You are on page 1of 32

UFCD: 7229 Nível: ______


Formador: Márcia Fonseca

7229 Gestão do Stress do Profissional_25h


Objetivos

• Identificar o conceito de stress, causas, consequências negativas do mesmo.


• Identificar as técnicas preventivas, de controlo e gestão de stress
profissional.
• Caracterizar o conceito de emoção.

Conteúdos

• O Stress
◦ Conceito de stress
◦ Fatores de risco: emocionais, sociais, organizacionais
◦ Sinais e sintomas
◦ Consequências negativas do stress
◦ Medidas preventivas
◦ Técnicas de controlo e gestão de stress profissional
◦ Como lidar com situações de agonia e sofrimento
◦ Técnicas de auto-proteção
• As emoções
◦ Conceito de emoção
◦ Características fisiológicas, cognitivas e comportamentais das emoções
◦ Estratégias de gestão das emoções
Com apenas 4 linhas retas, una os 9 pontos, sem
levantar a caneta.

. . .
. . .
. . .
Há cada vez mais stress no trabalho

https://www.youtube.com/watch?v=zVdg_GSfRW8
Podemos definir STRESS como a:

“interação das condições de trabalho com características do trabalhador


de tal modo que as exigências que lhe são criadas ultrapassam a sua
capacidade de lidar com elas.”

É de salientar que nem todo o stress é prejudicial. Em determinadas


circunstâncias o stress é útil porque cria um impulso que faz o indivíduo
tomar decisões e resolver problemas, ajudando-o a melhorar o seu
funcionamento e a as suas aptidões/capacidades.
1.Fatores de risco: emocionais, sociais, organizacionais
Fatores de risco de stress numa perspetiva relativa à própria pessoa:

Acontecimentos traumáticos:
correspondem a situações graves como, por exemplo, uma ameaça de morte,
espancamento, ser vítima de um incêndio, naufrágio ou tremor de terra de grande
intensidade;
1.Fatores de risco: emocionais, sociais, organizacionais
Fatores de risco de stress numa perspetiva relativa à própria pessoa:

Acontecimentos significativos da vida:


simbolizam uma “martelada” que, de repente, ocorre na vida de uma pessoa.
Podemos referir como exemplos de tais situações a separação ou divórcio, a saída de
um filho de casa, morte de um cônjuge, perda de um emprego que considerava
estável.
1.Fatores de risco: emocionais, sociais, organizacionais
Fatores de risco de stress numa perspetiva relativa à própria pessoa:

Micro indutores de stress:


pequenos acontecimentos perturbadores do dia-a-dia que se acumulam. Por exemplo:
andar diariamente de automóvel em zonas de muito transito, estar exposto ao fumo do
tabaco se é um não fumador, ter vizinhos que incomodam, realizar tarefas, nas quais,
não nos sentimos à vontade. O impacto depende muito da forma de reagir de cada
pessoa.
1.Fatores de risco: emocionais, sociais, organizacionais
Fatores de risco de stress numa perspetiva relativa à própria pessoa:

Macro indutores de stress:


são devidos à organização e funcionamento do sistema social que podem determinar,
por exemplo, períodos económicos de recessão, uma prevalência grande de
desemprego, dificuldades para uma dada industria ou impostos demasiado altos.
1.Fatores de risco: emocionais, sociais, organizacionais
Fatores de risco de stress numa perspetiva relativa à própria pessoa:

Acontecimentos desejados que não ocorrem:


representam um desejo, objetivo que tarda em concretizar-se. Por exemplo: tentativas
de engravidar por anos a fio sem sucesso, promoção justa na carreira que não acontece,
as pazes com um familiar que nunca mais surgem.
1.Fatores de risco: emocionais, sociais, organizacionais
Fatores de risco de stress numa perspetiva relativa à própria pessoa:

Traumas ocorridos no desenvolvimento:


os acontecimentos traumáticos que ocorrem na infância podem ter consequências
graves na vida adulta porque o ser humano é apanhado numa fase formativa, com
fracas defesas psicológicas e, por isso mesmo, vulnerável. Crianças que viveram em
clima de violência ou negligência podem ter dificuldades de vinculação com as outras
pessoas. Costumam apresentar perturbação na capacidade de auto-regulação. Esta
incapacidade de auto-regulação está associada ao consumo de drogas ilícitas, estados
de depressão e comportamentos impulsivos, podendo levar o indivíduo a sentir os
pequenos problemas como “ casos que o esmagam” e ter a tendência a desenvolver
comportamentos autodestrutivos, como lesões provocadas a si mesmo, transtornos
alimentares e tentativas de suicídio.
Cinco potenciais fontes de stress:

Fatores ambientais diretamente relacionados com o trabalho: p.e. condições físicas, nec. de
formação, escassez de recursos, …

Fatores relacionais (entre a equipa): p.e. más relações, receber ordens, …

Fatores organizacionais e burocráticos: má organização, horários, recompensas,


responsabilidade,…

Fatores profissionais inerentes ao desempenho de papéis: baixa formação, tarefas ingratas,


frustração, …

Fatores relacionados com a exigência: poucos trabalhadores, solicitações para estar em vários
locais ao mesmo tempo, imposição de prazos por outras pessoas, cumprir ordens por duas ou
mais pessoas em simultâneo, necessidades e exigências dos familiares.
Sinais e Sintomas

Cognitivo:

• Dificuldades de concentração;

• Problemas de memória;

• Confusão mental;

• Dificuldade em tomar decisões.


Física:

• Aumento da pressão arterial;


Emocional:
• Palpitações, dores de cabeça,
• Alteração do humor;
pescoço, ombros ou costas;
• Irritabilidade;
• Alteração do sono;
• Perda de controlo;
• Alteração do peso;
• Sensação de sufoco/incerteza;
• Indigestão e náuseas;
• Desamparo;
• Fadiga.
• Baixa auto-estima.
Sinais e Sintomas

Comportamental:
Espiritual:

• Perda de interesse no trabalho e


• Descrença em questões de fé;
atividades sociais;
• Sensação de vazio;
• Consumo de álcool, tabaco e drogas
ilícitas; • Dúvida;

• Afastamento social (da família e • Sensação de desnorte.

amigos);

• Posição de conflito constante com os


outros.
Consequências negativas do Stress

O stress tem consequências consideráveis sobre o ser humano contribuindo para deteriorar a

qualidade de vida de milhões de pessoas em todo o mundo.

Os custos do stress só podem ser calculados por indicadores indiretos.

Estes consistem no mal-estar, nas incapacidades e nas mortes prematuras que gera, na

maneira como afeta o coração e outros órgãos importantes, nos transtornos físicos, psíquicos

que provoca, no consumo de analgésicos, tranquilizantes, tabaco, drogas ilícitas e bebidas

alcoólicas.
Consequências negativas do Stress

No plano organizacional reflete-se diretamente no comportamento do

indivíduo e, indiretamente no clima da organização/entidade, na insatisfação

com o despenho das tarefas, na baixa adesão aos objetivos e propostas da

entidade, nos atrasos de produção, nos acidentes com máquinas, nas

mudanças de emprego e nas reformas antecipadas.


Medidas preventivas
PLANO ORGANIZACIONAL

Avaliação apropriada dos riscos: utilização de inquéritos e escalas de avaliação do stress


para avaliar o estado atual dos indivíduos/ trabalhadores e permitir medidas de
antecipação;

Planificação e ajustamento gradual: os objectivos a atingir, as tarefas a cumprir, as


responsabilidades, os recursos necessários devem ser planificados antes de início da
atividade/tarefa;

As medidas devem ter sempre como alvo o grupo de trabalho: as intervenções devem ser
sempre dirigidas a grupos de trabalho e apenas, se estritamente necessário, a uma pessoa
em particular;

Inclusão da opinião dos trabalhadores: a experiências dos trabalhadores nas distintas


actividades devem ser levadas em conta para identificar problemas e possíveis soluções;
Medidas preventivas

PLANO INDIVIDUAL

• Encontrar ideias construtivas para resolver um problema;

• Estabelecer prioridades, avaliar o que é inadiável e o que pode ser delegado;

• Comunicar aos superiores possíveis lacunas ou excessivo volume de trabalho. Apresentar


propostas de melhoria;

• Identificar novas tarefas que possam ser atribuídas;

• Seguir as políticas vigentes na entidade;

• Defender a responsabilidade para planear o trabalho;

• Pedir informações sobre inovações que serão implementadas;

• Aceitar e contribuir para uma avaliação de desempenho justa;

• Comprometimento em formação continua.


Técnicas de controlo e gestão do stress
As estratégias focadas no problema procuram estabelecer um plano de ação e segui-
lo até eliminar o problema.

EXERCÍCIO:

Numa instituição, duas pessoas que trabalham num mesmo setor não conseguem
dialogar e chegar a entendimento sobre as tarefas e isso provoca um estado de
tensão constante. Um plano de ação aconselhável seria:

Plano de ação possível


1º alguém tomar a iniciativa de querer resolver o problema;

2º recorrer a alguém que possa mediar um diálogo entre ambas as partes;

3º avaliar os pontos divergentes;

4º reunir com o mediador e o/a colega de trabalho: debater os pontos divergentes e tentar
encontrar soluções e medidas para que o trabalho possa fluir.
Técnicas de controlo e gestão do stress

Estratégias para ligar com o problema focadas na emoção:

Por vezes, tentamos fugir das situações que nos provavam demasiada tensão, fugimos
de forma real ou imaginada da situação desagradável em que vivemos. Os
mecanismos que reduzem os estados de tensão têm diferentes finalidades. Algumas
são úteis, onde a pessoa apenas busca uma forma imediata para reduzir as emoções
desagraváveis, no entanto, ajuda a uma análise posterior mais objetiva:

• Ouvir musica, ver um filme;

• Praticar Ioga ou relaxamento;

• Fazer exercício físico;

• Distanciar-se do problema para vê-lo de uma forma/perspetiva diferente;

• Comparar os problemas com outros potencialmente mais graves (relativizar a situação);

• Canalizar as energias para outros objetivos prioritários/importantes.


Técnicas de controlo e gestão do stress

Estratégias para ligar com o problema focadas na emoção:

Outras são prejudiciais na medida em que adiamos indefinidamente a resolução do


problema e apenas adiamos a dor moral, tais medidas poderão ser:

• Ficar na cama durante dias seguidos;

• Pensar como que o problema não existisse;

• Consumir drogas ilícitas e automedicação;

• Beber ou comer em excesso.


Técnicas de controlo e gestão do stress

Estratégias para lidar com o stress focadas na interação social:

A pessoa que dá apoio manifesta uma relação empática.

Se souber ter o dom para observar a situação na perspetiva/ ponto de vista de quem o
solicita, se souber evitar o juízo de valor e, compreender o que a pessoa diz em
linguagem verbal e não-verbal, tende a ser procurada, pelos outros, para ser um
apoio na resolução do problema e redução da sensação de stress.

Aqueles que prestam cuidados a terceiros tendem a ser os mais compreensivos e


genuinamente empáticos e desenvolvem mais facilmente planos de ação para a
resolução dos problemas. A procura de apoio emocional tende a recair para alguém
com quem se possa desabafar, contar os problemas e encontrar compreensão.
Três atividades para exercitar o cérebro, ativar a atenção, concentração e
raciocínio.

1. Leitura:

Só pssaoes epsertas cnsoeugem ler itso.


Eu não cnogseui acreidatr que relmanet pidoa etndeer o que etvsaa lndeno.
O pdoer fnemoeanl da mntee huamna! De aorcdo com uma psqueisa da
Unvireisadde de Cambrigde, não ipmrota a odrem em que as lteras em uma
plavara etsão, a úcina cisoa ipmotratne é que a piremira e a útimla ltreas
etseajm no lguar ctreo. O rseto pdoe etasr uma ttaol bnauguça e vcoê adnia
pdoreá ler sem perolbmea. Itso pruqoe a mtene haunma não lê cdaa lreta
idnvidailuemtne, mas a pvrlaaa cmoo um tdoo. Ipessrinaonte hien? É e eu
smrepe pnenesi que slortaerr era ipmorantte! Se vcoê pdoe ler itso pssae
aidntae !
Três atividades para exercitar o cérebro, ativar a atenção, concentração e
raciocínio.

2. Enigma

Minhas segunda e terceira nos dão o que respirar.


Minhas segunda, quarta e quinta, o que no basquete acertar.
Sem minhas terceira e quarta, sou uma inverdade inculta.
Sem minha quarta meu preço é alto e até gera culpa.
Sem minhas quarta e quinta, sou ainda eu mesmo, em inglês.
Inteiro transporto cinco, mas guio só um por vez.
Três atividades para exercitar o cérebro, ativar a atenção, concentração e
raciocínio.

3. Imagem
O que lê nesta imagem?
COMO LIDAR COM SITUAÇÕES DE AGONIA E SOFRIMENTO

PSICOTERAPIA (mudança e restabelecimento emocional)

DISTANCIAR DA SITUAÇÃO

O PROCESSO DE LUTO (perda)

I. Aceitar a realidade da perda;


II.Elaborar a dor da perda;
III.Ajustar-se ao ambiente diário;
IV.Reposicionar em termos emocionais a situação.
TÉCNICAS DE AUTO PROTEÇÃO

NÃO SE EXPOR A SITUAÇÕES DE STRESS


- Não dizer sim a tudo o que pedem;
- Delegar;
- Utilizar períodos de descanso.

APRENDER A RESOLVER PROBLEMAS


1) Definição e formulação;
2) Criação de alternativas válidas;
3) Tomada de decisão;
4) Implementação e verificação das soluções.
TÉCNICAS DE AUTO PROTEÇÃO

PENSAR COM LÓGICA


a) Não sustentar o pensamento com crenças irracionais;

c) Não utilizar deduções preconceituosas ao comportamento de terceiros;

d) Não criar expectativas sem fundamentos;

e) Não discriminar inadequadamente as situações.

MELHORAR A AUTOESTIMA

MODIFICAR COMPORTAMENTOS

a) Identificar sinais induzidos pelo stress;

b) Identificar os estímulos que dão origem ao stress;

c) Envolver-se em atividades relaxantes;

d) Aprender a executar outras atividades para além do trabalho.


TÉCNICAS DE AUTO PROTEÇÃO

EM CONTEXTOS INTERPESSOAIS - SER-SE AUTOAFIRMATIVO

Quando responde à iniciativa de alguém: há assinalar a importância de dizer


não, saber lidar com as críticas, aceitar felicitações, saber manter conversas
e responder a solicitações para futuros encontros;

Realizar críticas construtivas: não impor pontos de vista. Serve para ajudar
o próprio a criar perspetivas diferentes sobre um dado problema;

Revelar preferências: demonstrar o que agrada ou não e mudar o assunto


quando está desgastado ou a tornar-se desagradável;
TÉCNICAS DE AUTO PROTEÇÃO

EM CONTEXTOS INTERPESSOAIS - SER-SE AUTOAFIRMATIVO

Capacidade para tomar iniciativa: iniciar conversas, terminar interações


indesejáveis, aprender a discordar, pedir favores, impedir que lhe
interrompam o que está a expor.

Quando é necessário fazer uma crítica deve-se: começar e terminar com


uma referência positiva à outra pessoa, exprimir o que sente em relação a
determinada situação, dirigir-se sobre os aspetos específicos do seu
comportamento, solicitar modificações concretas e, falar em voz neutra e
não zangada.
AS EMOÇÕES - Conceito

As emoções são respostas neurológicas e fisiológicas a estímulos (externos e


internos), coordenados pelo próprio pensamento.

O ser humano possui no seu cérebro uma estrutura chamada de sistema


límbico, responsável pelas emoções e sentimentos. O sistema límbico,
quando recebe um estimulo, sensitivo (Audição, paladar, visão, olfato), envia
essas “informações” para o tálamo e hipotálamo que elabora respostas aos
estímulos através do sistema endócrino e do sistema nervoso autónomo.
Automaticamente produzem repostas, ativando esses sistemas, e então
temos um estado, que são as emoções e sentimentos manifestos. Sistema
Límbico é o nome dado às estruturas cerebrais que coordenam o
comportamento emocional e os impulsos motivacionais e é formado por
diversas estruturas localizadas na base do cérebro.
AS EMOÇÕES - Estratégias de gestão

O importante não é anulá-las, mas poder regulá-las de forma a sermos nós a controlá-
las a ela e não elas a controlarem-nos a nós - Regulação Emocional.

A regulação das emoções tem dois componentes: por um lado é importante regular a
experiência emocional, por outro regular a expressão emocional.

Regulação da experiência emocional


Na regulação da experiência emocional, é importante permitirmo-nos aceder às nossas
emoções, entrarmos em contacto com elas, para as podermos simbolizar (dar-lhes um
significado coerente) e integrá-las na nossa visão de nós próprios (reconhecermos que
elas fazem parte de nós).

Regulação da expressão emocional


No que toca o expressar aos outros as nossas emoções, é importante gerir quando,
nem sempre os outros estão disponíveis ou eu estou preparado, e gerir com quanto
controlo da minha parte: se me controlo demasiado e não expresso de todo o que
sinto, fico com as minhas emoções entaladas e não dou a possibilidade ao outro de vir
ao encontro das minhas necessidades; se não controlo de todo a expressão das minhas
emoções, dificilmente reparo nos sinais do outro de que não está no momento
disponível e corro o risco de o sobrecarregar e afastá-lo.