You are on page 1of 34

A Arte de Saber Se Relacionar

Aprenda a se relacionar de modo saudável

Danilo H. Gomes
1ª edição
2017
Autoria / Edição / Capa: Danilo Henrique Gomes
Contato: contato@cantosereno.com

Os textos bíblicos citados neste livro baseiam-se na versão de tradução NVI (Nova Versão
Internacional).

Proibida a reprodução total ou parcial, por qualquer meio, sem prévia autorização escrita do autor.
“Seja qual for o relacionamento que você atraiu para dentro de sua vida,
numa determinada época, ele foi aquilo de que você precisava naquele
momento”

Deepak Chopra
Índice
Introdução
Busque as Relações
Aceite os outros como eles são
O mundo precisa de você
Socialmente bem, saudável também
Pratique a socialização
A internet não basta
Compartilhe ideias
Comunicação melhorada
O outro pode nos mostrar o que não enxergamos sozinhos
Buscar relações: este é o primeiro passo para relações de qualidade

Guarde Bem Suas Emoções Negativas


Cada pessoa carrega seus pesos
Mostre sua pacificidade (e é claro, seja pacífico)

Hoje Pode Ser o Último Dia


Não deixe pendências
Não fuja de quem quer você por perto
O tempo não volta e o que é morto não revive

O Poder da Humildade
Pedir perdão mantém a relação
Não fique somente esperando
Que tal ceder?

Comunicação é a Base da Relação


Não sinta medo de se expressar com sinceridade
A falta de verdade pode dar lugar a falsidade
Que a verdade reine!

Aprenda a Dizer Sim


O Melhor Amigo Que Alguém Pode Ter
Nota do Autor
CantoSereno.com
Introdução
De tanto relacionarem-se mais com máquinas do que com pessoas, os
seres humanos aparentemente perderam as habilidades sociais necessárias
para manter bons relacionamentos. Existem aqueles que desistiram de se
relacionar e hoje vivem trancafiados em poucos metros cúbicos tentando
viver a vida a sós.
Como se relacionar? Como manter um relacionamento? Com quem se
relacionar? Estas e muitas outras são dúvidas que frequentemente assolam a
mente de indivíduos do mundo todo. Isto é facilmente compreensível levando
em consideração a situação em que as gerações deste século se encontram.
A tecnologia aproxima as pessoas de uma maneira única e incomparável,
porém, exclui todos os benefícios que o verdadeiro calor humano
proporciona. Todos nós precisamos voltar a saber como alimentar e obter
relacionamentos interpessoais de qualidade.
Tarefa difícil? Talvez. Traz benefícios? Sem dúvida. Esteja disposto a
modificar seus hábitos e prepare-se para desfrutar dos seus relacionamentos
de forma imensamente prazerosa, além de mantê-los firmes e saudáveis. Boa
leitura!
Busque as Relações
O homem não fora criado para caminhar só.

Tenho quase certeza de que todos os seres humanos que já vagaram pela
Terra já sentiram o desejo de se isolar completamente do mundo em algum
momento da vida. Muitos, infelizmente, colocaram este plano em ação e
viveram a maioria dos seus dias em uma “caverna social”. Perderam a chance
de viver uma vida satisfatória e, consequentemente, feliz.
Como em um mundo habitado por bilhões de outros seres humanos pode
haver tal desejo em uma porcentagem da população? A resposta mais viável
seria: fuga.
O homem é um ser que sabe ferir os outros. Sim, os animais também
sabem ferir outros, fisicamente. Mas os seres humanos vão além! Sabem ferir
o que não pode ser tocado. Ferem almas.
Há pessoas que, em certo momento da vida, encontram-se diante de seus
limites, carregando consigo a impressão de que mais uma única ferida fará
tudo desmoronar. Neste momento, o ferido cansado e oprimido não encontra
outra solução senão o ato de isolar-se o máximo possível de novas relações
humanas. Estas relações tornaram-se perigosas!
Este desejo é compreensível. Não há melhor maneira de evitar as feridas
do que a de simplesmente fugir dos causadores delas. Mas evitar o monstro
não fará com que ele morra.
A vida foi feita para ser vivida de modo correto e não de qualquer forma
sob as bases da libertinagem e a busca desenfreada pelo prazer (hedonismo).
Para viver uma vida de qualidade o ato de relacionar-se é essencial. Então
não há nada a se fazer além de enfrentar o medo das relações frente-a-frente.
Fugir das relações por medo das feridas é como deixar de comer por medo
de passar mal alguma vez. Optar por isso é escolher deixar de viver e apenas
existir. Os momentos maravilhosos que relações saudáveis podem nos
proporcionar são únicas e nenhuma tecnologia no universo pode reproduzir
tais prazeres.
Enfrente seus medos de novas relações! Sejam elas amizades, paixões ou
relações familiares. Os seus instintos clamam pela socialização. Não se
esconda eternamente atrás de uma pedra enquanto as pessoas vivem a vida lá
fora. Enfrente o monstro e prove de doses únicas de felicidade e alegria!

Aceite os outros como eles são


Você provavelmente já deve ter ouvido a frase “trabalhar com gente é
horrível”, certo? Eu ouvi isto inúmeras vezes. Não espere que eu apresente
argumentos para refutar esta popular afirmação, afinal, ela é verdadeira. Lidar
com pessoas é uma tarefa extremamente árdua.
Não sabemos o que esperar das pessoas. A qualquer momento alguém
pode lhe ferir ou espalhar coisas terríveis a seu respeito pelas suas costas.
Podem lhe dar uma resposta grosseira inesperadamente, mesmo que você não
tenha feito nada para o outro.
Seres humanos são assim. Carregamos maldade por natureza, mesmo que
ninguém tenha nos ensinado. Não existe uma pessoa sequer na face desta
Terra que seja perfeita e completamente boa.
O que fazer diante deste fato? Odiar a todos? Ignorar tudo o que possui
ligações com a raça humana? Não temos solução alternativa além da
aceitação. Aceite as pessoas como elas são, afinal, o fato de você aceita-las
ou recusá-las não mudará a realidade do mundo, mas apenas a sua.
Você já parou para pensar quantas informações valiosas cada pessoa
carrega? Cada cérebro carrega consigo uma infinidade de informações e
experiências que podem ser úteis. Ou seja, se aceitamos conviver com
alguém mesmo que este seja quase insuportável, é inegável o fato de que
iremos adquirir mais conhecimento sobre o mundo através desta pessoa.
Pensando desta forma é possível entender que aceitar as pessoas como elas
são é um ato muito vantajoso. Cada um, com suas peculiaridades, pode fazer
de nós pessoas melhores.
Mas e aquelas pessoas definitivamente insuportáveis? O que fazemos com
elas? Simplesmente as aceitamos. Aceitar não é sinônimo de “colar”. Aceitar
não é conversar o dia todo ou acompanhar em todos os eventos. Aceitar é o
ato de não recusar, não se afastar, não ignorar.
Aceitar as personalidades alheias é um dos primeiros passos a dar para sair
do isolamento e nutrir relacionamentos saudáveis. A aceitação é também, sem
dúvida, uma grande arma contra o medo de envolver-se socialmente.
Não corra o risco de arrepender-se por não aceitar alguém quando este
mesmo alguém partir para nunca mais voltar. Todos possuem um imenso
valor. Não importa o quanto o mundo tente ofuscar esta verdade, a vida
humana é e sempre será valiosíssima.

“Queria ter aceitado


As pessoas como elas são
Cada um sabe a alegria
E a dor que traz no coração”
Música Epitáfio - Titans

O mundo precisa de você


Certa vez ouvi de um grande amigo as seguintes palavras, “Você precisa
levar seu brilho para as pessoas, rapaz!”. Aquilo mexeu profundamente
comigo. E não é que ele tem razão mesmo?
Mesmo não sendo a pessoa mais agradável do mundo jamais poderei
alegrar o dia das pessoas se eu não for até elas. É uma simples questão de
lógica. Dentro do seu quarto, caro leitor, você não transformará a vida de
ninguém. Será triste para você refletir sobre a vida e perceber que nenhuma
pessoa foi transformada positivamente através da sua existência.
É necessário que você leve seu conhecimento, seus talentos e suas ideias
para fora do cubículo. Aprenda a dar passos fora da famigerada zona de
conforto.
Olhe para dentro de si. Você possui qualidades. Inúmeras qualidades. O
mundo jamais irá conhecê-las caso você não saia do seu quarto e respire o ar
livre lá fora. Há centenas de pessoas precisando de pessoas como você. Sim,
você, sua imaginação, suas ideias e tudo o que você tem.
Não prive o mundo de desfrutar de sua companhia. Você vive neste
mundo, sendo assim, integre-se a ele. Não permita que o medo das relações e
a negatividade alheia te aprisionem em uma jaula.

Socialmente bem, saudável também


Em muitas cadeias ao redor do mundo existe um tipo de cela destinada a
torturar psicologicamente os detentos que infringem regras internas do
presídio. Estamos falando da “solitária”.
O presidiário é posto dentro desta cela e lá permanece total e
constantemente isento de contato humano. Ou seja, não conversa com
ninguém, não sente o calor humano, não compartilha gestos nem olhares, e
etc.
Ao saírem deste castigo psicológico, os presidiários encontram-se
notavelmente mais agressivos e depressivos. Muitos afirmam ter experiências
alucinógenas enquanto permanecem dentro da cela após certo tempo.
A existência desta cela especial nos serve de prova em relação a
necessidade do ser humano de se socializar. A saúde mental é tão importante
quanto a saúde física (senão mais importante). Em outras palavras, de nada
adianta malhar todos os dias dentro de sua casa visando ser mais saudável se
não sair nos fins de semana com alguém próximo para colocar as conversas
em dia.
Se relacionar não é uma opção, mas sim uma obrigação.

Pratique a socialização
Andar de bicicleta exige prática. Dirigir um carro também. Tocar um
instrumento? Mais ainda! Assim como estas atividades citadas, estar em
sociedade também é uma atividade praticável e pode ser evoluída em cada
um de nós. À medida que compartilhamos informações, mais informações
saberemos compartilhar de forma efetiva.
Caso você, leitor, possua alguém próximo que vive isolado de tudo e
todos, tente observar atentamente os gestos e a forma de comunicar-se do
mesmo quando este está (talvez obrigatoriamente) inserido no meio social.
Será facilmente notável a forma embaraçosa e atrapalhada com que a pessoa
se comportará.
Não seja leviano quanto à arte de se relacionar. Esta exige treino e
experiência. Quer ser o piadista da turma? Bacana! Mas como você contará
piadas sem ter as ouvido antes através dos outros?

A internet não basta


Vivemos na era digital. Fato. Muitos endeusam a internet e aplaudem o
poder que esta tem graças ao seu poder de conectar pessoas do mundo todo.
Devemos muito a esta maravilhosa rede de computadores, pois, graças a esta
incrível ferramenta da era moderna desfrutamos dos benefícios da
globalização como ela é hoje.
Mas nem tudo são flores. A internet promove a conexão entre pessoas do
mundo inteiro, mata saudades, informa aos brasileiros, por exemplo, as
novidades que estão ocorrendo no Japão em poucos segundos, e etc. Sendo
assim, então por que nem tudo são flores?
Você já se questionou sobre a qualidade destas conexões? É possível
abraçar pela internet? Na frente do seu computador você consegue receber
um ombro para chorar? Esta rede mundial de computadores mostra a
verdadeira face de seus donos? Seus amigos do Facebook sabem como você
está hoje? Será que apenas a internet basta?
Não, não basta. Não resuma suas relações interpessoais a isto. Quer ter
relações de qualidade? Então visite mais a casa daqueles que você ama ao
invés de apenas abrir uma simples página numa rede social.

Compartilhe ideias
Você é o que você pensa. Seu corpo apenas porta sua alma, suas emoções
e seus ideais. Como diria o lendário filósofo Descartes, “Cogito ergo sum”,
ou seja, se penso, se questiono e se tenho ideias, logo existo. Então torne sua
existência notada perante seus correlacionados.
Compartilhar ideias é um exercício demasiadamente prazeroso e saudável.
Ao partilhar suas opiniões, automaticamente você ouvirá opiniões e ideias
alheias também. Nesta dialética o maior ganhador será o seu cérebro, pois
acumulará uma série de informações novas e farão de você um maior
conhecedor das ciências.
Como será dito posteriormente neste livro, a comunicação é a sólida base
da qualidade de um relacionamento. Portanto, comunique-se e não tenha
medo de mostrar suas crenças e dúvidas.

Comunicação melhorada
A comunicação com coesão e clareza transforma qualquer pessoa em uma
companhia agradável para uma conversa de longas horas. Para chegar a tal
nível de comunicação é preciso muita prática e estudo (neste caso muita
prática já estará proporcionando uma espécie de estudo).
Você pode concluir o curso de comunicação em alguma faculdade por aí
ou simplesmente pode praticar o ato de comunicar-se e analisar
cautelosamente o jeito como se comunica visando melhorar esta habilidade.
Quanto mais conversamos com as pessoas, mais temos um feedback
(retorno) e somente assim sabemos o quão bem estamos nos comunicando.
Não sinta medo e nem preguiça de conversar. À principio esta atividade pode
lhe parecer uma enorme e inútil chatice, mas com o decorrer do tempo será
visível o avanço nesta linda arte.

O outro pode nos mostrar o que não enxergamos


sozinhos
Ter momentos a sós com nosso próprio eu é uma atividade essencial para
nossa saúde psíquica e autoconhecimento. Porém, mesmo com as reflexões
sobre o que somos e que função estamos exercendo neste universo, há certos
detalhes em nosso modo de existir que não conseguimos notar sozinhos. É
neste momento que vem à tona a necessidade vital de nos enxergar através
dos outros.
Fique atento ao que falam de você. Ouvir sobre o eu pela boca do outro é
uma dádiva dada àqueles que se relacionam. É mister lembrar que não é
necessário levar em consideração exatamente tudo o que dizem, pois assim
estaríamos deixando de lado as variações radicais das mentes alheias.
Tome para si tudo aquilo que pode ser edificante. As meras opiniões
podem – e devem – ser deixadas de lado. É diante deste ponto que inúmeras
pessoas sentem-se desmotivadas a viver em sociedade e buscar novos
relacionamentos.
Não se retraia por isso. Ouvir críticas negativas e positivas é algo
absolutamente normal e faz parte da existência humana. São as críticas que
tornam uma pessoa melhor. Fugir dos relacionamentos é não querer
evolução.
Buscar relações: este é o primeiro passo para
relações de qualidade
Estamos todos conectados de alguma forma (não estou afirmando isto com
base em alguma crença religiosa, aliás, isto é um fato). Assim como é
incomum alguém ler um livro chamado “A Arte de Dirigir” sem desejar
pilotar veículo algum, também é impossível alguém estar rodeado por bons
relacionamentos sem querer relacionar-se.
Não ter medo de relacionamentos deveria ser algo impregnado em todo ser
humano. Como a primeira frase após o título deste capítulo afirma, o homem
não fora criado para caminhar só. Viver da solidão não faz parte da nossa
programação instintiva.
Assim como a fome, a sede ou o sono, relacionar-se é uma necessidade
humana e ela precisa ser suprida. Quanto tempo faz que você não bate um
papo por horas com um amigo ou parente?
Quer ter relacionamentos de qualidade? Então esforce-se para ser o agente
transformador das suas relações.
Guarde Bem Suas Emoções
Negativas
O outro não tem culpa do que você permite acontecer dentro de você.

Houve no século XX um grande filósofo que mostrou a muitos o quão


culpado de nossas emoções somos. Este é Sartre. Jean Paul Sartre. A seguinte
frase pertence ao mesmo:

Não importa o que fizeram com você. O que importa é o que você faz com
aquilo que fizeram com você.

Enquanto vivermos lado a lado de outros seres racionais (ou pelo menos
deveriam ser) como os humanos, estamos expostos ao perigo de sermos
emocionalmente feridos. Não somente podemos ser feridos por pessoas, mas
também vítimas de estresse gerado pela pressão do cotidiano.
Já perdi as contas de quantas pessoas conheci ao longo da minha vida que
tinham um profundo prazer em assumir a posição de vítima diante das
emoções negativas. Como Sartre insinuou em sua famosa frase citada no
segundo parágrafo deste capítulo, somos completamente capazes de fazer
algo mediante aquilo que fazem conosco.
Se somos capazes de apaziguar ou potencializar as emoções negativas que
nascem dentro de nós, então chegamos a conclusão de que podemos muito
bem nos controlar para não “descarregar” no outro estas mesmas emoções
indesejáveis.
É com este pensamento que iniciamos as reflexões deste capítulo. As
pessoas que convivem comigo em minha casa não tem culpa nenhuma do
estresse que o meu patrão causou-me hoje. Nem mesmo meu próprio patrão
que originou meu estresse merece minha afeição hostil e ameaçadora.
Entendo as pessoas que constantemente estão de mal humor, mas não as
apoio. Viver é se equilibrar. O que justifica alguma grosseria com o próximo?
Ainda mais a grosseria gratuita? O que a atendente de caixa de um banco fez
para merecer a estupidez de uma senhora que há anos experimenta os
desgostos de um casamento prestes a desmoronar completamente?
Como já dito, o primeiro passo para ter relações de qualidade é não ter
medo de relações. Sendo assim, o segundo passo é ser gentil mesmo quando
nem tudo corre bem. A ciência do quão inocentes são nossos próximos em
relação as nossas emoções negativas nos serve como lembrete da importância
da gentileza.
Independentemente de como tem sido seus dias, não fira o outro com o
ferro que te feriram. Acredite, as consequências da gentileza são inúmeras.
Alimente o sorriso e seja grato pela vida.
Seja gentil com os outros e eles sentirão imenso prazer em permanecer na
sua presença. Seja gentil e veja seus relacionamentos progredirem
gradualmente. Seja grosseiro e torne-se um repelente de seres humanos.

Cada pessoa carrega seus pesos


Várias vezes já me peguei refletindo sobre as curiosidades ligadas a
sociedade enquanto eu dirigia (que por sinal é um dos momentos que mais
reflito sobre a vida). Carros e mais carros avançando por mim, paralelamente
ou cortando meu caminho.
Enquanto estou ali, dirigindo, observo todos aqueles veículos
transportando pessoas e penso comigo quantas vidas passam por minha vista
em minutos. Cada moto, por exemplo, carrega uma ou duas pessoas que
possuem problemas, sonhos, pesadelos, alegrias, etc.
Já parou para refletir sobre quanta coisa interessante há por aí? Alguém
que está do seu lado diante de um semáforo talvez seja dono de um segredo
bombástico, ou talvez esteja prestes a ser pai, ou talvez seja um rico
filantropo... Quem sabe?!
A única certeza que podemos ter quanto aos outros é: todos têm alguns (ou
muitos) problemas. Jamais suponha que alguns estejam isentos de problemas.
Todos, sem exceção, têm pelo menos uma vírgula que não está no local
correto dentre as frases da vida.
Você deve estar perguntando-se o porquê de tanta ênfase no outro e não
no eu, sendo este livro destinado àquele que deseja nutrir boas relações.
Pense comigo, sem o outro com quem você, caro leitor, irá relacionar-se? É
preciso ser muito altruísta para viver bem em sociedade.
A premissa deste subcapítulo é a seguinte: não jogue sobre o outro seus
pesos negativos, pois tenha certeza que os outros também já carregam os
próprios pesos. Cada vez que descarregamos em outrem nossa raiva,
frustração, mal humor ou desesperanças, estamos, na realidade, piorando o
que já é ruim.
Não importa pelo quê você esteja passando, não derrube as pessoas. Elas
também travam suas lutas diariamente e a última coisa que querem é alguém
próximo jogando mais areia pesada por sobre os seus ombros.
Caso você leia este livro até aqui e não o termine (mas tenha aceitado e
compreendido o que foi apresentado até aqui), já estarei muito orgulhoso de
saber que alguém entendeu o quão terrível é alimentar esta guerra invisível
que acontece tão próxima de nós. Estou falando da guerra de insultos,
grosserias, hostilidades.
Nesta guerra invisível não há armas, facas, bombas e nem granadas. Trata-
se de uma sociedade infestada de pessoas totalmente insatisfeitas pela vida e
que não medem esforços na hora de descontar sobre o outro suas dores.
Graças a isto vemos tantas pessoas insuportáveis pelo mundo afora,
espalhando suas dores e ferindo gratuitamente.
Cada um carrega os seus pesos. Guarde os seus. Guarde... só para você.
Faça este esforço. Não faça com que fujam de você com medo de receberem
mais pesos, mas pelo contrário, atraia as pessoas fornecendo a elas a certeza
de que diante de você não serão ainda mais feridas.
O mundo seria um lugar incomparavelmente melhor se todos agissem
desta forma, não é mesmo?

Mostre sua pacificidade (e é claro, seja pacífico)


Decidiu parar de descarregar sobre os outros suas insatisfações e sua ira?
Ótimo! Temos até aqui um gigantesco avanço eficiente. O próximo passo é
demonstrar isso. Você precisa levantar a bandeira branca para que saibam que
em você encontrarão um lugar livre de agressões e ofensas.
Lembro-me de quando trabalhei ao lado de uma garota sociável, mas com
a fama de briguenta. O mais engraçado de tudo é que ela mesmo espalhava
sua fama negativa através de afirmações como “ah, eu não levo desaforo para
casa, sou briguenta mesmo”.
Era notório o afastamento das pessoas que ouviam falar de sua fama.
Tinha poucos amigos e vivia se queixando da vida e da solidão. Convivendo
com ela cheguei a uma estranha conclusão. Percebi que ela não era nada
briguenta. Já ouviu o ditado “cão que ladra não morde”? Pois então.
Não sei exatamente se este desvantajoso hábito de intitular-se como
briguenta era uma tática para ganhar respeito dos outros (o que não
funcionava muito). De qualquer forma, depois de conviver com ela, pude ter
a certeza de que ter fama de briguento não trás benefícios para ninguém.
Mostre sua pacificidade sendo o menos negativo possível. Mantenha a
calma. Evite “explosões” emocionais. Aja sempre mansamente.
Automaticamente as pessoas sentirão paz quando estiverem próximas a você.
Sua presença se tornará agradável e será procurada.
E atenção, não cometa o mesmo erro que minha colega de trabalho citada
há pouco cometeu. Não tente conquistar a fama de inexorável, obstinado. O
mundo precisa de paz e calor, e não de guerra e frieza.
Hoje Pode Ser o Último Dia
Quem garante que hoje não seja o último dia de alguém?

Aproveite cada dia como se fosse o último. Ou como muitos aspirantes de


filosofias de vida diriam, carpe diem (termo escrito por Horácio, filósofo
grego, cujo significado seria algo próximo de “aproveite o agora”). Apesar de
bela, esta filosofia de vida é questionável, pois a mesma ignora o futuro e as
consequências dos atos do tempo presente.
Mas carpe diem não é o assunto deste capítulo. Não, pelo menos, em sua
essência. E se aplicássemos esta famosa filosofia em nossas vidas
acrescentando o termo “pessoas” antes do “agora”? Seria algo como
“aproveite as pessoas agora”. Interessante... ou assustador?
Ficar pensando que as pessoas próximas a nós estão em seu último dia de
vida não é uma atividade agradável, sem dúvida. Esta dica não está sendo
passada a você para que seja feita de forma literal.
Para aproveitar bem seus relacionamentos este tipo de pensamento é
essencial. Ter a ciência de que aquela pessoa que você ama pode não estar
viva amanhã, com toda a certeza, fará com que você a trate melhor.
Não é necessário que você fique colado naqueles que você ama o tempo
todo. Nem perguntar de cinco em cinco minutos como estão. Além de
desgastar o relacionamento, este comportamento despertará no outro uma
vontade imensa de te evitar, e o que era para ser bom acaba produzindo
efeitos contrários.
Apenas reflita. Se as pessoas próximas a você partissem desta Terra daqui
a dez minutos e estivessem pensando em você trinta segundos antes de suas
respirações finais, o que pensariam? Pensariam que você foi um bom
companheiro?
Eis aí a mágica de desfrutar dos outros como fossem deixar a vida no dia
seguinte. Seja cordial e fique marcado positivamente nas vidas alheias. Se
assim agir, você provará de uma tranquilidade ímpar ao refletir sobre seus
relacionamentos e chegará à conclusão de que tem sido uma boa e valiosa
companhia para todos.
A sensação de perder alguém sabendo que seus momentos com o mesmo
em vida não foram agradáveis e bem aproveitados trará sobre você um peso
que somente o tempo poderá tornar leve (se conseguir). Por isso, aproveite as
pessoas agora.

Não deixe pendências


Como é feliz a pessoa que não deixa pendências em seus relacionamentos.
Pendência significa “aquilo que não foi finalizado”. Não estou falando que
você, amigo leitor, deve finalizar seus relacionamentos (até porque não teria
sentido aconselhar isto em um livro chamado “A Arte de Saber Se
Relacionar”).
Darei um exemplo sobre um relacionamento com pendências. Patrícia vai
a casa de sua melhor amiga, Larissa. Em certo momento, Patrícia e Larissa
adentram uma discussão hostil. Tomada pela ira, Patrícia sai às pressas da
casa de Larissa e vai embora. As duas não se veem e nem se falam a 3 anos.
Temos aqui uma pendência (grave) no relacionamento.
Se Patrícia permanecesse junto de Larissa até o fim da discussão, as
chances de que tudo acabasse bem seria de 50%. Com toda certeza isso é
melhor do que ficar 3 anos afastado de alguém. Pense comigo, quem saiu
ganhando nesta história? Ninguém.
Evite deixar qualquer pendência – ou podemos chamar também de
“buraco” – em seu relacionamento. Finalize todos os pormenores. Permaneça
em uma discussão até o seu fim, independente de quão severa esta seja.
As discussões são inevitáveis em qualquer relacionamento. O surgimento
delas é algo inesperado e enquanto a mesma está ocorrendo dificilmente será
findada. Mas toda discussão deve ser completamente finalizada. Veja isto
como uma lei de qualquer relacionamento humano.

Não fuja de quem quer você por perto


“Ei, passe lá em casa qualquer dia destes para conversarmos”, é o que
muitos dizem ao reencontrar um velho amigo. Provavelmente você já foi este
velho amigo. A questão é: você já fez a visita?
Vivemos na era da tecnologia e desfrutamos dos incríveis benefícios que
esta nos traz. As ferramentas virtuais de hoje em dia deveriam aproximar as
pessoas, mas pelo visto o efeito é contrário. “Já tenho esta pessoa em minha
rede social... Visitar para quê?”, é o que muitos pensam. Então a vida passa,
pessoas vêm e se vão, e deixamos de saborear as doçuras de suas
companhias.
Sabe aquela pessoa que há tempos você não visita? Aquele seu parente
próximo, talvez uma avó ou um tio? Aquele velho e bom amigo que há
tempos você não vê? Visite-os. Vá até eles. Esta é uma atividade
demasiadamente saudável para seu cérebro.
Separe pelo menos um dia da semana para visitar alguém. Talvez dois, se
for preciso. Relacionamentos são como pequenas plantas que precisam
frequentemente de água e sol para crescer. Precisam de você, então seja
solícito.

O tempo não volta e o que é morto não revive


Algumas pessoas (na verdade, a maioria) passam a maior parte do tempo
de suas vidas correndo atrás do ouro, ou seja, acumulando dinheiro,
trabalhando penosamente, estudando para ganhar mais dinheiro e etc.
Enquanto este ciclo prossegue, a vida de pessoas são ceifadas.
Qual é então a consequência? O arrependimento. Não importa quanto
dinheiro o médico mais renomado da cidade possui em sua conta bancária,
ele jamais vai conseguir pagar a volta no tempo para dar um último abraço
em seu filho e dizer a ele o quanto se arrepende por não ter dado a ele mais
atenção.
Não irei crucificar somente o dinheiro. Há pessoas que não aproveitam
bem o tempo que podem ter com suas relações por outros motivos banais.
Umas são tomadas pela preguiça, outras por simplesmente sentir afeição pela
solidão (nesta caso, por que estariam lendo este livro?), outras por dar mais
atenção a compromissos alheios, etc.
Tome cuidado. Depois pode ser tarde. Invista seu tempo no que realmente
vale a pena: as pessoas que amam você. Uma vida sem amor resumisse em
ser apenas mera existência.

Ainda que eu tenha o dom de profecia e saiba todos os mistérios e todo o


conhecimento, e tenha uma fé capaz de mover montanhas, mas não tiver
amor, nada serei.
1 Coríntios 13:2
O Poder da Humildade
A humildade encurta as diferenças e expande o saber.

Vamos usar a imaginação. Suponhamos que um relacionamento seja um


aparelho eletrônico. Este aparelho está ligado quando uma tempestade
inesperada se inicia. Toda a energia elétrica em sua casa é findada. Você,
então, tomado pelo tédio, deita e dorme. Quando a energia elétrica retorna, a
voltagem está altíssima, pois esta é uma reação comum durante o retorno de
energia elétrica de uma residência. O fusível do seu aparelho se corrompe
salvando assim seu estimado objeto.
Se o relacionamento é um aparelho eletrônico, então o fusível nada mais
seria do que a humildade. Sim, a humildade pode literalmente salvar
relacionamentos. Que tal pensarmos racionalmente?
É realmente necessário ter sempre a razão? Vale a pena persistir em tolas e
vãs discussões? O que se tem a perder pedindo desculpas? Repare que, ao
questionarmo-nos desta forma, podemos chegar a conclusão de que o orgulho
é desprezível e exorbitantemente prejudicial.
Mas, afinal, o que é exatamente ser humilde? Ao contrário do que muitos
pensam, a humildade não consiste somente em negar elogios, pois neste caso
estamos falando sobre algo mais próximo da modéstia.
A humildade abrange muita coisa. Não nutro muito o hábito de criar listas,
mas neste caso vale a pena. Uma pessoa realmente humilde:
- Pede desculpas mesmo quando está certo.
- Não intitula-se maior do que outrem.
- Não se importa em ter seu nome em evidência.
- Foge de discussões não saudáveis.
- Fala mais do outro do que sobre o eu.
- Alimenta o altruísmo.
- Não se importa em ajudar.
- E afins.
Ser humilde é um pouco mais complicado do você pensou, não é? Buscar
a humildade talvez seja uma das mais árduas tarefas daquele que deseja
relacionar-se bem com todos. O ego e todo tipo de orgulho precisa ser quase
que totalmente aniquilado.
Está com medo de ler este livro até o fim? Está achando este negócio de
bons relacionamentos um enorme sacrifício impossível de ser alcançado?
Como dito no primeiro capítulo desta obra, o primeiro passo para ter bons
relacionamentos é buscar tê-los. A qualidade das suas relações vai depender
também do seu desejo de lutar por elas.
Se quiser prosseguir nesta leitura e investir em mudanças, parabéns, você
já se mostrou humilde. Viu? Talvez não seja tão difícil assim quanto parece.

Pedir perdão mantém a relação


Há anos atrás ouvi uma frase do qual nunca me esqueci. Ela dizia mais ou
menos o seguinte: não peça desculpas com medo de parecer errado, mas
tenha orgulho, pois quem pede desculpas está, na realidade, mantendo a
amizade.
Retratar-se diante do outro é uma característica exclusiva dos sábios
(talvez por isso os sábios não possuem inimizades). Mesmo quando a razão
está do nosso lado, nada nos impede de firmar novamente um acordo de paz
com quem nos feriu.
É como uma balança. De um lado está nosso ego clamando para ser
sempre o dono da razão. Do outro lado está o valor do relacionamento.
Obviamente o valor do relacionamento irá inclinar a balança para seu lado.
Será que vale a pena ser o “certo” da história e perder uma amizade (ou
uma paixão)? E quando a discussão simplesmente cair no esquecimento?
Será tarde, pois o relacionamento já terá sido desgastado. Você não precisa
sempre ter a razão, mas sempre precisará de pessoas.
Já tive a prazerosa sensação de fazer as pazes com velhos inimigos. Não
sei por quê, mas uma alegria diferente enche o coração quando a paz reina
novamente. Tente experimentar isso, agora. Que tal pedir desculpas para
aquela pessoa com quem você não se comunica há tempos?
Pratique o perdão. Não viva esta vida em guerra com outros como você.
Não fomos criados para isso, mas para vivermos em união, amor e graça. O
praticar do perdão não consiste em apenas perdoar silenciosamente. O perdão
em sua plenitude expressa sua existência. Por isso, expresse verbalmente seu
perdão e seu desejo de ser perdoado.
Durante toda sua existência neste planeta você terá de lidar com pessoas
que não gostam de você (por inveja, por exemplo). Isto é inevitável, portanto,
não há escolha quanto a isso. Mas você pode facilmente evitar ter inimigos
declarados, ou seja, travar guerras.
Se o outro te odeia, azar é dele (desculpe-me pela frase radical, porém
verdadeira). Sem dúvida, a melhor forma de viver em plena paz de espírito é
deitar a cabeça no travesseiro e dormir em paz, sem trazer à tona más
lembranças de outrem. Pedir desculpas não dói, é gratuito e seus benefícios
são ilimitados. Pense nisso.

Não fique somente esperando


É muito cômodo ficar sentado esperando que todos venham. Não haveria
vida mais fácil se bastasse que ficássemos em nosso quarto aguardando as
coisas boas acontecerem. Não é assim que funciona, principalmente quando o
assunto é relacionamentos.
Foram necessários 8 meses de persistência para que eu conquistasse o
“sim” de minha eterna companheira Débora. Tive que enfrentar desafios
árduos, mas valeu a pena. Pela graça de Deus hoje desfruto de um
relacionamento sem igual. É necessário buscar também as pessoas, assim
como buscamos um diploma, por exemplo.
Não fique de braços cruzados esperando que seu pai venha até você e tente
restaurar uma relação que já não existe. Ou esperando que aquela paquera
venha sempre iniciar um assunto com você. Ser humilde é também dar o
passo inicial e calar o próprio orgulho.
O fato é que muitos vivem esperando a popularidade para, enfim, ser
notado pelos outros. Devemos ter compaixão destes, pois viverão eterna
solidão. Se você não for até os outros, prepare-se, pois provavelmente não
irão até você.

Que tal ceder?


Já ouviu a frase “alguém tem que ceder”? Este alguém pode ser você. Sim,
sei que as dicas deste livro são demasiadamente difíceis, porém o nome deste
é “A Arte de Saber Se Relacionar”. Saber se relacionar é isto. Ter ciência do
quão difícil é cultivar relacionamento saudáveis. Tudo tem um custo,
inclusive esta arte.
Afinal de contas, estamos falando sobre ceder o quê? Simplesmente ceder
durante qualquer conflito com quem você se relaciona. Em suma, explicando
de grosso modo, seria deixar que o outro saia com a razão em uma discussão
caso esteja evidente que o mesmo não irá mudar de opinião.
É uma questão de lógica, você concorda? Veja bem, se a pessoa que crê no
outro lado da moeda está convicta do que diz, do que adiantará persistir em
argumentos? Deixe que ela ache que está com a razão, afinal, nada do que
você disser irá modificar a crença da mesma.
Deixe que o outro “vença” o debate. A verdade em algum momento virá à
tona e sua razão ficará evidente. Fixe esta frase: mais vale perder a discussão
e manter uma amizade do que perder uma amizade e vencer a discussão.
Comunicação é a Base da Relação
Quanto mais ar a bexiga acumula, mais perto de estourar ela está.

Você não é o Papai Noel, mas tem um saco no qual carrega várias coisas.
Há certo sentido na frase “não encha meu saco”. Acumulamos mágoas,
raivas, frustrações e muitos outros sentimentos negativos durante nossa vida.
Imagine que estas sejam pequenas bigornas que guardamos em nossos “sacos
de presentes”.
Pois bem, portar este saco pesado não faz bem a ninguém. Uma das
formas de esvaziarmos este saco pesado é usando a comunicação. Ela possui
o poder de expelir para fora algo que está dentro de nós, ou seja, tornar
objetivo aquilo que está subjetivo.
Também temos aqui um passo importantíssimo para manter bons
relacionamentos. Perceba que, se o indivíduo não compartilha suas dores,
suas chances de estressar-se e descarregar sobre outrem sua fúria tornam-se
altíssimas. É neste ponto que muitas relações se desmoronam.
Comunicar-se é uma necessidade. Comunicar-se com total sinceridade é
obrigação. O que está sendo dito aqui não é que você tenha de se abrir
totalmente para todo o mundo. Muitos não estão nem um pouco interessados
em saber sobre seus problemas emocionais. Você deve expressar-se com
sinceridade para as pessoas certas.
Outra coisa importante: não basta somente “desabafar”. É necessário ter
uma comunicação aberta constantemente. Se algo que foi falado lhe abriu
uma ferida, expresse-se o mais rápido possível e solucione no mesmo instante
o que te aflige.
Somente assim então você terá relações com comunicação aberta (estas se
tornam duradouras e fortes, pois a sinceridade aproxima as pessoas, desde
que aplicada de forma sutil).

Não sinta medo de se expressar com sinceridade


Vivemos em um século que poderia também ser chamado de “século das
pessoas fechadas”. Um bom observador facilmente percebe que estamos
inseridos em uma sociedade massivamente recheada de máscaras.
Vamos entender isso mais à fundo. Quanto mais a sociedade tenta
disfarçar suas infelicidades, mais somos instigados a acobertar nossas
imperfeições, pois não desejamos ser muito diferentes do que todos são. O
ato de seguir a maioria é inerente ao ser humano.
O resultado? Uma geração de sujeitos infelizes que guardam para si uma
infinidade de pensamentos e lembranças tristes que, por não serem colocadas
para fora, permanecem escondidas nas profundidades da alma. Nunca se viu
tantas pessoas depressivas no mundo como atualmente. A comunicação pode
te isentar de ser mais um entre estas.
Saiba que todos possuem problemas, imperfeições e infelicidades. Às
vezes, ao olharmos para as pessoas, temos a equivocada impressão de que
todos são plenamente felizes. Grande engano. Na realidade todos colocam
máscaras para disfarçar suas tristezas e engrandecer a imagem de que tudo
vai bem, afinal, ninguém quer se mostrar “menor” do que os outros.
Não seja guiado por tal ilusão. Não sinta medo de ser quem você é e
expressar as verdades. O maior ganhador nesta ação será você. Sua alma se
tornará mais “leve” e suas máscaras sociais finalmente poderão ficar onde
sempre deveriam estar: longe de suas mãos.

A falta de verdade pode dar lugar a falsidade


Agradeço a Deus por ter me permitido trabalhar em uma empresa
constituída por muitos funcionários que amavam falar mal de mim pelas
minhas costas. Fizeram um mal tão grande a mim que uma valiosa lição
ficara marcada em minha mente. Aprendi o quão terrível pode ser um
comentário agressivo sobre alguém sem que este tenha a chance de defender-
se.
Decidi não falar mais nada negativo a respeito de alguém “pelas costas”.
Senti na pele o sabor da injustiça causada por pessoas que sorriam para mim
e espalhavam mentiras a meu respeito sem minha ciência da situação.
Após esta decisão, sinto uma paz de espírito ímpar. Meus relacionamentos
são muito mais verdadeiros e todas minhas exortações surtiram efeito. A
verdade dita frente-a-frente pode ser dolorosa, pode despertar fúria, mas
muito melhor é uma verdade dolorosa do que uma mentira destrutiva.
Sentir medo de mostrar ao próximo onde este está errando é algo sem
sentido. Suas palavras podem ser luz para quem caminha erroneamente os
caminhos da vida.

Que a verdade reine!


Baseie todas as suas relações na verdade. Não permita haver mentiras em
qualquer relacionamento seu. Seja completamente verdadeiro e exija também
a verdade nua e crua. Não existe relacionamento saudável tendo como base a
mentira.
“Uma mentirinha pequena não faz diferença”, é o que muitos dizem. Mais
uma mentira. Grandes mentirosos começam seu caminho de enganações
“deixando escapar mentirinhas pequenas”. Este hábito vai evoluindo e,
quando menos se espera, surge então alguém viciado em mentir.
Essa tal de “mentirinha branca” é uma grande farsa. Ainda ousam anexar a
cor branca, que simboliza a paz, a esta coisa terrível. Não há nada pacífico na
mentira, muito pelo contrário, ela é altamente destrutiva e corrosiva.
Comunique-se mais, seja sincero, fale o que deve ser falado a quem deve
ouvir. Mas não usufrua de mentiras, em momento algum. Relacionamentos
verdadeiros são joias raras atualmente.
Aprenda a Dizer Sim
Que tal ter mais momentos de comunhão?

Positividade atrai coisas positivas. É a clássica história do plantio da


colheita. Você diz sim para a vida e a vida diz sim para você (dentro do que é
moralmente correto, é claro).
As pessoas se acostumaram a viver em um ritmo frenético e repetitivo.
Este costume ofuscou a atenção voltada para os relacionamentos. O corpo se
desgasta com este ritmo e, consequentemente, passamos a dizer não para os
convites que nos fazem.
Afirmamos que estamos muito cansados para ter um tempo com amigos.
Ou inventamos as mais variadas desculpas para não comparecer naquela festa
de aniversário ou naquele casamento. Seguindo por este caminho, você
provavelmente nunca regará relacionamentos de qualidade. O máximo que
conseguirá será cair no esquecimento.
Aprenda a trocar o conforto do seu lar pela diversão que o calor humano
proporciona. A vida está passando. O mundo gira lá fora. O sol brilha para
você também. O que o impede de sair da sua zona de conforto e experimentar
os sabores de uma vida em sociedade?
Analise-se. Qual palavra tem sido mais emitida pela sua boca: sim ou não?
Por que não visitar a casa daquele amigo que há anos você não vê? Por que
não participar de um simples churrasco? Por que não ir à festa de aniversário
daquela pessoa que você não tem muita intimidade, mas a considera amiga?
A vida não se torna infeliz quando deixamos o conforto um pouco de lado
pelos outros. Pode ser que tudo o que seu amigo precisa hoje é de um abraço
seu. Talvez sua prima se chateie profundamente caso você não apareça em
sua festa. Acredite, você é importante para muitos.
A palavra “sim” te proporcionará novas aventuras, novos saberes, novos
conselhos, novas lições e novos relacionamentos. Quanto mais
relacionamentos você obtiver, mais você saberá relacionar-se.
Chegamos então ao ultimo passo para saber bem se relacionar: dizer sim.
Espero sinceramente que você, meu amigo leitor, tenha absorvido todas as
dicas que foram inseridas nesta obra. Sua vida, com toda certeza, será mais
pacífica e satisfatória caso você saiba seguir o que foi ensinado até aqui.
Mas ainda não terminamos nossa caminhada em busca da melhoria de
nossos relacionamentos. Até aqui você foi informado sobre como se
relacionar bem com todos a sua volta. Ótimo. Porém de nada adiantará se
relacionar de forma exemplar com dezenas ou centenas de pessoas sem
desfrutar do melhor relacionamento que alguém pode ter. Vejamos o próximo
capítulo.
O Melhor Amigo Que Alguém Pode
Ter
Preste atenção.

Pessoas vêm e se vão durante nosso caminhar por esta jornada estranha
cheia de prazeres e tristezas chamada vida. É necessário termos
relacionamentos. Ter amigos na escola, namorar, casar, ter amigos no
trabalho, ter filhos, ter amigos da terceira idade... Tudo isto é,
incontestavelmente, de suma importância. Porém há um problema nisso tudo.
O ser humano carrega dentro de si um vazio infinito. Alguns tentam
preencher este vazio com riquezas, outros com fama, outros com beleza e
outros com relacionamentos. Esta obra foi redigida com o intuito de ensinar-
lhe os princípios para ser alguém de fácil relacionamento e não de como
preencher o vazio aqui citado.
É ótimo ter alguém que ofereça o ombro quando precisamos chorar. Ou ter
alguém que nos aconselhe diante de um dilema complexo. Mas por mais que
tenhamos as mais perfeitas companhias, ninguém poderá preencher este vazio
existencial. Sempre a impressão que ficará é de que ainda falta algo, mais um
amigo talvez.
Você não é o único que sente este vazio. Talvez você tenha inúmeros
amigos, mas ainda se sinta só. Muitos vivem com este sentimento também. E
realmente falta alguém, um amigo especial e eu sei que amigo é este.

Já não os chamo servos, porque o servo não sabe o que o seu senhor faz.
Em vez disso, eu os tenho chamado amigos, porque tudo o que ouvi de meu
Pai eu lhes tornei conhecido.
João 15:15 (ênfase acrescentada)

Estas acima são as palavras do melhor amigo que alguém pode ter: Jesus.
Este sim esteve ao meu lado durante as fases mais tristes da minha vida. Me
enviou auxílio quando ninguém mais podia me socorrer.
Eu tive – e ainda tenho – muitas amizades. Não sou alguém super-famoso,
mas muitas pessoas me conhecem. Tive relacionamentos dos mais variados
tipos. Fiéis, traidores, falsos, verdadeiros, sinceros, bajuladores, etc. Nenhum
deles se compara ao meu Senhor, Salvador e amigo fiel Jesus.
Invista em seus relacionamentos, isso é saudável e necessário, como já
dito várias vezes nas páginas deste simples livro. Mas não seria justo eu
permitir que você, leitor, finalizasse este livro sem conhecer o melhor
relacionamento que tenho. Se hoje possuo um sorriso verdadeiro em meu
rosto, devo a Ele.
Todas as dicas aqui passadas não foram adquiridas somente mediante
estudo das ciências sociais. Muito do que aqui foi passado aprendi de forma
dolorosa. Quem me dera ter lido um livro como este há anos. Agradeço a
Cristo por me ter permitido viver as mais variadas crises emocionais. Graças
a elas hoje sei o que sei (e pude escrever este livro).
Não sabe muito sobre Jesus? Então busque conhecê-lo, pois jamais haverá
melhor companhia do que a Dele.
Nota do Autor
Que bom que leu meu livro até aqui, meu caro. É tão triste observar a
sociedade e perceber que o ser humano perdeu as habilidades básicas de
relacionamento como cordialidade, altruísmo e amor ao próximo.
São tantas pessoas peritas na arte de administrar suas contas em redes
sociais, mas completamente ignorantes quando o assunto é sobre lidar com o
outro. A gentileza, humildade e mansidão são virtudes raras de se encontrar
atualmente.
Pela graça de Cristo aprendi todas as lições que foram ensinadas neste
livro. Se as coloco em prática? Nem sempre, afinal, sou humano e imperfeito.
Mas luto constantemente para me relacionar com as vidas que Deus colocou
em meu caminho da melhor maneira possível.
Todas as pessoas que você conhece passarão pela sua vida uma única vez
e você jamais encontrará uma pessoa igual a outra. Por isso, invista em seus
relacionamentos. Eles são únicos e valiosos.

Danilo Henrique Gomes


Fale comigo: contato@cantosereno.com
CantoSereno.com
A Canto Sereno é uma comunidade feita para auxiliar pessoas em
depressão e pessoas que simplesmente desejam integrar um grupo disposto a
oferecer apoio emocional.
Ficaremos imensamente gratos se recebermos uma visita sua em nossa
comunidade online. Visite o site e faça parte desta comunidade em prol das
pessoas que caminham por dias difíceis, mas lutam para não desistir da vida.
Obrigado por ter lido mais um de nossos livros!
www.cantosereno.com
Danilo Henrique Gomes