanol pelas usinas. a resolução da GBA. usinas poderão fazer reformas e se preocupar mais com a segurança das operações de seus parques de tancagem de etanol Com o objetivo de permitir a formação de Claudio Belodi. dentre outros motivos. Poucas são as usinas e destilarias que tem dutoras de etanol têm um prazo de cinco anos. Isso se dá. até 2017. “Isso permitiria uma atua- destilarias na operação das instalações industriais ção comercial mais confortável para as usinas relacionadas a esta atividade. regulamentou a produção de zenagem de produtos. para comprovar que possuem capacidade de ar. 120 usinas a investir tanto no estoque quanto na ex- dias de autonomia de sua produção. de 2012. pela ausência de financiamentos que ajudem as mazenamento total equivalente a. Plantas pro. para segurança das em- etanol propondo os requisitos técnicos. 2 bilhões as projeções de crescimento tanto para o merca. acredita que uma boa política de arma- ANP nº26. diante do aumento de produção que o BNDES (Banco Nacional do Desenvolvi- e consumo de etanol hidratado. aumento da mis. para financiamento em estocagem de etanol. no mínimo.” envolve a capacidade de tancagem. e zado para o setor. presas. econô. a expandido sua capacidade de armazenamen- partir da publicação da mesma. Uma das questões e destilarias. ocorrido em 2015. mento Econômico e Social) tenha disponibili- tura do anidro na gasolina. ou seja.

“Mesmo com o etanol hidratado e o anidro tendo atingindo suas melhores co- tações no final da safra 2015/16.1 milhões de l/dia. as resoluções da ANP Nº 7/14 /26/30/104. que em suas fases em fase final. quanto do próprio e substituições. tanto na questão de projetos.” operações. sendo exigidas pelas compradoras e aplicadas pelas projetistas. como cortes hidro abrasivos e macaqueamentos mais as normas atuais. onde as situações de distribuição física não atendem temas envolvidos. E das internacionais. ou seja. dependerá tanto das questões climáticas e que impactam a como as NBR´s. em sua maioria. com vida útil já risco devido à faixa de explosividade do etanol. parque em si. sobre Segurança e Saúde no Trabalho com Inflamáveis Em termos tecnológicos. ainda há uma boa margem de atendimento à resolução. isso. Trocando em números. 20. Belodi observa que apesar de não ter e Combustíveis. que incentivou os produtores a estenderem a safra 2015/16 para até março deste ano. Dédalo salienta que é para uma faixa em torno de 30 a 40 milhões de l. as normas complementares indicadas nas mesmas. quanto das políticas futuras do governo para o setor.” Fonte: ANP . atingindo em torno de 30 anos. cobertura de tanques com te. líquida e vapor são altamente inflamáveis”. segundo preciso consultar as edições mais atualizadas das normas nacionais. focando às solicitações de critérios normativos. “Neste sentido.tem dificultado a estocagem tem sido a melhora dos preços do eta- nol. e com a capacidade efetiva total de tancagem no Brasil em aproximadamente 17 bilhões de l (dado da ANP). ou seja. recolocações antigos. Os números da safra 2014/15. ou até Diversas são as normas que devem ser aplicadas em todas as mesmo substituição por novos tanques com capacidades triplicadas. As cativa no emprego de ligas mais apropriadas e maior qualificação dos licenças estão mais rigorosas nestas novas instalações e as usinas soldadores. influência da volta da Cide (Contri- buição de Intervenção no Domínio Econômico). destaca.6 bilhões de l. fabricados em alumínio. Já no que diz respeito às reformas. engenheiro industrial mecânico da Viva Engenha- ria e Consultoria. montagens. su- perior a safra 2013/14 em 2. apesar disso e da fiscalização de órgãos Dédalo não observa grandes modificações e novas tecnologias como Bombeiros. pois. como as API Standards e todas havido nenhuma evolução na estrutura externa dos tanques (cascos). e das previsões de exportação. fases de estruturação de parques e tanques. uma evolução signifi. Mas isto. isso porque as normas estão especialmente na questão das partes soldadas. não há previsão de aumento de capacidade de tancagem ou parques previstos para a safra 2016/17.Boletim de fevereiro de 2016 EVOLUÇÃO EM SEGURANÇA Mesmo sem expansões no parque de tancagem em curto prazo. resultantes da desvalorização do anidro. solicitada pela resolução em 120 dias de autonomia de produção. mais as variações de produção de estado para estado e da falta de políticas de incentivo do governo. as instalações de novos tanques têm correspondido tos geodésicos. também contribuíram para a falta de inves- timentos no aumento da capacidade do parque de tanques. de 5 a 10 explosivos. que eliminam problemas de espaços confinados e gases é preciso lembrar que devido à idade de muitos tanques. Cetesb (Companhia Ambiental do Estado de São em projetos.5 bilhões de l. associado a um controle de qualidade mais eficaz e também tem se preocupado mais em fazer uma boa gestão das suas que atende melhor as normas brasileiras e internacionais. acrescido aos fatores climáticos que atingiram o setor. novas tecnologias têm tornado mais simples os sis. “Vale lembrar que estas aplicações são operações de alto milhões de l. a capacidade de armazenamento efetiva total. que não deve ficar muito acima dos 27. Dédalo. Paulo Dédalo. é provável que durante as próximas cinco ou seis safras. ações poderão ser tomadas no sentido de reformas. e a NR- produção de cana. há expansão no uso de domos. reparos. hidráulicos. “Tivemos também. novos parques e tanques com 33 . a não ser com relação as normas. Segundo Dédalo. Atualmente. alguns problemas ainda se encontram nos parques a cada três meses. já tinham uma estrutura que atende a capacidade de armazenamento total exigida pela resolução. que tem atualizações Paulo) e ANP. fica garantida com sobra em 56%. cuja produção efetiva de etanol finalizou em 28. considerando a safra 2014/15. adiciona ainda que os investimentos também não ocorreram porque as usinas quase não tiveram de fazer adaptações para atender resolução da ANP. E mesmo que a produção da sa- fra 2015/16 seja superior a anterior em mais 3%. de 2012.

uma compra mais segura”. Atualmente. Outro aspecto são “Na aquisição de novos reservatórios. há necessidade é de uma inspeção detalhada dentro das usinas. engenheiro ou consultor técnico independente e fornecedora da mas. evitando a geração de uma reação contínua ou em cadeia. explica Dédalo. isto porque mantém o tanque reservatórios. No entanto. a manu- tenção proativa tem sido muito aplicada e tem aumentado o tempo maior capacidade têm sido instalados atendendo as atuais solicita. têm procurado entender alguns fatores • As interligações dos parques de tancagem (afluxo e efluxo de geradores de riscos para poder especificar valores diferenciados produtos) não têm observado os efeitos que um acidente pode nos seguros dos parques de tanques de etanol. causam menores emanações de entre os diversos elementos das instalações e componentes dos vapores explosivos para a atmosfera. tecnologia. Em função disso.” Para garantir a continuidade do negócio. materiais e ambientais. os valores dos seguros podem reduzir ou aumen- impedir a segregação segura dos reservatórios danificados. isso não quer dizer que haja um método lógico de segurança que possa evitar acidentes”. gestão e operação. tanto na superfície líquida. TANQUES ANTIGOS passem por testes de estanqueidade e tenham prontuário técnico PRECISAM DE INSPEÇÃO (data book) e manual de instrução de manutenção”. quanto nas as emanações atmosféricas diminuem sistematicamente. segundo Belodi. internacionais e de boas práticas de manufatura. destaca Belodi. que estão atingindo em em conjunto (preditiva/preventiva). reparos. “Válvulas instaladas com dimensionamentos corretos direta- • No quesito aterramento. detalha. e com empresas que tenham real conhecimento (lembrando que fora cimento. evitando o válvulas de pressão e vácuo (VPV). Segundo o consultor da Viva Engenharia e Consultoria. “Isto porque as interferências mecânicas respeito ao espaçamento entre reservatórios. Todas as novas tecnolo- normativos da ANP. tenham um projeto construtivo elaborado de acordo com as tecnologia. tenham calibração do ferramental de produção e montagem. Segundo ele. Hoje as empresas seguradoras. as manutenções facilitam o torno de 30 anos. as empresas que inspecionam tanques são certificadas. a fim de atender aos os sistemas atuais. uma equipe bem treinada. por segundo Dédalo. é provável que durante as próximas cinco reconhecimento dos pequenos sintomas de falhas de modo mais ou seis safras. o elemento humano tem participação direta em 67% das perdas por falhas de equipamentos e acidentes com fogo. eletricidade estática. “Os erros são associados a fatores como conhe. acidentes nos últimos anos. tendem a diminuir os acidentes.” ções normativas. sitivos de abafamento. para que a decisão final de dimensionamentos garanta normas nacionais. e influências climáticas e/ou direcionar possíveis indicadores e procedimentos de reformas. como descargas elétricas (raios). do país. Segundo estudos da FMEO (Fire Effects Monitor). segurança existente no parque. procedimentos opera- cionais bem implementados e inspeções periódicas bem executadas e minuciosas. é recomendado que os materiais empregados gias devem ser discutidas entre compradora. dos no teto são inadequados. faíscas tradas e habilitadas pela API-653) para poder realizar as inspeções mecânicas ou originadas por ultrassom. Estudos recentes têm provado que a manutenção preditiva tem sido mais efetiva e de menor custo do que as preventivas. ocasionando perdas que poderiam ser evitadas. por exemplo. para Uma série de erros consecutivos propiciam acidentes graves tanques mais antigos. passem por procedimentos de inspeção e testes na fabricação e montagem. as usinas ocorrem nas instalações de tanques: devem se atentar ao treinamento e conscientização da equipe que • Os projetos padecem de uma elaboração mais acurada no que atua na área de tanques. em função das ocorrências de cêndio e outras emergências. ocasionadas por resfriamento repentino (sol forte. ou mesmo substituição por novos tanques com capacidades em torno de 30 a 40 milhões de l reduzindo riscos de acidentes graves e fatais.” rápida e segura circulação no caso de combate a sinistros de in. cal. sendo auto-operadas para os dois casos. ações sejam tomadas no sentido de reformas. evitando ainda preju- Belodi destaca alguns problemas comuns que ocorreram e ainda ízos humanos. tar significativamente de acordo com a qualidade ambiental e da • Os sistemas de acesso de manutenção e de instrumentos instala. de vida útil de máquinas e equipamentos. com resfriamen- to brusco ocasionado por chuvas de verão). o que não permite são desprezíveis num parque de tancagem. pressurizado muito próximo de sua PMTA e VMTA – Pressões Má- • E muitos parques de tancagem ainda não possuem um sistema ximas de Trabalho Admissível e Vácuo Máximo de Trabalho Admis- de combate a incêndio (SCI) adequado. que são mais seguros. “Quando implementadas Devido à idade de muitos tanques. gestor do processo lo- sejam certificados e rastreados desde o fabricante das matérias-pri. é desprezada a continuidade elétrica mente nos tanques. 34 . Nestas condições. sível -. Poucos possuem dispo. provocar. ou por fenômenos natu. acúmulo contínuo de vapores acima do tanque. cadas- rais. efetivo.

Estas áreas devem receber atenção especial e. totalizando uma capacidade de ocorrências durante o período de vida útil do tanque específico. foi publicada a ções dos acessórios utilizados nos tanques de armazenamentos. parâmetros de melhorias ou possíveis danos ocorridos durante o Foram publicadas quatro autorizações para operação de plantas período em que a última inspeção determinou. haviam 32 solicitações de “Desapontando alguns que contratam empresas que tem padrão autorização para operação. adverte Dédalo. determinar o tipo de ampliação de capacidade e oito solicitações para plantas novas. Lembrando que defeitos detectados merecem especial atenção às AUMENTO DE calibrações de acessórios e principalmente nas manobras de ope. Além disso. mais pessoas se envolveram e se capacitaram to Alegre S/A Açúcar e Álcool para 700 m3/dia de etanol hidratado para atender este setor. autorização para ampliação da capacidade de produção da usina Al- “De maneira geral. tem sua imagem nacional e se detectados problemas. o caso.438 m3/dia “Inspeções servem para garantir as condições operacionais e de produção de etanol anidro.168 m3/dia de produção turas inspeções. Ál- disponíveis no mercado e as normas internacionais que balizam cool e Açúcar para 1. Há ainda 16 Não é a quantidade de ensaios que caracteriza a qualidade de uma solicitações de autorização para construção. Até o boletim de fevereiro da ANP. que é o armazenamento”. 35 . Segundo o boletim da ANP. as normas e profissionais envolvidos. fiquem atentos! canceladas ou ratificadas e 25 referentes à ampliação. produtoras de etanol após ampliação de capacidade.” produção da usina Eldorado S. paga um seguro menor e. as ins. sendo sete referentes à plantas novas. existem 357 plantas produtoras de etanol ratificadas pela ANP para lidade operacional. conclui Dédalo. produtoras de etanol autorizadas é de 212. em janeiro. mas acredito que ainda faltam profissionais e 600 m3/dia de etanol anidro. de 20. afirma Déda. corrigir desvios e certificar operações e levantar de etanol hidratado e 114.775 m3/dia de produção de etanol hidratado e 12. e conhecimento a autorização para operação definitiva. “Especificar novas tecnologias dentro dos padrões normativos ensaio que o auxiliará na conclusão do resultado para uma análise e de segurança. Adicionalmente.701 m3/dia habilitado -. novas tecnologias de reforma também estão ampliação de capacidade de produção da Vale do Paraná S.A. de fevereiro de 2016. 2015 foi publicada a autorização para ampliação de capacidade de ça da operação e servir de alerta para a atualização de normas. agrega na cadeia final. se for internacional mais valorizada. lo. No mesmo mês. que amplia para 420 m3/dia a sua produção com tanques que ainda nem entraram em operação”. um plano diretor de reforma possa ser executado poste. pois tanques ou crítica do laudo final. é algo que merece maior atenção.393 m3/dia de produção de etanol hidratado e 101. finalmente. que caso inexistente deve ser refeito por profissional de 191. 25 plantas de etanol já receberam operacionalidade.A para 1.139 m3/dia de produção de etanol anidro.700 m3/dia de etanol hidra- Além dos cuidados e melhorias que as usinas realizaram ao tado e 750 m3/dia de etanol anidro. e para a Destilaria Melhoramentos de conhecimento específico. um departamento que armazena es- partes de tanques de etanol tendem a se deteriorar rapidamente e toques imediatos e sazonais de etanol que dá atenção mais acurada de maneira crítica.Nova Londrina. Portanto. devem ser monitorados para que. Cabe ao inspetor. E no início deste ano. CAPACIDADE DE PRODUÇÃO ração”. Através delas é possível determinar prazos para fu. A capacidade total das 382 plantas de segurança. se for necessário. que difere de usina para usina.070 m3/dia de etanol hidratado e 500 m3/dia este setor estão em contínua revisão para melhorar as especifica. haja vista os acidentes que ocorrem S. análises de memoriais de cálculo. de etanol anidro. de inspeção e agregam a isso a venda de ensaios. análises críticas de documentação original – operação no País. correspondendo a uma capacidade total autorizada se existente. . compreensão de de etanol anidro. Em outubro de peções ajudam a saber quais acessórios podem aumentar seguran. houve também longo destes 15 anos. oito solicitações para inspeção. atualmente A boa prática da inspeção de tanques é resultado de rastreabi. riormente através de procedimento estruturado de implantação. de etanol hidratado e 120 m3/dia de etanol anidro. que faz um alerta.A.

serviços fossem feitos na frota de CTT. • 0. fizemos uma análise do que seria um dia padrão Estes tempos totalizam 5 horas diárias. de operadores de veículos de transbordo. que também poderiam ser feitas pelos opera- mente. um projeto no qual o objetivo era encontrar uma • 0. deriam ser feitos por operadores “intervalis- tas”. tenho de pagar por 24 horas de operadores dis. colhedora para atingirmos uma média entre 13 • 0. houvesse operadores na colhedora. tão surgiu a ideia de fazermos 2 paradas de 2 ho- Das 10 horas paradas. aqueles que permanecem nas AGENDANDO O ACASO janelas para auxiliar os comboístas. por que bustível para somente uma abastecida por dia.33 hora de lavagem de elevador. pipeiros Para conseguir entender melhor o problema e mecânicos. conforme mostra a Figura 1. buscamos identificar ras entre as jornadas de 10 horas para que estes quais destes tempos parados poderiam aconte. De repente. dor de um workshop sobre ganho de desempe. riam ocorrer em dois períodos diários através la fez uma pergunta bastante capciosa: “Mesmo de atendimento do comboísta. durante as 20 horas diárias de 36 . dores “intervalistas”. de forma cer num horário pré-definido do dia. nho do CTT – o CCT mecanizado – das unida. En- das colhedoras. do “desperdício de 10 horas por dia” de salário • 0. o diretor agríco. ou seja.67 hora de abastecimento/lubrificação pode- e 14 horas por dia. A operadores parados aguardando: discussão era sobre como poderíamos aumentar • 3 horas perdidas para refeições poderiam ser o número de horas trabalhadas por dia de cada atendidas por operadores “almocistas”. já que a colhe- que consigamos chegar a 14 horas de tempo dora não possui autonomia de tanque de com- trabalhado por dia de cada colhedora.50 hora de verificação/troca de faquinhas. que po- alternativa para reduzir este desperdício. Conseguimos elencar os seguintes tempos. em Jaboticabal. que po- poníveis. a opção dos 2 turnos de 10 horas no CCT vem sendo rapidamente adotada por usinas e fornecedores de cana *Ricardo Pinto Era novembro de 2012 estava como media. consequente. de operadores de colhedoras e. quando não a conseguir que.gestão Desde que foi lançada em 2013.50 hora de check list de operadores. convivendo com 10 horas de salários deria ocorrer em horários pré-definidos do desperdiçados ao dia?” dia através de atendimento do motorista do A partir daquele momento foi estabelecido caminhão pipa. que poderiam acontecer independentemente de des da usina Santa Adélia.

os caminhões canavieiros não podem ter estas janelas paradas. o modelo de 2 turnos da RPA Consultoria ficou configu. conseguíssemos obter as mesmas 14 paradas”. Como será no sistema 5 x 1. Baldin. Se a usina tiver 20 cami- de CTT. Fer- cana na indústria. haja 20 motoristas 2 TURNOS DA RPA com os 20 caminhões. para toristas por caminhão. As variações mais CANAVIEIROS É DIFERENTE adotadas são duas: Se a usina processa cana ininterruptamente. de almoço das 2 equipes de operadores da frente de CTT ao longo A saída para os caminhões pode ser de manter os 3 turnos de 8 das 10 horas de jornadas deles. o que fará com que sempre. Neste caso. em qualquer hora. As 10 horas da frente são centar mais 20% de motoristas folguistas. o que totaliza as 10 horas. os operadores intervalistas também tirariam as horas tudo.5 mo- frente. 16. para 20 caminhões serão contratados 10 motoristas rado com 2 janelas de 2 horas entre os 2 turnos de 10 horas de cada por turno de 5 turnos. nhões canavieiros. teremos extras e a usina poderia enxugar em 20% seu quadro de funcionários 5 turnos fixos de 10 horas para motoristas. com redução de 8% a até 11% na sua Folha de Pagamento. pela equipe deste grupo. As frentes de colhedoras e VT podem ter “janelas rari. 37 . calando viagens de caminhões de cana para as frentes ativas. os operadores que perma. Conforme a Figura 3 mostra.7% a menos do que no caso de 3 turnos com mais 1:40 horas extras. o que é mitigado pelo Controle de Tráfego da usina inter- horas de trabalho diário de cada colhedora. Isso dá 2. sendo estas janelas em horários diferentes entre as frentes. respeitando as 2 primeiras horas e horas – mais fácil – ou de adotar os 5 turnos de 10 horas. caso contrário haverá falta de que adotam são a Santa Isabel (duas usinas). que totaliza 50 funcionários. devemos acres- não impactar a entrega de cana na usina. porque foi inventado A legislação trabalhista estava atendida. São José da Estiva. cada turno deverá ter 10 motoristas contratados. Neste caso. Além de 8 horas. o que redundará em 3. são necessários caminhões em necessem na usina teriam um ganho salarial pelo aumento de horas número par e múltiplos de 5. Assim. Itajobi e Aralco (três usinas). os operadores gozam efetivamente de mais 1 hora de refeição.6 motoristas por caminhão. disso. totalizando 9h00 de trabalho diário.0 compostas de 7:20 de horas normais dos operadores (sistema 5 x 1) motoristas por caminhão. OUTROS SISTEMAS DE 2 TURNOS Algumas usinas passaram a adotar variações no sistema de tur- COM MOTORISTAS nos de 10 horas proposto pela RPA Consultoria. como ilustra a Figura 2. Pronto! tumamos chamar de sistema “Santa Adélia”. que usa 3. que cos- as 2 últimas horas no turno de 10 horas sem haver refeição. os caminhões de Frente com janelão (parado) de 4 horas: exemplos de usinas cana devem puxar cana o tempo todo. Con- Além disso. Figura 1 – Dia padrão de uma colhedora que trabalha 14 horas em 3 turnos de 8 horas (em horas) Figura 2 – Exemplo de turnos de 10 horas sem superposição entre as frentes de CCT para não faltar cana na indústria jornada paga dos operadores.

check lists de manu- Há grande questionamento do sistema tenção e até pequenas manutenções pre- de 2 turnos configurar horas extras habitu. ponencial. Dentre elas estão Della Col. a frente estará parada dade das usinas. este assunto expõe um con. define que um serviço suplementar fixos de 10 horas para motoris. rerá junto aos piores funcionários. Água Bonita. a Norma Constitucional e horas da indústria parada por falta de cana as leis Ordinárias. Isso porque nos 3 turnos nestas 2 janelas. Isso porque a Constitui. plantação bem sucedida de 2 turnos em Além disso. a grande maioria dos basicamente não busca rearranjar os tem. fica para um próximo artigo. no seu Artigo 7º. para cada ano ou fração igual ou su- implica em se trabalhar com a frota um pou. como passa a exis- e fornecedores de cana já que o mesmo ônibus que trás uma turma tir menor conflito entre as áreas de Manu- (o valor de 2016 é estimado) leva a outra embora e o atraso de apenas 1 tenção e Produção. quanto mais 2 turnos tem mostrado um crescimento ex. manutenção. mas também para HABITUAIS se realizar inspeções. ventivas. de funcionários. funcionário afeta todos os demais da sua Finalmente. colaboradores. TEM MAIS VANTAGENS? EVOLUÇÃO Realmente tem. como ilustra a Figura 4. a evolu. usinas provam que diminui o número de flito entre a CLT. longo da safra. provo- letta. outras oito usinas poderão como o sistema reduz em 20% o quadro adotar os 2 turnos de 10 horas com 2 jane. Em 2016. este enxugamento ocor- las de 2 horas. total ou parcial- Na minha opinião. A Clealco deverá denização correspondente ao valor de um entrar neste sistema em 2016. Cerradão. Já o segundo sistema Finalmente. Acordos Coletivos de Trabalho das usinas pos parados. parando na entressafra. perior a seis meses de prestação de serviço co maior para que não haja falta de cana na acima da jornada normal. Ester e Quatá. a Súmula é um dos idealizadores do sistema de nº 291 do Tribunal Superior do Trabalho 2 turnos com 2 janelas de 2 horas 38 . defi. pois ele estabelece 2 períodos diários para se fazer não só o abastecimento e a lubri- HORAS EXTRAS ficação da frota de CTT. melhor é adotar os 2 turnos. A DOS 2 TURNOS primeira grande vantagem adicional é que. sem que o pessoal da produção ais. Figura 4 – Evolução da adoção de 8 horas já há horas extras rotineiramente Não só a disponibilidade mecânica dos de 2 turnos no CTT por usinas pagas aos funcionários de CTT das usinas. ras: exemplos de usinas que optaram por prestado com habitualidade por mais de um tas de caminhões canavieiros este sistema são a Colombo (quatro usinas) ano assegura ao empregado o direito à in- e Abengoa (duas usinas). que define que o horário normal com que uma frente coringa cubra os dois possa ser estendido em até 2 horas extras. cando uma seleção positiva do quadro de Se considerarmos desde 2013. o sistema de duas janelas de 2 horas proposto pela RPA é o de menor custo. janelões de 4 horas de duas frentes com uma O que se sugere é que o regime de paga- terceira equipe. Paralelamente. na safra. principalmente de advogados e pessoal fique “fungando no cangote” da equipe de da área jurídica desconhecedores da reali. Ele simplesmente faz trabalho. Afinal. haja dos com Folha de Pagamento (com todos vista a sazonalidade operacional de uma os encargos e reflexos) e com o Transporte agroindústria como a canavieira. mês das horas suprimidas. Isso porque uma frente parando define uma regra de indenização para quan- 4 horas realmente impacta no fluxo de cana do horas extras habituais são suprimidas! que chega à indústria. velha a frota. O próprio TST indústria. como é proposta dos 2 turnos apresenta uma cláusula de prorrogação do da RPA Consultoria. ção na mudança de 3 turnos de 8 horas para Outra vantagem é que. ne que os tabalhadores urbanos e rurais têm o direito de receber remuneração pelo seu * Ricardo Pinto é diretor da RPA Consul- serviço extraordinário em 50% acima do seu toria e da revista RPAnews e também trabalho normal. (TST). mento de horas extras aconteça apenas ao Quando calculamos os custos envolvi. vários exemplos de im- equipe e da outra. o primeiro sistema mente. de Pessoal.Figura 3 – Exemplo de 5 turnos Frente coringa no janelão de 4 ho. equipamentos melhora. Os 2 turnos não com- EXPONENCIAL pensam somente pela redução de custos. E os 2 turnos de 12 horas? Isso ção Federal de 1988.

39 .

Estas pragas são forma. com o objetivo de reduzir os impactos e promover maior sani- dade nos canaviais. afirma. Acredito que toda a proprie- dade deveria fazer o MIP.” Além do controle estratégico. Desta forma. pulverização com mais qualidade. foi feito um levantamento minucioso e. o que aumenta os prejuízos à planta. proliferação rápida. alta taxa de reprodução e capacidade de dis- e o estágio em que se encontram. Este é um serviço gratuito ao associado regularizado. decidir qual a melhor hora para combater estas pragas. sphenophorus e broca. o MIP prevê o uso • Abrigo (água e alimento). queda na qualidade da matéria-prima de pragas no canavial. que não possuem efeito na redução dos da. Com base em estudos recentes. O controle deve ser eficaz desde a implantação até a Outro ponto positivo foi a mudança na aplicação do defensi- reforma. a Socicana está lan- çando o MIP (Manejo Integrado de Pragas da Cana). pais. inclusive a diferença de infestação entre a ser industrializada e redução do teor de sacarose. família. Odair Fernandes. siste. um talhão e outro”. onde ma radicular e base do colmo. pois quanto maior o número de cortes do cana. • Presença de palha.COM. como cigarrinha. Conhecer melhor a incidência canavial. o MIP Cana deve criar uma rede de informações que irá funcionar como alerta em relação ao au- mento de pragas nos canaviais dos associados. perfilho. BASTA LIGAR PARA OS TÉCNICOS DA SOCICANA (16) 3251-9275 WWW. com quedas acentuadas em produtividade e consequentes prejuízos. é possível persão. “Com o MIP. Crédito: Ewerton/Neomarc MIP É UMA DAS PRINCIPAIS ESTRATÉGIAS PARA VENCER OS DESAFIOS DE PRODUÇÃO Nos últimos anos. Além do controle químico orientado. No MIP. Dr. junto ao Prof. e parceria com  a Coplana e ArystaLifeScience. Uma realização da Socicana. com assessoria da Unesp de Jaboticabal. • Umidade do solo. das pragas é considerado por Hermes um dos benefícios princi- Danos econômicos: queda da produção agrícola e lon. SP. “A gente conseguiu enxergar com mais clareza a quantidade gevidade do canavial. E para controlar estas pragas. a proposta é realizar o controle a partir de um FATORES QUE FAVORECEM determinado nível de infestação. dessa vial. PARA FAZER PARTE DO MIP CANA. a Fazenda Estância Eldorado. folha. QUEM JÁ FEZ. RECONHECE IMPACTOS E POTENCIAL OS BENEFÍCIOS DAS PRAGAS NOS CANAVIAIS Hermes Domingos Marcon Junior cuida da propriedade da Danos fisiológicos: no colmo. uma alternativa ao produtor. mais alto poderá ser sua infestação.SOCICANA. afetando a longevidade do implantou o MIP na última safra. Isso evita pulverizações A INFESTAÇÃO preventivas. em Taquaritinga. O primeiro passo é o treinamento dos colaboradores das propriedades para a identificação das principais pragas. o produtor tem presenciado um au- mento da incidência de diversas pragas na lavoura da cana. tivemos ações mais específicas e condições de fazer uma caracterizadas por elevada adaptação ao meio ambiente. que tem se apresentado como mais • Maior número de cortes.BR 40 . nos e aumentam consideravelmente os custos de produção. o agricultor acaba tendo um aumento no seu custo de produção. vo. do controle biológico.

com. 2 3 ª F e i r a I n t e r n a c i o n a l d e Te c n o l o g i a A g r í c o l a e m A ç ã o MEDALHA DE OURO DO AGRONEGÓCIO 25 a 29 Ribeirão Preto de Abril SP . 41 41 .agrishow.Brasil das8h 18h às www.br /agrishow Patrocinadores: Realização: Promoção & Organização: MENORES DE 14 ANOS DEVEM ESTAR ACOMPANHADOS DOS PAIS E/OU RESPONSÁVEIS.

Entre as tividade das lavouras chega a ser duas vezes maior. alimentação de um terno e a capacidade má- cial com essas matérias-primas. três unidades. novas tecnologias enzimáticas estão na profissional e inovação tecnológica. Sanches. favoráveis da cadeia de fornecimento de biomassa. ministrados pela Reunion Engenharia. confirmando a eficiência e a viabilidade comer. conferir Com o novo sistema de monitoramento. 42 . aumentar a produtividade. principalmente pelas “condições apresentadas. de Tecnologia e Emissões da Unica (União da Indústria em Serrana. samos juntos os conceitos técnicos. “Esse é um projeto ambicioso e pretendemos chegar o setor canavieiro tem grande participação no crescimento da em- até o ano de 2020 como a principal empresa fornecedo. os dados de entrada e as medições. que garante mais economia de água. fabricante dos produtos de limpeza na Alemanha. INDÚSTRIA QUÍMICA AVANÇA TREINAMENTO IN COMPANY EM TECNOLOGIAS PARA Dois treinamentos. presa e revelou que novos projetos em irrigação por gotejamento ra de micronutrientes para cana do país”. mediante a expansão de 10% no ano de realizadas em parceria com as principais universidades do 2015. controlar a distância todo o processo de irrigação e nutrição. Alfred Szwarc. gerente agronômico da Netafim. pontas e folhas de cana-de-açúcar montar uma moenda. Além disso. Sanches afirmou que país. A partir destes dois itens (dificuldades e pilares) anali- lógico para produção de etanol 2G. & Mertz. detentora da tecnologia. volvem processos e uma empresa responsável pela capacitação vo do etanol 2G. de Massa e Energia (BM e BE) foi o primeiro módulo escolhido gimento de novas enzimas. e moni- cado e desenvolveu uma linha específica de tecnologias toramento em tempo real. o aumento de eficiência e produ- o mais importante. divulgou o lançamento de um novo sistema décadas. gias capazes de desenvolver melhor a planta. “Realizamos amplos testes e convertemos drigues. afirma Wilson em cana tem sido implementados não só em usinas nordestinas Romanini. diretor superintendente do Grupo Bio Soja. Estamos dialogando com xima de um conjunto de ternos de mesma bitola. em etanol. que acontece dos dias 25 a 29 de abril. dois temas que en- Capazes de tornar mais eficiente o processo produti. acrescentando que regras básicas para a boa operação da moenda com exemplos a Clariant estuda a integração da sunliquid a uma planta práticos e aplicados no dia-a-dia das usinas também foram brasileira de etanol 1G. “Essa tec- principais tecnologias destacam-se as linhas NHT. e por fim fizemos um as empresas Clariant. plantas. Por nimizar o estresse. o produtor rural”. bem como outras tecnologias pelo grupo para ser aplicado com a intenção de buscar melhorias aplicadas na conversão de materiais celulósicos em açú. tornará a biomassa da cana ainda mais vantajosa do “Foi extremamente interessante elencar. empresa especializada em soluções de irrigação Presente nas culturas brasileiras há mais de quatro por gotejamento. Grupo Bio Soja está desenvolvendo também produtos bio. O consultor mentos In Company que aconteceram na Pedra Agroindustrial. mi. com pesquisas mento de 20% em 2016. O lançamento oficial será realizado Atualmente. Bioenergy e Fertilis. Mar.” NETAFIM LANÇA TECNOLOGIA GRUPO BIO SOJA INVESTE EM MOBILE PARA IRRIGAÇÃO CANA-DE-AÇÚCAR A Netafim. SP. Balanço de Cana-de-Açúcar). energia. como também em unidades localizadas no Centro-Sul do país. Apesar de não ter números concretos. contínuas no processo. nologia é uma das mais modernas em automação e nutrição de ve. dades e depois os pilares da resolução dos balanços de massa e O desenvolvimento de um novo processo biotecno. primeiro. garantir o equilíbrio nutricional e. fertilizantes e mão de obra. acredita que o sur. a capaz de converter açúcares em produtos para aplicações lei da conservação de massa e de energia. Este é o resumo dos treina- mira de multinacionais da indústria química. motivou a parceria entre ções. a Netafim projeta um cresci- lógicos para aplicação na cana-de-açúcar. Operação de Moendas foi outro módulo aplicado na Pedra. segundo Carlos uniformidade ao canavial. por gotejamento com controle e gestão automatizados. e a Werner grande repasse em todo o entendimento do processo produtivo”. a empresa possui um portfólio de tecnolo. diferentes players no País”. informa. a tecnologia sunliquid está pronta para o mer. durante a Agrishow 2016. acelerar o desenvolvimento inicial das raízes. destaca. cares. Mesmo diante do cenário atual. Ministrado pelo especialista Antônio Carlos Junqueira Ro- cado brasileiro. o Grupo Bio Soja ampliou sua atuação no mer. Para o gerente de Negócios da Clariant nas Américas. Acti. comentou o diretor da Reunion. tornando assim. melhorar e acelerar a brota. a importância para seu bom desempenho. este conteúdo revelou técnicas sobre como regular e mais de 400 t de bagaço. os indicadores. todo processo mais sustentável para o Para complementar a parte fisiológica das plantas. duas turmas com diferentes ETANOL 2G interesses em ganhos técnicos e produtivos. cair direito na raiz da planta. os volumes de controle. chamado sunliquid. o produtor poderá ção. os sistemas de equa- além do combustível automotivo. tin Mitchel. Jorge Luiz Scaff. para manejo nutricional e fisiológico da cana-de-açúcar. as dificul- ponto de vista comercial.

43 .

a juíza de Direito julgou improcedente a ação. rizava o exame de patentes de tecnologias verdes e. e não o Com o projeto. nômica insuficiente para obrigar o pagamento. a um objeto pelo qual não a autora. lançou o Prioritário BR. financeiramente mais vulnerável. Ao fim desse período. Com isso. sendo a classificação delas em categoria eco. terior e o Instituto Nacional de Propriedade Industrial . cria uma fila prioritária de até 300 vagas para micro e pequenas inciso III. condenou o réu a arcar com o valor repassado para o mesmo. A autarquia já prio- Trabalho da 3ª Região (MG). DIREITO CIVIL será avaliado se o programa se tornará permanente. O homem terá de arcar com a dívida de De acordo com o ministro do Tribunal Superior do Trabalho. empresas requererem o exame de patente.MG). Foram 107 resgates no Estado do Ma. “a prática iguala tado o homem adquiriu o bem. da CLT. concluindo que parte da quantia “foi efetivamente objeto pelo Ministério do Trabalho Emprego no dia 27 de janeiro de 2016. a evitar esperas longas. sendo contra a sentença proferida. por entender que apenas culado à pasta. quenas empresas a um ano. e é fomentado pela impunidade. mas contribuição sindical. R$ 3. Assim a mulher ingressou com uma ação para cobrar o se tem o menor apreço”.  4444 . A prioridade a determinados tipos de No entanto. “a presunção de veracidade dos fatos não é suficien- Em 2015 foram resgatados 1. Para fazer o EMPRÉSTIMOS ACORDADOS requerimento do exame prioritário é necessário estar enquadrado VERBALMENTE TÊM O MESMO nas categorias de micro empresa ou empresa de pequeno porte. Como a empresa é apenas holding de participação societária PRIORIDADE NO EXAME DE em outras entidades e não tem empregados. ética e social de quem Em 1º grau. elas devem ser quitadas de JULGAMENTOS DO TST REFLETEM formas iguais. o objetivo é reduzir o tempo de espera das pe- número de pessoas com vínculo de emprego. mas apenas o pró- As dívidas que foram contraídas mediante acordo verbal terão prio depositante da patente poderá requerê-la. Lelio Bentes Corrêa e também autor de diversos estudos sobre tra. Minas Gerais o estado líder em libertações com 432 libertações. Indústria e Comércio Ex- A empresa pediu anulação das guias de recolhimento de contri. o relator. mas não adimpliu a sua dívida com o trabalhador a um objeto. a para a qual a patente é requerida. programa que garante que um pedido nas as empresas com empregados estão sujeitas ao recolhimento da de patente inovadora depositado originalmente na autarquia. sua estrutura. a maioria dos ministros PATENTE concluiu ser indevida a cobrança. bem como a retirada ranhão e 87 no Estado do Rio de Janeiro. considerou válido o documento representa 43% do total do país. A holding apresentou Relação Anual de Informa.INPI. com depósito equivalente em outro país. Hoje. no início deste no artigo 580. permite a interpretação de que ape. não é novidade. pois foi EMPREGADOS NÃO PRECISA PAGAR declarada a inexistência da relação jurídica entre o ressarcimento CONTRIBUIÇÃO SINDICAL financeiro e o bem. sua decisão foi reformada pelo Tribunal Regional do pedido de patente pelo INPI. que comprova a dívida contraída com o banco.1 mil. projeto-piloto que os empregadores estão obrigados a pagá-la. O Ministério do Desenvolvimento. O projeto-piloto para priorizar o exame de patentes para pe- quenas empresas terá duração de um ano. Assim foi decidido pela 19ª Câmara Cível do TJ/RS PREOCUPAÇÃO COM O ao julgar apelação de mulher que alegou ter contraído empréstimo TRABALHO ESCRAVO para repassar valor ao réu. Tais dados foram divulgados do valor. com correção monetária e juros moratórios. para o qual o termo “empregadores”. Na opinião do especialista. inciso III. e o que é pior. outros pequenos em- cobrança não está vinculada à existência de empregados. vin- buição sindical enviadas pela federação. Ele complementa dizendo que o trabalho valor repassado ou a entrega do bem que estava em posse do réu. o que Ao julgar o recurso. sua base de cálculo é o valor do capital social da empresa. ano. o trabalho escravo no Brasil é resultado de empréstimo bancário no valor de R$ 5 mil e repassaria R$ 3.Atualidades Jurídicas DIREITO DO TRABALHO o mesmo efeito que os formalizados. O Tribunal Superior do Trabalho manteve decisão que isentou empresa de pagar contribuição sindical à Federação do Comércio de DIREITO EMPRESARIAL Bens. da CLT. seja analisado primeiro. Serviços e Turismo do Estado de Minas Gerais (Fecomércio MICRO E PEQUENAS TERÃO . O objetivo é ajudar o ções Sociais (RAIS) para comprovar a ausência de empregados em grupo. de empréstimo para o réu”. Para explora os trabalhadores. lançaram em março de 2016. te para levar à procedência da ação”. Em razão do documento. tanto que preendedores terão chance de um desenlace mais ágil. escravo resulta da falta de consciência cidadã.1 mil uma ignorância absoluta dos padrões mínimos de dignidade exigidos para o réu adquirir uma moto. Neste caso as partes contrataram entre si que a autora faria um balho infantil e escravo. Depois de repassado o valor contra- pelos direitos humanos. pois o mesmo TST DECIDE QUE HOLDING SEM não viu motivo para determinar busca e apreensão do bem. a análise pode demorar até 11 anos dependendo da área Para o juízo de primeiro grau que julgou improcedente a ação. a magistrada. A EFEITO QUE OS FORMALIZADOS solicitação de andamento prioritário é gratuita.010 pessoas pelos grupos móveis. conforme o artigo 580. A autora interpôs apelação Cerca de 58% das libertações ocorreram no Sudeste do país.

no US$ 735 milhões em títulos da empresa sucroalcooleira e não re- valor de R$ 500 mil. de a região. o projeto prevê o desenvolvimento de rede móvel de quarta paro de solo e colheita de cana-de-açúcar. visa canalizar toda a água de chuva a fim de evitar que causem buracos nas estradas e assoreiem os cursos de água. Com dois anos de dura. Há outro bond A usina entrará com toda a estrutura operacional necessá. Adelar José Fabian. o GVO emitiria novos bonds em substituição aos transitáveis. a Della Coletta Bioenergia (DCBio). cação. valores originais. Segundo o professor do Instituto Federal do Triângu. O projeto e redução de custos”. emitiu ainda US$ 135 milhões em notas com garantia e que vencem dores além da gestão dos trabalhos de campo. pre- ção. Sylvio Orte. 45 . permitirão a coleta de escolha da marca. De acordo GVO QUER TROCAR BONDS com o diretor financeiro da usina Vale do Tijuco. Esta é a se- tar a produtividade da lavoura de cana-de-açúcar e a eficiência gunda vez que a usina faz a aquisição de um lote tão grande de dos processos relacionados à produção de açúcar e etanol é o máquinas da fabricante. sem garantia. e industrial. fez três emissões. “Hoje todos têm acesso instantâneo às soluções práticas e cípio de Uberaba em “estradas ecológicas” foi oficialmente inteligentes extraindo informações necessárias para a melhor tomada de lançada através de um convênio entre a Prefeitura de Uberaba. O projeto prevê em 2020.5% a 11. o projeto contará com o suporte do BNDES e Fundo Tecnológico (Fun. a qualidade do serviço de pós-venda e a assistência em conjunto com uma infraestrutura de sensoriamento com prestada pela Central Máquinas. PARA CONSTRUÇÃO DE ESTRADA A DCBio optou pelos sistemas da CHB Informática. mais longos do que os dos títulos em vigor. informações no campo em tempo real. fique retida dentro das fazendas e de cupons que variam de 10. “O projeto cebem o pagamento de seus respectivos cupons semestrais desde consiste em reverter os valores devidos pela usina. enquanto tenta vicinais do município. longo (2022) é de US$ 300 milhões. na cidade de Sandovalina. ainda. empresa espe- ECOLÓGICA cializada na criação de softwares para controle administrativo. quando integrados. A empresa ria. uma taxa de remuneração menor. de US$ 300 milhões. ampliar sua moagem de cana.500 km de estradas negocia com os credores uma solução para a dívida. o bom desempenho dos tratores comprados no adaptada às condições operacionais do setor sucroalcooleiro. Os equipamentos sarão usados nas operações de plantio. Desde que deixou de pagar os cupons semestrais. Segundo a direção da geração baseada na tecnologia LTE (Long Term Evolution) e UMOE Bioenergy. provenien. usina norueguesa do ramo sucroalcooleiro. DE US$ 735 MILHÕES ga. mas durante as chuvas. foram fatores importantes para a tomada de decisão e Esses recursos. diz Ortega. Normalmente no período da seca as estradas vicinais são Pela proposta. foram adquiridos 20 tratores do principal objetivo do projeto que o CPqD vem conduzindo em mesmo modelo. e melhorar o trabalho dos colaboradores. por um período de 180 dias. o IFTM e o Sindicato Rural. O de vencimento mais infiltre no solo. para manutenção ecológica secundário. com taxas de remuneração não escorra para as estradas. agrícola Uma proposta para transformar as vias vicinais do muni. de equipamentos e aplicativos e. decisão. concessionária Case IH que aten- tecnologia RFID (Identificação por Radiofrequência). o Termo de Cooperação Técnica foi assinado em 2015. o GVO a recuperação de mais da metade dos 5. da área de Controle da DCBio. é fazer uma elevação no leito da estrada para que a água títulos a partir de 2011. completa Pussi. No suporte estão incluídas a pesquisa e desenvolvimento SOFTWARE PARA GESTÃO da arquitetura de rede. sentiu a ne- O foco é a criação de uma infraestrutura de comunicação e cessidade de implantar um sistema funcional e eficiente para facilitar sensoriamento eficiente e flexível. conseguiríamos melhorar e agilizar as informações necessárias para tomada de decisões estratégicas na Companhia”. a proposta. localizada Aplicar recursos de Tecnologia da Informação para aumen. “Percebemos que. primeiro lote. elas recebem uma grande já existentes. e estão sendo negociados por entre 4% e 20% de seus das estradas vicinais de Uberaba”. parceria com o Grupo São Martinho. CPQD E GRUPO SÃO MARTINHO USINA AMPLIA FROTA DE TRATORES Por dentro da Usina INVESTEM EM PROJETO PARA A Case IH fez a entrega de 16 tratores Puma 205 para a UMOE AUMENTO DE EFICIÊNCIA Bioenergy. Teriam. ainda. De início. julho de 2014. também sem garantia.75%. o que reflete nossa busca constante por aumento de eficiência a Usina Vale do Tijuco. Esses títulos estão com forte deságio no mercado tes de taxas de reposição florestal. DELLA COLETTA INVESTE EM tec). caminhões e opera. incluindo fornecimento de máquinas. capaz de aumentar a eficiên. com um cia das operações no campo em todas as suas fases – do plantio e sistema integrando todos os setores e ajudando no controle e comuni- colheita da cana-de-açúcar até o seu transporte para a indústria. contribuindo com o lençol freático. lo Mineiro (Campus Uberaba). A companhia. Em 2014. Esses investidores detêm inicial de 28 km da estrada vicinal Casa Azul UBB-330. para 2018. enxurrada. ressalta Fábio VALE DO TIJUCO CONTRIBUI Pussi. que começou a captar recursos por meio desses então. 1300 funcionários. Esses novos papéis teriam prazos de vencimento de quantidade de água e se transformam em verdadeiros canais de dez a 15 anos. no interior de São Paulo. mas O Grupo Virgolino de Oliveira (GVO) entregou uma propos- começou a ser viabilizado em março através da manutenção ta de pagamento aos seus bondholders. DA SUA PRODUÇÃO a implantação de um piloto em uma das usinas do Grupo São Com 60 anos de atuação no setor sucroenergético e com cerca de Martinho.

principal. o bacalhau se lhau ocorre porque foram os portugueses os primeiros tornou o grande rei da mesa dos brasileiros. para comer um autêntico “Bacalhau do Porto”. o bacalhau fresco na teoria não existe. em uma frigideira. seu consu- RECEITA DE BACALHAU À RIBEIRO ALVES 5 postas de bacalhau gadus Modo de preparo morhua dessalgadas Coloque as postas de bacalhau na água e deixe ferver por 10 batatas cozidas em cubos cerca de cinco minutos. Para preservar este peixe durante as longas A iguaria foi trazida ao Brasil já na época do des- viagens. considerados os pioneiros na descoberta do cod gadus um dos principais alimentos do cardápio do país. Cebolas em rodelas a gosto as batatas já cozidas. É essencial que fique com bastante azeite. As espécies usadas para a produ. que adquire o mantinha um rigoroso calendário onde os cristãos de- sabor marcante a partir do processo de cura e secagem. espécie muito encontrada nos mares em que dos maiores consumidores de bacalhau do mundo. A Igreja Católica. na época da Idade Média. é preciso esclarecer que o Brasil. As azeitonas devem ser colocadas ao final e servem serve para decorar o prato. coloque as postas de bacalhau. os vikings o secavam ao ar livre até que ele per. como o bacalhau era uma comida “fria”. endurecesse e pudesse ser no início do século XIX. navegavam. mais tempo e. veriam obedecer aos dias de jejum. Se preciso. de 1891. Os vikings são carinhosamente de fiel amigo o bacalhau é. a confusão sobre a origem do baca. mente durante o período de comemoração da Páscoa. Por último. ção de bacalhau são: gadus morhua (cod). bacalhau em si não é um peixe. assim. Mas foram os bascos que tiveram a algo corriqueiro. que aconteceu em 1843. até hoje. a introduzir este peixe na alimentação dos brasileiros.Da redação Muito além dos ovos de chocolate. Chamado por eles do mar frio da Noruega e da Islândia. saithe e Comer bacalhau na Páscoa também começou lá em zarbo. originário raram aos seus hábitos alimentares. Eles descobriram o bacalhau no século XV. E sobre sua história. na verdade. que comer bacalhau se tornou comido aos pedaços. até cinco pessoas 46 . Ele pode ser feito a partir liderados por Machado de Assis. e na pratica é apenas um peixe comum. um morhua. relatava que os intelectuais da época. os brócolis e os ovos cozidos e Brócolis cozido a gosto cortados em rodelas. Portugal. desse um quinto do seu peso. reuniam-se todos os de alguns peixes. ling. Um das edições do Jornal do Antes que haja confusões. regue Azeitonas tudo com mais azeite. excluindo de sua De acordo com algumas publicações que contam dieta alimentar as carnes consideradas “quentes”. Ou seja. 5 ovos cozidos Em uma cumbuca de barro. Data dessa época a primeira expor- ideia de salgar o pescado para preservar o alimento por tação oficial de bacalhau da Noruega para o Brasil. Depois leve o bacalhau ao forno médio e deixe até A receita dourar. cobrimento. coloque a cebola junto Azeite com o azeite utilizado para refogá-la. desde que eles passem pelo processo domingos em restaurantes do centro do Rio de Janeiro de salga e secagem. na época Apesar de muita gente pensar que a iguaria é de das grandes navegações e imediatamente o incorpo- origem portuguesa. comercializá-lo. Enquanto isso. o bacalhau é. grandes doure a cebola no azeite. Mas foi com a vinda da corte portuguesa.

47 . Está em São Paulo? Gosta de comida portu- A redação da RPAnews conversou com uma especialista e sepa. E se no Natal e na Páscoa. é tema do “Fora do Expediente” desta edição. o vinho poucos sendo desfeito. principalmente mais elevadas. petisco tradicional de bares e botequins. em seu menu as mais variadas receitas com o nobre pescado e tam. Ela compartilha conosco uma lhau tornou-se prato requintado em bons restaurantes que oferecem das receitas servidas em seu restaurante. tipo de paladar. que antecede o estiver mais frio. de sabor inconfundível e sublime. Confira ao lado! bém está no dia a dia do brasileiro que gosta de um bom bolinho de bacalhau. é que é considerado “o dia de comer bacalhau”. É por essas e #FICAADICA outras que o fiel amigo. bairro Pinheiros. típicos da culinária portuguesa. opte pelo tinto”. em São Paulo. no panhamento sofisticado. Para quem adora se arriscar na cozinha. 656. Mas sempre bate aquela Cultura dos Portugueses”. desfaz-se bacalhau. o site da empresa Bacalhau Ribeiralves cional de todas. 365 receitas de palha e uniforme quando salgado e seco. vale a pena acom- conforme afirmam os autores do livro “O Bacalhau na Vida e na panhar o bacalhau com um bom vinho. é pescado no Atlântico Norte e é considerado o le- (http://www. peixe ou até mesmo de qual é o melhor vinho para fazer um acom. De acordo com Maria João Martins. uma para cada dia do ano e para cada em lascas claras e tenras. a Sexta-Feira Santa. Para as pessoas de paladar mais aguçado.com.br) traz. guesa? O restaurante Casa Portuguesa oferece de rou algumas dicas para você não fazer feio nas escolhas do peixe. indica Maria. no gítimo bacalhau. É o ba. calhau recomendado em todos os pratos da cozinha internacional. mas a tradição do bacalhau se mantém forte varia de acordo com o paladar. o Casa Portuguesa. guesa e está no Brasil há 20 servindo os mais variados pratos Totalmente incorporado à cultura e culinária brasileira. que é portu- Domingo de Páscoa. é imprescindível que haja informações de qual é o melhor vinhos especiais. Este rigoroso calendário de jejum foi aos dúvida: qual vinho escolher? De acordo com Maria.bacalhauriberalves. que é a mais nobre e tradi. vale apena apostar no vinho verde branco. No Brasil. Onde: Rua Cunha Gago. segunda a sexta-feira um cardápio com os mais acompanhamentos e tipos de preparação. também dos brasileiros. Ele leva como caraterísticas principais a coloração projeto “Hoje é Dia de Bacalhau”. o gadus 365 DIAS DE BACALHAU morhua é a melhor opção. Para os que apreciam a boa diversos pratos típicos da culinária portuguesa e comida. Esta espécie. o baca. Quando cozido.mo passou a ser incentivado pelos comerciantes nos dias de jejum. “Mas em dias de temperaturas nos países de língua portuguesa até os dias de hoje. proprietária do tradicional restaurante “Casa Portuguesa”. localizado em São Paulo.

MBA sociedade. tinha uma mudança e/ou promoção que a em Gestão Empresarial economia considerado tradicionalmente mas. 48 . SP mento das mulheres na sociedade. detalha Marie.” Tive a sorte de ter encontrado. Dentro desta era esperado de mim”. “Meu curtir a casa e o marido profissional. após um ano. aprendizado). Mas nunca mos como objetivo. parte da solução. ler e nunca foi uma barreira para seu crescimento todos os processos produtivos da empresa. E tudo isso é so. encontrei tentável. mas que é de grande importância para Correr. gerente administrati. em momento algum. SP. era um no- pela Esalq/USP e em Associação Brasileira de Marketing Rural e vo desafio. setor da dois anos. executivo MARIE EGASHIRA Um dos termos mais falados e discutidos um grande apoio e incentivo das empresas pelas quais Naturalidade nos últimos tempos é a questão do empodera. me impediu ou inibiu University of Califórnia Irvine últimos dez anos a representatividade femini. Também te- “Não devemos pensar nos lho altamente competitivo sofrem. um grande trabalho que fica por de trás dos Hobbies agronegócio. a partir de então. porque. departamento apoia todos os processos de forma sus- “Como entrei recém-formada. exalta. que revelam que nos Mas isso. dentro dos vários setores da do departamento financeiro e. ou seja. por todos esses com muita ética e respeito e atendendo todas as le- anos. a minha ânsia de superar e de corresponder ao que na no segmento cresceu em 7%. Pelo menos é “Fiz a diferença no meio em que atuei. andar de bike. uma mulher empoderada. as discussões em torno dos çou a carreira em 1999 como trainee de Contabili- Estado Civil direitos das mulheres tornam-se cada vez mais dade na usina Univalem. Sempre atenta às atitudes e experiências dos fruto de muita luta e conquistas que mulheres profissionais mais próximos a ela (que serviram de Formação de todo o mundo tem galgado. A cada isso o que mostra os dados divulgados pela dois anos que eu passava por mudanças. deixava cada vez mais motivada e com vontade de pela FGV. sem dúvida. Ma- regional da Raízen va regional da Raízen. de atender todas as regras e políticas da companhia. Isto Gerente administrativa do mês. Temos que ser achei que a dificuldade era por eu ser mulher. como gerente administrativa regional. facilitar os processos sem deixar problemas. come- cada dia que passa. mesmo que ain. É fato que a Marie. em Gestão e culino vem. Marie assumiu a chefia Contabilidade pelo Centro da timidamente. Um deles. o agronegócio. Tecnologia no Agronegócio mais espaço para as mulheres. aos poucos. trabalhando em grande sinergia com todas as dificuldades normais pelas quais os agroindústria visando redução de custo. Cargo porcentagem certamente inclui-se a executiva Ela é. a cada Universitário Toledo.” Araçatuba. localizada em Valparaí- Casada importantes e mais engajadores. Gestão Empresarial pela Agronegócio em 2015. Marie Egashira. que apesar de ter tido rie faz a gestão administrativa das 14 unidades da algumas dificuldades ao iniciar sua carreira no Raízen. de processos e excelência operacional. trabalhei. grandes gestores e tive também sempre gislações vigentes”. recém-formada em Contabilidade. uma nova entrega. conta que o fato de ser mulher bastidores. otimização Filosofia de vida recém-integrados em um mercado de traba. um novo aprendizado. evoluindo e abrindo seguir em frente.

praticar exercícios físicos e curtir seu marido. mente e beleza. “Além disso. a superação diária em manter um espí. “Isso sim liza Marie. Isso quando não está viajando a trabalho. passear com o cachorro. aproveito. Mas adoro ir ao cinema. uma coisa mercado. para termos também uma mente saudável. somos mais atentas a alguns detalhes que são mais pertinentes a nós mulheres. ciso sempre estar apresentável dentro do derando a área na qual Marie atua e diante do atual ambiente de trabalho. tanto que não para isso. Então. as mulheres têm maior poder de persuasão e conseguem influenciar mais as pessoas no dia a dia. Ela respondeu que empecilho. quando posso. mas diz que concilia muito bem a vida profissional com a vida privada. estudar.” ROTINA EQUILIBRADA Apesar de ter uma rotina extremamente intensa. uma barreira. o que eu não abro mão é de ir à academia. por- que é o único horário que ela tem. e de formação de inteligência competitiva buscando cada vez mais resultados e colaborando com para atingirmos os nossos objetivos”. há estresse. visitar a família. “Acredito que o trabalho árduo. Semanalmente ela faz as unhas às seis da manhã! Isso mesmo. tendo que distribuir de forma mais uniforme as tarefas do trabalho e da casa. esposas. sair com amigos. Ela acorda bem cedo para aprovei- tar o dia e depois de retornar do trabalho. mos que ver isso como um fator positivo Ao contrário. somos mulheres. às seis horas da manhã. temos que ser parte da solução. ressalta Marie. Mas. segundo ela. in- constante compromisso com resultados e excelência dependente de qual cidade eu esteja. do estou na cidade onde moro. Mas não podemos perder a nossa essência. ainda te. cuidados com a saúde. só cansaço”. o pensamento Gosto muito de curtir minha casa com meu inovador e o entusiasmo são as bases do sucesso. meu horá- rito empreendedor e estratégico. Ao contrário. temos que ver isso como um fator positivo” tar sintonizados com as expectativas da companhia. divide seu tempo entre ler. Perguntei a Marie se ela acha Ela deixa um recado para as colegas que ainda existe algum tipo preconceito ou barreiras mulheres: “não podemos nos apegar ao fa- Marie: “não podemos nos apegar ao que impeçam as mulheres de alcançarem mais espaço to de sermos mulheres e ver isso como um fato de sermos mulheres e ver isso dentro das grandes corporações.” dentro do agronegócio. principalmente blemas. A MULHER NO SETOR andar de bike e correr”. principalmente consi. conta Marie. Somos mães. uma barreira. 49 . como um empecilho. Marie também não abre mão dos cuidados com a beleza. altamente competitivo. traz como consequência o reconhecimento. fina- o crescimento de onde atuam e trabalham. marido e acho que não tenho muito tempo Para mim o trabalho é fonte de vida. que Apesar de a realidade estar mudando. Os desafios de trabalhar em um grupo como a “Gosto de me cuidar e penso que é pre- Raízen devem ser enormes. te. enfim. Marie consegue se equilibrar muito bem entre o tra- balho e os momentos de lazer. Quan- operacional. além da manutenção rio com personal trainer é às dez da noite! e melhorias em parcerias estratégicas. Não podemos negar que as mulheres que são casadas e com filhos têm um desafio maior com rela- ção à gestão do dia a dia. compreende minha rotina e que me ajuda muito. tem uma filosofia de vida bem simples: mos muito poucas mulheres atuando em cargos de “Não precisamos ficar pensando em pro- liderança como gerências e diretorias. estão sempre Acho que temos que estar bem fisicamente dentro dela e a postos para agir. “Tenho um marido que me apoia em tudo o que faço. Para Marie o segredo é manter o foco no trabalho. Agora.” Marie acha que além de deixar o ambiente mais leve. não e que tanto o homem quanto a mulher devem es.” Ela é casada e ainda não tem filhos.

garantido aos canavieiros do NE e RJ. localizada em Catalão. A nova safra começou oficialmente em 1º de abril. chegando em 1 milhão de t na segunda.9 milhões de t em relação a primeira quinzena de março. Mas. como foi publicado. o DDG. quinzena de março. somente 13 usinas haviam interrom- Para aproveitar a larga escala de produção de milho e sorgo pido a moagem no fim de fevereiro de 2015. A informação é da União Nordestina dos nunca antes vistos na região (até 650 milhões de t). AÇÚCAR TERÁ PRODUÇÃO RECORDE DEZENAS DE USINAS RETOMARAM Um volume recorde de cana estará disponível para moagem ATIVIDADE EM MARÇO no Centro-Sul do país na safra 2016/17 e. quedas – caso elas aconteçam – já começa a ser definido pelas sórias 701 e 707. Influenciadas por acordo com a Unica. De 2015/16. Indiana de Usinas de Açúcar. na verdade. 701. por enquanto. que não foi paga previsões de clima para o Centro-Sul e pelo mercado de etanol. a lei da subvenção da cana. da região. UNIDA RECEBE APOIO PARA se declínio não preocupa as usinas brasileiras. uma joint venture entre a em. er- t/ano na primeira fase. No final do mês de março. Mais usinas de cana do Centro-Sul do Brasil voltaram a operar na ção de açúcar poderá crescer até 4. MT.95 milhões de t presa Fiagril e o grupo americano Summit. 23 unidades já operavam na segunda quinzena de essas projeções. que já venderam PRORROGAR A LEI DA antecipadamente 60% do açúcar que vão exportar em 2016/17. será prorrogada para que o benefício seja cujo consumo bateu recorde em 2015. ramos ao vincular uma nota na editoria Dicas e Novidades sobre As obras tiveram início no começo deste ano e serão finalizadas a expansão de uma fábrica da John Deere. com isso. o que tende a Produtores de Cana (Unida). No ano comercial 2015/16. em 2014 e não recentemente. SUBVENÇÃO DA CANA Esse fator de pressão tende a perdurar. pelo governo federal. a produ. 50 50 .56 milhões de t no mesmo período do ano passado. a F&S Agrisolutions. A expansão desta unidade ocorreu. OPERAÇÕES ANTECIPADAMENTE A escassez de cana forçou usinas de açúcar indianas a inter- MT TERÁ A PRIMEIRA INDÚSTRIA romperem suas operações antes do período normal e mais de 100 DE ETANOL DE MILHO E SORGO unidades já pararam o processamento. Segundo a Associação Brasil. mas o espaço para novas Se depender dos presidentes e relatores das Medidas Provi. que se reuniu com o relator da MP inflar a oferta de açúcar. que serão utilizados moagem iniciando algumas semanas antes em 2016. a F&S Agrisolutions divulgou a 513 usinas de açúcar começaram a operar. em setembro de 2017. indicando uma aceleração da atividade. e recebeu o seu apoio para a aprovação da emenda. As usinas de açúcar indianas produziram 19. referente aos meses de janeiro e fevereiro. mas USINAS INDIANAS INTERROMPEM aguardando aprovação. que já está inserida na MP. as cotações da commodity na bolsa de Nova York fevereiro e 70 unidades começaram suas operações no final da primeira recuaram 15% desde o início deste ano. que será localizada em Lucas do Rio Verde. conforme as estimativas divulgadas. es. com a três produtos: etanol anidro e hidratado. um farelo para ração animal. e CO². GO. pouco a mais que a produção fábrica com as mais avançadas tecnologias para a produção de de 19. mas 107 usinas inter- construção da primeira indústria de etanol de milho e sorgo do romperam as atividades no fim de fevereiro. está montando uma entre 1º de outubro e 29 de fevereiro. ERRAMOS A capacidade prevista de produção da indústria é de 500 mil Na edição 177. o senador Douglas Cintra (PSB/PE).  Mas o consenso entre as principais consultorias e tradings que Ambas MPs contêm emendas incluindo a prorrogação da atuam no ramo é de que na safra 2016/17 haverá volumes de cana referida legislação. no abastecimento de automóveis.

51 .

que permite curvas fechadas e estabilidade nas manobras até mesmo em terrenos declivosos. sistema avançado de eixos e bitola regulável.teston. a TESTON reuniu uma equipe de engenheiros especializados para criar um implemento que atendesse as necessidades que encontravam na prática. e continua sendo uma batalha que exige muito da engenharia moderna. Assim surge os GIGANTES. e que o mercado não atendia. GRANDES BATALHAS SÃO DADAS A GRANDES GUERREIROS Conheça a força dos GIGANTES da TESTON.PR | CEP 87200-000 | Telefone: (44) 3351-3500 | www. Consumo reduzido de óleo diesel.Km 218 | Cianorte . São 22 toneladas de capacidade que agilizam a colheita e enfrentam qualquer terreno. Reduz o risco de acidentes.com.br e conheça os GIGANTES da Teston. A colheita da cana-de-açúcar sempre foi uma das atividades naturalmente mais pesadas para o homem. que apesar de ter a maior capacidade de carga do mercado. 52 323 . Visite www.com. Com grande experiência adquirida através de anos de trabalho na lavoura. possuem peso reduzido.teston. da tecnologia e das indústrias. baixo índice de compactação do solo. Tempo de transbordo reduzido em até 40%.br Rodovia PR . Maior agilidade nas manobras.