You are on page 1of 28

Aula extra 1

Português p/ Teste Preparatório ANPAD


Professor: Décio Terror
Julho - 2015
Leia o texto a seguir:
Todo ano, milhares de brasileiros deixam o País em busca de melhores condições de vida
no exterior. Muitos são bem-sucedidos, encontram empregos dignos e satisfatórios,
estabelecem raízes e reconstroem satisfatoriamente suas vidas. A esses, o Governo
brasileiro deseja todo êxito e segue oferecendo assistência e apoio por meio de sua rede
consular, esperando que, sem prejuízo dos nossos laços com o país de acolhimento,
mantenham os vínculos afetivos e culturais do Brasil. Outros brasileiros, no entanto, não
têm a mesma sorte. Ao invés de oportunidades, encontram dificuldades, sofrimento,
exploração e por vezes violência sob as mais diversas formas. Para esses compatriotas, o
retorno ao Brasil deve ser orientado e facilitado, de modo que possam reinserir-se na
sociedade e no mercado de trabalho, retomando suas vidas aqui com a dignidade que
merecem.
(BRASIL. Ministério das Relações Exteriores. Divisão de Assistência Consular. Guia de retorno ao
Brasil/Returning to Brazil. Brasília: MRE, 2010.)

Prof. Terror
35. De acordo com o texto,
A) o exterior oferece melhores condições de vida que o Brasil.
B) os brasileiros que se dão bem no exterior não retornam para o Brasil.
C) os brasileiros no exterior perdem vínculos afetivos e culturais com o Brasil.
D) os brasileiros que retornam dificilmente retomam suas vidas com dignidade.
E) o retorno ao Brasil deve ser facilitado àqueles que não tiveram sorte no estrangeiro.

Prof. Terror
Leia o texto a seguir para responder às questões 36 e 37.
Se nos perguntassem como nos comportaríamos em uma situação opondo uma vantagem
pessoal ao bem geral, a maioria de nós não seria capaz de admitir a opção pela vantagem
pessoal. A história mostra claramente, contudo, que a maioria das pessoas coloca os
próprios interesses à frente dos interesses alheios, seja por temperamento ou formação. O
que não faz delas pessoas ruins, apenas humanas.
Mas toda essa defesa do interesse próprio pode ser frustrante para quem tem ambições
maiores que simplesmente garantir alguma pequena vitória pessoal. Talvez você queira
aliviar a pobreza, permitir que seu governo funcione melhor ou convencer sua empresa a
poluir menos, ou simplesmente fazer com que seus filhos parem de brigar. Como vai
conseguir que todo mundo puxe na mesma direção, se cada um está basicamente puxando
na sua própria?
(LEVITT, S, D.;DUBNER, S.J. Pense como um freak. Rio de Janeiro: Record,2014,p.16)

Prof. Terror
36-Da leitura do texto depreende-se:
A) por egoísmo ou deformação de caráter, a maioria das pessoas coloca os próprios
interesses acima dos interesses alheios.
B) nem todas as pessoas são ruins; algumas abrem mão de seus interesses particulares em
beneficio de interesses alheios, outras não.
C) a defesa do interesse particular em detrimento do interesse alheio é mais difícil quando
se pretende mais que uma simples vitória pessoal.
D) aliviar a pobreza, fazer o governo funcionar melhor e seus filhos pararem de brigar são
exemplos de maiores que simplesmente garantir alguma pequena vitória
.
E) o emprego dos pronomes e evidencia que os autores estão
se dirigindo a um público em particular.

Prof. Terror
37) Assinale a alternativa em que a substituição proposta para o elemento sublinhado
altera o sentido original.
A) “ nos perguntassem como nos comportaríamos em uma situação opondo uma
vantagem pessoal ao bem geral... que opusesse.
B) ... como nos comportaríamos em uma situação opondo uma vantagem pessoal ao bem
geral... o bem geral a uma vantagem pessoal.
C) A história mostra claramente, contudo, que a maioria das pessoas coloca os próprios
interesses à frente dos interesses alheios... Não obstante, a história categoricamente
mostra que
D) O que não faz delas pessoas ruins, apenas humanas. - Isso
E) ... se cada um está basicamente puxando na sua estiver

Prof. Terror
Leia o texto a seguir para responder às questões 38 e 39.
Escrever romances não adula a vaidade, nem sequer momentaneamente. À diferença do
diretor de cinema, do pintor ou do músico, que podem observar a reação de alguns
espectadores diante de suas obras e inclusive ouvir seus aplausos, o romancista não vê
seus leitores lendo seu livro nem assiste à sua aprovação, emoção ou complacência. Se
tem a sorte de vender muitos exemplares, talvez poderá se consolar com um número,
despersonalizado e abstrato como todos os números, por mais alto que seja, e além disso
deverá saber que compartilha esse tipo de cifra e de consolo com os seguintes autores:
chefs de cozinha que divulgam sua receitas, biógrafos escandalosos de celebridades com
cabeça de vento, futurólogos que usam correntes, colares e até capas, filhas maledicentes
de atrizes, colunistas fascistas que veem o fascismo por toda parte menos em si mesmos,
tolos arrogantes que dão lições de maneiras, bem como outras figuras tão eminentes
quanto.
(MARÍAS, J. Sete razões para não escrever romances e uma para escrevê-los. Folha de São Paulo, 27 de
julho de 2014, Caderno Ilustradíssimo, p.3.)

Prof. Terror
38) Assinale a alternativa em que o adjetivo sublinhado foi empregado pelo autor com um
sentido irônico.
A) escandalosos .
B) maledicentes .
C) .
D) arrogantes .
E) figuras tão eminentes .

Prof. Terror
39) Considerando o desenvolvimento das ideias do autor, o quadro a seguir separa
algumas profissões citadas no texto em dois grupos:
GRUPO 01 GRUPO 02
Diretor de cinema Chefs de cozinha
Pintor Biógrafos
Músico Futurólogos
Colunistas

Observe as seguintes afirmações:


l- O autor sustenta que todos esses profissionais fazem sucesso.
II- O autor sustenta que todos esses profissionais são merecidamente vaidosos.
III- O grupo 01 se difere do grupo 02 para efeito de argumentação do autor.
IV- Um romancista não conseguirá se incluir no grupo 01, mas poderá se incluir no grupo
02.

Prof. Terror
São corretas:
A) Apenas as afirmativas I e III.
B) Apenas as afirmativas I e IV.
C) Apenas as afirmativas II e III.
D) Apenas as afirmativas III e IV.
E) Apenas as afirmativas I, III e IV.

Prof. Terror
Leia o texto a seguir para responder às questões 41 e 42.
Nos últimos trinta anos houve um aumento significativo da desigualdade tanto nas
sociedades desenvolvidas quanto nas regiões periféricas. Até meados dos anos 1970, é
bom lembrar, o crescimento econômico foi acompanhado do aumento dos salários reais,
da redução das diferenças entre os rendimentos do capital e do trabalho e de uma maior
igualdade dentro da escala de salários.
A crise da classe média norte-americana não é fruto da Grande Recessão, iniciada em
2007, mas um fenômeno de longo prazo. De 1973 até 2010, o rendimento de 90% das
famílias norte-americanas cresceu apenas 10% em termos reais, enquanto os ganhos dos
situados na faixa dos super-ricos a turma do 1% superior triplicaram. Pior ainda: a cada
ciclo a recuperação do emprego é mais lenta e, portanto, maior é a pressão sobre os
rendimentos dos assalariados.
(BELLUZZO, L. G. In. Thomas Piketty e o segredo dos ricos. São Paulo: Veneta,2014,p.80-81.)

Prof. Terror
41) Da leitura do texto depreende-se:
A) nas últimas décadas, a classe média mais prejudicada foi a norte-americana.
B) a crise da classe média norte-americana vai perdurar por um longo período.
C) a classe média norte-americana não foi atingida pela Grande Recessão, iniciada em
2007.
D) a ideia central do texto é o aumento da desigualdade social em consequência do
desnível expressivo entre os rendimentos do trabalho e a remuneração do capital.
E) até meados dos anos 1970, houve crescimento econômico graças a três fatores:
aumento dos salários, redução das diferenças entre a remuneração do capital e a do
trabalho e menor desigualdade na escala de salários.

Prof. Terror
42) Assinale a alternativa em que a inversão proposta altera o sentido original.
A) ... houve um aumento significativo da desigualdade... houve um significativo
aumento da desigualdade
B) ... o crescimento econômico foi acompanhado do aumento dos salários reais... o
crescimento econômico foi acompanhado do aumento real dos salários
C) ... uma maior igualdade dentro da escala de salários... - uma igualdade maior dentro
da escala de salários
D) P ainda: a cada ciclo a recuperação do emprego é mais lenta... Ainda pior: a cada
ciclo a recuperação do emprego é mais lenta
E) ... maior é a pressão sobre os rendimentos dos assalariados. é a maior pressão sobre
os rendimentos dos assalariados.

Prof. Terror
43) Leia o texto a seguir:
Um jornal gaúcho informa: O governo quer concluir, até o final desta semana, o edital para
contratação da empresa de consultoria que indicará o melhor modelo de pedágios para o
Estado.
Reescrevendo-se o trecho acima com o intuito de reposicionar o sintagma o final desta
a única alternativa que compromete o significado original é:
A) Até o final desta semana, o governo quer concluir o edital para contratação da empresa de
consultoria que indicará o melhor modelo de pedágios para o Estado.
B) O governo quer concluir o edital para contratação da empresa de consultoria que indicará,
até o final desta semana, o melhor modelo de pedágios para o Estado.
C) O governo, até o final desta semana, quer concluir o edital para contratação da empresa de
consultoria que indicará o melhor modelo de pedágios para o Estado.
D) O governo que, até o final desta semana, concluir o edital para contratação da empresa de
consultoria que indicará o melhor modelo de pedágios para o Estado.
E) O governo quer concluir o edital, até o final desta semana, para contratação da empresa de
consultoria que indicará o melhor modelo de pedágios para o Estado.
Leia o texto a seguir para responder às questões 44 a 47.
Petrópolis Chuva ajuda a acabar com incêndio na Serra
A chuva forte registrada na região serrana durante a madrugada de segunda-feira ajudou
pôr fim ao incêndio que atingia o local nos últimos dias, segundo o comandante do Corpo
de Bombeiros da região, coronel Roberto Robadey. Graças a esse auxílio, a corporação e o
Instituto Chico Mendes de Conservação de Biodiversidade (ICM Bio) consideraram extinto o
incêndio.
Os primeiros focos foram registrados no dia 7, devido à seca. O coronel explicou que a
cobertura vegetal das encostas foi destruída, aumentando os riscos de deslizamentos em
caso de chuva prolongada.
De acordo com o governo do Estado, mais de 2,6 mil hectares de floresta foram destruídos
no episódio no Parque Nacional de Araras e no Parque Nacional da Serra dos Órgãos.
Cerca de 600 bombeiros participaram da operação.
(Jornal do Commercio: 21/10/2014,p. A-7)

Prof. Terror
44) O trecho o comandante do Corpo de Bombeiros da pode gerar
ambiguidade na leitura porque seria possível entender que
A) sua afirmação era sobre a duração das chuvas
B) a chuva intermitente ajudara a pôr fim ao incêndio.
c) o incêndio atingira um local onde não houve chuva.
D) a chuva atingiu um local onde não houvera incêndio.
E) a região serrana só era alvo das chuvas durante a madrugada.

Prof. Terror
45) A corporação e o ICMBio consideraram extinto o incêndio.
A) em decorrência do auxílio das chuvas.
B) em detrimento da intensidade das chuvas.
C) em adiantamento da interferência da natureza.
D) em função da medição pluviométrica adotada.
E) em consequência da operação conjunta de seus agentes.

Prof. Terror
46) Ao escrever que de 2,6 mil hectares de floresta foram destruídos no episódio no
Parque Nacional de Araras e no Parque Nacional da Serra dos Ó o jornalista
empregou a palavra
A) de modo irônico, comparando o ocorrido com cenas de filmes ou seriados.
B) de maneira enfática, atribuindo mais dramaticidade aos acontecimentos contidos na
notícia.
C) em aspecto metafórico, deixando subentendida a ideia de que novos incêndios ainda
ocorrerão.
D) com o sentido de acontecimento, fato, evento, a fim de evitar a repetição da palavra
.
E) com o valor denotativo, sem se referir especificamente ao incêndio, mas incluindo-o em
seu escopo.

Prof. Terror
47) Observe a seguinte frase no texto: O coronel explicou que a cobertura vegetal das
encostas foi destruída, aumentando os riscos de deslizamentos em caso de chuva
prolongada.
Dessa afirmação, pode-se concluir que os deslizamentos das encostas costumam ocorrer
nas seguintes circunstâncias:
I - haver chuvas prolongadas
II - haver seca seguida de incêndios.
III - haver riscos de destruição.
IV - não haver cobertura vegetal.
V - não haver uma corporação de prevenção.

Prof. Terror
A interpretação correta da frase do texto está presente na combinação das circunstâncias
A) I e II
B) I e IV
C) II e III
D) III e V
E) IV e V

Prof. Terror
Leia o texto a seguir para responder às questões de 48 a 51.
Uma prova de português pediu aos candidatos que explicassem o paradoxo contido em um
texto de Rubem Braga. Na anedota contada pelo autor, o riso do leitor é provocado pela
aparente contradição enunciada por um garçom lusitano que, ao ouvir a conversa de dois
brasileiros num restaurante lisboeta, lhes indaga: Q raio de língua é essa que estão aí a
falar, que eu percebo .
Ora, o paradoxo é uma figura de pensamento que consiste em afirmar algo que, apesar de
parecer contraditório, é verdadeiro. O garçom de Rubem Braga, ao perguntar raio de
era aquela, revelou estar diante de um idioma desconhecido, mas, ao dizer que
percebia tudo, demonstrou reconhecê-lo. (...)

Prof. Terror
Absurdo? Apenas aparentemente, pois, embora seja uma só língua, o português manifesta-
se de modo diverso no Brasil e em Portugal. As diferenças entre os falares são patentes -
estão na pronúncia, na escolha vocabular, na sintaxe, etc. Daí a estranheza e a familiaridade
sentidas simultaneamente pelo garçom. Camões, no conhecido soneto que tenta definir o
amor, enreda-se em uma sequência de paradoxos: A é fogo que arde sem se ver/ É
ferida que dói e não se sente/ É um contentamento descontente/ É dor que desatina sem
. E, ao final, conclui perguntando: M como causar pode seu favor/ Nos corações
humanos amizade/ Se tão contrário a si é o mesmo A .
A resposta cabe a quem já se tiver emaranhado nas lides amorosas...
(CAMARGO, T. N. Folha de São Paulo: 05/06/2003, Caderno FOVEST, p.5 adaptado)

Prof. Terror
48) Assinale a alternativa que apresenta o único comentário incorreto sobre o texto:
A) Os versos de Camões citados pela autora se constroem a partir de uma sucessão de
paradoxos.
B) O texto afirma que o paradoxo é um absurdo apenas aparente, pois sempre pode ser
explicado.
C) O paradoxo é uma figura de pensamento porque só é entendido depois de prolongada
reflexão.
D) A autora propõe que os leitores experientes respondam à pergunta contida no poema
de Camões.
E) A pergunta do garçom aos dois fregueses revela sua pouca familiaridade com a fala de
brasileiros.

Prof. Terror
49) Na situação narrada por Rubem Braga, o paradoxo está no fato
A) de haver muitas diferenças entre a maneira brasileira e maneira portuguesa de usar a
língua.
B) de a língua falada pelos brasileiros ser, a um só tempo, conhecida e desconhecida do
garçom.
C) de o garçom não querer admitir que os brasileiros falam a língua portuguesa de modo
peculiar.
D) de os brasileiros gostarem de provocar os portugueses com um vocabulário carregado de
gírias.
E) de os portugueses não aceitarem que os brasileiros falem a língua portuguesa de um
jeito próprio.

Prof. Terror
50) Ao recorrer ao paradoxo, o redator de um texto, seja literário, seja informativo, se vale
de um argumento muito importante na construção de uma mensagem. Assinale a única
alternativa em que não ocorre um paradoxo.
A) F em tudo./ Como não fiz propósito nenhum, talvez tudo fosse (Fernando
Pessoa)
B) E sou um moço velho/ Que já viveu muito/ Que já sofreu tudo/ E já morreu
(Sílvio César)
C) T o seu sorriso do caminho/ Que eu quero passar com a minha (Nélson
Cavaquinho e Guilherme de Brito)
D) A explosiva descoberta/ Ainda me atordoa/ estou cego e vejo./ arranco os olhos e
Carlos Drummond de Andrada)
E) E possa me dizer do amor que tive:/ Que não seja imortal, posto que é chama/ Mas
que seja infinito enquanto (Vinícius de Moraes)

Prof. Terror
51) O chefe de redação do jornal propôs à autora que reescrevesse a frase inicial do texto.
Frase original: U prova de português pediu aos candidatos que explicassem o paradoxo
contido em um texto de Rubem B
Frase reescrita: U prova de português pediu que os candidatos explicassem o paradoxo
contido em um texto de Rubem B
A autora não aceitou a mudança proposta, alegando acertadamente que a nova maneira de
escrever a frase
A) invertia a hierarquia das informações contidas no trecho original.
B) destacava a figura dos candidatos mais do que a explicação do paradoxo.
C) continha as mesmas informações da original, embora usasse estrutura diferente.
D) era antagônica, pois os candidatos passavam de agentes a pacientes da ação verbal.
E) mostrava uma variante do significado do verbo e comprometia o significado original.

Prof. Terror
Gabarito
35 E 36 C 37 E 38 E 39 D
40 A 41 D 42 E 43 B 44 A
45 A 46 D 47 B 48 C 49 B
50 C 51 C