You are on page 1of 7

TÓPICOS DE CIÊNCIAS

ECONÔMICAS
Unidade 05: Noções de Economia Monetária

SUMÁRIO: 1. EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA MOEDA 2. FUNÇÕES DA MOEDA 3. MEIOS DE PAGAMENTO 3.1 CRIAÇÃO E DESTRUIÇÃO DE
MOEDA (OU DE MEIOS DE PAGAMENTO) 4. POLÍTICA MONETÁRIA 5. A AÇÃO DA POLÍTICA MONETÁRIA REFERÊNCIAS ANOTAÇÕES

UNIDADE 05: NOÇÕES DE ECONOMIA MONETÁRIA

Olá! Seja bem-vindo à 5ª unidade da disciplina de Tópicos de
Ciências Econômicas. Essa unidade tem como objetivos: definir
economia monetária, estudar a história e funções da moeda, conhecer
a política monetária, analisar os instrumentos da política monetária.

1 Evolução Histórica da Moeda
A evolução da moeda representa um passo importantíssimo no desenvolvimento econômico
e, por ser um instrumento utilizado nas transações comerciais no sistema econômico, torna-se
importante o estudo de sua história e funções.
A história da moeda se inicia nos primórdios da civilização, quando os povos eram nômades
e utilizavam o sistema de subsistência, em que produziam apenas seus recursos necessários para
sobrevivência.
Com o passar dos tempos, certas “técnicas” primitivas de produção foram dominadas e eles
começaram a se fixar em regiões determinadas, o que ocasionou a consequente divisão social e de
trabalho. Os grupos de indivíduos exerciam atividades diferentes, proporcionando um crescimento
na produção de bens e serviços gerando um excedente de produtos.
Os excedentes de produtos (bens e serviços) de um grupo era trocado pelos de outros grupos,
o que originou o primeiro processo de comercialização, chamado de escambo, e que consistia na troca
direta de produtos.
Esse processo de comercialização apresentou ao longo do tempo alguns problemas, como o de
encontrar grupos de indivíduos com a mesma afinidade de troca, ou seja, necessidades inversamente
coincidentes e equivalência de produtos.
Os problemas do escambo foram solucionados com a escolha de um produto raro e de difícil
produção, que seria aceito sem restrição por todos os grupos como intermediário de troca, era a
chamada “mercadoria-moeda”. A comercialização, a partir de então, era feita de forma indireta:

46

as transações avançaram consideravelmente. a moeda apresenta as seguintes funções: Intermediária de troca – A moeda é utilizada para facilitar as transações comerciais de compra e venda entre os agentes econômicos. pois eles satisfaziam as seguintes propriedades: homogeneidade. transferibilidade. originaram-se as casas de custódia. As casas de custódia deram lugar aos bancos. facilitando o processo de valoração 47 . o que permitia a reconversão em metais. na maioria dos casos. surgiram os saques e roubos e o transporte de metais ficou bastante perigoso. Este processo foi bastante importante para a concepção e estruturação do sistema monetário e evoluiu com o surgimento da era dos metais (principalmente o ouro e a prata. Medida de valor – A moeda possui a propriedade de estabelecer o padrão de medida de valor. indestrutíveis e de fácil manuseio e transporte. trocando-as mais tarde por outros produtos que necessitavam. A partir daí. Tópicos de Ciências Econômicas os grupos trocavam seus produtos pelas mercadorias-moedas. de forma que a quantidade de metais depositados nas casas de custódia eram maiores do que as retiradas. os cartões de crédito. 2 Funções da Moeda Por ser um instrumento utilizado nas transações comerciais no sistema econômico. ou seja. Os certificados sem lastro passaram a ser chamados de “papel-moeda” e apresentavam o valor correspondente em metais. descritas logo a seguir. como a não homogeneidade. utilizam-se as chamadas moedas magnéticas. o que permitiu uma expansão na emissão de certificados e ocasionou a perda dos lastros. pela raridade). uma vez que esta possui três funções básicas. divisibilidade. Com o passar do tempo. A evolução da moeda representa um passo importantíssimo no desenvolvimento econômico. a difícil divisibilidade e. Esses certificados tinham lastro metálico. perecibilidade. As mercadorias-moedas tornavam as trocas mais simples em relação ao escambo. Nesse tempo. Hoje. que evoluíram consideravelmente e proporcionaram a emissão da moeda fiduciária. que possuía os valores e as quantidades correspondentes em metais que eram depositados nas casas de custódia para serem utilizadas nas transações comerciais. sendo ainda assim aceitos como intermediários de troca nas transações comerciais. satisfazendo suas necessidades ilimitadas e proporcionando o bem-estar econômico e social. também chamada de moeda contábil. propriedades de senhores respeitados que se comprometiam em guardar os metais sob a sua responsabilidade. que eram depositadas nas contas bancárias e utilizadas em transações comerciais. emitindo assim um certificado chamado de moeda-papel. porém apresentavam outros problemas. é um denominador comum de valor dos bens e serviços.

no combate ao processo inflacionário e no estímulo 48 . podendo ser entesourada para futuras transações. 3. Porém. pode-se afirmar que. em qualquer transação comercial que aumenta a quantidade de dinheiro em poder dos agentes econômicos para realizarem suas transações. seja pela apresentação de liquidez por excelência. que são depósitos que não rendem juros) de propriedade do público privado. seja por motivos precaucionais ou especulativos. por exemplo. Tópicos de Ciências Econômicas e contabilização das atividades econômicas. Portanto. Nesse conceito. Reserva de valor – A moeda estabelece uma relação entre o presente e o futuro. tendo em vista que os agentes econômicos pagam o empréstimo. os meios de pagamentos são o somatório da moeda manual que está em posse do público e os depósitos à vista nos bancos comerciais (em conta-corrente. Logo. De acordo com Vasconcellos (2010). Tal política pode ser usada. cabe analisar o processo de criação e destruição dos meios de pagamento. deve-se ressaltar que ao longo do tempo ela sofre um desgaste pelo fenômeno conhecido como processo inflacionário. 3 Meios de pagamento Tendo em vista a participação do setor governamental no sistema econômico e a importância da política monetária como uma política de controle da oferta (quantidade de moeda circulando) na economia. ocorre destruição dos meios de pagamento.1 Criação e Destruição de Moeda (ou de Meios de Pagamento) O processo de criação de moeda ocorre quando há um aumento no volume de meios de pagamento (dinheiro) circulando na economia. reduzindo assim seu poder de compra de bens e serviços. podemos exemplificar alguns processos de controle de criação e destruição dos meios de pagamento: Aumento de empréstimo ao setor privado – Representa criação de moeda. como meios de pagamentos são considerados a totalidade de moeda em poder do público privado não bancário com liquidez imediata. 4 Política Monetária A política monetária tem por objetivo promover a estabilidade interna da economia. Essa política é utilizada pelo governo para controlar a quantidade de moeda e de títulos públicos circulando na economia. Resgate de um empréstimo no banco – Representa destruição de moeda. Já o processo de destruição de moeda ocorre quando há uma redução no volume dos meios de pagamento (dinheiro) circulando na economia. uma vez que os agentes econômicos passam a ter mais dinheiro para realizar suas transações comerciais. caso contrário. ocorre criação dos meios de pagamento.

Dessa forma. a política monetária utiliza os seguintes instrumentos: Emissão de moeda: Esse instrumento diz respeito ao fato do Banco Central regular a quantidade de moeda circulando na economia. um importante mecanismo na economia. podendo ampliar os empréstimos ao público. Redesconto: São empréstimos concedidos do Banco Central para os bancos comerciais quando esses necessitam. assim o Banco Central controla o nível de reservas dos bancos comerciais. o Banco Central realiza operações de compra de títulos públicos para ampliar a oferta de moeda. Determinação da taxa de juros: O Banco Central pode fixar a taxa de juros. Uma taxa de juros elevada desestimula o consumo e encarece os empréstimos. o Banco Central pode emitir mais moeda. O contrário acontece quando a taxa de juros cobrada pelo redesconto é aumentada. é decidida de acordo com os objetivos a serem alcançados na economia. a quantidade de dinheiro disponível dos bancos comerciais para realizar empréstimos diminui. ou seja. agora ficam dispendiosos. Quando há insuficiência de dinheiro na economia. o percentual dos depósitos a serem depositados no Banco Central. levando a aumentar ou diminuir a disponibilidade de dinheiro que eles possuem para empréstimos. Nesse caso. é definido de acordo com a intenção da política monetária. os recursos financeiros liberados pelo Banco Central aos bancos comerciais ficarão mais caros. o Banco Central. A taxa do recolhimento compulsório. Para realizar suas ações. os empréstimos que antes eram mais acessíveis. Os bancos comerciais obrigatoriamente devem depositar uma parcela do dinheiro disponível em seus caixas no caixa do Banco Central. Já se o objetivo for aumentar a circulação de dinheiro na economia. Quando há excesso de dinheiro na economia. Compra e venda de títulos públicos por parte do Governo (Mercado Aberto): Consiste na compra e venda de títulos federais ou obrigações pelo Governo. Tópicos de Ciências Econômicas do crescimento econômico. Recolhimento Compulsório: Este instrumento atua diretamente sobre o nível de reservas dos bancos comerciais. Caso a taxa de juros cobrada pelo redesconto for reduzida. quando necessário. Um dos instrumentos utilizados pelo governo em relação à política monetária é a taxa de juros. logo os bancos comerciais demandarão mais empréstimos. expandindo a quantidade de moeda na economia. No Brasil. a quantidade de dinheiro disponível para empréstimos aumenta. a taxa de reserva compulsória diminuirá. o Banco Central realiza operações de venda de títulos públicos para retirar o excesso de dinheiro. Se o Banco Central aumentar a taxa do recolhimento compulsório. A taxa de juros do redesconto utilizada pela autoridade responsável por executar a política monetária no país. A taxa 49 . o Banco Central (BACEN) é responsável pela condução da política monetária. o que encarecerá os empréstimos aos agentes econômicos. os empréstimos concedidos pelo Banco Central aos bancos comerciais ficarão mais acessíveis.

Uma taxa de juros menor estimula os investimentos na produção e podem trazer aumento da produção e mais emprego. essa política será contracionista. analisando toda a conjuntura econômica do momento. Essas medidas proporcionam uma queda bastante acentuada no poder de compra dos agentes econômicos. No Brasil. Nesse caso. O comitê existe desde 1996. ou seja. ela é serve de base/referência para as demais. 50 . Tópicos de Ciências Econômicas de juros alta diminui a quantidade de dinheiro circulando na economia. pudemos entender o processo de evolução da moeda e a política monetária. empréstimos e consumo na economia. pois diminuirá a quantidade de moeda na economia. ocorrendo o contrário quando a taxa de juros é menor. Um maior investimento significará maior produção e mais emprego. a política monetária visa estabilizar a econômica. Na Unidade 6 veremos mais uma das políticas econômicas do governo: a política cambial. aquecendo a economia. Essa é a primeira política a ser estudada por nós. 5 A ação da Política Monetária Como vimos anteriormente. de redesconto e de juros. Uma política monetária expansionista é utilizada com a finalidade de obter crescimento econômico. se reunindo a cada 45 dias para decidir a taxa de juros. Porém. o que reduz o aquecimento de demanda e faz com que os preços dos bens e serviços caiam. controlando a quantidade de moeda. de redesconto e de juros) que visam aumentar a quantidade de moeda em circulação. os integrantes do COPOM (presidente do BACEN e demais dirigentes do banco) levam em consideração o cenário econômico nacional e internacional. Tais medidas procuram elevar o grau de investimentos. Com os tópicos estudados na Unidade 5. a taxa de juros básica da economia é denominada taxa SELIC. A taxa é decidida por meio das reuniões do COPOM (Comitê de Política Monetária). As demais taxas praticadas no país encontram referência na taxa SELIC. Essa política pode se apresentar de forma expansionista ou contracionista. Para decidir o rumo da taxa de juros. Por exemplo. aumentando a taxa de recolhimento compulsório. a política monetária também é utilizada para controlar a inflação. o Banco Central utilizará seus instrumentos de uma maneira que faça reduzir a quantidade de moeda em circulação. além de contribuir para o aumento do consumo. Sendo expansionista envolve um conjunto de ações (como diminuir a taxa de recolhimento compulsório. Para praticar uma política monetária contracionista.

Paul. São Paulo: Atlas. 1999. São Paulo: Atlas. ROSSETTI. São Paulo: Atlas. ed. Roberto L.. Equipe de Professores da USP. 4. 2002. PINTO. 2. WONNACOTT. Manual de Macroeconomia: Básico e Intermediário. SOUZA. ed. Tópicos de Ciências Econômicas Referências LOPES. Diva B. Silveira das. Introdução à Economia. Fundamentos de Economia. Economia. TROSTER. 2003. ed. Paulo. A.V. 2003. VASCONCELLOS. J. ed. Carlos Roberto M. VASCONCELLOS. ed. Introdução à Economia. M. Introdução à Economia. ed. São Paulo: Saraiva. M. WESSELA. São Paulo: Atlas. 3. 2000. A. S. 2. 3 ed. PASSOS. 20. 2005. E. 5. Economia: Micro e Macro. 2000. Ronald. São Paulo: Frase Editora.. Luiz Martins. MOCHÓN. Introdução à Economia. N. São Paulo: Atlas. São Paulo: Pioneira.. 2005. 1985. Curso de Economia. 2002. ed. Jose Paschoal. 2. Francisco. ________________. São Paulo: Mahron Books. 2. Walter J. 51 . A. Princípios de Economia. NEVES. ed. VICECONITI. São Paulo: Saraiva. M. São Paulo: Atlas. VASCONCELLOS. Manual de Economia. WONNACOTT. 2003.

Sávio Félix Mota Revisão Gramatical: Luís Carlos de Oliveira Sousa 52 . Coordenação do Núcleo de Educação a Distância: Lana Paula Crivelaro Monteiro de Almeida Supervisão Administrativa: Denise de Castro Gomes Produção de Conteúdo Didático: Carlos Alberto Alcântra Alves. Felipe Bezerra dos Santos Projeto Instrucional: Luciana Clícia de Sena Roteiro de Áudio e Vídeo: José Glauber Peixoto Rocha Produção de Áudio e Vídeo: José Moreira de Sousa Identidade Visual: Camila Duarte do Nascimento Moreira. Sávio Félix Mota. Ana Maria de Carvalho Portela. Viviane Cláudia Paiva Arte: Viviane Cláudia Paiva Programação: Antônia Suyanne Lopes Alves Editoração: Camila Duarte do Nascimento Moreira. e foi desenvolvido e implementado por uma equipe composta por profissionais de diversas áreas. TÓPICOS DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS UNIDADE 05 Créditos Núcleo de Educação a Distância O assunto estudado por você nessa disciplina foi planejado pelo professor conteudista. com o objetivo de apoiar e facilitar o processo ensino-aprendizagem. que é o responsável pela produção de conteúdo didático.