Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Mestrado em Ciência da Informação Linha: Representação e Organização da Informação e do Conhecimento Disciplina: Metodologia

de Pesquisa em Ciência da Informação Prof. Dr. André Porto AnconaLopez Aluno: Raphaelda Silva Cavalcante e-mail: xrapha@gmail.com Orientadora: Dra. Marisa BräscherBasilioMedeiros

A TAXONOMIA NAVEGACIONAL COMO INSTRUMENTO DE ORGANIZAÇÃO EM SÍTIOS DE COMÉRCIO ELETRÔNICO: REFLEXÕES SOBRE A CONSTRUÇÃO

2010

RESUMO
As taxonomias navegacionais consagraram-se como instrumentos utilizados na organização e na localização de produtos disponibilizados em sítios de comércio eletrônico. Diante das semelhanças que estas ferramentas encerram em relação às linguagens documentárias tradicionais, considerando a dicotomia de Conway e Sligar (2001), propõe-se uma pesquisa que verifique o emprego das taxonomias navegacionais como instrumentos para representação e organização da informação. Para tanto, selecionarse-á uma amostra de taxonomias empregadas em sítios de empresas varejistas de comércio eletrônico com o intuito de contrapor os princípios classificatórios utilizados na construção de tais instrumentos às teorias e princípios clássicos da área de classificação: a classificação facetada de Ranganathan, a Teoria do Conceito de Dahlberg, a relação semântica estabelecida entre os termos de um tesauro. Dessa forma, almeja-se identificar se as práticas de construção de taxonomias navegacionais contemplam os critérios levantados na literatura sobre ferramentas para representação e organização da informação.

PROBLEMA

O surgimento das novas tecnologias informacionais, sobretudo o advento da Web, ao longo da segunda metade do século XX, ocasionou mudanças significativas nas formas de produção, disponibilização e acesso à informação. Criou-se um ambiente digital, composto por milhões de páginas voláteis e estruturadas em hyperlinks, que proporcionou um acentuado crescimento informacional, comparado, segundo Feitosa (2005), a uma montanha cada vez mais alta e volumosa. Em resposta a este desafio, a área de Representação e Organização do Conhecimento criou e/ou adaptou mecanismos capazes de atuar no cenário emergente. Dentre estas ferramentas, ressaltam-se as taxonomias. De acordo com Terra et al. (2005), uma taxonomia é um vocabulário controlado de uma determinada área do conhecimento, e, acima de tudo, um instrumento ou elemento de estrutura que permite alocar, recuperar e comunicar informações dentro de um sistema sob uma premissa lógica. Sítios de comércio eletrônico encontraram na taxonomia navegacional um instrumento adequado à exposição de produtos para venda. Sobre este tipo de taxonomia, Conway e Sligar (2002) a caracterizam como um

instrumento que disponibiliza um conjunto de informações de forma que ele possa ser recuperado através da navegação do usuário. No âmbito da Ciência da Informação, é notável a semelhança que as taxonomias, na condição de ferramentas para representação e organização da informação, apresentam em relação às linguagens documentárias tradicionais. Entretanto percebe-se a escassez, na literatura científica, de pesquisas que abordem tal aproximação de forma sistemática, o que impossibilita verificar se as diretrizes utilizadas para a construção das linguagens documentárias também podem empregadas na construção das taxonomias navegacionais. Assim, surge a questão: diante das semelhanças que as taxonomias encerram em relação às linguagens documentárias tradicionais, as práticas de construção de taxonomias navegacionais contemplam critérios levantados na literatura acerca de ferramentas para a organização e representação da informação?

OBJETIVO GERAL

Verificar se as práticas de construção de taxonomias navegacionais contemplam os critérios levantados na literatura acerca das linguagens documentárias tradicionais.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

Caracterizar a taxonomia navegacional como instrumento para recuperação e organização da informação em sítios de comércio eletrônico.

Comparar os modelos de construção das linguagens documentárias tradicionais com os modelos de construção de taxonomias.

Consolidar diretrizes para a construção de taxonomias navegacionais em sítios de comércio eletrônico

JUSTIFICATIVA

A questão da recuperação e da organização da informação precede a concepção da Ciência da Informação como área do conhecimento. Bibliotecas da antiguidade já apresentavam instrumentos que facilitavam a busca por fontes de informação. Neste sentido, Ortega (2004) aponta a Biblioteca de Ebla,

localizada na Síria no terceiro milênio a. C, onde identificaram-se milhares de tábuas de argilas dispostas tematicamente em estantes, além de tábuas menores com resumos dos conteúdos dos documentos. Ao longo dos séculos inúmeros estudiosos propuseram modelos de classificações que segmentavam os saberes mediante critérios particulares. Entretanto, foi apenas no século XIX que surgiram os sistemas de classificação bibliográfica de maior relevância e cuja influência reverbera até a atualidade. Estas classificações podem ser consideradas como as primeiras linguagens documentárias (LDs). Amat Noguera (1989) define as LDs como linguagens artificiais usadas para representar o conteúdo dos documentos com vistas à organização e à recuperação da informação. Em complemento, Cintra et al. (1994) afirmam que a formalização dessas linguagens como instrumentos para a recuperação da informação deu-se nas décadas de 50 e 60, período no qual a Ciência da Informação formava as suas bases. Nos últimos anos, com o avanço da Internet e o surgimento de problemas ligados à representação e a organização da informação na Web, empregaram-se novas ferramentas a fim de atender à questão. Neste contexto, as taxonomias navegacionais mostraram-se úteis exercendo a função de ‘linguagens documentárias’ voltadas para o ambiente digital e apoiadas na hierarquização de conceitos. O uso difundido destas ferramentas, sobretudo em sítios de comércio eletrônico, ressalta a importância de estudos que visem a consolidação de uma fundamentação teórica para a construção de taxonomias, utilizando o aporte conceitual desenvolvido ao longo da evolução das linguagens documentárias tradicionais – a Teoria da Classificação, aplicada aos primeiros sistemas de classificação bibliográfica; a classificação facetada de Ranganathan; as relações semânticas típicas dos tesauros, a Teoria do Conceito de Ingetraut Dahlberg. Dessa forma, a construção de taxonomias navegacionais deixará de ser um processo intuitivo, a partir do estabelecimento de tais pressupostos teóricos. Sistematizar critérios que possam orientar a construção dessas ferramentas torna-se imprescindível, uma vez que a navegabilidade do usuário constitui um dos pontos fundamentais na decisão de compra de um produto. Dados disponibilizados pela consultoria E-bit revelam que só no primeiro trimestre de 2009, as vendas de bens de consumo pela Internet movimentaram mais de 2,3 bilhões de reais no país – crescimento nominal de 25% em relação ao mesmo período de 2008. Diante da importância econômica assumida por esta modalidade do mercado, evidencia-se a necessidade de que os sítios das empresas atuantes no ramo do comércio eletrônico disponibilizem de ferramentas adequadas para a organização dos produtos, visando a posterior localização (recuperação) destes pelo usuário/cliente.

METODOLOGIA

A pesquisa proposta por este trabalho define-se como uma pesquisa científica qualitativa, uma vez que se baseia em revisão de literatura e não utilizará procedimentos estatísticos para suas inferências ou métodos quantitativos para a análise de dados. Trata-se também de uma pesquisa exploratória que, por meio de observação, visa a análise das taxonomias navegacionais de uma amostra de sítios de comércio eletrônico, mantidos por empresas varejistas atuantes no mercado brasileiro, a fim de consolidar as orientações para a construção das estruturas taxonômicas, bem como aplicar os critérios de qualidade definidos a partir da revisão de literatura. Diante disto, enumeram-se as prováveis etapas que a pesquisa deverá seguir: • Análise da literatura referente à construção de linguagens documentárias, bem como a construção de taxonomias. (Base teórica) • Identificação e sistematização de modelos que guiem a construção de taxonomias navegacionais. (Base teórica) • Seleção e observação de sítios de comércio eletrônico que comporão a amostra a ser observada. (Base empírica). • Contraposição dos dados coletados pela observação dos sítios com as diretrizes definidas a partir da análise da literatura sobre linguagens documentárias, no âmbito da Ciência da Informação, possibilitando constatar se a construção de taxonomias navegacionais contemplam critérios levantados na literatura acerca de instrumentos para representação e organização da informação.

REFERÊNCIAS DE AUTORES CITADOS

AMAT NOGUERA, Nuria. Documentación científica y nuevas tecnologias de la información. 3. ed. Madrid: Pirámide, 1989. 527 p.

CINTRA, Ana Maria Marques et al. Para entender as linguagens documentárias. São Paulo: Polis : APB, 1994. 72 p.

CONWAY, Susan; SLIGAR, Char. Building taxonomies continued. In:______. Unlocking knowledge assets. Washington: Microsoft Press, 2002. cap. 6.

E-BIT EMPRESA. Varejo eletrônico volta a apresentar crescimento do “long tail”. Disponível em: < http://www.ebitempresa.com.br/indices-ebit.asp>. Acesso em: 30 jul. 2009.

FEITOSA, Ailton. Organização da informação na web: das tags à web semântica. Brasília: Thesaurus, 2006. 131 p.

ORTEGA, Cristina Dotta. Relações históricas entre biblioteconomia, documentação e Ciência da Informação. DataGramaZero, Rio de Janeiro, v. 5, n. 5, out. 2004. Disponível em:

<http://www.dgz.org.br/out04/Art_03.htm>. Acesso em: 29 jul. 2009.

TERRA, José Cláudio C. et al. Taxonomia: elemento fundamental para a gestão do conhecimento. TerraForum, São Paulo, ago. 2005. Disponível em :

<http://www.terraforum.com.br./sites/terraforum/Biblioteca/Forms/DispForm.aspx?ID=111>. Acesso em: 30 jul. 2009.

BIBLIOGRAFIA PELIMINAR

AQUINO, Idalécio José de. Princípios classificatórios para a construção de taxonomias. 2008. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Biblioteconomia) - Universidade de Brasília. Orientador: Marisa Brascher Basilio Medeiros.

BARBOSA, Alice Príncipe. Teoria e prática dos sistemas de classificação bibliográfica. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Bibliografia e Documentação, 1969. 441 p.

CAMPOS, Maria Luiza de Almeida. Modelização de domínios de conhecimento: uma investigação de princípios fundamentais. Ciência da Informação, Brasília, v. 33, n. 1, p. 22-32, jan./abr. 2004.

DAHLBERG, Ingetraut. Teoria do conceito. Ciência da Informação, Brasília, v. 7, n. 2, p. 9-21, 1978.

DODEBEI, Vera Lúcia Doyle. Tesauro: linguagem de representação da memória documentária. Niterói: Intertexto, 2002. 119 p.

EDOLS,

Liz.

Taxonomy

are

what?

Freepint,

v.

97,

n.

4.

oct.

2001.

Disponível

em:

<http://www.freepint.com/issues/041001.htm#feature>. Acesso em: 30 jul. 2009.

LARA, Marilda Lopes Ginez de. Linguagem documentária e terminologia. Transinformação, Campinas, v. 16, n. 3. set./dez. 2004. Disponível em: <http://revistas.puc-campinas.edu.br/transinfo/viewarticle.php? id=72>. Acesso em: 30 jul. 2009. ______.Representação e linguagens documentárias: bases teórico-metodológicas. Orientador: Coelho Netto, José Teixeira. São Paulo, 1999. 208 f. Tese (Doutorado em Ciências da Comunicação) – USP.

MAZZEO, Luzia Maria. Internet comercial: conceitos, estatísticas, aspectos legais. 2. ed. Brasília: MCT, 2001. 190 p.

PIEDADE, Maria Antonietta Requião. Introdução à teoria da classificação. Rio de Janeiro: Interciência, 1977. 185 p.

SILVA, Grazielle Pereira da Silva; CAVALCANTE, Raphael da Silva. A taxonomia navegacional em sites de comércio eletrônico: uma investigação da americanas.com, extra.com e submarino.com. 2007. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Biblioteconomia) - Universidade de Brasília. Orientador: Marisa Brascher Basilio Medeiros.

VOGEL, Michely Jabala M.Taxonomia: alguns conceitos e algumas confusões. TerraForum, São Paulo, ago. 2005. Disponível em: < http://www.terraforum.com.br/biblioteca/Documents/ libdoc00000124v002Taxonomia_%20conceitos_confusoes.pdf>. Acesso em: 30 jul. 2009.

______. Taxonomia: produto ou processo. TerraForum, São Paulo, ago. 2005. Disponível em: <http://www.terraforum.com.br/biblioteca/Documents/libdoc00000192v001taxonomia _%20produto_ou_processo.pdf>. Acesso em: 30 jul. 2009.

Master your semester with Scribd & The New York Times

Special offer for students: Only $4.99/month.

Master your semester with Scribd & The New York Times

Cancel anytime.