You are on page 1of 3

RESUMO

Texto 01: Funções e medidas da ruralidade no desenvolvimento


contemporâneo

Embora a visão de que a população do campo está fadada ao fracasso e


que permanecem apenas os que não conseguiriam se desenvolver nas cidades,
boa parte dos municípios com maior IDH é na maioria rural. Há também a ideia
de vinculação entre o rural com atraso, carência de serviços e falta de cidadania.
Existe então a necessidade de se definir o que é rural e onde começa
essa transição entre rural e urbano. No Brasil é usada a delimitação
administrativa, onde o rural começa onde terminam os serviços públicos
vinculando o rural com a carência. Outros países delimitam conforme o peso
econômico da agricultura na ocupação da mão de obra, relacionando
diretamente a ruralidade com a agricultura; outros relacionam ao patamar
populacional, sendo considerado o mais inadequado por impor a classificação
do rural ao isolamento. Esse tipo de classificação é relativo pois envolve muitos
fatores históricos e culturais de cada localidade.
Ruralidade é um conceito de natureza territorial e não-setorial, onde a
definição de rural não é dependente da presença da agricultura, sendo a
agricultura apenas uma parte do desenvolvimento rural, podendo ser
característica do rural a multissetorialidade. Essa multissetorialidade deixa claro
as novas funções dos espaços rurais (residencial, recreativa, ambiental, etc), e
as funções produtivas clássicas (agrícola, silvícolas e industriais), e ganha força
nesse aspecto também as políticas e práticas agrícolas para exploração
sustentável dos espaços rurais. Pode ser destacado também as inter-relações
entre o rural e o meio urbano que cada vez é maior e a mobilidade espacial
nesses ambientes.
Outras formas de classificação nos EUA são buscadas como o conceito
de áreas metropolitanas e não-metropolitanas, buscando compreender as
dinâmicas sociais com base na taxa populacional das zonas rurais e a maneira
como elas se relacionam com o urbano.
A definição, na França, de espaço periurbano nasceu da necessidade de
definir morfologicamente a separação entre o urbano e o rural a mobilidade da
população e os seus relacionamentos. O rural periurbano são as áreas rurais
com inteira influência das grandes cidades, esse tipo de classificação auxilia no
reconhecimento das dinâmicas territoriais entre a cidade e o campo. Enquanto a
classificação por território seria uma nova delimitações dessa fronteira, utilizada
pela OCDE, que busca organizar as informações estudando a dimensão
territorial do desenvolvimento e as consequências territoriais das políticas
públicas.
A ruralidade passa a ser um valor para as sociedades contemporâneas,
que busca as características marcantes do meio rural como: relação com a
natureza, regiões não-densamente povoadas e inserção em dinâmicas urbanas.
Fica evidente a importância da definição espacial e não setorial de ruralidade, a
renovação das áreas rurais, e a dinamização dessas com os centros urbanos e
a diversidade dos meios rurais.

Texto 02: Multifuncionalidade dos espaços rural e urbano: reflexões


iniciais

A concepção de que o ambiente rural servia apenas para a agricultura e


que a função dela era apenas a produção de fibras e alimentos passou a ser
trocado pela multifuncionalidade, onde o campo agrega outras funções além de
produzir alimentos e matérias-primas.
Entre as funções destacam: função alimentar e econômica, produção de
alimentos e garantia da segurança alimentar; função social, a agricultura familiar
gera empregos e renda e diminui o êxodo rural, associadas com conceitos de
cultura, tradição e identidades; função ambiental, a agricultura familiar tem
melhores condições de ser mais sustentável ambientalmente do que grandes
produções de monoculturas; função patrimonial, a conservação de espécies e
raças locais e regionais de vegetais e animais, além da manutenção do
patrimônio cultural em sua amplitude; função recreativa, os espaços rurais
passam da visão de serem apenas o espaço de produção agrícola e incorpora
aspectos relacionados ao lazer e ludismo; função estética, com a preservação
dos aspectos visuais característicos da vida no campo, a agricultura causa
mudanças na paisagem que de forma harmônica cria uma função estética
importante para valorização do espaço rural.
A urbanização com crescimento desordenado criou uma fronteira obscura
entre o rural e o urbano, novas políticas de desenvolvimento visam dissolver
essas fronteiras e permitir uma relação entre as múltipla funções rurais e
urbanas. Uma das múltiplas funções das áreas urbanas é a agricultura urbana
que é são os sistemas agrícolas nos perímetros urbanos, a agricultura que é
localizada dentro da cidade é a intraurbana e a que se localiza nas periferias é a
peri-urbana. Essa nova função da cidade contribui para a melhoria de vida nas
cidade, uma vez que integra valores culturais novos, uma contribuição social
além da melhoria da qualidade do ambiente, sendo vista como uma boa parceira
das políticas públicas, devendo as cidades se acomodarem ao invés de proibí-
las.