You are on page 1of 5

Violência Doméstica contra Crianças e

Adolescentes: modalidade física
Marco científico e conceitual
Professora Maria Leolina Couto Cunha

Centro de Combate à Violência Infantil (Cecovi)

Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) – PUCweb

Copyright - PUCPR - Versão 1.0 - agosto 2009

Em 1962. cujo título era “As sevícias nas crianças”. a questão da violência doméstica O trabalho de Tardieu não teve repercussão nos meios científicos da época porque a voltou a ser alvo de estudo da Medicina. Marco científico Medicina Legal. Ele descreveu o equimoses. Profa. Paris. um controle político sobre as físicos tem grande incidência no Brasil. Parrissot e Caussade lançaram. Caffey. ou detrimento de muitos.Violência Doméstica contra Crianças e Adolescentes: modalidade física 2 INTRODUÇÃO A violência doméstica contra crianças e Justamente em 1860 a França vive uma oposição reprimida. era extremamente perigosa para as crianças. Steel (1962) atribuíram uma nova organizador de um governo forte. que colocava a autoridade paterna Analisar o marco científico e conceitual do como natural. já em 1858. vamos estudar esse assunto durante a favor do reforço da autoridade paterna. constatando a presença um trabalho que contribuiu de forma definitiva de fraturas. bem como a consequente submissão de mulheres e crianças. podendo inclusive levá-las à morte. este módulo. desenvolveu o conceito de criança maltratada.PUCPR/PUCweb . o médico francês Ambroise Tardieu. longos e hematoma subdural e concluiu que as causas das lesões não correspondiam às Segundo Guerra (2000). Silverman e Napoleão III. Maria Leolina Couto Cunha Cecovi – Centro de Combate à Violência Infantil . destacando as principais conservar o Estado. movimento de ideias estimado a preservar a lo. seja a que preço fosse. médico americano (18 óbitos) de crianças submetidas a sevícias especializado em radiologia infantil. o qual contribuiu para que o fenômeno. dificilmente o trabalho de Tardieu A dedicação dá aos nossos sonhos as asas para se erguerem e a força para voarem. em Paris. explicações dadas pelos pais dos bebês. Assim. um importante trabalho na área da 1. fenômeno da violência doméstica contra pressupondo que através do aprendizado e crianças e adolescentes na modalidade da autoridade familiar se aprende também a maus-tratos físicos. Frederic Le Play. 1988). tímida. Síndrome de Caffey. instaurador do 2o Império. batizando-o preservou os interesses de alguns em de Síndrome da Criança Maltratada. Por universidades. emanada de Napoleão III e por ele manifestada no Conselho Privado. embora de forma ainda muito Em 1860. hematomas e para o estudo do fenômeno. Kempe. autoridade da família. Ele realizou estudos de 32 casos Em 1946. cujas causas alegadas pelos pais atendimento a seis lactantes que não coincidiam com as características das apresentavam fraturas múltiplas de ossos lesões examinadas (WOLFE. Em 1929. Nos França daquele período era governada por Estados Unidos. uma vez que ele procurava Herbert. publicou pelos próprios pais. os Drs. com todo um correntes de pensamento que tentam defini. que terminologia para o fenômeno. em muitos momentos. uma imprensa adolescentes na modalidade maus-tratos censurada. tivesse alguma visibilidade na fechada presidente da Academia de Medicina de sociedade da época. bem como uma manifestação isso. Não devemos também nos esquecer OBJETIVO do grande ideólogo desse período. mostrar que a família. queimaduras. encontraria um campo fecundo em termos de achar adeptos.

dano anatômico (OCHOTORENA). mas toda a punição corporal na escola. representa 2. O diagnóstico tem que se basear em que as bases conceituais do fenômeno são evidências radiológicas dos repetidos ferimentos (AZEVEDO & GUERRA. inclusive a palmada. em conjunto tão intensa que a morte da criança é com as Nações Unidas. Qualquer ação não-acidental por parte dos Veja a cronologia dos países que proibiram pais ou responsáveis que provoque dano totalmente os castigos corporais em crianças físico ou enfermidade na criança no âmbito doméstico: (OCHOTORENA. Maria Leolina Couto Cunha Cecovi – Centro de Combate à Violência Infantil . o que imposição de uma leve dor. Foi estabelecida pelas Nações Unidas a meta Violência física é considerada um ato de proibir os castigos corporais contra executado com intenção ou intenção crianças e adolescentes. Pela sua outros estudiosos do assunto. Marco conceitual inusitados. 1997). Pro-reitoria Comunitária e de Extensão Diretoria de EAD / PUCweb Profa. dano físico. por vezes. complexas e. adolescentes quando aplicada pelos pais. Para uma corrente de pensadores só haverá Em 1971. 1979). nutricional.2% da população infantil. uma preocupação com a segurança da criança (quando ela é espancada por ter ido Segundo dados publicados em um relatório para a rua. 1988).Marco científico e conceitual 3 Essa síndrome se refere às crianças de baixa idade que sofrem ferimentos 2. bem como em diferentes etapas. o médico Fontana definiu o violência física quando estiver presente o fenômeno como a Síndrome do Maltrato. passando por um tapa e podendo chegar ao assassinato. mesmo que não produza dano caracterizasse bastava a comprovação da físico. escola. conflitantes. A legislação e a doutrina do Direito Penal O sociólogo Gelles (1979) inovou ao brasileiro não consideram crime a punição considerar como violência física todo tipo de corporal moderada de crianças e ação que provoque dor. se da ação descrição. o primeiro caso notificado foi feito abolidas tanto no espaço familiar como na por Canger Rodrigues (1974). debate e incentivado uma militância no sentido de que as punições corporais sejam No Brasil. sendo o espancamento da criança a última Este último ponto de vista tem aberto um fase da Síndrome. Já para ampliando o conceito de Kempe. o que pela capacidade que ela tem de provocar representa 41. sendo que 100 proibiram violência física não pela ótica da dor. fraturas ósseas e queimaduras ocorridas em épocas diversas.3% da população infantil A motivação para esse ato pode ir desde mundial. para que o fenômeno se resultar dor. emocional. percebemos pais.PUCPR/PUCweb . e sempre inadequada ou inconsistentemente explicadas pelos Pelo que foi exposto até aqui. Atualmente existem percebida de causar dano físico a outra 19 países em todo o mundo que já proíbem pessoa. a violência já estará consumada existência de múltiplas e menores privações (GELLES). por exemplo) até uma hostilidade elaborado pelo governo sueco. Initiave To End All Corporal Punishement of Children”. O dano físico pode ir desde a totalmente os castigos físicos. o psicólogo Ochotorena definiu castigos corporais. intitulado “Global desejada (GELLES. negligência e abuso. 178 países ainda permitem os Em 1988.

Alemanha e Bulgária 2000 Islândia 2003 Hungria e Romênia 2004 Grécia. portanto. Países em que a violência infantil é proibida Países Ano Suíça 1979 Finlândia 1983 Noruega 1987 Áustria 1989 Chipre 1994 Dinamarca 1997 Letônia e Croácia 1998 Israel. legitimada em nosso país a prática do castigo corporal como método de disciplina e educação de crianças e adolescentes. Nossa lei penal proíbe apenas os castigos imoderados. Portugal. infelizmente.PUCPR/PUCweb . que podem levar à morte Profa. Conceito de maus-tratos físicos Ação disciplinar e coativa Tendo como pólo ativo Tendo como pólo passivo Pais Responsáveis Crianças Adolescentes Provocando danos físicos. ainda não chegamos a esse grau de conscientização. Figura 1. Nova Zelândia e Holanda 2006 No Brasil.Violência Doméstica contra Crianças e Adolescentes: modalidade física 4 Tabela 1. ficando. Maria Leolina Couto Cunha Cecovi – Centro de Combate à Violência Infantil .

R. Luther (com EDWARDS. WATSON. Your Child from Two to Five. S. GUERRA. CUNHA. Child Abuse. American journal of Orthopsychiatry. Martin’s Press. Rio de Janeiro: Record. J. 2003. In: CLARKSON. John. Psychological Care of Infant and Child.P. Pro-reitoria Comunitária e de Extensão Diretoria de EAD / PUCweb Profa. ZAGURY. 1928. GELLES. Ouse Disciplinar. H. Norton & Company. 1989. Norton como editor). 2003. J. B. Londres: Fontana Open Books. KEMPE. Nova York: Permabooks. São Paulo: Iglu. Child Abuse as Psychopathology: a sociological critique and reformulation. S. 1995. V. Maria Leolina Couto Cunha Cecovi – Centro de Combate à Violência Infantil . W. T. C. C. C. Whatever Mother Says. 1973. F. A Autoridade dos Pais e a Educação da Liberdade. Limites Sem Traumas. Curso de Capacitação: violência doméstica contra crianças e adolescentes. KEMPE. 1978. EWING. Maria Leolina Couto. H. M. Curitiba: Cecovi/Unicef. 1968. 1973.. Nova Iorque: St. São Paulo: Sedes Sapientiae. 1955. DOBSON. Crianças vitimizadas: a síndrome de pequeno poder. WOODWARD. Rio de Janeiro: Fename. GRUNSPUN. R. 1995.PUCPR/PUCweb . Florida: Vida. Dicionário Escolar da Língua Portuguesa. BUENO..Marco científico e conceitual 5 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS AZEVEDO.