You are on page 1of 8

O fim do Assassinato de Cristo?

(1)
Por Michel Odent (2)

Assassinato de Cristo... Couraça... Peste emocional... Toda uma série de metáforas antigas
que datam de várias décadas. Os iniciados, cada vez mais numerosos, captam seu
verdadeiro significado e suas inúmeras implicações. O trabalho de Reich é hoje uma
evidência, um fato reconhecido. Os caminhos que nos levam ao seu trabalho são múltiplos.
Meu ponto de vista, minha aproximação, teve diferentes pontos de partida, ou pelo menos
dois: por um lado, eu estava interessado pelo fulgurante ressurgir da Neurofisiologia e da
Neuroendocrinologia e, por outro lado, minha atividade profissional em uma maternidade
bastante diferente do que são na atualidade os "serviços obstétricos convencionais".

Os conceitos reichianos nunca foram tão fáceis de se relacionar com os conceitos de
Neurofisiologia Moderna. Nunca foi tão fácil traduzir Reich em linguagem científica, e nunca
suas conclusões, e afirmações foram tão adaptáveis à compreensão da crise latente que
existe há tempos na obstetrícia e que entra hoje em uma fase grave.

A neurofisiologia atual encontra-se dominada pela concepção de uma fisiologia cerebral
dissociada. Parece dizer-nos que o cérebro humano é o resultado da soma de um cérebro
primitivo "filogeneticamente" antigo e de um cérebro recente. Assim, cada cérebro tem suas
próprias funções, sua memória e sua própria química. Esquematicamente, poderíamos
assimilar o cérebro antigo ao sistema cerebral "hipotálamo-límbico", e é isso que nos
permite viver e sobreviver. Parece que é também o suporte do impulso religioso na medida
em que se atribui a ele a origem da necessidade do absoluto, do sentido do infinito, a
necessidade de pertencer ao universal. Assim, o conhecimento desse cérebro,
filogeneticamente antigo, tem um caráter de universalidade. Pelo contrário, o conhecimento
do cérebro filogeneticamente recente, do "cérebro superior", se origina a partir dos dados
fornecidos pelos órgãos dos sentidos. Este novo cérebro nos informa de nosso
pertencimento a um mundo espaço-temporal; É também ele quem nos informa acerca da
noção de limites, tanto no espaço como no tempo (nascimento, morte, ...). Na sua forma
mais elaborada, o seu conhecimento é sinônimo de conhecimento científico. O
conhecimento desse cérebro é sempre flutuante: não tem caráter universal; é variável no
tempo, em sua modalidade histórica, tanto individual como coletiva; Está em função do
lugar e do ambiente cultural. Parece, em primeiro lugar, como um super computador, capaz
de receber uma grande quantidade de informações e com elas poder lidar posteriormente. A
priori, está ao serviço do cérebro que mantém a dinâmica de sobrevivência.

Graças ao desenvolvimento do neocórtex, os grupos Homo Sapiens puderam se organizar
para sobreviver. Sem dúvida, nas civilizações predominantes desde a Era "histórica",
quando aparece o "Homo economicus", o neocórtex emerge cada vez mais como um órgão
de controle, de especialização, e - inclusive - de repressão das estruturas mais primitivas. A
espécie humana está ameaçada de "hipertelia" (3), ao dar a impressão de que usa e
desenvolve o cérebro que a caracteriza de forma desarmônica.
O "Assassinato de Cristo", segundo o título da obra de Reich, é a repressão permanente, é
a perda do cérebro que dá suporte à necessidade de viver e ao sentido religioso. O
"Assassinato de Cristo" é o assassinato infligido diariamente à vida, independentemente da
forma como se manifesta. Além disso, o "Assassinato de Cristo" é o massacre de
recém-nascidos, a repressão da sexualidade genital, a canalização e a alienação do sentido
religioso pelas igrejas-instituições e de maneira geral, é também a destruição de todas as
formas de vida; É o que faz do homem um agente de "desertificação".

É o indivíduo encouraçado quem comete o "Assassinato de Cristo", porque a "couraça
caracterial" aprisiona o indivíduo, isolando-o de suas grandes possibilidades bioenergéticas
- o aprisionando, portanto. A "couraça" expressa uma deformação emocional. Ela é "oposta
ao orgasmo". A "couraça" é associada com uma hipertensão muscular crônica que traduz "a
inibição de todo tipo de estímulo, seja ele prazeroso, angustiado ou de ódio".

Somos obrigados, ao citar a "couraça" de Reich, a pensar no conceito de "inibição de ação",
um termo estudado e divulgado por Henri Laborit, porque este conceito é um dos elementos
que nos permitem compreender a origem das chamadas doenças da civilização; Pois todas
são, afinal, distúrbios do sistema hipotálamo-límbico. Ou seja, desse cérebro primitivo que
regula as emoções e que é o suporte dos diferentes aspectos individuais e coletivos,
próprios da dinâmica vital.

Assim como o comportamento procura renovar sua ação gratificante, colocando em ação
seu "conjunto prosencéfalo medial" (ou zona de recompensa), também temos que quando
o comportamento de "luta ou fuga" ocorre em face de uma agressão, o sistema que, neste
caso, se coloca em ação é o "sistema periventricular". Nesta medida, "a inibição da ação" é
um esquema comportamental básico: é a representação do que ocorre quando, diante da
agressão, é impossível responder por meio de luta ou fuga. É, portanto, um comportamento
de submissão. O sistema inibitório de ação, que é essencialmente colinérgico e
serotonérgico, põe em jogo toda uma série de estruturas próprias do sistema
hipotalâmico-límbico. Tanto a sua individualização como as respostas neuro-hormonais que
a caracterizam possuem uma ampla fundamentação experimental, tendo sido analisadas
em detalhes pelo próprio Laborit (4).

O sistema inibidor da ação, libera el "factor de liberação de corticotrofina", ou seja, sua ação
motiva a secreção de "A.C.T.H." e "Cortisol"; comanda a secreção de cortisol suprarrenal
que estimula, por sua vez, o "sistema inibidor da ação". Assim entra em jogo um círculo
vicioso, sendo interrompido somente pela aparição de uma ação "gratificante". Este círculo
vicioso é o protótipo originário da angústia. As teorias sobre a angústia elaboradas por
Grey, da Universidade de Oxford, não estão em contradição com o ponto de vista de
Laborit. Ao contrário, o completa. Quando Grey fala de "sistema de inibição
comportamental" está pensando no que passa ao nível das sinapses límbicas que utilizam
como neuromediador o "G.A.B.A.". O estresse impede a transmissão nervosa nas sinapses,
o que está em paralelo com a inibição da ação.

Os incidentes próprios dos eventos do sistema "Inibição de ação" são fáceis de prever
quando se conhecem os efeitos da secreção do cortisol e da noradrenalina. O cortisol priva
o sistema imunitário e tende a destruir o timo, que tem um papel importante na maturação
dos linfócitos, capazes de manter em taxas muito baixas os auto-anticorpos dirigidos contra
os próprios constituintes do organismo. O cortisol se opõe à síntese proteica. Suprime
também o "sono REM". Favorece a retenção de água e de sal, aumenta a massa
sanguínea, enquanto a noradrenalina eleva o tônus muscular.

Vemos então que os efeitos da colocação em prática do "sistema de ação inibidor" diz
respeito a toda a economia neuroendócrina. As implicações deste termo parecem múltiplas
para Laborit, em uma sociedade onde situações altamente patogênicas são frequentes. No
entanto, em seu trabalho, Laborit não tomou em consideração o recém nascido, a criança. É
sem dúvida, na idade em que o "hormoniostato" hipotálamo-límbico é regulado, quando
essas situações comportamentais são as mais patogênicas. Então, temos uma grande
quantidade de recém nascidos em situação crônica de inibição de ação. O recém-nascido
percebe que seus gritos e seus gritos são inúteis, ele está em uma situação de submissão
total. Todos sabemos que a necessidade fundamental do recém nascido em seus primeiros
cuidados. está em uma situação de "inibição da ação". O recém nascido, além de precisar
de contatos cutâneos, estimulação de seu sistema vestibular pela ação de seu balanço,
estimulação auditiva significativa, referências olfativas, leite, calor, sucção, também precisa
saber que seus pedidos serão atendidos. O recém nascido, que é perfurado; O recém
nascido, cuja espinha é esticada sem ter chance de fugir ou lutar, está em uma situação de
"inibição da ação".

Tanto no Ocidente quanto, e ainda mais, no Oriente, a grande maioria dos seres humanos
passa seus primeiros dias, as primeiras semanas, os primeiros meses, em situações
prolongadas de "inibição da ação". Tanto nossas mães como nossas avós nos ensinaram a
não favorecer "maus hábitos" nos bebês; isto é, não responder às suas necessidades
fundamentais, ou seja, deixá-las numa situação de "inibição da ação". Quais são as
consequências a longo prazo da "inibição da ação"? Não são outras que as desregulações
hipotálamo-límbicas chamadas "doenças da civilização". No quadro das doenças da
civilização, incluímos também tanto as diferentes formas de depressão (deprimidos têm uma
alta taxa de cortisol no sangue), disfunções sexuais - das quais tomam parte os partos
difíceis -, hipertensão arterial, úlceras gastroduodenais, as agressões de angústia e
irritabilidade, doenças autoimunes cuja frequência e polimorfismo se tornam cada vez mais
específicos (retocolite hemorrágica*, hipertireoidismo, certas formas de diabetes, miastenia,
etc.), depressões ou distúrbios imunológicos que desempenham um papel fundamental na
gênese das doenças infecciosas, assim como do câncer. Reich já havia estabelecido a
relação entre o tratamento recebido pelo recém-nascido e o desenvolvimento do câncer. Em
sua obra SUPERPOSIÇÃO CÓSMICA, escrevera: "se haveria utilidade em impedir doentes
de câncer de morrer quando bilhões de crianças estão sendo mortas emocionalmente".
Pessoalmente, segui esse itinerário, deixando pouco a pouco meu trabalho como cirurgião,
para consagrar-me cada vez mais ao nascimento.

Como prevenir essas situações altamente patogênicas tão freqüentes nos recém-nascidos,
particularmente nos recém-nascidos dessa sociedade industrial? Em primeiro lugar, levando
em consideração as necessidades básicas e fundamentais do recém nascido. As
necessidades de leite e calor são conhecidas por nós. Mas, de modo inverso, as
necessidades de estimulação sensorial são desconhecidas ou subestimadas. Não há
dúvidas, o recém-nascido precisa de estimulações sensoriais. Uma estimulação sensorial é
uma oferta de energia para o cérebro. Neste ponto de vista, já estamos em contato com o
trabalho de Reich e sua concepção de energia universal, sendo a "bioenergia" um aspecto.
A neurofisiologia moderna acomoda facilmente a visão de Reich. Hoje, já há evidência de
que o ser vivo capta e transforma constantemente, parte da energia cósmica. Assim, por
exemplo, quando uma retina percebe um raio de luz, a energia da luz é transformada em
energia eletrônica ao nível do nervo óptico e depois em energia química ao nível das
sinapses entre duas células nervosas, de modo que uma estimulação sensorial é uma
contribuição de energia para o cérebro.

Na verdade, a única maneira de responder à extrema variedade de necessidades
fundamentais que o recém-nascido tem é não separar a mãe do bebê dela; A coabitação é
sempre possível nos primeiros dias da vida. Quanto mais frágil é um bebê, mais os riscos
de doença são evidentes, portanto, quanto maior a necessidade que eles têm, mais
precisam estar nos braços de sua mãe. É por isso que minha prática me leva a aconselhar
que recém nascidos, e incluindo os prematuros, permaneçam permanentemente com a
mãe. De fato, não há nenhuma impossibilidade em se colocar uma incubadora no quarto da
mãe. Porque apenas a mãe que está ao lado de seu filho permanentemente, ao lado do
recém nascido, sabe interpretar suas necessidades. Somente a coabitação permite o
intercâmbio de sinais entre mãe e filho, além de permitir a amamentação sempre que o
bebê pede.

A resposta da mãe às necessidades do recém nascido será mais correta quando se sabe
respeitar certos períodos sensíveis, particularmente, os momentos que se seguem ao
nascimento, não perturbando a relação mãe-filho. A noção de período sensível, de "apego",
foi bem estudada por ecologistas e hoje também é acessível à visão neuroendocrinológica.
Na maternidade onde eu trabalho (5), é comum encontrar a mãe sentada no chão nos
momentos que seguem a entrega, com a criança no colo, totalmente presa ao peito, porque
o parto ocorre em uma posição que leva consigo o máximo respeito ao período sensível,
verdadeiramente determinante. Agora, compreendemos melhor que a mãe e a criança
estão em um período hormonal ainda crítico, porque parece que tanto uma quanto a outra
estão fortemente impregnados de "endorfinas"; isto é, de opióides endógenos***. Esses
hormônios têm um papel preponderante nos comportamentos afetuosos, nas condutas de
assistência atenta, bem como na indução de hábitos.

Parece que esse sistema de "endorfinas" também desempenha um papel importante no
processo de "apego". No momento do parto, a posição da mãe não é aleatório, porque
quando o peito está em posição vertical, o contato pele a pele, a troca de olhares, e todo o
tipo de intercâmbio de sinais alcançam o máximo de sua riqueza. O peito da mãe em
posição vertical facilita a amamentação no mesmo momento em que o "reflexo de sucção"
ocorre no bebê. O "reflexo de sucção" é um comportamento complexo e instintivo que
permite ao bebê encontrar e sugar o peito de sua mãe, cerca de meia hora após o
nascimento.
O que acontece na hora após o nascimento tem estreita correlação com as condições de
parto em si. O ideal é não impedir na mulher que vai dar à luz, o melhor uso possível de
todas as suas possibilidades, ou seja, seus próprios hormônios. O parto espontâneo requer
um equilíbrio hormonal específico, um equilíbrio de grande complexidade que pressupõe
uma redução da secreção de adrenalina; A adrenalina é o hormônio que o corpo secreta
quando está frio ou quando está inseguro. E pressupõe, também, uma alta secreção de
oxitocina pós-pituitária e de morfinas endógenas, isto é, de "endorfinas". Tanto a oxitocina
como as endorfinas estão envolvidas em todos os episódios paroxísticos da vida sexual, em
homens e mulheres. Com isso, queremos dizer que a vida sexual é um todo, porque
envolve a vida emocional e a vida afetiva, de tal forma que, quando um elemento é
perturbado, interfere no todo.

Conseguir esse equilíbrio hormonal específico é conseguir um estado particular de
consciência que corresponde a uma redução do controle neo-cortical e uma ativação do
cérebro primitivo, do cérebro hipotálamo-limbico. Muitos fatores facilitam essa mudança de
nível de consciência já nos estágios iniciais do parto, o que ocorre em paralelo com o
equilíbrio hormonal específico. Por exemplo:

- A penumbra e de maneira geral a sensível redução de todos os estímulos; necessidade,
portanto, de um importante silêncio.

- Completa liberdade de posição. As mulheres em geral encontram uma posição
espontânea, seja em postura de quatro ou mesmo em posturas mais ou menos
assimétricas.

- Eliminação de todas as pessoas dedicadas apenas a observar, de todas aquelas que
poderiam ter um papel negativo.

- Contato "primitivo" com uma mulher de quem seja suficientemente íntima, e que seja
experiente e atenta. A parteira, sendo mulher, tem com frequência o papel mais positivo, já
que pode desempenhar o papel de substituta de mãe [da parturiente]; tal papel também
poderia ser feito pelo parceiro sexual. Você não pode ignorar o sexo das pessoas presentes
no parto, porque é um ato inscrito na vida sexual.

- Assim como a mulher que vai dar à luz precisa de um contato habitual com o solo, com a
terra, também outro elemento natural: a água, tem o efeito misterioso de criar um sem fim
de inibições, seja pelo chuveiro, por ver a água, ou por imersão na piscina. Aproveitamos a
oportunidade de evocar o trabalho de Ferenczi (6), bem como o de Reich.

Deste modo, nosso primeiro objetivo é o esforço de conhecer melhor, para não perturbar, a
fisiologia do parto. Facilitando-o para, ao mesmo tempo, facilitar - em grande medida - as
primeiras relações da mãe com seu filho.

De fato, nossa posição está situada dentro de uma ampla perspectiva da gênese da saúde,
porque somos, em outras palavras, pela prevenção das múltiplas doenças da civilização. Na
linguagem reichiana, isso significa que nos opomos à constituição da couraça. Por que
precisamente os profissionais que trabalham nos locais onde se dá a luz são cúmplices
habituais da constituição da couraça? Simplesmente, porque eles são encouraçados como
são os homens e mulheres da nossa sociedade. Estamos em um círculo vicioso. O caráter
encouraçado é contagioso. O homem encouraçado sempre busca eliminar a mãe. A história
do obstetra É TAMBÉM AS DIFERENTES FORMAS DE ELIMINAR A MÃE. Quando o
médico do sexo masculino, penetrando nos quartos onde se paria no século XVII, impôs a
posição deitada, para colocar de forma mais cômoda seus fórceps, eliminou de certo modo
a mãe.

Quando os médicos, no passado, lutaram para conquistar e manter o monopólio da
educação das parteiras, uma vez que as mulheres poderiam trazer uma figura materna e
contribuir para o fluxo do instintivo. Hoje em dia, é relevante que os homens possam
acessar a escola das parteiras (...). A psicoprofilaxia "convencional" representa um dos
modos mais sutis de eliminar a mãe, na medida em que ela quer ser - por meio da
linguagem - um controle do grito, da respiração, da dor, da postura; isto é, um controle do
cérebro que apóia os comportamentos maternos mais primitivos.

O "Fenômeno Leboyer" como um novo contributo para as primeiras experiências do recém
nascido nos parece um passo imenso na direção do "Fim do Assassinato de Cristo". Mas na
medida em que o nascimento "sem violência" foi interpretado pelo indivíduo encouraçado,
não como o título de uma obra de arte, senão simplesmente como "método Leboyer", a
recepção do recém-nascido pelo pai ou por outro profissional pode parecer novamente
como uma maneira diferente de eliminar a mãe. A facilidade com que os médicos impõem
repouso durante a gravidez, bloqueia o colo e paralisa o músculo uterino com drogas,
merecem todos eles o mesmo tipo de interpretação; Da mesma forma, poderíamos falar
sobre a facilidade com que ordenam fórmulas para a lactação, ao menor dos problemas.
Poderíamos multiplicar esse tipo de exemplos.

O círculo vicioso não pode ser quebrado, exceto pela tomada de consciência, que deve
levar ao questionamento radical das condições habituais de nascimento.

A "couraça" de Reich, os efeitos da "inibição da ação" de Laborit, são muito difíceis de
destruir porque são fenômenos coletivos, culturais. Reich e Laborit sabem bem que, na
espécie humana, tudo passa pela dimensão cultural. Um bebê nascido por via cesariana
pode ser menos encouraçado que outro, se pertence a um ambiente cultural que possa
compensar rapidamente certas frustrações.

Na escala coletiva, a couraça de Reich é chamada de praga emocional. A praga emocional
tende a destruir tudo o que vive. "A gênese do homem ecológico" supõe, em primeiro lugar
a eliminação da peste emocional. Todos aqueles como o Cristo, Rousseau, como Reich e
tantos outros, que tentaram canalizar a atenção dos seres humanos para as coisas
essenciais, para questões vitais, procuraram atacar a praga emocional. A praga emocional
tem um meio privilegiado de expressão: o rumor.
O imensa obra de Reich desemboca em uma conclusão luminosa: "A civilização começará
no dia em que a preocupação com o bem-estar dos recém-nascidos prevalecerá sobre
todas as outras"****.
MICHEL ODENT

(1) ​Escrito por Michel Odent (1930-) em 1982, para a revista L’ARC (1958-1985), em
sua 83a. edição, dedicada a Wilhelm Reich. ​O título faz referência direta ao livro de
Wilhelm Reich “O Assassinato de Cristo”; A primeira tradução deste artigo foi de Jerónimo
Bellido para o Espanhol, e em cima dessa, tradução de ​Arnaldo V. Carvalho para a língua
portuguesa.

(2) Cientista francês dedicado há décadas aos estudos sobre a saúde humana no período
primal (da gestação ao primeiro ano de vida), bem como seus impactos para a vida
posterior, individual e coletiva. Mais informações consultar o Instituto Michel Odent:
www.institutomichelodent.com.br​ e ainda o ​Primal Health Research​.

Notas do tradutor para a língua espanhola:
(3) Desenvolvimento desordenado do telencéfalo.
(4) A fim de concluir estes termos, remeto o leitor para o trabalho de Laborit, especialmente
"La nouvelle grille", "Eloge de la fuite" e mais recentemente "L'inhibition de l'action". Masson
1980.
(5) Trata-se da maternidade Pithiviers, localizada a cerca de 25 km a oeste de Paris. M.
Odent, é o autor do livro "GENESIS DO HOMEM ECOLÓGICO", Edit. Ricou (Hacer).
Barcelona 1981
(6) O autor refere-se ao artigo de Ferenczi "THALASSA, ENSAIO SOBRE A TEORIA DA
GENITALIDADE". Obras completas. Tomo 3. Edc. Espasa-Calpe. Madrid 1981

Notas da tradução para a língua portuguesa:

* O termo utilizado na tradução original foi “rectilitis femorragica”. Não há referências sobre
esse termo na literatura médica, seja em espanhol, francês ou português. Por tratar de
distúrbio notadamente relacionado à “inibição da ação”, me pareceu que o tradutor espanhol
referiu-se à retocolite hemorrágica, doença inflamatória crônica e com muitas evidências
que a associam ao grupo das chamadas doenças psicossomáticas.

** Excerto de “A Superposição Cósmica”, de Wilhelm Reich. A tradução oficial de Maya
Hantower, tal qual foi publicada pela editora Martins Fontes, foi: “Com o humor pessimista
da desesperança, há uma tendência em se perguntar que utilidade há em salvar pessoas
da morte por câncer se bebês estão sendo mortos emocionalmente aos milhões antes e
logo depois de nascer em todos os lares pelo planeta afora. In: REICH, WILHELM. ​Éter,
Deus e o Diabo; A superposição Cósmica​. P. 302. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

*** Mais uma vez observamos o tradutor para o espanhol em possíveis dificuldades
terminológicas. Acreditamos que a digitação de “encógenos” deveria ser “endógenos”.
**** Citação por Odent do texto “As Crianças do Futuro”, de Wilhelm Reich ainda não
oficialmente publicado no Brasil..