You are on page 1of 3

HOME ARTE SOCIOLOGIA FILOSOFIA CIÊNCIA CULTURA ECONOMIA Busque por política, filosofia, ciência...

Home / Ciência / Cientistas / Economia Política / História / Pensamento Científico / Reflexão / Marx, Darwin e a
tragicômica “dedicatória d’O Capital”

Marx, Darwin e a tragicômica “dedicatória d’O Capital”


Wesley Sousa janeiro 12, 2018

Imagem de capa da primeira edição de "Das Kapital", em 1867.

Por Lucas Parreira Álvares[1]

Alguns meses atrás participei de um debate na Faculdade de Ciências Econômicas da UFMG


(FACE) que se desenvolveu a partir das discussões do livro Marx at the Margins de autoria de
Kevin Anderson, que estava presente no debate. Em determinado momento, o renomado professor
da casa João Antônio de Paula, numa tentativa de estabelecer uma aproximação entre Marx com o
pensamento evolucionista, mencionou o tal episódio em que “Marx pretendia dedicar O Capital à
Charles Darwin”. Por já saber que na verdade essa suposta dedicatória não passava de um grande
mal entendido, contestei, naquele instante, a fala do professor João Antônio de Paula que em
seguida me respondeu: “mas isso é fato, está documentado”. Coube, em seguida, ao professor
Kevin Anderson – com maior propriedade, e com toda sua elegância - explicar o imbróglio.

A resolução desse assunto não é novo na literatura marxista, e mesmo alguns pesquisadores
brasileiros já mencionaram em artigos científicos o episódio em questão – por exemplo o artigo
História e Teologia em Darwin e Marx: para entender um debate de Maurício Vieira Martins.
Entretanto, desde esse episódio na FACE me deparei com alguns textos recentes que ainda
batiam nessa mesma tecla da suposta dedicatória que Marx teria feito a Darwin. Me atraí
principalmente por uma recente citação do excelente artigo Capital as Spirit, do marxista japonês
Kojin Karatani, publicado na revista Crisis and Critique. Aspas para Karatani “It is well-known that
Marx dedicated Capital to Darwin”. Baseado nessa inquietação, e por admiração ao professor João
Antônio de Paula, desenvolvi esse breve texto cuja intenção – nem um pouco inédita - é a de tentar
explicar minuciosamente essa “trama envolvente” que ganhou contornos tragicômicos no seio da
tradição marxista.

***
Cena 1
1859 d.C.: O naturalista britânico Charles Darwin lança sua obra-prima intitulada A Origem das
Espécies por Meio da Seleção Natural ou a Preservação de Raças Favorecidas na Luta Pela Vida,
ou simplesmente A Origem das Espécies, obra paradigmática para as ciências da natureza através
da qual Darwin apresenta sua teoria da evolução das espécies.

Cena 2
1867 d.C.: O revolucionário alemão Karl Marx lança o primeiro tomo de sua obra-prima intitulada O
Capital: crítica da economia política – o processo de produção do capital, ou simplesmente O
Capital livro I, obra paradigmática para a ciência da história na qual Marx apresenta as
determinações da anatomia da sociedade-civil-burguesa. Nessa obra, Marx cita Darwin em duas
notas de rodapé.

Cena 3
1873 d.C.: Marx envia a Darwin a segunda edição de O Capital. Dentro, um singelo bilhete escrito
“Ao Sr. Charles Darwin, em nome de seu sincero admirador, Karl Marx”. No mesmo ano, Darwin
envia uma carta a Marx como resposta: “Distinto senhor, agradeço-lhe a honra que me oferece ao
me enviar seu excelente trabalho O Capital. Sinceramente, penso que mereceria mais o seu dom
se eu entendesse algo mais sobre essa questão profunda e importante que é a economia política.
Embora nossos estudos sejam tão diferentes, acredito que ambos desejamos ardentemente a
disseminação do conhecimento e que, a longo prazo, isso certamente ajudará a aumentar a
felicidade da raça humana. Fico muito agradecido senhor. Do seu, com afeto, Charles Darwin”.

Cena 4
1880 d.C.: Edward Aveling, biólogo inglês casado com Eleanor Marx, filha de Karl Marx, escreve
uma carta a Darwin, de quem era seguidor, solicitando permissão para dedicar sua obra The
Student’s Darwin ao evolucionista: “Proponho, dependendo novamente de sua aprovação,
homenagear minha obra e a mim mesmo dedicando-a a você”. Sem nomear o destinatário na
carta, e sem mesmo data-la, Darwin responde naquele mesmo ano: “Distinto senhor, estou muito
agradecido pela sua cortês correspondência e pelo conteúdo da mesma. A publicação, na forma
que está, de suas observações sobre meus escritos não precisa em realidade de consentimento
algum por minha parte, por isso não seria sério para mim que eu desse meu consentimento do que
não possui nenhuma necessidade. Preferia que não me dedicasse o tomo e o volume (embora eu
agradeça pela honra que quer me dar), pois isso implicaria de certo modo em minha aprovação de
toda a publicação, sobre a qual eu nada sei. Além disso, embora eu seja um decidido defensor da
liberdade de pensamento em todos os campos, me parece – com razão ou equivocadamente – que
as argumentações de maneira direta contra o cristianismo e o teísmo dificilmente produzem algum
efeito no público. Penso que a liberdade de pensamento se promove melhor através da gradual
iluminação das mentes em que se deriva o progresso da ciência. Pode ser que, no entanto, eu
tenha sido muito influenciado pelo desgosto que alguns membros da minha família sentiria se eu
tivesse aprovado de algum modo ataques dirigidos contra a religião. Não gostaria de rejeitar sua
oferta, mas estou velho, tenho pouca força e ler as provas de impressão – como eu sei pela
experiência recente – me cansa muito. Fico muito agradecido senhor. Do seu, com afeto, Ch
Darwin”.

Cena 5
1881 d.C.: Edward Aveling publica sua obra The Student’s Darwin sem a dedicatória a Charles
Darwin.

Cena 6
1883 d.C.: Morre Karl Marx. Grande parte de seu acervo fica sob organização de seu companheiro
Friedrich Engels, que, dentre outros trabalhos, organiza e publica os tomos II e III de O Capital.

Cena 7
1895 d.C.: Morre Friedrich Engels. O acervo de Marx, por um tempo, fica sob responsabilidade de
sua filha Eleanor Marx bem como de seu genro, Edward Aveling. Nesse tempo, os materiais de
Marx se mesclaram com os materiais de Aveling.

Cena 8
1931 d.C.: A revista soviética Pod Znamenem Marksizma (Sob a Bandeira do Marxismo) publica a
carta que Darwin enviou a Aveling. Pelo fato da carta estar em seu acervo, e por não ser nomeada
nem datada, a revista sugere que o destinatário desconhecido da carta poderia ser Karl Marx.

Cena 9
1939 d.C.: Isaiah Berlin, liberal britânico e um dos biógrafos de Karl Marx, escreve em sua obra
que “o autor de O Capital queria dedicar a Darwin a edição original alemã”. Depois dessa menção
da biografia de Marx escrita por Berlin, vários marxistas do Século XX acreditaram que Marx
pretendia dedicar O Capital a Darwin.

Cena 10
1978 d.C.: Margareth Fay, intérprete de Darwin, escreve o artigo “Did Marx offer to dedicate Capital
to Darwin? A Reassessment of the Evidence”, através do qual apresenta as conclusões de sua
investigação onde descobriu que o verdadeiro destinatário da carta de Charles Darwin no ano de
1880 não era Karl Marx, mas sim o seu genro Edward Aveling.

***

Não foram poucos os renomados autores que reproduziram essa informação de que Marx
pretendia dedicar O Capital a Darwin. Além de Isaiah Berlin e Kojin Karatani, o húngaro Györg
Lukács e o americano Lawrence Krader igualmente aderiram ao mal entendido. O biógrafo David
McLellan também não escapou dessa. E se por um acaso você encontrar algum teórico
contemporâneo que mencione o tal episódio, não se surpreenda – embora possa parecer
incômodo que Marx cogitasse dedicar uma obra a Darwin. O fato é que Marx dedicou o tomo I de
O Capital ao seu “inesquecível amigo, ao corajoso, fiel e nobre pioneiro do proletariado, Wilhelm
Wolff”, e por isso alguns intérpretes acreditaram – e Isaiah Berlin também cogitou essa
possibilidade – de que a intenção de Marx era dedicar o tomo II a Darwin. Bom, nem Marx tinha
essa intenção, e nem sabemos qual era o destinatário da dedicatória do tomo II, afinal Marx morreu
antes da obra ser concluída. Mas que a história fez da relação de Marx com Darwin uma trama
tragicômica, isso fez. Para piorar, Janeth Browne, intérprete e editora das obras de Darwin concluiu
em 2002 que o evolucionista não chegou a ler, nem sequer a abrir o exemplar de O Capital que
Marx o enviara. A obra permanece intacta na conservada e cuidadosa biblioteca de Darwin até
hoje. Poderia ser essa a nossa décima primeira cena?

Referências Bibliográficas

ARNAL, Salvador Lópes. Darwin, Marx y las dedicatorias de El Capital. 2009. Disponível em:<
https://observadorjuvenil.wordpress.com/2009/11/23/darwin-marx-y-las-dedicatorias-de-el-capital/>.
Acesso em: 03 jan. 2018.

BROWNE, Janet. Charles Darwin. El poder del lugar, Valencia, PUV, 2009, p. 246 (traducción de
Julio Hermoso).

FAY, Margaret. “Did Marx offer to dedicate Capital to Darwin?: A Reassessment of the
Evidence” . Journal of the History of Ideas, Vol. 39, No. 1 Jan-Mar, 1978, pp. 133-146.

KARATANI, Kojin. Capital as Spirit. Crisis& Critic. Volume 3, 2016, p.167-190.

McLELLAN, David. Karl Marx. Su vida y sus ideas. Barcelona : Crítica, 1983, 488p.

[1] Nascido no município de Pompéu (MG), é graduado em Ciências do Estado pela Universidade Federal de
Minas Gerais e mestrando em Direito pela mesma instituição. É autor do artigo “Comunismo Primitivo e
transição capitalista no pensamento de Rosa Luxemburgo” (2017) e atualmente desenvolve pesquisas sobre
os Cadernos etnológicos de Karl Marx.

Share Pin it Tweet Share


SHARES

RELATED POSTS

O portão de aço do Estado A luta dos povos árabes e dos povos... O amor é. Algumas notas.