You are on page 1of 5

FT

13 – Mecanismos de classificação
Biologia 11º ano
2016-2017

Grupo I - A classificação dos elefantes


Uma equipa de cientistas conseguiu sequenciar parte do código genético do mamute lanudo (Mammuthus
primigenius), um animal extinto há milhares de anos. A pesquisa descodificou as 5 mil “letras" do código genético
da mitocôndria do animal. O estudo permite uma visão mais profunda da filogenia da família dos elefantes e revela
a relação filogenética do elefante asiático (Elephas maximus) com o elefante africano (Loxodonta africana) e com
o mastodonte americano (Mammut americanum).
Os mamutes viveram na África, na Europa, na Ásia e na América do Norte entre 1,6 milhões de anos e 10 mil anos
atrás, durante a era geológica plistocénica.
A equipa de pesquisadores extraiu e analisou o DNA do mamute usando uma nova técnica que funciona mesmo
com pequenas quantidades de osso fossilizado - neste caso, 200 miligramas. Cerca de 46 fragmentos de DNA
foram combinados e colocados em ordem, dando um registo completo do DNA mitocondrial do mamute.
Apesar de a parte principal da informação genética de um animal se encontrar no núcleo da célula, o DNA
mitocondrial é particularmente útil para estudar as relações evolutivas entre as diferentes espécies. O DNA
mitocondrial é transmitido pela linha materna com poucas, mas regulares, mudanças, dando aos cientistas uma
visão sobre o passado da espécie em questão. A figura seguinte revela a filogenia baseada nos resultados deste
estudo.

1. A classificação representada na figura pode ser considerada


A. natural, por se basear num critério bioquímico, e vertical, por considerar as relações evolutivas.
B. natural, por se basear num critério anatómico, e vertical, por recorrer à taxonomia numérica.
C. racional, por se basear num critério anatómico, e vertical, por recorrer à taxonomia numérica.
D. racional, por se basear num critério bioquímico, e vertical, por considerar as relações evolutivas.

Susana Morais Página 1 de 5


2. O estudo sugere que o mamute filogeneticamente se encontra mais próximo da espécie
A. Elephas maximus, porque apresenta, em relação a esta, maior número de nucleótidos diferentes no DNA
mitocondrial.
B. Elephas maximus, porque apresenta, em relação a esta, menor número de nucleótidos diferentes no
DNA mitocondrial.
C. Mammut americanum, porque apresenta, em relação a esta, menor número de nucleótidos diferentes
no DNA mitocondrial.
D. Mammut americanum, porque apresenta, em relação a esta, maior número de nucleótidos diferentes
no DNA mitocondrial.

3. A categoria taxonómica mais baixa que pode ser comum ao elefante africano e ao elefante asiático é
A. a família, porque eles pertencem ao mesmo género.
B. a família, porque eles pertencem a géneros diferentes.
C. o género, porque eles pertencem a espécies diferentes.
D. o género, porque eles pertencem à mesma espécie.

4. Na figura, as bifurcações correspondem a momentos de


A. convergência evolutiva, revelados por semelhanças na sequência de nucleótidos.
B. divergência evolutiva, revelados por analogias na sequência de DNA mitocondrial.
C. divergência evolutiva, revelados por diferenças na sequência de nucleótidos.
D. convergência evolutiva, revelados por homologia na sequência de DNA mitocondrial.

5. A designação Mammuthus primigenius refere-se ao taxon


A. espécie, porque apresenta nomenclatura binominal, sendo o primeiro o nome do género.
B. género, porque apresenta nomenclatura binominal, sendo o segundo o nome da espécie.
C. espécie, porque se encontra escrito em itálico.
D. género, porque está escrito em latim.

6. A utilização do DNA mitocondrial para o estabelecimento de filogenias pode ser vantajosa relativamente à
utilização de DNA nuclear, porque
A. no primeiro não ocorre recombinação.
B. no primeiro não ocorrem mutações.
C. é mais difícil de isolar em laboratório.
D. o primeiro é transmitido pela linha materna e o segundo por linha paterna.

7. A utilização do latim na nomenclatura científica apresenta, entre outras vantagens,


A. o facto de ser uma língua bem conhecida dos intelectuais.
B. a universalidade, visto que é falada por mais países que o inglês.
C. o facto de ser a língua utilizada por Lineu.
D. a inexistência de variações por ser uma língua morta.

Susana Morais Página 2 de 5



8. Ordene os taxa indicados de seguida, começando pelo mais inclusivo.
A. Elephantidae.
B. Elephas.
C. Animalia.
D. Elephas maximus.
E. Mammalia.

9. Faça corresponder cada uma das descrições relacionadas com a sistemática dos seres vivos da coluna A ao termo
da coluna B que identifica a respetiva designação.

Coluna A Coluna B
a) Na evolução das plantas, os tecidos condutores surgem com as traqueófitas. 1) Chave dicotômica
b) Os cogumelos podem ser classificados em venenosos ou comestíveis. 2) Cladograma
c) Descrições sistemáticas que permitem identificar seres vivos. 3) Taxonomia numérica
d) Representação gráfica que procura traduzir as relações de parentesco entre 4) Taxon
diferentes espécies. 5) Característica primitiva
e) A espécie é a unidade básica de classificação e representa um grupo natural 6) Característica derivada
7) Classificação prática
8) Classificação natural

10. Atualmente existem duas escolas principais de classificação: a filética e a fenética.


Explique como, de acordo com a escola fenética, o mamute, o elefante africano e o elefante indiano poderiam
ser agrupados.

11. A hibridação de DNA é uma técnica muito utilizada para a determinação de relações evolutivas entre seres
vivos. Explique em que consiste esta técnica e como ela permite estabelecer esse tipo de relações.

Grupo II - O terceiro domínio da vida
Em 1977, o microbiólogo americano Carl Woese coloca em causa, pela primeira vez, a divisão clássica dos seres
vivos em cinco reinos. Através de análises de sequências de RNA ribossomal, Woese mostra que existem grandes
diferenças dentro do grupo dos organismos procariontes. Ele
propõe a divisão dentro deste grupo em eubactérias (bactérias
verdadeiras) e arqueobactérias (bactérias que, normalmente,
vivem em ambientes extremos). Em artigo publicado em 1990,
o mesmo autor refina a sua classificação, propondo o que
conhecemos hoje como os três domínios da vida (Bactéria,
Archaea e Eukarya), sendo Archaea o chamado "Terceiro
domínio da vida" Neste artigo, Woese ressalta que a diferença
entre os domínios Bactéria e Archaea é maior do que a

Susana Morais Página 3 de 5



diferença entre os clássicos reinos Animalia e Fungi. Desta forma, nós, humanos, somos mais parecidos
geneticamente com fungos do que microrganismos dos domínios Bactéria e Archaea entre si. Podemos perceber
que o que Woese propôs em 1990 estava muito à frente do "consenso científico" Enquanto os taxonomistas passam
a vida toda tentando organizar ordens ou géneros, Woese propôs um taxon acima de "Reino” alterando de forma
marcante a nossa visão da vida no planeta.

1. A classificação dos seres vivos em três domínios proposta por Woese


A. baseia-se em critérios de natureza bioquímica, mais concretamente na análise de ácidos nucleicos.
B. baseia-se em critérios de natureza estrutural, mais concretamente na análise do DNA.
C. é uma classificação fenética, porque não tem em conta os pressupostos evolutivos.
D. é uma classificação artificial, porque se baseia num único critério de natureza estrutural.

2. Woese justifica a criação do Domínio Archaea porque


A. as eubactérias têm mais semelhanças com fungos e animais do que com as arqueobactérias.
B. as diferenças em relação aos restantes procariontes são maiores do que as que existem entre alguns
eucariontes de reinos diferentes.
C. as arqueobactérias têm mais semelhanças com fungos e animais do que com as eubactérias.
D. os procariontes apresentam maiores semelhanças entre si do que os eucariontes dos reinos Animalia e
Fungi.

3. Na classificação em domínios, o Domínio Eukarya inclui os reinos


A. Monera, Fungi, Plantae e Animalia, e o Reino Protista está distribuído pelos domínios Archaea e Bactéria.
B. Fungi, Plantae e Animalia, e os reinos Monera e Protista foram divididos pelos restantes domínios.
C. Fungi, Plantae e Animalia, o Domínio Archaea inclui todos os indivíduos do Reino Monera e o Domínio
Bactéria inclui o Reino Protista.
D. Protista, Fungi, Plantae e Animalia, e o Reino Monera está distribuído pelos domínios Archaea e Bactéria.

4. Na classificação de Whittaker de 1979, as algas castanhas, como, por exemplo, a Laminaria, são incluídas
no Reino
A. Protista, porque são seres autotróficos multicelulares.
B. Protista, porque apresentam um talo diferenciado com uma base de fixação às rochas.
C. Protista, porque, apesar de multicelulares, apresentam baixo grau de diferenciação.
D. Plantae, porque são seres autotróficos multicelulares.

5. O sistema de classificação em reinos de Whittaker baseia-se em critérios


A. de natureza estrutural, nutrição, e nos tipos de relações que os seres vivos estabelecem nos ecossistemas.
B. de natureza estrutural, bioquímica, e da interação nos ecossistemas.
C. bioquímicos, no tipo de célula e na interação nos ecossistemas.
D. bioquímicos, no modo de obtenção de energia e nos tipos de relações que os seres vivos estabelecem nos
ecossistemas.

Susana Morais Página 4 de 5



6. A presença de cloroplastos num ser unicelular torna possível a sua inclusão no Reino
A. Monera. C. Fungi.
B. Protista. D. Plantae.

7. Ordene as letras A a E, de modo a estabelecer a sequência correspondente à evolução dos sistemas de


classificação.
A. Fungos flagelados e algas multicelulares são incluídos no Reino Protista.
B. Haeckel propõe a existência de um novo reino para incluir fungos, protozoários e bactérias.
C. As diferenças estruturais entre os seres eucariontes e os procariontes justificaram a criação de um novo
reino.
D. Fungos, seres unicelulares com cloroplastos e bactérias são classificados como plantas.
E. Whittaker propôs um sistema de classificação em cinco reinos.

8. Faça corresponder cada um dos pares de reinos expressos na coluna A aos termos da coluna B que identificam
os pares de categorias antagónicas que poderiam ser utilizadas numa chave de identificação para os separar.
Coluna A Coluna B
a) Monera/Protista 1) Autotrófico por absorção/heterotrófico por ingestão
b) Fungi/Plantae 2) Heterotróficos multicelulares diferenciados/autotróficos multicelulares diferenciados
c) Fungi/Animalia 3) Heterotróficos por absorção/heterotróficos por ingestão
d) Protista/Planta 4) Parede celular de natureza quitinosa/parede celular de natureza celulósica
e) Animalia/Plantae 5) Procarionte/eucarionte
6) Procarionte/eucarionte multicelular diferenciado
7) Autotróficos ou heterotróficos/exclusivamente autotróficos
8) Estrutura cenocítica/procarionte

9. Considerando os critérios que estão na base da classificação dos reinos de Whittaker (1979), explique porque
se pode afirmar que o Reino Protista é o que revela maior heterogeneidade de características dos organismos
que o constituem.

10. Explique de que forma o sistema de classificação de Woese "altera de forma marcante a nossa visão da vida
no planeta".

Susana Morais Página 5 de 5