You are on page 1of 10

Rev. latino-am. enfermagem - Ribeirão Preto - v. 6 - n. 1 - p.

81-90 - janeiro 1998 81

LIDERANÇA SITUACIONAL: ESTRUTURA DE REFERÊNCIA PARA O TRABALHO DO
ENFERMEIRO-LÍDER NO CONTEXTO HOSPITALAR

Cristina Maria Galvão*
Maria Auxiliadora Trevizan* *
Namie Okino Sawada*
José Augusto Dela Coleta* **

GALVÃO, C.M.; TREVIZAN, M.A.; SAWADA, N.O.; COLETA, J.A.D. Liderança situacional: estrutura de referência
para o trabalho do enfermeiro-líder no contexto hopitalar. Rev.latino-am.enfermagem, Ribeirão Preto, v. 6, n. 1,
p. 81-90, janeiro 1998.

Na literatura, estudiosos da temática liderança desenvolveram modelos que podem ser aplicados no contexto
organizacional. Na presente investigação selecionamos o modelo proposto por Hersey e Blanchard denominado Liderança
Situacional. Através da técnica dos incidentes críticos identificamos e analisamos os comportamentos dos enfermeiros de unidade
de internação cirúrgica, segundo relato do pessoal auxiliar. Baseadas na análise dos dados podemos inferir que a Liderança
Situacional pode ser utilizada como estrutura teórica para fundamentar a habilidade de liderar do enfermeiro com vistas ao
aprimoramento da qualidade da assistência de enfermagem e do desenvolvimento do potencial do pessoal de enfermagem.

UNITERMOS: enfermeiro, incidentes críticos, liderança situacional

INTRODUÇÃO Na literatura, estudiosos da temática liderança
desenvolveram modelos para serem aplicados no contexto
A liderança é necessária em todos os tipos de organizacional. Para fundamentarmos a presente
15
organização humana. Segundo YURA et al. , liderança investigação selecionamos o modelo proposto por
6
em enfermagem é um processo através do qual uma HERSEY & BLANCHARD denominado Liderança
pessoa, que é o enfermeiro, influencia as ações de outros Situacional, o qual foi desenvolvido na enfermagem norte
7
para a determinação e a consecução de objetivos, o que americana por HERSEY & DULDT .
implica em definir e planejar a assistência de enfermagem O conceito básico da Liderança Situacional
num cenário interativo. consiste na premissa de que não existe um único estilo
Na prática profissional da enfermagem brasileira, de liderança apropriado para toda e qualquer situação. O
13
segundo atesta TREVIZAN , existe falta de liderança; líder, liderados e a situação são as variáveis norteadoras
entretanto, escolas de enfermagem, associações de classe do processo de liderança; entretanto, neste modelo a
e instituições de saúde estão promovendo discussões e ênfase recai sobre o comportamento do líder em relação
investindo no preparo de enfermeiros-líderes. aos liderados frente a uma tarefa específica.
9
Ao nosso ver, o preparo do enfermeiro-líder é Concordamos com KAWAMOTO quando
uma condição básica para esse profissional tentar salienta que os enfermeiros somente conseguirão exercer
mudanças na sua prática diária, com vistas a melhoria da uma liderança eficaz, a partir da compreensão do processo
qualidade da assistência prestada ao paciente, conciliando de liderar, do desenvolvimento das habilidades
os objetivos organizacionais com as necessidades do necessárias e principalmente da aplicação dessas
5
pessoal de enfermagem. Desta forma, entendemos que o habilidades na sua prática. GARDNER aborda que o
embasamento teórico aliado a prática é essencial para a fato de existirem tipos diversos de líderes, liderados e
capacitação desse profissional. contextos variados acarreta implicações na educação para

* Enfermeira. Professor Doutor junto ao Departamento de Enfermagem Geral e Especializada da Escola de Enfermagem de
Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo
** Enfermeira. Professor Titular junto ao Departamento de Enfermagem Geral e Especializada da Escola de Enfermagem de
Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo
*** Psicólogo Professor Titular da Universidade Federal de Uberlândia

. a delegar (E4). Rev. baixo a moderado (M2).Liderança situacional. O comportamento influenciar as pessoas.v. o objetivo deste estudo consistiu em identificar e analisar os comportamentos dos enfermeiros de unidade de internação cirúrgica.. de forma sucinta apresentamos os conceitos-chaves do Fonte: HERSEY.Ribeirão Preto . compartilhar (E3) e (comportamento de tarefa) que o líder oferece. os autores da Liderança Situacional definem e baixo para relacionamento. HERSEY & BLANCHARD lo. segundo relato do pessoal auxiliar. 1986.K. 81-90 . os quais envolvem uma combinação de quantidade de apoio sócio-emocional (comportamento de comportamento de tarefa e de relacionamento. quando e onde.n. maturidade baixo (M1) em relação a uma atividade Em relação ao conceito de maturidade dos específica deverá utilizar comportamento alto para tarefa liderados. Significa estabelecer-lhes salientam que “não existe um único modo melhor de 6 objetivos e definir os seus papéis “. 6 dirige as pessoas. função ou objetivo específico”. Assim. A seguir. assumir a responsabilidade de dirigir seu próprio No estilo de liderança E2 (persuadir) adequado 6 comportamento “. influenciar”.Esquema Geral da Liderança Situacional desenvolver jovens líderes em potencial tem em mente um modelo ideal. Frente ao exposto. Royer. ou seja. ele define o que o como “a capacidade e a disposição das pessoas em liderado deverá fazer. moderado a alto (M3) e comportamento de tarefa como “a medida com que o líder alto (M4). enfermagem . administradores: a teoria e as técnicas da liderança situacional.189. como. é essencial para a prática. o líder tenta convencer o liderado a a ser realizada. Na Figura orientações. p. relacionamento) dado pelo líder e o nível de prontidão (maturidade) dos subordinados no desempenho de uma A maturidade dos liderados é apresentada dentro tarefa. São Paulo: Editora Pedagógica e Universitária. onde e como fazê-lo. Desta forma. . o líder ao empregar o estilo de Significa ouvir ativamente as pessoas e apoiar-lhe os liderança E1 (determinar) com um liderado com nível de 6 esforços ”. Assim. encorajamento e “carícias psicológicas. Psicologia para modelo de liderança selecionado. sobretudo daqueles que se ocupam de funções gerenciais. BLANCHARD.P.H.p. 6 . latino-am. com vistas à possível utilização da Liderança Situacional como estrutura de referência para o trabalho do enfermeiro-líder no contexto hospitalar. quando fazê. Apesar de restrições que o modelo possa oferecer acreditamos que o seu conhecimento. Para o autor “a maioria dos que buscam Figura 1 .Desta forma. Trad. que é inevitavelmente restrito. A maturidade do liderado deve ser para o liderado com nível de maturidade entre baixo a considerada somente em relação a uma tarefa específica moderado (M2). 1 . acreditamos que nas instituições de saúde o preparo em liderança de seus profissionais. não podemos dizer que um liderado ou realizar determinada atividade de acordo com suas grupo é maduro ou imaturo num sentido total. persuadir (E2).janeiro 1998 82 a liderança. O estilo de liderança que uma de relacionamento é “a medida com que um líder se pessoa deve adotar com indivíduos ou grupos depende empenha em comunicar-se bilateralmente com as pessoas. dizendo-lhes o que fazer. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 6 De acordo com HERSEY & BLANCHARD a Na Figura 1 podemos observar que os autores do Liderança Situacional “baseia-se numa inter-relação modelo em questão propõem quatro estilos de liderança: entre a quantidade de orientação e direção determinar (E1). a sua compreensão e a sua aplicação constituem um dos caminhos para viabilizarmos o aprendizado sobre liderança na formação de enfermeiros-líderes. a presente investigação pretende focalizar a contribuição que a Liderança Situacional poderá propiciar aos enfermeiros-líderes.. Este estilo implica comportamento alto tanto 1 visualizamos o esquema geral da Liderança Situacional. Deveríamos transmitir aos jovens uma noção dos muitos tipos de líderes e estilos de liderança e estimulá-los a orientarem-se para os modelos que lhes forem adequados”. do nível de maturidade das pessoas que o líder deseja dando-lhes apoio. de um contínuo (imaturo/maduro) em quatro níveis: baixo Os autores desse modelo definem (M1). Edwino A.

ao nosso ver. Após a identificação das situações. particular (hospital B). comportamentos e conseqüências. bem como o projeto comportamentos e conseqüências emanados dos do estudo.6%) eram auxiliares agrupadas em nove categorias.3%) eram do sexo feminino e um dos quais.6%) do sexo masculino. ao tempo de atuação o maior índice de porcentagem foi No hospital A.Liderança situacional. O líder apoia os primeira estava direcionada para relatos de incidentes esforços do liderado e juntos participam de processo de críticos positivos e a segunda para incidentes críticos tomada de decisões. as situações. negativos Inicialmente foram encaminhadas às chefias de e vice-versa.Ribeirão Preto . quando e onde fazer as coisas e implica que atuavam nas unidades investigadas e solicitávamos por parte do líder comportamento baixo tanto para tarefa que os sujeitos participantes pensassem em um ou mais como para relacionamento. O maior índice de porcentagem para o tempo de atuação foi de RESULTADOS E DISCUSSÃO 84. 38 positivos e 31 negativos. pois.São Paulo. de enfermagem) que atuavam nas unidades de internação embora do nosso ponto de vista pudéssemos entender o cirúrgica dos hospitais investigados. de acordo com NOGUEIRA . PROCEDIMENTO METODOLÓGICO compreendemos por “situação o tipo de fato ou circunstância que levou o sujeito a emitir determinado comportamento.3%) eram técnicos de enfermagem. as situações foram (30.. nove (69. relatos de comportamentos e de dados (abril e maio de 1994). sendo um e por conseqüência o resultado do comportamento do hospital governamental (hospital A) e o outro. nomes para responderem as perguntas do formulário. alto de relacionamento e baixo de tarefa. O estilo compartilhar (E3) é o mais apropriado Para a coleta dos incidentes críticos elaboramos para o líder adotar com o liderado com nível de um formulário contendo basicamente duas perguntas.p. Em relação quinze e as conseqüências em doze. (M4) frente a uma tarefa específica. obtivemos 42 incidentes críticos 30. este A Liderança Situacional consiste no referencial procedimento foi realizado nos dois hospitais teórico selecionado para embasarmos o presente estudo. entendemos que seus conceitos podem proporcionar Após realizarmos a coleta dos incidentes críticos..v. de cada relato registrado apresentamos o procedimento metodológico. preconizado por DELA COLETA . A seguir. cartas de solicitação de permissão.7%) do sexo masculino. Nesse estilo o liderado fornecíamos uma listagem dos nomes dos enfermeiros decide como. os comportamentos em e dois (15. enfermagem. do pessoal auxiliar estudado. latino-am. por comportamento entendemos a O trabalho foi desenvolvido em dois hospitais conduta apresentada pelo sujeito devido a circunstância. Após a concordância das instituições incidentes críticos relatados pelos sujeitos investigados procedemos a coleta de dados. nove de descrevê-los de forma sintetizada para possibilitar uma elementos (69. no hospital B. Assim. A amostra consistiu de vinte e Ressaltamos que a denominação incidente crítico seis elementos do pessoal auxiliar (técnicos e auxiliares positivo ou negativo foi dada pelos sujeitos participantes.janeiro 1998 83 4 para tarefa como para relacionamento. enfermagem . ou seja. A maturidade entre moderado a alto (M3). tanto do hospital A como do hospital B. doze elementos (92. Rev. uma estrutura de referência no que tange a habilidade de procedemos a análise dos incidentes relatados pelos liderar do enfermeiro no contexto hospitalar. indicando que quatro elementos do pessoal de sendo 24 positivos e 18 negativos.2%) eram auxiliares e quatro (30. 6 . gerais da cidade de Ribeirão Preto . onze elementos trabalhavam na unidade no período de um a cinco anos. A coleta de dados foi realizada através da comportamentos e conseqüências extraídos dos incidentes aplicação da técnica dos incidentes críticos conforme críticos foram agrupados em categorias com o propósito . na ocasião da coleta contrário. No dez anos.7%) eram técnicos de enfermagem. total foram relatados pelos sujeitos 69 incidentes críticos. Conforme já mencionamos. ou seja. Esse estilo envolve comportamento negativos. 1 . sujeitos participantes. onze (84. (7. 12 Salientamos que. A obtenção dos incidentes críticos realizou-se O líder deverá empregar o estilo de liderança através de entrevistas durante o turno de serviço dos delegar (E4) com o liderado com nível de maturidade alto sujeitos investigados. conseqüências positivas fossem. identificamos as situações. instituição sujeito devido a circunstância”. no hospital B. No início de cada entrevista.2%) eram do sexo feminino e quatro melhor compreensão e análise. 81-90 . selecionados (hospitais A e B).n. procedemos a categorização dos dados com o propósito No hospital A.7%. Do pessoal auxiliar investigado. Assim.6%. 27 enfermagem trabalhava na unidade no período de seis a incidentes críticos sendo 14 positivos e 13 negativos.

Categorias das situações relatadas pelo pessoal auxiliar.p. 6 .. relatados pelo pessoal auxiliar e a freqüência com que ocorreram nos hospitais A e B . Quadro 2 . relatados no Quadro 2.Ribeirão Preto .. positivos e negativos dos enfermeiros. enfermagem .n. relativas às situações extraídas dos incidentes críticos. latino-am. segundo sua polaridade positiva (P) e negativa (N) e freqüência com que ocorreram nos hospitais A e B As categorias relativas aos comportamentos pelo pessoal auxiliar de enfermagem são apresentadas críticos.Categorias dos comportamentos críticos positivos (P) e negativos (N) dos enfermeiros. 1 .v. Rev. 81-90 .janeiro 1998 84 de sintetizar os dados levantados para possibilitar a No Quadro 1 apresentamos as nove categorias análise.Liderança situacional. Quadro 1 .

janeiro 1998 85 A seguir.n. As conseqüências resultantes encontramos: insatisfação do elemento da equipe de foram: execução do procedimento. apresentamos as categorias relativas às dos enfermeiros. além das conseqüências já listadas ao realizar o procedimento. 6 . às diferentes necessidades relacionadas a uma evidenciando um descontentamento do pessoal auxiliar determinada atividade. relatadas pelo pessoal auxiliar e a freqüência com que ocorreram nos hospitais A e B Passaremos a discorrer sobre os comportamentos mesmo tempo. positivas e negativas. Quadro 3 . relatadas pelo pessoal auxiliar de conseqüências positivas e negativas dos comportamentos enfermagem (Quadro 3). Rev.v. Salientamos que essas valorizou o comportamento do enfermeiro que respondia três últimas conseqüências foram todas negativas. 8 auxiliar valorizava e desejava que o enfermeiro de De acordo com KATZ três tipos de habilidades unidade de internação prestasse cuidados de enfermagem são necessárias para o gerente executar o processo ao paciente cirúrgico quando aqueles encontravam-se administrativo de forma eficaz: a habilidade técnica. com o comportamento dos enfermeiros. suas conseqüências colaboração recebida do enfermeiro. o procedimento o comportamento dos enfermeiros que Nas situações necessidade de realizar atividades ocorreu com maior freqüência foi auxilia a realização assistenciais concomitantes e necessidade de executar o do procedimento. além disso. ficaram satisfeitos com a positivos e negativos dos enfermeiros. Após a descrição desses resultados consideramos Em contrapartida. presta assistência de enfermagem que obteve maior satisfação do elemento da equipe de enfermagem e freqüência. pessoal auxiliar nas vezes que o enfermeiro forneceu alguma forma de colaboração. .Categorias das conseqüências positivas (P) e negativas (N) dos comportamentos dos enfermeiros. enfermagem . a frente as várias atividades para serem desenvolvidas ao humana e a conceitual. 81-90 . latino-am. o pessoal auxiliar assistenciais e interação negativa. Mais uma vez. O número de conseqüências solicitação do elemento da equipe de enfermagem foi oriundas do comportamento em questão foi maior na o que obteve maior freqüência na situação dificuldade segunda situação. ao nosso ver.. irritação do elemento da equipe de da equipe de enfermagem e atendimento da necessidade enfermagem com a distribuição das atividades do paciente. As conseqüências referentes a este procedimento foi o comportamento dos enfermeiros comportamento foram: execução do procedimento. As conseqüências relativas a este atendimento da necessidade do paciente. relatados pelo pessoal auxiliar em Na situação necessidade de auxílio para realizar cada situação específica. ao analisarmos o conjunto das necessário apresentar alguns conceitos relevantes para outras conseqüências podemos inferir que o pessoal fundamentarmos a análise que faremos posteriormente.. a importância dada pelo foram: atendimento da necessidade do paciente. satisfação do elemento enfermagem. Esses dados comportamento na primeira situação acima descrita demonstraram novamente. 1 . satisfação do elemento da equipe de enfermagem e O comportamento dos enfermeiros atende a execução do procedimento.Liderança situacional.p.Ribeirão Preto .

humana.p. citamos alguns assistência de enfermagem um dos comportamentos dos exemplos de competências consideradas pela autora. estratégias de trabalho em maior freqüência foi comunica-se de forma inadequada equipe e avaliação de desempenho. As conseqüências deste comportamento foram classificou como categoria conceitual. humana na execução do procedimento e necessidade de Em relação à categoria liderança. os objetivos globais da organização. dimensão interpessoal. Desta forma. dos membros da equipe de enfermagem.Ribeirão Preto . e conceitual varia em função dos diferentes níveis A habilidade conceitual envolve a capacidade do gerenciais. Inclui permanece constante em todos os níveis é a habilidade reconhecer como as várias funções da organização humana”. prejuízos na assistência de enfermagem. imediato.v. e não apenas de sobretudo voltada para o gerenciamento da assistência acordo com os objetivos e as necessidades de seu grupo de enfermagem prestada ao paciente. A primeira denominada produtividade e análise de custos e benefícios. “as características individuais passíveis de serem de procedimentos referentes à assistência de enfermagem conquistadas. como por foram: execução do procedimento e insatisfação do exemplo. exemplificando. liderança comportamentos dos enfermeiros que apresentaram maior e financeira. As conseqüências de infecção e planos de cuidado. A terceira. ao domínio do contexto em que o dirigente trabalha”.janeiro 1998 86 A habilidade técnica consiste na compreensão e recebida do enfermeiro ficou evidenciada a satisfação capacidade do gerente em utilizar métodos. relatados pelo que ocupam cargos de chefia nos hospitais. entre elas: medidas de em três diferentes dimensões. 6 . práticas para o controle elemento da equipe de enfermagem. As competências que necessitavam de um ressaltamos que esta situação apenas foi evidenciada no pensamento global ou do uso de teorias. Dando continuidade à descrição sobre os 3 CHASE desenvolveu um estudo para identificar comportamentos positivos e negativos dos enfermeiros. as conseqüências resultantes foram classificadas na categoria técnica. na situação necessidade de assistência de enfermagem. por O comportamento dos enfermeiros que obteve exemplo. utilização das teorias de enfermagem e/ou Conforme já mencionamos nas situações falha administrativas. Em relação ao conhecimento científico ou que envolviam tecnologia primeiro comportamento. Foram dois cinco categorias: técnica. referência e orientação no que tange a habilidade de Esta habilidade permite que o gerente atue de acordo com liderar do enfermeiro de unidade de internação cirúrgica. 8 A habilidade humana compreende a capacidade No entender de KATZ a liderança é uma 6 do gerente em trabalhar de forma eficaz com pessoas e habilidade humana. competências específicas importantes para os enfermeiros suas conseqüências positivas e negativas. relativa às qualidades individuais. freqüência na situação mencionada: não fornece A autora considerou que competências referentes informações para a realização do procedimento e ao cuidado de enfermagem que necessitavam de comunica-se de forma inadequada. a enfermeiros apontado pelo pessoal auxiliar foi comunica- saber: poder e influência. Envolve conhecimento especializado. análise enfermeiro não correspondia às solicitações do pessoal e habilidade em usar instrumentos e técnicas específicas auxiliar houve insatisfação do mesmo acarretando para aquela tarefa. quando o comportamento do específica. conceitual. 1 . de dimensão organizacional. a autora hospital A.n. procedimentos e técnicas para a realização de uma tarefa Em contrapartida. tomada de decisão e estratégias se de forma inadequada. “refere-se às habilidades de Partindo das considerações acima referidas. a situação fundamentar o estudo baseou-se nos conceitos de Katz falha humana na execução do procedimento foi acima referidos e as competências foram agrupadas em constatada somente no hospital B. HERSEY & BLANCHARD construir esforços cooperativos dentro da equipe que abordam que “enquanto a ênfase nas habilidades técnica dirige. 81-90 . acreditamos que a Liderança dependem de setores diferentes e o que fazer para Situacional pode ser utilizada como estrutura de modificar quando um dos setores está afetando outros. o denominador comum cuja importância gerente de visualizar a organização como um todo.Liderança situacional. Na categoria administração financeira a MOTTA classificou as habilidades de liderança autora listou várias competências. processo. Para pessoal auxiliar em cada situação específica. comunicação eficaz. necessárias à administração de recursos humanos. A nos reportarmos aos nossos achados tendo como segunda. enfermagem . que normalmente estão presentes nos ao paciente cirúrgico. . em decorrência da colaboração líderes”. notificação para a chefia e interação negativa. do enfermeiro foi fundamental para o desenvolvimento ou seja. 11 motivacionais. relativas ao segundo comportamento foram execução do A categoria humana envolvia competências procedimento e interação negativa. procedimentos técnicos.. a qual compreende o 8 3 referência os trabalhos de KATZ e CHASE podemos conjunto de habilidades de comunicação e interação entre inferir que para o pessoal auxiliar a habilidade técnica pessoas. Rev.. latino-am.

a divisão de tarefas de acordo com a competência.v. ou seja. a comunicação é ao paciente/cliente. No estilo de liderança persuadir (E2) apropriado Em relação as desvantagens do método funcional. Rev. a elemento da enfermagem em relação ao desenvolvimento tarefa em detrimento das necessidades do pessoal. de determinada tarefa. Nesse sentido. segundo a autora “o notificação para a chefia de enfermagem. Deste modo. Foram quatro funcionalista e considera que essas duas dimensões as conseqüências relacionadas a este comportamento: devem ser conciliadas pois. novamente reafirmamos visa ao cumprimento de ordens e tarefas”. unidirecional. acreditamos que proporciona diretrizes sobre a forma do líder comunicar.. como também a insatisfação do bidirecional. este método representa uma frente a uma tarefa específica comunica-se de forma alternativa na organização da assistência de enfermagem.. presente investigação podemos dizer que nos hospitais monitorar desempenho e conhecer alternativas de futuro. 2 utilizada em todas as atividades desenvolvidas pelo Para CARRASCO . são os mais numerosos da profissão”. “A comunicação é o meio para se Através da nossa experiência profissional e de aproximar das pessoas. buscando a melhoria da qualidade da atendentes que não tem formação escolar específica e assistência prestada. O enfermeiro proporciona explicações ao pessoal de enfermagem. desenvolvidas pelos elementos do grupo. apesar de suas limitações já bastante com um liderado com nível de maturidade baixo (M1) conhecidas e comentadas. O preconizada pelo método funcional seja justificada. quando e heterogeneidade da equipe de enfermagem. para o líder empregar com um liderado com nível de salientamos a fragmentação do cuidado proporcionado maturidade baixo e moderado (M2). ele traça um plano de orientação Ressaltamos que a forma de organização do e supervisão esclarecendo as dúvidas que o liderado trabalho. 10 de internação. pois o liderado com aquele nível de provenientes do topo. latino-am. Portanto. de modo que Frente ao exposto. 81-90 . que a Liderança Situacional pode ser utilizada como Ao considerarmos o método funcional como uma estrutura teórica no que tange à habilidade de liderar do alternativa para a organização do trabalho devemos tentar enfermeiro. “a novas possibilidades.n. Empregando o estilo de contexto hospitalar aborda que o método funcional “visa liderança delegar (E4) com um elemento da enfermagem à eficiência de cada trabalhador e é fundamentado na com nível de maturidade alto (M4) o enfermeiro não organização clássica de divisão do trabalho. 1 . como. a liderança aqui maturidade tem capacidade e disposição em desempenhar empregada é diretiva ou autocrática . irritação do funcionalismo descreve o papel em termos de elemento da equipe de enfermagem com a distribuição expectativas. de acordo com das atividades assistenciais. criando interdependências e assistência de enfermagem é dividida em tarefas fazendo-os sentirem-se parte de uma equipe”. A isto o humanismo acrescenta a .p. acreditamos que a cada um é responsável por algumas delas a serem comunicação seja um instrumento básico da enfermagem.janeiro 1998 87 Na dimensão interpessoal. a maneira que a assistência de apresentar. O enfermeiro ao utilizar o estilo de liderança enfermagem está estruturada pode afetar a liderança 13 compartilhar (E3) com um membro do pessoal auxiliar exercida pelo enfermeiro. sobrecarga de trabalho e não 11 MOTTA a comunicação consiste em um instrumento atendimento da necessidade do paciente. A e B a organização do trabalho na unidade de internação É através da comunicação efetiva que o dirigente líder é fundamentada no método funcional.Ribeirão Preto . fundamental do líder. “a principal característica do enfermeiro. executadas para um grande número de pacientes”. compartilhar idéias e visões. TREVIZAN ao analisar a com nível de maturidade moderado a alto (M3) adota liderança requerida em relação aos diferentes métodos também uma comunicação bidirecional no sentido de de trabalho utilizados na assistência de enfermagem no apoiar os esforços do liderado. enfermagem . que é representado pelos enfermagem. pois ele prioriza o serviço. o comportamento dos enfermeiros que MENDES propõe uma correção humanística para o apresentou maior freqüência foi distribui de forma exercício profissional do enfermeiro no contexto inadequada as atividades assistenciais. se com o liderado numa determinada situação. ou seja.uma liderança que a atividade em questão. recurso fundamental que permite a este pessoal que trabalha em enfermagem no Brasil é a profissional o desempenho de suas ações através de uma heterogeneidade de sua formação escolar que vai do nível interrelação com o paciente/cliente e pessoal de universitário até o elementar. 13 aprende a respeito dos subordinados e os informa sobre Segundo TREVIZAN no método funcional.Liderança situacional. Assim. 6 . observações realizadas na fase de coleta de dados da aprimorar a compreensão sobre o trabalho de cada um. conciliar o alcance dos objetivos organizacionais com as Na situação organização do trabalho na unidade necessidades do pessoal de enfermagem. ele define e expõe o que o membro pois entendemos que ele responde à questão da da equipe de enfermagem deve fazer. que preconiza necessita enfatizar uma comunicação bidirecional como a delegação de autoridade e responsabilidade nos estilos E2 e E3. devido Entendemos que a Liderança Situacional as diferentes categorias na enfermagem. onde. e ao enfermeiro ao adotar o estilo de liderança determinar (E1) nosso ver.

. a saber: não soluciona problemas relativos 14 TREVIZAN & MENDES apresentaram sua ao paciente e comunica-se de forma inadequada. Assim.v. uma vez que este modelo preconiza que e compreender que os integrantes da equipe de o desempenho e o desenvolvimento do liderado é uma enfermagem possuem necessidades e expectativas das responsabilidades cruciais do líder. as conseqüências enfatizamos a contribuição que a Liderança Situacional referentes foram interação negativa e insatisfação do poderá oferecer no contexto da prática assistencial de elemento da equipe de enfermagem. paciente/cliente constitui. está relacionada com a observamos o lado humano percebemos uma insatisfação perícia humana e interpessoal do líder. principalmente. na situação aspecto ético. não pode ficar dentro do mundo particular de cada um. pessoais e profissionais. induzem as autoras. comunica-se de forma inadequada. pelo contrário. Traduzir o sentido dos acontecimentos do ambiente em Sabemos das condições difíceis de trabalho na . ao nosso ver. desafio para os enfermeiros. de tal forma que isso tenha algum eco A enfermagem. a forma inadequada de comunicação com CONSIDERAÇÕES FINAIS o pessoal de enfermagem resultou em prejuízo na conduta ética do enfermeiro uma vez que este profissional ao Na década de 90. tecemos algumas considerações a Perguntamos então a todos os enfermeiros. o porquê e para que a ação que se vive é tornar tangível aquilo que a maior parte das humana é feita”. A tecnologia necessidade do líder conhecer a si mesmo e aos liderados quando bem empregada. que Diante destas considerações. freqüência. como respeito do papel dos liderados no processo de liderança. segundo a autora. é conseguir alheia a esta situação. a melhoria da qualidade dos comunicar-se com um elemento da equipe acarretou uma serviços de assistência de enfermagem prestada ao discussão na presença do paciente e. conforme nos nesses comportamentos.n. A autora enfatizou a após dia. entendemos que a exige conhecimento do outro e conhecimento do mundo Liderança Situacional possa oferecer subsídios ao ambiente”. ambiente de trabalho. salientamos que nessa situação. Acreditamos. entretanto. 81-90 . 1 . pelo contrário. as conseqüências ter surgido ao final dos anos quarenta. entretanto. mais uma vez. ficou evidenciado mais uma vez que o fazem. A importância da enfermagem. “Saber perguntar crescente do paciente/cliente bem como dos profissionais e ter a capacidade de entender as respostas dos da área da saúde.. na área cirúrgica. demanda tripla sensibilidade. o enfermeiro-líder não pode unidade de internação. subordinados. devemos buscar conhecê-los em suas expectativas mais interiores. quer dizer. Para finalizar. 6 .Ribeirão Preto . ele deve valorizar pessoal auxiliar. enfermagem . os problemas recentes sobre liderança começaram a reconhecer o papel no setor saúde avolumam-se e a complexidade cresce dia ativo do liderado neste processo. funcional apontaram que cabe ao enfermeiro estudar e identificando quais as convergências possíveis entre a planejar estratégias que possibilitem manter a satisfação vida pessoal de cada um e a vida que lhes é dada viver no do pessoal de enfermagem em níveis aceitáveis. As visão sobre a administração da assistência ao paciente conseqüências do primeiro comportamento foram segundo referenciais da abordagem comportamental da notificação para a chefia de enfermagem e insatisfação Administração. que ao enfermeiro competirá adequar O pessoal auxiliar. o estilo de liderança às necessidades decorrentes do apontou apenas o comportamento dos enfermeiros progresso de seus liderados. comunicação para a assistência de enfermagem já foi mencionada anteriormente. em um grande na presença de colegas. Conhecer essas necessidades e Na situação intercorrências clínicas. Trabalhar em conjunto. Essa assistência ao paciente/cliente. Rev. as autoras admitem que o líder do futuro pessoal auxiliar esperava que o enfermeiro encontrará liderados em constante processo de educação proporcionasse respaldo frente aos problemas apresentados pelo paciente cirúrgico o que não ocorreu e mais independentes.janeiro 1998 88 intencionalidade. enfermeiro no que tange a organização do trabalho em Em suma.p. no nosso entender. quando abordagem. suas premissas resultantes do segundo comportamento foram mantém-se bastante válidas e mostram-se presentes nas agravamento do estado geral do paciente e interação análises sobre a administração do futuro. podemos vencer esse desafio? Vivemos em uma época 1 De acordo com BERGAMINI . em outra situação. Na análise que negativa. latino-am.Liderança situacional. ou seja. estratégias que de alguma forma possibilite mudanças. Comentam que apesar desta abordagem do elemento da equipe de enfermagem. pessoas imagina como sendo o distante objetivo da HERSEY & DULT7 ao analisarem o método organização à qual pertencem. estudos mais marcada por mudanças rápidas e súbitas. bem como trazer contribuições menosprezar o papel do pessoal auxiliar-liderado no importantes a este profissional a respeito da conduta do contexto organizacional. acarreta inúmeros benefícios na para efetivamente exercer uma liderança eficaz. dois expectativas é um aspecto fundamental para a eficácia comportamentos dos enfermeiros obtiveram maior do processo de liderar.

Through the technique of critical incidents. P. 238 p. Edwino A.A.Apl. J. administração científica e clássica na produção 08.. Basadas en el análisis de los datos inferimos que el Liderazgo Stuacional puede ser utilizado como estructura teórica para fundamentar la habilidad de liderazgo del enfermero con el objetivo de mejorar la calidad de la asistencia y el desarrollo del potencial del personal de enfermería. we selected the model proposed by Hersey and Blanchard. . a comunicação e a em liderança seja uma alternativa essencial. L. R. Enfoque humanístico à críticos: aplicações e resultados. K. C.45-57. 1994. Dissertação(Mestrado) - Special edition. Rev.ed. SITUATIONAL LEADERSHIP: STRUCTURE OF REFERENCE FOR NURSES LEADERS WORK IN THE HOSPITAL CONTEXT Authors studying the theme of leadership developed models that can be applied in the organizational context. Nesse cenário. TÉRMINOS CLAVES: enfermero.Q.3. n.56-64. DULDT. n. turnos de serviço diferentes.2. p.2. atrelado a como estrutura teórica para fundamentar a habilidade todas essas questões está o atual contexto sócio. I.. Francisco Alves. p.W.Adm. latino-am.W.A. ou seja. Preto. n. llamado Liderazgo Situacional. 2. falta organização do trabalho.26. KEY WORDS: nurse. v.. 09. Trad. enfocou principalmente a investimento para obtenção de conhecimento e habilidade habilidade técnica do enfermeiro. São administração do sentido. Ribeirão Harvard Business Review. HERSEY. Gestão contemporânea: a ciência e a 05. Rio de Janeiro. p. Situational leadership 02. com vistas ao aprimoramento econômico e político do país que não é animador.L.C.Liderança situacional. critical incidents. São Paulo. Psicologia para administradores: a teoria e as técnicas da 01. DELA COLETA. we were able to infer that situational leadership can be used as a theoretical structure to base nurses’ leadership skills.Bras. p. Baseadas nesta análise. 1990. GARDNER. Nursing leadership: to thrive in a Universidade de São Paulo. in order to improve the quality of nursing care and the development of nursing personnel. 1987. ao nosso ver. JONA. Spring 1994. A na sua prática diária. named Situational Leadership. de liderar do enfermeiro. BLANCHARD. liderazgo situacional REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 06.. Rev. K. Califórnia: Appleton & Lange. Based on the analysis of data. J. April 1994.35-58.45.W.Royer. MOTTA. abril/junho 1991. v.janeiro 1998 89 enfermagem. 04. B. podemos de recursos materiais e humanos. 1989. 81-90 . KAWAMOTO. Skill of an effective administrador. Mas da qualidade da assistência de enfermagem e do alguma coisa precisamos fazer! desenvolvimento do potencial do pessoal de enfermagem. Nurs.18. Na presente investigação tentamos mostrar como Para finalizar.v. identificamos y analizamos los comportamientos de los enfermeros de la unidad de hospitalización quirúrgica. En la presente investigación seleccionamos el modelo propuesto por Hersey y Blanchard.Ribeirão Preto . Rio de Janeiro: Record. Sarvier. Influência das escolas de in nursing. 07. 6 . A través de la técnica de los incidentes críticos. situational leadership LIDERAZGO SITUACIONAL: ESTRUCTURA DE REFERENCIA PARA EL TRABAJO DEL ENFERMERO-LÍDER EN EL CONTEXTO HOSPITALARIO En la literatura estudiosos de la temática sobre liderazgo desarrollaron modelos que pueden ser aplicados en el contexto organizacional. A técnica dos incidentes 10. v.. 1989.p. comunicação em enfermagem.1-6. Rio de Janeiro: Record. Recursos humanos: a liderança situacional. científica da enfermagem brasileira. MENDES. acreditamos que cabe ao um modelo de liderança pode trazer contribuições para o enfermeiro a busca de estratégias para tentar modificações trabalho do enfermeiro-líder no contexto hospitalar. enfermagem . n.P. P.24.26. Liderança..Eduardo arte de ser dirigente. 1 . CHASE.Adm.H.R. P. HERSEY. v. M. p. Trad. o análise dos dados levantados. São Paulo: Arq. Paulo: Editora Pedagógica e Universitária.. we identified and analyzed the behaviour of nurses from surgical units.68-73. según el relato del personal auxiliar. CARRASCO. 11. KATZ.n. abril/junho 1974. world of change. incidentes críticos. 03..A. Nurse manager competencies.Psicol. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto. 1986. 1991. In the present study. BERGAMINI. jornada dupla de inferir que a Liderança Situacional pode ser utilizada trabalho e principalmente a questão salarial.

OZIMEK. 1981. Universidade de São Paulo. Nursing e o real no contexto hospitalar.. YURA. de Ribeirão Preto.Rev.Escola de Enfermagem aspects.B. H. 13. I.. New 1993. Incidentes críticos da passagem 14.A.25-28. 81-90 .. leadership: theory and process. 2.1. p. WALSH. Rev.janeiro 1998 90 12. D. v. Liderança do enfermeiro: o ideal 15.Ribeirão Preto . York: Appleton-Century-Crofts. Administration of patient care: theoretical Dissertação (Mestrado) .Liderança situacional. latino-am. January/February 1993. M. ed. M.. M.. 1988. Ribeirão Preto.Nurs.A.C. MENDES.p.v. n. TREVIZAN. 109p. TREVIZAN. NOGUEIRA. .A..40. Int. 6 . M.n. de plantão. enfermagem . São Paulo: Sarvier. 1 .S.