You are on page 1of 12
Amazônia

Amazônia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

ou (também chamada de Floresta Amazônica, Selva Amazônica, Floresta Equatorial da Amazônia, Floresta Pluvial ou Hileia Amazônica) é uma floresta latifoliada úmida que cobre a maior parte da Bacia Amazônica da América do Sul. Esta bacia abrange 7 milhões de quilômetros quadrados, dos quais 5 milhões e meio de quilômetros quadrados são cobertos pela floresta tropical. Esta região inclui territórios pertencentes a nove nações. A maioria das florestas está contida dentro do Brasil, com 60% da floresta, seguida pelo Peru com 13% e com partes menores na Colômbia, Venezuela, Equador, Bolívia, Guiana, Suriname e França (Guiana Francesa). Estados ou departamentos de quatro nações vizinhas do Brasil têm o nome de Amazonas por isso.

Amazônia (português

Amazónia (português

A Amazônia representa mais da metade das florestas tropicais remanescentes no planeta e compreende a maior biodiversidade em uma floresta tropical no mundo. É um dos seis grandes biomas brasileiros. [nota 1]

A Floresta Amazônica foi pré-selecionada em 2008 como candidata a uma das Novas 7 Maravilhas da Natureza pela Fundação Sete maravilhas do mundo moderno. Em fevereiro de 2009, a Amazônia foi classificada em primeiro lugar no Grupo. E, a categoria para as florestas, parques nacionais e reservas naturais. [1]

Índice

1

Etimologia

Amazônia

Amazônia <a href=Fotografia aérea de uma pequena parte da Amazônia brasileira próxima a Manaus , Amazonas . Bioma Floresta tropica l Área 5 500 000 km² Países Nove Brasil Bolívia Colômbia Equador Guiana Guiana Francesa Peru Suriname Venezuela Rios Amazonas Ponto mais alto 2 993 metros (Pico da Neblina ) Mapa da ecorregião amazônica definida pelo WWF . A linha amarela abrange cerca de bacia de drenagem da Amazônia. As fronteiras nacionais estão mostradas em preto. Imagem de satélite da NASA . " id="pdf-obj-0-122" src="pdf-obj-0-122.jpg">
Amazônia <a href=Fotografia aérea de uma pequena parte da Amazônia brasileira próxima a Manaus , Amazonas . Bioma Floresta tropica l Área 5 500 000 km² Países Nove Brasil Bolívia Colômbia Equador Guiana Guiana Francesa Peru Suriname Venezuela Rios Amazonas Ponto mais alto 2 993 metros (Pico da Neblina ) Mapa da ecorregião amazônica definida pelo WWF . A linha amarela abrange cerca de bacia de drenagem da Amazônia. As fronteiras nacionais estão mostradas em preto. Imagem de satélite da NASA . " id="pdf-obj-0-124" src="pdf-obj-0-124.jpg">

Fotografia aérea de uma pequena parte da Amazônia brasileira próxima a Manaus, Amazonas.

Amazônia <a href=Fotografia aérea de uma pequena parte da Amazônia brasileira próxima a Manaus , Amazonas . Bioma Floresta tropica l Área 5 500 000 km² Países Nove Brasil Bolívia Colômbia Equador Guiana Guiana Francesa Peru Suriname Venezuela Rios Amazonas Ponto mais alto 2 993 metros (Pico da Neblina ) Mapa da ecorregião amazônica definida pelo WWF . A linha amarela abrange cerca de bacia de drenagem da Amazônia. As fronteiras nacionais estão mostradas em preto. Imagem de satélite da NASA . " id="pdf-obj-0-194" src="pdf-obj-0-194.jpg">

Mapa da ecorregião amazônica definida pelo WWF. A linha amarela abrange cerca de bacia de drenagem da Amazônia. As fronteiras nacionais estão mostradas em preto. Imagem de satélite da NASA.

  • 2 Conceito e subdivisões

  • 3 História

3.1

Formação

3.2

Lendas

3.3

Presença humana

  • 4 Geografia

4.1

Clima

4.2

Solo

4.3

Rio Amazonas

  • 5 Biodiversidade

5.1

Vegetação

  • 6 Conservação e desmatamento

  • 7 Críticas às privatizações da Amazônia

  • 8 Ver também

  • 9 Notas

    • 10 Referências

    • 11 Bibliografia

    • 12 Ligações externas

Etimologia

Entre 1540 e 1542, Francisco de Orellana desceu o rio Amazonas em toda sua extensão, a partir dos Andes. O rio foi batizado de rio Orellana, [2] mas era chamado pelos indígenas de Paraná-assú, dentre outros nomes. [3] Alguns trabalham indicam também os nomes rio de la Canela, rio Grande de La Mar Dulce e rio Marañon. [4]

Orellana, através de Frei Gaspar de Carvajal, seu cronista, relata ter encontrado, na foz do rio Nhamundá no rio Amazonas, índias guerreiras, sem maridos, por ele denominadas Amazonas (e chamadas pelos índios de Icamiabas), em referência a uma lendária tribo de mulheres guerreiras damitologia grega. A partir daí, o rio seria chamado rio das Amazonas. [5][6][7][8]

Em 1808, Humboldt usaria o termo Hileia (Hylaea) para denominar a região. [9][10] Silva (1833) a chamaria de país das Amazonas (termo popularizado pelo barão Santa Anna Néri, 1899), [11] e Rugendas (1835) de região do Amazonas.

Martius (1858) a chamaria de Nayades. [12][13] Wappäus (1884) usaria os termos "zona equatorial", "mata tropical" ou "Hylaea do Amazonas". [14]

Conceito e subdivisões

A conceito de Amazônia pode variar dependendo do ponto de vista (fisiográfico, geomorfológico, biogeográfico, político, de planejamento territorial, etc), [15] assim como a terminologia utilizada e, consequentemente, a extensão de sua área e suas subdivisões

Divisão fitogeográfica proposta por Rizzini (1963): [16]

  • III. Província Amazônica (inclui Floresta amazônica e Campos do Alto Rio Branco)

III

III

  • D. Subprovíncia da Planície Terciária

III

2 Conceito e subdivisões 3 História 3.1 Formação 3.2 Lendas 3.3 Presença humana 4 Geografia 4.1Francisco de Orellana desceu o rio Amazonas em toda sua extensão, a partir dos Andes . O rio foi batizado de rio Orellana, mas era chamado pelos indígenas de Paraná-assú, dentre outros nomes. Alguns trabalham indicam também os nomes rio de la Canela , rio Grande de La Mar Dulce e rio Marañon . Orellana, através de Frei Gaspar de Carvajal , seu cronista, relata ter encontrado, na foz do rio Nhamundá no rio Amazonas, índias guerreiras, sem maridos, por ele denominadas Amazonas (e chamadas pelos índios de Icamiabas ), em referência a uma lendária tribo de mulheres guerreiras d a mitologia grega . A partir daí, o rio seria chamado rio das Amazonas. Em 1808, Humboldt usaria o termo Hileia ( Hylaea ) para denominar a região. Silva (1833) a chamaria de país das Amazonas (termo popularizado pelo barão Santa Anna Nér i , 1899), e Rugendas (1835) de região do Amazonas. Martius (1858) a chamaria de Nayades . Wappäus (1884) usaria os termos "zona equatorial", "mata tropical" ou "Hylaea do Amazonas". Conceito e subdivisões A conceito de Amazônia pode variar dependendo do ponto de vista (fisiográfico, geomorfológico, biogeográfico, político, de planejamento territorial, etc), assim como a terminologia utilizada e, consequentemente, a extensão de sua área e suas subdivisões Divisão fitogeográfica proposta por Rizzini (1963): III. Província Amazônica (inclui Floresta amazônica e Campos do Alto Rio Branco) III A. Subprovíncia do Alto Rio Branco Esquema biogeográfico , por Morrone (2001): B. Subprovíncia do Jari - Trombetas III C. Subprovíncia do Rio Negro III D. Subprovíncia da Planície Terciária III Região Neotropical Sub-região Amazônica Províncias: Napo , Imerí , Guiana , Guiana Húmida, Roraima , Amapá , Várzea, Ucayali , Madeira , Tapajós - Xingú , Pará , Pantanal , Yungas " id="pdf-obj-1-198" src="pdf-obj-1-198.jpg">

Províncias: Napo, Imerí, Guiana, Guiana Húmida, Roraima, Amapá, Várzea, Ucayali, Madeira, Tapajós-Xingú, Pará, Pantanal, Yungas

Tipos de vegetação por Rizzini (1997): [18]

Tipos de <a href=vegetação por Rizzini (1997): Florestas pluviais (= florestas húmidas ) Floresta amazônica (= Hiléia) Mata de várzea Mata de terra firme Igapó Catingas do rio Negro Tipos de vegetação presentes na região florística amazônica, segundo o IBGE (2012): floresta ombrófila densa floresta ombrófila aberta floresta estacional sempre-verde campinarana História Formação Parte da amazônia brasileira em área próxima a Manaus. Vista do Parque Nacional de Manú, no Peru. A floresta provavelmente se formou durante o período Eoceno . Ela apareceu na sequência de uma redução global das temperaturas tropicais do Oceano Atlântico , quando ele tinha se alargado o suficiente para proporcionar um clima quente e úmido para a bacia amazônica . A floresta tropical tem existido por pelo menos 55 milhões de anos e a maior parte da região permaneceu livre por biomas do tipo savanas por, pelo menos, até a Era do Gelo Atual , quando o clima era mais seco e as savanas mais generalizadas. Após o evento da Extinção Cretáceo-Paleogeno , a subsequente extinção dos dinossauros e o clima mais úmido permitiram que a floresta tropical se espalhasse por todo o continente. Entre 65-34 milhões de anos atrás, a floresta se estendia até o sul do Paralelo 45 S . Flutuações climáticas durante os últimos 34 milhões anos têm permitido que as regiões de savana se expandam para os trópicos . Durante o período Oligoceno , por exemplo, a floresta tropical atravessou a faixa relativamente estreita que ficava em sua maioria acima da latitude 15 °N . Expandiu-se novamente durante o Mioceno Médio e, em seguida recolheu-se a uma formação na maior parte do interior no último máximo glacial . No entanto, a floresta ainda conseguiu prosperar durante este s períodos glaciais , permitindo a sobrevivência e aevolução de uma ampla diversidade de espécies . [22] Durante Mioceno Médio, acredita-se que a bacia de drenagem da Amazônia foi dividida ao longo do meio do continente pel o Arco de Purus . A água no lado oriental fluiu para o Atlântico , enquanto a água a oeste fluiu em direção ao Pacífico através da Bacia do Amazonas . Com o crescimento do Andes , no entanto, uma grande bacia foi criada em um lago fechado, agora conhecida como a Bacia do Solimões . Dentro dos últimos 5-10 milhões de anos, esta acumulação de água rompeu o Arco de Purus, juntando-se em um fluxo único em direção ao leste do Oceano Atlântico. Há evidências de que tenha havido mudanças significativas na vegetação da floresta tropical amazônica ao longo dos últimos 21 000 anos através do Último Máximo Glacial e a subsequente deglaciação. Análises de depósitos de sedimentos de paleolagos da Bacia do Amazonas indicam que a precipitação na bacia durante o UMG foi menor do que a atual e isso foi quase certamente associado com uma cobertura vegetal tropical úmida reduzida na bacia. Não há debate, no entanto, sobre quão extensa foi essa redução. Alguns cientistas argumentam que a floresta tropical foi reduzida para pequenos e isolados refugia , separados por floresta aberta e pastagens; outros cientistas argumentam que a floresta tropical permaneceu em grande parte intacta, mas muito se estendeu muito " id="pdf-obj-2-15" src="pdf-obj-2-15.jpg">

Floresta amazônica (= Hiléia)

[13]

Tipos de vegetação presentes na região florística amazônica, segundo o IBGE (2012):

História

Formação

Parte da amazônia brasileira em área próxima a Manaus.
Parte da amazônia brasileira em
área próxima a Manaus.
Vista do Parque Nacional de Manú, no Peru.
Vista do Parque Nacional de Manú,
no Peru.

A floresta provavelmente se formou durante o período Eoceno. Ela apareceu na sequência de uma redução global das temperaturas tropicais do Oceano Atlântico, quando ele tinha se alargado o suficiente para proporcionar um clima quente e úmido para a bacia amazônica. A floresta tropical tem existido por pelo menos 55 milhões de anos e a maior parte da região permaneceu livre por biomas do tipo savanas por, pelo menos, até a Era do Gelo Atual, quando o clima era mais seco e as savanas mais generalizadas. [19][20]

Após o evento da Extinção Cretáceo-Paleogeno, a subsequente extinção dos dinossauros e o clima mais úmido permitiram que a floresta tropical se espalhasse por todo o continente. Entre 65-34 milhões de anos atrás, a floresta se estendia até o sul do Paralelo 45 S. Flutuações climáticas durante os últimos 34 milhões anos têm permitido que as regiões de savana se expandam para os trópicos. Durante o período Oligoceno, por exemplo, a floresta tropical atravessou a faixa relativamente estreita que ficava em sua maioria acima da latitude 15 °N. Expandiu-se novamente durante o Mioceno Médio e, em seguida recolheu-se a uma formação na maior parte do interior no último máximo glacial. [21] No entanto, a floresta ainda conseguiu prosperar durante estes períodos glaciais, permitindo a sobrevivência e aevolução de

uma ampla diversidade deespécies .

[22]

Durante Mioceno Médio, acredita-se que a bacia de drenagem da Amazônia foi dividida ao longo do meio do continente peloArco de Purus. A água no lado oriental fluiu para o Atlântico, enquanto a água a oeste fluiu em direção ao Pacífico através da Bacia do Amazonas. Com o crescimento do Andes, no entanto, uma grande bacia foi criada em um lago fechado, agora conhecida como a Bacia do Solimões. Dentro dos últimos 5-10 milhões de anos, esta acumulação de água rompeu o Arco de Purus, juntando-se em um fluxo único em direção ao leste do Oceano Atlântico. [23][24]

Há evidências de que tenha havido mudanças significativas na vegetação da floresta tropical amazônica ao longo dos últimos 21 000 anos através do Último Máximo Glacial e a subsequente deglaciação. Análises de depósitos de sedimentos de paleolagos da Bacia do Amazonas indicam que a precipitação na bacia durante o UMG foi menor do que a atual e isso foi quase certamente associado com uma cobertura vegetal tropical úmida reduzida na bacia. [25] Não há debate, no entanto, sobre quão extensa foi essa redução. Alguns cientistas argumentam que a floresta tropical foi reduzida para pequenos e isolados refugia, separados por floresta aberta e pastagens; [26] outros cientistas argumentam que a floresta tropical permaneceu em grande parte intacta, mas muito se estendeu muito

menos para o norte, sul e leste do que é visto hoje. [27] Este debate tem-se revelado difícil de resolver porque as limitações práticas de trabalho na floresta tropical significam que a amostragem de dados é tendenciosa de acordo com a distância do centro da bacia amazônica e ambas as explicações são razoavelmente bem apoiadas pelos dados disponíveis.

Lendas

Diversas são as lendas relacionadas à Amazônia. O Eldorado, uma cidade cujas construções seriam todas feitas de ouro maciço e cujos tesouros existiriam em quantidades inimagináveis, e o lago Parima (supostamente a Fonte da juventude). Provavelmente estas duas lendas referem-se à existência real do Lago Amaçu, que tinha uma pequena ilha coberta de xisto micáceo, um material que produz forte brilho ao ser iluminado pela luz dosol e que produzia a ilusão de riquezas aos europeus.

Presença humana

Com base em evidências arqueológicas de uma escavação na Caverna da Pedra Pintada,

habitantes humanos se estabeleceram na região amazônica pelo menos há 11 200 anos

atrás. [28] O

desenvolvimento posterior levou a assentamentos pré-históricos tardios ao longo

[29]

da periferia da floresta em 1.250 AD, o que induziu a alterações na cobertura florestal.

Durante muito tempo, pensou-se que a floresta amazônica havia sido sempre pouco povoada, já que seria impossível sustentar uma grande população através da agricultura, devido à pobreza do solo da região. A arqueóloga Betty Meggers foi uma importante defensora desta ideia, tal como descrito em seu livro "Amazônia: Homem e Cultura em um paraíso falsificado". Ela alegou que uma densidade populacional de 0,2 habitante por quilômetro quadrado era o máximo que poderia ser sustentado pela floresta tropical através da caça, sendo a agricultura necessária para acolher uma população maior. [30] No entanto, recentes descobertas antropológicas têm sugerido que a região amazônica realmente chegou a ser densamente povoada. Cerca de 5 milhões de pessoas podem ter vivido na Amazônia no ano de 1500, divididos entre densos assentamentos costeiros, tais como em Marajó, e moradores do interior. Em 1900, a população tinha caído para 1 milhão e, no início dos anos 1980, era inferior a 200 000 pessoas. [31]

Geoglifos em terras desmatadas na floresta amazônica do Acre, no Brasil
Geoglifos em terras
desmatadas na floresta
amazônica do Acre, no
Brasil
Megalitos no Parque Arqueológico do Solstício, no estado do Amapá, erguidos entre 500 e 2000 anos
Megalitos no Parque Arqueológico
do Solstício, no estado do Amapá,
erguidos entre 500 e 2000 anos
atrás, provavelmente para a
realização de observações
astronômicas.

O primeiro europeu a percorrer o comprimento do rio Amazonas foi o espanhol Francisco de Orellana em 1542. [32] O programa Unnatural Histories, da BBC, apresenta evidências de que Orellana, ao invés de exagerar em seus relatos, como se pensava anteriormente, estava correto em suas observações de que uma civilização complexa estava florescendo ao longo da Amazônia na década de 1540. Acredita-se que a civilização mais tarde foi devastada pela propagação de doenças provenientes da Europa, como a varíola. [33]

Desde os anos 1970, vários geoglifos foram descobertos em terras desmatadas datados entre o ano 0 e 1250, impulsionando alegações sobre civilizações pré- colombianas. [34][35] Alceu Ranzi, geógrafo brasileiro, é creditado pela primeira descoberta de geoglifos enquanto sobrevoava o estado do Acre. [36] A rede BBC apresentou provas de que a floresta amazônica, em vez de ser uma selva virgem, foi moldada pelos humanos há pelo menos 11 000 anos, através de práticas como a jardinagem florestal e a terra preta. [33]

A terra preta está distribuída por grandes áreas da floresta amazônica e é agora amplamente aceita como um produto resultante do manejo do solo pelos indígenas. O desenvolvimento deste solo fértil permitiu a agricultura e a silvicultura no antigo ambiente hostil, o que significa que grande parte da floresta amazônica é, provavelmente, o resultado de séculos de intervenção humana, mais do que

A Amazônia é uma das três grandes florestas tropicais do mundo e a maior floresta delas, enquanto perde em tamanho para a taiga siberiana que é uma floresta de

coníferas, árvores em forma de cones, ospinheiros .

A Floresta Amazônica possui a aparência, vista de cima, de uma camada contínua de copas largas, situadas a aproximadamente 30metros acima do solo. A maior parte de seus cinco milhões de quilômetros quadrados, ou 42 por cento do território brasileiro, é composta por uma floresta que nunca se alaga, em uma planície de 130 a 200 metros de altitude, formada por sedimentos do lago Belterra, que ocupou a bacia Amazônica entre 1,8 milhão e 25 mil anos atrás. Ao tempo em que os Andes se erguiam, os rios cavaram seu leito. [carece de fontes?]

Imagem de satélite da floresta Amazônica
Imagem de satélite da floresta
Amazônica

Clima

No Pleistoceno o clima da Amazônia alternou-se entre frio-seco, quente-úmido e quente-seco. Na última fase frio-seca, há cerca de 18 ou 12 mil anos, o clima amazônico era semiárido, e o máximo de umidade ocorreu há sete mil anos. Na fase semiárida, predominaram as formações vegetais abertas, como cerrado e caatinga, com "refúgios" onde sobrevivia a floresta. Atualmente o cerrado subsiste em abrigos no interior da mata. [carece de fontes?]

Atualmente, o clima na floresta Amazônica é equatorial, quente e úmido, devido à proximidade à Linha do Equador (contínua à Mata Atlântica), com a temperatura variando pouco durante o ano. As chuvas são abundantes, com as médias de precipitação anuais variando de 1 500 mm a 1 700 mm, podendo ultrapassar 3 000 mm na foz do rio Amazonas e no litoral do Amapá. O principal período chuvoso

dura seis meses. [carece de fontes?]

Fotografia do limbo da Terra vista da Estação Espacial Internacional, sobre o Norte do Brasil, durante
Fotografia do limbo da Terra vista da
Estação Espacial Internacional,
sobre o Norte do Brasil, durante a
Expedição 20. A vegetação da
Amazônia, a maior floresta tropical
da Terra, influencia fortemente o
ciclo da água regional.

A Amazônia é considerada pela comunidade científica uma peça importante para o equilíbrio climático em quase toda a América do Sul. Parte da umidade do ar (que, posteriormente, se transforma em chuva) importante para as regiões Centro Oeste, Sul e Sudeste do Brasil em vários meses do ano são justamente da Amazônia, levada pelos ventos para essas regiões. A Amazônia é importante para o equilíbrio do clima no Brasil, no Paraguai, no Uruguai e até na Argentina. [39][40]

Solo

O solo amazônico é bastante pobre, contendo apenas uma fina camada de nutrientes. Contudo, a flora e fauna mantêm-se em virtude do estado de equilíbrio (clímax) atingido pelo ecossistema. O aproveitamento de recursos é ótimo, havendo o mínimo de perdas. Um claro exemplo está na distribuição acentuada de micorrizas pelo solo, que garantem às raízes uma absorção rápida dos nutrientes que escorrem da floresta com as chuvas. Também forma-se no solo uma camada de decomposição de folhas, galhos e animais mortos, rapidamente convertidos em nutrientes e aproveitados antes da lixiviação. Tal conversão dá-se pelo fato de os fungos ali encontrados serem saprofíticos. [carece de fontes?]

Rio Amazonas

Ilha de Marajó, no Brasil. Ao longo de seu percurso, ele recebe os nomes

Tunguragua, Apurímac, Marañón, Ucayali, Amazonas (a partir da junção do rios

Marañon e Ucayali, no Peru), Solimões e novamente Amazonas (a partir da junção

do rios Solimões e Negro, no Brasil). Por muito tempo, acreditou-se que o Rio

Amazonas fosse o rio mais caudaloso do mundo e o segundo em comprimento, [41]

porém pesquisas recentes o apontam também como o rio mais longo do

mundo [41][42] É o rio com a maior bacia hidrográfica do mundo, ultrapassando os 7

..

milhões de quilômetros quadrados, grande parte deles deselva tropical.

Imagem de satélite do rio Amazonas
Imagem de satélite do rio Amazonas

A área coberta por água no Rio Amazonas e seus afluentes mais do que triplica durante as estações do ano. Em média, na estação

seca, 110 000 km² estão submersas, enquanto que, na estação das chuvas, essa área chega a ser de 350 000 km². No seu ponto mais

largo, atinge, na época seca, 11 km de largura, que se transformam em 45 km na estação das chuvas.

Biodiversidade

Araracanga, ave natural da América tropical
Araracanga, ave natural da
América tropical

Florestas tropicais úmidas são biomas muito biodiversos e as florestas tropicais da América

são consistentemente mais biodiversas do que as florestas úmidas da África e Ásia. [43] Com a

maior extensão de floresta tropical da América, as florestas tropicais da Amazônia têm

inigualável biodiversidade. Uma em cada dez espécies conhecidas no mundo vive na Floresta

Amazônica. [44] Esta constitui a maior coleção de plantas vivas e espécies animais no mundo.

A região é o lar de cerca de 2,5 milhões de espécies de insetos, [45] dezenas de milhares de

plantas e cerca de 2 000 aves e mamíferos. Até o momento, pelo menos 40 000 espécies de

plantas, 3 000 de peixes, 1 294 aves, 427 mamíferos, 428 anfíbios e 378 répteis foram

classificadas cientificamente na região. [46] Um em cada cinco de todos os pássaros no mundo

vivem nas florestas tropicais da Amazônia. Os cientistas descreveram entre 96 660 e 128 843

espécies de invertebrados só no Brasil. [47]

A diversidade de espécies de plantas é a mais alta da Terra, sendo que alguns especialistas

estimam que um quilômetro quadrado amazônico pode conter mais de mil tipos de árvores e

milhares de espécies de outras plantas superiores. De acordo com um estudo de 2001, um

[48]

quarto de quilômetro quadrado de floresta equatoriana suporta mais de 1 100 espécies de árvores.

Um quilômetro quadrado de floresta amazônica pode conter cerca de 90 790 toneladas métricas de plantas vivas. A biomassa da

planta média é estimada em 356 ± 47 toneladas ha 1 . [49] Até o momento, cerca de 438 mil espécies de plantas de interesse

econômico e social têm sido registradas na região, com muitas mais ainda a serem descobertas ou catalogadas. [50]

A área foliar verde das plantas e árvores na floresta varia em cerca de 25 por cento, como resultado de mudanças sazonais. Essa área

expande-se durante a estação seca quando a luz solar é máxima, então sofre uma abscisão durante a estação úmida nublada. Estas

mudanças fornecem um balanço decarbono entre fotossíntese e respiração. [51]

pode atordoar ou matar, enquanto que as piranhas são conhecidas por morder e machucar seres humanos. Em suas águas, também é

possível se observar um dos maiores peixes de água doce do mundo, o pirarucu. [52] Várias espécies de sapos venenosos secretam

na floresta e podem espalhar o vírus da raiva. [53] Malária, febre amarela e dengue também podem ser contraídas na região

amazônica.

A fauna e flora amazônicas foram descritas no impressionanteFlora Brasiliensis (15

volumes), de Carl von Martius, naturalista austríaco que dedicou boa parte de sua

vida à pesquisa da Amazônia, no século XIX. Todavia, a diversidade de espécies e a

dificuldade de acesso às copas elevadas tornam ainda desconhecida grande parte das

riquezas faunísticas.

Vegetação Paisagem da Amazônia a oeste de Manaus, no Brasil
Vegetação
Paisagem da Amazônia a oeste de
Manaus, no Brasil

A Amazônia é uma das três grandes

hileia amazônica (como a definiu

aparência, vista de cima, de uma

camada contínua de copas, situadas

a aproximadamente 50 metros do

solo.

O desmatamento na Amazônia ameaça muitas espécies de rãs de árvore, que são muito sensíveis às
O desmatamento na Amazônia
ameaça muitas espécies de rãs de
árvore, que são muito sensíveis às
mudanças ambientais. Na imagem, o
Dendrobates leucomelas.

Existem três tipos de floresta da Amazônia. As duas últimas formam a Amazônia

Vista aérea de uma região da Amazônia próxima a Manaus
Vista aérea de uma região da
Amazônia próxima a Manaus

pela menor densidade, está localizada em planaltos pouco elevados (30-200 metros)

e apresenta um solo extremamente pobre em nutrientes. Isto forçou uma adaptação

das raízes das plantas, que, através de uma associação simbiótica com alguns tipos

de fungos, passaram a decompor rapidamente a matéria orgânica depositada no solo,

a fim de absorver os nutrientes antes deles serem lixiviados. A floresta fluvial

alagada também apresenta algumas adaptações às condições do ambiente, como

raízes respiratórias, que possuem poros que permitem a absorção de oxigênio

atmosférico. As áreas localizadas em terrenos baixos e sujeitos a inundações

periódicas por águas brancas ou turvas, provenientes de rios de regiões ricas em

matéria orgânica, são chamadas de florestas de várzea. E as áreas alagadas por águas

escuras, que percorrem terras arenosas e pobres em minerais e que assumem uma coloração escura devido à matéria orgânica

presente, são chamadas deflorestas de igapó. A oscilação do nível das águas pode chegar a até dez metros de altura.

A dificuldade para a entrada de luz pela abundância de copas faz com que a vegetação rasteira seja muito escassa na Amazônia, bem

como os animais que habitam o solo e precisam desta vegetação. A maior parte da fauna amazônica é composta de animais que

habitam as copas das árvores, entre 30 e 50 metros.

A diversidade de espécies, porém, e a dificuldade de acesso às altas copas, faz com que grande parte da fauna ainda seja

desconhecida. A fauna e flora amazônicas foram descritas no impressionante Flora Brasiliensis (15 volumes), de Carl von Martius,

naturalista austríaco que dedicou boa parte de sua vida à pesquisa da Amazônia, noséculo XIX.

A Amazônia não é homogênea, ao contrário, ela é formada por um mosaico de hábitats bastante distintos. A diversidade de hábitats

inclui as florestas de transição, as matas secas e matas semidecíduas; matas de bambu (Guadua spp.), campinaranas, enclaves de

cerrado, buritizais, florestas inundáveis (igapó e várzea), e a floresta de terra firme.

Conservação e desmatamento

O desmatamento é a conversão de áreas florestais para áreas não florestadas. As principais fontes de desmatamento na Amazônia são

assentamentos humanos e o desenvolvimento da terra. [54] Antes do início dos anos 1960, o acesso ao interior da floresta era muito

restrito e a floresta permaneceu basicamente intacta. [55]

Fazendas estabelecidas durante a década de 1960 eram

baseadas no cultivo e corte e no método de queimar. No

entanto, os colonos eram incapazes de gerir os seus campos

e culturas por causa da perda de fertilidade do solo e a

invasão de ervas daninhas. [56] Os solos da Amazônia são

produtivos por apenas um curto período de tempo, o que

faz com que os agricultores estejam constantemente

mudando-se para

novas

áreas

e

desmatando mais

florestas. [56]

Estas práticas agrícolas levaram ao

desmatamento e causaram extensos danos ambientais. [57] O

desmatamento é considerável e áreas desmatadas de

floresta são visíveis a olho nu doespaço exterior.

Entre 1991 e 2000, a área total de floresta perdida na

Reproduzir conteúdo Vídeo de uma série de imagens de satélite do desmatamento em Rondônia
Reproduzir conteúdo
Vídeo de uma série de imagens de satélite do
desmatamento em Rondônia

Amazônia subiu de 415 000 para 587 000 quilômetros quadrados, com a maioria da floresta desmatada sendo transformada em

pastagens para o gado. [58] Setenta por cento das terras anteriormente florestadas da Amazônia e 91% das terras desmatadas desde

1970 são usadas para pastagem de gado. [59][60] Além disso, o Brasil é atualmente o segundo maior produtor mundial de soja depois

dos Estados Unidos. As necessidades dos agricultores de soja têm sido usadas para validar muitos dos projetos de transporte

controversos que estão atualmente em desenvolvimento na Amazônia. As duas primeiras rodovias com sucesso abriram a floresta

tropical e levaram ao aumento do desmatamento. A taxa de desmatamento médio anual entre 2000 e 2005 (22.392 km² por ano) foi

18% maior do que nos últimos cinco anos (19.018 km² por ano). [61] O desmatamento tem diminuído significativamente na Amazônia

brasileira desde 2004. [62]

Entretanto, segundo o relatório Assessment of the Risk of Amazon Dieback feito pelo Banco Mundial, cerca de 75 por cento da

floresta podem ser perdidos até 2025. [carece de fontes?] Em 2075, podem restar apenas 5 por cento de florestas no leste da Amazônia.

[carece de fontes?] O processo é resultado de desmatamento, mudanças climáticas e queimadas.

[carece de fontes?]

Ambientalistas estão preocupados com a perda de biodiversidade resultante da destruição da floresta. Outro fator preocupante é a

emissão de carbono, que pode acelerar o aquecimento global. A vegetação da Amazônia possui cerca de 10% das reservas de carbono

do mundo em seu ecossistema. Estudos mostram que o desmatamento insustentável da floresta levará à redução das chuvas e ao

aumento da temperatura. [63]

Críticas às privatizações da Amazônia

Em agosto de 2017 foi publicado no Diário Oficial da União (DOU) a decisão do presidente Michel Temer de extinguir a Reserva

Nacional do Cobre e seus associados (Renca), liberando uma área com 47 mil metros quadrados para mineração privada. [64] O

protegidas em prol de interesses privados". O diretor-executivo da WWF no Brasil, Maurício Voivodic disse que "É uma tragédia

realmente anunciada. Vai resultar em desmatamento, contaminação dos rios e o perigo da atividade mineira é associado a outras

atividades ilegais, como garimpo. É uma visão antiga de desenvolvimento, da Amazônia como provedora de recursos naturais".

Voivodic citou como exemplo o desastre deMariana e do Rio Doce envolvendo a mineradoraSamarco .

[65]

Ver também

Notas

  • 1. A respeito da aplicação do termo "bioma" à área fito- e biogeográfica da Amazônia, na literatura científica brasileira, em detrimento do uso internacional do termo, confiraBioma#História do conceito.

Referências

10. Kohlhepp, G. (2006). Descobertas científicas da

Expedição de Alexander von Humboldt na América

Espanhola (1799-1804) sob ponto de vista geográfico.

Revista de Biologia e Ciências da Terra 6(1): 260-278,

jan./mar. Disponível em:

  • 17. Morrone, J. J. (2001). Biogeografía de América Latina

y el Caribe. Zaragoza [Espanha]: Sociedad

Entomológica Aragonesa - SEA. 148 p. (M&T:

manuales y tesis SEA, v. 3). Disponível em:

character character in |coautor= at position 38

Institute of British Geographers. 30 (4): 477–499.

em 25 de setembro de 2008

  • 22. Malhi, Yadvinder; Phillips, Oliver (2005).T ropical Forests & Global Atmospheric Change. [S.l.]: Oxford University

Antiquity. 83 (322): 1084–1095

..

2002.

Neogene and Quaternary history of vegetation,

climate, and plant diversity in Amazonia. Elsevier

1)

  • 28. Roosevelt, A. C.; da Costa, M. Lima; Machado, C. Lopes; Michab, M.; Mercier, N.; Valladas, H.; Feathers, J.; Barnett, W.; da Silveira, M. Imazio; Henderson, A.; Sliva, J.; Chernoff, B.; Reese, D. S.; Holman, J. A.; Toth, N.; Schick, K.; (19 de abril de 1996). «Paleoindian Cave Dwellers in the Amazon: The Peopling of the Americas».Science . 272 (5260): 373–

outubro de 2007

2007

2008

resources relating to the Brazilian Amazonia.)

Bibliografia

  • Ab'Saber, A. (2002). Bases para o estudo dos ecossistemas da Amazônia brasileira.Estudos Avançados 16(45): 7- 30, [14].

  • Ab'Sáber, A. (2003). Domínios da natureza no Brasil: potencialidades paisagísticas. São paulo: Ateliê Edtorial,[15] .

  • Ab'Sáber, A. (2004). Amazônia: do discurso à práxis. 2a ed. São Paulo: Edusp,[16] . (1a ed., 1996).

  • Barreto, G. (2006). Um dia na Amazônia. Literatura Infantil. Campanha da Fraternidade de 2007.

  • Hoorn, C., & Wesselingh, F. (Eds.). (2011). Amazonia, landscape and species evolution: a look into the past. John Wiley & Sons, [17].

  • Mesquita, T. (2005). Amazônia revelada: os descaminhos ao longo da BR-163 (filme). Brasília, CNPq. 90 min. son. color.

  • Murça Peres, J. (1984). "The Amazonian forest". In: Sioli, H. (ed.).The Amazon: limnology and landscape ecology of a mighty tropical river and its basin. pp. 581-602. Dordrecht, Holanda: Dr. W. Junk Publishers. link.

  • Pires, J. M. & Prance, G. T. (1985). The vegetation types of Brazilian Amazon. In: G. T. Prance & T. E. Lovejoy (ed.). Key Environment: Amazonia, p. 109-145. Pergamom Press,[18] .

  • Torres, Maurício (org.) Amazônia revelada: os descaminhos ao longo da BR-163. Brasília: CNPq, 2005. Bibliografia. 496 p., fotografias. ISBN 85-86821-63-2

  • UFV (2006). Amazônia. Material da disciplina ENF448 - Recursos Naturais e Manejo de Ecossistemas. içosa:

V

Departamento de Engenharia Florestal,[19] .

UFV,

Ligações externas

Y

T

Esta página foi editada pela última vez à(s) 02h57min de 9 de novembro de 2017.