You are on page 1of 6

formiga Filomena, que vira poema como todas as letras até o

Leitor iniciante zero, de Z. E todas elas se juntam no fim, numa brincadeira de


roda em que aparece o Kelvin Wilson Ynsseto, que ainda não
tinha entrado na história.

Leitor em processo Alfabetário


JOSÉ DE NICOLA
COMENTÁRIOS SOBRE A OBRA
Leitor fluente
São alegres e originais os poemas desta coletânea, que se de-
têm em cada uma das letras do alfabeto. O pequeno leitor terá
oportunidade de fixar a seqüência alfabética; com certeza, gos-
tará também de dar a sua contribuição artística a este Alfabetário.
“Brincadeira de roda do Carlos”, além de ser uma espécie de reu-
nião geral das letras em que comparecem até as estrangeiras K,
W e Y, recria o poema “Quadrilha”, de Carlos Drummond de
Andrade, numa oportuna e deliciosa paródia.

JOSÉ DE NICOLA Áreas envolvidas: Língua Portuguesa, Educação Artística

Temas transversais: Pluralidade cultural


Alfabetário
Público-alvo: Leitor iniciante
ILUSTRAÇÕES: DANIEL KONDO

PROPOSTAS DE ATIVIDADES
UM POUCO SOBRE O AUTOR
Antes da leitura:
José De Nicola nasceu em São Paulo, no tradicional bairro do
Bexiga. Depois de quarenta anos, trocou a movimentada cidade 1. Verifique com a classe se todos conhecem o alfabeto e a or-
PROJETO DE LEITURA pelas pacatas montanhas de Bragança Paulista. É professor de dem alfabética. Há inúmeras brincadeiras para reforçar esse con-
literatura desde 1968, tendo lecionado em diversas escolas parti- teúdo. Uma delas, simples, é pular corda e ir falando as letras
Maria José Nóbrega
culares de Ensino Médio e também em cursinhos preparatórios na seqüência. A letra em que errarem o pulo é a inicial de um
Rosane Pamplona para exames vestibulares. possível namorado(a).
Desde 1984, tem se dedicado à produção de livros didáticos
para o ensino de Língua Portuguesa, Literatura Brasileira, Litera- 2. Folheie o livro examinando as coloridas letras desenhadas por
tura Portuguesa e Redação, todos publicados pela Editora Daniel Kondo. Leia o título do poema e examine como ele é tra-
Scipione. duzido pela ilustração.
Na área da literatura infantil, publicou Alfabetário e Entre ecos
e outros trecos, ambos pela Editora Moderna. 3. Pergunte por que o livro se chama Alfabetário.

RESENHA Durante a leitura:

A letra A assusta, mesmo quem não a conheça. B de beija- 1. Peça que leiam os poemas assinalando aqueles de que mais
flor, C de caracol, D de dragão. E o E é de Era uma vez, o F da gostarem.
2 3
formiga Filomena, que vira poema como todas as letras até o
Leitor iniciante zero, de Z. E todas elas se juntam no fim, numa brincadeira de
roda em que aparece o Kelvin Wilson Ynsseto, que ainda não
tinha entrado na história.

Leitor em processo Alfabetário


JOSÉ DE NICOLA
COMENTÁRIOS SOBRE A OBRA
Leitor fluente
São alegres e originais os poemas desta coletânea, que se de-
têm em cada uma das letras do alfabeto. O pequeno leitor terá
oportunidade de fixar a seqüência alfabética; com certeza, gos-
tará também de dar a sua contribuição artística a este Alfabetário.
“Brincadeira de roda do Carlos”, além de ser uma espécie de reu-
nião geral das letras em que comparecem até as estrangeiras K,
W e Y, recria o poema “Quadrilha”, de Carlos Drummond de
Andrade, numa oportuna e deliciosa paródia.

JOSÉ DE NICOLA Áreas envolvidas: Língua Portuguesa, Educação Artística

Temas transversais: Pluralidade cultural


Alfabetário
Público-alvo: Leitor iniciante
ILUSTRAÇÕES: DANIEL KONDO

PROPOSTAS DE ATIVIDADES
UM POUCO SOBRE O AUTOR
Antes da leitura:
José De Nicola nasceu em São Paulo, no tradicional bairro do
Bexiga. Depois de quarenta anos, trocou a movimentada cidade 1. Verifique com a classe se todos conhecem o alfabeto e a or-
PROJETO DE LEITURA pelas pacatas montanhas de Bragança Paulista. É professor de dem alfabética. Há inúmeras brincadeiras para reforçar esse con-
literatura desde 1968, tendo lecionado em diversas escolas parti- teúdo. Uma delas, simples, é pular corda e ir falando as letras
Maria José Nóbrega
culares de Ensino Médio e também em cursinhos preparatórios na seqüência. A letra em que errarem o pulo é a inicial de um
Rosane Pamplona para exames vestibulares. possível namorado(a).
Desde 1984, tem se dedicado à produção de livros didáticos
para o ensino de Língua Portuguesa, Literatura Brasileira, Litera- 2. Folheie o livro examinando as coloridas letras desenhadas por
tura Portuguesa e Redação, todos publicados pela Editora Daniel Kondo. Leia o título do poema e examine como ele é tra-
Scipione. duzido pela ilustração.
Na área da literatura infantil, publicou Alfabetário e Entre ecos
e outros trecos, ambos pela Editora Moderna. 3. Pergunte por que o livro se chama Alfabetário.

RESENHA Durante a leitura:

A letra A assusta, mesmo quem não a conheça. B de beija- 1. Peça que leiam os poemas assinalando aqueles de que mais
flor, C de caracol, D de dragão. E o E é de Era uma vez, o F da gostarem.
2 3
formiga Filomena, que vira poema como todas as letras até o
Leitor iniciante zero, de Z. E todas elas se juntam no fim, numa brincadeira de
roda em que aparece o Kelvin Wilson Ynsseto, que ainda não
tinha entrado na história.

Leitor em processo Alfabetário


JOSÉ DE NICOLA
COMENTÁRIOS SOBRE A OBRA
Leitor fluente
São alegres e originais os poemas desta coletânea, que se de-
têm em cada uma das letras do alfabeto. O pequeno leitor terá
oportunidade de fixar a seqüência alfabética; com certeza, gos-
tará também de dar a sua contribuição artística a este Alfabetário.
“Brincadeira de roda do Carlos”, além de ser uma espécie de reu-
nião geral das letras em que comparecem até as estrangeiras K,
W e Y, recria o poema “Quadrilha”, de Carlos Drummond de
Andrade, numa oportuna e deliciosa paródia.

JOSÉ DE NICOLA Áreas envolvidas: Língua Portuguesa, Educação Artística

Temas transversais: Pluralidade cultural


Alfabetário
Público-alvo: Leitor iniciante
ILUSTRAÇÕES: DANIEL KONDO

PROPOSTAS DE ATIVIDADES
UM POUCO SOBRE O AUTOR
Antes da leitura:
José De Nicola nasceu em São Paulo, no tradicional bairro do
Bexiga. Depois de quarenta anos, trocou a movimentada cidade 1. Verifique com a classe se todos conhecem o alfabeto e a or-
PROJETO DE LEITURA pelas pacatas montanhas de Bragança Paulista. É professor de dem alfabética. Há inúmeras brincadeiras para reforçar esse con-
literatura desde 1968, tendo lecionado em diversas escolas parti- teúdo. Uma delas, simples, é pular corda e ir falando as letras
Maria José Nóbrega
culares de Ensino Médio e também em cursinhos preparatórios na seqüência. A letra em que errarem o pulo é a inicial de um
Rosane Pamplona para exames vestibulares. possível namorado(a).
Desde 1984, tem se dedicado à produção de livros didáticos
para o ensino de Língua Portuguesa, Literatura Brasileira, Litera- 2. Folheie o livro examinando as coloridas letras desenhadas por
tura Portuguesa e Redação, todos publicados pela Editora Daniel Kondo. Leia o título do poema e examine como ele é tra-
Scipione. duzido pela ilustração.
Na área da literatura infantil, publicou Alfabetário e Entre ecos
e outros trecos, ambos pela Editora Moderna. 3. Pergunte por que o livro se chama Alfabetário.

RESENHA Durante a leitura:

A letra A assusta, mesmo quem não a conheça. B de beija- 1. Peça que leiam os poemas assinalando aqueles de que mais
flor, C de caracol, D de dragão. E o E é de Era uma vez, o F da gostarem.
2 3
2. Chegando ao último poema, antes de apresentar o texto Eles sabem que alguns animais estão ameaçados de extinção, 2. SOBRE O MESMO ASSUNTO
“Quadrilha”, de Carlos Drummond de Andrade, peça que le- por coisas assim? Essa é uma oportunidade de introduzir o as-
vantem hipóteses para justificar o título “Brincadeira de roda sunto com eles. • A, B, C — Tatiana Belinky, São Paulo, Editora Elementar
do Carlos”. Eles podem observar que as personagens parecem • A, B, C Doido — Angela Lago, São Paulo, Editora Melhora-
dar as mãos umas às outras; podem também levantar uma hi- 5. Retome algumas expressões populares que aparecem nos poe- mentos
pótese sobre a escolha do nome Carlos (começa com “C” de mas. Verifique se eles sabem o que significa: • Pare no P de poesia — Elza Beatriz, Belo Horizonte, Editora
Carla, que aparece no poema), embora a intenção do autor só Não ata nem desata (“Lua”); Vigília
possa ser esclarecida depois, quando lhes for apresentado o Fraca da cuca (“Violeta”); • Uma letra puxa a outra — José Paulo Paes, São Paulo, Edito-
poema de Drummond. Falar ao pé do ouvido (“Respostas”). ra Companhia das Letrinhas
Neste último, aparecem expressões como “pé de mesa” e “pé de • O batalhão de letras — Mário Quintana, São Paulo, Editora
vento”. Observem as perguntas absurdas e a partir de outras ex- Globo
Depois da leitura:
pressões levantem novas perguntas, como “O céu da boca tem • A festa das letras — Cecília Meireles e Josué de Castro, Rio
estrelas?” e “Braço de mar sabe remar?”. de Janeiro, Editora Nova Fronteira
1. Façam juntos o registro das palavras que, em cada poema, tra-
• Manual da Delicadeza de A à Z — Roseana Murray, São Pau-
zem as mesmas iniciais que as palavras do título. Sugestão: Com-
6. Observem e analisem os recursos visuais empregados nos poe- lo, Editora FTD
pletem uma tabela assim:
mas:
“Não” — as letras maiúsculas dão idéia de voz alta, gritos;
Letra Título Outras palavras iniciadas “Ovo” — a idéia de ciclo é reforçada pela imagem arredondada
pela mesma letra do título do ovo, que propicia uma leitura cíclica, ininterrupta;
“Serpente” — a disposição das linhas sugere uma serpente e o S
A A letra A Assusta final é uma serpentezinha;
B Beija-flor bate, baila, bela, beija-flor “Xereta” — o X central do poema é como o ponto central da
C Caracol carga, curiosa, carrega, caracol, campos, letra X, onde os traços se unem.
coberto, casa, carne, corpo
7. Releiam o último poema. Apresente o poema “Quadrilha” e
D comparem os dois. Peça que levantem hipóteses sobre o seu
título (como numa quadrilha, as personagens vão trocando de
2. “Era uma vez” propicia um divertido estudo das profissões. pares). Proponha que produzam agora a sua recriação desse po-
Façam um “decalque” do poema, inventando outras fadas e ema tão famoso.
mágicos com suas criações. Exemplos:
Era uma vez uma fada que vivia costurando. Pegava linha, tesou- 8. Produzindo um alfabetário
ra, panos, um dedal de vento, três picadas de alfinete e Proponha à turma produzir um livro com poemas para cada uma
...ESCATAPLAM surgia um vestido de casamento. das letras do alfabeto, como fez José De Nicola e tantos outros
Ou poetas.
Era uma vez um mágico marceneiro. Pegava pregos etc. Faça um sorteio das letras e distribua a cada aluno (ou dupla)
uma palavra começada por aquela letra, para, a partir dela, es-
3. Verifique o que entenderam do poema “Heróis”. Por que o crever um poema.
autor diz que o ser humano é um herói? Eles concordam com Depois de pronto, cada um cria a ilustração, usando as técnicas
isso? Quais são os seus favoritos? Eles reconhecem alguns retra- empregadas por Daniel Kondo.
tados no texto? E os heróis da ilustração? E quem seria a heroí-
na? Traga para ouvirem juntos a música “Os super-heróis”, do
CD Casa de Brinquedos, de Toquinho. LEIA MAIS...

4. Promova um debate a partir do poema “Jacaré”. O que o 1. DO MESMO AUTOR


autor quis dizer com “Dá no pé, jacaré”?. Pergunte o que eles
acham de usar sapato de jacaré ou casaco de pele de raposa. • Entre ecos e outros trecos — São Paulo, Editora Moderna
4 5
2. Chegando ao último poema, antes de apresentar o texto Eles sabem que alguns animais estão ameaçados de extinção, 2. SOBRE O MESMO ASSUNTO
“Quadrilha”, de Carlos Drummond de Andrade, peça que le- por coisas assim? Essa é uma oportunidade de introduzir o as-
vantem hipóteses para justificar o título “Brincadeira de roda sunto com eles. • A, B, C — Tatiana Belinky, São Paulo, Editora Elementar
do Carlos”. Eles podem observar que as personagens parecem • A, B, C Doido — Angela Lago, São Paulo, Editora Melhora-
dar as mãos umas às outras; podem também levantar uma hi- 5. Retome algumas expressões populares que aparecem nos poe- mentos
pótese sobre a escolha do nome Carlos (começa com “C” de mas. Verifique se eles sabem o que significa: • Pare no P de poesia — Elza Beatriz, Belo Horizonte, Editora
Carla, que aparece no poema), embora a intenção do autor só Não ata nem desata (“Lua”); Vigília
possa ser esclarecida depois, quando lhes for apresentado o Fraca da cuca (“Violeta”); • Uma letra puxa a outra — José Paulo Paes, São Paulo, Edito-
poema de Drummond. Falar ao pé do ouvido (“Respostas”). ra Companhia das Letrinhas
Neste último, aparecem expressões como “pé de mesa” e “pé de • O batalhão de letras — Mário Quintana, São Paulo, Editora
vento”. Observem as perguntas absurdas e a partir de outras ex- Globo
Depois da leitura:
pressões levantem novas perguntas, como “O céu da boca tem • A festa das letras — Cecília Meireles e Josué de Castro, Rio
estrelas?” e “Braço de mar sabe remar?”. de Janeiro, Editora Nova Fronteira
1. Façam juntos o registro das palavras que, em cada poema, tra-
• Manual da Delicadeza de A à Z — Roseana Murray, São Pau-
zem as mesmas iniciais que as palavras do título. Sugestão: Com-
6. Observem e analisem os recursos visuais empregados nos poe- lo, Editora FTD
pletem uma tabela assim:
mas:
“Não” — as letras maiúsculas dão idéia de voz alta, gritos;
Letra Título Outras palavras iniciadas “Ovo” — a idéia de ciclo é reforçada pela imagem arredondada
pela mesma letra do título do ovo, que propicia uma leitura cíclica, ininterrupta;
“Serpente” — a disposição das linhas sugere uma serpente e o S
A A letra A Assusta final é uma serpentezinha;
B Beija-flor bate, baila, bela, beija-flor “Xereta” — o X central do poema é como o ponto central da
C Caracol carga, curiosa, carrega, caracol, campos, letra X, onde os traços se unem.
coberto, casa, carne, corpo
7. Releiam o último poema. Apresente o poema “Quadrilha” e
D comparem os dois. Peça que levantem hipóteses sobre o seu
título (como numa quadrilha, as personagens vão trocando de
2. “Era uma vez” propicia um divertido estudo das profissões. pares). Proponha que produzam agora a sua recriação desse po-
Façam um “decalque” do poema, inventando outras fadas e ema tão famoso.
mágicos com suas criações. Exemplos:
Era uma vez uma fada que vivia costurando. Pegava linha, tesou- 8. Produzindo um alfabetário
ra, panos, um dedal de vento, três picadas de alfinete e Proponha à turma produzir um livro com poemas para cada uma
...ESCATAPLAM surgia um vestido de casamento. das letras do alfabeto, como fez José De Nicola e tantos outros
Ou poetas.
Era uma vez um mágico marceneiro. Pegava pregos etc. Faça um sorteio das letras e distribua a cada aluno (ou dupla)
uma palavra começada por aquela letra, para, a partir dela, es-
3. Verifique o que entenderam do poema “Heróis”. Por que o crever um poema.
autor diz que o ser humano é um herói? Eles concordam com Depois de pronto, cada um cria a ilustração, usando as técnicas
isso? Quais são os seus favoritos? Eles reconhecem alguns retra- empregadas por Daniel Kondo.
tados no texto? E os heróis da ilustração? E quem seria a heroí-
na? Traga para ouvirem juntos a música “Os super-heróis”, do
CD Casa de Brinquedos, de Toquinho. LEIA MAIS...

4. Promova um debate a partir do poema “Jacaré”. O que o 1. DO MESMO AUTOR


autor quis dizer com “Dá no pé, jacaré”?. Pergunte o que eles
acham de usar sapato de jacaré ou casaco de pele de raposa. • Entre ecos e outros trecos — São Paulo, Editora Moderna
4 5
2. Chegando ao último poema, antes de apresentar o texto Eles sabem que alguns animais estão ameaçados de extinção, 2. SOBRE O MESMO ASSUNTO
“Quadrilha”, de Carlos Drummond de Andrade, peça que le- por coisas assim? Essa é uma oportunidade de introduzir o as-
vantem hipóteses para justificar o título “Brincadeira de roda sunto com eles. • A, B, C — Tatiana Belinky, São Paulo, Editora Elementar
do Carlos”. Eles podem observar que as personagens parecem • A, B, C Doido — Angela Lago, São Paulo, Editora Melhora-
dar as mãos umas às outras; podem também levantar uma hi- 5. Retome algumas expressões populares que aparecem nos poe- mentos
pótese sobre a escolha do nome Carlos (começa com “C” de mas. Verifique se eles sabem o que significa: • Pare no P de poesia — Elza Beatriz, Belo Horizonte, Editora
Carla, que aparece no poema), embora a intenção do autor só Não ata nem desata (“Lua”); Vigília
possa ser esclarecida depois, quando lhes for apresentado o Fraca da cuca (“Violeta”); • Uma letra puxa a outra — José Paulo Paes, São Paulo, Edito-
poema de Drummond. Falar ao pé do ouvido (“Respostas”). ra Companhia das Letrinhas
Neste último, aparecem expressões como “pé de mesa” e “pé de • O batalhão de letras — Mário Quintana, São Paulo, Editora
vento”. Observem as perguntas absurdas e a partir de outras ex- Globo
Depois da leitura:
pressões levantem novas perguntas, como “O céu da boca tem • A festa das letras — Cecília Meireles e Josué de Castro, Rio
estrelas?” e “Braço de mar sabe remar?”. de Janeiro, Editora Nova Fronteira
1. Façam juntos o registro das palavras que, em cada poema, tra-
• Manual da Delicadeza de A à Z — Roseana Murray, São Pau-
zem as mesmas iniciais que as palavras do título. Sugestão: Com-
6. Observem e analisem os recursos visuais empregados nos poe- lo, Editora FTD
pletem uma tabela assim:
mas:
“Não” — as letras maiúsculas dão idéia de voz alta, gritos;
Letra Título Outras palavras iniciadas “Ovo” — a idéia de ciclo é reforçada pela imagem arredondada
pela mesma letra do título do ovo, que propicia uma leitura cíclica, ininterrupta;
“Serpente” — a disposição das linhas sugere uma serpente e o S
A A letra A Assusta final é uma serpentezinha;
B Beija-flor bate, baila, bela, beija-flor “Xereta” — o X central do poema é como o ponto central da
C Caracol carga, curiosa, carrega, caracol, campos, letra X, onde os traços se unem.
coberto, casa, carne, corpo
7. Releiam o último poema. Apresente o poema “Quadrilha” e
D comparem os dois. Peça que levantem hipóteses sobre o seu
título (como numa quadrilha, as personagens vão trocando de
2. “Era uma vez” propicia um divertido estudo das profissões. pares). Proponha que produzam agora a sua recriação desse po-
Façam um “decalque” do poema, inventando outras fadas e ema tão famoso.
mágicos com suas criações. Exemplos:
Era uma vez uma fada que vivia costurando. Pegava linha, tesou- 8. Produzindo um alfabetário
ra, panos, um dedal de vento, três picadas de alfinete e Proponha à turma produzir um livro com poemas para cada uma
...ESCATAPLAM surgia um vestido de casamento. das letras do alfabeto, como fez José De Nicola e tantos outros
Ou poetas.
Era uma vez um mágico marceneiro. Pegava pregos etc. Faça um sorteio das letras e distribua a cada aluno (ou dupla)
uma palavra começada por aquela letra, para, a partir dela, es-
3. Verifique o que entenderam do poema “Heróis”. Por que o crever um poema.
autor diz que o ser humano é um herói? Eles concordam com Depois de pronto, cada um cria a ilustração, usando as técnicas
isso? Quais são os seus favoritos? Eles reconhecem alguns retra- empregadas por Daniel Kondo.
tados no texto? E os heróis da ilustração? E quem seria a heroí-
na? Traga para ouvirem juntos a música “Os super-heróis”, do
CD Casa de Brinquedos, de Toquinho. LEIA MAIS...

4. Promova um debate a partir do poema “Jacaré”. O que o 1. DO MESMO AUTOR


autor quis dizer com “Dá no pé, jacaré”?. Pergunte o que eles
acham de usar sapato de jacaré ou casaco de pele de raposa. • Entre ecos e outros trecos — São Paulo, Editora Moderna
4 5