You are on page 1of 7

TEXTO ÁUREO

“Jesus respondeu e disse-lhe: Na verdade, na verdade te digo que aquele


que não nascer de novo não pode ver o Reino de Deus”. (João 3:3).
Professor aproveite a leitura do texto Áureo para fazer uma síntese sobre:
"Quem era Nicodemos"? Embora não temos muitas informações sobre
ele, mas sabemos que seu nome é grego e significa "vencedor do povo".
Era fariseu, um príncipe do povo (Jo 3:1) e membro do sinédrio (Jo 7.50).
Os milagres que Jesus realizava foi o motivo que teria levado Nicodemos
a crer que Deus era com ele:
Este foi ter de noite com Jesus, e disse-lhe: Rabi, bem sabemos que és
Mestre, vindo de Deus; porque ninguém pode fazer estes sinais que tu
fazes, se Deus não for com ele. (Jo 3.2)
O fato de ter ido à noite se encontrar com o Senhor, provavelmente por
ser uma pessoa influente e conhecida na sociedade, não queria ser
notado. É importante destacar que esse encontro que ele teve com Jesus
produziu a lição que estudaremos hoje e também o que consideramos ser
o texto áureo da Bíblia (Jo 3:16).

VERDADE APLICADA
O novo nascimento é condição para entrar no reino de Deus. É ação
divina no ser humano, tornando-o participante da natureza divina e
incluído na família de Deus.

INTRODUÇÃO
Segundo John Piper, o novo nascimento produz no cristão uma vida que
antes não existia. Uma vida mais consciente, respeitadora, produtiva e
associada à pessoa de Deus.
Nicodemos nunca mais foi o mesmo depois do encontro com Jesus (Jo
7.51;19.39).

1. O NOVO NASCIMENTO E SUA ESSÊNCIA


Um termo sinônimo para novo nascimento é a regeneração. A Palavra
regeneração significa: “voltar a criar”. É uma referência ao ato pelo qual o
homem caído é recriado internamente a uma condição que lhe permite ter
comunhão com Deus. Em outras palavras, o novo nascimento é a
renovação espiritual da imagem de Deus no homem (Ef 4.24; Cl 3.10).

1.1. A necessidade do novo nascimento.


A regeneração causada pelo efeito do novo nascimento acontece
individualmente, no interior de cada cristão (1Pe 1.23). É o ato pelo qual o
pecador recebe a vida espiritual através da graça soberana de Deus e obra
especial do Espírito Santo, passando a compreender e discernir as coisas
espirituais. Sem o novo nascimento não existe qualquer esperança para a
salvação. Jesus disse a Nicodemos que o novo nascimento era uma
“necessidade”, sem a qual não havia possibilidade alguma de se fazer
parte do Reino de Deus (Jo 3.5). Interessante que o termo “novo”, no grego,
é “anothen”, com o significado de “oriundo do alto, de cima”. Por isso, é
utilizado se referindo a tudo que tem origem celestial ou do céu. Assim, é
possível dizer “nascer do alto” ou “nascer de Deus” (Jo 1.13).
Não te maravilhes de ter dito: Necessário vos é nascer de novo (Jo 3.7)
Porque é necessário?
a) O pecado de todos Rm 3.23
Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus (Rm 3.23)
b) A perdição espiritual de todos
E vos vivificou, estando vós mortos em ofensas e pecados (Ef 2.1)
c) Todos estão debaixo da condenação Hb 9:27
E, como aos homens está ordenado morrerem uma vez, vindo depois disso
o juízo.
d) Somente os filhos de Deus tem direito à sua herança Rm 8:16-17
O mesmo Espírito testifica com o nosso espírito que somos filhos de Deus.
E, se nós somos filhos, somos logo herdeiros também, herdeiros de Deus,
e co-herdeiros de Cristo: se é certo que com Ele padecemos, para que
também com Ele sejamos glorificados. (Rm 8.16-17).

1.2. A importância do novo nascimento.


No início da criação, Deus fez o homem íntegro e em um estado de
liberdade, mas quando Adão pecou, toda a raça humana foi afetada (Rm
5.12, 19; Sl 51.5). Assim, a Bíblia não respalda a crença na bondade natural
do ser humano como necessitando apenas ações produzidas por reformas
sociais e pela educação (Rm 3.9-20; 5.12). O homem sem Deus está morto
em delitos e pecados. Por essa razão, o novo nascimento é tão importante.
Esta morte separa o homem de Deus e de toda a comunhão com Ele (Is
59.2).
"Novo nascimento não se trata de uma opção, mas é uma questão
absolutamente obrigarória." (Revista do professor)
Professor para enriquecer a explicação sobre a importância do novo
nascimento cite a conversão de Cornélio. Ele era um homem temente a
Deus, amigo da oração, dava esmola, todavia precisava nascer de novo e
Pedro foi o canal para que Cornélio fosse regenerado.
"Assim, mandei buscar-te imediatamente, e foi bom que tenhas vindo.
Agora estamos todos aqui na presença de Deus, para ouvir tudo que o
Senhor te mandou dizer-nos." (At 10:33).
Neste acontecimento registrado, Deus completa a obra na vida de Cornélio
e seus convidados (novo nascimento) para que alcançassem a salvação.
Você conhece algum Cornélio? Na verdade há muitos Cornélios esperando
alguém chegar até eles para que sejam regenerados.
"Oh Senhor nos desperte e nos inspire para fazer a tua obra, quantos estão
nos esperando e os dias passam rapidamente".

1.3. O poder do novo nascimento.


O apóstolo Paulo em sua primeira carta aos Coríntios 2.14 diz: “Ora, o
homem natural não compreende as coisas do Espírito de Deus, porque lhe
parecem loucura ; e não pode entendê-las, porque elas se discernem
espiritualmente”. Escrevendo aos efésios, o apóstolo Paulo descreve o
novo nascimento como uma ressurreição de entre os mortos (Ef 2.5-6). Ou
seja, quando estávamos mortos em nossos delitos e pecados, a primeira
coisa que Deus realizou em nossas vidas foi ressuscitarmos
espiritualmente para que pudéssemos compreender, ver ouvir e receber o
espiritual, e dessa maneira, ter comunhão com Ele através da fé.
O poder do novo nascimento se resume na palavra transformação.
Segundo o Pr. Alexandre Claudino Coelho (CPAD) é inegável o poder
transformador do Evangelho de Jesus Cristo. Essa transformação é
concedida por Deus para que o ser humano se torne uma nova criatura e
tenha um novo começo por meio da salvação e do novo nascimento. E o
Espírito Santo de Deus atua em nossa vida, transformando-nos
diariamente, porque Ele passa a habitar em nós, ajudando-nos em nossas
lutas e nos mostrando a forma correta de agradar a Deus. Um exemplo
dessa transformação vemos na vida e palavras de Paulo:
"a mim que, dantes, fui blasfemo, e perseguidor, e opressor; mas alcancei
misericórdia, porque o fiz ignorantemente, na incredulidade" (1 Tm 1.13).
Convide um aluno para testificar a transformação que o novo nascimento
operou em sua vida (Máximo 3 minutos)

2. OS MEIOS DO NOVO NASCIMENTO


É evidente que não é possível conhecer plenamente o processo espiritual
da regeneração (Jo 3.8). Regeneração é um milagre. Contudo, precisamos
se interessar e buscar conhecer cada vez mais o que Deus revela-nos em
Sua Palavra (Dt 29.29).

2.1. Ação do Espírito Santo.


Assim como o Espírito Santo desempenhou um papel na criação (Gn 1.2;
Jó 33.4; Sl 33.6; 104.30), a regeneração é obra do Espírito Santo no íntimo
das pessoas. Como o senhor Jesus Cristo foi gerado pelo Espírito Santo,
assim, pela operação do mesmo Espírito, somos “feitos filhos de Deus” (Jo
1.12). Como já visto anteriormente , antes do novo nascimento, o ser
humano está, espiritualmente, morto em ofensas e pecados. A regeneração
é Deus agindo em favor do homem: E porei em vós o meu Espírito, e
vivereis...” (Ez 37.14). O Espírito Santo é o Espírito de Vida (Rm 8.2). Logo,
o novo nascimento não é somente uma doutrina, mas uma realidade
prática.
Ele nos faz frutificar em toda boa obra. Deus deseja que possamos
ser vistos pelo mundo como pessoas transformadas pelo
evangelho. Essa “apresentação” pode ser vista na forma como
vivemos o evangelho, ou seja, em nosso dia a dia. Mais que nossas
palavras, as pessoas veem as nossas atitudes, e avaliam o que o
Evangelho faz conosco e o que fazemos com o Evangelho. Por
isso, é importante que sempre manifestemos o fruto do Espírito,
relatado em Gálatas 5.22,23: “Mas o fruto do Espírito é: amor,
alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade,
mansidão, domínio próprio. Contra estas coisas não há lei” (ARA).
Lembre-se de que o fruto do Espírito não surge do nada, de um
momento para o outro. Ele requer amadurecimento e constante
dependência do Espírito Santo, pois só assim o fruto
surgirá. (Lições CPAD» Jovens 2015 » 1º Trimestre)
O fruto do Espírito é produzido na vida daqueles que nasceram de
novo.

2.2. Ação da Palavra de Deus.


Desde o princípio está revelado o poder criador da Palavra de Deus: “E
disse Deus: Haja...produza...frutificai...E assim foi” (Gn 1.3, 11, 22).
Encontramos também a Palavra de Deus como agente da regeneração(Tg
1,18). Ela é identificada como semente que gera uma nova criatura (1Pe
1.23), produzindo uma nova vida, pois é “viva e eficaz” (Hb 4.12). O
apóstolo João escreveu que todos quantos receberam o Verbo – a Palavra
da Vida (1Jo 1,1), “...deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus” (Jo
1.12).
Sendo de novo gerados, não de semente corruptível, mas
da incorruptível, pela palavra de Deus, viva, e que permanece para
sempre. (1 Pe 1:23)
A água citada por Jesus em João 3.5 é a Palavra de Deus. O
apóstolo Paulo relaciona a nossa purificação à Palavra (Ef 5.26).
Na passagem bíblica de Tito 3.5, ele também faz menção à
operação conjunta da Palavra de Deus e do Espírito Santo.(Revista
do professor)
Para a santificar, purificando-a com a lavagem da água,
pela palavra,(Ef 5:26)
Não pelas obras de justiça que houvéssemos feito, mas segundo
a sua misericórdia, nos salvou pela lavagem da regeneração e da
renovação do Espírito Santo,(Tt 3.5)
2.3. Vontade de Deus e ressurreição de Jesus.
Não é da vontade de Deus que alguém se perca. Ele não tem prazer na
morte do ímpio, mas quer que todos se salvem (Ez 33.11; 1Tm 2.4). A
regeneração é, pois, um ato soberano da vontade de Deus. Não é por meios
naturais, mas o próprio Deus é o Pai dos nascidos de novo (Jo 1.13).
“segundo a sua vontade, ele nos gerou...” enfatiza o apóstolo Tiago (Tg
1.18). O texto de 1 Pedro 1,3 registra que a ressurreição de Jesus Cristo
também está envolvida na obra de regeneração (1Pe 1.3).
Vontade de Deus
Segundo a sua vontade, ele nos gerou pela palavra da verdade, para que
fôssemos como primícias das suas criaturas (Tg 1:18).
Ressurreição de Jesus
Ressurreição de Jesus
Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo que, segundo a
sua grande misericórdia, nos gerou de novo para uma viva esperança, pela
ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos (1Pe 1.3)

3. OS RESULTADOS DO NOVO NASCIMENTO


Neste tópico, vamos refletir sobre os frutos de uma vida que passou por
esta mudança tão radical: o novo nascimento. Quais os efeitos quando a
comunhão com Deus é restabelecida?

3.1. Filiação divina.


Um dos grandes equívocos que ouvimos é: “Todo mundo é filho de Deus”.
É possível que muitos não considerem “politicamente correto” mencionar
esta verdade: não são todas as pessoas que fazem parte da família de
Deus! Todos são criaturas de Deus, amados por Deus, mas nem desfrutam
do relacionamento com Deus, como Pai, conforme revelado nas Sagradas
Escrituras. É preciso passar por Jesus Cristo (Jo 1.12; Gl 3.26).
Somente o imensurável amor do Altíssimo poderia elevar o pecador
convertido à condição de santo, justo e filho de Deus (Pr. Elieser L.Silva)
Porque todos os que são guiados pelo Espírito de Deus, esses são filhos
de Deus. (Rm 8:14).
A recíproca é verdadeira: se somos filhos de Deus pela conversão, e o seu
Espírito habita em nós, devemos viver em santidade e justiça (Lc 1.75). A
santificação é um processo iniciado e levado a efeito pelo Espírito Santo
durante toda a nossa vida (2 Co 7.1; 6.1-3). (Lições CPAD Jovens e Adultos
- 2009 - 3 Trimestre).

3.2. Vida vitoriosa.


Outro resultado do novo nascimento é a vitória sobre o mundo (1Jo 5.4). É
preciso lembrar que a palavra “mundo” na Bíblia admite vários sentidos. O
contexto é que determinará o sentido a ser considerado. Pode referir-se a
pessoas (Jo 3.16), ou à criação de Deus (At 17.24), ou à criação de Deus (At
17.24), ou, no sentido aqui considerado, com a conotação da soma de
todos os poderes opostos a Deus, que dificultam um viver de acordo com
a Palavra de Deus, este mau sistema, que está sob o domínio de Satanás,
com padrões, valores e comportamentos contrários a Deus. Notar que a
vitória não provém do homem, mas é concedida a todo aquele que é
nascido de Deus. Assim, o novo nascimento nos tira da esfera deste mundo
que jaz no maligno (1Jo 5.19).
Os filhos de Deus vencem o mundo (v.5). Os filhos de Deus não se
conformam com as obras deste mundo, a saber, "as concupiscências" que
em vossa ignorância praticavam (1Pe 1:14). Esses desejos intensos de
gozos materiais estão associados à falta de conhecimento legítimo do que
é verdadeiramente útil, real, e necessário para se ter uma vida que agrade
a Deus. Só cai diante dos apelos mundanos aquele que perdeu a visão do
Reino de Deus, e fixou seu olhar nas ilusões passageiras deste mundo. Há
uma separação entre o nosso passado sem Deus e a nossa posição de
filhos de Deus, santificados em Cristo.
A nova vida em Cristo depende de o crente separar-se voluntariamente,
passando a ser controlado pelo Espírito Santo de Deus; não mais vivendo
sob o domínio do pecado, nem sob o controle da carne, mas dominado pelo
Espírito do Senhor. (Lições CPAD Jovens e Adultos - 2009 - 3 Trimestre).

3.3. Nova criatura.


A natureza pecaminosa ainda está presente, mas não estamos mais sob o
seu domínio (Jo 8.36). Ainda não estamos livres da possibilidade de pecar,
mas estamos livres da obrigatoriedade de pecar (1Jo 3.9). Ou seja, o
nascido de novo não vive na prática do pecado como antes. A regeneração
envolve sermos participantes da natureza divina (2 Pe 1.4). Assim, em
Cristo somos novas criaturas (2Co 5.17), vivendo em novidade de vida (Rm
6.4), não mais escravos do pecado (Rm 6.6, 12, 14).
Como novas criaturas precisamos viver sob o domínio do Espírito Santo,
sendo guiados, orientados a todo o momento:
A nova vida no Espírito (Romanos 8)
"Portanto, agora, nenhuma condenação há para os que estão em Cristo
Jesus, que não andam segundo a carne, mas segundo o espírito" (Rm 8.1).
É significativo que este primeiro versículo seja uma consequência natural
e prolongada de Romanos 7.6: "Mas agora, estamos livres da lei, pois
morremos para aquilo em que estávamos retidos; para que sirvamos em
novidade de espírito, e não na velhice da letra". Portanto, nenhuma
condenação há para quem está em Cristo!
O apóstolo passa a demonstrar o fato de que a libertação do pecado
produzida pelo Espírito resultou em nosso livramento da culpa e da morte,
fruto da obra expiatória de Cristo no Calvário. Se no capítulo cinco esta
nova realidade de vida traz a esperança, pois é uma nova realidade como
produto do derramamento do amor de Deus por intermédio do seu Espírito
(v.5), no oitavo o apóstolo trata o crente como que vivendo e estando
imerso nesta esperança, isto é, a vida plena no Espírito santo (Rm 8.1,6b).
A realidade de quem "anda" no Espírito vislumbra no apóstolo uma
perspetiva escatológica - "Porque para mim tenho por certo que as aflições
deste tempo presente não são para comparar com a glória que em nós há
de ser revelada (Rm 8:18) - arraigada na realidade da existência: "E da
mesma maneira também o Espírito ajuda as nossas fraquezas; porque não
sabemos o que havemos de pedir como convém, mas o mesmo Espírito
intercede por nós com gemidos inexprimíveis" (v.26).
Convide a sua classe a viver no Espírito. Nossa esperança deve estar no
céu, mas não podemos perder de vista a realidade das coisas. Precisamos
reproduzir o vislumbre da gloriosa esperança onde habitamos(Lições CPAD
Jovens e Adultos - 2016 - 2 Trimestre)

CONCLUSÃO
Podemos resumir a história da humanidade, nos aspectos bíblico e
espiritual, em três palavras: geração, degeneração e regeneração (novo
nascimento). Não é por meio da educação, reformas sociais ou moralidade,
que se volta ao estado original de comunhão com Deus. Há apenas um
caminho: o novo nascimento.

Bibliografia
Biblia de estudo pentecostal, Almeida revista e corrigida, Rio de Janeiro, CPAD
Revista EBD Betel Dominical Professor - 4 trimestre 2017, ano 27, número 105 - Editora
Betel
PAE - Plano de Aula Expositiva - Auxílio EBD -
http://editorabetel.com.br/auxilio/beteldominical/

1. Como o apóstolo Paulo descreve o novo nascimento?


R: Como uma ressurreição de entre os mortos (Ef 2.5-6).

2. O que não é da vontade de Deus?


R: Que alguém se perca. Ele não tem prazer na morte do ímpio, mas quer
que todos se salvem (Ez 33.11; 1Tm 2.4).

3. O que o texto de 1 Pedro 1.3 registra?


R: Que a ressurreição de Jesus Cristo também está envolvida na obra da
regeneração (1Pe 1.3).

4. O que é a vitória sobre o mundo?


R: Resultado do novo nascimento (1Jo 5.4).

5. O que somos em Cristo?


R: Novas criaturas (2Co 5.17).