You are on page 1of 100

qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty

uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd
fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzx
cvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq
wertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyui
opasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfg
hjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxc
Lambuzas De Vida
vbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq
wertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyui
Poemas e Poesias

opasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfg
2008

hjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxc
vbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq
Gideon Marinho Gonçalves

wertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyui
opasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfg
hjklzxcvbnmrtyuiopasdfghjklzxcvbn
mqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwert
yuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopas
dfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklz
xcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnm
qwertyuisdfghjklzxcvbnmqwertyuiop
Página |2

Contato:

Gideon Marinho Gonçalves


gideonmarinho@gmail.com

*
* *

20 de Julho de 2008
Versão 1.0

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
Página |3

Aos meus filhos


Glauber e Jean,
razão do meu viver.

Aos meus pais


Felisberto e Denir,
minha inspiração para a vida.

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
Página |4

Conteúdo

Aos meus filhos 3


Aos meus pais 3
Introdução 6
O Amor que não aparece 7
O trem da Central 8
Beijo inesperado 12
Morena linda do mar 13
Hotel de solidão 14
A minha verdade desnuda 16
Saudades do meu saxofone 17
Cataratas do Iguaçu 18
Um delírio 19
Anjos zombeteiros 23
O Trem da minha sina 26
Frio, chocolate e saudade 30
Praticar a vida 32
Ao pé do Mar 34
A jornada sem fim 36
Um amor que não vem 39
Uma paixão proibida 41
Amor sem rimas 43
Amor virado 45
Momentos mágicos 47
Ter você e nada mais 48
Almas enlaçadas no inverno 50
Lamento de duas notas e um gemido 52
Clamor do amor 53
A Lua 54
Amigo quase relapso 55
Lambendo os lábios 56

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
Página |5

O que virá, o que será 57


O que dizer para os jovens 59
Amor que se foi 60
Amor, uma mistura de sentimentos 63
Sem nexo 67
Lamento à fantasia 68
Sério, sempre? 70
Jazz affair 72
Pingou uma lágrima 73
Diante de um novo amor 74
Beijos e selinhos 77
E a vida passa 78
Som e angústia 79
Desatinos 80
Quando nada se tem prá dizer... 81
Lamento de duas notas e um gemido 82
A vida, um riacho 83
Porque escrevo 85
Nada mais, somente a cumplicidade 87
Amor adolescente 89
Amor prá ser lembrado 90
Ter você e nada mais 93
Sem Rascunho 95
Poesias são carruagens 97
Tarde fria 98

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
Página |6

Introdução

A intensidade do dia-a-dia, procuro não deixar fugir de meu olhar. Registro as minhas
impressões sobre a vida como que compungido por um compromisso urgente comigo
mesmo. A vida no subúrbio e na cidade passa ligeira. Observo o seu rastro buscando
situações que seriam efêmeras sob outro aspecto, mas que me servem como matéria prima
para as minhas reflexões.

Não me preocupo demasiadamente com os estilos literários. Em parte porque não sou
especializado em Literatura, e mais, não consigo adestrar o ritmo e a métrica da minha
narrativa aos diversos estilos existentes. A vida é ligeira e às vezes a rima que
complementa um fato sensível dá-se na imaginação de cada um. Não é preciso registrá-la,
necessariamente.

Os fenômenos de minha imaginação e sentimento, mesmo que às vezes intensos e


desconcertantes, são narrados em forma de prosa poética, poemas, poesias ou ensaios.
Não se choquem, e perdoem-me a impetuosidade, às vezes.

Agradeço os comentários à obra!

O autor

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
Página |7

O Amor que não aparece

Macaé,
Janeiro de 2002
O Amor é bonito
Quando acontece
Sem ter de acontecer.
Quando aparece
Sem ter de aparecer.
Quando existe
Sem ter de ser.

O Amor verdadeiro
Vem de onde não teria de vir.
Existe quando não teria de existir.
Está aonde não tem lugar.

O Amor perfeito é lindo,


Quando parece não ter beleza.
É belo quando não tem forma
É suave quando pesa no ser.

O Amor eterno
Não caminha pela estrada.
Existe nas beiradas,
Esconde-se nas melodias
E aparece nas poesias.

Quando se ama
Não se busca entender.
Porque o Amor
Não se deixa ver.

Quando se ama
Não se sabe o porquê.
Nem se quer saber.

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
Página |8

O trem da Central
Rio de Janeiro,
Maio de 2008
Vou-me embora nesse trem
Vou-me embora nessa sina
Vou prá casa na Vintém
Ver Menina, minha mina.

Cantando e assobiando
Um sambinha popular.
Vou dormindo, cochilando
Prá não ver tempo passar.

Vou sonhando com o mundo


Esperando prá mudar.
Vou fazer uma fezinha,
No cachorro apostar.

Lá vem vindo o camelô


Anunciando com ardor,
Agulha, linha, tem senhor!
Carretel e pregador.
Meu sapato já furou,
A Menina reclamou
Pediu um desentupidor
Pois a pia transbordou.

Psiu, Psiu! Ô camelô!


Vem na mão com abridor.
Tem dedal, tem sim Senhor.

Tem elástico e varal.


Que retira do avental
Vai girando o seu jirau.

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
Página |9

Quero um desentupidor, ô camelô,


Minha pia entornou.
Tenho só cinco mil réis,
Não me serve um abridor.

Tem biscoito, tem pastilha,


Mirabel e simpatia.
Agradeço a serventia
Do guri com anemia.
Vou-me embora nesse trem
No constante vai-e-vem
Cochilar um pouco mais
Sem pender para o rapaz.

Vou-me embora nesse trem


Que não chega na Vintém.
Amanhã de novo tem
Jornaleiro, pipoqueiro
Esmoleiro tem também.

Tem no primeiro vagão


O pastor dando sermão.
Cozinheira cantadeira
Com a Bíblia na mão.

Tem irmão falando grosso


Ex-bandido agora moço.
Todos cantam uma canção
No meio da oração.
Vou chegando na Central
Cumprimento o Juvenal
Moleque trabalhador
Vendedor e lutador,
Anunciando o jornal.

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 10

Já dizia minha avó,


Quem não estuda até dá dó.
Vou prestar vestibular.
Este ano vou passar.

Medicina, nem pensar.


O patrão tem que ajudar.
Pode ser demagogia
Mas eu vou aproveitar.

Vou-me embora deste trem.


Oh, Menina, cá cheguei
Sem nenhum, nenhum vintém.
Camelô não ajudou
Só achei um abridor.

Mas trouxe algumas rosas,


Lá do Zé, o vendedor.
Toma Menina o meu favor,
É uma lembrança com amor.

Vou-me embora da Vintém


Desta vez não vou de trem
Vou de táxi amarelo
Prá Rocinha, bem além.

Vou pagar o armazém,


O padeiro, o verdureiro,
O sacolão e o floreiro.

Deu cachorro na cabeça,


O sermão me ajudou.
O bicheiro me pagou.
Prá Zona Sul agora vou.

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 11

Juvenal me balançou
Do sonho me resgatou
Levanta homem que chegou,
Vamos logo desse trem,
Já chegamos na Vintém!

Vou ver Menina, minha mina


Que seu beijo me fascina.
Cheiro de alho me alucina.

Amanhã é sexta-feira
Vou no forró da saideira
Com Menina lá na feira.

Vou-me embora desse trem


Só quando for para o além.

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 12

Beijo inesperado
Rio de Janeiro,
Junho de 2008
Guardei um farelo nos dentes
Prá ir com a língua remexendo
O sabor da declaração repentina de amor
De uma amiga querida de muitos favores.

Não quero perder o sabor


Do amor que logo brotou
De meu coração em desalinho
Com o repentino carinho.

Um beijo estalado no rosto


Com som de lábios sedosos
Assim recebi o presente
Dessa declaração veemente.

Agora vou prá casa feliz


Com o rosto e lábios sorridentes
Por esse inesperado presente.

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 13

Morena linda do mar


Rio de Janeiro,
Maio de 2008
Morena linda, morena brejeira
caminha na praia com jeito, sem jeito
o verde do mar lhe serve de espelho
as ondas se esmeram prá refletir os seus seios.

Linda morena que rouba o meu olhar


disfarçado me faço, com os olhos a laço
a vastidão do mar socorre o meu lapso
meu desejo não se contém, um poema faço.

Morena do mar, cabelos ao ar


passos gingados na cadência do mar
doce requebrado na indecência do olhar
de novo disfarço-me na vastidão do mar.

Morena, morena, linda do mar


quisera eu roubar uma gota somente
de seu sorriso saliente, nesta manhã quente
quiçá este poema não viesse me ocupar
perdido estaria em seu azul olhar.

25-05-2008

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 14

Hotel de solidão
Foz do Iguaçu,
Junho de 2008
A noite cinzenta no hotel de solidão
A foz do Iguaçu que não ecoa na escuridão
O frio do Sul que sufoca o meu coração
Os pés trepados um no outro, protegidos, no chão.

O filho no MSN pedindo explicação


A sobrinha adolescente exigindo uma benção
Uma amiga solitária pedindo atenção
E o meu coração, esse, bem, sofrendo de solidão.

Ao fundo um smooth jazz tocando uma bela canção


Que me faz murchar de saudades do meu violão.
A distância de casa, dos filhos, amor, amigos e do cão,
Quero voltar correndo pro meu Rio, pisar no meu chão.

Escrevo sempre que estou triste


Melhor isso que ficar remexendo na cama.
Há tempo não sei como sorrir.
O afago de um beijo e o aperto de mão.
O som de meu sax, flauta, violino, latido de meu cão.

A saudade veio escondida na bagagem, no avião


Intrometeu-se no 206, em baixo de meu colchão
Ainda bem que não trouxe a sua irmã, a decepção.
Dias desses a vi escondida, telefone na mão.

Deixa estar, se desconfiar que chama a sua irmã


A despacho de volta pro Rio, sem compaixão.
Também vou, claro, em outro vôo, correndo pro meu violão.
Não quero a companhia da Decepção.
Em Foz do Iguaçu, não.

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 15

O som das águas que abundam por aqui


Não chegou ainda ao meu coração.
Ledo engano, pois dissera a uma amiga
Que, cá, tocaria meu violino, na escuridão.

Olhando pro manancial de águas turvas


Misturaria os sons vindos da imensidão
Com a minha débil música, sofrida.
Pois bem, não veio o sax, o violino e nem o violão.

E cá estou eu, MSN, estudando com meu filho


Que insiste não precisar do Inglês.
E nada de música, som, alegria e criação.
Sobra-me, somente, a melancolia
Nesse hotel de solidão.

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 16

A minha verdade desnuda


Rio de Janeiro,
Junho de 2008
O meu ser está retalhado pelas frestas
que a minha poesia abre
desnudando segredos que deveriam estar guardados
para sempre no fundo da alma.
Mas o que seria de mim
se minh'alma sofresse sufocada
pelo silêncio da minha poesia?
Talvez sucumbisse espremida em meu corpo
e envelheceria com o tempo.

Não fosse a minha poesia com a sua navalha afiada


e minh'alma teria que lidar eternamente
com o silêncio e a escuridão de meu interior.

A poesia tem o poder de penetrar em meu interior,


revirar meus temores, convicções e sentimentos,
agregar tudo e lançá-los ao ar do jeito que for.
Por isso às vezes ela vem rimada,
outras vem desajeitada
como se não tivesse tempo para arrumar-se
pela urgência em conquistar a liberdade da vida.

Dessa forma ela vai desnudando-me


e retalhando a minha vida
como se fosse uma roupagem
que precisa urgentemente ser rasgada,
tirada para mostrar a verdade de meu ser...

Assim, mesmo contra a minha vontade,


a minha verdade fica desnuda e exposta
agradando a poucos e decepcionando a muitos.

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 17

Saudades do meu saxofone

Foz do Iguaçu,
Junho de 2008
Há dias não sinto o sabor de sua língua
Não sinto o atrito de seus dedos
Não sinto o peso de seu corpo.
Deixei-te quieto no canto de meu quarto.
Estojo meio empoeirado, pendente pro lado.

Partituras largadas e desarrumadas


Na estante recostada na parede
O som ainda ligado querendo recomeçar
Um playback que deixei por terminar.

Sinto falta das escalas tossidas prá te desengasgar


Antes dos desafios das lições de sábado pela manhã.
Preso ao minúsculo quarto desse triste hotel
Sinto-me triste por não te tocar.

Não sei por quanto tempo vou suportar


A solidão dos meus sons, devaneios e elucubrações.
O semblante do Tom Jobim no songbook anotado
Pertuba-me, vez outra, em sonhos tumultuados
Da alma perdida sem saber pro meu Rio voltar.

Dias desses tentei solfejar uma bossa


Prá tentar quebrar o jejum musical.
Não fui longe, pois logo uma lágrima atrevida
Veio pingar justamente no dorso da mão
Que eu usava para marcar o compasso da canção.

Quando pro meu Rio voltar


Vou correndo de seu silêncio te soltar.
Com alegria compor o tudel ao seu corpo esbelto
Ajeitar a sua língua na boquilha sedenta
E com carinho verter o "Samba do avião"
Noite a dentro.

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 18

Cataratas do Iguaçu

Foz do Iguaçu,
Junho de 2008
Eu vi as Cataratas, não, não eram cataratas
eram lágrimas jorrando dos olhos dessa terra.
Vi-me ali enorme vertendo todas aquelas lágrimas.
Não era o Iguaçu que chorava, eram meus olhos que
inundavam o meu coração de solidão.

Fui ver as Cataratas, mas encontrei a solidão.


Tantas águas abundantes por todos os lados
Impetuosas, brotando de qualquer lugar.
Aleatórias, debochadas e soberbas.

Olhei com atenção e profundidade as Cataratas.


Resolvi ir mais perto prá ser respingado pelo suor do Iguaçu.
Fiquei encharcado, meu coração congelou de medo.
Medo da turbulência da solidão que esbanjava regozijo.

Saí logo dos respingos do Iguaçu e voltei apressado


para a minha introspecção. Estava só e meus olhos
não desprendiam da sua impetuosidade.
Senti a sua verdade inundando o meu coração.

Caminhei displicente, mas sem perder você de vista.


O som do Iguaçu inundava meus ouvidos afinados.
Pude perceber certa harmonia tensa e grave.
Não captei a melodia que soava por lá.

Fui às Cataratas ver o Iguaçu chorar.


Senti o seu suor e inundei o meu coração de solidão.
Voltarei lá agora com o saxofone a postos
para criar uma melodia para a harmonia triste, grave e tensa
do Iguaçu e lavar o meu coração com o seu som.

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 19

Um delírio
Rio de Janeiro,
Junho de 2008
Ampliei a sua foto
Remexi cada cantinho de seu rosto
Enfiei-me pelos seus olhos redondos
Atirei-me em sua boca indecente.

Atraquei-me em seu pescoço...

Mordisquei nervoso suas orelhas


Queria o seu amor, o seu som
Busquei a sua respiração
Atravessei a sua pele e lá fiquei.

Ampliei o seu olhar com o fotoshop


Virei a cabeça prá melhor te observar
Balancei seu rosto prá seus cabelos voarem
Agarrei os seus lábios, deliciei-me.

Busquei na mente resíduos de você...

Recitei poesias batidas, prá ti já oferecidas


Fiz declarações absurdas de amor impossível
Imaginei ter você, em toda a vida.

Desliguei o virtual...
Chega, apaguei você...
Sacudi o rosto e pela sala andei...
Esfreguei a cara com sabão
Prá calar o delírio da paixão...

Não sei, não sei e não sei...

Ainda bem que vou prá longe


Lá de cima vou arremessar
Esse sentimento torturante

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 20

Prá um felizardo, coitado,


Cá em baixo encontrar.

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 21

Caminho do Amor
Rio de Janeiro,
Março de 2008

Um raio de luz brilhou


E não quer se apagar...
Tem estrada de barro iluminada
Que leva prá algum lugar...
Te encontro lá...
Se a pilha acabar...
Me ilumine com o brilho de seu olhar...

Tem galho caído na estrada...


Pule, Maria, foi o vento da paixão
Que encobriu esse luar...
Acende a lanterna pro meu amor passar....

Pegue a esquina sanfonada


Que desnuda uma praia abandonada...
É lá que o nosso amor está
Fazendo covas na areia prá nos acomodar...

Acende a lanterna, Maria.


Pro nosso amor andar...
Não pisque os olhos redondos
Nem deixe a boca fechar...

Quero um beijo no escuro


Prá sentir o amor inundar
Nossas almas sedentas de carinho,
De vida, de esperança
E de um ninho prá ficar

M.....a...r..ia
Pule o galho no chão
Que o vento da paixão
Varreu na escuridão.

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 22

Vamos amar na praia


Aonde o nosso amor nos aguarda
Prá em um devaneio nos levar
Em uma escuna sem fim
No mar, prá sempre navegar...

Vamos correndo, Maria,


De mãos dadas ao ar
Quem sabe não é lá, no Mar,
Que vamos o amor eterno, enfim, encontrar.

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 23

Anjos zombeteiros
Rio de Janeiro,
Junho de 2006
Tantas coisas prá dizer,
prá escrever, prá viver…
Meus sonhos e pedidos
talvez irresponsáveis a Deus…
De que queria uma mulher especial,
que na verdade eu nem sabia
muito bem como seria…
Já que valia fantasia, como eu pensava,
tudo o que tinha direito, pedia…
Dizia eu nas minhas orações:
“Que ela seja linda, meiga,
decidida, feminina e ousada.
Sem pudores, amante da arte
de dar e receber prazer,
feliz, lutadora, exigente,
reivindicante do amor,
sábia e apressada…
Empreendedora, corajosa,
deliciosa, temente a Deus,
jovem e fiel.
Minha, minha e somente minha…
Que me ame, ame e ame muito…
Etc., etc. e tal e por aí vai”

Bem, era fantasia,


já que podia pedir,
pedia a Deus despreocupadamente,
como que para instigá-lo,
talvez zombar do seu poder e bondade…
Irresponsável e sem fé como sou,
agi como aquele crente
que pede chuva a Deus
mas nunca sai de guarda-chuvas…
Pois é, pedi tudo isso a Deus
e não me preocupei em preparar-me

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 24

para receber a benção..

De repente trovejou no horizonte,


e lá veio a tempestade.
Tentei fugir, correr, nadar..
Não teve jeito, Deus enviou-me
chuvas de bênçãos.
Encharquei-me, quase me afoguei.
Fiquei sem dormir por três noites seguidas
e ficaria por mais 50…

Como um animal selvagem


quero cheirá-la, tocá-la,
apertar o dedo nela para ver a textura da pele…
Mexer em seu narizinho, beliscar a bochecha.
Pisar em seu pé para ouvir o seu “ai”,
zombar dela para ver
os seus vários tipos de sorrisos…

Enquanto estou cá ainda perplexo com a benção


ela já fala em família, casamento.
Declara a sua paixão ardente e exigente.
Quer alianças, promessas e,
como uma adolescente, ou melhor,
uma mulher que sabe que sou dela,
sem pestanejar exige a minha presença
de qualquer jeito..

Vou procurar Deus para uma conversa séria.


Vou pedir explicações, mas com cuidado
de não reclamar muito
para ele não diminuir a benção…
mas.. Meu Deus… poderia avisar-me, heim..
para eu me preparar melhor…

Já diziam os antigos:
“Quem ri por último ri melhor!”

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 25

e uma trinca de anjos


devem estar às gargalhadas lá no céu
ao ver meu desajeito com a benção…

Mas, não perdem por esperar…


vou sair melhor que a encomenda… verão..
Vou amá-la muito, muito, muito
mais tanto que ela terá dúvidas
se ela será ela ou serei eu ela
ou sei lá quem será quem…
Seremos um… literalmente…
quero adquirir os seus trejeitos,
os seus costumes.

Quero conhecer o índice de sua mente


e me apressar em conferir seus pensamentos
antes dela o fazer…
Quero que as minhas células
misturem-se às delas
e os seus desejos sejam meus
e os meus os dela...
Alimentar-me com a sua boca
e pegar com as suas mãos,
caminhar com os seus pés..
e dormir com seus olhos..

Enfim, será uma confusão só


que o próprio Amor
vai chamar a paixão
para uma urgente reunião
e reivindicar a Deus a expansão
de seus limites para nos atender…
Enfim, os anjos zombeteiros
vão engolir o nosso amor.

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 26

O Trem da minha sina


Rio de Janeiro,
Junho de 2007
O sentido da vida
nós jamais poderemos saber,
os dias corridos e apressados
jamais poderemos reter.

Observo os outros, próximos,


que ao meu lado movem-se
pelo instinto do viver.
Vão e vêm sem perceberem
que uma sina oculta
cumprem sem merecerem.

Eu também da minha sina


não consigo fugir,
de tudo fiz, de tudo aprendi.
Faculdade de gente rica,
como diziam lá na vila,
profissão de família boa,
que não se consegue à toa.

Pois bem, por mais que tentasse


e tudo fizesse ao meu alcance,
cá estou em pé no trem parador
seguindo obediente pro meu labor.

A trilha do ruído dos trilhos


remete-me às histórias de meu pai,
que cumprindo por si também a sua sina
nos mesmos trens paradores e diretos
apertado e inconformado subia e descia.

Não, não entrego os pontos assim facilmente,


da bolsa de couro macio
saco a caneta e o caderno, paciente.
Anoto as expressões dos pobres coitados

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 27

e transformo-os em atores,
essa gente de recursos tão parcos.

Pelo vagão procuro feições tristes


prá rechear os meus tristes escritos,
mas sorrisos ingênuos e olhares candentes
surpreende a minh’alma de poeta reticente.

Volto-me para a minha própria condição,


passageiro desta tão pobre e nobre condução.
Na chupeta pendente agarro a minha mão,
pro balanço do trem não jogar-me na solidão.

Por de trás de meus óculos, disfarçado,


observo Maria de cabelos ondulados
e tosca roupa na moda dos rebolados.
Mastiga um chiclete já meio deformado.

Ela serve, quem sabe,


prá ser a minha heroína dum conto qualquer,
que insisto escondido ali existir,
e naquele cenário tão pobre
tento ainda alguma arte produzir.

Com uma das mãos sustento o caderno


com a outra a caneta retiro do terno.
Próximo à porta apoio as minhas costas.
As histórias de Maria
vou tentando dar forma
com letras tortas.

A sina da vida sofrida de Maria


insisto incluir no meu conto,
mas ela é bonita demais
e distraio-me com o seu encanto.

Um lugar prá Maria, enfim,


não encontro no meu conto.

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 28

Contudo logo percebo,


que o personagem que descrevo
sou eu mesmo,
que do trem da Central do Brasil
ainda sou prisioneiro.

A sina da vida, insisto,


ainda quero incluir no meu conto.
Mas não é a realidade que de fato vivo?
Pergunto-me com desencanto.

O sofrimento do enredo
que sobrepõe a minha inspiração
vai desfazendo daquele conto
que não consigo continuação.

A minha sina parece que segue


no trem da minha vida
e cá estou de caderno fechado,
caneta no bolso borrado,
observando Maria que com charme
o chiclete ainda mastiga.

O balanço desse sofrimento


atormenta o meu coração
que é solitário de paixão,
Maria, quem me dera,
que prá ter o seu olhar tudo faria
mesmo que fosse por compaixão!

Na estação da Central
o meu sofrimento fita o chão.
O olhar de Maria se foi na multidão.
Meu caderno de escritos agora
descansa triste na minha mão.
Ainda ouço, ao longe, com emoção
o clamor da última pregação.

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 29

Anúncios saindo dos alto-falantes da estação


ecoam agora inundando o saguão.
Eu caminho apressado
esbarrando nos braços
de tantas marias
e em tantas mãos.

O poeta desce pro Metrô, frustrado,


e na escada rolante, agarrado.
desvia-se dos braços de esmola, esticados,
pendendo o seu corpo pro lado.

O conto sobre Maria


e o trem dos amontoados
ficarão prá outra viagem.
Quem sabe um dia sem esperar
a inspiração virá
e outras marias com outros penteados
serão heroínas do poeta,
que segue a sua sina
no trem dos desafortunados.

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 30

Frio, chocolate e saudade


Foz do Iguaçu,
Junho de 2008
A saudade esfria o meu coração
triste como é o sabor da solidão.
Como é amarga a saudade de você
que faz o meu coração gelado tremer.

Meus pés congelaram ontem,


zero grau subiu ao coração já frio,
meus olhos tinham preguiça de chorar.

As luvas pretas de algodão


tentavam barrar, em vão, as correntes geladas
que irrompiam em minhas mãos.

Graças ao bom Deus congelar não permitiu


pois, para aquecer, eu esfregava
os meus pensamentos aos seus.

Logo estarei no fim da barra de chocolate


aí quero deixar o gostinho amargo bem guardado
prá beijar os seus doces lábios melados
e esquentar de vez o meu coração gelado.

Quisera poder mexer no tempo


e fazer uma máquina de nuvens quentes
prá levar-me até você.
Tentarei hoje à noite
quando os meus olhos em sono profundo cerrarem-se.

Ah, mas não é assim, os devaneios da madrugada


não seguem as ordens de nosso coração
por mais vontade e saudades
que tenhamos de nosso amor.

Mas eu descobri um jeito de ficar perto de ti


por mais longe que estejas, farei poesias brancas,

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 31

coloridas, altas, baixas, cheias, vazias, alegres e tristes...

Os versos da poesia acariciam a minh'alma


como se as suas suaves mãos
cá estivessem ninando o meu coração.

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 32

Praticar a vida
Rio de Janeiro,
Março de 2005

Procuro alguém para praticar a vida


alguém que possa estrear um beijo
que seja sem volta, que seja de ida.

Procuro alguém pra praticar a felicidade


Alguém que possa estrear um abraço
Que seja sem volta, que seja pra eternidade.

Procuro alguém para praticar a liberdade


Alguém que possa estrear um sorriso
Sorriso de ida, sorriso de verdade.

Procuro alguém pra praticar a paz


Alguém que possa estrear a fraternidade
Que seja de ida, que seja de verdade.

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 33

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 34

Ao pé do Mar
Rio de Janeiro,
Maio de 2008
Olhar o mar sem par
olhar o mar sem caminhar
caminhar na areia sem olhar
viver sem amar.

Olhar o mar. Que mar!


armar os búzios prá amar
amar o mar, somente o mar.

Perder o olhar, olhando o mar


a esperança, perdida no mar
lançar-se ao mar, prá um amor buscar.

Procurar a esperança, perdida no mar


para uma última paixão tentar
ou morrer na eterna desilução sem lar.

Olhar o mar e evitar


uma gota de lágrima que teima em jorrar
talvez queria ao mar se juntar
pois não mais nasceria da tristeza de um olhar.

Olhar o mar, espreguiçar-se


esticar lentamento o olhar
a procura de uma nau a navegar
com o mastro sumindo bem devagar.

Para que existe o mar?


para o marujo navegar...
para o casal namorar...
ou para o solitário lamentar?

Vou-me embora do mar


ou talvez vá com uma onda pro mar

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 35

quem sabe uma sereia cantora


acalente o meu lamento, prá sempre no mar.

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 36

A jornada sem fim


Rio de Janeiro,
Junho de 2008
O caminho da minha vida é sinuoso
É longo e estreito
Não tem iluminação e nem placa de sinalização.
Os buracos aparecem de repente
E não sei a sua dimensão.
Quando dá desvio deles,
Quando não dá caio neles.

O caminho da minha vida é escuro


Tenho medo às vezes de sair dele.
Quando o Sol aparece,
Consigo ver os rostos das pessoas ao redor
Quando ao Sol se vai nada vejo.
A escuridão toma conta da minha frente
E somente sinto o resvalar dos braços
E ouço o barulho dos passos.

O caminho de minha vida às vezes tem morros.


Somente os percebo quando estou ofegante,
Pois algumas inclinações são imperceptíveis
Somente sentidas pelo ofegar da respiração.

Algumas vezes paro para descansar


Procuro uma beira ou uma pedra para me sentar
E aí vejo as pessoas que estavam mais lá atrás
Passarem por mim seguindo para seus destinos.
Levanto, sacudo a poeira e continuo caminhando.

Algumas vezes encontro caminhos cruzando com o meu.


Vejo pessoas interessantes passando por mim
Em direção ao seu destino.
Algumas delas me encantam
E experimento mudar o meu curso
Mas logo, algumas milhas à frente,
Percebo que aquele não é o meu caminho.

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 37

Aí tenho que retornar todo o trajeto


E retomar o meu destino.

Às vezes encontro pessoas


Vindo em sentido contrário ao meu.
Também me encanto e vou acompanhado-as
Até que percebo que estou retornando e não indo.
Elas seguem o seu destino
E eu tenho que, mais uma vez,
Refazer todo o meu trajeto de volta
Passando por lugares que já havia passado antes.

O caminho da minha vida é melancólico


Tem vezes que percebo que estou sozinho.
Todos se foram, ou estão muito à minha frente,
Ou estão muito atrás de mim.
Nessas horas dá vontade parar e ficar plantado ali,
Esperando alguém passar por mim para acompanhá-lo.

Outras vezes no meu caminho chove.


Nessas horas tenho que me abrigar
Em baixo de alguma árvore ou uma caverna
À beira da estrada para proteger-me da chuva.
Outras vezes vem um vento fortíssimo
Que insiste em jogar-me pra fora do caminho.

Algumas vezes saio do caminho e piso na grama,


Quando não tropeço na beira e caio abismo abaixo,
Tendo, nesse caso, que empreender uma força descomunal
Para retomar a estrada.

Algumas vezes passo por árvores frondosas cheias de frutas.


Paro de caminhar e subo nelas para me alimentar
São momentos bons, mas logo enjôo daquele fruto
E retomo a minha jornada.

O que me impressiona muito nesta jornada


São os caminhos que cruzam pelo meu.

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 38

Às vezes vejo pessoas tão felizes, sorridentes,


Famílias bem formadas indo por esses caminhos

E então me pergunto por que estou nesse caminho


E não naquele.

O caminho da minha vida é longo


Às vezes ele segue em linha reta
Nada acontece, nenhuma paisagem nova
Até que em uma curva qualquer
Toda a paisagem muda.

Tem vezes que no meu caminho


Encontro pessoas caídas e trôpegas
Tenho aquele ímpeto da ajudá-las
Dou-lhes meus braços, mãos e ombros
Mas logo elas despendem-se e seguem
Por uma curva em direção aos seus destinos.

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 39

Um amor que não vem


Rio de Janeiro,
Maio de 2008

Quando nada se tem prá fazer


Uma poesia, talvez, eu queira escrever...
Em uma tarde de sábado, preguiça safada
Jornal já lido, tv já assistida, sem ninguém prá ver...

Quando nada se tem prá viver,


Pois um amor recente já se foi, sei lá porque..
As tardes de sábado e domingo
Com esse amor, ocupava sempre, e com prazer.

A tarde fria fica ainda mais gelada...


O coraçao, que ainda guarda aquele costume
de amar, nessas tardes frias..
Fica, assim meio desorientado, arritmado.

Procuro o papel, com preguiça


A caneta, com relutância...
Rabisco qualquer coisa
Quero escrever a dor de estar só.

Começo rimando, como de costume


Mas me perco na branquidão da poesia..
Que, graças a Deus, agora é permitido..
Mas não foi assim o nosso amor?
Começou rimado e se perdeu na cor?

Será esse mesmo o destino de um homem


Maduro por fora, mas adolescente por dentro
Que, depois que no mundo os pés pôs
O caminho da felicidade jamais encontrou?

A folha de poesia agora está quase completa


Uma poesia meio torta, que de amor quer falar
Quer o sentimento sofrido expressar,

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 40

Mas o que sai é uma grande desilusão


Por falta desse amor, que tanto procuro,
Mas que ainda está nas notas de meu violão...

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 41

Uma paixão proibida

Macaé,
Maio de 2003
Tive sim, uma paixão muito proibida
Já faz tempo, mas as sensações ainda borbulham.
Quem tiver sem pecado, que atire a primeira pedra!
Disse o mestre diante de uma mulher humana,
E um bando de desumanos…

Tive, sim tive, uma paixão invivível,


Se do neologismo pudesse abusar.
Insana mente, insana vida…
Vida minha insana e cruel…

Tive uma paixão proibidíssima.


Já faz tempo, mas o tempo, rs
Que significado tem diante de
Tão grande sentimento.

Ando à procura daquele sentimento.


É cruel viver sem a dor de uma paixão
Que nos faz levantar madrugada fria
Prá ficarmos olhando prá lugar nenhum
Pensando nas loucuras de um simples beijo.

Ah, tive uma paixão impossível.


Tão proibida que jamais vivi a verdade dela.
O tempo a levou prá bem longe,
Como uma tempestade que arrasta
Uma casca de noz mar a dentro.

Hoje, preciso urgente de uma paixão.


Nao quero um amor companheiro, somente.
Quero uma paixão instigante
Que me envolva em uma nuvem de poesias
E embaralhe meus pensamentos cartesianos.

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 42

Que demore séculos pra encaixar


A ordenada na abscissa novamente.

Tive uma paixão disforme


Que o meu amor se foi,
Como um cometa traçante.
Mas deixou ainda poeira
Da cauda dessa paixão
impregnada no meu coração...

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 43

Amor sem rimas

Rio de Janeiro,
Maio de 2008
O nosso amor não tem rimas.
Um dia brigamos, outro rimos.
Uma vez amamos outra nem falamos.

O nosso amor não tem regras.


Às vezes queremos estar juntos
outras quando um quer o outro nega.

O nosso amor não tem nexo.


Inclusive esse termo tem um "x"
que dá um sentido sonoro e enfático.
É assim o nosso amor, enfático
como o "x" do nexo, que sempre desprezamos.

O nosso amor é legítimo mas roubado


de quem agora luta para recuperá-lo
uma vez que o desprezou por não aceitar
uma maneira diferente de amar.

O nosso amor não tem rimas.


Não queremos métricas nas poesias
nem que seja um simples poetrix, e lá vem o "x"
que lembra, de novo, o nexo que sempre desprezamos.

O nosso amor não tem pressa.


Prás bufas com o tempo...
Não queremos relógios e nem contra-tempos,
mas lembrei que não posso rimar
pois o nosso amor prá isso não dá tempo.

O nosso amor não tem nexo


mesmo que seja prá vitrine
para os outros apreciarem...
Que se dane o "x" enfático desta rima

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 44

querendo vir do nexo que sempre desprezamos.

A métrica do nosso amor


não vem da poesia, que não tem nexo,
e muito menos da vida de ponta-cabeça,
que queremos, quando se tratar de amar, pelo menos.

O nosso amor não tem rimas e nem melodias.


Ah, prá descontar às vezes levo um blues de dia
no sax dengoso com som meio que melodioso,
mas sempre abusando das comas
prá lembrar que é assim o nosso amor...
sem nexo, rima, sem métrica, mas com manha.

Ih, quase rimei a nossa vida


pois na estrada dos outros,
pé lá e pé cá, temos que pular
para não ficarmos quadradinhos
parecendo patricinhas e mauricinhos.

O nosso amor não tem rimas e nem piadas


prá fazer rir quando estamos nos tapas
ou quando estamos sem mesadas.
O nosso amor tem algo mais profundo
que faz as nossas vidas fundirem-se no nosso mundo.

Vejam como não tem nexo o que falamos.


Juramos nossa poesia não rimar,
mas quando se trata de amar..
haja esforço para nessa armadilha
não cair e nem tropeçar.

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 45

Amor virado
Rio de Janeiro,
Maio de 2008
De cabeça para baixo
de baixo para a cabeça.
De cabeça para a cabeça
da cabeça para cima de você.

De cima para o umbigo


Do umbigo para baixo.
De baixo volta ao umbigo
do umbigo pára lá.

De lá para a vida
da vida para a felicidade.
Da felicidade para o gozo
do gozo para a eternidade.

Do prazer para sempre


do sempre até aonde chegar.
Do infinito do sempre
para a vida desfrutar.

Dos lábios para o queixo


do queixo sem parar.
Dos seios para a liberdade
desse amor conquistar.

Dos braços envoltos num beijar


e os pés sôfregos no esfregar.
Do beijo que segue sem parar
nesse intenso acasalar.

De cabeça para baixo


de baixo (novamente) para a cabeça.
De cabeça para a cabeça
nessa onda de se entregar.

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 46

De cima para o umbigo


agora quase umedecido
do suor de nossos corpos revolvidos
nesse amor frenético e enlouquecido.

Do lambido volta ao ardor


já enlameado de amor.
De baixo para cima
de cima para a dor.

Dor que rompe das entranhas


revertidas de pudor, que se vão
na explosão de nossos corpos
enlouquecidos pelo amor.

Do umbigo para lá
de lá para a vida
da vida para a felicidade
do gozo da eternidade.

De baixo para cima


de cima para você
de você para o espelho
que reflete a imagem do desejo.

Amor de ponta-cabeça
Que o prazer nunca esqueça
de ter-nos aquecido
nesta noite de terça.

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 47

Momentos mágicos

Rio de Janeiro,
Maio de 2008

Os nossos momentos

Parecem submissos à sua beleza,

E aí já não sei se os momentos é que são mágicos

Ou se a sua beleza é que encanta os momentos.

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 48

Ter você e nada mais

Rio de Janeiro,
Maio de 2008
A urgência de estar com você...
um beijo molhado que tem de logo secar...
um abraço apertado que dor não pode deixar...
um olhar profundo que pouco depois se vai...
uma esperança de ficar que logo se esvai...

A urgência de estar com você...


continuar com você...ter você...
logo se desfaz a esperança frente a realidade
do seu lar, sua vida, sua sina, talvez....

Hoje já quero ter você sempre...


não um encontro fortuito...
que força uma irresponsabilidade...
que roça, somente roça, o meu coração.

Quero acordar com você


ver você cabelos ao léu.
olhos pegajosos da noite,
bochechas marcadas com linhas do sono.

Quero acordar com você.


uma preguiça da noite bem transada.
dos beijos estalados misturados aos gemidos
do prazer de ter nós dois.

Quero correr para o banheiro, fazer barba...


você em pé na porta a espreguiçar-se, observando-me
depois fazendo um café prá nós dois...
que já embaraçados nos braços
mistura creme de barbear à alegria de nos termos.

Quero correr pro banho, pela manhã...


você trazer a toalha e me apressar pro trabalho...

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 49

me puxar prá cama pro último amasso.


catar pedaços de linhas presos ao meu corpo.

Quero correr atrasado pro trabalho...


te acenar o último cumprimento e gritar, já na esquina,
que te amo... te quero sempre.

Vale sonhar, devanear.


vale quando quase se tem
o que não se tem bem pertinho de si,
parece que para sentir o gosto de ter você sempre...
para mim.

Sei que acho que não sei esperar você.


sei que sei que quero te amar...
e contar pros meus próximos o quanto
vale ser meio louco quando se tem a quem amar...

Quero ver você no luar, fazendo sombra na grama


que logo nos terá agarrados, espremidos, esmagados,
prá amar debaixo das estrelas
como a sua fantasia te faz lembrar...

Quero você hoje, agora e sempre...


seu amor assustado com um turbilhão
de paixões que parece se aproximar...
com beijos saudosos que nunca acabam...

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 50

Almas enlaçadas no inverno

Macaé,
Maio de 2002
Queria hoje dormir com as pernas enlaçadas
Nas suas roçando meu pé direito no esquerdo seu.
Meus braços em torno de sua cintura,
E meu rosto perdido nos seus cabelos
Dividindo o mesmo travesseiro.

Seus suspiros misturados aos meus.


Seu coração ensaiando com o meu,
Prá acertar os passos do nosso viver.

Sonhar que tudo isto é verdade,


Burlar a realidade e por lá ficar.
Ou então, trazê-lo (o sonho) para cá,
Meu quarto e, de fato, acordar
Com você ao meu lado.

De noite balbuciar palavras desconexas,


E você, meio sonolenta, acariciar-me
Como se uma criança eu fosse.
Então eu acordado,
fingir que dormindo nada percebia
Prá aproveitar ao máximo esse carinho.

O frio, às vezes, troca de posição na gente.


Sentimentos dormidos, que estavam esquecidos
Mas, que um dia foram vividos por uma paixão louca
Voltam agora a ser trazidos, e renascidos.

Nada novo, tudo novo...


Você confunde meus sonhos e realidades...
Dá vontade tê-la definitiva aqui...
Mas tenho de me contentar como pouco que temos...

Dá vontade esmurrar a parede...

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 51

De paixão de querer ter você aqui...


E somente a parede me acompanhar...
Gélida e incólume, ali...

Vou dormir agora.


Beijos carinhosos, frios e gélidos
Como o inverno do nosso amor.

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 52

Lamento de duas notas e um gemido

Macaé,
Junho de 2003
Só e sempre só!
a alegria do Dó maior
na tristeza do Lá menor!
cá e só.

Só, e sempre só.


não lá, (...), prefiro cá e só
nunca lá por ela mesma
mas cá, talvez, por mim.

Só e sempre só
surreal será!
mas sempre cá.

Só e sempre só.
talvez eternamente cá.
eternamente só.

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 53

Clamor do amor
Rio de Janeiro,
Maio de 2008

Clamar por um amor inalcançável,


é legítimo, é digno.

Gemer por um amor dilacerante,


é humano, enobrecedor.

Transformar a dor do amor impiedoso


em clamor poético é divino.

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 54

A Lua

Rio de Janeiro,
Maio de 2006

A Lua, de quem é?

A Lua, prá quem é?

A Lua é dos poetas

E de quem mais quiser.

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 55

Amigo quase relapso


( para Lu )

Rio de Janeiro,
Janeiro de 2008
A saudade de ouvir você e saber como estás
incomoda-me todos os dias, dia inteiro,
prá começar não sei porque antes não te liguei,
tenha sido pelo labor do meu prá-lá-e-prá-cá, talvêz.

Fiquei feliz por saber que estás bem,


apesar dos pesares da vida.. aliás quem não os tem?
percebi que mudanças estão batendo à sua porta,.
e que providências você já começou a tomar
isso é bom, pois sinaliza que coisas novas estão no ar... amém!

Prometo que agora prá você vou sempre ligar


pois a sua amizade me é tão importante
que não saberia sem a sua cumplicidade o dia passar.

Talvez um amigo relapso tenho sido, prá variar


é que tantas coisas no dia-a-dia vêm me atormentar
que pessoas tão importantes como você que vêm prá ficar
acabam se indo por essa amizade eu não saber cuidar.

Bom, agora a conta do tempo, acho, acabamos de acertar


e vamos manter contato e o tempo controlar...
prá não mais a sua voz eu deixar de escutar...
e os seus sucessos, alegrias e sorrisos, mais de perto acompanhar!

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 56

Lambendo os lábios

Rio de Janeiro,
Maio de 2008

Hoje deu vontade,


beijar na boca,
mas não deu...

>>>>>

Fui embora
lambendo os lábios
pensando nos seus...

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 57

O que virá, o que será


(hip hop)

Rio de Janeiro,
Janeiro de 2008
O que virá depois do fim,
da esquina e do amanhã?
O que virá depois de nós
da moeda e dos lencóis?

O que será desse diálogo,


depois do anoitecer?.
E depois do depois,
Quando tudo acontecer?

O que virá depois da vida,


da tristeza e da lerdeza?
O que será da paciência
da alegria e da pobreza?

O que virá depois de nós


e o telefone desligares?
E depois que tu se fores,
Para os seus outros amores?

E quando eu esquecer
da promessa de esquecer
tudo isso esquecer?

E depois do amanhã...
E depois dos amanhães?

O que será do coração


Com o que cá tenho na mão?
Se tu fores sem destino
Sem apego e sem caminho?

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 58

E depois que tu cresceres


e depois que amares outros?
O que virá depois de mim
e depois que tu chorares?

Quando é que vou parar


de querer, de almejar?
De viver sem construir
o que penso possuir?

( . . .)

Ai, meu Deus!


Quando é que voarei
Para além do alvará,
Onde lá deve morar
O si, dó, ré, mi, fá!

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 59

O que dizer para os jovens


Rio de Janeiro,
Maio de 2001

Alguém precisa dizer para os jovens


que os pensamentos bonitos,
as frases rimadas,
As poesias macias

Os olhares apaixonados
Os compromissos impensados
Os corações irmanados..
Já foram ditos, já foram declarados, vividos...
Os idosos já conhecem essas declarações
Pensamentos e ações...

Não adianta mostrar... avisar.


Os jovens sempre irão se apaixonar...
Se surpreenderem...
Com verdades que são mentiras..
Com ações voluntárias que são planejadas...
Com alegrias que são sofimentos...
Com o Amor.. que não existe...

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 60

Amor que se foi

Macaé,
Maio de 2002
Esbelta, linda.
Veio apressada. De repente...
Adiantou o encontro...
Eu não estava preparado para recebê-la.
Mas a recebi com euforia...

Não imaginava com seria.


De lado. De pé, como ao acaso...
A olhei. Extasiei-me com os seus olhos claros.
Cor do mar, avistado de minha janela.
Linda. Esperta. Alegre.
Meu coração saltou.
O portão do meu coração
Correndo fui abrir.

A convidei. Ela veio graciosa...


Esbelta. Leveza. Pureza.
Entrou. Eu era só desculpas.
Casa suja. Desarrumada. Jogada.
Vida de homem solitário. Urgente...
Coração desarrumado..

Sentou-se.
Não consegui desgrudar os olhos...
Sinal em cima dos lábios.
Parte esquerda da boca.
Deu vontade beijá-la.
Não o fiz, claro.

Alta. Esbelta.
Sorriso solto.
Boca perfeita.
Cabelos lindos.
Pescoço firme.

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 61

Paixão. É o nome do sentimento que me resta...


Saudade, inconformismo, lembranças.
Sempre e sempre serão.
Sonos maus dormidos.
Lembranças e mais lembranças.

Apressei-me em arrumar tudo.


Comprei flores, plantas.
Agora olho tudo vazio.
As plantas estão lá.
Mas ela se foi.
O sabor dos bolos, dos beijos e dos sorrisos.
Esses, luto para não irem-se...
Mas irão. Como tempo irão...

Ficará, talvez, uma névoa lembrança


Da felicidade rondando...
Talvez eu sorria sem graça.
Talvez eu mude o pensamento de direção..
Distraindo-me com uma coisa qualquer...
Talvez eu nem lembre mais...

Ou talvez eu enlouqueça com as lembranças...


Se eu tiver outra. Talvez compare as virtudes...
Talvez não. Talvez evoque-a nas lembranças...
Talvez não a ache mais...

Fragmentos das lembranças. Aqui e ali...


Se vir uns olhos claros, brilhantes,
Da cor do mar visto de minha janela,
Logo vou lembrar dos dela...
Porque na verdade, as lembranças não se irão...
Ficarão firmes para me torturarem
Do prazer vivido, de tê-la tão íntima...
De segurá-la tão forte.
De beijá-la tão ofegante.
De sonhar em ser feliz nela...

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 62

E não tê-la mais...

Vou viver, andar, mudar...


Talvez este lugar se vá nas lembranças...
Ficará, contudo, o mar como lembrança...
Ficará porque não dá para fixar uma gota...
Mas um montueiro de ondas
Se perdendo na areia.
Sem que ninguém mas as note.
Somente eu... quando olhar uma onda,
Vou lembrar que ela se foi como uma gota,
Da lágrima de meus olhos
Que se perde no oceano das lembranças.
Torturantes lembranças.

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 63

Amor, uma mistura de sentimentos

Macaé,
Setembro de 2003
Firmei o compromisso de escrever sobre nós.
Deparei-me com tantas coisas boas para falar
Que me assustei, mas insisti,
Pensei: hoje é o dia dos namorados,
Tenho de dizer o quanto sou feliz por tê-la.

Aí me vieram as palavras,
Somente palavras,
Como que saltando na mente,
Meio que atropelando umas às outras:
- Felicidade,
- Liberdade, não... liberdade não... ainda não...
Lembrei da voz doce e inocente...
E então me veio a palavra inocente...
Não... inocente não... não és mais,
Já fostes apresentada ao prazer...

Mas então me veio essa palavra... o prazer.


Pois é, que prazer?
Não houve o carnal,
Não houve o tão desejado contato...
Mas é prazer assim mesmo.
Claro que é, ora, pois pois.

Tantas palavras...
São tantas que brotam na minha mente
Meio que de frente para trás,
De lado, trepadas umas nas outras,
Torrentes, pois é, me veio a idéia de torrente...
Como foi e tem sido o nosso amor,
Atropelado, que nos faz amar,
Cantar, sorrir e chorar.
Tudo ao mesmo tempo.

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 64

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 65

Mas não seria isto mesmo o amor?


Todos os tipos de sentimentos misturados?
Mistério... a vida é um permanente e verdadeiro mistério,
Mas é gostoso amar você...
Ter você todas as noites
A minha rotina já conta com a sua voz...
Com o seu carinho...
Com a sua inocência.

Vontade ver você...


De ter você...
De estar com você... sei lá.
É tão grande que me faz delirar, às vezes...
Tudo passa, o tempo, a idade, a beleza,
Mas as lembranças,
Essas quando carimbadas no coração
Justamente no lugar certo,
Jamais apagam... jamais passam.

A cada dia sinto meu coração


Arder com o impacto do carimbo de você nele.
O carimbo do seu amor...
Do seu jeito de ser...

Tanto já fizemos neste nosso mundinho.


Já cantamos, já choramos, já sorrimos,
Já lemos poesias, enfim...
Já tudo... pois é...
A palavra tudo me veio à mente...
Seria o nosso amor tudo?
Por isto me veio esta palavra,
Difícil de dizer e viver..

As músicas que me oferecestes...


As fitas que você coleciona com dizeres...
Citações de amor...

Você é romântica....

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 66

Feliz e sonhadora...

Vou guardar no meu coração...


Os seus sonhos... sempre...

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 67

Sem nexo
Rio de Janeiro,
Maio de 2001

Por que a vida tem de ter nexo, sentido, significado?

O nascer basta! O conhecer você é suficiente para eu viver...

Procuro você… sim você... pra viver sem nexo e sem garfo...

Como uma formiga que se prepara para a próxima tempestade, somente...

Sem nexo. O amor é um nexo indefinível pelos poetas..

É somente sentido e percebido... Nexo.

O amor não tem nexo...

Se amar você é um sentido intransitivo,

O complemento disso é sem nexo...

Se possuir você transgride as coisas postas, ou seja, o Nexo,

Então quero ser sem Nexo...

Olhar, pois é... Somente um olhar... impõe um sentido em si mesmo...

Para que falar, se podemos sorrir?

Para que explicar se podemos ser sem Nexos?

Não… Não procuro explicação, apenas me delicio na ausência de Nexo...

Quero aquela pousada, lembras?

Para receber pessoas felizes, sem Nexo..

Quero amar e não explicar, beijar e sorrir, caminhar sem chegar...

Viver sem questionar, nada mais..

Somente viver sem Nexo.. .com você...

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 68

Lamento à fantasia...
Macaé,
Maio de 2003
Sei lá...
Sou forçado a escrever por uma vontade louca
Ou, talvez, pela solidão.
Sim, a solidão...
Não aquela de não ter ninguém...
Mas a de ter você aí e não aqui...

Sei que deves se assustar quando lês que te quero afoitamente...


Sei que não te terei tão logo...
Não se preocupes com a minha urgência...
É só um lamento de não ter você...
Nada mais...

O quanto te tive, que te toquei..


Contaminei-me de você, do seu jeito de ser você...
Olho para o meu lugar que te teve, e imagino você ali..
Sentadinha com esse olhar doce e suave, mas de mulher
Que quer, e me quer..

Não me perguntes quem sou eu...


Pois mesmo eu não sei...
Talvez soubesse há algum tempo atrás...
Quando ainda não te conhecia...

Jurei não me enrolar, não me enlaçar...


A jura parece somente servir para nos fazer constatar
Que não sabemos o que pensamos saber
E nem decidimos o que achamos poder...

Sua estatura parece me forçar a olhar para cima, para seus olhos
Que me cobrem com seu brilho,
Que aposto, nem você sabia que tinha...
Quero revelar para você o quanto és linda,
Única, minha e somente minha...

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 69

Hoje, agora, estou só, sem você...


Mas meus pensamentos te procuram continuamente...
Minha mente parece, agora, não mais errante.
Tem uma mira para se direcionar...
E me força a somente, e somente mesmo, em você pensar...

Seus lábios tocam o meu e confirmam, sempre, o que me apavora...


Que a paixão está à porta... à espreita
Aqui, te aguardando de volta...
Para me possuir...
Não permitirei, bem, assim eu penso...

Seu teu que, antes era eu,


Mas que agora nem eu sei se sou eu,
Ou se de você sempre serei..

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 70

Sério, sempre?
Rio de Janeiro,
Maio de 2002

Por que ser sério?


É feia uma pessoa séria.
Seu rosto é sisudo.
Seu andar calculado.
Seus gestos medidos...

Não sou sério. Quero sorrir sempre.


Quero ser menino sempre.
Quero amar sempre.
Quero ser eu sempre.

Quero me apaixonar sempre.


A cada sempre amar como o dia...
A cada amor apaixonar sempre...
A cada paixão eternizar o amor...

Ela virá. Sim virá...


Não sei quando e já vivo impaciente sempre...
Vejo em cada uma que se aproxima a possibilidade de sê-la...
Vejo nela a minha mulher de sempre...

Quando ela vier. Não quero ser sério...


Quero ser impaciente, inquieto e beijar sempre...
Quero abraçá-la em todos os momentos...
Quero olhá-la nos olhos e declamar a minha paixão...

Que eu seja uma coisa. Sim, uma coisa indefinível...


Que eu não tenha os quarenta...
Que eu seja o que sempre fui...
Quero a felicidade escondida no acaso...

Não quero caçá-la, procurá-la..


Quero que o acaso traga-me ela..

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 71

Que nos braços me envolva como que sempre fora...


Que meu coração a reconheça como se já tivera sempre...

A solidão de viver só é dolorosa...


Dói não querer fácil...
Não se entregar à banalidade...
Não estar sem amar...

Mas melhor é viver só que viver sem amar..


A dor de não ter a quem amar
Dói menos que amar a quem não se tem...
Se não a tiver não a quero amar...
Se amá-la quero tê-la sempre...

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 72

Jazz affair

Macaé,
Maio de 2003
Jazz affair…
Som perturbador… Virtual…
Jazz affair…
Parece entrar pelos poros,
Subir pelas veias… Sei lá para onde…
Confundem minhas idéias…
Misturam fantasias com realidades…

Jazz affair…
Meio você, e meio felicidade…
Você está em tudo…
Em todos os lugares…
Cada glóbulo vermelho…
Hemácias do meu sangue,
Carregam fragmentos seus
Pelo meu corpo inteiro…
Acho que quando passam pelo coração…
Criam um som de você,
Na freqüência forte da paixão.

Jazz affair…
Música, som…
Ruídos que empurram você para meus neurônios…
Você está em tudo…
Nesta sexta-feira affair…
Quero estar com você…
Sei que estou…

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 73

Pingou uma lágrima

Macaé,
Dezembro de 2004
Pingou uma lágrima…
Nem notei que estava chorando…
Percebi somente quando a senti cair na mesa…
Em frente a você…
Em frente a sua lembrança…

Eu lia o que escrevera sobre as lembranças…


E, então, chorei sem lamentar…
Simplesmente pingou uma lágrima…

A felicidade, parece às vezes fugir da legitimidade…


E se esconder no impossível, no ilegal…
A felicidade esteve aqui…
No meu peito, ilegal, ilegítimo…

Seu corpo esbelto, por aqui parece passear...


Indo para a cozinha,
Vindo para a sala..
Deitando-se no sofá…
Penteando-se no espelho do quarto…

Mas estou só…


E talvez para sempre só de você.
Agora são várias lágrimas…
Mas que logo secarão
E já não mais serão…

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 74

Diante de um novo amor

Macaé,
Maio de 2004
Quero trabalhar, até insisto, mexo aqui, mexo ali.
Mas você apressa-se do coração aorta à fora.
Vem pelas veias dos braços, e chega aos dedos.
Assalta a minha mão e faz-me escrever para você.

Comandos de software transformam-se em delícias de amor…


Você, arrojada e urgente, não quer saber.
Sem dó apossa-se, agora de vez,
De meu coração, mente, dedos e vida.

Cá estou, por cima da programação,


Escrevendo sobre nós…
Sei lá, podem chamar do que quiserem…
Mas, insisto, não é paixão…

Acho que não, é uma coisa diferente,


Da família da paixão, talvez uma nova versão…
Recuso-me, penso rebelde,
Em usar as palavras já usadas em paixões passadas.

Recuso-me, decido,
Em buscar nem meus sentimentos amortecidos,
Forças para reconhecer você.

Não o faço.
Tudo é novo.
As palavras são novas…
Os sentimentos também o são.

Por isso que, ainda completamente perdido,


Não consigo usar a palavra paixão…
Talvez seja mais que paixão…
É amor…, não, não, não… amor não!

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 75

Oh Deus, quanto escrevi sobre o amor!


Quanto me derramei em sua busca!
Quantas vezes o vi ir-se
Sem deixar-me entendê-lo…

Não, não, não!


Grita desesperada a minha consciência,
Recusando-se a entregar-se ao amor…
Para mim o amor teria de ser mais dolorido, mais difícil...

Em outras ocasiões sempre o fôra.


Não seria assim, do jeito que está sendo…
Perplexo, estou ao ponto de, humildemente,
Compreender que antes nunca amara…

Nunca sentira o que hoje sinto…


Sim, sim, sim… este é o amor!
Ele não veio pela porta da frente.
Não bateu palmas no portão do meu coração.

Não se apresentou educado e comedido,


Como eu esperaria que viesse.
Eu o atenderia feliz e, talvez, de forma soberba,
Pensaria dominá-lo, dirigi-lo e usá-lo
Como inspiração para os meus poemas, enfim…

Mas não foi assim,


Ele veio por cima, sem avisar,
Derramou-se sobre mim
Sobrepujando a minha arrogância e soberba.

Não o tive de frente para cumprimentá-lo, recebê-lo.


Simplesmente assaltou-me e instalou-se.
No entanto, aqui estou feliz e entregue.
Humilde, tentando compreendê-lo.

Nada do que eu sabia irá servir agora...


Terei de escrever tudo novamente,

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 76

Reaprender tudo de novo.

Terei de reiniciar a minha vida agora…


Bem, mas já dizia a voz da sabedoria,
Que a vida começa aos quarenta…

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 77

Beijos e selinhos

Rio de Janeiro,
Maio de 2008
Beijos… simplesmente beijos...
Somente beijos,
Talvez selinhos.
Beijos, talvez selinhos…

Selinhos são safados,


Porque fingem serem inocentes,
Mas são sarcásticos,
Pois nos levam quase ao prazer
Da língua escondida lá dentro, pronta pro bote...
Mas que não vem.
Esconde-se no alvéolo.

A boca até saliva preparando-se para o ataque,


Mas o selinho não deixa.
Retesa os lábios que ficam durinhos,
Fechados, e se selam
Ccom um estalido…

Beijos de selinhos...
Hoje... somente hoje.
Fique com os selinhos…
A língua não perde por esperar…

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 78

E a vida passa

Rio de Janeiro,
Maio de 2006
É um espetáculo que todos assistem
Sem perceberem que são os próprios atores.
E a vida passa rápida, sutil, contínua e sempre.
Alguns se vão, deixando saudades,
Outros vêm, esperança.

No sofá, eu fito a janela da vida.


Pensamentos embaralhados.
Mente vagando no espaço e tempo.
De repente, a brisa da vida assopra.
A minha face sente, estou nela.

Deixa marcas como valas


Na intempérie na terra seca.

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 79

Som e angústia
Macaé,
Maio de 2004
Som que afugenta a angústia
Angústia de Som
Angústia da vida
Som dengoso de violinos chorões.
Minha alma enche-se desse som.

A angústia se vai sorrateira


Pela sombra da vergonha
De ter me atormentado
Noite adentro, cruelmente.

Violinos agora conversam entre si


O violão cobre-os com acordes consonantes
Esbarrando vez outra nos dissonantes
Que parecem sorridentes.

A caixa ao fundo marcha resoluta


No ritmo da vida que dá vontade
Desamarrar o coração

E começar a dançar
Nesta madrugada doída.

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 80

Desatinos

Macaé,
Maio de 2003
Muitas palavras ditas ao léu...
Me fazem dizer coisas
Que nem eu mesmo acredito.
Sou falho e impetuoso...
Às vezes como uma criança...
Não tenho atitudes calculadas e premeditadas...
Sou espontâneo e isso às vezes pode assustar...

Você sempre suave e bondosa...


Me abençoou tantas vezes com a sua sombra.
Eu sempre quero mais...
Sempre vou querer mais...
É vontade de um homem que, de repente,
Se vê em frente a possibilidade de felicidade...

Não sei o que fazer para sempre ter vocêr...


Por isso o nervosismo e os desatinos...
Claro que a quero amanhã....
Preciso de você, sim... amanhã...
Às vezes juro não implorar o amor...
Bato pé e me auto disciplino para não ceder...
Não dura dois minutos...
Logo, logo me vem a saudade forte...

Perdoe as besteiras ditas...


As exigências desmedidas...
O egoísmo desvairado...
É de um homem que quer muito...
Não sei o que fazer para mostrar a você
A minha honestidade e simplicidade...
Talvez um pouco ansioso...
E louco para amar
Sempre... e para sempre...

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 81

Quando nada se tem prá dizer...

Macaé,
Maio de 2005
Quando nada se tem para dizer,
Pois com medo de dar asas a uma paixão efêmera,
Pelo menos se diz: “Alô estou com saudades…!”
“Alô, estou com saudades…!”

O coração, sei lá de coração?


Dói por aqui, bem perto do peito,
Ou pulmão, talvez… Acho que é no coração,
Mas torço para ser gases…

Não quero sofrer por aquilo que não é meu…


Nem será… Porque aqui não quer ser…
Quero cantar, tocar, pintar, viver
Para ver se a vida, essa droga de vida,
Passa logo, pelo menos saudável…

Quando nada se tem para dizer,


Pelo menos diz-se “Alô - estou com saudades de você!
Mesmo meio sem vontade de dizer…

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 82

Lamento de duas notas e um gemido


Macaé,
Agosto de 2004
Só e sempre só!
A alegria do Dó maior
Na tristeza do Lá menor!
Cá e só.

Só, e sempre só.


Não lá, (...), prefiro cá e só
Nunca lá por ela mesma
Mas cá, talvez, por mim.

Só e sempre só
Surreal será!
Mas sempre cá.
Só e sempre Só.
Talvez eternamente cá.
E sempre só.

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 83

A vida, um riacho
Macaé,
Setembro de 2005
Isso tudo parece tão virtual, inócuo e vazio...
Que dá a impressão que dentro da gente tem um túnel
Ou talvez um riacho, que passa rápido..
E a gente fica assistindo por cima, em uma árvore.
Quando fixamos os olhos em algo
Perdemos o outro que vem logo atrás..

Tudo muito rápido.. "impegável",


Intocável..
Triste..
Quando damos sorte...
Acontece que uma coisa do riacho..
Encalha em uma pedra,
E a gente, de cima da árvore..
consegue apreciar um pouco mais..
Mas logo essa coisa se vai também.

E fica somente a gente... na árvore...


Olhando o riacho passar..
Até cochilar,
E cair da árvore no riacho..
E se ir também... junto...
Com a correnteza..

Mas mesmo assim


A gente nada, e sai pela lateral...
Jura que não vai mais subir em árvore perto do riacho,
Mas sobe novamente...

É a sina dos solitários..


Ficar vendo a vida passar..
Como um riacho..

Às vezes a gente quer ser a pedra..

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 84

Para alguma coisa encalhar na gente..


Mas, pensando bem, a vida de uma pedra é solitária..
Mais ainda que a de um solitário em uma árvore
Vendo o riacho passar...

Viu só? Encalhou na pedra do meu riacho..


Mas já se vai...
E eu vou ficar na árvore,
Vendo o riacho,
E talvez caia na água
E se vá, sem nadar.

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 85

Porque escrevo

Rio de Janeiro,
Janeiro de 2007
Escrevo porque sou livre.
Não porque sei escrever,
Já que sei que não sei escrever.
Escrevo porque não sou dono do meu ser
E nem tenho o direito de sê-lo.

Escrevo mesmo sem querer escrever.


Às vezes passo tempo sem me atrever
É preguiça mesmo e vontade de nada fazer.
Mas, enfim, quando ele, o meu ser,
Quer e insiste em querer,
Não tenho como fugir.
Quando menos me dou conta
Cá estou a escrever.

Não o faço para que outros possam ler.


Tanto é assim, que não divulgo, jamais, para valer.
Vez outra, para um amigo, conhecido
Ou outra pessoa que julgo merecer,
Certifico-me, antes, se gosta de ler.
Se percebo que sim, apresso em escrever
O endereço deste site, e logo me esconder
Temendo que, quando ler, nunca mais me venha ver.

De fato, percebo que amigos e conhecidos


Que outrora me tinham como sério
Inteligente, e culto para valer,
Depois que apresento este site,
A sua amizade, penso nunca mais merecer
Pois, por mais que insista, procure-o, me desculpe,
Mesmo assim, percebo, que aquela amizade,
Que outrora, era tão sólida, linda,
Agora, parece perecer.

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 86

Enfim, se você até aqui lendo estas besteiras


Conseguiu sobreviver.
Logo vai, sem muito esforço, perceber
Que os demais escritos, aqui, nada têm a ver
Com este ridículo, infantil, e ultrapassado,
Poema, que escrevi não sei porquê.

Acredite, podes crer, que quando este pobre poeta


Começou a escrever,
Não queria rimar, até porque
Este estilo é coisa do passado e,
Mesmo assim, poucos sabem fazer.
Drummond, Pessoa, e outros grandes poetas,
Que poucos conseguiram entender
Evoco aqui covardemente, apenas
Para que o Google, Yahoo, Altavista
E outros mecanismos de busca na web
Venham me socorrer.

Enfim, chega, pule o restante para não se aborrecer


Clique logo no menu ao lado, e comece a ler
Ou se és teimoso e até aqui chegou,
Um poema de amor, penso, vai tocar o seu ser
E se chama: ”O Amor que não aparece“
Mas eu torço para aparecer

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 87

Nada mais, somente a cumplicidade

Macaé,
Abril de 2004
Hoje eu não espero nada mais...
não exijo nada mais,
somente espero a cumplicidade...
e uma pitada de maturidade.

Prá perceber que amar não é ficar,


não é morar juntos somente.
O amor é muito maior que tudo isso.
É lembrar e sorrir.

Talvez chorar de prazer...


e cumprimentar a primeira pessoa que cruzar
sem saber o porquê do aceno,
mas simplesmente saber que lembrou, sorriu, chorou
e amou...

Hoje eu não cobro nada mais,


não exijo a perfeição de nada.
Somente espero a cumplicidade...
e uma pitada de amizade.

Pra perceber que amar não é,…,


bem, espera lá! Não é o que?...
Sei lá! E daí, saber para quê?

Hoje eu não pergunto nada mais,


não exijo mais o saber ou compreender.
Somente espero um afago… e uma pitada de lealdade…
Pra perceber que viver é ter você.

Não importa o que saber, o que querer,


ou o porquê dos porquês…
Quero você prá viver,
mesmo que tardia, talvez.

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 88

Esta vida, que parece ter mais sofrer


do que se possa viver…
Hoje eu não abro mão de você,
juro que não vou te perder…

Se fores embora,
Vou correr mundo afora,
Atrás de você.
E de mulher em mulher,
Chegar bem perto de cada olhar
E procurar saber, se ela não é você…

Talvez me canse e viva


À mercê do amor, sem você…
E descanse em outra mulher,
Fingindo estar com você…

Talvez tenha de me contentar


Com as lembranças de ter tido você.
Mas enfim, e quem quer saber?
E pra quê?

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 89

Amor adolescente
Macaé,
Maio de 2003

Viver e não somente amar. Amar o que?


É besteira, pára, pára!
Não escrevas estas coisas...
São besteiras, eu vou calar.

Por favor, meu amor, pára!


Ashdh!
Gostoso, hum, hum, oh, pára...
Não escrevas, tá?

Na linha proibida...
Ela se mostra, ama, e quer.
Liga dizendo:
Amor meu!...
Suspira, sorri com o timbre infantil...
A vozinha trêmula...

Deita-se na cama.
Sente frio...
Enrola-se no edredom,
Mas não abaixa a música
Insisto que vá abaixar a música...
Ela vai, mas não encontra o controle remoto...

É linda...
Simplesmente linda...
E diz:
Ah Gato!

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 90

Amor prá ser lembrado


Rio de Janeiro,
Maio de 2007
Sentirei falta
Do sorriso escondido
Dos pezinhos ligeiros
Da cinturinha fina
Da vozinha débil e sussurrada.

Sentirei falta
Do abraço acolhedor
Do beicinho birrento
Da mãozinha acomodada à minha
Do sorriso treinado, mas sincero...

Sentirei falta
De sair do trabalho e ir correndo
Encontrar-te arrumadinha
Esperando-me para o café.
De apressar os passos,

Atravessar na frente dos carros


Prá não perder um minuto sequer
E encontrar logo aqueles lábios úmidos
Sedentos de amor.

A menina sapeca que sabia pecar


sem parecer pecadora
Que sabia amar,
sem parecer apaixonada
Que queria carinho
sem parecer carente.

Sinto falta de a meia-noite chegar


E eu ter de ir correndo embora
Antes que a madrugada nos traísse
Entregando-nos ao amanhecer descuidado.

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 91

Os beijos ardentes e quentes


Que pareciam nos tragar,
Aprisionando o nosso amor dentro de nós,
Pra nunca mais escapar.

São tantas coisas que não dá prá contar


Mas dá prá lembrar e sentir saudades deste amor
Acelerado e quente que nos envolvia ardentemente.

Essa droga de tempo,


Que não tem manivela prá deixar voltar
Que segue incólume sua marcha em frente
Como que debochando da gente.

Quando a conheci, não imaginava amá-la.


Não procurei o seu olhar, nem a sua atenção,
Mas fomos logo tragados pelo abraço do acaso
Disfarçado de circunstância qualquer.

A diferença de idade logo ressaltou o especial.


O deslumbre nos impulsionava
contra as horas marcadas e o tempo.
Queríamos estar juntos sempre, o tempo inteiro.
Ela, esperta e viva, mas avexada e arredia
Foi entregando o seu amor na velocidade dos beijos.
Os beijos que libertaram o amor que estava preso em nós.

Logo vieram os planos e atitudes.


O sonho da felicidade possível
pousou em uma árvore ao lnosso lado
plantada em uma praça especial
aonde costumávamos devanear,
e ficarmos nos deliciando com as possibilidades.
Dia após dia foram passando
e o nosso amor descobrindo novos sabores.

Sinto falta do bolo de fubá com café


que se derramava em meu estômago

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 92

forrado de amor e carinho despendido por ela.

Não é assim! Não basta desligar o sentimento


que a nossa mente esquece, desacostuma-se!
Leva tempo, e muito tempo, às vezes...

Que droga de tempo...

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 93

Ter você e nada mais


Macaé,
Outubro de 2004
A urgência de estar com você
Um beijo molhado que tem de logo secar
Um abraço apertado que não pode deixar dor
Um olhar profundo que pouco depois se vai
Uma esperança de ficar que logo se esvai.

A urgência de estar com você


Continuar com você... Ter você
Logo se desfaz a esperança frente à realidade
Do seu lar, sua vida, sua sina, talvez,

Hoje já quero ter você sempre


Não um encontro fortuito
Que força uma irresponsabilidade
Que roça, somente roça, meu coração.

Quero acordar com você


Ver você cabelos ao léu.
Olhos pegajosos da noite,
Bochechas marcadas com linhas do sono.

Quero acordar com você


Uma preguiça da noite bem transada.
Dos beijos estalados misturados aos gemidos
Do prazer de ter nós dois.

Quero correr para o banheiro, fazer barba


Você em pé na porta a espreguiçar-se, me observando.
Depois fazendo um café prá nós dois...
Que já embaraçados nos braços mistura creme de barbear
A alegria de nos termos.

Quero correr pro banho pela manhã


Você trazer a toalha e me apressar pro trabalho

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 94

Me puxar para a cama pro último amasso


Catar pedaços de linhas presos ao meu corpo.

Quero correr atrasado pro trabalho


Te acenar o último cumprimento e gritar, já na esquina,
Que te amo... te quero sempre.

Vale sonhar, devanear.


Vale quando quase se tem
O que não se tem bem pertinho de si,
Parece que para sentir o gosto de ter você sempre...
Para mim.

Sei que acho que não sei esperar você.


Sei que sei e quero te amar...
Quero contar para os meus próximos o quanto
Vale ser meio louco quando se tem a quem amar.

Quero ver você no luar, fazendo sombra na grama


Que logo nos terá agarrados, espremidos, esmagados,
Prá amar debaixo das estrelas
Como a sua fantasia te faz lembrar.

Quero você hoje, agora e sempre...


Seu amor assustado com um turbilhão
De paixões que parece se aproximar...
Com beijos saudosos que nunca acabam...

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 95

Sem Rascunho
Rio de Janeiro,
Novembro de 2007
Veio-me a palavra “rascunho”...
É isso mesmo: “rascunho”…
Não deu tempo de fazer rascunho.
Não deu tempo de ensaiar palavras bonitas.

Não deu tempo de comprar um perfume novo,


Ajeitar o cabelo (pode? risos)
Ensaiar gestos no espelho…
Nem dar uma corridinha para sentir-se atleta…
Não teve rascunho…
Isso mesmo, sem “rascunho”!

O turbilhão de sentimentos
Pôs-me de ponta-cabeça,
Como dizem os paulistas,
E nem as unhas dos pés tive tempo de aparar…

Não teve rascunho e nem terá…


Tudo é novo, diferente,
E completamente desconhecido para mim…

Questiono hoje se eu amara antes…


Pois o que sinto agora não tem nada a ver
Com o que já sentira no passado…

Meu coração teve de ensaiar, às pressas,


novas batidas, novos ritmos...
A minha mente não teve tempo
De convocar faxineira
Para varrer lembranças esquecidas por lá…

A enxurrada da paixão invadiu-me dentro afora


E está lavando tudo…
Acho que terei de aprender novas palavras,
Comprar novos mapas… tudo novo..

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 96

Não teve rascunho,


Só lamento, meio desajeitado,
Não poder ter preparado um poema rimado,
Metrificado e bem formatado…

Não teve “rascunho”...


E nem terá com esse amor urgente
Que arrebata o meu ser sem piedade.

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 97

Poesias são carruagens


Rio de Janeiro,
Junho de 2008

As poesias são carruagens


Que passeiam com as almas dos poetas.
Quando rimadas,
Os caminhos são suaves,
Quando brancas,
Os caminhos são perigosos
Causando deliciosas sensações de aventuras.

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 98

Tarde fria
Rio de Janeiro,
Julho de 2007

A tarde fria
Esfria a esfiha
Que como na esquina
Observando as meninas
Que vendem pastilhas
Para quem não esmola
Nem simpatia.

A tarde fria
Esfria a esfiha
E faz tremer a minha mão
Que afaga o meu coração
Que não sabe mais
O caminho da paixão.

A tarde fria
Esfria a esfiha
Que diluo displicente
Observando o movimento
Da sexta-feira sombria
Na Cinelândia caliente.

A esfiha fria
Esfria minha tarde
De melancolia doentia
Por falta de um amor
Prá dividir a esfiha.

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 99

Este E-book está protegido pela


Lei dos direitos autorais
aprovada em 19 de fevereiro de 1998.

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja
dado crédito ao autor original (você deve citar a autoria de
Gideon Marinho Gonçalves). Não permitido modificar esta
obra. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não
pode criar obras derivadas.

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves
P á g i n a | 100

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Gideon Marinho Gonçalves