You are on page 1of 12

RESUMO BIOLOGIA

- ORIGEM DA VIDA

ETAPAS DO MÉTODO CIENTÍFICO:

OBSERVAÇÃO- QUESTIONAMENTO- FORMULAÇÃO DE HIPÓTESES- EXPERIMENTAÇÃO-


CONCLUSÃO- DIVULGAÇÃO- NOVOS QUESTIONAMENTOS.

- SURGIMENTO DA VIDA

Criacionismo e fixismo: Criacionismo é a teoria que considera que todos os seres vivos
foram criados a partir de intervenção divina. Várias culturas e religiões seguem esta ideia.
E, até pouco tempo atrás, esta era uma ideia também aceita no meio científico.
Até o século XVIII a maior parte dos cientistas acreditava que cada espécie havia surgido
na Terra independentemente, sem parentesco entre si e que suas características
permaneciam inalteradas ao longo do tempo. A estas ideias, damos o nome de teoria fixista.

Panspermia ou cosmogenia: Hipótese que diz que a vida teve origem em outro planeta e foi
trazida para o planeta Terra carregada por meteoros que trazia formas de vida bastante
simples. Atualmente esta é uma teoria desacreditada, principalmente pelo fato de que ela
transfere o “problema” da origem da vida para outro planeta.

- BIG BANG

- Estrelas: aglomerados de átomos de hidrogênio emitindo luz e calor. Estas explodem e


lançam átomos no espaço, formando a grande nebulosa. A GRANDE NEBULOSA, seria
formada por gases e grãos de poeira, originando estrelas, planetas e corpos celestes. O
Sistema Solar: Surgiu do resto da nebulosa que formou o Sol. Surgiram planetas, satélites,
asteroides.

A hipótese heterotrófica é a linha de pensamento mais aceita para


explicar a origem da vida. Conta que os organismos se
desenvolveram a partir de substâncias inorgânicas. Essas
substâncias estavam presentes quando a Terra ainda era bastante
jovem e muito diferente de hoje, com muitos vulcões ativos,
uma atmosfera ainda em construção e sendo atingida diariamente
por meteoros.

A hipótese autotrófica diz que os primeiros seres vivos produziam


seu próprio alimento assim como as plantas atuais. Entretanto, essa
hipótese não consegue explicar muito bem como esses seres
conseguiram se desenvolver. Essa hipótese é a menos defendida na
comunidade científica justamente pela sua falta de respostas.

OPARIN E OS COACERVADOS

Trabalhando independentemente, o cientista russo Aleksander I.


Oparin (1894-1980) e o cientista inglês John Burdon S.
Haldane (1892 – 1964) propuseram na década de 1920, hipóteses
semelhantes sobre como a vida teria se originado na Terra. Apesar
de existirem pequenas diferenças entre as hipóteses desses
cientistas, basicamente eles propuseram que os primeiros seres
vivos surgiram a partir de moléculas orgânicas que teriam se formado
na atmosfera primitiva e depois nos oceanos, a partir de substâncias
inorgânicas. as condições da Terra antes do surgimento dos
primeiros seres vivos eram muito diferentes das atuais. As erupções
vulcânicas eram muito freqüentes, liberando grande quantidade de
gases e de partículas para a atmosfera. Esses gases e partículas
ficaram retidos por ação da força da gravidade e passaram a compor
a atmosfera primitiva. As descargas elétricas e as radiações eram
intensas e teriam fornecido energia para que algumas moléculas
presentes na atmosfera se unissem, dando origem a moléculas
maiores e mais complexas: as primeiras moléculas orgânicas. É
importante lembrar que na atmosfera daquela época, diferentemente
do que ocorre hoje, não havia o escudo de ozônio (O3) contra as
radiações, especialmente a ultravioleta, que, assim, atingiam a Terra
com grande intensidade. As moléculas orgânicas formadas eram
arrastadas pelas águas das chuvas e passavam a se acumular nos
mares primitivos, que eram quentes e rasos. Esse processo,
repetindo-se ao longo de muitos anos, teria transformado os mares
primitivos em verdadeiras “sopas nutritivas”, ricas em matéria
orgânica. Essas moléculas orgânicas poderia ter-se agregado,
formando coacervados, nome derivado do latim coacervare, que
significa formar grupos. No caso, o sentido de coacervados é o de
conjunto de moléculas orgânicas reunidas em grupos envoltos por
moléculas de água.
Abiogênese ou geração espontânea: É a hipótese que afirma que os seres vivos podem surgir
da matéria sem vida. Dizia-se que algumas substâncias possuíam “força vital” capaz de
produzir seres vivos. Esta hipótese foi inúmeras vezes testada e supostamente corroborada
pelo surgimento “inexplicável” de moscas sobre a carne, ratos em trapos sujos,
decomposição de matéria orgânica etc.

Atualmente, a lei da biogênese( FRANCESCO REDI), atribuída a Louis Pasteur, é


resultante da observação de que seres vivos provém apenas de outros seres
vivos, através da reprodução. Ou seja, que seres vivos não se formam diretamente
a partir de materiais não-vivos em forma como proposta na geração espontânea.

Biogênese – Stanley Lloyd Miller

Simulou as condições da atmosfera primitiva; Demonstrou a


formação de compostos orgânicos, utilizando um aparelho onde
circulava metano, amônia, vapor de água e hidrogênio, submetidos a
descargas elétricas. Após as descargas, os materiais são submetidos
ao resfriamento para simular a condensação na atmosfera. A parte
em U simula os mares primitivos que recebiam chuvas e os
compostos formados na atmosfera. Nessa parte em U houve a
formação de moléculas orgânicas, como aminoácidos

Macroevolução refere-se a evolução de grupos maiores que uma espécie individual.

Os mecanismos evolutivos básicos – mutação, migração, deriva genética e seleção natural –


podem produzir alterações evolutivas de grande porte se lhes for dado tempo suficiente.
MICROEVOLUÇÃO= ADAPTAÇÃO AO MEIO

VARIAÇÕES GENÉTICAS

Mutações são alterações no DNA. Uma única mutação pode ter um amplo efeito, mas em
muitos casos, alteração evolutiva é baseada na acumulação de mutações.

Fluxo Gênico é qualquer movimento de genes de uma população para outra e é uma
importante fonte de variação genética.

Sexo pode introduzir novas combinações de genes em uma população. Essa mistura genética
é outra importante fonte de variação genética.

Migração: Alguns indivíduos de uma população de besouros marrons podem ter se juntado
a uma população de besouros verdes. Isso faria com que a frequência de genes para besouros
marrons ficasse mais frequente na população de besouros verdes.

Deriva Genética

Imagine que em uma geração, aconteceu de dois besouros marrons gerarem quatro
descendentes que sobreviveram até a idade reprodutiva. Vários besouros verdes foram
mortos quando alguém pisou neles e eles não tiveram prole. A próxima geração teria um
pouco mais de besouros marrons do que a geração anterior – mas apenas por acaso.

SELEÇÃO NATURAL (CHARLES DARWIN): MUDANÇA DE UMA POPULAÇÃO


QUE OCORRE PORQUE OS INDIVÍDUOS EXPRESSAM CARACTERÍSTICAS
GENÉTICAS QUE ALTERAM SUAS INTERAÇÕES COM SEUS AMBIENTES DE
FORMA A AUMENTAR SUA SOBREVIVÊNCIA E REPRODUÇÃO.

VICARIÂNCIA: Mecanismo evolutivo no qual a distribuição de uma espécie


ancestral é fragmentada em duas ou mais áreas, devido ao surgimento de uma
barreira natural.

As leis de Lamarck
O livro Filosofia Zoológica introduzia duas leis propostas por
Lamarck. A primeira leia era a Lei do uso e desuso: os organismos
tendiam a desenvolver os órgãos que mais usavam e entrava em
desuso aqueles órgãos que eram menos utilizados. A inutilização de
certos órgãos e utilização massiva de outros órgãos estaria
intrinsecamente ligada às mudanças no ambiente em que o
organismo estava inserido.

A segunda lei era a Lei de transmissão dos caracteres adquiridos: as


características dos órgãos mais utilizados e dos menos utilizados
iriam ser passados para as gerações futuras.

CÉLULA

Considerada a menor unidade estrutural básica dos seres vivos. Absorve


substâncias; Forma energia; Elimina resíduos; Reproduz.
- ACELULARES, UNICELULARES E PLURICELULARES
- PAREDE CELULAR: RÍGIDA, ESPESSA, PERMEÁVEL, DÁ PROTEÇÃO E
SUSTENTAÇÃO.
- MEMBRANA PLASMÁTICA: É uma “capa” dupla que envolve e protege
todo o interior da célula. Capacidade de selecionar as substâncias que entram e
saem da célula.
- TIPOS DE TRANSPORTE: Passivo: • Difusão simples; • Osmose. • Difusão
Facilitada • Ativo • Em Bloco.
- CITOESQUELETO: SÃO FILAMENTOS PROTÉICOS RESPONSÁVEIS
PELA MOVIMENTAÇÃO CELULAR, TRANSPORTE INTRACELULAR E INTERAÇÃO
COM RECEPTORES DA MEMBRANA.
- RIBOSSOMOS: FORMANDOS POR RNA RIBOSSOMAL E PROTEÍNA, SÃO
FÁBRICAS DE PROTEÍNAS E BIOSINTETIZAM ELAS. PRODUZEM EM QUALQUER
PARTE DO CITOSOL. EXISTEM 2 TIPOS: RIBOSSOMOS LIVRES E LIGADOS.
- RETÍCULO ENDOPLASMÁTICO LISO: SÍNTESE DE LIPÍDEOS,
DESINTOXICAÇÃO DE DROGAS E VENENOS, METABOLISMO DE
CARBROIDRATOS E AUXILIA NO TRANSPORTE INTRACELULAR.
- RETÍCULO ENDOPLASMÁTICO RUGOSO: Secreta glicoproteínas; •
Possui ribossomos aderidos à sua superfície; • Fábrica de membrana para a
célula; • Realiza transporte intracelular.
- APARELHO DE GOLGI: Centro de manufatura, armazenamento,
classificação e remessa; Os dois pólos da pilha de Golgi são chamados de face
cis e face trans – a cis é o lado “receptor” e a trans, o lado que “envia”. Forma o
acrossoma do espermatozoide.
- LISOSSOMOS: São sacos membranosos de enzimas hidrolíticas que as
células animais utilizam para digerir macromoléculas. • Surgem por brotamento
a partir da face trans do complexo de Golgi; • Realizam digestão intracelular; • Por
vezes o vacúolo alimentar se funde ao lisossomo por fagocitose.
- FUNÇÕES:
Heterofagica: substâncias que entram na célula e são digeridas pelos
lisossomos. Ex: fagocitose e pinocitose.
Autofágica: Os lisossomos digerem estruturas da própria celula. Ex:
organelas que perdem sua função e são digeridas ou em casos de subnutrição
celular.
Autólise: Os lisossomos rompem-se e matam as células como caso da
silicose, doença pulmonar causada por inalação de pó de sílica, destruindo
regiões do pulmão.
PEROXISSOMOS
• Envolto por uma membrana simples;
• Contém enzimas que transferem hidrogênio a partir de substratos para o
oxigênio (O2), produzindo peróxido de hidrogênio (H2O2), como subproduto, por
isso o seu nome, PEROXISSOMO;
• Função: desintoxicação do fígado (liberação de álcool); • H2O2 é tóxico,
mas existem peroxissomos que conseguem convertê-lo em água; • Diferença dos
lisossomos: peroxissomos não derivam de endomembranas; lisossomos sim! •
Crescem pela incorporação de proteínas no meio celular.
- VACÚOLO
O vacúolo, juntamente com os plastídios e a parede celular, representa uma
das três características estruturais que separam as células vegetais das células
animais. Os vacúolos são regiões intracelulares envolvidas por membranas
(tonoplasto), preenchidas por um líquido chamado suco celular. O suco celular é
constituído principalmente de água e íons inorgânicos.
Vacúolos de células vegetais: • Pequenos e em grande número em células
jovens; • Esses vacúolos fundemse e formam um grande vacúolo nas células
adultas;
Funções: • Acúmulo de reservas: glicose, óleo, vitaminas, hormônios, sais
(às vezes formando cristais), proteínas, pigmentos etc. • Osmorregulação
- MITOCÔNDRIA
Presente nas plantas, animais, vegetais, fungos e maioria dos protistas. •
Células possuem uma ou milhares de mitocôndrias; • Envolta por 2 membranas
fosfolipídicas e raras proteínas; • Externa é lisa/Interna é convoluta com cristas; •
Espaço intermembrana/Matriz mitocondrial; • Contém DNA e ribossomos; • As
enzimas na matriz catalisam etapas da respiração celular; • Outras proteínas que
funcionam na respiração, como a enzima ATP, são construídas dentro da
membrana.
- CLOROPLASTOS
Da família dos plastídeos; • Contém clorofila – verde; • Funcionam na
produção fotossintética de açúcar; • Encontrados em plantas e algas; • Formado
por tilacóides (sacos achatados); • Estão organizados em “fichas de póquer”, em
pilhas. O conjunto de pilhas é denominado grana. • O líquido fora dos tilacóides é
dito estroma e contém DNA e enzimas.
- NÚCEO CELULAR
O núcleo é a estrutura celular que coordena todas as atividades químicas
da célula.
Mitose
A mitose é um tipo de divisão celular que ocorre desde o surgimento da
primeira célula do bebê (célula-ovo ou zigoto) até a nossa morte. Quando ainda
estamos sendo gerados, no útero materno, é necessário que ocorra a duplicação
das células a fim de formar o novo ser. A partir daí nunca mais paramos de realizar
mitoses. Esse processo é de suma importância para continuarmos a nos
desenvolver, a crescer, a repor as células perdidas, como, por EXEMPLO ao
sofrermos uma lesão na pele, ou perdermos células sanguíneas (hemácias) a cada
120 dias.

- MEIOSE
- BIOQUÍMICA
É o estudo das reações químicas em organismos.
Substâncias Inorgânicas (não formam cadeia carbônica): água e sais minerais; ou
Substâncias Orgânicas: Carboidratos, proteínas, lipídeos, ácidos nucléicos e
vitaminas.
- COMPOSIÇÃO QUÍMICA DA ÁGUA
- É polar, por ter carga parcialmente positiva e negativa. - Possui 02 átomos de
hidrogênio e 01 átomo de oxigênio, unidos por ligações covalentes simples. -
Sendo o oxigênio mais eletronegativo do que o hidrogênio, os elétrons tendem a
ficar mais próximo do oxigênio, ou seja são ligações covalentes POLARES. - Esta
distribuição desigual torna-a POLAR, ou seja, CARGA POSITIVA nos H⁺ e CARGA
NEGATIVA no O⁻.
- CARBROIDRATOS
São denominados glicídios, açúcares ou hidratos de carbono; • TÊM na
composição C, H e O. • Fornecem maior parte da energia utilizada pelas células; •
Incluem açúcares e polímeros de açúcar; • Monossacarídeos, dissacarídeos e
polissacarídeos
- PROTEÍNAS: resultantes da combinação de centenas de aminoácidos.
- Aminoácido: molécula orgânica formada por um carbono central ligado a um
hidrogênio (H+), um grupo carboxila (COOH -), um grupo amina (amino – NH2) e
um radical (- R) variável conforme o aminoácido.
Estrutural: Colágeno, Queratina E Fibrina

As principais funções dos aminoácidos são:

 Construção de novos tecidos no corpo, como nos músculos, unhas


ou órgãos
 Inibição do catabolismo, o que previne o uso de massa magra como fonte
de energia
 Regulamento da síntese hormonal e uma série de processos metabólicos
corporais
 Atuar como matéria prima na construção de proteínas no corpo
FUNÇÃO HORMONAL: INSULINA
FUNÇÃO IMUNOLÓGICA
FUNÇÃO NUTRITIVA
FUNÇÃO ENZIMÁTICA
- LIPÍDEOS
É um grupo heterogêneo de substâncias, amplamente distribuídas em animais e
vegetais, cuja característica comum é ser insolúvel ou pouco solúvel em água e
solúvel em solventes orgânicos, apresentando, portanto, escassa polaridade
TIPOS:
Hidrossolúveis:
Normalmente de origem vegetal (exceto a B12);
Dissolvem-se na água;
São pouco armazenadas no organismo e seu excesso é eliminado pela urina;
Ingestão diária acaba sendo necessária;
Lipossolúveis:
Normalmente de origem animal;
Dissolvem-se nos lipídios;
Seu excesso é armazenado no tecido adiposo e no fígado
pode provocar problemas se em excesso (hipervitaminose).
Não são necessárias diariamente por serem acumuladas.
- ÁCIDOS NUCLEICOS
São responsáveis pela transmissão da herança biológica: as moléculas que
regem a atividade da matéria viva, tanto no espaço (coordenando e dirigindo a
química celular por meio da síntese de proteínas - RNA) como no tempo
(transmitindo os caracteres biológicos de uma geração a outra, nos processos
reprodutivos – DNA.
Possui: ácido fosfórico; açúcares; e bases purínicas e pirimidínicas. São portanto
macromoléculas formadas por nucleotídeos.
- DUPLICAÇÃO DO DNA
• Pontes de hidrogênio se rompem; • Cadeias se separam; • Nucleotídeos que
vagam pelo meio e ao redor vão se unindo a elas. Repetindo a especificidade: A
com T, T com A; C com G e G com C. • Se ligam em seqüência e formam uma
cadeia complementar sobre cada uma das cadeias da molécula original.
Relação de Chargaff.
Terapia Gênica

Transferência de material genético com o propósito de prevenir ou curar uma


enfermidade qualquer. No caso de enfermidades genéticas, nas quais um gene está
defeituoso ou ausente, a terapia gênica consiste em transferir a versão funcional do
gene para o organismo portador da doença, de modo a reparar o defeito.

CLONE
Pode ser definido como uma população de moléculas, células ou organismos que se
originaram de uma única célula e que são idênticas à célula original. Em humanos, os
clones naturais são os gêmeos idênticos que se originam da divisão de um óvulo
fertilizado.
ENZIMAS DE RESTRIÇÃO
Elas “picotam” o DNA produzindo fragmentos com pontas adesivas, que podem se
ligar a outras pontas de moléculas de DNA que tenham sido cortadas com a mesma
enzima.

PCR
A técnica da PCR (Polimerase Chain Reaction) foi desenvolvida em 1985, pelo
cientista Kary Mullis (prêmio Nobel em Química, 1993). O objetivo dessa técnica é
fazer cópias de trechos de DNA in vitro, usando polimerases do DNA. Nesse caso, o
DNA, ao ser analisado, passa pelos seguintes processos: É submetido a altas
temperaturas (cerca de 94 0C por minuto); Ocorre, então, a separação da dupla
hélice; Com a temperatura mais baixa, são empregadas as polimerases que atuam
completando os pares de bases de cada hélice separada; Dessa maneira, de uma
molécula de DNA, formam-se duas.
________________________________________________________________________

ECOLOGIA
Habitat: Local onde o indivíduo ou a espécie pode ser encontrado. Corresponde a seu
“endereço” no ecossistema onde vive.
• Nicho Ecológico: Papel (função) desempenhado pelo organismo no ecossistema.
Define o modo de vida único e particular que cada espécie explora no hábitat.
• Ecótone: Região de transição entre dois ecossistemas. Apresenta grande
biodiversidade.

• Bioma ou Biocenose: Conjunto de ecossistemas com características relativamente


uniformes de clima, solo, fauna e flora. Exemplos de biomas brasileiros: Cerrado,
MataAtlântica, Caatinga e Pampas.
Cadeia Alimentar
• Sequência unidirecional na qual a energia e a matéria fluem devido à alimentação

. • Classificação:
• Produtores (1º nível trófico)
• Consumidores (2º, 3º, ... nível trófico)
• Decompositores – fungos e bactérias
Teia Alimentar

• Sequência multidirecional de fluxo de matéria e energia


Como relações intraespecíficas harmônicas, temos:

- Sociedade: Representantes da mesma espécie cooperam entre si, por meio da


divisão de trabalho. Ex: abelhas e cupins.
INDIVÍDUOS FISICAMENTE INDEPENDENTES, MAS COM PROFUNDO GRAU DE
INTERDEPENDÊNCIA. FORMAM CASTAS. APRESENTAM POLIMORFISMO. NÍTIDA
DIVISÃO DE TRABALHO.

- Colônia: Associação anatomicamente entre indivíduos, unidos entre si, e que podem
desempenhar funções específicas. Ex: corais.

E as desarmônicas:

- Canibalismo: Um indivíduo se alimenta de outro de sua espécie sendo este,


geralmente, menos capaz.

- Competição intraespecífica: Competição por território, parceiros reprodutivos,


alimentos, dentre outros.

Como relações interespecíficas harmônicas, temos:

- Mutualismo: Ambas as espécies, associadas entre si, se beneficiam, sendo tal


relação imprescindível à sobrevivência destas. Ex: liquens (fungos + algas).

- Protocooperação: Ambas as espécies se beneficiam, mas sem estar


dependentemente, e tampouco obrigatoriamente, unidas. Ex: Caranguejo-eremita e
anêmonas-do-mar.
ASSOCIAÇÃO ENTRE INDIVÍDUOS DE ESPÉCIES DIFERENTES EM QUE AMBOS SE
BENEFICIAM, MAS NÃO É OBRIGATÓRIA A COEXISTÊNCIA. PÁSSAROS COM
CERTOS MAMÍFEROS, RÉPTEIS...

- Inquilinismo: Uma espécie fornece proteção ou moradia à outra, sem se prejudicar.


Ex: orquídeas epífitas.

SER VIVO PASSA A HABITAR O CORPO DE OUTRO, SEM RETIRAR DESTE


SUBSTANCIAS PARA A SUA NUTRIÇÃO, NEM ACOMETÊ-LO DE QUAISQUER
OUTROS MALEFÍCIOS.

- Comensalismo: Um organismo se alimenta de restos da alimentação de outro. É uma


relação que fornece benefícios apenas a uma espécie, enquanto a outra permanece
indiferente.
ESPÉCIE (COMENSAL) BENEFICIA-SE DE OUTRA (HOSPEDEIRA), QUE NÃO TEM
VANTAGENS NEM DESVANTAGENS NA INTERAÇÃO

E as desarmônicas:

- Amensalismo: RELAÇÃO EM QUE INDIVÍDUOS DE UMA ESPÉCIE LIBERAM


SUBSTÂNCIAS QUE AFETAM , OU MESMO IMPEDEM, O DESENVOLVIMENTO DE
INDIVÍDUOS COMPETIDORES DE OUTRAS ESPÉCIES.. Ex: secreção antibiótica dos
Penicillium.

- Herbivoria: Herbívoros se alimentam de partes ou mesmo de plantas inteiras. Ex: boi


- capim.
PREJUDICIALÀ PLANTA, BENÉFICO PARA O ANIMAL. FUNDAMENTAL PARA OS
ECOSSISTEMAS. PLANTAS E/OU SEMENTES COMIDAS INTEIRAS POR
HERBÍVOROS (PREDAÇÃO). PLANTAS COMIDAS PARCIALMENTE POR
HERBÍVOROS (PARASITISMO)

- Predatismo: Consiste na captura, morte e alimentação de suas presas. Ex: plantas


carnívoras, aranhas e leões.
IMPORTÂNCIA - CONTROLE DA DENSIDADE POPULACIONAL DA TEIA ALIMENTAR
DOS ECOSSISTEMAS.
FORMAS DE OCORRÊNCIA: HERBIVORIA - ANIMAIS QUE SE ALIMENTAM DE
PLANTAS
CARNIVORIA – ANIMAIS QUE SE ALIMENTAM DE ANIMAIS

- Parasitismo: Um parasita se alimenta de seu hospedeiro sem, necessariamente,


levá-lo a óbito. Ex: carrapato (ectoparasita) e lombrigas (endoparasita).

- Competição interespecífica: Disputa por recursos, entre espécies diferentes,


geralmente de nichos ecológicos semelhantes.
NESTE CASO, ENTRE INDIVÍDUOS DE ESPÉCIES DIFERENTES. IMPORTANTE FATOR
DE CONTROLE DE TAMANHO DA POPULAÇÃO. QUANTO MAIOR A SUPERPOSIÇÃO
DOS NICHOS DE DUAS ESPÉCIES (NECESSIDADES ALIMENTARES E ECOLÓGICAS
SIMILARES), MAIOR A COMPETIÇÃO INTERESPECÍFICA.

Sucessão Ecológica
• Primária – Área desabitada (mais demorada até o estágio clímax) – Ex: dunas,
vulcões, ...
• Secundária – Área habitada (mais rápido até o estágio clímax) – Ex: área de
desmatamento, área queimada, ...

A eutrofização (ou eutroficação) é um processo normalmente de origem


antrópica (provocado pelo homem), ou raramente de ordem natural, tendo
como princípio básico a gradativa concentração de matéria orgânica
acumulada nos ambientes aquáticos.

Entre os fatores impactantes, contribuindo com a crescente taxa de poluição


neste ecossistema, estão: os dejetos domésticos (esgoto), fertilizantes agrícolas
e efluentes industriais, diretamente despejados ou percolados em direção aos
cursos hídricos (rios e lagos, por exemplo).

Durante esse processo, a quantidade excessiva de minerais (fosfato e nitrato)


induz a multiplicação de micro-organismos (as algas) que habitam a
superfície da água, formando uma camada densa, impedindo a penetração da
luminosidade. Esse fato implica na redução da taxa fotossintética nas
camadas inferiores, ocasionando o déficit de oxigênio suficiente para atender
a demanda respiratória dos organismos aeróbios (os peixes e mamíferos
aquáticos), que em virtude das condições de baixo suprimento, não
conseguem sobreviver, aumentando ainda mais o teor de matéria orgânica no
meio.